Archive for the ‘Photons’ Category

Biophotons: Pesquisa

Thursday, October 24th, 2019

xxxx

Fritz-Albert Popp (Wikipedia)

Prof. Popp rediscovered and made the first extensive physical analysis of “Biophotons“. xxxx The International Institute of Life Energy (IILE) https://www.life-energy.institute/default.html The International Institute of Life Energy (IILE) is an organization that stands for holistic and sustainable research and strategies for a vital environment. To reach this goal, the IILE organizes promising and innovative, interdisciplinary research both in fundamental and applied fields of biology, medicine, agriculture, ecology and energetics. xxxxx Livro para comprar/ler ( nao tem em e-book. paper custa U$ 75,00 https://www.amazon.com/Light-shaping-life-Biophotons-medicine/dp/9081884328/ Photobiology – e-book usado, 3,50, comprar: https://www.amazon.com/gp/offer-listing/1402008422 Return to product information

 

VER LINKS LISTADOS NA ULTIMA LIMPEZA DO COMPUTADOR SOBRE BIOPHOTONS

A Falácia do erro na transcrição genética que causaria mutações ao acaso

Thursday, October 24th, 2019

xxxxx

A teoria acadêmica da evolução acredita que as mutações genéticas ocorrem por erros nas sucessivas copias do código genético, assim como quando a gente escreve, digita num teclado ou lê um livro, quando chega no fim de uma frase ou parágrafo, a gente sente que a coisa não faz sentido, e então volta a reler e percebe que leu uma palavra errada, ou nossa definição antiga da palavra não é a mesma do dicionario. Ou então na tela aparece uma palavra sublinhada pelo computador mostrando que aquela palavra não existe, tem um erro nela.

Nos cometemos erros, e por isso, devido ao incorrigível ato de antropomorfizar projetando o contexto humano em tudo que desconhecemos para elaborar nossas teorias do que não conhecemos, acabamos auto-projetando a deficiência humana em cometer erros sobre a Natureza, crendo que Ela também comete erros.

Mas estes acadêmicos nunca pararam para raciocinar no que estão acreditando. Se tivessem raciocinado sobre o que estão dizendo parariam com isso imediatamente. Iriam perceber que não faz o menor sentido logico em dizer que a Natureza erra.

O que é “erro”? Como o dicionario define essa palavra? Como os acadêmicos falam inglês, vamos ver isso no inglês:

– Error | Definition of Error by Merriam-Webster

Oct 10, 2019 – error, mistake, and blunder mean an act or statement that is not right or true or proper. error is used for failure to follow a model correctly. There was an error in the addition. mistake is used when someone misunderstands something or does not intend to do wrong.

– the state or condition of being wrong in conduct or judgment.

Wikipedia: Error

– os mesmos acadêmicos dizem que no DNA existe um mecanismo de auto-correção. Então penso num ciclone começando nas Bermudas como um erro da Natureza. Aconteça o que acontecer, o ciclone vai desaparecer e o ambiente vai voltar ao normal que era antes. Esse ambiente então é o agente da correção, e isto nos lembra a seleção natural, pois ela funciona mais ou menos assim. Assim a natureza tem o mecanismo de auto-correção de erros. transpondo isso para o DNA temo que dizer que o ambiente normal, ou seja, o código que vem sendo transmitido exato de copia em copia, acaba por corrigir um erro de transcrição.

Se for assim nunca deveria haver mutação, ou melhor, toda mutação desapareceria nas copias seguintes. mas temos que notar que num ciclone pode haver mudança no ambiente que vai ficar existindo depois que o ciclone desapareceu. E o velho ambiente as vezes pode não corrigir isso, ou, melhor, ele sempre tem a tendencia a corrigir, mas tem novas diferenças pequenas que não o afeta, ou ele não alcança, então estas persistem e todas as novas copias vão copiar a nova diferença. Mas porque acontecem os ciclones? Por erros no funcionamento da Natureza ou por efeitos inevitáveis de forças naturais? As quais não estavam no local onde principiou o evento, nunca estiveram, vieram de outros locais de um ambiente maior?

