Archive for the ‘Philosophy’ Category

Proton: Astonishing Image

Thursday, September 19th, 2019

xxxxx

colorful balls in the middle of black background

A proton is made of a swarm of quarks and gluons, as imagined in this illustration. ILLUSTRATION: CERN

 

Mais uma nova descoberta sobre este mundo que deve obrigar os filósofos de plantão a repensar tudo o que acreditam e imaginavam conhecer. Uma mudança no conhecimento do mais intimo da matéria tem que corresponder a uma mudança na inteligência e na mais cósmica das consciências. Como fica agora o novo mundo com este novo próton?!

Por isso é bom estar sempre procurando o que a humanidade vai descobrindo e se desenvolvendo em todos seus aspectos. Principalmente no que se refere ao conhecimento da Natureza, deste mundo, do qual dependemos mortalmente. Sempre fizemos uma ideia errada de como seria a imagem do núcleo de um átomo – este elemento que é mortalmente importante em nossa existência, pois cada ser humano é dono de trilhões, quatrilhões deles: tanto os trilhões que constituem seu corpo como os que constituem seus objetos e propriedades, e o mundo em geral.

Nossa imaginação imaginava um núcleo formado de bolinhas brilhantes amarelas como o Sol, que seriam os prótons, misturadas com igual quantidade de bolinhas escuras, que seriam os nêutrons. E emanando delas, do núcleo, uma serie de ondas em camadas magnéticas, pelas quais orbitariam os elétrons. E eu ficava surpreso quando estas pessoas céticas pregavam com imposição que ” que nada, nosso corpo não tem campo magnético, não tem essas coisas de energia aparecendo nas fotos, isso tudo é misticismo!”. Mas como não se num átomo 95% é campo magnético, e somos constituídos de átomos…, o certo é dizer que somos mais magnetismo que carne e osso…”

Mas de fato não conseguimos imaginar a realidade mais profunda das coisas, então para não complicar nossas vidas e não fundir nossa cuca, vamos embalar com o povo na ideia da carne com osso. “Não pode! Você tem que entender que se você enfia uma agulha cujos átomos tem a vibração P no seu corpo onde os átomos tem a vibração X, vai haver tempestades do choque entre diferentes vibrações, então não enfie agulha no seu corpo…” – ” Ora, fica mais fácil dizer que se enfiar agulha na carne vai doer”. ” mas assim você não entende o que é dor, um conflito de vibrações com ressonância nos átomos dos sensores no seu cérebro que…” – ” Louis, por favor, cale a boca, pare de complicar…” – “” Mas é por causa desta atitude que os humanos ainda sentem dores. Uma questão de vibrações a nível profundo da matéria é tratada por médicos que lidam com carne e osso quando devia ser tratada por físicos quânticos…” – “Cale a boca Louis!”

Agora de repente uma imagem que me ocupou a mente por toda a vida e que me desviava do maior conhecimento da Natureza foi derrubada em um flash do olhar, menos de um segundo! O próton continua sendo como uma bolinha, mas que complexidade! nada do sol luminoso amarelo, parece mais como um montículo feito de muitos ingredientes, sementes, como ervilhas, feijão, semente de girassol, lentilhas, grãos de arroz, milho… tudo misturado, e tudo cozido, porque esta tudo colado entre si! São como um armazém de sementes de todas as agriculturas… agora dá para entender porque os átomos formaram tantas coisas, tantos objetos, tantas especies de vida diferentes… eles tinham as sementes, as informações para tudo isso! E… epa… sim… vou comemorar, porque eu cantei essa bola a 30 anos atrás, apesar de não ter a ideia exata do que isso significava. Previ isso mas não por intuição ou inteligência e sim porque meus cálculos apontavam essa solução. O que mais é a fórmula da Matrix/DNA que estou defendendo que deve existir na Natureza com informações para tudo, senão a criadora de sistemas complexos assim, com as informações para tudo neste Universo? Ganhei mais uma, você tem que pagar a próxima cerveja… taí a imagem como mais evidências para minha teoria…

Na minha teoria, existe uma formula universal que  contem todas as informações para construir e de fato construiu todos as formas de sistemas naturais, de átomos a galaxias a corpos humanos, cujas formas são apenas variações de um único sistema surgido no Big Bang inicialmente na forma de uma onda de luz natural que se propaga no tempo/espaço ao desenvolver uma anatomia própria pela força do ciclo vital e de cuja anatomia emergem todas as informações.. ou seja, uma especie de genoma. Como o átomo foi uma das primeiras formas do sistema criado por essa formula/genoma, a onda de luz impregnou-o com as informações que estavam registradas nela. Como essas informações tornam a onda de luz algo muito complexo, que o próton tenha nascido com essa complexidade estava automaticamente previsto na teoria. Se fosse uma simples bola de luz homogênea, o próton não se encaixava nos meus cálculos da macro-evolução universal.

E você deve comemorar também porque esse átomo ai muito mais complexo e rico em detalhes e informações vale muito mais que o átomo antigo, e como você é dono de uns quatrilhões deles, seu corpo aumentou de valor… Quando você publicar aqueles anúncios que esta vendendo dois quilos de gordura da sua barriga, não se esqueça de corrigir o valor…

Naturalism and Indispensability: Indispensavel pesquisa a fazer. Quine, o fundador.

Tuesday, September 17th, 2019

xxxxx

Em outra pesquisa no link abaixo, me deparo com o seguinte texto, que suscita uma pesquisa produnda. Quine, foi correto ao criticar o metodo filosofico puramente racionalista da epoca dizemdo que deveria de ser essa coisa virtual para ser mais natural, e que a melhor teoria filosofica deve aser a melhor teoria cientifica. Mas ele errou nisso por nao poerceber que as ciencias humanas se desencaminham da rota naturalista e sua logica – como agora quando a Fisica domina impondo as leis do esqueleto osseo sobre as leis da carne – e cabe a mim mudar isso relembrando que a melhor teoria fe aquela apontada puramente pela natureza in loco.

https://plato.stanford.edu/entries/philosophy-mathematics/

3.2 Naturalism and Indispensability

Quine formulated a methodological critique of traditional philosophy. He suggested a different philosophical methodology instead, which has become known as naturalism (Quine 1969). According to naturalism, our best theories are our best scientific theories. If we want to obtain the best available answer to philosophical questions such as What do we know? and Which kinds of entities exist?, we should not appeal to traditional epistemological and metaphysical theories. We should also refrain from embarking on a fundamental epistemological or metaphysical inquiry starting from first principles. Rather, we should consult and analyze our best scientific theories. They contain, albeit often implicitly, our currently best account of what exists, what we know, and how we know it.

