Archive for the ‘Sem Categoria’ Category

Ciencia no Brasil: O Bloqueio Autocratico

sexta-feira, abril 6th, 2018

xxxxx

https://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/suspensao-do-brasil-de-consorcio-astronomico-reflete-falta-de-politica-para-ciencia-22486965

A Causa da Incapacidade do cérebro simples em transpor o individual para o social

quinta-feira, março 22nd, 2018

xxxx

Os aminoacidos obtidos por Muller/Urey nunca conseguiram fazer a operacao evolucionaria seguinte que era se reunirem formando as longas cadeias das proteinas ou do RNA. Alguma coisa estava faltando nos corpusculos no fundo do frasco da experiencia, a forca agente que dirigiria o processo evolucionario.

Tomando o Brasil como um exemplo, 53% de sua populacao ainda existe nas mais miseraveis condicoes primitivas. Esta populacao tem como origem as racas negras ( dos 4 milhoes de escravos trazidos pelos portugueses) e as racas aborigenes, nativas do lugar, e os resultados da miscigenacao destas duas racas. E’ evidente que estas duas racas estavam no primitivismo intelectual quando foram abordados pelos europeus, e por motivo de interesses colonialistas, foram condenadas a se estacionarem neste estagio primitivo da evolucao intelectual.

Quando hoje tentamos entabular uma conversacao com exemplares destes 53%, expondo quais deveriam serem seus comportamentos para contornarem o opressor e rumarem no sentido de sua liberdade e evolucao, seus cerebros nao conseguem assimilar o que dizemos. Nao apenas revelam essa incapacidade de processarem essas simples operacoes com n ovas informacoes, mas estao condicionadaos negativamente para rejeitarem sequer pensar nelas.

Nota- se entao interessante coincidencia com os eventos da evolucao nas origens da vida. Forma-se uma infra-esturutra de um processo evolutivo, porem devido a falta de um ingrediente fundamental, a infra-esturtura torna-se inoperante.

Apenas nos da Matrix/DNA, conhecedores da formula universal, notamos essa similaridade, porque temos pensado na causa negativa no experimento de Miller/Urey mas tendo sob perspectiva a formula. E devido a formula percebemos que a causa negativa no frasco experimental era ou ainda e’ a falta dos fotons com informacoes que completem a formula. A formula constroi um sistema funcional com um circuito que deve avancar desde o principio ate o fim do sistema, e aqueles aminoacidos contem apenas os fotons com informacoes iniciais desse circuito.

Extrapolando agora para o caso da populacao humana, temos que conclujir que, se as premissas sao idenkticas, a causa negartiva tambem deve se-lo. Em outras palavras, faltam aos 53% da populacao troturada brasileira, seja na sua genetica ou na psique modelada por esta genetica, as informacoes seguintes que possiblitam processar as operacoes necessarias para se ultrapassar o umbral do ego individual para iniciar a adentrar o portal do coletivo social.

E aqui agora vai comecar para nos uma nova grande tortura intelectual, que sera a necessaria esquematizacao do problema, o levantamento do contexto ambiental e historico total envolvendo a evolucao humana, para detectar onde e porque a infra-esturtura nao recebeu a forssa natural para sua evolucao. E feito isso, tentar encontrar o metodo que possibilite inserir este ingrediente no intelecto dessa populacao.

segunda-feira, março 12th, 2018

xxxx

oxigenio.comciencia.br/47-tematico-autoridade-da-ciencia/

Algumas sugestoes e criticas:1) na profissao de jornalismo cientifico creio ser etico e moral corrigir a falha da midia e inclusive dos curriculuns escolares quando imitam a doutrinacao religiosa afirmando mesmo indiretamente que as teorias fundamentadas em informacoes cientificas sejam verdades comprovadas, como as teorias sobre origens do Universo (Big Bang), das origens da Vida (abiogenesis), etc.2) Sugiro que um bom teste e experiencia para os divulgadores defensores do tipo de Ciencia dominante nesta era seria um debate comigo, que pode ser aqui mesmo nestes comentarios (desculpando erros ortograficos devido usar maquina em ingles). Sou autor de uma diferente e desconhecida visao do mundo, resultante do mesmo metodo de colecao dos dados conhecidos emprica e cientificamente porem conectados por uma abordagem diferente inedita resultando numa grande cosmovisao final que contradiz a cosmovisao deduzida do atual arrnjo academico official;3) Oriundos da desclasse social ( aquele que nao alcanca sequer a classe baixa) nos temos que combater o moderno tratamento e direcao da atividade cientifica, porque ela se desviou dos motivos dos pais fundadores no iluminismo trocando a desinteressada porem energica busca de conhecimentos gerais pelos motivos privados da classe predadora dominante, auferindo mais poder aos nossos inimigos na sua gula de escravizacao e tornando-se inutil na solucao dos nossos problemas. Podemos debater isso sobre as bases naturalisticas exclusivas dos fenomenos e eventos naturais;4) A academia oficial cientifica esta tentando substituir as doutrinas das grandes religioes tradicionais como uma nova investida doutrinaria mistica. Dando continuidade a estrategia de dominacao pelos mesmos predadores fundadores das religioes no condicionamento mental das massas. Sem escrupulos e nao se importando com a razao critica natural aos absurdos de suas propostas, os dogmas modernos conduzem as teorias formadoras da visao do mundo a arbitrarias separacoes da Historia natural Universal em blocos distintos inexistentes criando abismos dentro da natural longa cadeia de causas e efeitos de 13,8 bilhoes de anos para poder preencher estes abismos com suas invencoes misticas de seu interesse dominante. Por exemplo separando a evolucao universal em evolucao cosmologica e evolucao biologica sem nenhuma elo evolutivo entre os blocos para inserir a doutrina do acaso que conduz as massas `a subserviencia de um suposto destino determinado por niveis de inferioridade de suas origens.5) E sao muitas outras observacoes com o intuito de recuperar a atividade cientifica como real patrimonio da inteira humanidade como era o sonho de seus fundadores, e que deveria ser a missao moral dos divulgadores da ciencia, se e’ que sao capazes de enfrentar os riscos e dificuldades de sobreviverem sem engrossarem a atual mafia que entre si divide os espolios desta carnificina. No aguardo de que nos convencam que estamos errados tendo como base exclusivamente os fenomenos e eventos naturais comprovados… nossos votos de sucesso nessa nobre profissao. ( nao, nao cremos em terra plana nem contestamos que a evolucao exista como uma ilusao relativistica, pois segundo os resultados de nossos calculos, a evolucao nao existe de fato)

