Archive for the ‘Ciência Acadêmica Oficial’ Category

Grandes cientistas de ontem eram filósofos também: Comunicadores da Ciência de Hoje são contra a Filosofia

sábado, setembro 29th, 2018

xxxx

https://www.facebook.com/jswilkins/posts/10155664860895796?__tn__=-R

e debatido no Pharyngula:

https://freethoughtblogs.com/pharyngula/2018/09/29/that-wilkins-guy-loves-to-rub-it-in/#comments

Mudanca no paradigma da Psicologia: a consciencia foi criada com a linguagem, mas a linguagem genetica criou a linguagem do cerebro, nao a consciencia.

quinta-feira, setembro 27th, 2018

xxxx

Lembro-me da noite que eu estava numa mesa de bar com 12 pessoas, todos recém-formados em psicologia. Em dado momento fiz uma pergunta sobre qual seria a origem da consciencia e todos foram unanimes em responder que a consciencia, ou os pensamentos, são pura linguagem. O que quer dizer que quando os primatas começaram a inventar a linguagem comecou a se firmarem os pensamentos contínuos, e isso e’ a consciencia.

Pensei um pouco na proposta e não gostei dela – ela esta’ contra o que meus mapas e modelos teóricos do mundo estao sugerindo: os sistemas naturais, de atomos a corpos humanos, sempre foram constituídos de hardware e software. Consciencia e’ uma evolucao, ou melhor, o despertar, a expressao desse software.

Entao, claro, procurei erros no paradigma da Psicologia. E pensei nos genes, trabalhando, construindo um edifício, o embrião. Devem se comunicarem, ou entao obedecerem a um comando central, para cada qual entrar na obra no momento certo com a substancia certa. Os biólogos dizem que existem sinais movendo-se dentro do DNA como imput/output, entra/sai, fecha/abre, etc. Inclusive estao descobrindo que muitos destes sinais ativandos genes vem do outrora chamado DNA-lixo.

Mas o que são estes sinais, independentes de onde vem? E’ um tipo de comunicação, mesmo que com outra forma de energia, som, química. E’ um tipo de comunicação, e a linguagem humana e’ um tipo de comunicação.

Mas quem veio primeiro? A linguagem da genetica que fez o cerebro humano ou a linguagem humana feita depois pelo cerebro? Claro, a linguagem na forma genetica.

Mas se os genes ja tinham inventado a linguagem, nem por isso ficaram auto-conscientes. O que lança duvidas ‘a teoria de que a linguagem reproduzida ( e não inventada) pelo cerebro fez surgir a autoconsciência.

Bem, o fato e’ que os doze ficaram me olhando de forma esquisita quando indaguei, questionei e expliquei a teoria da linguagem genetica que me surgiu naquela hora. Não sei o que pensaram, mas claro, logo afugentaram minha fala, pois eu era analfabeto e estava contestando seus professores. Nao adiantou eu pedir maior explicacao de como impregnar um pedaço de materia com linguagem faz de repente a materia ter pensamentos contínuos… e autoconsciência! Não adiantou eu pedir para apontarem onde mais na Natureza detectaram um fato igual, um parâmetro natural real, conhecido, comprovado, que nos possa certificar de que a natureza e’ capaz de aplicar esse tipo de criacao. A cerveja foi buscada com rapidez e o tilintar dos copos desviou o assunto para as piadas do cotidiano.

So’ eu fiquei serio com um grilo na cuca. Não e’ possivel que um individuo apenas esteja certo e 12 aqui presentes, mais milhares la’ fora que constituem o corpo acadêmico, estejam errados. Mas, diabos, onde estou errando,…  que não percebo?