Putnam applied Quine’s naturalistic stance to mathematical ontology (Putnam 1972). At least since Galilei, our best theories from the natural sciences are mathematically expressed. Newton’s theory of gravitation, for instance, relies heavily on the classical theory of the real numbers.

xxxxx

Segundo os academicos, todas as bem suscedidas teorias cientificas sao expressadas pela matematica, o que prova que que a Natureza fala matematica. mas isto esta errado e por isso o sistema social global esta no rumo do mecanicismo, do Brave New World robotizado, pois a matematica expressa as regras do esqueleto osseo do universo, o qual tem outros niveis mais complexos com maior sofisticacao das leis. Como por a formula da Matrix/DNA expressada matematicamente, se sua dinamica fe o ciclo vitl, e a matematica nao pode captar e operar essa dinamica… O texto abaixo fala disso:

” Putnam applied Quine’s naturalistic stance to mathematical ontology (Putnam 1972). At least since Galilei, our best theories from the natural sciences are mathematically expressed. Newton’s theory of gravitation, for instance, relies heavily on the classical theory of the real numbers. Thus an ontological commitment to mathematical entities seems inherent to our best scientific theories. This line of reasoning can be strengthened by appealing to the Quinean thesis of confirmational holism. Empirical evidence does not bestow its confirmatory power on any one individual hypothesis. Rather, experience globally confirms the theory in which the individual hypothesis is embedded. Since mathematical theories are part and parcel of scientific theories, they too are confirmed by experience. Thus, we have empirical confirmation for mathematical theories. Even more appears true. It seems that mathematics is indispensable to our best scientific theories: it is not at all obvious how we could express them without using mathematical vocabulary. Hence the naturalist stance commands us to accept mathematical entities as part of our philosophical ontology. This line of argumentation is called an indispensability argument (Colyvan 2001).

 

A grande falha dos movimentos dos direitos humanos e igualdade: nada para que os beneficiados se suportem economicamente

Tuesday, September 10th, 2019

xxxxx

Resposta ao artigo:

The Cosmopolitan Tradition: A Noble But Flawed Ideal

https://iai.tv/articles/the-cosmopolitan-tradition-a-noble-but-flawed-ideal-auid-1255

A causa pela igual dignidade de todos os seres humanos tem que se bifurcar em duas tarefas: uma, na luta do respeito ao humano pela força da Justiça; a outra, o investimento na ajuda de recursos materiais para assentar os desrespeitados e mante-los no nível da dignidade. E` justamente neste ponto que estou encontrando oposição em todos estes movimentos, pois reafirmo que primeiro deve se assentar entre as vítimas, associações econômicas de consumo e produção, sendo a conquista da dignidade e sua manutenção apenas possível depois destas assentadas.

Como diz o texto:

“… the bifurcation of duties between duties of justice and duties of material aid has exercised a decisive influence on the course of international politics and on the developing human rights movement. We have a fairly well worked-out set of doctrines about duties of justice, which command wide assent and have become the basis for widely agreed accounts of “first-generation rights.” We have no equally worked-out doctrines on the other duties, those in the “second generation,” and we do not seem even to know where to begin, once we step outside of national boundaries.”

…. we do not seem even to know where to begin, once we step outside of national boundaries.” Este, a meu ver, o problema que tenho constatado em todos os defensores destes movimentos. Penso que uma intervenção drástica de um grupo interno a um pais desigual, ou da aliança internacional sobre as nações – geralmente pobres – com elevado nível de desigualdade, teria que combater a casta no poder primeiro. Mas isto não seria benéfico a longo prazo porque: primeiro, não conduziria o seu povo total ao auto-exorcismo dos três instintos animais divisores do todo em classes sociais; e segundo, seriam guerras sangrentas porque as castas preferem o suicídio que perderem seus privilégios. Basta pensar em nos, como lobos, tendo que libertar as ovelhas num território de leões. Como os leões têm caninos, não saberiam viver sem a carnificina sobre as presas, jamais se habituariam a comer vegetais, por isso, haveria guerras sangrentas.

Portanto, qualquer desejo de intervenção para mudança num sistema desigual tem que ser baseado num planejamento suave e a longo prazo. Vejo apenas a alternativa do boicote econômico promovido pelos dominados e sustentado pelos internacionais como factível. Lentamente a longo prazo inclusive a escassez impingida aos leões iria diminuindo seus caninos, e assim os perderiam sem reagirem com a predisposição ao suicídio pela guerra. 

Asked where he came from, Diogenes the Cynic answered with a single word: kosmopolitês, meaning, “a citizen of the world”. This moment, however fictive, might be said to inaugurate a long tradition of cosmopolitan political thought in the Western tradition.

A autora inicia sua tese com uma longa dissertação sobre o cosmopolitismo, ou ideia de cidadão do mundo, para depois explicar que essa ideia estaria na base de todos os movimentos pelos direitos humanos, igualdade e dignidade.

The cosmopolitan tradition has another deep problem, which lies in the realm of human psychology. Second-century CE Stoic emperor Marcus Aurelius’s work poses some questions relevant to the bifurcation of duties, asking us to ponder what type of treatment human dignity requires, if it is, as the Stoics hold, inalienable. What damage is done by slavery, for example, if the dignity of the slave is never affected by it?

Interessante e pertinaz questão, principalmente se levada ao meu modo de ver as origens humanas. Aqui, esta pergunta equivale a seguinte: “Afinal, não existem ovelhas cantando sua dignidade?” . Na verdade, ela não tem dignidade, se pode a qualquer momento ser estuprada pelo predador – e isso acontece no patriarcalismo ou matriarcalismo construído pelas proprias ovelhas. Mas as ovelhas pastam longe da colina onde habitam os predadores, e no nível baixo das ovelhas, dentre as ovelhas, tem aquelas que ostentam dignidade perante ovelhas. Não creio que isso seria problema para o cosmopolitano, pois ele poderia desmascarar essa dignidade perante as outras ovelhas facilmente.

Outra importante questao fe’:

Can a cosmopolitan politics provide real people with a basis for emotions toward one another sufficient to motivate altruistic conduct, without losing a sense of personal meaning? Surely some statements by Marcus, asking us to renounce close personal ties to family, city, and group, seem to threaten deep concern and the very sources of our motivation to act. They appear to leave us with a barren life in which nothing is worth loving or doing.

