Posts Tagged ‘Donald Hoffman’

A evolução (ou a seleção natural?) recompensa, favorece, quem interpreta a realidade de forma errada…

Friday, November 8th, 2019

xxxxx

Nesta brilhante palestra de um renomado neurocientista que esta chamando atenção por suas surpreendentes teorias sobre auto-consciência, proferida no TED TALK ( com link abaixo), um de seus inusitados insights é que a evolução esconde de nos a realidade dos objetos e do ambiente para nossa sobrevivência e própria evolução. Com o tempo ela mostra a realidade de um objeto e como estávamos enganados. O que serve também para nossa aprendizagem e evolução. Um exemplo foi sugerir a nós que o SOL se move a nossa volta, e depois corrigir essa ilusão de ótica. Mas então nas teorias do Dr. Hoffman percebi que estão encriptadas como resultados dos meus cálculos a 30 anos atras, e que eu vinha tratando estes temas como questões ainda a resolver dentro da cosmovisão da Matrix/DNA, enquanto o Dr. Hoffman denomina as mesmas questões como “teorias”. Vejamos:

 

Eu sempre fui um perdedor na competição por bens materiais, riqueza, confortos da vida. As três classes sociais sempre interpretaram cada fenômeno natural de forma diferente que is interpreto. Todas as três classes me suplantaram no quesito material. Obviamente isto me levou a uma conclusão: eu vejo a realidade de form errada, os outros humanos a veem de forma correta. Então, se eu vivesse na Idade Antiga, suspeito que estaria endo o Sol parado e a Terra girando, enquanto todos os outros interpretariam ao contrario. Todos os outros estariam ajustados ao sistema social – fosse este monarquia, feudalismo, capitalismo, etc. – o que os faria ganhar de mim em todas as competições pelos recursos materiais. Mas… depois se comprovou que todos estavam errados… o que comprovaria que quem viu ao contrario, era quem estava certo. E este paradoxo me ocupou a mente por muito tempo. Pois por mais estupido que pareca, eu não consigo aceitar que estou errado nas minhas interpretações. Fiz e refiz milhares de vezes meus cálculos, os resultados são sempre os mesmos, as mesmas interpretações. E tenho uma convicção intima de que eu estou do lado da logica, não da logica dos outros humanos, mas da logica da natureza, do mundo real. Vejamos um primeiro exemplo: O evento do Big Bang foi uma explosão, e foi uma explosão sem uma meta racional, e explosão de algo muito mais simples e menor do que o Universo de hoje. esta a interpretação dos outros humanos. Para mim não foi uma explosão e sim o rompimento de uma membrana contendo algo, havia uma meta racional pois foi um ato de fecundação do qual se reproduzira’ aquilo que produziu o rompimento, e aquilo que produziu o rompimento, ou Big Bang, tem que ter sido maior e mais complexo do que o Universo hoje. Tudo ao contrario. Então sou inicialmente conduzido a acreditar que estou errado. E refiz os cálculos da evolução universal iniciando pelo Big Bang e calculando tudo ate hoje e depois os cálculos iniciando ao que temos hoje regredindo ao Big Bang. E sempre os resultados apontam a minha mesma interpretação. Então comparo meus cálculos com os cálculos dos outros humanos. E nos cálculos vejo as diferenças. Calculamos diferentemente. Eles usam mais a Física e a Matemática, eu uso mais a Biologia e o Ciclo Vital. Eles usam os mecanismos da teoria da evolução darwiniana, eu uso os mecanismos da teoria da evolução macro universal, e assim por diante. Mas não posso rejeitar meus cálculos e aceitar os deles. Porque o meu Big Bang foi um evento exatamente igual a um evento que meus olhos assistem hoje, aqui e agora, toda vez que uma nova vida é concebida. E então meus cálculos aplicam os mecanismos e processos da concepção aqui e agora em todos os estagios da evolução ou da Historia intermediaria entre o Big Bang e o resultado final dessa Historia, os fatos e a vida que aqui existem agora. Por outro lado, a interpretação deles do que foi o Big Bang, os calculos que aplicam sobre o Big Bang para interpretarem como foi a Historia Universal, não poderia jamais, pela logica natural e exercício racional, produzir a vida e os fatos que existem aqui e agora. Então não tenho como mudar minha interpretação. Se não for descoberto um fenômeno real, comprovado, derrubando minha interpretação, não tem outra alternativa senão a de morrer crendo que estou certo. Mesmo que no fundo minha consciência sussurra que não posso estar certo, pois todos os outros não poderiam estarem errados, e eu, o unico certo. Com isso, vou morrer sendo o perdedor, na competição material. Simplesmente porque a minha cosmovisão me obriga a me comportar perante o mundo com outros valores diferentes daqueles da competição com que os vencedores estão se comportando e vencendo. Passados 30 anos com este paradoxo em mente, eis que acontece algo que vem trazer nova maneira de pensar isso. Trata-se das teorias do Doutor Donald Hoffman, e alguns outros, que eu desconhecia e tive contacto numa questão levantada na secção ask/philosopher do REDDIT, que apontava para a obra do Doutor Hoffman. Dentre os surpreendentes insights do Dr Hoffman estavam uns dois ou tres conceitos chaves. ” A evolução recompensa aquele que vê a realidade de forma errada”. Na verdade, e ainda no inicio do estudo de sua obra, concluo que o Dr. Hoffman esta dizendo que vemos a interface apenas da realidade, nada vemos do que esta por trás e por dentro da interface. Por exemplo alguém apresenta duas pessoas lado a lado e diz que uma é a pessoa mais bonita da especie humana, enquanto a outra é a mais feia. Mas se tirássemos a pele total das duas pessoas, apareceria uma massa de carne vermelha com fibras e muito sangue, algumas pontas de ossos, e não veríamos mais as qualidades de bonito ou feio, pois as duas pessoas seriam iguais. São as peles e seus enchimentos de gordura que fazem as duas pessoas diferentes em relação a estética preferida pelos valores humanos? Valores humanos! E aqui vem o segundo importante insight do Dr. Hoffman: nas nossas interpretações, nos distorcemos a realidade de acordo com nossas “aptidões intimas”. Nos tínhamos que nos ar importância para nos diferenciar dos animais irracionais, então criamos as religiões colocando o humano no centro da criação e o lar onde vive os humanos, estável, parado, no centro do Universo. Talvez ate nossos olhos vissem a realidade, que o Sol não esta se movendo a nossa volta, mas quando a imagem do que víamos viajava dos olhos na direção do neocortex, um bilhão de neurônios e outro tanto de sinapses atuavam nos sinais transmitindo a imagem, e no final a imagem chegava ao cérebro de forma torcida. Este mecanismo é diferente do mecanismo da “visão” de uma maquina fotográfica, que tem uma câmera similar, mas a imagem é revelada tao como ela se apresenta. Entre os sinais da imagens que entra na lente e o filme no fim da câmera que revela a imagem não existem os bilhões de neurônios e sinapses atuando sobre estes sinais. Estes neurônios e sinapses – e isso não foi dito pelo Dr. Hoffmam – a meu ver – são os agentes da desinformação produzidos pela desinformação de que o humano é o fator central do universo, mas que assim foram selecionados pela evolução porque essa mentira tornava o humano mais apto a sobreviver com mais força, energia e motivação. Do que ele agiria se soubesse que não é um animal diferente dos outros e portanto teria depressão, tornando-se desmotivado e fraco. Raios! E agora? Como fica? Isto seria a explicação exata do porque sou o perdedor interpretando o mundo de forma diferente, e talvez mais sintonizada com a realidade…? Os meus valores, que emergem da minha cosmovisão ( somos 8 bilhões de genes semi-conscientes construindo um embrião de auto-consciência, etc.), não me levam a depressão, ao contrario, eles tem me provido com energia sem igual, uma motivação que tem me mantido vivo e mentalmente mais eficiente que muitos dos que me rodeiam. Porem meus valores me conduzem, a meus comportamentos, em outra direção, e deste conflito, onde sou um contra todos, obviamente sou o perdedor. Ou eu estou fazendo exatamente o mesmo que fizeram os antigos? Criando uma cosmovisão errada, com uma religião errada, para me iludir inconscientemente escondendo minha fraqueza física, e isso me deu força, saúde e motivação para sobreviver e ate chegar ao fim da vida melhor que a maioria? Se for isso, novamente a evolução recompensa quem vê a realidade distorcida. Ela me favoreceu, sobrevivi e me coloquei numa zona de conforto. Bem… eu não tenho como resolver isto. Acho que ninguém mais tem, apenas o tempo, com suas novas informações, pode ser o juiz que decidira quem esta certo ou errado. Então o que deve me interessar agora é entrar mais fundo na pesquisa das teorias do Dr. Hoffman. O que ele fornece como exemplo comprovado de que a evolução favorece o erro? Vamos iniciar por uma de suas palestras no TED TALK. https://www.ted.com/talks/donald_hoffman_do_we_see_reality_as_it_is#t-760280