E’ certo que o que levou o individuo que raciocina de forma anormal, naquela mesa, a contestar a crença geral, foi que o individuo anormal tem como visao de mundo algo bem diferente da visao de mundo dos psicologos. Senão não teria surgido a duvida. E e’ fato que nenhuma das duas visões do mundo pode ser comprovada cientificamente, por enquanto. No entanto, uma das duas tem que estar mais proxima da verdade. Portanto, a teroia escolhida sera uma questao de preferencia, ou opiniao pessoal. Mas cabe ao pessoal da Psicologia provar que a linguagem humana foi a primeira linguagem surgida no mundo, pois não seria uma auto-projecao da linguagem genetica. E por todas cargas d’agua, eu não vou aceitar essa teoria sem provas, vao ter que me mostrar onde esta cortado o cordao umbilical entre a linguagem humana e a linguagem genetica.

Ou entao provarem que não existe linguagem genetica. mas e’ fato comum na Biologia se referirem a um “comando de instruções” no DNA. Se existem instruções, existe uma especie de linguagem. Ou não?!

Eu sou analfabeto em relacao a moderna Ciencia da Psicologia, mas… com’on… isto não significa que não seja capaz de refletir um pouco… os doutores da Psicologia caíram no meu conceito enquanto não derem uma explicacao mais racional para seu paradigma.

Porque a evolução e o ancestral comum ainda não são “fatos científicos” e sim, “teorias cientificas”.

sexta-feira, setembro 7th, 2018

xxxx

https://ciencianautas.com/evidencias-da-ancestralidade-comum/#comment-2401

Evidências da ancestralidade comum

Debate publicado no artigo:

Tens certeza disto? Ou continuas buscando e gosta das ideias de outros, como eu? Um ancestral comum pode ter existido, várias evidencias e a lógica racional aponta para esta solução. mas como nunca foi mostrado, comprovado cientificamente, continua sendo uma teoria. Porem a logica racional nps leva a duvidar da teoria da biogênese tal como ela está’ hoje e a duvidar do mecanismo proposto pela teoria evolucionista de Darwin. Talvez o ancestral comum nunca tenha existido na superfície da Terra, como propõem os resultados dos meus modelos e cálculos teóricos.
Uma analogia pode embasar a minha teoria. Todos irmãos de uma família vem de um ancestral comum, que foi um casal de humanos. E o metodo natural pelo qual isso acontece e’ unicamente pela transmissão de DNA, de geradores a herados. Pois então quando surgiu a Vida neste planeta ela deve ter recebido do ancestral, algo como o DNA. Se ela veio do inorganico, esse ancestral DNA deve ter sido inorganico. Então quem foi o ancestral e o que e’ esse DNA inorganico? Ora, justamente o que meus resultados estão a indicar: o building block desta galaxia onde a vida surgiu e portanto criada por ela e’ baseado num circuito sistemico que pode ser representado como uma formula, e esta formula semeada na superfície da Terra dirigiu o período e processos da abiogêneses a reproduzir este ancestral astronomico. Por isso denominei a formula de Matrix/DNA. Mas não se irrite com essa ameaça `a teoria darwiniana, pois estou como vocês, sem provas ainda. E’ teoria logica contra teoria logica.

xxxx

A evolução é um fato científico, temos graus de parentesco com todas as formas de vida e como já disse no texto,em alguns casos podemos observar a especiação e além das evidências da embriologia e da anatomia dos animais.

xxxxx

Louis C. Morelli – 07/09/18

Não, a evolução não é fato cientifico. Apenas sera’ se tiver-mos o ancestral comum lado a lado com o ultimo produto deste movimento natural e comprovar que no ultimo a complexidade é maior que no primeiro. Nos estamos dentro do processo, e como determina o teorema de Godel, ” quem esta’ dentro de um sistema não pode saber a verdade do sistema”. Pode ser que estejamos assistindo os meros passos graduais de um grande processo de reprodução, maior que a historia biológica. Por enquanto a evolução é uma teoria racional e provável, mas não um fato cientifico. Sinto muito ser chato, mas é preciso nos policiar, pois muitos se tornam arrogantes fanáticos crendo que sabem… e se estiverem errados? Nos somos quase cegos e insensíveis, apenas vemos o lado da matéria que e’ iluminado e vibra numa das sete dimensões da luz. Sugere a logica que a nossa evolução, ao ver as sete dimensões, vai mudar todas nossas crenças atuais. Mas essa evolução só ocorre se manter-mos respeitando a disciplina cientifica, a qual nunca se refere a fatos que ela não esta vendo e tocando.