Percebemos pela fórmula dos sistemas que, num sistema fechado em si mesmo, todas as partes perdem sua identidade própria, e estas identidades perdidas vão constituir a identidade única do sistema, que reverte com regras sobre as partes. E nesse caso dos sistemas fechados, as partes tornam-se altruístas em relação ao sistema, senão todas caem, mesmo que o sistema seja egoísta. Um exemplo obvio seria a máfia de Al Capone. E todos os tipos de sistemas sociais criados pela humanidade ate agora começaram abertos mas com predeterminada tendência a se tornarem fechados em torno da casta dominante. Mas não tenho ainda estudado com profundidade a fórmula no seu aspecto de sistema aberto. Como seria o altruísmo das partes num sistema sem uma identidade reguladora? Todas as partes teriam que ser, em sui próprias, a autoridade reguladora. Mas dificilmente uma parte tem a visão do todo do sistema para saber como aplicar seu altruísmo em relação às partes mais distantes, já que as partes se diferenciam cada vez mais enquanto mais distantes. Apenas a experiência poderia elucidar isso. Quanto ao caso das emoções que se perderiam porque se perderia o senso de personalidade pertencente e dependente de famílias, amigos, etc., penso que, no sistema aberto, essa questão não existiria. Pois, a família nuclear atual daria lugar a sagrada família universal.

 

Um novo Deus, para uma Nova Era

Saturday, September 7th, 2019

xxxx

Se eu tivesse uma capacidade de raciocínio, mas não o conhecimento que tenho hoje quando era aquela microscópica única célula, dois minutos apos a fecundação, e quando olhasse a distância, veria um oceano de líquido terminando numa casca, acreditaria que aquele era o inteiro universo, meu mundo se resumiria aquilo dentro da casca. Mas se nos dias seguintes visse meu corpo se transformando de formas mais simples para formas cada vez mais complexas, concluiria que estaria sendo objeto de uma evolução. Se nessa evolução, logo nos dias seguintes, desenvolvesse uma visão de raios-X e uma mente capaz de ver o passado, veria além da casca do ovo, o mundo dos meus pais, e os genomas deles produzindo aquele enorme Big Bang no centro do meu mundo quando a membrana do espermatozoide explodiu. E concluiria que além e antes do meu mundo é tudo natural, não existem seres supernaturais, e o processo pelo qual meu mundo foi feito é simplesmente um processo natural, sem nenhuma magica. E então também compreenderia que o que pensei ser evolução era, na verdade, uma ilusão, pois o que estava acontecendo dentro do meu mundo era um simples processo natural de reprodução genética. Nada supernatural, nada magico. E meu pai, e minha mãe, seriam meus deuses, o que mais amaria no mundo, mesmo eles sendo simplesmente naturais e incapazes de fazerem magicas.

Hoje estou sentado numa pedra grande que tem ao lado da porta da minha casinha numa pequena terra rural, ‘a meia-noite. Olho para o céu estrelado, penso que este é o meu mundo. Sei que o Universo esta se expandindo, então obrigatoriamente ele tem um limite, não é infinito. Mesmo que seja uma aureola de vácuo circundando-o, ele deve ter algo como a casca membranosa alem das últimas galaxias. E sei que o Universo teve início num Big Bang, similar ao do que ocorreu no primeiro instante da existência do meu corpo carnal. Tudo igual, me sinto como nos meus primeiros segundos neste mundo, um microscópico ser, que sente apenas as coisas naturais de seu mundo. Mas eu estudei muito, passei a vida carregando uma luneta para ver o céu e um microscópico rustico para ver as criaturinhas na lama dos pântanos. Sinto que minha mente se desenvolveu com as descobertas que fiz, como a existência da formula universal da Matrix/DNA, ao ponto de ter uma visão mais profunda e calcular com bom grau de probabilidade o que existe além das últimas galaxias. Também as Ciências Humanas e a minha fórmula me ajudaram a ver mais profundo no passado. Estou neste universo no ponto que estava alguns dias apos meu aparecimento como célulazinha no seu pequenino universo. E o que vejo além e no passado deste Universo, antes do meu aparecimento?

 

A fórmula universal mostrou as causas das existências de todas as coisas existentes dentro deste universo, e mais ainda, as causas de todos os eventos ocorridos nesta natureza universal. E para minha surpresa, tudo o que ela sugeriu bateu exatamente com minhas exigências racionais. Se ela sugeriu uma nova versão mais racional da Historia Universal, e nesta historia esta claramente revelado um longo processo de reprodução genética que ate ontem eu pensava, como meus amigos humanos, estar vendo evolução, então bastaria projetar a logica do processo ocorrendo aqui dentro deste mundo, para calcular o que deve existir alem e antes das fronteiras deste Universo. De certa forma adquiri uma visão de raios-X, pois agora olho o Universo pelos olhos de uma fórmula universal. Realizei os cálculos em enorme excitação e impaciência, pois intuitivamente eu sentia o que ia descobrir. E não foi surpresa quando vi, além e antes deste Universo, meus pais, naturais e auto-conscientes, mas nada de mágicas e nada supernaturais. São simples, mas sei que observam o universo engravidado, e esperam ansiosos pelo meu nascimento. Eles não desenharam este mundo onde estou, assim como minha mãe não desenhou a placenta que me envolveu e nutriu.  Assim existem os maus obstáculos, mas quando a coisa aqui vai mal, nós chutamos a barriga, gritando, rezando alto, então nossos pais percebem e administram alguma medicina, que meus irmãos aqui dizem ser “milagres que caíram do céu”… kkkkkk. São seres naturais, mas eu os amo como meus deuses. Aliás, os únicos deuses que tenho.

E agora admiro ainda mais aquele simples carpinteiro que um dia perguntado qual era o segredo fundamental deste mundo, ele levantou os olhos para o céu e disse: “Pai”. Em seguida abaixou os olhos à Terra, olhando seu corpo e disse: “Filho!”

Seus discípulos pensaram que quando ele olhou para si ele estava se vendo como Deus. Não, ele estava vendo seu corpo de homem, um corpo humano. O humano é o filho. Grande intuição! Se seus discípulos conhecessem estas coisas de DNA e genética, ao invés de filho ele teria dito “Genes”. Pois, na verdade, carregamos 8 bilhões de bolhas de auto-consciência com as quais estamos construindo-nos como o futuro filho. Mas mesmo assim, ele acertou na mosca!

A resignação na velhice de todo buscador do conhecimento existencial

Saturday, August 31st, 2019

xxxxx

Inspirado no artigo:

https://www.space.com/theory-of-everything-definition.html

What Is the Theory of Everything?

xxxx

Existem pessoas que nascem com uma mutação ou configuração neuronial tendente a ser inveterado buscador de uma explicação total para existência do mundo, e nele, da sua própria existência. Uma frase que lhes cai bem é: “meu supremo objetivo na vida é a busca do conhecimento”.