Mais argumentos se a teoria da Matrix/DNA e’ pseudociência, ciência, ou ideia filosófica sim/ou/não-cientifica

segunda-feira, março 12th, 2018

xxxxx

Baseado no artigo:

https://universoracionalista.org/entendendo-a-ciencia-e-a-pseudociencia/

Entendendo a ciência e a pseudociência

xxxx

Uma ideia não-científica pode ser filosófica ou mesmo pseudocientífica. Por exemplo, sabemos que toda investigação científica pressupõe certos princípios filosóficos ou mesmo metafísicos (p. ex., a existência de uma realidade externa e acessível aos indivíduos em alguma medida). Então, certamente, o nosso problema não será voltado em criticar o conhecimento não-científico da filosofia visível em minha teoria, uma vez que a filosofia é o princípio e também o ethos que norteia a investigação científica.

xxxx

Meu comentario enviado ao artigo em Mar/12/18 aguardando moderacao:

Falta lembrar aqui que muitas teorias que se revelaram de extrema importância eram ideias filosóficas não-cientificas, apesar de terem seguido a risca o dez requisitos científicos, porque estas teorias foram elaboradas por autores sem diplomas científicos e `a margem das academias cientificas. Por isso muitas foram e são consideradas pseudociências. Eu citaria aqui a teoria heliocêntrica quando defendida por Copérnico, a teoria genética quando defendida por Mendell, e outras. Por exemplo a minha “Teoria da formula Matriz/DNA para todos sistemas naturais e ciclos vitais”, apesar de ter incansavelmente avisado que ela não tem pretensão cientifica enquanto esta sob testes, tem sido combatida como pseudociência. Mas observando os dez requisitos acima eu notei que os preenchi a todos na elaboração da teoria. Então como ficamos? Ora, e’ uma valida teoria filosófica. Mas, enfim, a Ciência lida apenas com objetos, ela não produz teorias ou hipóteses sobre causas que não estão sobre a mesa do laboratório, teorias são produzidas por humanos, que não se confunda-as com a Ciência. E a Ciência não precisa de defensores, ela e’ per se, esta briga e’ uma questão mais ideológica, apesar de que sera boa ideologia combater as fantasias inconsequentes produzidas pela mente coletiva da Humanidade nesta ainda sua infância.

xxxx

Porque a teoria da Matrix/DNA e’ quase cientifica, sendo portanto uma teoria filosofica formal nao-cientifica:

Para estipularmos uma definição de “pseudociência”, temos que analisar algumas características daquilo que consideramos ciência. Por exemplo, sabemos que o conhecimento científico se inicia com uma hipótese formalizada, baseada em um fundo de conhecimento anterior e que segue determinados procedimentos exigidos durante a investigação científica. Basicamente, aquilo que podemos tomar como algo próximo de um método científico consta com:

(1) levantamento de um corpo de conhecimento (ou fundo de conhecimento anterior);

Resposta da Matrix/DNA: ” Isto foi feito durante no minimo 15 anos de forma multidisciplinar, antes de iniciar a elaboracao da teoria.”

(2) escolha do problema neste corpo de conhecimento;

Matrix/DNA: Duas principais eram as principais teorias sobre as origens da vida e suas implicacoes sobre o sentido das existencias da humanidade e do mundo: a deista judaico/crista e a casuistica teoria baseada no conhecimento cientifico. Mas foi notado principalmente que o primeiro ser vivo (uma celula biologica completa e funcional) e’ um sistema natural; foi notado que sistemas biologicos se reproduzem pelo processo genetico. E nenhuma das duas grandes teorias indicavam qual teria sido o sistema natural anterior que teria geneticamente produzido a primeira celula viva. Este era um problema no corpo do conhecimento.