Entendendo Lições de Ciências – The Science Flowchart

terça-feira, agosto 28th, 2018

xxxxx

https://undsci.berkeley.edu/index.php

The Science Flowchart

https://undsci.berkeley.edu/lessons/pdfs/complex_flow_handout.pdf

 

Como aprender o “hábito da mente cientifica”

terça-feira, agosto 28th, 2018

xxxx

THE SCIENTIFIC STATE OF MIND

(para traduzir)

https://undsci.berkeley.edu/article/howscienceworks_04

Henri Becquerel
Henri Becquerel
Becquerel's photo plate
The ruined photo plate that got Becquerel thinking

Some scientific discoveries are chalked up to the serendipity of being in the right place at the right time to make a key observation — but rarely does serendipity alone lead to a new discovery. The people who turn lucky breaks into breakthroughs are generally those with the background knowledge and scientific ways of thinking needed to make sense of the lucky observation. For example, in 1896, Henri Becquerel made a surprising observation.

He found that photographic plates stored next to uranium salts were spotted, as though they’d been exposed to light rays — even though they had been kept in a dark drawer. Someone else, with a less scientific state of mind and less background knowledge about physics, might have cursed their bad luck and thrown out the ruined plates. But Becquerel was intrigued by the observation. He recognized it as something scientifically interesting, went on to perform follow-up experiments that traced the source of the exposure to the uranium, and in the process, discovered radioactivity. The key to this story of discovery lies partly in Becquerel’s instigating observation, but also in his way of thinking. Along with the relevant background knowledge, Becquerel had a scientific state of mind. Sure, he made some key observations — but then he dug into them further, inquiring why the plates were exposed and trying to eliminate different potential causes of the exposure to get to the physical explanation behind the happy accident.

Want to develop your own scientific state of mind?

 

Think science!

You might imagine that scientific thinking differs from the sorts of reasoning tools that you use in your everyday life — that scientists go around with a head full of equations through which they view the world. In fact, many aspects of scientific thinking are just extensions of the way you probably think everyday:
Ever seen something surprising and tried to figure out how it happened? Perhaps you’ve seen a magician make his assistant disappear from a box and wondered if the trick involved a trap door ….
Ever sought out more evidence (e.g., by looking for a joint in the floor beneath the box)?
Ever come up with a new explanation for a mystery? Perhaps the trick used a mirror to reflect an image of an empty wall ….
These might seem like trivial examples, but in fact, they represent scientific habits of mind applied to an everyday situation. Scientists use such ways of thinking to scrutinize their topics of study — whether that’s human behavior or neutron stars — and you can use the same tools in your own life.

Microbiologists performing a PCR assay An inquisitive child looks to see what she can discover under a rock

Scientific ways of thinking can be applied to everyday life.
Want to develop your scientific outlook? Try to consciously apply these habits of mind to the natural world around you:

Question what you observe. How does bleach lighten your clothes? How do bees find their way back to the hive? What causes the phases of the moon?
Investigate further. Find out what is already known about your observations. Your sister says that bleach washes chemicals out of fabric, while your chemistry book says that bleach is good at breaking molecular bonds that cause chemicals to appear colored.
Be skeptical. You’ve heard that honeybees use the sun to navigate, but does that really make sense? What would they do on cloudy days?
Try to refute your own ideas. Look at things from the other side of the argument. You’d always assumed that the phases of the moon were caused by the shadow of the Earth falling on the moon — but if that were really the case, then how is it that we can sometimes see both the moon and the sun in the sky overhead?
Seek out more evidence. Does bleach work better on some sorts of stains than others? Do bees leave the hive on cloudy days? Is there any relationship between the phase of the moon and where it appears in the night sky?
Be open-minded. Change your mind if the evidence warrants it. If everything you learn about the moon clashes with the idea of lunar phases being caused by the Earth’s shadow, perhaps you should give up that idea and look for other explanations.
Think creatively. Try to come up with alternate explanations for what you observe. Maybe bees also use landmarks to get back to their hives, maybe they use the Earth’s magnetic field, maybe they follow some sort of scent trail, or maybe they use a combination of navigation methods ….
In terms of answering your original questions, some of these strategies are bound to be dead ends. At the end of the day, you’ll have learned a lot but may still be without solid answers. And if so, congratulations — you’re really thinking like a scientist! Scientific investigations, like your own exploration, often lead in unexpected directions and lack tidy endpoints. Nevertheless, these ways of thinking illuminate the world around us in ways that are often useful and always fascinating, revealing the inner workings of our everyday experiences — whether that’s a walk past a garden, a moonlit night, or just doing a load of laundry.

Ciência Humana: As bizarrices estão no mundo natural, não nas nossas teorias… Mas qual a função da teoria senão retratar o mundo real?!

sexta-feira, julho 6th, 2018

xxxx

Todos, mas todos mesmos, fenômenos constatados no espaço sideral que não batem com o modelo da teoria astronômica acadêmica, são chamados de ‘estranhos”, “bizarros” e para explicar todos sempre recorrem a um evento nunca provado: colisões cataclísmicas. Ora, a logica do mundo e’ ditada pela Natureza Universal e não pela mente humana. Se existe um fenômeno natural que a mente humana diz ser bizarro, a bizarrice, o erro, esta na mente humana e não na logica natural. Ou vamos mudar toda a Natureza Universal para satisfazer e se adaptar `a mente humana?

 

https://hypescience.com/colisao-bizarrices-urano/

Colisão há bilhões de anos pode explicar bizarrices de Urano

E meu comentário enviado ao artigo ( nunca sai publicado os comentários na hora. Verificar se são retidos pela moderação) 

Louis Morello – julho 07/06/18

Mais uma vez a Mágica Dona Colisão dos Céus vem matar uma inimiga bizarra da Invencível e Eterna Teoria Astronômica dos Homens. Esta teoria virou uma colcha de retalhos tão remendada que se algum não-torcedor dos humanos observá-la, não vai reconhecê-la no modelo original. Mas ao invés de ver que a bizarrice esta no modelo teórico e não nos astros, mantém-no com unhas e dentes. Eu sou torcedor dos humanos e desejaria que nossa visão do mundo esteja próxima da verdade, mas assim não da’. Se houvesse computador e simulação quando a teoria dizia que o Sol roda em volta da Terra, a Mágica Dona Colisão teria mantido integra a crença da Terra fixa no centro com unhas e dentes até aparecer o primeiro satélite.
Será possível que esse pessoal não desperta para perceber que algo na Teoria Nebular sobre a formação dos planetas e sistemas estelares esta’ muito errado? Basta olhar para o que este sistema astronomico produziu aqui, dentro dele, na superfície de um dos seus planetas, e portanto apenas com forças e elementos dele… os sistemas biológicos, aka “Vida”? Então onde estavam estas forças e elementos no estado do mundo a 3,5 bilhões de anos atras? Caíram de outra galaxia por magica? Primeiro de tudo, este sistema astronomico aplicou aqui o chamado processo do ciclo vital. Onde um corpo surge do material existente, cresce transformando-se em varias formas, amadurece, degenera e morre. Os criados sistemas biológicos inventaram este processo do nada? Por mágica ou novamente por uma colisão salvadora? Não: se este processo foi aplicado pelo sistema astronomico e’ porque ele próprio ele foi formado pelo processo. Apliquei esta possibilidade numa estrela leve formada nos primórdios da nebulosa de átomos e vi nos cálculos simuladores a estrela se transformando e tomando as formas dos outros seis tipos de astros conhecidos, de quasares a planetas a pulsares.
Oh… mas usar um fato natural comprovado e conhecido por todos aqui como parâmetro para elaborar um modelo teórico astronomico e’ coisa de louco… o certo e’ imaginar o que nunca se viu ( astros surgindo por acaso e geração espontânea na forma que são, como Deus criou todas as especies na forma que estão), isso e’ racional… Urano, terá’ suas bizarrices explicadas quando aprenderem que existiu dois processos de formação dos sistemas astronômicos e saberem calcular como o primeiro processo evoluiu para o segundo, o que ainda não fiz.
Quando levanto os olhos nus ao céu e vejo o esplendor do estado de ordem, a incrível suavidade e exatidão da mecânica celeste, e não vejo nenhuma colisão, nada que revele o estado de caos desta biosfera a qual o homem projeta ao Cosmos antropomorficamente, e me lembro destas teorias das colisões caóticas, sinto revolta desta heresia contra o gênio da mecânica Newtoniana.