Pela sua já extremada atividade intelectual na juventude, nessa idade ele começa a realizar descobertas importantes que “nunca ninguém pensou”, ou ” jamais pensaram que tal coisa pudesse existir”. Então ele se vê, e são os fatos reais que lhe indicam isso, na ponta de lança das descobertas, ele esta sendo o primeiro mais avançado numa época a frente dos outros. Sua auto-confiança aumenta, ele acha que tem condições de encontrar a tal explicação, a tal “theory of everything”, e por isso se afunda ainda mais nos estudos. Ele quer conhecer todas as áreas, todas as disciplinas cientificas, todas as religiões e escolas do pensamento, e o mais completo possível, pois as vezes num pequeno detalhe esta uma grande pista.

Mas… chega a uma idade na vida que ele começa a perceber que o sonho é impossível. A coisa se torna demasiada complicada, são muitas portas abertas a serem experimentadas, desenvolvidas, e ele começa a perceber que a grande solução não pertence a dimensão humana de percepção. Então certos refrões ficam bombeando repetidamente em sua cabeça: nosso cérebro é pequenino demais frente a imensidade deste universo, nossos sensores cerebrais são poucos e demasiado limitados, realmente não tem esperança. E agora, o que vou fazer na vida?

Eu só tinha um sonho, o sonho acabou, e agora?

O que vou fazer do resto da minha vida sem saber o que sou, quem sou, o que estou fazendo aqui, como esse mundo veio a ser, o que existe alem do que não posso ver?

Mas apesar de racionalmente, conscientemente, ele ter entendido e aceitado definitivamente seu fracasso, tem algo, que parece ser inconsciente, ou talvez uma força de um habito adquirido: o fato é que ele não para. Vai continuar ate o ultimo suspiro com uma longa lista de livros a ler, centenas ou milhares de tópicos a desenvolver, continua a buscar, sua vida se torna bem barata pois estas atividades pouco exigem em dinheiro, e com esse clima mental dará seu ultimo suspiro. Eu ainda acho que ele morre mais feliz, ou quer dizer, ele tem uma velhice melhor que a maioria que viveu apenas se ocupando de tarefas físicas. Depois dos 60 ou 70 o corpo falha e nega a estes a energia e mobilidade para tarefas físicas e então cai no ostracismo, envelhecem como zumbis, por mais que gastem dinheiro tentando entreter sua atenção nos lazeres que depois se revelam como sendo fúteis.

No artigo com link acima, vemos este exemplo através da vida e pensamento de Einstein, um destes eternos buscadores que queriam decifrar por completo o mundo. Vamos a ver algumas de suas falas:

Einstein began to search for a unifying theory in the 1920s, according to the American Physical Society (APS) (After having become famous for several brilliant breakthroughs in physics, including Brownian motion, the photoelectric effect, and the special and general theories of relativity, Albert Einstein spent the last thirty years of his life on a fruitless quest for a way to combine gravity and electromagnetism into a single elegant theory.). He had never fully accepted the strange paradoxes of quantum mechanics, and he believed that the mathematics describing electromagnetism and gravity, the only two forces known at the time, could be combined into a single framework.

“I want to know how God created this world,” Einstein told a young physics student named Esther Salaman in 1925. “I’m not interested in this or that phenomenon, in the spectrum of this or that element. I want to know His thoughts; the rest are just details.”

But Einstein’s quest proved quixotic during his lifetime. “Most of my intellectual offspring end up very young in the graveyard of disappointed hopes,” he wrote in a letter in 1938. Yet he didn’t give up, and while on his deathbed, he asked to have his latest notes on the theory of everything brought to him, according to the APS.

E veja mais isso, como exemplo de como os sonhos dos buscadores sempre acabam sem fim:

String theory posits that particles are actually one-dimensional, string-like entities vibrating in an 11-dimensional reality. The vibrations determine the different particles’ properties, such as their mass and charge.

But other scientists consider the idea of string theory an intellectual dead end. Peter Woit, a theoretical physicist at Columbia University, has repeatedly scolded his colleagues for chasing what he considers an imaginary dream.

E outro que quebrou a cara na parede: Stephen Hawking:

In his bestselling book “A Brief History of Time” (Bantam Books, 1988), physicist Stephen Hawking discussed his desire to help create a theory of everything (which was also the title of his 2014 biopic). But the famous scholar changed his mind later in life; he thought such a theory would be out of reach forever because human descriptions of reality are always incomplete, according to a 2002 lecture available on a website dedicated to the late physicist.

This fact did not sadden him but rather gave him hope. “I’m now glad that our search for understanding will never come to an end and that we will always have the challenge of new discovery,” Hawking said. “Without it, we would stagnate.”

Eu penso que Hawking não foi honesto consigo mesmo, nenhum buscador se resigna com a ideia fulminante de que vai morrer sem chegar la.

Existe um outro fator influente neste assunto. Hermann Hesse foi outro inveterado buscador mas no fim da vida ele escreveu um livro ( O jogo das contas de vidro) em que imagina um monastério onde vivem os intelectuais, todos exclusivamente envolvidos com suas pesquisas mentais. Ao imaginar-se vivendo neste monastério ele acaba por suicidar-se. Descobriu que aquilo era inútil, aquilo era um vicio que não deixava viver a vida real. E num livro dos espiritas existe outro texto atinente ao assunto. Diz o médium que no mundo dos espíritos tem uma área reservada para os que foram intelectuais na Terra e que ” la eles vivem entretidos com seus gostos… “. Quer dizer, ele praticamente debocha dos buscadores, pois para ele a verdade nunca seria possível de ser encontrada através do racional, apenas através do estado mistico, e se deixar, os buscadores vão viver daquele jeito buscando por toda a eternidade.

Pensando nestes senões eu acho que fui sensato e fiz uma escolha feliz. Eu dividi todos os meus dias vividos, em 8 horas no estudo intelectual e 8 horas no trabalho braçal, ou envolvido fisicamente em algo da vida mundana. ” Tenho que viver meio a meio, ou seja, com um pé na realidade bruta e outro na dimensão mental”. Sempre me policiei para seguir esta disciplina. Ela ajuda muito ao buscador a sempre observar se sua mente não esta sendo como um balão prestes a voar para longe. A lide na realidade é como um barbante com a qual ele mantem o balão preso no solo, a mente dentro da cabeça, a imaginação não se extrapola demais caindo a vagar no virtual. Muitos perdem a estribeira e no fim, sem perceberem (mas os outros percebem), que estão elaborando teorias sem o menor nexo com a realidade. Os inveterados matemáticos também tem esse problema, muitas vezes suas formulações matemáticas de longe deixaram de traduzir o mundo real.

