Archive for the ‘Teoria da Matrix/DNA’ Category

A forma do pensamento sistêmico da Matrix/DNA é a terceira onda no trato com os sistemas naturais

quarta-feira, abril 24th, 2019

xxxx

https://en.wikiquote.org/wiki/Ervin_L%C3%A1szl%C3%B3

Early scientific thinking was holistic, but speculative — the modern scientific temper reacted by being empirical, but atomistic. Neither is free from error, the former because it replaces factual inquiry with faith and insight, and the latter because it sacrifices coherence at the altar of facticity. We witness today another shift in ways of thinking: the shift toward rigorous but holistic theories. This means thinking in terms of facts and events in the context of wholes, forming integrated sets with their own properties and relationships,

  • p. 19; As cited in: Bela H. Banathy (1996) Designing social systems in a changing world. p. 156.

O pensamento sistêmico começou como holístico, porem era meramente especulativo. O moderno pensamento sistêmico reagiu sendo empírico, atomístico.  Nenhum dos dois foram livres de erros, o primeiro porque ele substitui a inquirição dos fatos  pela fé e insight; e o segundo porque ele sacrifica a coerência sob o altar do factualismo. Nos assistimos hoje – com o advento da Matrix/DNA Theory – outra mudança na forma de pensar: a mudança na direção de rigorosas holísticas teorias. isto significa pensar em termos de fatos e eventos no contexto dos conjuntos, das totalidades, formando integrados conjuntos com suas próprias propriedades e interações.

Um dos motivos porque o livro A Bíblia mente – segundo minha opinião.

quarta-feira, abril 24th, 2019

xxxxx

Um dos motivos porque o livro A Bíblia mente – segundo minha opinião.

Imagine um ser tao inteligente e poderoso capaz de criar o corpo de uma ovelha. Sua mente tem de criar os materiais como osso, carne, músculos, nervos, sangue, etc.. Dai tem que perguntar: vou fazer este corpo ter a necessidade de se alimentar ou não? Vamos supor que Ele concluiu que deve se alimentar. A próxima pergunta será : esse corpo vai se alimentar como as plantas, fazendo fotossíntese, ou de outra maneira?… Comendo minhas plantas? Seria irracional escolher comer suas plantas, seria muito pior para o corpo pois a energia do sol se desperdiça e tem `a vontade. Mas vamos supor que Ele tivesse alguma razão “de outro mundo”. Então porque não criar esse corpo no outro mundo e sim aqui? Continua sem sentido inteligente. Então sem sentido inteligente ele resolveu que o corpo iria comer Suas plantas, para azar delas. Claro que ela vão dizer: “Maldito criador, criando monstros para nos comer vivas!”.  Não ligando para o choro delas Ele agora tem que pensar em montar um sistema de absorção e digestão destas plantas para no final tirar delas a energia que vem do Sol… Ora, tira essa energia diretamente do Sol e o sistema para absorve-la já existe, deixe de ser burro!  Mas vamos continuar com a irracionalidade. Então Sua inteligencia tem que pensar e criar pela primeira vez no Universo um estomago, com ácidos, os quais também tem que criar pois não existem ainda, a entrada e saída, e ligado a bílis, criar um aparelho que vai chamar de pâncreas, e depois o figado para limpar as impurezas, e depois as bactérias para digerir o alimento, e depois os intestinos… Agora tem que criar um sistema de circulação no corpo, e Ele tem que aplicar Sua inteligencia para criar outra coisa que nunca viu, o coração, e dai as traqueias, as veias, etc. E ai tem que criar algo como boca, com língua, os dentes, os maxilares e depois a respiração criando o nariz, os pulmões e depois as coisas do sexo, e depois o sistema excretor, e depois a complicada visão, a audição, o cérebro…

Bem, vamos dar uma chance para a Bíblia e continuar com esse absurdo. Depois de todo esse trabalho Ele diz: ” Seu nome será  “Ovelha” e o objetivo de sua existência é ser comida pelo leão!”

E o leão não vai servir para nada… vivendo apenas ate o dia que as mudanças no planeta apague seus rastros e o mundo se esqueça de que um dia tenha  existido…

Muito sensato, muito inteligente, faz todo sentido… talvez no mundo imaginário de fantasias dos recém-nascidos ainda no berço…

Mas ai se tivesse um humano por perto mesmo um pouquinho inteligente perguntaria de imediato: ” Mas o leão vai come-la viva?” – ” Não! Você acha que sou um monstro? Que sou o demônio? A ovelha é minha criatura, minha grande obra, que tanto trabalho me deu, e claro, que amo minhas criaturas, jamais as criaria para serem torturadas, o leão vai mata-la antes de começar a comer!” – “Oh,… sim? E como vai mata-la?” – ” Ora vai aparecer para ela, ela vai sair correndo desesperada, o leão vai persegui-la, ai ela vai sentir o leão rasgando-a toda com suas garras, depois estraçalhando sua garganta com os caninos de vampiro, ai ela vai ficar gritando de dor e horror, o leão vai ficar ao lado esperando ela espernear até morrer e só ai vou autoriza-lo a come-la”

– ” Mas porque não fazes isso de outro jeito? Sem dor e horror? Por exemplo, o leão tem um olho emitindo um facho de luz que chega por traz da ovelha e a mata instantaneamente, sem ela sentir e sem vê-lo? Ou porque não faz a ovelha com genética para não sentir dor?”

– ” Ora,… porque… porque…

Eu não vou dar uma resposta. Deixo isso para os autores e defensores da Bíblia e vou ficar esperando eles responderem. Enquanto não responderem, fico com pena dos defensores e crentes nas lendas desse livro  como fico com pena de uma criancinha que acredita nas mentiras do adulto que esta enganando-a para ela o acompanhe ao mato onde ele vai estupra-la. Fico com pena e raiva ao mesmo tempo de ver adultos se comportando como as criancinhas que acreditam em tal mentiroso, pois estes adultos são inúteis quando os chamo para qualquer obra inteligente em favor da humanidade… “Ah, não, isso é coisa de Deus, não vou me envolver nisso…”. E fico com ódio dos autores da Bíblia, que nada mais foram que o adulto mentiroso que tinha o objetivo de escapar do trabalho duro para comer seu pão e percebeu que mentindo o povo ia carrega-lo nas costas como escravos. E assim vão enfiando a mão nos seus bolsos tirando o misero dinheirinho que podia comprar alguma felicidade para os filhos, como a criança crédula segue o estuprador para o mato…

Por seu lado o estuprador é tao desviado mentalmente que acredita estar praticando o que foi determinado por Deus, pois ele vai achar no “livro” algum versículo que confirma isso, como “Devereis multiplicar-vos!” E termina o ato fazendo o nome do Pai para que Este veja que ele obedece.

Esse mundo com humanos assim é, de fato, REPUGNANTE. Como pode o cérebro humano estar ainda tao disfuncional, tao débil e primitivo?!