 

(3) formulação ou reformulação do problema;

Matrix/DNA: A formulacao e reformulacoes do problema foi a representacao de todos os fatos reais devidamente comprovados arrolados como evidencias nas duas teorias de todos em forma de tiras de papel espalhados sobre o solo em busca de conectar estes dados segundo as leis e processos naturais conhecidos em busca de elucidar o quadro final do grande quebra-cabecas. Estas peças foram mentalizadas e durante muitos anos mentalmente calculadas e recalculadas.

(4) aplicação ou invenção de uma abordagem para tratar o problema;

Matrix/DNA: Aplicacao do metodo de anatomia comparada entre os sistemas naturais dito nao-vivos conhecidos e existentes antes das origens da primeira celula viva e os sistemas vivos derivados desta celula, resultando em logngas listas de semelhancas e diferencas entre os dois grupos de sistemas naturais.

(5) solução tentativa (hipótese, teoria, projeto experimental, instrumento de medida, etc.);

Matrix/DNA: a solucao tentativa foi a aplicacao dos mecanismos ou variaveis da teoria da evolucao amalgamada com a teoria da transmissao genetica sobre todos estes sistemas para detectar a correta linhagem evolutiva universal e entender as diferencas decorrentes da evolucao assim como as semelhancas conservadas por essa evolucao.

 

(6) aferir a solução tentativa;

Matrix/DNA: A afericao ocorreu quando notamos que haviamos aplicado os mecanismos do processo da evolucao biologica sobre a evolucao cosmologica e aparentemente as mesmas falhas surgiam nos dois tipos de evolucao, sugerindo que aqueles mecanismos nao eram os corretos ou entao estariam incompletos. Foi entao estudado a evolucao entre os sistemas termodinamicos da era cosmologica, levantado seus mecanismos e entrelacos aos mecanismos da evolucao biologica. Finalmento percebemos que o resultado da evolucao biologica podia ser aferido pelo acrescimo da evolucao cosmologica e vice-versa

(7) avaliar a solução tentativa à luz do teste e do conhecimento básico;

 

(8) revisão ou repetição de quaisquer dos passos prévios;

 

(9) estimativa do impacto sobre o conhecimento básico;

 

(10) avaliação final (até nova informação).

 

E acresecentada por mim”

11) Os autores devem ter diplomas cientificos e desenvolverem seu trabalho dentro das instituicoes cientificas.

Resposta: Nao tenho diploma cientifico e a selva amazonica onde foi realizado o trabalho nao esta dentro de nenhuma instituicao cientifica. Portanto nao e’ uma teoria cientifica.

 

Então, de acordo com essas características, podemos tomar a definição de ciência do físico e filósofo da ciência Mario Bunge, publicada na obra La Ciencia: Su Método y Su Filosofía (1985), em que argumenta que “a ciência é um corpo de conhecimento que pode ser caracterizado como racional, sistemático, exato, verificável e, portanto, falível”. Assim, qualquer ideia que pretenda descrever algo sobre a natureza, mas rechace qualquer um desses procedimentos na estruturação e formalização de sua hipótese pode ser considerada não-científica.

E porque a Matrix/DNA nao e’ pseudociencia:

Uma ideia não-científica pode ser filosófica ou mesmo pseudocientífica. Por exemplo, sabemos que toda investigação científica pressupõe certos princípios filosóficos ou mesmo metafísicos (p. ex., a existência de uma realidade externa e acessível aos indivíduos em alguma medida). Então, certamente, o nosso problema não será voltado em criticar o conhecimento não-científico da filosofia, uma vez que a filosofia é o princípio e também o ethos que norteia a investigação científica.

A pseudociência, diferentemente da ciência e da filosofia, possui características notórias que a fazem divergir de ambos os campos de investigação. Mario Bunge, em sua obra Cien Ideas (2014), diz que a pseudociência possui pelo menos duas das dez características seguintes:

(1) invoca entes imateriais ou sobrenaturais inacessíveis ao exame empírico (não inclui entes ideais tais como números e sistemas lógico-matemáticos);

 

(2) é crédula porque não submete suas especulações à prova alguma (p. ex., a ufologia afirma que extraterrestres estão visitando a Terra e fazendo círculos nas plantações, mas ela não faz nenhum esforço para comprovar ou refutar essa hipótese);

 

(3) é dogmática porque não muda os seus princípios quando falham;

 

(4) rejeita a crítica (p. ex., psicanalistas rejeitam qualquer criticismo à psicanálise);

 

(5) não encontra e nem utiliza leis gerais;

 

(6) seus princípios são incompatíveis com alguns dos princípios mais seguros da ciência (p. ex., a telecinesia contradiz o princípio de conservação de energia);

 

(7) não interage com nenhuma ciência propriamente dita (p. ex., a parapsicologia não se atualiza com os dados da psicologia e da neurociência);

 

(8) é fácil porque não requer larga aprendizagem;

 

(9) só a interessa o que possa ter uso prático (p. ex., não busca a verdade desinteressada que é uma das características da ciência básica);

 

(10) mantém-se à margem da comunidade científica. Assim, qualquer campo que tenha duas ou mais das características mencionadas acima pode ser caracterizado como pseudocientífico.