Então foi uma anormalidade para um observador observando do local e não para um observador observando o ambiente maior. Mas como o ambiente maior aceita aquela mudança em si mesmo, se ele tende a manter sua normalidade? A resposta deve ser que o ambiente maior não é de maneira alguma afetado pela mudança que afeta e muda o ambiente menor, e isto lembra a hierarquia dos sistemas naturais.

(Daqui para a frente falta corrigir os erros de ortografia do teclado)

Sera possivel isso acontecer na realidade? Sim, deve acontecer senao nao haveria evolucao ou degradacao de sistemas, e isto ocorre com todos, os menores e os maiores. A nao ser que exista um sistema maior, fora da hierarquia dos sistemas feitos com especieifos e limitados ingredientes, que contenha ingredientes diferentes nao contidos nos sistemas abaixo dele. Se existir, este sistema fora e acima teria que funcionar como um objetivo deterministico em relacao a todos os seus sub-sistemas. estes ingredientes diferentes seriam as forssas vindas de fora das Bermudas que causa um ciclone. Por exemplo, o calor produzido pelo homem num continente. mas notamos que emtodas estas possibilidades uma coisa fica patente, clara, inegavel: nao e trata de erro na natureza e sim simples movimentos das forssas naturais. Existem tres alternativas fundamentais dos erros:

1) existe erro quando existe um processo sob um desenho de uma meta final, e durante o processo algo imprevisto acontece de maneira que o design final nao fe obtido. Mas isto implica na existencia de um previo design, sempre ;

2) existe erro num processo que tem um desenho final, mas como o desenho final fe um projeto, entao ele existia antes de iniciar o processo, e ele dirige o processo, entao ele corrige o erro no processo antes de chegar ao desenho final. E isto tambem implica na existencia de um previo design, sempre;

3) nao existe erro se nao houver uma meta final, nao tem como comparar o desenho resultante de todo o processo natural com outro deenho que nao existe para se dizer que houve erro. E isto, diferente das duas premissas anteriores, implica que nao existe um previo design, sempre;

Conclusao logica: so existe erro quando existe previo design.

Nos nao podemos saber se a Natureza existe sob um projeto de um desenho final ou nao. Os academicos materialistas acreditam que nao haja tal determinismo de desdenho final, mas essa crenca nao tem base realista, cientifica. Nos nao podemos saber se tem ou nao uma meta final na existencia da Natureza, ou mesmo se a natureza fe ou nao um processo, que existe para produzir um resultado final. Mas nos vimos nas tres caracteristicas de erros que para se inferir se existe  erro na natureza, ela tem que ter um previo design. Como ninguem nunca mostrou um previo design na Natureza, nunca ninguem pode ter constatado erro algum. Erro em relacao a que? Alguem pode achar que um evento natural foi um erro, mas todos os achismos de erros naturais sao apenas imaginarios. Nao existem erros, de maneira alguma. Entao como fica isso em relacao ao DNA e suas mutacoes? nao existe erros, temos entao que procurar outra explicacao para as mutacoes. E como vimos acima, o que parece erro de transcricao deve ser acao de forssa de um sistema hierarquicamente superior, entrando com novos ingredientes que nao existiram nas copias anteriores. isto significa que o observador local assistindo o evento nao conhece e nao pode ver o ambiente maior, o qual sera visto e enetendido por um observador maior. Nos vemos o DNA atraves de lentes multiplicando o super microscopico, nos somos o persoangem na ponta do microscopio localizado no local do DNA, dentro do DNA, assistindo seus eventos. para ver o causador dos eventos que fogem ao normal das copias, nos precisamos de outros instrumentos que possam enxergar as coisas existentes no ambiente circundando o DNA. Quando enxergar-mos estas forssas naturais nao tera sentido dizer que existe erro na trancricao genetica que permanece no tronco da arvore da evolucao. Ou uma copia desigual sera descartada pelo desenho final, ou ela estava programada no desenho final, porque em relacao ao DNA, aqui sim, nos temos certeza absoluta que existe um desenho final, que existia desde antes do evento da copia. Nao tem a possibilidade numero 3. Nos sabemos que a possibilidade numero 2 fe possivel, ocorre um erro que fe auto-corrigido mais a frente. Mas…