Nos vemos a realidade tal como ela é?

xxxxx

Copio aqui um comentário e minha resposta que foram postados abaixo da palestra e que serve para expor mais das minhas teorias sobre o tema:

Mohammad Abbasi

Posted 20 days ago

It was great, especially when he compared our perception of reality to the 3D desktop, But his words were contradictory. On the one hand, he acknowledged that beetles were at risk of extinction due to limitations in reality detection. But on the other hand, he said that simulations assess the limitations of knowing reality for positive survival and evolution. Perhaps the simulations are not yet complete.

 Louis Morelli

Posted at 11/9/19

Mohammad, I have a hypothesis suggesting the advantage for evolution making us with limitations in reality detection without these limitations bringing to us the risk of extinction and at the same time driving us to positive evolution. Think that humans are like genes. How genes knows to change a fetus into an embryo, if they doesn’t have any design for embryos?

While they are working on the fetus, they have hidden particles-bits-information with the design for embryo. These bits are our neurons, which knows the shape of the next shape of embryo. Then, the bits at genes and neurons at humans take the reality that arrives to our eyes and transform the image into a interface ( the shape of the embryo) before the image arriving to neocortex.

There are no natural risks: the bottles does not belong to the natural world of the beatles, and the statue is not a natural thing in the world of that bull…

I got this hypothesis 30 years ago because my calculations building a new worldview ( The Matrix/DNA cosmovision) were suggesting that “in this Universe is happening a genetic process of reproduction of the unknown thing that triggered the Big Bang as an act of fecundation”. If this theory is right, we, humans are like genes building an embryo of consciousness… we are, like genes, programed to do it, that’s why neurons does what they do. Nature shows as interface the most beautiful template of the embryo instead the most ugly reality of the fetus which is the real environment…