Website: Imagens, ideias, para novo site

sábado, março 10th, 2018

xxxx

Uma imagem com onda de luz contendo dos lados a tabela de numeros do Matrix:

Esta imagem e’ livre, ( porem para editar precisa Corel Drawn ou Adobe Illustrator) no link:

Abstract Wave Color Light Background Vector

Abstract Wave Color Light Background Vector

Outra no mesmo link acima:

Related image

Hawkings defende o absurdo de sua cosmovisao: Antes do Big Bang apenas existia o Nada

sexta-feira, março 9th, 2018

xxxx

A Matrix/DNA participa nos debates na secao de comentarios deste artigo:

O que havia antes do Big Bang e da aparição do Universo, segundo Stephen Hawking

https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/bbc/2018/03/08/o-que-havia-antes-do-big-bang-e-da-aparicao-do-universo-segundo-stephen-hawking.htm

Meus comentarios enviados vao para moderacao, nao se sabe se serao publicados:

Comentario n.1:

Louis Charles Morelli  – Marco/09/18

Hawkings perdeu seus sensores naturais, ele nao toca, nao ouve, nada sente do mundo real. Seu cerebro foi conectado a um cerebro eletro-mecanico, o qual tem sensores mecanicos, como telescopios nas naves, microscopios eletronicos, etc. Entao Hawkings programou o cerebro eletro-mecanico com as informacoes humanas que ele tinha e pos esse cerebro com seus tentaculos a explorer os invisiveis macro e microcosmos. Mas estes sensores discriminam dados, por exemplo, organizacao biologica e neurologica da materia eles nao captam nada. Entao estes sensores voltaram e o cerebro eletro-mecanico passou suas informacoes ao cerebro humano. Este, baseado nas informacoes do computador reprogramou-o e o enviou novamente. Mas a certa altura este feed-back estava produzindo o contrario, ou seja, o cerebro-eletromecanico e’ quem esta dirigindo o humano, a visao do mundo sera exclusivamente mecanica, apropriada a fisica e matematica. Este e’ um dos perigos da Inteligencia Artificial tendo robots-sensores. A Teoria da Matrix/DNA colheu os mesmos dados disponiveis aos cientistas ( radiacao cosmica, expansao, propriedades da luz) e o cerebro humano fez os calculos e chegou a conclusoes muito diferentes. Crer que do nada surja algo ou que um minusculo atomo contenha o Universo e’ um absurdo metafisico religioso. E crer que estes humanos rastejando num planetinha perdido na imensidao sideral sem conhecer 5% do que existe neste Universo seriam capazes de processar as informacoes da Verdade Ultima e’ muita arrogancia…

xxxx

Louis Morelli em resposta a Rafael Cardoso em mar/09/18

Rafael Cardoso –  os cientistas nao estudam o Big Bang cientificamente, pois a Ciencia so pode lidar com objetos reais e nao fantasmas teoricos, a Ciencia nao produz teorias nem sugere causas ela apenas se focaliza no objeto que ela alcanca e pode tocar. Quando os filosofos gregos observavam uma camisa suada no canto da sala e dias depois com larvas a Ciencia atuava duas vezes: na observacao e constatacao da camisa suada e depois na constacao de larvas. A Ciencia nada dizia o que aconteceu no tempo em que ela esteve ausente. Portanto a geracao espontanea foi uma teoria surgida na mente humana, nao comprometa a Ciencia com isso. Agora existem apenas 3 fatos provados sobre o Universo conduzindo humanos a teoria do Big Bang. Nao comprometa a Ciencia com isso, ja vimos que a mente humana produz muitas besteiras. Para chegar as origens do Universo com uma teoria respeitavel sera necessario milhoes de evidencias e nao apenas tres.

xxxx

Comentario n.3

Porque uma mente humana produz tais absurdas afrontas imaginarias a si mesma? Nao e’ racional crer no Nada, crer que do Nada surge alguma coisa, que um minusculo atomo contenha o Universo… Hawkings perdeu seu complexo sensorial e sente o mundo atraves dos sensores de um cerebro eletro-mecanico o qual apenas funciona pela matematica que Hawkings acredita ser a logica, a linguagem e que pode interpretar o mundo. Quando ele produz algo nao vem de um cerebro humano, mas sim de um eletro-mecanico, cujos sensores mecanicos lhe estao fornecendo suas informacoes mecanicas do mundo. (cont…)

xxxx

moreiramoraes1971832 – Mar/09/18

E como o nada possui matéria? Acredito que existia sim a matéria, é o que podemos chamar de matéria dispersa como enormes átomos e a sequëncia se fez como as ligações atomicas unindo-se por campos magnéticos e ou equivalencias até um determinado tamanho e dai o colapso, como toda estrutura entrou no ponto de desiquilibrio irreverssivel, quanto mais crescia mais desiquilibrava, isso não só em um grande corpo de matéria mas em dois ou mais e isso fez a grande explosão em cadeia,com muita temperatura, calor, colisões em altas velocidades gerando novas estruturas, galaxias, e planetas….