Suas mãos podem derrubar os mitos quanticos

quinta-feira, junho 21st, 2018

xxxx

Quando os homens conseguiram fabricar mais potentes instrumentos óticos e com eles observar partículas que formam inclusive a matéria dos seus corpos, todas suas crenças arraigadas sofreram fortes abalos, e uma nova área do conhecimento foi batizada de Quântica. Uma das estranhezas observadas chamou-se “emaranhamento quântico”, que a grosso e resumido modo é o seguinte: “as partículas não são imoveis, elas estão sempre girando em torno de si mesmas, como faz o próprio planeta Terra. E elas sempre existem aos pares. Se veres uma partícula girando para a esquerda ( o chamado “spin left”), podes procurar que tem de existir seu par, outra partícula de aparência igual, porem girando `a direita ( spin right). Poderíamos imaginar que estas características do mundo quase infinitamente pequeno se projetam no nosso mundo humano do meio tamanho, entre o micro e o macrocosmo. Então se existe alguém “direitista”, podes procurar que deve existir seu par humano, sua contraparte “esquerdista”, mas isto não foi comprovado ainda. Algo que esta praticamente comprovado é em relacao ao sexo dos humanos, um mistério que ninguém consegue explicar, como e porque, raios, os genes escondidos dentro de um ser humano sabe se esta na hora de fazer um macho ou uma fêmea, pois as populações sempre se apresentam divididas justo na metade, um equilíbrio intrigante.

Observe como as duas particulas giram em sentidos opostos, seja qual for a distancia entre elas. Fonte: http://www.learning2grow.org/2010/11/29/quantum-connections-physics-of-the-impossible-by-michio-kaku/

Mas estas “estranhezas”  que fundem a cuca dos acadêmicos na dimensão quântica se deve não a estranhezas na dimensão, mas sim `a falta de conhecimento real dos acadêmicos sobre a existência deste mundo. Um modelo teórico mais próximo da verdade – como é a cosmovisão sugerida pela Teoria da Matrix/DNA – observa estas particularidades sem surpresas, pois são facilmente explicáveis porque elas são realmente projetadas no nosso mundo, como tinha que ser, naturalmente. Então o mistério do emaranhamento quântico, por exemplo (os acadêmicos dizem que se fixares uma partícula que gira para a direita em New York e levar a sua cara-metade que deve girar para a esquerda, para Londres, as duas ficarão girando do mesmo jeito. Mas se mudarem forçosamente o sentido da rotação da partícula em Nova York, para girar ao contrario, para girar `a esquerda, imediatamente, na velocidade da luz, a partícula em Londres também muda e passa a girar para a direita! Mas como?! Fica todo mundo embasbacado, nada existe comunicando as duas partículas…

Ora, afirmar que nada existe de elo comunicativo entre estas duas partículas é assinar um atestado de burrice e muita arrogância. Porque um fenômeno natural, um fato real, não bate com nossas crenças, ao invés de aprender que nossas crenças estão erradas e precisam serem mudadas, vai-se acreditar o mundo das partículas esta’ separado do nosso meio-mundo e portanto suas leis não se aplicam ao nosso?! Qualquer criança alienígena mais racional vai arregaçar as mangas e procurar o elo ligando as duas partículas, pois ele tem que existir.