espera ai… a possibilidade numero 1 tambem existe para o DNA, e isso corere de fato, muitas vezes um embriao nasce com defeitos ou com melhorias nunca ocorridas antes. mas quando nasce com defeitos, nao se adapta tao bem e sera sdescartado na evolucao. Quando nasce com melhorias, em relacao ao previo design, ele sera incluido no tronco da arvore da evolucao.

Entao existe uma diferenca entre o macrocosmo e o microcosmo? Quais foram as forssas naturais que atuaram no momento da copia e produziu a mutacao para melhor? Quais as forssas que vieram de fora das Bermudas e produziram o ciclone? nas Bermudas as forssas vem de um previo design, o qual fe o sistema superior ambiental envolvendo e contendo as bermudas. Mas esse sistema superior foi formado pelo mesmo previo design que ele fe? Ou ele se tornou o design que e porque era uma massa informe e foi sendo modelada para se encaixar e adaptar em outro design ainda mais superior?

Nos nao podemos saber a resposta no caso do evento do ciclone e das Bermudas porque nao conhecemos e nao podemos ver o Cosmos inteiro, e assim nao sabemos se o cosmos inteiro fe um design ou nao. Mas o DNA nos sabemos que a mutacao ocorre num ambiente que tem acima de si um design – que fe a especie humana. mas quando vamos ver de onde veio a especie humana, que fe a forssa natural atuando na copia, chegamos – teoricamente – a um ponto sem design algum – que foi a teoria das origem da vida por acaso vinda do mundo nao-vivo. Epa! Aqui chegamos a uma conclusao definitiva!

se nao havia design nenhum, nao existem erros. o que vemos acontecer como mutacoes que nos parecem erros, o sao apenas em relacao ao DNA imediato, que tem um previo design com o qual podemos comparar o redsultado produzido na copia.  mas nao poddemos dizer isso porque o verdadeiro DNA tem 4 bilhoes de anos e – pela teoria dos academicos materialistas – esse DNA verdadeiro nao tem nenhum previo design. se nao tem previo design nao acontece erros. esta cientificamente incorreto, de acordo com as teorias cientificas aceitas – dizer que ha erro na trancricao genetica.

mas de acordo com nossa teoria da matrix/DNA, o DNA verdadeiro foi produzido por um previo design – que veio da especie ancestral, das galaxias. Se for assim, ou o evento anormal numa copia sera descartada pela forssa das galaxias, ou essa anormalidade se tornara uma nova forssa natural que vai resultar num final diferente do previsto pelas galaxias, vai sair fora da historia das galaxias e constituir uma outra seua propria historia. Mas… mesmo assim nao podemos saber se esta nova historia sera uma imprevisibilifdade a um sistema ainda maior que as galaxias, ou se ela foi produzida pelo design desta potencia maior. E se nao podemos saber, cientificamente nao esta certo afirmar que existe erro natural.

CyberneticsEdit

The word cybernetics stems from the Greek Κυβερνήτης (kybernētēs, steersman, governor, pilot, or rudder — the same root as government). In applying corrections to the trajectory or course being steered cybernetics can be seen as the most general approach to error and its correction for the achievement of any goal. The term was suggested by Norbert Wiener to describe a new science of control and information in the animal and the machine. Wiener’s early work was on noise.