Você pode até observar o mundo, não ver as explicações racionais para as coisas que vês, pode tentar evitar o trabalho de esmiuçar a Natureza para procurar estas explicações, imaginando que exista algum tipo de ser poderoso e consciente que tem um plano para o mundo ser assim e para você ser o que é nesse mundo. Até ai ainda consigo entender, pois eu também as vezes certas questões são tão complexas que me induzem a suspeitar em algum tipo de consciência cósmica, ou de outra dimensão que não sou capaz de ver. Mas, seja qual for a figura que você imaginar, ela será sua e somente sua! De mais ninguém! Seu relacionamento com esse ser, esse amigo imaginado só pode ter algum resultado na sua própria e unica relação com esse ser. Que você aceite intermediários que sabem igual ou menos que você, muitas vezes com a intenção de tomar algo seu ou te usar para os interesses dele, outro humano que nada mais é que igual a você, no meio do caminho entre você e seu Deus! Isso é absurdo! O estuprador se veste como palhaço para engabelar a criancinha, e você cair na balela de batas e togas para te engabelar? Fique ciente que estas na frente de um doente mental que acredita que está  obedecendo a seu Deus enquanto com isso convenientemente escapa da miséria e do trabalho duro. Estas prejudicando o escritor de mentiras ou falso mensageiro de mentiras ao alimenta-lo no seu pecado! Um messias ou real enviado de um Deus-Pai jamais teria saído deste mundo deixando leões monstros soltos comendo ovelhas vivas e estupradores torturando criancinhas, entenda isso!

Numa aldeia rural nos penhascos da Grécia tem um povo simples onde os pais repetem incansavelmente aos filhos desde que nascem que ali existiu um gigante com força sobrenatural chamado Sansão que derrubou os pilares do palácio com suas mãos, que enfrentou a górgona com sete serpentes na cabeça, que matou o dragão nos subterrâneos da Terra, que dizimou os demônios fantasmas que saiam dos porcos… que conversou com cobras falantes enroscadas em arvores… E depois quando estas crianças crescem acreditam nisso e estes pais lhes dão o livro das lendas de Sansão. E de fato lá estão as ruínas de um palácio com os pilares destruídos pelo tempo, tem o Rio Eufrates por onde Sansão teria navegado… E estes filhos quando se tornam pais fazem os mesmos com seus filhos com os netos… a aldeia crê no Deus Sansão, quando na verdade um escritor imaginativo –  que assistiu uma batalha ao lado de um soldado mais grande e mais forte mas que morreu e ficou lá estirado no chão – escreveu um livro com estas fantasias e para vende-lo dizia ser verdade… Que isso pudesse acontecer de fato é possível, pois o cérebro humano sem maiores ciências, sem microscópios e sem telescópios para ver as explicações dos fenômenos naturais que ele pode enxergar, funciona muito mal.

Que alguém aceite intermediários entre o que lhe sussurra sua alma e suas intuições sugerindo um modelo de Criador, intermediários humanos sem sua alma e suas intuições que nada fazem de magicas supernatural para provarem suas amizades poderosas, isso nunca vou entender e aceitar. Com meu Deus só eu posso conversar e no silencio da noite escura embaixo das minhas cobertas. Quanto aos outros humanos que vão pegando no martelo e enxada e trabalhando duro para não virem tomar o que produzo em troca de conversa fiada ou letras escritas em folhas de papel. Se eles tem um Deus, um Pai Espiritual ou seja la como for, que conversa ou conversou com eles, esse não é meu Pai, pois Ele nunca veio falar comigo. Por algum motivo que desconheço, meu Pai apenas me ouve, talvez atenda ou não meus pedidos, mas não sei por qual motivo Ele não pode responder na minha língua. E também por isso não acredito que outro pai espiritual responda  conversando com criaturas humanas. Afinal, Deus fez meu corpo para crescer e virar adulto e não teimar em ser criancinha a vida toda acreditando nas mentiras deste tipo de adultos …

Estas mentiras tem causado muita dor, muita tortura, muita miséria e muita escravidão entre a humanidade. O crente nessas mentiras se alia a fantasmas e serve a fantasmas em detrimento de sua união com seus irmãos terrestres e humanos pela qual muito seria alcançado. Um Deus de verdade diria que não precisa de pucha-sacos nem baba-ovos, mas sim precisa de gente que se una para somar com seus filhos que trabalham e produzem seu pão na Terra sem tomarem nada de ti, que por acaso, são seus irmãos.

 

Cientistas acordaram a maquinaria de um cérebro morto, mas não o principio vital na formula do cérebro

sábado, abril 20th, 2019

xxxxx

A sugestão que vem dos modelos teóricos da minha “Matrix/DNA Theory” fazem sentido aqui. Tanto o cérebro como a vida são produtos de uma formula natural que produz os sistemas naturais. Um novo ser nasce vivo porque o interruptor que ligou o funcionamento da vida foi acionado a bilhões de anos e continua transferindo esse principio vital de geração a geração. Uma vez que um ser foi desligado dessa corrente, pode se fazer toda a maquina do cérebro funcionar, que o principio não retorna e o ressuscitado sera um zumbi sem auto-consciência. Por isso também sera impossível tornar o computador ou robot mais poderoso com inteligencia artificial em algo vivo, pois só existe uma vida neste planeta rodando a 3,5 bilhões de anos.

Cientistas acordam cérebro morto e questionam noção de vida

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2019/04/18/interna_ciencia_saude,750236/cientistas-acordam-cerebro-morto-e-questionam-nocao-de-vida.shtml

 

De onde vem a inteligência comprovada do bolor verde que cobre o pão velho?!

quarta-feira, abril 17th, 2019

xxxx

Chamamos de “bolor” aquelas manchas ou substancias de massas gelatinosas que aparecem sobre materiais orgânicos em decomposição. Algumas figuras de bolor:

Por Lairich Rig, CC BY-SA 2.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?purid=13643375

 

Plasmódio com a sua rede de “veias”. By bernard bradley

Estes bolores são formados e constituídos por microorganismos muito simples, com uma so célula, que poderiam viver como organismos unicelulares livres, mas que se agregam em massas mucilaginosas macroscópicas, formando colônias.

Ate ai, tudo bem, toda criança está cansada de ver isso na Natureza e não se dá muita atenção a isso. Mas acontece que cientistas japoneses estudando e fazendo experiências com estes bolores descobriram algo surpreendente que nunca ninguém foi capaz de imaginar…

O bolor, essa massa disforme, tem principio de inteligencia! Age demonstrando ser inteligente! 

Um artigo da BBC News, no link abaixo, diz:

When slime is not so thick (Quando o bolor não é tão “grosso, espesso”)

http://news.bbc.co.uk/2/hi/science/nature/944790.stm

A descoberta deu-se no seguinte experimento: os cientistas fizeram numa placa uma série de canais na forma de um labirinto. Numa ponta puseram um pouco de bolor e no final do caminho mais fácil colocaram alimento orgânico em decomposição, a comida preferida das minúsculas criaturas. No inicio, como era de se esperar, a massa de bolor se multiplicou espalhando-se por todas as aberturas, todos os caminhos. Mas quando a massa encontrou a comida, ela começou a se transformar. Ela começou a diminuir, quando se esperava que ela ia crescer, engordar ainda mais, claro, pois está tendo alimento. Mas ela começou a cortar de seu corpo as extensões apenas de alguns canais, enquanto num canal ela começou a emagrecer e se esticar o máximo possível. No final ela ficou como uma tira fina e só num caminho, que vai de onde ela partiu até o ponto do alimento. E acontece que dos 4 caminhos possíveis, os outros três davam muitas voltas desnecessárias, alguns retornavam ao ponto de partida. Havia um único caminho mais fácil, que ia direto para a comida, e foi esse que a massa escolheu e se fixou. Com isso ela se alimentou muito melhor pois havia muito menos criaturas para dividir o mesmo alimento, economizando energia, etc. Exatamente o que uma fila de humanos teria escolhido, se tivessem que passar de mão em mão uma pilha de tijolos por um labirinto ate o ponto onde estariam construindo uma parede. Ou então recolhendo algo do ponto final.