Se Deus quisesse ajudar os buscadores, Ele facilitaria a busca ate encontrar a solução para o mundo perceptível ao buscador, e essa solução iria transcender o buscador. Ele iria entrar numa outra dimensão, ao menos e apenas, mentalmente. E então na outra ele começaria tudo de novo, buscando a solução maior para um mundo ainda maior e mais complicado. Condenar um ser a morrer na ignorância, principalmente na ignorância de saber quem ou o que e, não é justo. Mas felizmente todos os buscadores tem aquele empurrão do inconsciente que nunca os deixa estagnarem.

Publicado no Facebook com a seguinte introdução ( 9/2/19):

A maioria das pessoas passam a vida entretendo-se com as coisas que seus olhos veem e suas mãos podem pegar, ou sonhando com objetos que veem nas posses de outros, como são as crianças em geral. nada se interessam em saber das coisas que não estão a vista ou no alcance das mãos, aquelas coisas que existem mas que só podem ser vistas com microscópios, telescópios, e nem raciocinam que tudo o que existe aqui no mundo imediato, que `e a “dimensão do meio”, veio daquelas duas dimensões invisíveis, as dimensões do extremamente pequeno ou extremamente grande. Assim vivem alienadamente, como pisando em cascas de ovos, sem quase nada saber do DNA que as fizeram e administram seus corpos por dentro, e nada saber da galaxia que administra o mundo externo que influencia sobre seus corpos. Como as coisas aqui nunca explicam a procedência, a origem, a causa primeira dos objetos deste mundo, e a movimentação diária destas pessoas no meio dos objetos, fazem vir a tona as suas mentes, as quais querem e precisam saber destas informações, eles enganam suas mentes inventando as lendas de deuses mágicos que criaram tudo por magia e assim poem fim a conversa, sem esforçar a evolução da mente.
O maior problema é que este estilo de vida apenas movendo-se fisicamente tem um fim precoce, pois aos 50 anos começa a faltar energia e músculos para aguentar isso. Então se tornam zumbis, pois sem físico, o que mais vão fazer da vida? As ilusões de passear, comer, brincar com os netos, são isso, ilusões que logo cansam. Adoecem mais rápido alem de se tornarem como cadáver ambulantes antes de morrerem. Seria hora da mente assumir o corpo, com as preferencias das atividades mentais. mas estas são mais pertinentes as perguntas sobre as causas das coisas, da vida, e a subita focalização no que os outros tem visto nos microscopios, nos telescopios, etc. mas ai é tarde demais pois para isso a mente teria que ser exercitada antes e criado neurônios para registrar estas informações e agora processa-las. Existe outro tipo de pessoas que são os inatos buscadores das causas e origens, que se focam mais nas duas ocultas dimensões, e claro, isso só pode ser feito com a mente. Quando se aposentam das lides físicas fe que a mente entra com vigor em todo seu trabalho e predileções. Então fica a escolha: viva melhor na juventude e na idade media lidando com objetos, buscando se apoderar do máximo deles, e tenha um final infeliz, ou viva menos feliz, mais pobre, na juventude e na idade media, e depois dos 50 seja feliz de maneira que nem sente a morte chegar. Eu não sei qual o melhor, esta é uma escolha que depende exclusivamente das pessoas. Eu escolhi a posição do meio: todo dia dedico 8 horas a coisas físicas visíveis e 8 horas ao estudo dos físicos invisíveis. Agora acho que acertei.

Mas o buscador tambem tem outros problemas, tal como o relato neste meu artigo com link abaixo:

Merito, no capitalismo, sendo forjado nos privilégios, e caindo na mesma armadilha da abelha rainha

Tuesday, August 27th, 2019

xxxx

How Life Became an Endless, Terrible Competition

https://www.theatlantic.com/magazine/archive/2019/09/meritocracys-miserable-winners/594760/

Analise pela Matrix/DNA:

Os leões mostram os caninos impostos pela Natureza para justificarem a carnificina sobre as presas, que apreciam. A projeção deste quadro no reino animal irracional sobre a especie humana, produz situações como as que os ricos mostrem suas habilidades financeiras como derivadas de seu incansável estudo e trabalho `a guisa de méritos que os orgulham. Assim nasceu a meritocracia, onde os ricos se assentam ideologicamente e os não-ricos são convencidos a aceitarem o seu domínio rebaixando a si mesmos num complexo de inferioridade.

Acontece que este atributo meritocrático no sistema capitalista é uma falacia. O que se revela como mérito no jogo competitivo nada mais é que resultado de mais bem alimentado e mais tecnologizado treinamento, os quais só são acessíveis aos ricos. Os alunos super-confortáveis em casa e nas três grandes universidades elitistas dos USA estão fatalmente determinados a irem para o topo das listas de mérito. E assentando-se nestas listas ganham mais o que retroalimenta seus filhos que os vão substituírem na lista. Ou seja, se antes a maior propriedade do capital era retroalimentada pelos privilégios das elites nas boas melhores universidades, e os povos raivosos acreditaram que terminaram com essa injustiça clamando pelo sistema de méritos, agora o mecanismo do mérito revela-se ter sido mero continuísmo do mecanismo das antigas elites.

Mas quando aumentam as presas gordas e a possibilidade de boa colheita na carnificina, aumenta a população de leões. estes não apenas se dedicam a satisfazer suas gulas atacando as presas, mas o instinto da violência permanente os dirige também a atacar outros leões no jogo das intra-competições. Com isso, o filho do meritocrático vai ter que se esforçar mais que o pai nos estudos e vai ter que trabalhar mais que o pai explorando-se a si mesmo como capital humano… para manter-se na competição entre mais leões buscando maneiras de lhe tomar um naco de seu território.

A sociedade das formigas e abelhas são uma maiores obras de engenharia que se conhece. Tudo funciona lubrificadamente, cada peca no seu exato lugar executando uma função sistêmica necessária especifica, sem a qual o sistema não funciona. No topo, quer dizer, no trono, esta assentada a rainha. Ela tem certas funções, como se acasalar com os machos, consumir os adereços que se acumulam em volta do trono, etc. Mas ai da rainha se ela almejar um pouco de relaxamento em suas funções ou mesmo buscar algumas formas de prazeres extra-realeza. O sistema todo desmorona. Então qual a diferença entre ela e os outros escravos do seu sistema? E imagina que aborrecida deve ser sua vida algemada pelas regras. Mas regras vindo de onde, se ela é a unica autoridade visível como presente?