The cybernetician Gordon Pask held that the error that drives a servomechanism can be seen as a difference between a pair of analogous concepts in a servomechanism: the current state and the goal state. Later he suggested error can also be seen as an innovation or a contradiction depending on the context and perspective of interacting (observer) participants. The founder of management cybernetics,Stafford Beer, applied these ideas most notably in his viable system model.

 

 

Michelson–Morley Experiment: Luz, Eter Luminifero, ou outra substância do espaço

Saturday, October 19th, 2019

xxxxx

Eu cai neste assunto quando estava numa discussão e alguém fez um argumento citando este experimento. Logo pensei que o experimento tratava de “substancia espacial” a qual é motivo que afeta minha teoria, então precisava ver isso. Mas depois de tanta pesquisa me lembrei que não, a substancia espacial em nada afeta a matéria, ela é apenas uma especie de conceito abstrato necessário como meio da luz produzir matéria, massa e energia. Uma fabrica humana se apoia no solo terrestre e tira do solo terrestre matéria-prima para se construir como fabrica, mas o solo terrestre, enquanto estático, não produz nenhum movimento que afete a fabrica. Tudo e todos envolvidos na existência da fabrica nem mesmo nota o solo que esta embaixo deles. Então para que me preocupar e debater  a substancia espacial, quer lhe deem o nome de eter, ou outro, como dark matter, ou como o “new aether” de Einstein ?

E minha conclusão se encaixa na conclusão final do longo artigo no Wikipedia sobre eter luminífero, que é o seguinte:

” The only similarity of this relativistic aether concept with the classical aether models lies in the presence of physical properties in space, which can be identified through geodesics. As historians such as John Stachel argue, Einstein’s views on the “new aether” are not in conflict with his abandonment of the aether in 1905. As Einstein himself pointed out, no “substance” and no state of motion can be attributed to that new aether. Einstein’s use of the word “aether” found little support in the scientific community, and played no role in the continuing development of modern physics”

Mas valeu a pesquisa e os registros aqui porque muita informação nova e velha foram recapituladas, e alem disso, nessas analises abaixo desenvolvi interessantes insights, como a da relação entre a velocidade dada por um motorista ao carro e a velocidade ordenada por lei pela sociedade.

Khan Academy – My Account ( preciso assistir aulas para obter 5.000 pontos para poder postar questoes):

https://www.khanacademy.org/profile/kaid_509150817467256209029728/courses

Michelson–Morley Experiment Introduction (good video) 

Simple idea behind the Michelson‒Morley experiment to detect ether wind.

https://www.khanacademy.org/science/physics/special-relativity/michelson-and-morleys-luminiferous-ether-experiment/v/michelson-morley-experiment-introduction

Observar que mais informações se obtém na Wikipedia:

https://en.wikipedia.org/wiki/Michelson%E2%80%93Morley_experiment#Subsequent_experiments

Ok… no seculo 19 se pensava que existe um éter luminífero. mas os físicos trouxeram a ideia de que tanto a luz como galaxias se movem com uma velocidade  causada pelo eter, então o eter deve se mover como um vento. Entao Michelson e Morley pensaram num experimento para ver se existe o vento do eter. Refletiram um raio de luz em espelhos e tal, e observaram que quando o raio se divide em dois, e uma metade segue direto em frente e a outra metade reflete subindo, no final as duas tem o mesmo padrão de velocidade. Então, concluiram não existe o vento do eter, pois em qualquer direção que a luz se dirige, não é afetada por nenhuma substancia do espaço.

Isto vai contra minha intuição que entrou como parte da minha teoria. Por isto não gosto da teoria e devo procurar algum erro no experimento. Se não encontrar erro, vou ter que rever minha intuição e os pontos onde isso entra na minha teoria.