Então perguntamos ao oraculo da cosmovisão da Matrix/DNA – que é a sua formula universal para todos os sistemas criados pela natureza – qual é o elo entre as duas partículas. Como nos ainda não entendemos sua forma de comunicar, prestamos atenção nos seus sinais e tentamos interpreta-los baseados na logica que já aprendemos existir nela e a resposta nos satisfez por enquanto:

” Você se lembra que eu – começou ela acenando – lhes mostrei como as suas mãos são minhas melhores representantes mais perto e fácil aos seus olhos?”

Sim, me lembrei que o desenho da mão humana, com sua palma e seus cinco dedos exatamente na mesma sequencia e funções da formula, também são exatamente a forma da unidade fundamental de informação do nosso DNA, porque esta também foi feita pela mesma formula. Quando preciso resolver um problema sobre DNA já é de praxe levar minhas duas mãos uma face-a-face com a outra na frente de meus olhos e me lembrar as posições da guanina, da citosina, das hastes, dos açucares nas hastes, etc. e sobre isso tenho escrito detalhados artigos aqui, na categoria “mãos humanas”.

” Pois bem,… – continua a sinalizar a formula do oraculo – então por favor novamente ponha suas duas mãos `a frente de seus olhos, com as costas das mãos voltadas para ti, e da maneira em que os polegares fiquem um ao lado do outro. Agora lembre-se que na sua mão, (porque ela imita a formula), o circuito ou fluxo de energia do sistema que sai da palma se dirige primeiro ao dedo mindinho e depois vai ao dedo seguinte, imitando exatamente o desenvolver do ciclo vital nos corpos vivos. Então imagine a palma da mão esquerda emitindo novo fluxo e faca seu dedo mindinho girar como na formula no seu aspecto biológico, que é formado apenas por moléculas que giram no sentido horário ( o famoso fenômeno da quiralidade, outro que faz os acadêmicos coçarem suas cabeças porque não sabem ainda explica-lo). Veja sua mão esquerda girando da esquerda para a direita. Agora observe sua mão direita. Imagine sua palma emitindo outro fluxo que vai na direcao do mindinho e com isso sua mão direita vai girar da direita para a esquerda, justamente ao contrario da esquerda. Pois é isto que os cientistas veem com seus instrumentos com uma partícula em Nova York e outra em Londres, quando ficam brincando como crianças mudando o sentido de rotação de uma delas…

” Agora te faço uma pergunta: qual o elo comunicativo entre sua mão esquerda e sua mão direita?”

” Hein?!… glup… parece que ‘e o meu corpo, que esta no meio e ligando as duas mãos…”

” Vivaaaa!!!… Esse e’ o meu garoto… você esta’ ficando esperto! (o oraculo estremece-se todo comemorando). E agora volte-se para imaginar observando as duas partículas dos cientistas. Pergunto: qual o elo comunicativo entre as duas partículas?”

” Não consigo ver… mas posso apostar numa intuição?”

” Sim, por favor, sou toda ouvidos.. e ansiosa pela resposta…”

” Bem,… me lembrando que dos seus modelos teóricos e cálculos que fiz, a primeira manifestação no Universo da formula da Matrix/DNA foi na forma de uma onda especial de luz emitida com o Big Bang ( especial luz porque ela é o resultado final dos sete tipos de radiação eletromagnética dos sistemas naturais e nos só conseguimos captar e enxergar apenas uma das sete faixas dessa onda). Então faço um paralelo entre algo no Big Bang emitindo dois fluxos de luz que se propagam no tempo e no espaço em direções opostas, com as duas palmas das mãos emitindo dois fluxos de energia com sentidos opostos entre si. Agora se vejo que entre minhas duas mãos existe um corpo como elo, então tem que ter havido no Big Bang um corpo elo entre estas duas ondas de luz que hoje ainda e’ o elo entre estas duas partículas… Certo? ou totalmente errado?…”

” Fantástico! Você, humano, vai acabar sendo meu professor, meu oraculo, se continuares assim! Esta’ certa sua resposta!”