Resposta de Louis Morelli

Mas para que empregar o tempo fazendo todas estas elocubracoes imaginarias inventando situacoes nunca vistas como possiveis no mundo real se ainda nada sabemos deste Universo, principalmente nos 95% dele que se supoe ser de material desconhecida?! E porque se cegar para o fato que justo e agora na nossa frente este mesmo Universo esta produzindo corpos humanos na mesmissima situacao suposta pelos conceitos gerais da teoria do Big Bang? Porque preferir a possibilidade fundamentada no imaginario `a possibilidade fundamentada no real? Ate quando esta tendencia de fantasiar com o sobrenatural (seja com deuses magicos ou nadas magicos) vai impedir de funcionar o racional puro e natural? O inicio na simplicidade singular, o bigbang, a expansao do corpo, a radiacao “cosmica”, tudo isso acontece num embriao humano, entao para que apelar ao absurdo imaginario?! De uma olhada na Teoria da Matrix/DNA e veras a teoria racional.

 

Visão interior de uma rocha (vídeo)

sexta-feira, março 2nd, 2018

xxxx

Veja video clicando no link:

https://www.msn.com/en-us/video/wonder/this-is-what-a-rock-looks-like-in-the-inside/vi-BBJGIKX?ocid=sf

Modelo Teorico do Atomo: Cientistas contestam o atual modelo, assim como a Matrix/DNA esta sugerindo novo modelo

segunda-feira, fevereiro 19th, 2018

xxxx

Desde que nossa investigacao nos levou a refazer o modelo teorica astronomico para inserir nele expresses das propri0edades vitais, comecamos a desconfiar que o nosso ancestral, e ancentral direto do sistema astronomico, ou seja, o sistema atomico, deve tamber conter espressos de propriedades vitais, em doses menores que nos sistemas astronomicos tao menores que nao sao reconhecidas em relacao a sistemas biologicos. Mas um modelo teorica de atomos que nao contenha os elementos e efeitos de principios vitais nao pode estar correto, o que nos induz a buscar uma maneira de refazer este modelo. Chego mesmo a suspeitar que estas estranhezas apresentadas nos experimentos da Mecanica quantica sejam efeitos normais, naturais, da presence de processos vitais os quais jamais foram imaginados pelos fisicos por separarem arbitrariamente o mundo da disciplina da Fisica do mundo da disciplina da Biologia.

O breve texto abaixo que vem reforcar nossa sugestao foi encontrado na secao “show more” do  no YouTube intitulado:

Inductive Reasoning: The Case Against The Nuclear Atom – Dewey B. Larson (1978)

” Learn the difference between theory and evidence.

Since the general structure of modern physical theory is to a large extent based on the theory of the atom, the nuclear atom theory must accept a big share of the responsibility for the unsatisfactory state of physical theory in general. It is also apparent that there are major sectors of the field which an adequate atomic theory should cover that are as yet almost completely untouched. For example, a complete theory of the atom must necessarily explain the physical states of matter, yet after nearly fifty years of the nuclear theory Prof. G. Careri found it necessary to open a recent international conference on liquids with the flat statement, “We are still far from having a ‘theory’ of the liquid state….” [43]

But the real testing ground for atomic theory today is what is popularly known as “elementary particle physics.” “… the future of physics,” says George Gamow, “lies in further studies and understanding of elementary particles.”44 Here is a field in which atomic theory should be directly applicable; here is a rapidly expanding field in which the experimental facts are puzzling and confusing, and the help of an adequate theory is urgently needed; and here is a place where the currently accepted nuclear theory, faced with a major test of its capabilities, falls flat on its face.

The term “elementary particle” is in itself a claim to the possession of some knowledge of the structure of the atom, as it is based on the assumption, an integral part of current theory, that the atom is constructed of “parts” and that these parts cannot be further subdivided; thus they are elementary. If the nuclear atomic theory correctly portrays the structure of the atom, then it should be capable of producing the answers to the questions we find it necessary to ask with respect to the elementary particles. This point is commonly recognized, and “elementary particle physics” is classed as a subdivision of “nuclear science.”

How well, then, has modern atomic theory measured up to this, the most significant task now facing it? Let us ask Gamow, whose statement as to the importance of the task has just been quoted. “… for the last few decades,” Gamow replies, “not a single successful step has been made in obtaining these answers.” [44] This very recent evaluation of the situation was already foreshadowed years ago by keen observers who realized that the discovery of so many new “elementary” particles neither anticipated nor explained by the accepted theories raised grave doubts as to the validity of these theories. “Questions like these,” said James B. Conant, “raise doubts as to whether the conceptual scheme of nuclear physics is a ‘real’ account of the structure of the universe,” [45] and Jones, Rotblat and Whitrow asked the very pertinent question, “… is this multiplicity of particles an expression of our total ignorance of the true nature of the ultimate structure of matter?” [46]

In the light of all of the additional information that has been accumulated since these words were written, there remains little doubt but that this question must be answered in the affirmative, and that present-day atomic theory must be judged wholly inadequate for the tasks that confront it.