Ai é que esta o segredo ocultando na sabedoria da Natureza. Claro, as leis naturais impõem a evolução e atropelam eliminando as sociedades e sistemas estanques que se deitam em seu caminho, como as dos insetos, ou os leões e seus territórios. E mortalmente proibido instalar sistemas fechados em si mesmos, pois estes fecham as suas portas ‘a sua evolução. Acontece que um sistema consiste na soma das informações de todas suas partes e mais as informações oriundas das interações entre as partes. A rainha nada mais é que uma das partes do sistema, ela não pode conhecer todas as informações sobre as interações entre as outras partes. E como o sistema esta fechado ao mundo, ela não tem informações do mundo externo alem de seus horizontes imediatos. mas o mundo externo esta em mudança, esta evoluindo.

Acontece também que de dentro de todo sistema emerge uma entidade abstrata que é a identidade ou entidade do próprio significado do sistema. E esta entidade é quem todas as informações. Ela determina as regras, que pegam ate a rainha em suas teias.

E isto que esta acontecendo na falacia da meritocracia quando os falsos meritoides estão entrando em depressão e ficando doentes devido a alta carga de escravidão que atraíram para si mesmos. E assim eles mesmos serão obrigados a mudar o sistema que mantiveram por seculos a ferro e fogo das armas de seus exércitos.

Importante para divulgar uma nova visão do mundo, ou “historia narrativa”

Sunday, August 25th, 2019

xxxxx

Neste TED TALK o autor capta muito bem que os nossos sistemas econômicos sociais tem sido construídos por visões do mundo, que ele chama de “stories”. Ele demonstra como isso tem atuado nos diferentes modelos econômicos aplicados no último seculo. Agora estamos numa historia, o neoliberalismo, que ja produziu a crise de 2008 e provou que não funciona. mas ele continua ai e isso porque ninguém ainda criou uma nova historia para antes de erradicar a velha. isto esta justamente numa linha de pensamento investigativo que tem sido importante dentro da Matrix/DNA: como apresentar esta nova visão para que elimine e substitua a velha?

Por ser assim importante e necessitar mais reflexão, copio o transcript aqui para traduzi-lo quando houver tempo:

https://www.ted.com/talks/george_monbiot_the_new_political_story_that_could_change_everything

00:12

Voce se sente apanhado num sistema economico quebrado? Um modelo que esta sucateando o mundo vivo e ameaca as vidas dos nossos descendentes? Um modelo que exclui bilhoes de pessoas enquanto faz uma meia-duzia imaginavelmente rica? isto nos coloca como ganhadores e perdedores, e entao culpa os perdedores por suas miserias. bem vindo ao neoliberalismo, a doutrina zumbi,  que parece nunca morrer, apesar de estar desaeditada. Agora voce deve ter imaginado que a crise financira de 2008 deveria ter colapsado o neoliberalismo. Afinal, ela expos suas centrais fraturas, as quais eram desregular negocios, mercados e financas, derrubando as protecoes do publico,jogando nos em extrema competicao uns contra outros. E intelectualmente ela de faato se colapsou. Mas ainda ela domina nossas vidas. Porque? Bem, eu acredito que a resposta fe que nos nao temos produzido uma nova historia para substitui-la.

04:30
05:36
09:24
10:12
11:59
13:53
14:27
15:06

Como ocorre a transformação evolutiva dos sistemas naturais e das especies vivas

Saturday, August 24th, 2019

xxxxx

Pense num tanque ou lago de águas paradas onde cai uma pedra. Olhando desde a margem do lago, portanto de cima da água, você vê a água formando ondas em círculos concêntricos. Imagine que você esta vendo se formar o segundo circulo, no qual você vê como era o Universo a 13 bilhões de anos atras, uma nebulosa de átomos leves, gasosos, e já se formando algumas estrelas de puro gaz. Desse segundo circulo, matéria como poeira e detritos são empurrados para a frente enquanto a terceira onda se forma e quando esta formado o terceiro circulo você vê o Universo como uma aglomerado de galaxias.

Assim funciona o mecanismo natural que transformou um único sistema inicial na origem do Universo em sistemas de átomos, e depois destes sistemas de átomos produziu os sistemas astronômicos, dos quais evoluíram os sistemas biológicos vivos, e destes agora, esta se formando o circulo dos sistemas de consciência pura. A evolução avança através das ondas de complexidade.

Mas como e porque cada novo circulo agrega mais novas informações aos sistemas que vem dos círculos ou ondas anteriores? Porque o Universo tem uma substancia espacial que é formada de uma matéria escura ainda não bem compreendida, que não parece ser formada de átomos e partículas, e no meio, junto com essa matéria escura, existe a onda de luz natural original emitida no momento do Big Bang. Isto significa que alem das ondas dos sistemas, como o resto da água que você vê em volta no lago, existe essa substancia misturada de escuridão e luz. Mas tem um importantíssimo detalhe…

Nos descobrimos ao observar o espectro eletromagnético formado de sete tipos de radiações, cada qual uma cor diferente na mesma sequencia das cores do arco-iris, e cujas radiações são na verdade essa onda de luz original, que ela é como uma coisa viva. A onda de luz universal tem um corpo formado de sete partes funcionais e essa anatomia toda é um sistema completo, funcional, como um ser vivo! Em seguida fomos descobrir que o design desta anatomia da luz é o mesmo design de uma unidade fundamental de informação do nosso DNA…!!!

Em outras palavras, a luz que banha todo o Universo, funciona como o nosso DNA. Como o DNA tem um código encriptado nele contendo todas as informações para construir um corpo humano, a luz universal tem nela encriptado o código para construir um sistema natural universal.

Então na sua embriogênese quando você era apenas um feto, as informações para construir sua forma futura de embrião e ate de criança peralta ou adulto paquerador já estavam ali, `a sua frente, esperando sua vez de entrar na grande obra. O resto da água que circunda em volta da onda que você vê formada pela caída da pedra não tem as informações para construir nada, mas quanto a evolução natural, o espaço a frente de qualquer forma que o sistema esteja, tem as informações que lhe serão agregadas e o transformarão numa nova e mais complexa especie.

Sacou? Não é lindo e gratificante se infiltrar escondido nos labirintos da natureza enquanto ela dorme e não o percebe, e descobrindo seus segredos mais íntimos? isto porque esta Natureza ainda não lhe revelou um mindinho de suas maravilhas, do que ela é capaz de fazer.