” Mas, oraculo, qual era, ou ainda é, o corpo comum existente no Big Bang, que eu não faço a menor ideia do que seja? Sera o Universo o corpo comum `as duas partículas? Mas eu sei que meu corpo é o elo entre minhas duas mãos porque as vejo ligadas ao meu corpo, porem, não vejo como as partículas estão ligadas ao Universo… Ei… espere ai’! Sera a tal onda de luz que serve de pano de fundo para tudo dentro do Universo, que liga as duas partículas?”

” Ha… ha… chegastes ao limite da capacidade de processamento de informações do seu cérebro. Não se preocupe, apenas continue esforçando, exercitando o cérebro nestas questões mais elevadas, que ele se desenvolvera mais. Ate a pouco anos atras, nenhum humano sabia que existe um elo comunicativo entre a produção de metade de humanos machos e metade de humanos fêmeas, o qual é o invisível DNA. Hoje nenhum humano sabe que dentro destas partículas e fora delas existe uma “luz”, a qual leva ao corpo elo. A luz primordial serve apenas de braços entre as partículas e o corpo que deflagrou o Big Bang. Você já intuiu algo dele… um sistema natural, não sobrenatural nem magico, e auto-consciente… que se reproduz me emitindo, a mim, que sou sua carga genética, nesta forma de formula que você desenhou quase completa. Mas também como sabes, ele existia antes e existe ainda alem deste Universo, portanto, terás que chegar primeiro as ultimas fronteiras do universo para poderes lançar um olhar alem e iniciar a teres uma ideia de como esse corpo é…”

Obs.: Na formula da Matrix/DNA copiada abaixo, a função 1 (F1), foi a que construiu a palma da mão. O fluxo de energia/informações é emitido para a esquerda – em relação ao desenho – construindo F2 que nas mãos constrói o dedo mindinho e continua assim por diante na mesma sequencia.

The Universal Formula of MatrixDNA as Software/Closed System

The Universal Formula of MatrixDNA as Software/Closed System

 

Mais um remendo na teoria acadêmica e reforço para a Teoria da Matrix/DNA: Astronomia

quarta-feira, junho 20th, 2018

xxxx

https://hypescience.com/gigantesca-estrela-descoberta-pode-nos-obrigar-a-rever-toda-a-historia-do-universo/comment-page-1/#comment-309702

Gigantesca estrela descoberta pode nos obrigar a rever toda a história do universo

Meu comentário enviado ao HypeScience em 20/06/18:

Diz o artigo: “Nossas descobertas nos fazem questionar nosso entendimento da história cósmica.”

Ainda não captei qual a causa do bloqueio mental no mindset acadêmico que os impedem de entender a “historia cósmica”.

Essa mania e teimosia em separar a historia cósmica, com sua evolução cosmológica, da historia da vida na Terra, ou a evolução biológica, e’ irracional. Porque eu estou sendo o único humano a gritar contra esse erro crasso, a ponto de ter desenvolvido modelos teóricos racionais que mostram essa incongruência?

Astrônomo tem que ser biólogo e biólogo tem que ser astrônomo, se querem entender este mundo e nossa existência nele, porque galaxias estão encriptadas nas unidades de informação da vida e as propriedades da vida estão ocultas mas atuantes nas galaxias, como estão sugeridos em meus modelos e cálculos. As diferenças entre galaxias decorrem das diversidades possibilitadas pela plasticidade e flexibilidade da formula universal para sistemas – a formula Matrix/DNA que sugiro em meu website – e antropologizar projetando nossa realidade e nosso sistema como obrigatório em todas as galaxias e’ ignorar o nosso relativismo como observadores num ponto limitado do espaço/tempo.