43. Careri, G., Nuovo Cimento, Supplement to Vol. IX, 1958, page 8.

44. Gamow, George, Biography of Physics, Harper & Bros., New York, 1961, page 323.

45. Conant, James B., Modern Science and Modern Man, Columbia University Press, New York. 1952, page 46.

46. Jones, Rotblat and Whitrow, op. cit., page 49.

47. Condon, E. U., What is Science?, edited by James R. Newman, Simon and Schuster, New York, 1955, page 104.

 

A Matrix/DNA Theory e’ uma informacao inventiva teorica e nao resultado de informacoes inductivas

segunda-feira, fevereiro 19th, 2018

xxxx

baseado no video:

Dewey B. Larson on inductive reasoning – Reciprocal System

A mente humana pode imaginar a realidade correta que existe alem das montanhas que cercam seu ambiente imediato, por pelo menos dois metodos: o inductivo e o inventivo.

Por exemplo, a teoria de Ptolomeu sobre o sistema planetario foi inventiva, enquanto o conhecimento atual pelo qual e’ o Sol que esta no centro do sistema e nao a Terra e’ inductivo.

A teoria inventiva surge quando o homem tenta adivinhar o que existe alem de seus atuais limites visiveis mas faltam-lhe informacoes essenciais, pecas do quadro alem das montanhas que lhe sao desconhecidas. Quando todas as informacoes essenciais sao conhecidas nao ha necessidade e nem se cria teorias, nos podemos desenhar o quadro invisivel e ter certeza que ele vai bater com a realidade. As informacoes essenciais que faltavam aos gregos por exemplo, e’ a de que  terra gira em torno do Sol e a informacao de que existe a forssa da gravidade.

Mas existe uma maneira da teoria inventive bater com a realidade invisivel, e acho que foi que descobri. A seculos um exercito de pesquisadores estao procurando como explicar as origens da vida neste planeta. Os pesquisadores modernos acreditam que conhecem todas as informacoes necessarias, enatao eles nem sequer aceitam a suposicao de que abiogenesis – a qual e’ o quadro final invisivel indicada racionalmente pelas informacoes que possuem – seja apenas uma teoria, e nao a verdade confirmada. Ora, eles conhecem todos os elementos e forssas existentes neste planeta e em outras planetas que nao existe vida, com isso podem confiar no resultado de seus calculos de como era o estado ambiental atmosferico, oceanico, rochoso, nos tempos da origem da vida; eles julgam conhecer todos os ingredients que podiam conter a sopa primitive e julgam conhecer como a quimica funciona nestes elementos. Entao eles acreditam que tem todas as informacoes que funcionam indutivamente na elaboracao do quadro correto para aqueles eventos invisiveis de 3 ou 4 bilhoes de anos atras. Este quadro chama-se abiogenesis. Porem, apos decadas da formulacao da abiogenesis, o exercito de pesquisadores nao conseguiram explicar de forma racional as origens da vida. Isto lanca a suspeita de que abiogenesis nao e’ o quadro final correto. mas se nao for o quadro correto, isto significa que esta faltando informacoes essenciais, seja no estado reduzido do ambiente, seja naquela sopa primitiva.

Entao, quem deixou de continuar com a mesma abordagem na busca de entender as origens da vida, procurou outro tipo de abordagem, um que o levasse ao encontro das informacoes essenciais que estao faltando. E um metodo nessa busca e’ a comparacao anatomica e functional entre o ultimo mais evoluido sistema existente um minute antes da origem da vida e o primeiro ser vivo, o qual e’ outro sistema tambem. Este exercicio de anatomia comparada entre duas coisas tao dispares, tao distantes entre si, sendo uma em escala macro e a outra em escala micro produz duas listas paralelas de fenomenos e eventos naturais: uma com as diferencas, e aoutra com as semelhancas entre os dois sistemas. Mas este exercicio apenas revela informacoes ja conhecidas, como por exemplo, dentre as emelhancas, que ambos os sistemas sao constituidos de atomos, e como cruciais diferencas e’ que um sistema e’ inanimado e o outro animado, etc. para saber isto nao era necessario tanto trabalho de anatomia comparada. Mas toda iniciativa em busca de solucionar um problema sempre resulta em alguma coisa util, e neste caso, foram varias ideias que surgiram as quais nunca se havia pensado antes. Por exemplo, que ambos os sistemas possuem um unico e cerca de seis ou sete partes cada um na sua periferia. Vemos nesta simples e quase aleatoria informacao que de alguma forma a vida reproduziu a nao-vida.