Nos, que somos a forma biológica deste sistema universal, estamos no quarto circulo, a quarta onda. Mas a luz completa tem sete ondas, sete camadas de complexidade, como sete são as cores do arco-iris. A diferença entre o que faz uma onda e a sua seguinte é fantástica. Olhe a diferença entre um átomo e uma galaxia, ou a diferença entre uma galaxia e uma célula viva!. Nos estamos na quarta onda. daqui vamos para a quinta. O que sera de nos na quinta? O que esta quarta onda esta ensaiando fazer a partir de nos – um sistema de auto-consciência, sei la de que tipo de substancia! – da para saber que não temos a menor ideia de como seremos na quinta. E depois… ainda vem a sexta, a sétima…

Coitado dos arrogantes que clamam aos quatro ventos que já sabem tudo… Eles sabem que botando fogo na Amazônia, eles e seus herdeiros serão mais ricos e mais felizes no futuro…

… pois eu não sei de nada, e não tenho a minima ideia, man…

Então estou em melhor situação que eles. Cada nova descoberta, cada novo insight da imaginação, como esse agora notando a semelhança entre as ondas na água e as ondas da luz natural… quase divina… nos proporciona uma alegria imensa, a qual nunca sera experimentada por quem já sabe de tudo…

Procure nos outros quais as suas tendencias/opiniões, e como elas se encaixam sequencialmente com suas diferenças na formula da Matrix/DNA

Saturday, August 24th, 2019

xxxx

(Um capitulo a ser inserido no manual de instruções para o cooperativismo) 

A fase em inglês abaixo, vista por acaso, me inspirou a uma nova descoberta:

“All progress occurs because people dare to be different”

Associação, sociedades, são exigências implacáveis das leis naturais para a sobrevivência e progresso de qualquer especie de sistema natural, tal como o ser humano. Dois opostos no caráter, intenção, direção de força, genótipo, mas ao mesmo tempo dois iguais na forma, especie, fenótipo, tem que se unirem totalmente – de corpo e alma, ou seja, físico e abstrato – ate se fundirem como num corpo só, de cujo evento surge o ponto de equilíbrio e o ponto de mutação, numa nova forma síntese das duas fundidas, mutada para melhor, e assim a especie de sistema supera sua forma débil e transcende para uma nova forma transcendente. Se as duas partes não conseguirem este ponto de fusão, as duas serão descartadas e extintas na Natureza. Esta a lei, que se aplicou a partículas, átomos, astros, células e claro, esta sendo aplicada a especie humana e vai finalmente decidir seu destino, como decidiu a de todos os sistemas naturais ancestrais.

Os humanos tem, afortunadamente, a tendencia inata, ou por condição da sobrevivência, de serem seres sociais, procuram viver com outros humanos e entre si fazerem trocas, portanto são sistemas abertos. ao contrario dos sistemas fechados em si mesmos. A maioria dos animais e aves também tem uma tendencia social, porem na maioria das vezes a única troca que fazem entre si acontece na dualidade referente ao sexual. Mesmo as trocas entre mães e filhos são derivadas do de atos do fenômeno sexual. Os humanos evoluíram para uma imensa maior quantidade de trocas, talvez este o segredo de seu sucesso ate aqui.

Mas ainda ha muito atraso e muitas mazelas, muitos prejuízos, ma especie humana, devido aos tipos de sistemas sociais que tem erigido ate agora. A herança genética dos ancestrais animais tem modelado a psique humana e conservado seus instintos animais que impediram a evolução social entre eles. Notadamente os três instintos na divisão do poder pela força bruta: o instinto para grande predador que gera o 1% dominante, o instinto de médio predador que gera a classe media, e o instinto de presa que gera a massa das classes apáticas.

Se a especie humana não superar este nível de socialização que interrompeu a evolução das outras especies de sistemas biológicos, não terá sua transcendência e não outro destino que não seja sua extinção. Assim determina a Natureza que nesse detalhe sempre foi cruelmente implacável. Todas as especies descartadas e em vias de extinção enfrentaram o inferno com choro e ranger de dentes o processo de sua extinção. Ate a forma que leões e gorilas estão agora sofrendo este processo através do fenômeno natural humano tem lhes sido doloroso, como desesperador deve ser estar prisioneiro numa jaula.

O que esta faltando ao humano mudar em si para se encaminhar a um processo indolor e suave de transformação ao invés de cair na fatalidade de sua extinção? Existem muitos assuntos de maior prioridade para os humanos agora, mas este tem que estar obrigatoriamente entre os mais prioritários, porque, se não realizar esta mudança interna, a nível psíquico, se não exorcizar sua psique destes três instintos, todas as outras providencias para melhorar a condição humana serão inúteis no final.

Num primeiro e breve golpe de vista sobre o problema, e no meu peculiar modo de raciocinar tendo por base a crença na formula da Matrix/DNA para todos os sistemas naturais, sou conduzido e comparar a forma dos sistemas sociais humanos com a forma do sistema social perfeito na formula. Se tenho o template do esquema perfeito, e tenho os esquemas imperfeitos ao lado, basta compara-los e ver nos imperfeitos onde estão os pontos da(s) diferença(s).

Não sera uma tarefa fácil porque temos que entender que o fluxo de energia/informações entre as partes do sistema apresentam milhões, bilhões de formas intermediarias entre as sete partes reveladas na formula, e o estado potencial de cada humano neste dado momento e lugar deve corresponder a um destes bilhões de pontos no circuito… impossível de se localizar. Mas facilita uma ideia probabilística aproximada saber que o fluxo no circuito determina as diferenças entre as partes pelo avançar do processo do ciclo vital, o qual conhecemos e nos ajuda a esboçar o template mais próximo do humano em questão.

O primeiro ponto de diferença que vejo, é para mim uma novidade que nunca havia pensado antes e a descoberta que tenho agido errado. Quando procuro associações com humanos, sociedades, e ate mesmo simples amizades, procuro quem pensa como eu. Se sou socialista, procuro me distanciar dos capitalistas burgueses e dos comunistas militantes, por exemplo. Mas “socialismo”, “capitalismo”, “comunismo” são produtos abstratos psíquicos, produzidos por caráteres, e a lei natural diz que estes opostos tem que se aproximarem e se fundirem. Ou isso ou a morte dolorosa para todos. Não tem senões aqui. Então como vamos resolver um problema que parece impraticável, insolúvel? Um severa questão a ser anotada de lado para ser tratada pela reflexão responsável.

Outra notável diferença que logo salta aos olhos entre o que eu e os demais humanos tem procurado, e a formula perfeita, esta em que na formula, todos os indivíduos interagentes tem que se serem diferentes entre si na função dentro do sistema, apesar de serem fisicamente iguais. Ora, mas como sempre procuramos os mais iguais possíveis ( com exceção do sexual), se montamos um sistema apenas com eles, todos terão o mesmo e único talento para a mesma função sistêmica… e assim não tem sistema, em absoluto. Novamente uma questão psíquica, de caráter, de genótipo. Outra questão a ser anotada.