  • “Não tem como discutir. Apenas algo com alguma inteligencia procederia assim.”

Anunciando sua descoberta no Journal Nature, os pesquisadores disseram que eles acreditam que o organismo mudou sua forma para maximizar sua eficiência na colheita e portanto sua chance de sobreviver. (Announcing their findings in the journal Nature, the researchers say they believe the organism changed its shape to maximise its foraging efficiency and therefore its chances of survival.)

Raios… eu copiei e colei o texto tal como esta’ escrito no artigo da BBC News porque fiquei com a pulga atras da orelha quando li isso. Quando me deparei com a palavra “maximise” não acreditei no que estava lendo, mas constatando que era verdade, corri nos dicionários suspeitando que aprendi o inglês errado. Pois eu aprendi que se escreve com “z”, “maximize”, e não com “s”. E os dicionários disseram que quem esta’ certo sou eu, o inglês que escreveu o texto esta’ errado… Talvez alguém esta’ precisando de um pouco da inteligencia das bactérias…

Mas, vejam como são as placas e o labirinto. Na imagem da esquerda se nota como, em situação normal, a massa se alastra por todos os canais, sem qualquer orientação. Na placa da direita se mostra como ficou a massa (quase um fio fino e por um só caminho) depois do achado do alimento.

Slime Bio-Mimetic Control Research Center

Agora, cá entre nos, deixa-me sussurrar algo em segredo ao seu ouvido, mas por favor não vá dizer a ninguém, senão a academia cientifica no poder hoje pode me mandar para a fogueira como herege.

Ora, essas criaturas e a massa que formam não tem o menor resquício de um cérebro, nem mesmo algo que se pode chamar de um principio de sistema nervoso. Para mim esta’ obvio que esse comportamento não pode ter sido produzido por inteligencia destas criaturas. Mas então o que foi de inteligente que orientou de fora esta massa? Bem, existe uma outra cena na Natureza onde vemos criaturas sem sistema nervoso se orientando na direção do alimento. Estou me referindo as plantas que crescem sempre com a ponta o mais próxima da luz do sol possível. E para isso não apenas o tronco, mas os galhos se torcem, se distorcem, se esticam todo, fazem voltas contornando obstáculos de sombra, com a determinação unica de obter o máximo de luz para a fotossíntese. Não acho que essas criaturas façam fotossíntese ( a pesquisar), mas fazem algo parecido com a quimiossíntese, um método mais primitivo e anterior na evolução, mas que faz quimicamente criaturas simples mudarem de forma na direção de alimento ou luz ou calor.

Mas porque os cientistas não pensam nisso, parece que nem se lembram disso ao observar a massa, ao menos no “paper” nada dizem disso?! Já vão correndo concluindo que as  criaturas tem alguma inteligencia?! Claro que eles conhecem as origens e a historia evolutiva anterior de onde veio estas criaturas, melhor do que eu conheço. Então porque lhes dá esse branco na cabeça quando observam o fenômeno, a ponto de não ligarem esta cena com a outra tao velha conhecida?

A causa é que uma equivocada visão do mundo se formou uma doutrina acadêmica passando de geração de estudantes a novas gerações de maneira que os neurônios são configurados de maneira a formarem networks que não copiam a network dos movimentos naturais, ou seja, raciocínios dessincronizados com a Natureza.  Devido a isso estes lapsos são inevitáveis e o pior, jamais estes cérebros vão aceitar serem reconfigurados a não ser na base do porrete, ou seja, com uma enorme massa de novos dados que sejam impossíveis de questionar.

Esta visão de mundo esta’ pondo coisas onde não cabem, onde a Natureza não poe. Tudo agora virou moda, esse negocio de adornar um punhado de átomos com personalidade própria, intenções inteligentes que se comportam para produzir planejados resultados futuros, como fazem com os punhados de átomos chamados de genes… “os genes são egoístas e tudo fazem para perpetuarem-se pela reprodução a qualquer custo…”… um punhado de átomos que tem consciência que existe futuro e que querem estarem vivos no futuro…

Ora,… convenhamos…

Agora são microcélulas fazendo mapas, traçando rotas, e o pior, modelando as curvas de seus corpos no mesmo modelo que veem o mapa de cima…

Nem humanos conseguem fazer isso. Eu ganhei um sapato caríssimo do meu ex-boss, lindo de morrer, mas quando enfiei o pé não aguentei andar, estava apertado e doendo demais. Eu daria tudo para poder usar os sapatos, então se pudesse encolheria meu pé alguns centímetros para caberem no sapato. Massas de bolor fazem isso eu não posso, são mais cientificas e inteligentes que eu…

Colonias de formigas e abelhas montaram sistemas sociais que beiram a perfeição, tudo funciona com eficiência máxima, todo o trabalho dividido em equipes e cada qual especializado na sua função. Seria a rainha uma reencarnação de algum maestro de orquestra que tinha a mania de comer todas as candidatas antes de aceita-las na orquestra e voltou para pagar seus pecados na forma de formiga? Pensando nessa hipótese eu peguei uma rainha, botei ela numa caixa de vídeo e fiquei berrando em cima dela: “Ei,… Bethoven!”. Se ela não apresentava nenhuma reação eu voltava a carga: “Ei, Mozart!”…

Não tem disso, não são maestros reencarnados, comprovei isso com essa experiencia cientifica super sofisticada.

Esta visão do mundo só consegue ver os fenômenos naturais pela meia parte esquerda de uma porta entreaberta, na qual esta escrito “método reducionista”. A outra folha direita da porta onde esta’ escrito “método sistêmico” fica fechada tampando a metade do mundo. Questão de miopia decorrente da total dominância do hemisfério esquerdo do cérebro e ausência dos atributos sistêmicos do hemisfério direito.

Assim quando estes pesquisadores vão observar o fungo ou seja la o que for do bolor, assim como quando observam as formigas, ou os genes, concluem rapidamente que só podem serem inteligentes para fazerem o que fazem. Porque se a evolução universal é uma só cadeia de causas e efeitos eles a dividiram em cosmológica e biológica e agora nestes punhados complexos de átomos organizados de forma biológica eles só consideram a evolução biológica. Assim não enxergam as causas que vem da Historia Natural Universal desde seus primórdios.