Mas como pode a minuscula, microscopica vida reproduzir algo macrocosmico?! Meses ou anos pensando nestas questoes intrigantes enquanto a gente continua a vida e com isso aprendendo cada dia mais informacoes  sobre o nosso mundo imediato, faz com que as vezes uma nova informacao apreendida, ou entao uma velha informacao `a qual nao se tinha dado o real valor, nos remete diretamente as questoes mais profundas sobre a origem da vida que povoam nossa mente. Uma destas antigas informacoes que de repente lembraram as questoes foi que um corpo humano com volume de 100 quilos, um comprimento de dois metros, e uma idade de 20 anos naturalmente se encolhe nanotecnologicamente ate caber dentro de um invisivel corpo de tao microspico que e’ – o cromossoma. E nesse encolhimento ele leva todas as informacoes essenciais do macro-corpo. Ora, se a Natureza esta mostrando que e’ capaz de fazer isso aqui perante nossos olhos, entao porque ela nao teria sido capaz de encolher um sistema astronomico dentro de um sistema celular? Indutivamente podemos dizer que ela faz isso. E faz isso quando esta aplicando o processo de reproducao de sistemas.

Entao esta velha conhecida informacao revista novamente nos leva correndo de volta `a mesa onde estao os dois desenhos das duas coisas sendo comparadas e `as duas listas de diferencas e semelhancas, e sobre aqueles material nos mantemos debrucados, raciocinando por logo tempo. Uma nova informacao que surgiu agora e’ “reproducao”, a qual muda nossa focalizacao da lista maior de diferencas para a lista menor de semelhancas, procurando nos minimos detalhes mais semelhancas, pois reproducoes projetam semelhancas e nao diferencas.

E focalizado em reproducoes de repente lembramos que nas reproduces biologicas quase sempre o novo sistema traz algum detalhe mais aprimorado, mais complexo que o velho sistema, detalhe ao qual denominamos de evolucao. Se houve reproducao entre um sistema astronomico e a primeiro celula viva, entao o anterior era mais simples, mas isso nao e’ novidade, basta olhar os dois quadros para ver isso imediatamente. Porem, esta nova e simples observacao trouxe mais uma informacao essencial: evolucao. E isto nos obriga novamente a retornar ao exercicio de anatomia comparada, porem, de uma maneira mais complexa do que fizemos na primeiro vez. Se antes analizamos dois sistemas desenhados estaticamente sobre a mesa, totalmente separados entre si, agora vamos ter que refazer o exercicio fazendo a comparacao porem botando entre os dois desenhos uma seta com a palavra “evolucao”, e tudo aquilo que ela representa atraves dos seus efeitos sobre os sistemas.

Finalmente, apos varias outras novidades e abordagens que se somaram nos anos gastos nestes exercicios que nao vamos mencionar aqui, elaboramos um desenho do que teria sido o elo evolucionario entre os dois sistemas comparados. Este desenho poderia ser visto como uma nova informacao essencial, porem, inventiva, teorica. mesmo que ela seja deduzida de outras informacoes reais conhecidas, ela nao pode ser tratada como real, e sim, apenas teorica.

Mas qual sua utilidade? Qual foi, por exemplo, a utilidade da informacao teorica contida na teoria da luz, do encurvamento do espaco/tempo de Eisntein? Acho que a utilidade deveras importante foi que apenas esta informacao teroica pode motivar cientistas a observarem o comportamento da luz das estrelas num dia de eclipse, para averiguar se a teoria estava certa ou errada. A utilidade foi que aquela informacao inventada, teorica, nos levou a um grande avanco cientifico e tecnologico.

A utilidade da informacao inventiva teorica contida no desenho do elo perdido entre o mundo antes da vida e o mundo apos a vida ja se revela numa pequena dose quando ela nos motivou a retornar a busca das origens da vida por uma diferente abordagem daquela que todos estao aplicando. Pois ela insinuava um tipo de informacao teorica que deveria ser uma informacao real que estaria existindo naquela sopa primitive, e com esta informacao se explicaria completamente como a vida surgiu, qual sua causa, de onde veio e como veio.

Entao pode ser um caso de sorte ou azar quando alguem precisa urgentemente saber o que existe invisivel alem das montanhas e poe a mente a busca-lo. Sorte ou azar porque vai depender de um equilibrio e exatidao de raciocinio sobre as informacoes corretas existentes, mais os niveis de essencialidade destas informacoes. Pois pode ocorrer que uma informacao existente seja determinante, dominante em relacao as outras e se nao vemos isso, nosso quadro final sera errado. Einstein teve sorte ao conectar as informacoes existentes nos seus niveis corretos de essencialidade. Ja muitos outros fizeram grandes teorias do quase-tudo sob uma perspective nunca pensada por outros humanos, mas estas teorias continuam em busca de mais evidencias e comprovacoes quase esquecidas ou totalmente ignoradas inclusive nos meios intelectuais, e esta demora na sua consagracao nao se sabe ainda se ‘e devido estarem erradas ou porque estao muito acima da quantidade de informacoes reais conhecidas. Como e’ o caso da Matrix/DNA Theory: ela continua sendo uma pesquisa teorica e nao uma realidade comprovada nem descomprovada.