Para começar tenho questões. De onde os físicos tiraram a ideia que o eter se move ou é movido e aponto de produzir um vento? Na minha intuição existe uma substancia do espaço (que mais chamaria de matéria escura ou não-matéria, que eter) mas esta substancia é inerte, imóvel, ao menos dentro deste universo. O que se move, o responsável por todos os movimentos neste mundo, é onda de luz, principalmente a original emitida pelo Big Bang. A dark matter , ou eter, se for luminífero seria devido a luz no meio dela. Mas como é uma onda de luz de primeira geração (não como a luz das estrelas e outros, que são de segunda ou mais gerações) ela é demasiado forte para nossa visão, ela nos cega, e assim não vemos a matéria iluminada como pano de fundo deste universo.

A luz original se move devido a sua anatomia, ao que ela é feita. na sua anatomia já esta programada um movimento de expansão, de crescimento, e depois retração na forma de luz escura, energia negativa, etc. Na sua anatomia esta inscrito o processo do ciclo vital, o mesmo que faz uma bolinha chamada blástula se expandir e crescer no espaço e no tempo tornando-se um adulto corpo humano, e depois degenerando.

Então não existe vento do eter ou no eter. E como os corpos como o planeta, o sistema solar, a galaxia se move em orbitas? Isto é devido todos estes corpos serem partes de sistemas, e todos estes sistemas serem partes de um sistema maior que é a própria onda de luz. O movimento da onda de luz, quando impregna uma porcão do eter, deixa ali uma parte de si, constrói ali um sistema, o qual vai ser internamente movente, ou seja, todos seus objetos/partes se movem, e como este sistema faz parte de um sistema maior, o sistema se move movido pelo sistema maior.

Então a velocidade da luz e dos objetos nada tem a ver com uma outra velocidade que não existe, que seria a velocidade do vento do eter. Por isso, esse resultado neste experimento.

Analogia das velocidades dos  corpos no espaço sideral com a velocidades dos automóveis. 

A velocidade dos corpos no espaço pode ser entendida por uma analogia com corpos humanos. A sociedade, o coletivo dos humanos formam um sistema, o social. este sistema tem leis do transito que impõe padrões de velocidades aos motoristas, para menor velocidade do que o motorista desejaria, ou para maior, como em ruas residenciais. Então o motorista dirige numa velocidade, um padrão para todos os carros. Podemos dizer que é o sistema maior que o corpo, que determina a velocidade do corpo. Mas de nada adiantaria essa determinação se o motorista estiver morto. O motorista também tem em si a propriedade da velocidade, do movimento autônomo, sem ela não existe movimento. A mesma coisa acontece com os objetos no espaço sideral. Existe sempre um sistema ao qual o corpo pertence, o corpo sempre esta no território de um sistema, e este sistema esta dentro do território de outro sistema maior, etc. Então os corpos no espaço se movem também porque tem a força para se moverem em si. E isto porque em todo corpo tem fótons de luz dentro dos elétrons dentro dos átomos.

Tenho motivos para crer que a sociedade humana caminha para adquiri uma anatomia interna que é semelhante a anatomia interna do corpo humano, porque aquela é uma auto-projeção desta. Por exemplo, no corpo tem um órgão com a função de fazer a limpeza das impurezas. Esta função sistêmica é projetada quando a humanidade constitui um sistema social na forma da função da policia. Na verdade o que esta se auto-projetando e modelando o sistema social é a formula da Matrix/DNA, que é a formula que construiu o corpo humano e seu DNA.

Pois os sistemas celestes como estelares, galácticos foram feitos pela mesma formula. Então ela tem que estar nos corpos celestes, como o DNA esta nos corpos humanos. E ela esta na forma dos seus bits/informação, os fótons. Em outra parte da teoria, descrevo como a friccao da propagação da luz no meio da substancia espacial cria a energia. Uma das maneiras de nominar a energia é eletricidade. esta é composta por elétrons. E como disse acima, os elétrons contem fótons. Na verdade energia, eletricidade, são fótons, que são luz.