Quando na selva eu dava mordidas nos rabos de macacos que ficavam pulando em cima de mim e me enchendo o saco sem deixar eu ler meus livros ou escrever minhas equações, descobri que o DNA não surgiu por acaso e nem pelo simples desenrolar de reações químicas, mas sim que ele veio de outro DNA muito maior e muito mais antigo, que existe em galaxias, átomos e começou la’ no Big Bang, na forma de uma simples onda de luz natural. Trata-se da formula universal para todos os sistemas naturais a qual chamei de Matrix/DNA. Pois observando agora a experiencia dos cientistas eu vejo na formula o que é que de fora da massa, esta’ modelando a massa informe daquela maneira, o que é que esta vendo de cima o mapa, mas por ele estar igualmente dentro de todas as criaturas que constituem a massa, ele modela a massa coletiva e orienta-a a imitar a sua própria figura como sistema. Assim como, quando observando a sociedade das formigas, descobri que tudo o que elas fazem é o mesmo o que robots montados pela formula do sistema fariam.

Quando eu era um girino na barriga da minha mãe, eu era desajeitado pra burro, nem pernas para andar tinha. Meu corpo foi mudando de forma, gerou bracos, pernas, língua para lamber, fuckinha para fukinhar, etc. Na cabeça destes cientistas japoneses, o girino tem inteligencia e modela o corpo de acordo com necessidades futuras que vão ser necessárias num mundo la fora que o girino nunca viu. Não lhes ocorre olharem fora da barriga, para o corpo da mulher para perceberem que quem esta modelando o girino e alguém, um corpo, que esta fora e ao mesmo tempo, na forma de genoma, dentro do pequeno universo do girino. Na cabeça destes cientistas, se eles interromperem o tubo que leva através da placenta o alimento para o girino, o girino vai se mover, entrar no tubo, dar as mil voltas do tubo enrolado ate chegar onde o alimento parou….

Este processo que gera, de um corpo isolado e inerte, a sua transformação em varias formas diferentes, chamamos de ciclo vital, o qual foi o principio que montou o primeiro sistema neste Universo… e ele esta’ encriptado numa simples onda de luz.  O Ciclo vital se torna o fluxo de informações que percorre todo o sistema. Acontece que no circuito total tem um trecho em que as partes menores todas se dirigem para a parte que emite luz.  Este trecho se evoluiu para a forma biológica da fotossíntese.  Mas o que aproxima as partes menores da parte que emite luz não é a luz propriamente dita e sim os corpúsculos dela, os fótons, que estão tanto dentro das partes menores como estão no corpo que emite a luz. Estes fótons todos tende-se a alinharem-se na forma de montarem uma copia do sistema, por isso se auto atraem e se posicionam exatamente como estavam na onda de luz. Esta atracão gerou o processo que denominamos “comer”.

Pois na matéria orgânica em decomposição estão fótons presos que estão escapando pela decomposição, fótons buscados pelos fótons que estão no corpo da criatura e portanto em toda a massa. A coisa e muito mais complexa do que se vê no laboratório. No dia que esses cientistas descobrirem a formula universal, eles vão ter vontade imensa de construir aparelhos que sejam capazes de verem sinapses fluorescentes mas ainda ocultas aos nossos censores biológicos e artificiais mecânicos, formadas por fótons que estão dentro dos elétrons que estão dentro dos átomos que estão dentro do DNA que estão tanto nas criaturas numa ponta como na matéria orgânica em decomposição na outra ponta. E vão aprender que estes conceitos como ~comida”, ou “comer” na verdade não existem, são meros produtos apresentados a nossos olhos pela atividade de fótons que possuem a tendencia eterna de se procurarem e se juntarem onde estiverem com o sonho de recomporem o ciclo vital. A coisa toda é muito mais complexa do que imaginam.

Uma grande vantagem da Matrix/DNA sobre a evolução universal

segunda-feira, abril 15th, 2019

xxxxx

Vamos supor um filme documentário de uma hora sobre a historia do Universo.

Agora vamos dividir a fita deste filme em 60 pedaços, cada um correspondendo a um minuto do filme. Vamos chamar cada pedaço de “variável” ( no método científico, uma variável é um fato que pode mudar de acordo com os ambientes, circunstancias, etc. Por exemplo, cada uma das based do DNA é chamada de variável).

Então a fita está dividida em 60 variáveis. Agora vamos supor que você nunca viu o filme e eu lhe dou apenas 4 pedaços, 4 variáveis e peço para você montar o quebra-cabeças, ou seja, monte um filme igual ao original. Claro que você não vai conseguir, pois tendo apenas 4 minutos sendo cada um aleatório de diferentes partes, não pode dar ideia sobre o que é o filme inteiro. Depois de muito pensar você pode montar um filme em que se encaixe os 4 pedaços, e esta será sua “teoria” sobre o que deve ser o filme.

Quando fiz esta experiência, pensei que um pedaço mostrando uma supernova explodindo era um ovo sendo quebrado, que o campo gravitacional de uma estrela era a asa de uma galinha, e meu filme final ficou sendo a história da galinha e  o ovo. Nada tinha a ver com o filme original.

Assim é a teoria do Big Bang. Tendo apenas 4 variáveis ( a cosmic wave background, a curvatura da luz, a expansão do Universo, e… não me lembro agora a quarta ), tentaram montar o filme dinâmico da História do Universo. Estas 4 variáveis levaram-nos a uma hipotética origem começando com uma grande explosão, a história toda se desenrolando ao sabor do acaso, etc.

Sera que montaram algo parecido com a real Historia do Universo ou algo como a historia da galinha e  o ovo, que nada tem a ver?

Eu tentei montar este filme com um método diferente. Partindo do pressuposto que tudo o que o Universo produziu e que podemos conhecer de fato hoje, foi por uma longa cadeia de causas e efeitos de 13,8 bilhões de anos, sem nenhuma interferência sobrenatural, eu desenhei tudo isso que pude em pedaços de papel e espalhei-os sobre o terreiro de cimento onde meu avô secava e rastelava os grãos de café ao sol, aproveitando um periodo entre safras. Lá estava o desenho de uma mitocôndria, de um chifre de cavalo… quero dizer… de uma vaca, a folha da jabuticabeira, o rabo do esquilo perto do rabo do macaco, a segunda lei da termodinamica, o átomo de tungstênio, o coitado do rebaixado Plutão, a tal cosmic wave background, etc., e etc. Por cima contei uns 1.500 papeis. Continuei por semanas fazendo mais papeis, pois sempre lembrava de novos fatos, eventos, fenomenos naturais que eram importantes, influenciaram na historia, nao podiam ser esquecidos. La ia pelos 3.000 papeis…

Então andava no meio deste terreiro olhando para os papéis no piso. Aí peguei o rastelo do meu avô mais uma pá e carreguei todos estes papéis pondo na caixa de cimento vazia que estava ao lado do terreiro. Fiz uns cálculos, cheguei ao número seis, peguei giz e rabisquei o chão separando o terreiro em seis retângulos. Pequei tábuas velhas da casa que meu avô havia desmanchado e as fixei acima das linhas de giz fazendo seis caixas separadas. Eu não queria que o vento levasse os papéis de um retângulo para outro.