Dai, todos os dias a cada novo dado vindo do Hubble essa gritaria de que precisa rever o modelo teórico, o qual não mais aguenta remendos, e’ preciso ser refeito. Separar a Historia Universal em dois blocos – a cosmológica regida pela Física e Matemática – e a Biológica – regida pela Biologia e Química – seria o mesmo que separar o corpo humano entre carne e esqueleto ósseo: o sistema total não se suporta. E criando estes dois blocos sem nenhum elo evolutivo ( veja em meu site a figura proposta como esse elo, que esta no meu avatar ao lado) e’ criar um abismo inexistente na evolução universal, e para preencher este abismo tem-se que recorrer ao imaginário mistico, criando deuses mágicos, seja o Allah ou o acaso absoluto. Eu vou lutar contra isso nem que seja sozinho ate’ meu ultimo suspiro, pois não consigo entender este bloqueio, a não ser o razoável argumento de que o cérebro humano ainda esteja configurado pela herança animal que se focaliza no imediato incapaz de levantar os olhos para cima e buscar entender a conjuntura que tem de ser unica, unificada. Alguém aqui discorda? Porque?

Aos radicais e fundamentalistas cientificistas: nao existem bases factuais para um entendimento da existencia.

terça-feira, junho 19th, 2018

xxxx

Tendo sido todas as observações astronômicas, fenomênicas, mensurações, contagens, teoremas, teorias, formulações e colocações inteligíveis da ciência baseados no empirismo dos últimos 10.000 anos, isso não seria pouco para se assegurar as suas veracidades e aplicação geral pelo Universo (durante todo tempo e espaço)?

Quem já leu sobre a história da ciência, sabe que foi crível a colocação de a Terra ter 100.000 anos de existência e o Universo só 1 milhão deles ao fim do séc. XIX! Quem ve uma foto recente do Universo por um aparelho possante como Hubble, nao pode evitar a sensacao que vem da conscientizacao da nossa pequenez e do quanto pouco podemos saber por enquanto. O espaco se perde na imensidao de galaxias em galaxias sem fim, e sendo logico concluir que nenhuma galaxia e’ igual a outra, que cada uma tem um aspecto diferente que revela mais algum detalhe da natureza universal, portanto, para conhecer esta totalidade, teriamos que conhecer antes galaxia por galaxia.

Sem detalhar aqui o fato que nossos sensores que captam os fatos sao limitados e poucos, captando apenas um setimo da realidade do mundo, aquela faixa que se refere `a luz visivel, e sem detalhar o fato de que a desconhecido dark matter parece compor 95% da realidade que nos e’ desconhecido, concluimos que loucos sao aqueles que vociferam com radicalismo arrogante qualquer que seja sua visao ou entendimento do mundo. temos que nos concientizar que quase nada sabemos para nos incentivar a buscar mais conhecimento com animo.

O princípio acadêmico que julga e pondera nao apenas os fatos conhecidos e realmente provados, mas tambem as teorias e hipoteses, tendo por base aprovar apenas as teorias que sejam sequencias calculadas a partir do conhecimento academico, refutando como “pseudociencias” todas as demais, não seria um modelo ultrapassado? Pois lida com apenas a parte conhecida, descartando a maior parte, ou seja, a desconhecida na razão de 1 para o infinito?

Ciencias da Vida: Importante fonte de informacoes/ papers/ pesquisas

quinta-feira, junho 7th, 2018

xxxx

eLIFE

https://elifesciences.org/

About:

eLife is a non-profit organisation inspired by research funders and led by scientists. Our mission is to help scientists accelerate discovery by operating a platform for research communication that encourages and recognises the most responsible behaviours in science. (ler mais…)

Ver, por exemplo, este video:

https://www.facebook.com/Soubiomais/videos/897694263771767/?t=2