Mas apesar da aparência desoladora de que não haveria solução para os humanos, na verdade, a Natureza tem a coisa toda desenhada com uma enorme porta aberta para nos. O segredo esta em que não se deve pensar em solução imediata, pela eventual súbita fusão entre extremos, pois as diferenças entre humanos são gradativas, ou seja, existem bilhões de formas intermediarias entre dois extremos. isto faz com, por exemplo, dois indivíduos sejam 80% iguais entre si e 20% diferentes apenas, e a possibilidade destes 20% de repulsão serem dominados pelos 80% de atração é plausível.

Não existe nem possibilidade de dialogo entre um capitalista burguês e um comunista ortodoxo, dois extremos. Indica a Natureza que ambos estão descartados, com seus dias contados. Costumamos errar quando damos atenção ‘a fala destes indivíduos, falas que não ameaçam nos afetar de imediato, na ilusão de que podemos muda-los através de argumentos racionais. Nestes momentos apenas nos estressamos, nada vamos conseguir. Tem que serem ignorados em absoluto em relação ao debate. Mas o mesmo tempo que lhes voltamos as costas, temos que falar aos outros ouvintes, apontando a irracionalidade da fala do extremista, pois existem muitos indivíduos ainda em situação de aprendizado, que podem ser incautamente doutrinados.

Outro detalhe que aprendemos nesta analise é que, se a busca suprema por associações com humanos é um imperativo de vida ou morte ao menos para nossos herdeiros e conservação de nossos patrimônios, e sabemos que vamos ter que nos associar, conviver, com outros humanos que possuem diferenças que aos nosso olhos são defeitos, temos que procurar aqueles cujos defeitos não sejam tantos a ponto de não serem suportáveis.

Em vista disso me ocorre agora a ideia de que, nesta busca por associacoes, eu deveria elaborar um estudado e cuidadoso questionário, a ser entregue na forma escrita para que os possíveis sócios os respondam, ou ser memorizado para vocalizar as questões quando num dialogo.

Portanto, deste artigo sobra as questões acima a serem trabalhadas, a afirmação de aspectos que já havíamos pensados sem esquematização, e o questionário a ser elaborado.

Livro Final: Austriak opina se existe ou nao vida depois da morte

Saturday, August 17th, 2019

xxxxx

Behem, do Intelligent Designer, pergunta a Austriak:

- ” Ok… mas o que sua Ciencia diz sobre a questao se existe vida depois da morte?”

- ” Tudo o que sabemos se refere a este mundo material. A partir dessa constatação não faz sentido logico sequer perguntar se existe vida depois da morte. Mas nos não percebemos apenas a materia do mundo material. Diferente das amebas, os humanos percebem que a materia, muitas vezes esta organizada em sistemas, os quais funcionam. Tambem não faz sentido logico que essa materia (massa, energia elétrica, rochas, agua, etc.), tenha construído por si so, estes sistemas.  Quando nos tentamos imitar a natureza fabricando sistemas, também fabricamos o computador. Este, para funcionar, possui uma parte como hardware que é a materia visivel, palpável, e outra como software, algo não visivel, abstrato mas que tem uma forssa física material. O corpo humano é um sistema composto por hardware e software. E o que constroi um computador a partir da materia bruta é uma especie de software, a mente humana. Não sera esta a mesma causa que levou a materia a construir sistemas funcionais? Um software correndo no meio dela, desde o principio dos tempos?

” Justamente o que seria o software-formula da Matrix/DNA.

‘ O hardware morre e se decompõe, deixando de existir, não tem vida apos sua morte. Mas antes dele morrer, ele lança de si um ramo lateral que carrega o blueprint de seu corpo, o qual vai se recompor como outro corpo. Entao temos que dizer que de certa maneira, o hardware sobrevive apos sua morte. Sendo o software que corre dentro do hardware transcrito em corrente elétrica, portanto um software invisível, imperceptível aos nossos sentidos, ninguem pode afirmar cientificamente que o software do sistema corpo humano não faça o mesmo que o hardware, ou seja, de certa maneira, sobrevive apos sua morte. Existem varias sugestões emergindo da formula da Matrix/DNA sugerindo que na profundidade desta natureza tem uma especie de oceano de consciencia. E que o software humano se parece com uma bolha contendo agua e ar que aparece na superficie desse oceano, existe por algum tempo, explode, indo o ar de volta para o ar ( a materia vai de volta para a materia) enquanto a agua volta a ser o oceano. Nos computadores, dezenas de geracoes de hardware ja tem surgido e desaparecido, porem o software windows, desaparece em cada computador quando o hardware vai para o lixo, mas ele continua existindo na mente do Bill Gates. Pois o oceano de consciencia pode ser a uma versao universal da mente do Bill Gates. Em muitos relatos de pessoas que sobreviveram a morte clinica dizem algo como: ” Eu era eu, continuava sendo eu, mas meu corpo não tinha limites, eu me sentia como sendo o todo, o Universo….” Acho que esta é a diferenca entre uma bolha e seu oceano.

O mundo analisado pela perspectiva da formula mostra que a evolucao natural tem acontecido exatamente igual a evolucao dos nossos computadores. Tudo comecou com o abaco, depois veio as maquinas de calcular tocadas a manivela mecanica, depois as eletrônicas, finalmente o hardware mais software. mas a interação entre essa maquina que evoluiu e a mente humana tem sido um processo de feed-back, retroalimentação. A mente constroi um hardware e nele insere um software requerendo certas operações. O hardware realiza os processamentos de forma mais eficiente que a mente humana e atraves dos sensores eletromecânicos com que dotamos o cerebro eletromecânico, ele descobre novas informacoes na natureza. E entao repassa estas informacoes ao cerebro biologico que as processa, visualiza novas perspectivas e necessidades, elabora novo mais potente software que exige um mais potente hardware. Assim o software conduz a evolucao do hardware e o hardware conduz a evolucao do software. Mas cada maquina, cada hardware, possui apenas uma copia do software, uma bolha, enquanto o oceano nunca entrou no esquema, ele continua la fora na forma de mente da humanidade. não sera assim tambem em relacao a existencia do nosso corpo fisico, mental… e algo maior mais mental que exista fora do nosso corpo fisico?

Mas talvez tenho encontrado muitas destas sugestões porque inconscientemente eu torço para que haja vida apos a morte. não tenho encontrado sugestões de que não exista vida apos a morte na formula, mas como disse, isso não significa que elas não existam, apenas que inconscientemente não as vejo se elas estiverem a mostra. Portanto continuo agnóstico na questao: não sei se sim ou senao porque não tenho fatos para decidir.