Então pegava da caixa de cimento um punhado de papéis e olhava um por um, se era átomo ou organela de célula, ou órgão de organismo, etc., e colocava em caixas específicas. Assim separei a evolução universal em seis quadros, seis momentos históricos. Aí chegou a vez das varinhas. Se na casa das organelas tinha a mitocôndria, com certeza ela veio da evolução de algum principio que tinha de estar em algum daqueles papeis que estavam na casa do estado do mundo antes de surgir as mitocôndrias. Obviamente este estado do mundo era composto por astros, galaxias. O que mais funcionava como uma mitocôndria no espaço sideral? O que tinha ali com cara de mitocôndria? E ribossomos… E achava o pulsar, funcionando igual mitocôndria, produzindo igual mitocôndria, então deve ser este o danado ancestral. Para fixar aquela conexão eu cortava uma varinha no tamanho da distância entre o pulsar numa casa e a mitocôndria na outra casa e deitava ali entre os dois a varinha. Acabei tendo uma rede, uma network complicada dos diabos, quase acabei com a mata do meu avô para conseguir as varinhas, enquanto depois do trabalho ele ia no terreiro ficava olhando aquilo curioso, mas ainda me incentivava.

Finalmente as varinhas deram a dinâmica ao filme, as figuras se tornaram ativas personagens e mudando de formas ao longo de toda a historia, entao montei o filme final, uma nova versão do filme da história do universo.

Se esta versão estiver mais correta que a versão do Big Bang deve-se ao fato que,  enquanto os teoristas do Big Bang começaram e fizeram o filme todo com apenas 4 variáveis, eu comecei com milhares de variáveis.

Apenas para citar um exemplo, hoje ainda a Teoria da Evolução ( mesmo depois de milhares de remendos feitos na teoria do Darwin) esta apresentando muitos buracos. Estes buracos não existem na minha teoria da evolução, eles foram preenchidos e explicados. isto porque Darwin montou a teoria com apenas três variáveis – Variação, Seleção e,  Hereditariedade – enquanto eu encontrei na evolução cosmológica mais 4 variáveis. Então montei a teoria com sete variáveis, em situação mais favorecida que Darwin.

Quanto menos variáveis você tiver, mais difícil será calcular o filme inteiro. Uma variável apenas a mais, já ajuda muito. Imagina milhares de variáveis a mais…

Agora, cá entre nos… quando nos conscientizamos da inimaginável imensidão deste Universo, com um trilhão de galáxias cada uma com 100 bilhões de estrelas, e tudo isso rodando durante 13,8 bilhões de anos, um tempo que cérebro nenhum consegue processar, eu pergunto: Quantas variáveis, quantas evidencias, serão necessárias para montar a real Historia deste Universo?

Eu chutaria umas cem bilhões de variáveis, apenas para calcular algo próximo da historia real. Por isso não posso acreditar na minha versão desta história, feita com apenas miseras 3,000 variáveis. O que não me entra na pchuluca da minha ideia e como estes caras, com apenas 4 variáveis, criaram tanta fé na sua versão desta história!

  • ” Mas… mas se não se pode acreditar em nenhuma versão da Historia do Universo, porque você botou tanto trabalho para fazer uma?”
  • ” Well… por dois motivos principais: Primeiro, justamente para me vacinar contra a fé, que fecha as mentes ‘a busca de mais conhecimentos, a criatividade, etc. Se fosse educado num ambiente acadêmico certamente esta teria entrado e dominado minha mente como uma doutrina, e tendo uma outra diferente versão, eu fico suspeitando sem ser doutrinado; Segundo porque as teorias tem ajudado muito no desenvolvimento do nosso conhecimento. Teorias sugerem, nos iluminam a fazer experiencias que sem elas nunca sequer imaginaríamos. Por exemplo, o Einstein teorizou que a luz distante de uma estrela deveria se curvar ao passar perto de um astro. Então alguns pesquisadores por causa dessa teoria montaram uma aparelhagem de observação numa eclipse solar e constaram a tal luz se encurvando. isto pode ter muitas aplicações em tecnologias, mas se não houvesse uma teoria, jamais teria sido descoberto. Outro caso foi a teoria de que deveria existir uma ressonância de fundo como uma especie de eco do Big Bang. Tipo de teoria que geralmente entra por um ouvido e sai pelo outro, não teria qualquer aplicação prática, mas é curiosa e isto fica memorizado na mente do leitor. Vai daí que certo dia engenheiros da telefônica estavam pesquisando as origens de ruídos nas linhas, detectaram um ruido vindo de longe… Se não tivessem lido a teoria, este ruido seria esquecido, como algo inevitável da natureza sem explicação, mas a teoria levantou e deu realce ao ruído, e aplicou-se a várias outras pesquisas e mais teorias, etc. Eu acho que não perdi meu tempo. Minha teoria geral esta falando de milhares de coisas que nunca se pensou e um dia uma destas coisas pode ajudar em mais um pequeno passo na grande senda conhecimento humano.

E se alguém tem curiosidade sobre como esta fé acadêmica esta funcionando, veja o vídeo no outro artigo seguinte.

 

 

Como evitar que a face má da formula Matrix/DNA se torne uma má ideologia?

sábado, abril 13th, 2019

xxxx

NÃO SE MIRE NA FORMULA DO MAL QUE DESCOBRI NO MUNDO

O mais cruel desvio da Teoria da Evolução de Darwin está contido, ironicamente, em frases que Darwin nunca proferiu: ” sobrevivência do mais forte”, ” a lei da selva”, e ” a natureza vermelha dos caninos e garras”. Podem procurar em seus livros e nas suas cartas, ele nunca disse nada disso. Estas noções tem sido enormemente influentes. Elas mascararam a evolução numa competição regida pela violenta oposição entre predadores e presas.

É a velha historia dos mestres que descobrem algo novo com boa intenção no coração e tentam ensina-lo visando melhorar o mundo, quando um grupo de encantados ouvintes se tornam discípulos militantes, mas como os discípulos nunca tem as nobres intenções dos mestres, e sim almas ou genéticas atrasadas ainda dominadas pelos instintos de predadores e/ou presas, desvirtuam toda a obra dos mestres. Aconteceu também com Darwin, até com Jesus Cristo. Como explicar que seus discípulos portanto as chaves das portas dos templos mandem queimar humanos em fogueiras quando o mestre não teve sequer a coragem de atirar uma pedra numa prostituta e condenou o ato veementemente? Portanto nunca siga discípulos pregadores e mantenha-se alerta senão alteraram as falas dos mestres nas escrituras.

Mas estas noções incluídas na obra pelos discípulos muitas vezes realmente traduzem aparentes e temporárias realidades, como as cenas entre predadores e presas na selva. Como alguns discípulos tem tendencia a predadores, as noções são infiltradas por eles por interesse anímico e se tornam auto-justificativas divinas e sagradas para se manter os sistemas sociais baseados em classes oligárquicas escravagistas e classes pobres inertes escravizadas. Os caninos do animal predador e os chifres do animal presa estão na genética que constroem o ego psíquico destes humanos modelados contendo caninos e chifres abstratos. Isso não permite evolução e sim interrompe-a, e a unica alternativa para reencetar a evolução em tal especie é esperar que os acontecimentos – geralmente como cirurgias dolorosas aplicadas pela evolução – produzam a exorcização destes instintos.