Como a luz tem si programada que deve se mover, expandindo-se, os seus fótons também tem este programa, são auto-moventes, e com isso empurram o corpo onde estão. Mas aqui vai entrar campos magnéticos, atracão e repulsão entre corpos, gravitação, tudo derivado da luz no espaço total como sistema maior e dela dentro dos corpos. etc.

Mas existe outro detalhe. A formula dos sistemas naturais.

Esta mostra que o circuito sistêmico contendo o fluxo de informações/energia do sistema é dividido em duas metades quando chega em F4. Uma metade continua direto desenhando a esfera, outra metade cai na direção do núcleo do sistema. Ou seja, as mesmas direções produzidas pelo espelho no experimento. Acontece que a velocidade do fluxo fe sempre a mesma, esteja ele inteiro, ou dividido em duas metades, ou descendo ou subindo. E esta, como todas as demais propriedades dos sistemas vem das propriedades da onda de luz. Isto significa que também a onda de luz tem uma só velocidade, e sempre, a não ser que adentre um espaço com matéria mais ou menos densa. No experimento, depois da divisão das duas metades, elas continuaram no mesmo espaço, com a mesma substancia, portanto tem que ser igual.

Eu não captei como e onde este experimento prova que não exista uma substancia espacial, deem a ela o nome que quiserem.

E isto me induz a entrar na discussão da Khan, porem preciso antes dos 5.000 pontos.

xxxx

Bem… no precisei ir muito longe para saber que não sou apenas eu que tem argumentos contra a interpretação dos físicos sobre o experimento. Bastou dar uma olhada nos comentários abaixo do vídeo da Khan e encontrar que muita gente não concorda e gente pesada dentro da própria física, como Paul Dirac e… Einstein:

2 years ago
Great question Jim/Jennie… the MM experiment showed that the speed of light is constant in all directions. Einstein then showed it is constant from all reference frames (I.e. it is governed by some sort of universal speed limit). Paul Dirac in 1951 showed that MM did not rule out the presence of an Ether when he took into account the Uncertainty Principle (you can’t know velocity and position for relativistic particles like light). Many people have kept up with the idea that MM means no ether but even Einstein never thought that and encouraged his mentoree David Bohm (who wrote one of the definitive textbooks on Quantum Mechanics) to further develop De Broglie’s Pilot Wave Theory (which of course requires a medium or an Ether).
Mas tem os que defendem a conclusão no experimento, como o post abaixo:
3 years ago
They look at the interference pattern that comes from recombining the light beams. They tune the lengths until they get a pattern that indicates the lengths are the same (or different by an integer number of wavelengths). Once it is set up, they are looking for CHANGES that occur as the earth moves. If the direction of the ether “wind” is changing, the interference pattern will change.
The pattern didn’t ever change, so they had to abandon the idea of the ether
Mas eu ainda acho que isto apenas desaprova existência do vento, e não do éter.
xxxxxxxxxxxxxxx

 

Fazendo matéria com a luz? Importantes novas informações sobre luz e fótons aqui

Friday, July 12th, 2019

xxxxxx

https://phys.org/news/2019-07-scientists-combine-particles-behaviors.html

Scientists combine light and matter to make particles with new behaviors

light

Credit: Petr Kratochvil/public domain

“… shaking electrons with lasers to create “doppelganger” features at new energies—a breakthrough that lets scientists create hybrid particles which are part-atom and part-, with a wide variety of new behaviors.”

Como pode uma particula ser parte-atomo?! E pior: parte-atomo e parte-luz, ao mesmo tempo?!

” One step along the way to making matter out of light is to make individual packets of light, called photons, interact with each other like matter does. (Normally photons zip along at the speed of light and don’t react to each other at all.)”

“Floquet polaritons”—quasi-particles which are part-light and part-atom, and unlike regular photons, interact with each other quite strongly. These interactions are essential for making matter from light.