Archive for the ‘Lista dos Inimigos Externos da Humanidade’ Category

Os Acionistas como Inimigos da Humanidade e as Fábricas Sem Fins Lucrativos

terça-feira, abril 26th, 2011

A nossa “Grande Causa da Humanidade” é construir o lar perfeito na Terra mas manter a mente livre. Em vista disso estamos criando a Lista dos Inimigos da Humanidade, a qual será dividida em externos e internos, sendo êstes os próprios seres humanos que de alguma forma prejudicam o bem-estar e a evolução material e intelectual de qualquer outro ser humano. Claro que a lista deve ser encabeçada pelos maiores criminosos diretos mas como estamos iniciando um protótipo, vamos arrolando quem aparece no momento. Por exemplo apareceu-me agora um novo tipo de inimigo interno que eu não tinha bem definido: os acionistas. E por tabela seus instrumentos de ação: as companhias de capital aberto. Apareceu num artigo cujo trecho deixo anexado abaixo, mas antes de expô-lo quero explicar que andei pensando brevemente nesta questão:

“Se a cosmovisão da Matriz/DNA está sugerindo que a transcendência de qualquer espécie depende de que seja acionado por ela mesma o Principio da Solidariedade – no qual todos os membros da espécie estão perfeitamente e voluntáriamente integrados – e se as empresas de sociedades anônimas pareciam ser um grande avanço nessa direção, mas agora estamos vendo que não é, qual a alternativa mais próxima para substituir êste tipo de emprêsas? Já havia pensado no tipo de emprêsa em que os donos, ou seja, quem obtem cotas do lucro, seriam apenas aquêles que nela trabalham de fato, de igual para igual. Mas ninguém garante que os defeitos de caráter dos acionistas mencionados no artigo abaixo não se apresentariam tambem como defeitos de caráter dos empregados-donos. 

Então agora à queima-roupa me surge a idéia que iria produzir risos e ira em muita gente: “Tôda emprêsa que atua no mercado, desde fábricas a bancos, devem ser “non-profits organizations”, ou seja, sem fins lucrativos. Como seria isso, não me pergunte, por enquanto não faço a minima idéia. Vamos começar a pensar nisso agora. Mas talvez êsse tipo é o unico que está previsto na Matriz/DNA para efetivar-se a solidariedade final que levará à transcendência da espécie, e, se fôr, quer queira, quer não, ninguém conseguirá evitar que as “non-profit” sejam a realidade do futuro. 

O trecho copiado abaixo está no artigo:

The next financial crisis could be right around the corner 

Journal: The Globe and Mail

http://www.theglobeandmail.com/report-on-business/economy/the-next-financial-crisis-could-be-right-around-the-corner/article1995104/page2/

By: 

Roger Martin

Special to Globe and Mail Update
Published Monday, Apr. 25, 2011 10:00AM EDT

” The true cause of the mayhem in our capital markets is our slavish devotion to the theory of shareholder value maximization. Over the past 40 years, we have come to utterly embrace the notion that the singular objective of a company is to maximize the return it earns for its shareholders. It is not to make customers happy. It is not to serve as an employer of choice, nor is it to contribute to society. And it is not, importantly, to earn a fair return for shareholders, given all the other stakeholders. No – the sole purpose of the organization, according to shareholder value theory, is to maximize shareholder value by increasing its own stock price more or less forever.

This theory has, unsurprisingly, caused executives to turn their attention from the real market – where products are made, services provided, employees hired and customers served – to the expectations market – where stocks are traded and dividends paid. Executives have turned their attention from winning with customers over the long term to focusing on investors in the short term. It’s incredibly damaging to real market performance and the executives themselves. The executives have to convince themselves that there is meaning in talking up their stock price to analysts, making deals with hedge funds and sweet-talking the financial press. There just isn’t. It’s all demotivating and unproductive.”