Pois eu descobri a formula natural universal da Matrix/DNA, presente em todas as situações onde a Natureza construiu sistemas de matéria e energia. Esta formula tem duas meias-faces, uma construtiva, boa, e a outra destrutiva, má. Por azar, e por conta do pouco conhecimento humano, eu apresento a formula realçando seu estado de má. Porque tenho que apresentar a face inteira numa só formula e esta contem a metade má, e justamente o produto mal, destrutivo, se produz quando a formula se aproxima da extrema perfeição material, estado em que ela se torna um sistema fechado em si mesmo. É a imperfeição errada, falsa, pois a perfeição buscada pela matéria – o eterno equilíbrio termodinâmico – seria a extrema imperfeição para a consciência. Assim a formula completa tem a forma de circunferência, mas quando se apresentar apenas a metade boa, teria a forma de uma reta com duas pontas livres, representando um sistema aberto `a sua evolução, um sistema bom.

Eu nunca vou ser um mestre porque sou escondido como um zé ninguém. Só falo através do website que não tem chances para leitores comentarem, assim evitamos a formação de grupos de discípulos. Para um ou dois amigos chegados em quem confio as boas intenções ou ao menos a neutralidade, uso um facebook sem nenhuma repercussão social. Mas no futuro alguém vai descobrir a formula, alguém que seja alguém e tenha alguma posição social e se tornara um mestre. E se ele não for avisado, vai se trair, se enganar drasticamente, pensando que fez o bem ao mundo, porque seus discípulos vão ignorar a face boa da formula e vão cantar aos quatro cantos a face má. Como fazem com Darwin, com Jesus Cristo…

Acontece ainda que existimos numa biosfera construída pelo estado de caos, da face má. Do caos sempre se levanta o fluxo da ordem, mas ele começa fraco e sofrendo todas as agressões e martírios, porque ele começa fraco enquanto seu adversário e o poderoso dominante. E sendo filhos do caos os humanos erram e carregam as forças do caos, motivo pelos quais vão darem a vitoria, sempre apenas temporária, a face má da formula.

Mas certa vez eu caminhava na selva com facão abrindo picadas no emaranhado de galhos e folhagens espessas pulando sobre cobras e escorpiões, quando de repente vi no chão uma linda flor. Me despojei do pesado romanxim – aquela mochila de taquaras e lonas dos nativos – e agachei ao lado da flor, acariciando-a, sentindo seu perfume. Meu ser se encheu de tristeza. Aquela criatura débil, sem maldade nenhuma, indefesa, só veio ao mundo para fornecer seu néctar, revelar beleza e perfuma-lo, não era predadora de ninguém, estava ali isolada e só, justo no solo, no meio de mil ervas daninhas, cipos pesados, e pesados predadores passando por cima. Sem falar que uma primeira tempestade iria afoga-la carregando-a. Não pude continuar o caminho deixando-a ali. Sabendo que isso poderia me matar de sede mais a frente se não encontrasse água, cortei meu galão plastico de água, esvaziei-o e com a faca, cortei o solo ao redor da plantinha, sacando o terrão com todas as raízes e a coloquei no vaso improvisado, levando-a para a tenda.

Mas ao caminhar uma súbita alegria recuperou a luz no meu ser. Estava ali naquela forma minuscula e débil, o ser mais forte de todos os tempos e universos, que desde o caos inicial nas origens do Universo veio sendo ameaçada de todas as maneiras, mas como que por magica continua existindo, e brotando no cerne do meio do mal. Ali estava a evidencia do emergir e florescer do fluxo da ordem por ação da face boa. Ali estava a prova de que o amor sofre, mas resiste sempre e vencerá!

Infelizmente ainda por algum tempo esta humanidade vai caminhar vendo os produtos da face do mal que lhe dá a sobrevivência como filhos do caos e não vão sequer verem as florzinhas no caminho antes de pisoteá-las. Por isso é provável que da formula da Matrix/DNA vão selecionar, eleger e cantar o aspecto de sistema fechado, de onde veio o tal gene egoísta e nosso ego atual. Não siga os pregadores, não admita intermediários entre você e seus mestres e seus deuses. O seu cranio é o seu verdadeiro templo, e dentro deste templo só existe um cérebro, uma alma, que é você. Este o templo sagrado onde de fato falas com seus mestres e deuses. Tem destes discípulos vociferando venenos nos altares exclamando que os pecadores vão queimar eternamente no inferno, quando seu mestre nunca disse isso, ao contrario, disse que seu Pai sempre perdoa… apos os devidos corretivos da evolução, claro.

Filosofia natural, Ciencia Natural, e Ciencia: Diferencas explicadas no Wikipedia

sexta-feira, abril 12th, 2019

xxxx

https://en.wikipedia.org/wiki/Natural_science

Newton and the scientific revolution (1600–1800)

By the 16th and 17th centuries, natural philosophy underwent an evolution beyond commentary on Aristotle as more early Greek philosophy was uncovered and translated.[51] The invention of the printing press in the 15th century, the invention of the microscope and telescope, and the Protestant Reformation fundamentally altered the social context in which scientific inquiry evolved in the West.[51] Christopher Columbus‘s discovery of a new world changed perceptions about the physical makeup of the world, while observations by Copernicus, Tyco Brahe and Galileo brought a more accurate picture of the solar system as heliocentric and proved many of Aristotle’s theories about the heavenly bodies false.[52] A number of 17th-century philosophers, including Thomas Hobbes, John Locke and Francis Bacon made a break from the past by rejecting Aristotle and his medieval followers outright, calling their approach to natural philosophy as superficial.[53]

The titles of Galileo’s work Two New Sciences and Johannes Kepler‘s New Astronomy underscored the atmosphere of change that took hold in the 17th century as Aristotle was dismissed in favor of novel methods of inquiry into the natural world.[54] Bacon was instrumental in popularizing this change; he argued that people should use the arts and sciences to gain dominion over nature.[55] To achieve this, he wrote that “human life [must] be endowed with new discoveries and powers.”[56] He defined natural philosophy as “the knowledge of Causes and secret motions of things; and enlarging the bounds of Human Empire, to the effecting of all things possible.”[54] Bacon proposed scientific inquiry supported by the state and fed by the collaborative research of scientists, a vision that was unprecedented in its scope, ambition and form at the time.[56] Natural philosophers came to view nature increasingly as a mechanism that could be taken apart and understood, much like a complex clock.[57] Natural philosophers including Isaac Newton, Evangelista Torricelli and Francesco Redi conducted experiments focusing on the flow of water, measuring atmospheric pressure using a barometer and disproving spontaneous generation.[58] Scientific societies and scientific journals emerged and were spread widely through the printing press, touching off the scientific revolution.[59] Newton in 1687 published his The Mathematical Principles of Natural Philosophy, or Principia Mathematica, which set the groundwork for physical laws that remained current until the 19th century.[60]