As teorias inventivas na Fisica, como a do sistema geocentrico de Ptolomeu sao feitas com o proposito de validar a matematica existente. de fato ela se baseou e em nada contradisse a matematica existente. Hoje prodemos aprender que apesar de uma teoria se encaixar com a matematica existente, ela pode gerar conceitos e interpretacoes equivocadas do mundo real. En tao fica mais um aviso e uma contastacao de como alguem pode ter azar em sua teoria.

 

 

Matrix/DNA divulgacao: Importante regra quando apresenta a teoria: Evitar falar em evidencias ou tentar corrigir cerebros?

quarta-feira, fevereiro 7th, 2018

xxxxx

Raios! Mais um pepino e dos grandes, aparentemente insoluveis. Os cerebros das pessoas normais tem um defeito de configuracao, e o pior, eles sao inconscientes sobre isso e resistem em aceitar/entender este efeito. Pesquisa tecnica revelou que quando apresentamos uma nova ideia que vem com uma suposicao de um desconhecido fenomeno da Natureza, se incluir-mos na apresentacao o relato de mais evidencias, condenamos a apresentacao, porque as evidencias vao afastar os ouvintes do objetivo da apresentacao. Claro, isto esta totalmente contra a logica racional, Portanto e’ um defeito profundo do cerebro, talvez causado geneticamente ou por insistencia da cultura milenar. E como tenho o habito de inserir evidencias no meio do meu discurso, estou inutilizando meu trabalho!

Um fator a pensar e’ que os pesquisadores classificam as evidencias intermediarias como “fracas evidencias”. E as fracas evidencias, ao inves de reforcar a apresentacao, desviam os ouvintes do assunto, levando-os a rejeitarem a proposta. Entao penso que ao apresentar uma visao de um mundo ou caracteristica do mundo real que e’ desconhecida, nunca sequer imaginada, ja existe de antemao a tendencia a rejeita-la. E as evidencias sugeridas para reenforcar a proposta sao mentalmente adicionadas a previa rejeicao, levando a total rejeicao. Mas tambem penso que a previa rejeicao, ou a predisposicao a rejeicao da visao de mundo pela Matrix/DNA e’ causada pelas interpretacoes erradas que a cultura milenar enfiou no cerebro e deturpou as configuracoes neuroniais, resultando em crencas irracionais ou anti-logicas.

Entao, agora, me vem uma estrategia: antes de apresentar as minhas evidencias – as quais fazem meu texto ter varias frases: a primeira, introdutoria, chocante, por exemplo, “atomos e galaxias tambem tem DNA”, a ultima sendo, ” e apresento a seguir a formula desse DNA nos atomos e galaxias”, e sendo as frases intemediarias como ” o codigo genetico nao foi  inventado pela material estupida deste planeta, ele e’ mera evolucao de uma evolucao que vem desde o Big Bang”…  devo omitir as frases intermediarias. Diz o resultado da pesquisa tecnica que desta maneira as pessoas tendem a aceitar melhor a proposicao. E’ contra-intuitivo, irracional, mas devo experimentat isto. Talvez nao seja tao ilogico se nos lembrar-mos dos danosos efeitos das equivocadas interpretacoes inoculadas nos cerebros pela cultura predadora milenar.

Em Segundo lugar, me vem outra estrategia, que e’ a de questionar antes as crencas do ouvinte e apresentar sua ilogicidade, para minar esse mecanismo de auto-defesa. Ou seja, desconstruir a cultura reinante.

O importante estudo – que deve ser aqui traduzido para melhor memorizar e refletir o assunto – esta no link: 

https://www.sciencedaily.com/releases/2011/03/110307124530.htm?utm_medium=cpc&utm_campaign=ScienceDaily_TMD_1&utm_source=TMD

Weak supporting evidence can undermine belief in an outcome

Fracas evidencias como reforco podem diminuir a crenca numa proposta.

New research shows that people who receive weak but supportive evidence about a proposition are less optimistic about the outcome than people who receive no evidence at all. The “weak evidence effect” could be a useful tool in communications, from marketing to political discourse.

Nova pesquisa mostra que peassoas que recebem fracas evidencias como suporte sobre uma proposicao sao menos otimistas sobre o que vem a seguir do que pessoas que nao recebem evidencias. O “efeito da fraca evidencia” poderia ser uma ferramenta util em comunicacoes – como apresentacao da minha visao de mundo – desde o marketing ate discursos politicos.

Experiments by Brown University psychologists have produced positive evidence that people often think about positive evidence the wrong way — if it is weak. Defying logic, people given weak evidence can regard predictions supported by that evidence as less likely than if they aren’t given the evidence at all.

Experiencias realizadas por psicologos da Brown University tem produzido positivas evidencias de que as pessoas frequentemente pensam a respeito de evidencias positivas de maneira errada – se estas evidencias forem fracas, ou seja, sem serem comprovadas no momento da apresentacao. Desafiando a logica, pessoas a quem sao dadas fracas evidencias podem considerar predicoes suportadas por estas evidencias como menos verdadeiras do que se a elas nao fossem dadas nenhuma evidencia.    

( continuar traducao)