Some modern scholars, including Andrew Cunningham, Perry Williams and Floris Cohen, argue that natural philosophy is not properly called a science, and that genuine scientific inquiry began only with the scientific revolution.[61] According to Cohen, “the emancipation of science from an overarching entity called ‘natural philosophy’ is one defining characteristic of the Scientific Revolution.”[61] Other historians of science, including Edward Grant, contend that the scientific revolution that blossomed in the 17th, 18th and 19th centuries occurred when principles learned in the exact sciences of optics, mechanics and astronomy began to be applied to questions raised by natural philosophy.[61] Grant argues that Newton attempted to expose the mathematical basis of nature – the immutable rules it obeyed – and in doing so joined natural philosophy and mathematics for the first time, producing an early work of modern physics.[62]

The scientific revolution, which began to take hold in the 17th century, represented a sharp break from Aristotelian modes of inquiry.[63] One of its principal advances was the use of the scientific method to investigate nature. Data was collected and repeatable measurements made in experiments.[64] Scientists then formed hypotheses to explain the results of these experiments.[65] The hypothesis was then tested using the principle of falsifiability to prove or disprove its accuracy.[65] The natural sciences continued to be called natural philosophy, but the adoption of the scientific method took science beyond the realm of philosophical conjecture and introduced a more structured way of examining nature.[63]

Newton, an English mathematician, and physicist, was the seminal figure in the scientific revolution.[66] Drawing on advances made in astronomy by Copernicus, Brahe, and Kepler, Newton derived the universal law of gravitation and laws of motion.[67] These laws applied both on earth and in outer space, uniting two spheres of the physical world previously thought to function independently of each other, according to separate physical rules.[68] Newton, for example, showed that the tides were caused by the gravitational pull of the moon.[69] Another of Newton’s advances was to make mathematics a powerful explanatory tool for natural phenomena.[70] While natural philosophers had long used mathematics as a means of measurement and analysis, its principles were not used as a means of understanding cause and effect in nature until Newton.[70]

In the 18th century and 19th century, scientists including Charles-Augustin de Coulomb, Alessandro Volta, and Michael Faraday built upon Newtonian mechanics by exploring electromagnetism, or the interplay of forces with positive and negative charges on electrically charged particles.[71] Faraday proposed that forces in nature operated in “fields” that filled space.[72] The idea of fields contrasted with the Newtonian construct of gravitation as simply “action at a distance”, or the attraction of objects with nothing in the space between them to intervene.[72] James Clerk Maxwell in the 19th century unified these discoveries in a coherent theory of electrodynamics.[71] Using mathematical equations and experimentation, Maxwell discovered that space was filled with charged particles that could act upon themselves and each other and that they were a medium for the transmission of charged waves.[71]

Significant advances in chemistry also took place during the scientific revolution. Antoine Lavoisier, a French chemist, refuted the phlogiston theory, which posited that things burned by releasing “phlogiston” into the air.[72] Joseph Priestley had discovered oxygen in the 18th century, but Lavoisier discovered that combustion was the result of oxidation.[72] He also constructed a table of 33 elements and invented modern chemical nomenclature.[72] Formal biological science remained in its infancy in the 18th century, when the focus lay upon the classification and categorization of natural life. This growth in natural history was led by Carl Linnaeus, whose 1735 taxonomy of the natural world is still in use. Linnaeus in the 1750s introduced scientific names for all his species.[73]

By the 19th century, the study of science had come into the purview of professionals and institutions. In so doing, it gradually acquired the more modern name of natural science. The term scientist was coined by William Whewell in an 1834 review of Mary Somerville‘s On the Connexion of the Sciences.[74] But the word did not enter general use until nearly the end of the same century.

Criticas substanciais `a Matrix/DNA Theory para serem analisadas

terça-feira, março 19th, 2019

xxxxx

( Analise não feita, porem  critica e muito construtiva, voltar aqui)

https://scienceblogs.com/pharyngula/2016/03/19/the-delusion-of-immortality

By pharyngula on March 19, 2016

To Louis Charles Morelli from G  on 25 Mar 2016

What’s your native language? I get the distinct impression it’s not English, so knowing what it is may help me figure out some of what you’re trying to say.

From what I can figure out, you’re postulating some kind of cosmic “substance dualism.” At present that does not comport with the findings of modern neuroscience, and some of the specifics sound like “new religion.”

For example: “A spherical layer of mind-stuff around a planet,” and the stuff about “spinning to the left / right” are all indications that what you have there is not a scientifically testable theory, but a religious philosophy based on some kind of subjective experience.

The Gaia hypothesis, as far as ecological science is concerned, is legitimately about the existence of interacting feedback mechanisms among organisms, and between organisms and their environment. Margulis and Lovelock chose the name “Gaia” as a metaphor, not as a way of saying that the Earth was a deity or even a conscious being or anything like that. The latter interpretations are also not-science, though you can have them as religion if you like.

if your ideas are based on anything coming from current science, by all means provide a couple of names of scientists who are involved, and whose publications or at least whose ideas, can be found online (somewhere other than Google, which is blocked on my system for security reasons).

But frankly I’m highly skeptical, because much of what you say sounds like “revealed truth” rather than scientific theory. I’ve had plenty of mystical experiences too, but I treat them with appropriate caution, and treat their content as metaphor and symbolism rather than as literally true. Two of those experiences that I can think of, involved insights that turned out to be consistent with modern science; many others did not; and in building one’s worldview, that distinction is highly useful in sorting the insightful wheat (trigo) from the erroneous chaff (palha).

E meu post que gerou  resposta acima:

From Louis Charles

Please, do not read my four itens below for not calling me names…

1 – It’s not uploading the mind, but recycling the body. This people ate talking uploading when, unconsciously, they are merely being used in a reproductive mechanical process of the biological life’s creator. The creator, about 10 billion years ago, was self-recycling its physical system/body after death, but the system identity was the same. The method for doing that was separating half of its energy while it young ( the energy is in state of growth) – which was a kind of stem cell – while the another half goes with the body attacked by entropy degenerating till dying. After death and fragmentation, the dusty was mixed with that “stem energy” and the whole body was born again (see the MatrixLight/DNA formula for all natural systems and you will understand it).

But, who was the ” creator”? Of course, not this planet alone, life is dependable of sun’s energy. But the solar system does not have pulsars, quasars, black holes, which are necessary parts for a biological copy of that system to work. Who have them is the galaxy. That’s the necessary and enough creator, anything else. And original galaxies were self-recycling.

Biological life is the tentative to reproduce the creator – this galactic system – in a biological fashion, because here we have the liquid state of matter and from it, organic chemistry.

2) The biological tendency to die is a consequence of the first force in this universe that brought dynamics upon a inertial space substance: waves of light, and waves of light are born, they grow, they reaches the maturity and they degenerates, dying, being fragmented into photons. Since that biological systems are the light formula plus inertial matter substance… the phenomena of death was encrypted in it before its origins.

3) But… the fragmented photons has the tendency to group and making the reverse way that its original wave did, going back to rebuild the wave till reaching the source again. It is the dark light or negative energy. So, I should remember here that since the first PZ Myers’ article about this imortality issue, all comments have described all variant hypothesis but they forgot one: Teilhard du Chardin and the super-conscious organism. As in quantum entanglement, each bubble of consciousness inside the head of each human has its counterpart in a spherical layer around the planet, the collective unconscious mind, that is being nurtured as a fetus. And as in quantum split experiment, yours mind exists in two places at sometime, just now, the difference is that in the other place it is still a fetus. Now, the part inside a living human head is spinning to left, its counterpart in the ” nebula” is inactive spinning to right ( because we are using the serial processor of left hemisphere and not the parallel processor of the right). When the human bubble die, the other part is still alive, and will be part of the Gaia’s super-organism. Impossible hypothesis? Maybe, but at MatrixLight/DNA Theory we are testing it.

4) The brain does not produce the mind. Yours brain did not produced yours mind because the mind was existing before the origins of yours brain, in yours parents’ heads. So like yours physical body, yours mind was genetically encrypted before the formation of yours brain.

-“Ahhh…, but, it was the ancestors brains, coming since the monkeys that produced the mind.”

– ” This is not a scientific proved fact, it is yours theory. You need go back to that time for proving it. This problem would be solved if you knew about the Universe composed by dark matter and light. The expansion of light waves causes friction in space substance creating particles and the energy. So, all known bodies are made off dark matter and light, anything else; meat and the photons of sun’s light. The problem is that a light wave have a sequence of different states of frequencies/vibrations performed by the life’s cycle process. In another words, a light wave has the code for life. So, since the atoms to galaxies to human beings, all systems are made off hardware ( substance or matter of space) plus software ( light wave). As we see above, every light wave rebuild itself and goes back to its source, which must be a natural system but, ex-machine and conscious, since that consciousness is manifested here. So, yours hardware part dies… but yours software/conscious part is going to be re-build in the big wave of the super-organism. Ok this is merely other theory, that we are testing it because it makes rational sense facing our knowledge and thousands of evidences”

Os Territórios da Razão Humana – Critica sobre o que é conhecimento de fato e o que é crença disfarçada nas Ciências

terça-feira, março 19th, 2019

xxxx

 Artigo de autor de livro que comprei no Kindle:  

The Territories of Human Reason por Alister McGrath

Cover for 

The Territories of Human Reason

( Obs.: Os parágrafos aqui copiados são para serem traduzidos porque este e um ótimo método para  memorizar informações e refletir nelas enquanto se traduz)

https://iai.tv/articles/between-knowing-and-believing-auid-1207

Between Knowing and Believing

Can we be certain that what we now think are facts are not merely beliefs?

Knowledge too often turns out to be a disguised (disfarçada) belief. 

” I have reluctantly come to the view that I know less and believe more – not because I have lapsed into some form of credulity, but rather because much of what I once thought was knowledge now seems to be opinion or belief. It leaves us with the awkward question, which we need to confront honestly: how can we be sure that what we think we now know is not in fact simply a belief? And is the difference between them partly a matter of our location in the historical process?”

xx

“If scientific theories that once commanded widespread support had now been displaced by superior alternatives, who could predict what would happen to these new theories in the future? These theories might be better than those they had supplanted; but were they right? Might they not be transient staging-posts, rather than final resting places? ”

xx

“How, I wondered, could Popper seriously believe that all scientific “theories are, and remain hypotheses: they are conjecture (doxa) as opposed to indubitable knowledge (episteme).”

xx

A Filosofia deve sempre lembrar o homem suas limitacoes cerebrais:

” For Russell, “to teach how to live without certainty, and yet without being paralyzed by hesitation, is perhaps the chief thing that philosophy, in our age, can still do for those who study it.”

Encouraged by what I read, I explored more of Russell. For Russell, human aspirations to rationality were compromised by the destructive “intellectual vice” of a natural human craving for certainty, which could not be reconciled with the limited capacities of human reason on the one hand, and the complexity of the real world on the other. Philosophy, Russell suggested, was a discipline deeply attuned to this dilemma, enabling reflective human beings to cope with their situation”

xx

“The Enlightenment championed the idea of a universal human rationality, valid at all times and places. Yet a more sceptical attitude has increasingly gained sway, seeing this as an essentially political or cultural assertion that certain Eurocentric ways of thinking are universally valid, and hence legitimating the intellectual colonization of other parts of the world, and the suppression of other forms of rationality”

xx

” This scientific imperialism – now usually contracted to “scientism” – finds itself trapped in a viciously circular argument from which no experiment can extricate it, in that it has to assume its own authority in order to confirm it. The insistence on the part of some that all questions be framed scientifically may seem like legitimate science to some, but will be seen as an illegitimate strategy of intellectual colonization by others.”

xx

” The scientific consensus of the first decade of the twentieth century – regularly presented at that time as secure scientific knowledge – was that the universe was more or less the same today as it always had been. Yet this once fashionable and seemingly reliable view has been eclipsed by the seemingly unstoppable rise of the theory of cosmic origins generally known as the “Big Bang”. What was once thought to be right – and hence to be “knowledge” – was simply an outdated interpretation, an opinion now considered to be wrong.”

xx

“So is knowledge socially located? To put this another way, is what is deemed “knowledge” in one historical and cultural situation deemed to be “belief” in another? It is an unsettling thought. The American anthropologist Clifford Geertz argued that what we call “common sense” is demonstrably not a universal way of thinking, but is “historically constructed,” varying from one historical location to another.”

Matrix/DNA: Esta e’ mais uma evidencia de que os dominantes predadores criam a cultura fazendo sua distorcida interpretação dos fatos: dominantes de um lugar nem sempre imitam as interpretações de outro dominante de outro lugar.”

xx

“Historical research shows up the existence of multiple forms of rationality in different cultural and historical contexts. They may have been suppressed in the past by the Enlightenment monomyth of a single universal rationality. However, what some are calling “epistemological decolonization” is gaining sway, especially in intellectual circles in South America and southern Africa.”

Matrix/DNA: A visão do mundo do semi-símio da selva amazônica e’ uma forma de raciocinar diferente da forma europeia ou anglo-saxônica espalhada pelo mundo. E talvez, por ser mais embasada na natureza direta e real, seja mais acurada.

xx

” So does this mean that we abandon any hope of finding a rational way of thinking, capable of engaging questions about how our universe functions, and deeper existential questions about meaning, value, and purpose? No. This does not give us any reason to believe what we like. It rather invites us to think more deeply about what it means to be rational. This concern lies behind my recent work The Territories of Human Reason, which explores the historical plurality of cultural rationalities on the one hand, and the diversity of methodologies used in the natural sciences on the other, and tries to understand how a single person can be said to act rationally while holding views that have quite different rational foundations.

NASA fotos no Instagram e respostas da Matrix/DNA

terça-feira, fevereiro 26th, 2019

xxxxx

louischarlesmorelli

Hi, NASA, arent`t you based on a wrong theory? Where is the energy for energetic process in dark clouds of gas and dust? Matrix/DNA astronomic models are suggesting a different event. I am asking that you search previous photos of that point, if are one. I will bet thare was a kind of pulsar, as like a very old giant gas planet. These Herbig-Haro objects must be the result of the last crust collapsing, when the luminous nucleus spreads to outside. This must be the origins of supernovas. Ok, it is theory facing another theories, time and more data will be the judges.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx