Archive for the ‘Epigenética’ Category

Genética, Epigenética, e Doenças: Informativo vídeo e interpretação da Matrix/DNA

quinta-feira, setembro 21st, 2017

xxxxx

https://www.youtube.com/watch?v=SHpfkNRscOc&lc=z23ced0h2yj1ypfvlacdp433shjl2dlcct3a3dcqy

u1w03c010c.1506022611622122

(Comentarios postados no video Youtube)”

Louis Charles Morelli – +- 09/13/2017

How the genotype gives rise to the phenotype? Intuitively we know the mechanisms and processes doing it, and why it occurs in this way. The genotype is configured as a complete working system, and we know its anatomy. The whole organism (phenotype) is again a system and configured equally to the genotype. The base guanine in a group of genes makes a function X that will be the function of a cell organelle (same system again) which will be the function of the organism’s organ. It is a non-living fractal inside half-living fractal inside full living fractal. We learned this secret key after discovering the universal formula for all natural systems, the Matrix/DNA. It works like the propagation of waves from a nuclear wave, and evolution makes it as waves of increasing complexity. But why at genetics occurs this complexity’s increasing? The answer is the environment (epigenetics), pulling the wave because the environment – the Earth biosphere – is another system made by the same formula. So, the full living fractal – the organism – is inside the astronomical fractal, which is the formula at its most perfect state, pulling the organism towards its perfection. Our problem now is how to observe, how to prove it, scientifically? Research must be focused on biophotons. They are the first universal occurrence of this formula which is encrypted into a wave of light. But these biophotons that invades the organisms’ electrons and creates networks mimicking the formula are very hard to be observed with our more most powerful scientific instruments. We need to develop the technology of these instruments now.

xxxxx

Anna K – 2 hours ago

You say what?

Louis C. Morelli – 09/21/2017

I know that for those ignoring the Matrix/DNA formula is difficult to understand the text above, very bad translated. And resume of something very complex difficulties the understanding. Trying to write the first phrase in other words: The group of genes composing the genotype is modelled as a quasi-system by the system called “building blocks of DNA”: a lateral and horizontal pairs of nucleotides, which is a working system, configured as the formula. The genotype is not a complete working system because is an opened formula composed by small systems that are diversified, as different copies of the building blocks. When a unicellular organism – which is a working system again modelled by the formula ( as larger projection of the building blocks) – multiplies into diversified cells, each diversified cell has its specific difference which is a small detail of a region of the original cell. In this way, the new cells aggregated to the original cell composes a new system (organism) which them, is merely an amplification of the original cell with some mutations, where organelles becomes organs. Living fractal inside living fractal. The new organism shows a phenotype that is the result of two forces: one coming from inside (from genotype) and other coming from exterior world ( which is a second phenotype because the external environment is modelled, built, by the same Matrix/DNA formula. So, the set of organism and external environment contains two layers of phenotype. The inside phenotype suffers modification in shapes and organs functions due the necessary adaptation to the second phenotype, which is composed by different matter. Now if I go re-writing the other phrases, we need a whole book. The meaning difference between our different approaches is about the difference between reductionist approach/systemic approach > which is not very well developed and practiced by scholars’ academy. I don’t see any problem about how the genotype gives risen to phenotype. If an organism was born handicapped or any phenotypic defect, is because the genotype as a system has these defects, it is also handicapped. Knowing the formula and with this systemic approach we could fix genetically these defects before giving birth to others handicappeds. Cheers…

Genética, Epigenética e Doenças: Transcrição do Vídeo

quarta-feira, setembro 6th, 2017

xxxxx

Questao mencionada no video (“How genotype give rise to phenotype? This is a central problem in Biology”)

https://www.youtube.com/watch?v=SHpfkNRscOc

Questões /Informações  no vídeo importantes, classificadas pelo ponto do tempo da palestra ( retirado no transcript no Youtube)
06:30
to solve, a big, a big question if you like, is where DNA, despite being the
06:34
thread of life, you can put it in a tube and gaze, gaze at it for as long as you
06:39
want and it remains utterly dead. So the question is really what does it
06:45
take to make it alive? When Craig Venter synthesized a bacterial
06:50
genome an important synthetic biology milestone, it had to be put into a living
06:55
cell before it became alive. How can one bypass that?
06:58
As the chemists say, you only really understand something if you can make it.
07:03
We can’t actually make life but it would be good to know some of the rules required
07:08
to do that.
xxxx
07:17
First of all a basic fact, genes make proteins, here is the chromosome, here is
07:23
the sequence of the genes, there is the RNA.
07:25
It encodes the sequence of the amino acids that lead to the protein that folds up to
07:30
then do all the lifelike things that are required.
07:34
But how are only the right genes expressed in a cell type?
07:36
This has been a question, a long standing question.
07:39
Do we know the answer to it? Why globin is expressed in blood cells and
07:43
keratin is expressed in skin cells, etcetera.
07:46
We, we approximate knowledge about it, but actually, there’s an enormous amount to
07:50
find out.
Matrix/DNA: Isto indica que a diversificação de células e localização de genes específicos em células especificas é mais devido a uma organização do sistema, do organismo como sistema, do que organização individual das células ou genes individuais do DNA. Portanto indica que a formula Matrix inscrita no DNA se projeta como modelo para todo o organismo, e isto deve ser feito por uma network de fótons, uma especie de aura.
xxxx
07:50
Most of the genome is actually
07:54
inaccessible. This is this gray, it’s rather difficult
07:57
to look at this picture I think because the DNA is gray and looks although it
08:01
should be in the background but this is a nucleusome, the repeating unit of the, of
08:06
the chromosome, if you like. The fundamental repeating unit.
Matrix/DNA: O autor diz que o nucleosome ( ele diz nucleusome, o que esta errado) e’ a unidade repetitiva do chromossoma, e nao sei se com isso ele quer dizer do DNA. Enquanto a Matrix/DNA sugere que a unidade fundamental do DNA e’ composta de 4 nucleotideos, dois pares laterais e verticais.
xxxx
08:08
And the DNA clings to the outside of it. And proteins that want to make genes
08:15
active, can’t actually get at the DNA properly.
08:18
So, how does the gene activation machinery gain and how does it keep access?
08:22
Again, we have some beginning answers to this, but we don’t, by any means, have a
08:28
full picture.
xxxxx
Protein-coding DNA sequences are only 1%
08:32
of our genome. So, if you look at a piece of the human
08:36
genome, you see these vertical stripes correspond to the bits of this gene that
08:41
are separated from each other. In fact genes are fragmented and they are
08:47
a tiny minority of all the DNA. What is the rest of it for?
08:52
There is an enormous, there’s a vast majority that is, that we can’t explain.
xxxx
09:14
It’s particularly after the encode project which found lots of potential regulatory
09:19
sequences throughout here. So, this other DNA is doing stuff.
09:23
And perhaps, it’s doing stuff that makes for example, humans and other mammals far
09:30
more complex than yeast.
Me ocorreu uma ideia agora. Segundo a formula, o tal junk DNA são registros da Matrix do passado, de antes da abiogeneses ate’ o Big Bang. Nesse caso, são registros do ambiente externo a um sistema biológico, pois este nem existia ainda. Mas depois do inicio da abiogeneses, nestes 4 bilhões de anos, a galaxia, o universo mudou, evoluiu, ao menos ficou diferente porque se expandiu. E desta macro-dimensão devem checar fótons `a Terra, por radiação cósmica. Ora, fótons procuram e se juntam com seus vizinhos de outrora, como qualquer imigrante em pais novo. Estaria então sendo acrescentados ao DNA humano, mais exatamente entre as bases do junk DNA, os registros da Matrix a nível macrocósmico? Parece ficção, e curiosos que isto ressuscitaria o adagio antigo de que temos o universo dentro de nos.
xxxx
09:30
more complex than yeast. So finally, there are questions almost
09:37
sociological questions. Does the environment have any impact on
09:40
gene expression?
xxxx

Como surgiu “epigenetics”, qual a definicao:

10:25
The original epigenetics definition comes from Conrad Waddington, who was actually
10:31
my predecessor as Buchanan Chair, Chair, Chair of Genetics in Edinburgh.
10:36
And what he meant was in contrast to pre-formationism, but the development
10:43
proceeded by the gradual unfolding of the information in the genes, to produce the
10:46
whole organism. So, for him, how information of the genes
10:50
is read during embryo, during embryonic development to give the whole organism was
10:54
the essence of what epigenetics was about. We would now call this developmental
10:59
biology. How the genotype gives rise to the
11:01
phenotype. But it’s acquired, or a sort of, a special
11:05
status in epigenetics, really, because of this iconic picture, the epigenetic
11:11
landscape. I’m not going to dwell on this either.
11:13
Because quite honestly, having had it explained to me several times, I’m never
11:16
totally sure, exactly how this helps.
Second definition of epigenetics which is rather different has actually different
11:41
origins epistemological origins. How characteristics are inherited across
11:48
cells or organism generations without changes in the DNA, its sequence, itself.
11:53
An example of this is this cat, the so-called tortoise shell cat, or calico
11:58
cat, in, in, in the US, which has these patches of fur.
12:02
It has two x chromosomes. One of them has a gene that gives black
12:06
fur, the other one has a gene that gives orange fur, and cells early in
12:11
development, inactivate one or the other of those chromosomes for, for reasons we
12:14
don’t, which I will, I will come back to actually, a little bit later.
12:18
And you get a patch of skin because the cell that originally inactivated the
12:22
orange fur gene gave rise when it divided to cells that did exactly the same thing.
12:28
So, that was inherited. All the gene or the, the DNA is still
12:32
there in these cells, in, in the orange ones, and the black ones, but there is
12:37
difference that is inherited and that’s epigenetic according to this definition.
12:43
So, heritable traits of this kind might be influenced by the environment.
12:48
And this is sort of revitalized that an ancient argument about nature versus
12:55
nurture, where nature is genetics, the idea that we’re, our genes are, are in
12:59
control and nurture is the opposite, the idea that our environment determines who
13:03
we are.Of course, it’s a mixture of both but
13:07
epigenetics has given a, a, a new lease of life to the nurture argument.
13:12
And so, one can see articles such as this and there are many examples I could have
13:17
chosen why your DNA isn’t your destiny, the new science of epigenetics reveals how
13:23
choices you make can change your genes and those of your kids.
13:27
Now, I’m not an expert on some of the epidemiology behind this, but the, the
13:32
molecular biology, in my opinion, is far less convincing than it is for other
13:35
aspects of epigenetics. It is, however, an extremely interesting
13:40
idea, that the environment can give rise to changes that get passed on, but it is
13:45
systematically overstated in a lot of places one finds it described.
13:49
So, one has to be circumspect about the, this kind of argument in my opinion.
13:54
There are couple of excellent examples in plants, in worms where immune, immunity is
14:00
involved, but some of the more sociological aspects, in my opinion,
14:05
require further evidence. So, I’m sticking with this as my example
14:09
of heritable epigenetics. It’s closer to the molecular biology we
14:12
actually understand. So, Epigenetics 3, biological significance…
xxxx
17:04
disease. So, epigenetics then embraces key unsolved
17:09
problems in Biology, how, how the genotype give rise to phenotype, that’s the
17:12
Waddington one, how traits are inherited across cell or organism generations
17:17
without changes in the DNA sequence and how structural adaptation of the genome
17:21
facilitates gene activity programs. As far as I’m concerned, this is not a
17:26
word one needs to dwell on with sort of almost a theological interest about what
17:34
it means.
xxxx
17:39
And I, I like to think of it as how the genome is organized and managed to make
17:43
DNA if you like, come alive.
xxxx
Sobre CG islands:
 In fact, for a long time, we were used to
26:00
the fact that CG islands existed, but we didn’t really know what they were for.
26:04
And, and actually, one almost forgot to ask, well, they’re always there, what are
26:08
they for? In fact, it now seems very likely that
26:11
they are platforms to set up appropriate genome structures at gene promoters.
26:16
Very important function. And there are other proteins that bind CG,
26:21
that recruit other things to them, and this is a very, a rapidly growing area.
xxxx
 

Nucleosome: Componente do DNA a Pesquisar – DNA como um sistema social

terça-feira, setembro 5th, 2017

xxxx

Devido a uma mensao no video copiado num artigo aqui (genetics,epigenetics and diseases) de que o nucleosome e’ a unidade fundamental do DNA, ( enquanto a minha formula diz que a unidade e’ outra coisa) tive que fazer a pesquisa e

percebi que tenho que pesquisar o que e’ chamado de nucleosome pela Ciencia. A o mesmo tempo descobri alumas coisas importantes . por exemplo, na figura:

The crystal structure of the nucleosome core particle consisting of H2A , H2B , H3 and H4 core histones, and DNA. The view is from the top through the superhelical axis.

 

https://en.wikipedia.org/wiki/Nucleosome

Entao definem isto como: ” an octamer of histone proteins wraps DNA around itself in about 1.7 turns of a left-handed superhelix.”. E, …

The nucleosome core particle (shown in the figure) consists of about 146 bp of DNA[12] wrapped in 1.67 left-handed superhelical turns around the histone octamer, consisting of 2 copies each of the core histones H2AH2BH3, and H4. Adjacent nucleosomes are joined by a stretch of free DNA termed “linker DNA” (which varies from 10 – 80 bp in length depending on species and tissue type[19]).

Apoptotic DNA laddering. Digested chromatin is in the first lane; the second contains DNA standard to compare lengths.

Schema of nucleosome organization.[28]

The crystal structure of the nucleosome core particle (PDB1EQZ[10][11])

Nucleosome core particles are observed when chromatin in interphase is treated to cause the chromatin to unfold partially. The resulting image, via an electron microscope, is “beads on a string”. The string is the DNA, while each bead in the nucleosome is a core particle. The nucleosome core particle is composed of DNA and histone proteins

Ok. Aqui me vem uma intuicao. Note-se que as cinco proteinas (histones) se juntam e fazem com que uma tira de DNA se enrole em volta delas…!!! Porque e para que?

As cinco proteinas se organizam como as cinco funcoes da formula da Matrix. O DNA e’ entendido aqui como sendo uma longa sequencia de unidades fundamentais que sao sistemas em si mesmas, cada qual um sistema diferenciado dos outros, ao mesmo tempo que o sistema- modelo original e’ a formula. Entao porque e para que a formula se expressa e em seguida se aproxima ou puxa uma fita contendo copias diferenciadas de si mesma e veste-se com essa fita?!

Primeiro passo aqui, e’: existe alguma situacao semelhante que sirva de parametro? Vejamos…

Encontrei uma! Uma familia-modelo e’ composta por 7 individuos cada qual faixa etaria e exercendo uma funcao no sistema familiar. Acontece que em volta desta familia-modelo existem  muitas familias que sao copias diferenciadas do modelo padrao. Estes sistemas familiares em volta compoem o sistema social humano, o qual ‘e mera projecao do sistema familiar e do individuo humano.

Transladando isso para nosso problema do nucleosome, temos que”

A fita de DNA circundante representa um sistema social composto de inidades que estao no seu centro, ou seja, histones.

Porque uma familia humana se veste com um tecido confeccionado com outras familias humanas? Porque e’ imposicao natural, e’ a natureza sempre construindo novos sistemas mais complexos a partir de outros mais simples. Para que? Para sobreviver, ter melhor existencia e evoluir,… talvez tendo um objetivo, o qual pode ser um sistema finalizado, o qual pode ser mera reproducao da fonte que a produziu

Entao neste momento historico descobrimos mais um detalhe do DNA: ele e’ um sistema social ! 

Existe de imediato alguma utilidade pratica nesta descoberta? Ela nos faz rever a genetica e elucida algum misterio em outras partes dela? Por enquanto, nao vou procurar isso.

E temos um problema. O sistema social humano e’ um envoltorio de um sistema familiar humano porque a familia humana e’ a unidade fundamental do sistema social… Ou nao? A unidade fundamental seria o individuo? O problema e’ o mesmo que vejo no nucleosome. O sistema social DNA tem como unidade fundamental o conjunto de nuleotideos, que sao formados por bases nitrogenadas, ACGT, e nao por proteinas histoines. Isto se resolve se por-mos os nucleotideos como individuos e as histones como a familia. Acabou-se este problema.

 

Fantástico! Quando o Corpo Morre, Centenas de Genes que Construíram sua Embriogênese e Estavam Vários Anos Inativos, Voltam `a Ativa Tentando Ressuscita-lo! Mais Interessante E’ Como Isto Foi Previsto nos Meus Modelos Sobre Genética

segunda-feira, julho 4th, 2016

xxxxx

Scientific paper publicado em:

http://biorxiv.org/content/early/2016/06/12/058370 ( Accurate Predictions of Postmortem Interval Using Linear Regression Analyses of Gene Meter Expression Data )

xxxx

Artigo da G1-Globo:

Mistério de genes do desenvolvimento ativados após a morte intriga cientistas

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2016/06/misterio-de-genes-do-desenvolvimento-ativados-apos-morte-intriga-cientistas.html

 

Alguns genes passam a vida desativados - até o momento da morte (Foto: AFP)Alguns genes passam a vida desativados – até o momento da morte (Foto: AFP)

xxxxxxxxxxxxxxx

(Texto publicado no meu Facebook)

Fantástico! Quando o Corpo Morre, Centenas de Genes que Construíram sua Embriogênese e Estavam Vários Anos Inativos, Voltam `a Ativa Tentando Ressuscita-lo! Mais Interessante E’ Como Isto Foi Previsto nos Meus Modelos Sobre Genética!

Documento Cientifico Publicado recentemente nos USA relata a descoberta de que cerca de 500 genes que colaboraram no desenvolvimento do feto e se desligaram com o nascimento, despertam e voltam imediatamente `a ativa quando o corpo esta’ morrendo, e podem ficar até 4 dias apos a morte tentando ” ressuscitar” o corpo!

Isto deixou os pesquisadores intrigados, pois até onde se sabia, só eram ativados durante a embriogênese. ” E’ de cair o queixo que os genes do desenvolvimento fetal se ativem apos a morte”, disse o microbiólogo e coordenador do estudo, Peter Noble.

Depois que li esta descoberta ia passando numa casa que não conheço e tinha um velório. Entrei la e fui direto ao caixão fazer uma pergunta para o morto. A pergunta e’ se ele tinha sentido uma coceira na genética depois de ter morrido. Mas o morto estava demorando para responder e me botaram para fora… fiquei sem confirmar o fato cientifico.

Pois bem. Como sempre, a Ciência observa um fato e registra-o. Mas a causa que produz o fato, assim como seus mecanismos, quando se trata destas descobertas inusitadas, ficam sem explicações, `as vezes se pensa numa teoria especulativa. Então corro ao Oraculo da Matrix/DNA, puxo modelos e formulas, e logo obtenho uma surpreendente explicação da causa, quais possíveis efeitos e constato que este fenômeno foi mais uma previsão certeira dos modelos desta nova visão do mundo. Ontem,  no ultimo artigo aqui relatamos o caso da descoberta que abalou os modelos teóricos acadêmicos do sistema solar, pois descobriram que um amplo e forte campo magnético que não devia existir em Júpiter, esta la’.  Mas os modelos da Matrix/DNA já tinham dito `a 30 anos atras que este campo deveria existir. Antes de ontem, no artigo anterior se divulga o mistério da Eva Mitocondrial e mais uma vez, apenas a Matrix/DNA compareceu com uma explicação racional.

E qual a explicação da Matrix/DNA para os genes que trabalharam incansavelmente para construir o embrião, então se puseram a dormir por até 60 ou 80 anos, e quando o corpo ameaça morrer eles acordam desesperados e tentam uma reforma, como se tentassem refazer o embrião dentro do corpo velho, para ressuscitar o corpo? E não desistem fácil, pois os cientistas chegaram a observa-lo ativos ate 4 dias apos a morte!

Ja acumulei aqui cerca de 1.500 artigos quase todos dando uma explicação para o que os pesquisadores não explicaram, mas sempre dentro de uma linha logica impecável porque são baseadas numa unica e mesma formula obtive pelo método da anatomia comparada e estou insistindo, esta formula esta espalhada neste Universo sendo a responsável por todos os movimentos no espaço e toda organização da matéria em sistemas naturais. As doenças tradicionais continuam matando, os vírus continuam nos torturando, estamos acabando com a biosfera do planeta, os humanos continuam escravos de trabalho forcado e a maioria na escassez, tudo porque a inteligencia humana esta desfocalizada da sua Natureza, as principais mentes do planeta estão acreditando numa visão de mundo errada como estavam todos os humanos antes de 1500 crendo que o Sol girasse em torno da Terra. Porque se surpreenderam e ainda não entenderam a causa destes genes ressuscitadores? Porque ainda não conhecessem o significado mais profundo do DNA, da genética, do corpo humano como sistema, etc.

Isto acontece porque as Ciências Modernas estão dominadas por uma visão de mundo separatista que separou a Historia Universal em dois blocos de historias sem nenhum elo evolucionário entre eles, como se o segundo bloco não fosse mera continuação do primeiro. Separaram os 10 bilhões de anos da Evolução Cosmológica desde o Big Bang ate momentos antes das origens da vida neste planeta, e os 3,7 bilhões de anos da Evolução Biológica. Para preencher o vácuo entre estes dois blocos só existe o recurso `a imaginação mistica, por isso apregoam a visão de mundo onde a vida teria surgido por sua própria conta e risco, etc. Ja na escola primaria não consegui engolir esta teoria ate que resolvi partir para a virgem selva amazônica onde ainda estariam as testemunhas das origens da vida e perguntar a elas. A Natureza virgem me soprou na inteligencia que não existe tal separação e então ao juntar os dois blocos descobri o elo na formula do ancestral do DNA, a qual denomino Matrix/DNA, porque e’ uma Matrix que chegou neste Universo com o Big Bang na forma de ondas de luz natural e vem operando neste Universo a 13,7 bilhões de anos. E como agora ela explica estes genes tentando imitar Jesus Cristo e achando que todos os corpos são corpos de Lazaro?

Vamos trazer a simples porem universal e super-complexa formula para cá:

Circuíto Sistêmico ou "Software" extraído da fórmula da Matrix/DNA, Revelando o aspecto Hermafrodita

Circuíto Sistêmico ou “Software” extraído da fórmula da Matrix/DNA, revelando o aspecto Hermafrodita do ancestral astronomico

Esta formula ai se refere ao estado da Matrix ao criar os cromossomas sexuais quando ela ainda estava como formula deste sistema astronomico. Ela também representa uma unidade fundamental de informação do DNA, pois as Funções 1 e 4 se tornam as moléculas desoxirribonucleicas coladas nas hastes do DNA e as outras 5 funções se tornam as bases nitrogenadas. Portanto é também a formula fundamental da genética, dos genes. Desde a fecundação ao nascimento do embrião os eventos se dão em F1. E depois o sinal da morte se da em F6 e se finaliza em F7. Então temos um trecho de genes para os nascimentos e outro trecho para a morte.

Porem, nos recebemos a formula, ou seja, nossa carga genética deste sistema astronomico dentro do qual surgimos e pelo qual estamos rodeados por todos os lados. E este ancestral celeste não era um sistema aberto como são os biológicos, ele é um sistema fechado em si mesmo. De maneira que quando o astro morre em F7 seu material degradado continua em frente e ao se juntar com F5, produz um novo vórtice turbilhonar o qual vai produzir com aquele material do cadáver, um novo baby. Os sistemas fechados se auto-reciclam, com a pretensão de serem eternos.  Quando eles decaem pela entropia e seus bits-informação, na forma de fótons, se desviam do fluxo esférico caindo na superfície de um planeta como a Terra, estes bits-genes tentam reconstruir o sistema celeste, mas como aqui o material e as condições ambientais são totalmente diferentes daqueles onde a galaxia foi formada, ao invés de um sistema fechado, resulta num sistema aberto.

Ora, sistemas abertos não se ressuscitam, não se auto-reciclam, pois o circuito esférico é rompido em algum trecho. Mas a formula genética que recebem é a de um sistema fechado, os genes “pensam” que estão fazendo a replica do corpo de onde vieram. O sinal de que o corpo esta’ morrendo que os pesquisadores dizem que os genes de F1 recebem nada mais seria que os radicais livres decaindo do corpo que desfalece. E ao receber este sinal sua missão é se levantarem e iniciarem a construção do vórtice-ovulo para ressuscitar o corpo.

E’ preciso dizer mais? Mais uma vez a logica impecável desta nova visão do significado da existência deste mundo e da nossa existência nele,… fala por si mesma. Os 500 genes devem se verem atrapalhados, pois quando eles fizeram o embrião, foi num corpo vivo materno, e agora, sem que eles o saibam, estão trabalhando dentro de um corpo morto, talvez velho e ainda, paterno. Nesse instante eles estão tao dessintonizados da verdadeira realidade do Universo em que estão dentro existindo como estão os professores, os alunos e os pesquisadores do mundo acadêmico moderno.

Eu não vou gritar aqui que e’ um erro enterrar os mortos antes dos 4 dias. Suponho que os genes não conseguiriam ressuscitar um corpo, pelos motivos expostos acima. Mas para qualquer certeza aqui seria necessário um estudo muito concentrado analisando muitos detalhes. Porem o simples pensar que uma pessoa possa repentinamente se ver viva enterrada dentro de um caixão, morrendo agora de fato sufocada pela falta de ar, seria algo extremamente terrível que não desejaria ao meu maior inimigo. Quanto mais correr este risco com um familiar, um conhecido querido… Poderia causar alguns transtornos, mas a coisa seria mudada de maneira que se faria o ritual funeral por 12 horas como fazemos hoje, quando o corpo seria levado para uma urna apropriada num estabelecimento apropriado, e o enterro seria dai a 4 dias.

Mas, como no caso dos acadêmicos cabeçudos, eu não consigo fazer nem meu cachorro mudar sua opinião de que eu sou um idiota porque ando forçando apenas dois membros… quando o certo e logico para os cachorros e’ andar usando os 4 membros.

E para reforçar o nosso argumento em mais este caso, trazemos outra figura da formula que mostra como um cadáver morto ( ai!) se torna um lindo baby.

Ciclos Vitais de Humanos e Astros

Ciclos Vitais de Humanos e Astros

 

A seguir um resumo oficial do ” paper” com mais informações e depois a pesquisa da Matrix/DNA:

Mistério de genes do desenvolvimento ativados após a morte intriga cientistas

Por definição, a morte ocorre quando os órgãos de qualquer ser vivo param de funcionar. O cérebro deixa de enviar sinais e os sistemas cardíaco e respiratório colapsam.

Mas o que acontece se uma parte do corpo não apenas continua viva, mas fica inclusive mais ativa?

Cientistas americanos identificaram mais de mil genes que funcionam até quatro dias após a morte em peixes e camundongos.

Em dois estudos publicados no site bioRxiv, pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, descobriram como estes genes são ativados momentos antes da morte.

Na maior parte dos casos, a ativação faz sentido: os genes estão relacionados a funções como estimular a inflamação, ativar o sistema imunológico e combater o estresse.

Porém, outros casos deixaram os pesquisadores intrigados, pois até onde se sabia, só eram ativados em embriões para ajudar no desenvolvimento do feto.

“É de cair o queixo que os genes do desenvolvimento se ativem após a morte”, disse à revista Science o microbiólogo e coordenador do estudo, Peter Noble.

Para ele, uma explicação possível é que as condições celulares em um corpo que acaba de morrer são parecidas com as de um feto em estágio embrionário.

Outra descoberta que chamou atenção dos especialistas foi observar como os genes que promovem o desenvolvimento de vários tipos de câncer se tornam mais ativos no momento da morte.

Isto pode explicar por que alguns receptores de órgãos transplantados de pessoas falecidas há pouco tempo desenvolvem um risco maior de câncer, explica Noble.

“É importante entender o que acontece com os órgãos após a morte de uma pessoa, especialmente se eles vão ser transplantados”, disse à Science o farmacólogo molecular Ashim Malhortra, da Universidade do Pacífico, em Oregon.

Decifrando a vida
Outro resultado da pesquisa pode ser ajudar no desenvolvimento de técnicas para determinar com mais exatidão a hora da morte – crucial, por exemplo, em investigações criminais.

O estudo americano levou em conta as conclusões de estudos feitos na Universidade de Granada, na Espanha, que identificaram uma série de genes ativos em cadáveres humanos mais de 12 horas após a morte.

A equipe americana observou sistematicamente quase 37 mil genes de pequenos peixes de água doce de nome científico Danio rerio (popularmente conhecidos como paulistinha) e mais de 37 mil genes de camundongos.

Destes, mais de 500 continuaram ativados – em cada um dos animais – até quatro dias após a morte.

Para Peter Noble, entender o comportamento dos genes no momento da morte “pode nos dar muita informação sobre a vida”

xxxxxxxxxxxxxxx

Pesquisa da Matrix/DNA e posts na Internet:

( Abstract do Paper  e o Paper em PDF – Obs: Estes papers da biorxiv.org permitem comentarios, portanto, posso voltar neles e fazer perguntas/sugestões aos autores )

Accurate Predictions of Postmortem Interval Using Linear Regression Analyses of Gene Meter Expression Data

Abstract

In criminal and civil investigations, postmortem interval is used as evidence to help sort out circumstances at the time of human death. Many biological, chemical, and physical indicators can be used to determine the postmortem interval, but most are not accurate. Here, we sought to validate an experimental design to accurately predict the time of death by analyzing the expression of hundreds of upregulated genes in two model organisms, the zebrafish and mouse. In a previous study, the death of healthy adults was conducted under strictly controlled conditions to minimize the effects of confounding factors such as lifestyle and temperature. A total of 74,179 microarray probes were calibrated using the Gene Meter approach and the transcriptional profiles of 1,063 significantly upregulated genes were assembled into a time series spanning from life to 48 or 96 h postmortem. In this study, the experimental design involved splitting the gene profiles into training and testing datasets, randomly selecting groups of profiles, determining the modeling parameters of the genes to postmortem time using over- and/or perfectly- defined linear regression analyses, and calculating the fit (R2) and slope of predicted versus actual postmortem times. This design was repeated several thousand to million times to find the top predictive groups of gene transcription profiles. A group of eleven zebrafish genes yielded R2 of 1 and a slope of 0.99, while a group of seven mouse liver genes yielded a R2 of 0.98 and a slope of 0.97, and seven mouse brain genes yielded a R2 of 0.93 and a slope of 0.85. In all cases, groups of gene transcripts yielded better postmortem time predictions than individual gene transcripts. The significance of this study is two-fold: selected groups of upregulated genes provide accurate prediction of postmortem time, and the successfully validated experimental design can now be used to accurately predict postmortem time in cadavers.

Download o paper em:

http://biorxiv.org/content/biorxiv/early/2016/06/12/058370.full.pdf

xxxxx

Pesquisas:

Para procurar mais artigos publicados desta materia:

Digite no Google: Ashim Malhotra, Pacífic University, Oregon

Digite no Google: Peter Noble

xxxx

Ver:

Genes in tissues of mice and zebrafish found alive even after death

Ver:

http://www.sciencemag.org/news/2016/06/undead-genes-come-alive-days-after-life-ends

E o famoso professor e editor do Pharyngula, PZ Myers, entrou no debate trazendo mais uma serie de informações, links para papers, etc.:

Gene activity in the dead

http://scienceblogs.com/pharyngula/2016/07/08/gene-activity-in-the-dead/

Thanatotranscriptome: genes actively expressed after organismal death

http://biorxiv.org/content/early/2016/06/11/058305

Abstract

A continuing enigma in the study of biological systems is what happens to highly ordered structures, far from equilibrium, when their regulatory systems suddenly become disabled. In life, genetic and epigenetic networks precisely coordinate the expression of genes — but in death, it is not known if gene expression diminishes gradually or abruptly stops or if specific genes are involved. We investigated the unwinding of the clock by identifying upregulated genes, assessing their functions, and comparing their transcriptional profiles through postmortem time in two species, mouse and zebrafish. We found transcriptional abundance profiles of 1,063 genes were significantly changed after death of healthy adult animals in a time series spanning from life to 48 or 96 h postmortem. Ordination plots revealed non-random patterns in profiles by time. While most thanatotranscriptome (thanatos-, Greek defn. death) transcript levels increased within 0.5 h postmortem, some increased only at 24 and 48 h. Functional characterization of the most abundant transcripts revealed the following categories: stress, immunity, inflammation, apoptosis, transport, development, epigenetic regulation, and cancer. The increase of transcript abundance was presumably due to thermodynamic and kinetic controls encountered such as the activation of epigenetic modification genes responsible for unraveling the nucleosomes, which enabled transcription of previously silenced genes (e.g., development genes). The fact that new molecules were synthesized at 48 to 96 h postmortem suggests sufficient energy and resources to maintain self-organizing processes. A step-wise shutdown occurs in organismal death that is manifested by the apparent upregulation of genes with various abundance maxima and durations. The results are of significance to transplantology and molecular biology.

xxxxxxxx

Comentario publicado no Pharyngula em 13 de Julho, 2016

….” and their activities in such a literally pathological state as death are not going to reflect how they were shaped in their formation.”

This is from a reductionist perspective. From a systemic perspective, they were shaped just in a non-living environment and they are merely performing its systemic function. The information and function for creating biological systems (aka life) from non-living matter are not in the genes, but in a lateral base-pair of nucleotides. And it cames from the first aminoacids at life’s origins, when life was developed inside a “dead” planet.

The universal formula Matrix/DNA for all natural systems makes that the mass coming from an environment without biological organization ( a non living body) receipts an input of systemic energy produced by the object performing Function 4 ( at cells systemic level, this is mitochondria and the input is ATP), so, information in that mass and energy begins a process (Function 1) that creates biological systems. It happened at life’s origins, at an individual human body origins, till the Universe origins.

The forces acting at this “resuscitation” came from thermodynamics and for understanding this entire phenomena we need knowing Physics and not be reductionist to the point that mistakenly separates cosmological from biological evolution. See the formula, the F7, representing the cadaver, follow its fragments, see how F5 (ATP) arrives and what are the hidden signals for these genes waking up at the wrong time. You can say what you want but you can not denying the fact that I predicted this process 30 years ago, as proved by my copyrights.

 

 

 

 

 

 

Epigenetica: E a evolução dos passarinhos de Darwin

domingo, maio 3rd, 2015

xxx

Para ler:

Epigenetics and the Evolution of Darwin’s Finches

http://www.thethirdwayofevolution.com/related-reading

 

Epigenetica e metilização: Mais Informações

domingo, maio 3rd, 2015

xxxx

New Epigenetic Mark Found on Metazoan DNA  ( ler)

http://www.the-scientist.com/?articles.view/articleNo/42858/title/New-Epigenetic-Mark-Found-on-Metazoan-DNA/

What Do You Mean, “Epigenetic”?  (ler)

http://www.genetics.org/content/199/4/887.abstract

( Este artigo mostra quantas diferentes definições existem para epigenetica e o pouco conhecimento ainda do assunto)

 

Para pensar neste domingo: A Luz, os fótons, e sua criação da Vida

domingo, abril 26th, 2015

xxxx

Fumaça e cinzas do vulcão Calbuco são vistas da cidade de Puerto Montt, 22 de Abril 2015. REUTERS

Imagem impressionante da erupção do  vulcão no Chile

Os meus cálculos da anatomia comparada entre sistemas naturais vivos e não-vivos e os  modelos teóricos resultantes destes cálculos estão sugerindo que ondas de luz natural são a primeira forma dos primeiros sistemas naturais surgidos neste Universo visível, e que tais ondas se fragmentam em partículas fótons, os quais adentram os átomos e os movem no sentido de se combinarem para reconstruir o modelo de sistema que formavam na onda de luz. Como uma onda de luz natural se propaga por vibrações que mudam suas formas e intensidades a partir da mais forte para as mais fracas, e estas sequencias de vibrações/frequências são exatamente igual a sequencia de mudanças de energia nos corpos vivos sujeitos ao ciclo vital, fica sugerido que uma onda de luz é algo pré-vivo, contem o primeiro código da vida – que é a origem do DNA e da genética – e assim a luz imprimiu a vida na matéria de éter do espaço sideral e assim surge a vida nos planetas como a Terra.

A partir deste resultado geral começam a surgir os problemas dos detalhes, os quais são minha ocupação atual tentando resolvê-los. Por exemplo, como e porque, após formar um sistema como a célula vital, estes fótons passam a multiplicar estas células e as conduzi-las para que formem o mesmo sistema agora mais ampliado, gerando os seres multi-celulares. Tenho em mente que não posso cair no equivoco de dar inteligencia ou propósitos a partículas como os fótons, assim como tem caído o pensamento cientifico moderno baseado no gene centrismo. Pensar que genes -os quais são meramente um bocado de átomos combinados de certas maneiras – possuem propósitos como o de se replicarem e se perpetuarem é ilógico. Portanto, se fótons não agem com intenções mas simplesmente obedecem as fôrças do ambiente e seus movimentos, e às fôrças naturais de atrações ou repulsões entre eles mesmos, é compreensível que reconstruam com a massa ou matéria o sistema de luz de onde vieram, mas uma vez que se assentam num sistema em equilíbrio e auto-suficiente como são as células vegetais, a razão lógica seria se tornarem sistemas fechados, individualistas, como são os sistemas galácticos que  formaram antes.

No entanto, e principalmente com a célula animal a qual prescinde da propriedade da fotossíntese e por isso tem que  ser um sistema aberto, estes fótons não param sua atividade na direção de formar sistemas cada vez mais complexos, e passam a construir uma projeção ampliada multicelular do formato do sistema individual celular. O que faz indivíduos formarem os coletivos? O fato constatado é que formam, desde os átomos se aglomerando para formarem rochas, água, até os pássaros se aglomerando em bandos em pleno espaço vazio e aberto. Mas porque partículas estupidas sem qualquer intenção e propósito são conduzidas e obrigadas a este comportamento? Quais as fôrças naturais responsáveis por isso?

Temos agora uma massa informe, uma população de bilhões de indivíduos denominados “neurônios”. A Natureza deve estar trabalhando para conectar e organizar estes indivíduos num sistema, que seja à imagem e semelhança do individuo, ou seja, do neurônio. Como  o nosso cérebro está sendo modelado, que tipo de exercícios e/ou pensamentos podemos fazer para facilitar e apressar a corrida ao cérebro mais complexo e quiçá, perfeito? Meu maior obstaculo nesta investigação é a falta de visualização do cérebro no seu total, em 3 dimensões, pois todas as imagens impressas que temos não mostram o interior e suas configurações, assim não estou conseguindo pegar o primeiro fio da meada que nos levará a descobrir a Matrix/DNA projetada no cérebro como sistema natural.

Este é mais um dos milhares de problemas dentro da Teoria da Matrix/DNA para pensar neste final de semana.  Imagine um humano que nunca viu nada do interior do corpo de animais nem de humanos, que saiba que humanos vem de barrigas mas não sabe como nem porque. Mas este humano é curiosos e tem necessidade de saber tudo, como era dentro da barriga que o fêz surgir do jeito que surgiu, o que existe no interior do seu corpo, etc.

Pois assim, tal como este humano totalmente ignorante da sua existência, é o ser que está fazendo esta investigação: um ser denominado “mente”, ou “uma auto-consciência”. Como auto-consciência eu não sei o que tem dentro e como funciona o cérebro que me fêz surgir assim, ou que ainda está me formando, não consigo ver nem entender como é meu corpo pois nem mesmo vejo a substancia de sou formado. Sinto que essa substancia é iluminada porque ela se forma a partir de sinapses elétricas, sinto que ela está se tornando mais uma forma complexa de sistema natural, e assim, eu, como ser final da evolução universal aqui e agora, me vejo conectado ao  principio deste universo porque toda essa história se começou com a mesma substancia do meu corpo: a Luz. Mas eu vou insistir e morrer tentando descobrir tudo isso.

Se alguém ler isto e tiver alguma pergunta ( se alguma outra auto-consciência é tão ignorante sobre sua existência como eu sou e está curiosa para resolver este mistério), pode fazê-la nos comentários abaixo ou enviar um e-mail para austriak727@hotmail.com.

E pensando neste e-mail, o nome “Austriak” foi emprestado de uma paranormal do Rio de Janeiro que disse ter entrado em contacto por telepatia com os alienígenas de uma esquadra de discos-voadores que esteve aqui em 1980 ( eu mesmo vi uma formação triangular se movendo no céu e pensei que eram bolas de fogo ou meteoritos incandescentes) e que o seu interlocutor alienígena disse se chamar Austriak e que era o comandante da esquadra do Império Galáctico sediado em Orion, Nébula, e que estava aqui porque este planeta e a vida que ele hospeda estavam correndo perigo devido a movimentos gigantescos no seu interior, e ele estava consertando isso.

Image result for esquadra de discos voadores

Claro que nada sei e nada acredito nem desacredito. Mas nesta semana houve um terremoto violento  no Nepal quase ao mesmo tempo que um vulcão no Chile entrou em erupção e parece-me que os dois fenômenos podem estarem relacionados. Se isto for, novamente o interior da Terra – o germe de estrela que ali está se desenvolvendo – está se remexendo inquieto, o que pode provocar a vinda urgente de Austriak. Oxalá ele acessasse nossa Internet, visse este artigo, e se decidisse me dar uma mãozinha nesta investigação do inferno… toda a Humanidade seria beneficiada. mas talvez Austriak pense como Spinoza que disse que “Deus não pode nos dar uma mãozinha fazendo milagres porque não pode violar a ordem natural que funciona de acordo com Suas próprias leis…”.

Image result for esquadra de discos voadores

Raios…, tamo fud… Talvez estejamos fazendo alguma coisa ou muitas coisas erradas aqui na superfície deste planeta de maneira que está afetando o embrião estelar lá dentro e ele reage dando chutes na barriga o que se traduz para nós aqui em terremotos e vulcões…

Vista de Puerto Varas, no sul do Chile, mostra o vulcão Calbuco. 22 de abril de 2015, EPA

O povo da aldeia assiste e ouve o rugir do vulcão

 

 

As células navegam no oceano amniótico ovular dirigidas pela mesma causa que dirige a navegação e vôos de animais pelos oceanos da Terra…?!

quinta-feira, janeiro 22nd, 2015

” Na embriogênese, células  recém-nascidas de uma bolota chamada mórula se afastam para a periferia indo ocupar posições especificas, pelo mesmo motivo que tartarugas saem do Sul e nadam milhares de quilômetros indo desovar no norte cem terem a menor referencia para orientação geográfica:  campos magnéticos.”

Esta frase me pipocou na  cabeça hoje na cama, mal acordei. Claro, ela propõe uma teoria “fantástica”, de acordo com meu raciocínio,  e absurda, de acordo com o raciocínio dos formandos pelas ciências modernas. Parece-se com aquelas frases absurdas como… “o raio de curvatura do vôo do urubu malandro é inversamente proporcional ao raio de curvatura da lambada do rabo do  jacaré”… A gente não sabe como estas coisas pipocam nos cérebros, ou como as cabeças humanas produzem tais lampejos assim, do nada.

Mas… veja-se este artigo aqui:  Campos Magnéticos: Tartarugas tambem captam para navegar! – See more at: http://theuniversalmatrix.com/pt-br/artigos/#sthash.AZ8wpKwn.dpuf

Ví este artigo há e tenho pensado neste  fenômeno. Até coloquei um post na revista do artigo: “Fico me perguntando onde está e como é a antena da tartaruga que capta estas linhas de  ondas magnéticas invisíveis! Será que tartaruga tem alguma glândula no cérebro relacionada à pineal?”

Mas pelo que eu saiba, até hoje ainda é um mistério qual o mecanismo que faz as células tronco se diferenciarem e “navegarem” numa exata direção do “oceano amniótico” onde irão se posicionar e executarem sua função especifica. Fica difícil imaginar que uma microscópica molécula – DNA – seja quem dirige esta célula, num espaço muito longe de onde ela se encontra. Seria o mesmo que o Talibã mandando um míssil do Afeganistão para acertar a cabeça de um chargista localizado numa certa sala de um certo prédio de Paris. Tá certo que o Talibã  não tem sequer a inteligencia de uma molécula, mas ainda assim, é o que o DNA estaria fazendo se esse for o mecanismo aplicado ali, na mórula e na blástula.

Sabemos que corpos astronômicos como a Terra possuem uma realidade material invisível a nós a qual denominamos de campo e linhas magnéticas. A Terra é um corpo material. Tartarugas e células são corpos materiais. Então onde está o absurdo  em suspeitar que tartarugas e células tenham campos magnéticos próprios? E assim como humanos interagem com outros humanos, células interagem com outras células, porque não suspeitar que campos magnéticos interagem com campos magnéticos?

Estas suspeitas estão cada vez mais crescendo na minha cabeça e ultimamente tenho coletado muitas novidades noticiadas sobre campos magnéticos. Estou até suspeitando que o sistema solar está todo preenchido por um campo magnético cujo centro é o Sol, que emitiria ondas magnéticas em sete frequências diferentes, cada qual consistindo  em uma aureola espacial circular, cada qual numa vibração ondulatória especifica, e que qualquer planeta que estivesse na mesma aureola orbital que está a Terra, poderia gerar a Vida, se o planeta tiver as minimas condições para tal. Estas aureolas com suas diferentes intensidades vibratórias estariam na mesma sequencia da sequencia de frequências das ondas de luz. Quando saímos desta faixa vibratória  astronômica ótima para a vida, nosso corpo tenderia a se deformar… portanto vamos ter que desenvolver naves e trajes espaciais para mandar astronautas alem da nossa faixa.

Raios. Este assunto está cru, ninguém acredita nele. Apenas vão a cada dia acumulando novas descobertas que são mais evidencias indicando que deve existir algo aí muito importante para nossa existência e debaixo de nossos narizes que não estamos percebendo. Tartarugas descobertas nadando ao sabor de linhas magnéticas invisíveis… é como noticiam a coisa e apenas descrevem o fenômeno, sem sequer raciocinar inquiritorialmente sobre ele.

 

Vou levar adiante a pesquisa deste assunto. Se isso existe mesmo, e está influenciando minha vida, meu corpo, vou seguir suas pegadas até agarrar seus calcanhares. Claro!

Próximo passo: voltar a re-estudar em embriogênese tudo o que se refere à diferenciação celular. procurar o mapa do cérebro das tartarugas para procurar ali o que está desempenhando a função  de antena.  

 

Campos Magnéticos Astronomicos x Sinalizações Entre Genes? – Mais Dados

terça-feira, novembro 25th, 2014

xxxx

Introdução:

Aqui na Terra, e mais precisamente no nível genético, observamos  o admirável fenômeno de genes sendo expressados ou inertes devido sinais elétricos percorrendo moléculas e ligando ou desligando genes. De onde veio esta extraordinária engenharia, este funcional mecanismo, evolutivamente? Onde estavam e como eram os princípios deste mecanismo quando a evolução tinha como tôpo os sistemas astronômicos, ancestrais dos modernos sistemas celulares? Claro estas perguntas parecem ao leitor sem sentido, e apenas dentro da Matrix/DNA Theory uma mente humana faz a si mesma estas perguntas. Porque para mim isto é o que faz sentido, e não o contrario, como todos estão pensando, nas três hipóteses que apresentam e as quais impedem-nos de pensar em se fazer perguntas como estas:

1) Tem o grupo que não as faz porque “um Deus mágico criou tudo o que aqui está por mágica”;

2) Tem o grupo que não as faz porque “emergiu aqui a Vida vindo da matéria inorgânica que era a estupida matéria deste minusculo planeta perdido na imensidão cósmica e se desenvolveu pela evolução Darwiniana portanto antes das origens da Vida era o Cosmos e seus sistemas astronômicos os quais nada tinham deste mecanismo;

3) Tem o grupo do grosso da população não-pensante em coisas que seus olhos não vêem e suas mãos não tocam, por serem tão práticos na vida como seus recentes ancestrais animais.

Não! Eu nunca vi nenhuma mágica e nenhum deus nunca falou comigo ( portanto se me ignoram não são meus deuses); eu não posso admitir que esta matéria bruta deste planeta inventou estas coisas e portanto tudo aqui deve ser resultado de uma evolução continua que vem desde as origens deste universo material, e me recuso a ser mero animal portanto penso exigindo explicações visando forçar a minha transcendência alem dos meus ancestrais animais. Tem sentido sim as perguntas que a Matrix/DNA Theory me inspiram a fazer.

Campos Eletro-magnéticos dos Astros x Campos Eletromagéticos do DNA

Vários indícios vindos dos desenvolvimentos das teses dentro da Matrix/DNA  tem apontado que o fato cientificamente comprovado que astros como o Sol e a Terra mudam seus campos magnéticos, ora carregando e descarregando energéticamente seus polos norte e sul, seriam a nível astronomico o ancestral do mecanismo que evoluiu biológicamente para o fato tambem comprovado que genes mudam seu estado energético, estando carregados e se expressando, ou não. Como tem sido impossível visualizar e conhecer este mecanismo muitíssimo importante para nossa saúde física, a nível de genes, se conhecer-mos sua procedência, sua funcionalidade em outros sistemas maiores onde podemos ver mecanismos, podemo avançar muito na busca desse conhecimento. Infelizmente eu não tenho tempo para desenvolver esta tese e sou o único homem no mundo que se aventurou por este caminho que talvez seja um caminho todo errado, mas se estiver certo, estamos perdendo uma grande oportunidade de diminuir as torturas das doenças por mal funções genéticas que caem sobre nós, humanos. O que posso fazer por enquanto é vir registrando tudo o que sou informado e tem alguma relação com o tema. Portanto,…

 

Enceladus – Saturno-y-mas-7- Ice Geysers on a Distant Moon-Saturn’s Moon – Cryogeysers erupt from the south pole of the tiny moon Enceladus..jpg

https://plus.google.com/u/0/105302493912761395251/posts/JDcSgFTogUj

Comentario da Matrix/DNA Theory postado no artigo:

 

 

The Matrix/DNA Theory is the unique researching evolutionary relations between astronomical magnetic firlds and DNA magnetic field due the possibility that the phenomena of tthe mechanisms of genes switched on or off are evolutionary developments from the flips between poles of astronomical bodies. So, thanks for Saturn community by this useful information that was enrolled into our investigations. We need to consider that both phenomena ( at astronomical and genetic level) are still not known and if there is an evolutionary link between them, the study of one can help to elucidate the other, and vice-versa.

Comentarios interessantes:

“During the August 11, 2008 flyby, Cassini’s plasma sensors found ion and electron beams propagating from Saturn’s northern hemisphere.  Their variability was something of a puzzle until it was noted that time-variable emissions from Enceladus’ south polar vents could correspond with the footprint’s brightness variations in Saturn’s aurora.”

– from https://www.thunderbolts.info/wp/2011/10/19/electric-enceladus/

Note that none of our observations of Enceladus were predicted by theorists.  Even the presence of water in the liquid state was a tremendous surprise, given the fact that this was thought to be a cold pole on a dead moon turned out to be the hottest region of this active body.

We’d be wise to check in with other ideas on this, and there is one emerging explanation which can wipe out a dozen anomalies in the planetary sciences.  I am trying to raise awareness of this issue because none of the missions which are currently being planned to these outer moons have taken this other explanation into account.

Please learn what electrical discharge machining is …

https://plus.google.com/+ChrisReeveOnlineScientificDiscourseIsBroken/posts/5Bpk1oRbEec?pid=6072112183139059010&oid=108466508041843226480

xxxx

+Emanuel Marshall​ even more rudimentary than that. Every spinning orb has an electromagnetic field. Its analogous to people and static electricity. Regardless of size shape or density. Put on some tube socks on and rub your feet across a fur carpet like you are going to shock your mom.
xxxxx
Just goes to show negative gravity can be just as powerful as positive gravity.
Although heat and cold are common by products of gravity. They don’t have to be a part of the process. We find this to be true in magnetism and atom smashing
xxxx
Those are not “ice geysers”, they are electric discharges.
xxxxx
It may also be a form of sublimation from ice formations. I am not sure though, now that I take a closer look. There appears to be light in that geyser. which suggest positive gravity transitioning out of a negative gravity field. The cold version of a solar flare. Even better yet . The light is a result of fluorescent gas escaping from the ice. The transition in gravity causing it to light up
+Rodney Miller What’s the difference between “positive gravity” and positive electric charge of a magnetic field pole?
+Rodney Miller
Or it’s just sunlight on ice particles. Good old Occam

Qual a causa natural do homosexualismo? Sugestão da Matrix/DNA

terça-feira, setembro 2nd, 2014

Pessoas normais, não-radicais, se perguntam porque homosexualismo existe? Tem alguma razão oculta ou é puramente um evento ao acaso? É praticamente óbvio que homosexualismo não é vantagem evolucionaria, nem para o individuo nem para a sociedade. Isto se confirma – penso eu – pelo fato que homosexualismo nunca se fixou como mutação permanente, daquelas que são passadas hereditariamente. Então restaria a hipótese de ser produto do acaso, mas dispenso esta porque um acaso não se repete, e hossexuais são fatos repetidos aqui milhões de vezes. Poderia ser o caso de mutação causadora de uma doença, que não se fixa como caracteristica genética mas permanece encoberta, expressando-se esporadicamente. Consultamos os modelos da Matrix/DNA para ver se descobria a causa, principalmente o grafico que sugere como foi a origem e evolução da função dos cromossomos, desde o mundo inanimado. Surgiu uma hipótese complexa que não dá para explicar aqui, mas resumindo, a causa seria relacionada à epigenética. E quando a causa é força que vem do mundo externo adentrando um processo genético, alem da solução inusitada apontada pela Matrix/DNA, tem outras sugestões, no ambito da metafisica, que, se não estão dentro do escopo do mundo tratado pela Matrix, ao menos não está fora das exigencias do racionalismo. Me refiro á solução apontada pela filosofia espiritista: homosexualismo é a encarnação de um homem ou mulher que tenha sido pederasta, para sentir o outro lado das sua ações, o lado das suas vitimas.

Abrimos aqui mais este capitulo para pesquisa pela perspectiva da Matrix/DNA, e abaixo vamos registrando seus avanços:

Nesta nova maneira de interpretar cada detalhe do mundo natural – a Matrix/DNA Theory – surge como uma explicação nova, diferente.  Mas para ver isso é preciso trazer para cá um dos aspectos da fórmula natural para sistemas naturais, pois o corpo humano individual é um sistema em si. ( clique na figura para amplia-la):

Circuíto Sistêmico ou "Software" extraído da fórmula da Matrix/DNA, Revelando o aspecto Hermafrodita

Circuíto Sistêmico ou “Software” extraído da fórmula da Matrix/DNA, Revelando o aspecto Hermafrodita

Homosexualismo está diretamente relatado ao fenômeno “cromossomos sexuais”.  Existe aqui na face da Terra um ffenômeno natural muito complexo denominado “cromossoma” . Como a matéria bruta deste planeta produziu este fenomeno? Pode-se elaborar várias teorias, a verdade ninguem sabe porque tem sido a nós impossivel voltar no tempo e assistir qual foi a história real. Nós podemos acertar como foi que a natureza fez uma criança que vemos apenas agora, porque sabemos como outras crianças foram feitas, mas em relação aos primeiros cromossomos surgidos na Terra, não temos padrões para comparação. Nós podemos imaginar o estado da matéria da Terra anterior ao aparecimento dos primeiros cromossomos apontar as moléculas que existiam e vieram a compor o cromossoma, mas não podemos apontar a fôrça natural que organizou aquelas moléculas da maneira especifica que resultou no primeiro cromossoma. Quando isso acontece – quando não podemos ver o processo, o método, e as coisas ficam muito dificil e penosa para se pensar, tendemos a escapar do problema rebuscando uma hipótese que por ora pareça a mais indicada. Por isso, os humanos se dividem entre os que “acreditam” numa fôrça invisivel não-natural e inteligente, e outros acreditam que tudo foi mero produto de forças e elementos avançando e se misturando por acaso, mantendo os resultados que que se adaptam em sincronia com o meio-ambiente.

Dentro da Matrix/DNA, eu percebí que pode haver uma terceira alternativa, e que a mim me parece mais lógica e racional. Não parecerá racional ao leitor à primeira vista porque ele não conhece a história da origem e desenvolvimento desta teoria, e nem entende seu significado.  Ou talvez porque não exista mesmo racionalidade na teoria, se algum fato real vier provar que esta teoria não traduz o mundo real. Mas vejamos qual é a terceira alternativa.

Nas sopas primordiais de onde emergiram as moléculas orgânicas, haviam atomos cujos elétrons foram invadidos por fótons vindos com a energia solar, a radiação cósmica e eflúvios emanados das reações físicas no núcleo do planeta. Cada fóton tem uma tendencia, um comportamento especifico, adquirido no sistema onde ele existe, que se sobrepõe ao seu comportamento original, assim como cada ser humano de cada cultura adquire um comportamento especifico que se sobrepõe aos seus instintos originais. Ora, os fótons que invadiram os átomos terrestres que se organizavam em compostos não-organicos, vieram todos de uma unica fonte. Seja pela estrela solar, seja pela radiação cósmica, ou seja pelo nucleo de planetas, todos vem de um unico sistema, o astronomico. O qual é um pouco mais complexo que o sistema atômico que o compõe. Então, assim como cada grupo de imigrantes tentam estabelecer no novo país um ambiente modelado pela tendencia adquirida no pais de onde vieram, os fótons de um sistema mais complexo tentam estabelecer este sistema num sistema mais atrasado para onde emigraram.

A Matrix/DNA foi construída pelo caminho reverso do que foram construidas as teorias da evolução e das origens da vida, a abiogeneses. Aquelas tentam reproduzir o estado do mundo antes das origens – seja da vida ou de uma nova espécie – e a partir dele inferir o que deve ter acontecido no desenvolvimento da história. Na Matrix/DNA eu fixei o estado do mundo aqui e agora e tentei calcular o passado, regredindo passo a passo. Com isso cheguei aos sistemas astronomicos e depois aos sistemas atomicos portando diferentes modelos teóricos destes sistemas, diferentes dos modelos teóricos elaborados pelas ciencisa que fizeram o percurso passado, futuro. As propriedades organicas e vitais que são constatadas aqui e agora aparecem como princípios ou forças brutas nos meus modelos de átomos e galaxias, enquanto as ciências academicas não mencionam ou não identificam estas propriedades em seus modelos.

Então, considerando-se o modelo teórico de sistemas astronomicos onde aparecem os principios das propriedades vitais, calculamos quais deveriam ser as tendencias especificas dos fotons que adentraram os atomos terrestres e aí começamos por perceber a explicação do porque alguns atomos terrestres começaram a se comportarem de maneira nunca praticada antes, a se combinarem da maneira que resultou nos compostos organicos, daí às moléculas base das proteínas, do RNA, etc. Percebemos por exemplo, que cada proteina transcreve um pedaço especifico do trecho do circuito sistemico de um sistema astronomico. E aqui chegamos aos cromossomas sexuais.

O sistema astronomico resenhado na figura acima seria a forma dos building blocks das galaxias originais, assim como atomos são os buiding blocks de células e células são os building blocks de corpos humanos. Existem bilhões de corpos humanos diferentes, assim como bilhões de galaxias diferentes, mas os building blocks são os mesmos.  Nos seres vivos, a fórmula que nunca muda, que modela o building block fundamental é um par lateral de nucleotides, building blocks do DNA. Pois os fotons que vieram através da energia solar ou outra fonte, teriam vindo do modelo mostrado na figura. Assumem o comando da maquinaria atomica, assim como virus podem assumir o comando da maquinaria celular, e jogam estes atomos a novas combinações, pois os fotons dentro de um atomo querem se alinharem na mesma sequencia que estavam no sistema de onde vieram, ou seja, os emigrantes da China em New York querem se juntarem em Chinatown.

O modelo acima sugere que as galaxias originais – apesar de serem compostas por elementos brutos, algumas esferas e rodamoinhos em meio a poeiras estelares – já revelavam propriedades organicas vitais numa espécie de cobertura invisivel biológica, apenas detectada quando observamos como estes se conectam, formando um sistema. Assim, extraindo as linhas de uma conexão e observando seu desenvolvimento, percebemos que o resultado final daqueles movimentos mecânicos são semelhantes ao processo e resultado final da reprodução sexual biológica. Então estaria aqui o segredo invisivel inserido nas sopas primordiais terrestres que fez moléculas organicas, manteve a direção do desenvolvimento até criar proteinas, nucleotideos, etc.

O modelo acima indica que a galaxia original era um sistema fechado em si mesmo e hermafrodita. As duas parafernálias sexuais que surgiram nos seres vivos, estão visiveis num unico ser, considerando-se o modelo teórico.  A observação do circuito sistemico, por dentro do qual fluem todas as informações do sistema, revela que ele é esférico e tem uma direção, que vai da esquerda para a direita, no sentido horário.  O sistema completo e funcional precisa ao menos de sete peças, partes, seis localizadas no trecho esférico e uma siando fora, dividindo a esfera em duas meias-faces. Cada peça executa uma especifica função sistemica, “F”. Este circuito é  originado quando a Natureza consegue um corpo unico – digamos, a nebulosa primordial de atomos leves – e consegue penetra-lo com uma onda de luz natural, a qual tem sete vibrações diferentes, cuja sequencia é a base que imprime o ciclo vital num corpo inanimado, num monte disforme de massa. Então quando a onda de luz penetra o corpo inteiro ela o divide em porções, cada uma contendo uma de suas especificas vibrações, o que diferencia uma parte de outra, Depois torna-se natural que estas sete porções sejam mutuamente atraidas de acordo com a sequencia de onde vieram, e quando se conectam completamente, tornam-se um sistema funcional. Se as duas pontas, a inicial e a final – se juntam, o sistema será fechado em si mesmo, isolado do mundo externo; se não se juntam, o sistema será aberto e se comunicará, realizará trocas, com o mundo externo.

Bem, relembradas algumas coisas basicas da longa teoria da Matrix/DNA, voltemos ao homosexualismo e aos cromossomas.

Toda vez que nasce um sistema, ele começa por F1, a energia vai em crescente até atingir F4, que é justamente a metade, formando uma meia-face. Neste ponto a energia começa a decrescer, mas copia a mesma configuração executada na primeira meia-face, surgindo daí a bi-lateral simetria, completando uma face inteira.

( Epa! Surgiu aqui um problema: se a face direita é copia da esquerda, a configuração é a mesma, mas mudam as funcões das partes, e na formula muda as formas das partes, como que nos seres vivos a face inteira revela as mesmas formas e mesmas funções nas duas faces?  resolver isto antes de voltar aqui… Artigo interrompido até que resolva-se este problema.)

…. Problema acima resolvido: Não existe bi-lateral simetria no estado de sistema perfeito fechado, como existe nos sistemas biológicos abertos.  Porque muda o objetivo da a Função 5, reprodutora. No sistema fechado, F5 reproduz o sistema inteiro, pela auto-reciclagem; no sistema aberto, a F5 se aplica duas vezes: primeiro para reproduzir a meia-face esquerda em meia-face direita, e depois para reproduzir o corpo todo. Mas isto ainda precisa ser melhor estudado. Pois, no sistema fechado, ao produzir a meia-face esquerda as partes executam funções da energia crescente, e quando entra a produzir a meia-face direita, a energia está em estado decrescente, portanto as partes executam funções entrópicas. É preciso saber como F5 atuou no caso do RNA primordial, que era apenas a meia-face esquerda, e então esta foi duplicada como meia face direita, surgindo o DNA. Isto sugere que no par de nucleotideos que forma a unidade fundamental do DNA, um nucleotideo, incluindo sua parte da haste,  tem a energia crescente, e o outro tem a decrescente. Mas apenas as bases mudam, enquanto os elementos da haste continuam iguais ( açúcar e ponte fosfórica).  bem, tem mais problemas aí mas acho que já tinha resolvido isso, preciso procurar onde deixei os papéis e como resolví. Pois os elementos da haste tambem mudam de função: um açúcar representa F1 e o outro, F4.

Voltemos ao texto:

No sistema fechado esta bi-lateral simetria éa penas na quantidade de partes, localização das partes. Alem da diferença das duas energias, existe a de que uma parte é masculina, e a outra, tem o órgão feminino. Isto é que possibilitou a separação em dois corpos com sexos diferentes, mais tarde. Não existe ainda sequer possibilidade para um “terceiro sexo”.

Acontece que X dá uma volta inteira e tem informações do sistema todo, expressa informações totais. Portanto ele tem as informações que Y tem. Este tem claramente as informações da meia-face esquerda. Acontece que Y tambem dá uma volta inteira, pois seu começo vem do fim de X e no seu fim entra em X. Mas apesar de ter a outra metade das informações, Y não as expressa, porque f5 não participa das funções, passa ( o sistema é espiral, e não como está na figura da fórmula, ele cai direto em F1. Então a mulher tem dois X e expressa duplamente o sistema todo, mas se na fusão sexual, um X cai e entra um Y, a parte do X que restou que expressaria a meias-face direita fica dominada porque a parte da esquerda foi duplamente reforçada. Isto significa que o homem apresenta o derivado evolutivo do órgão masculino do ancestral galactico ( o vulcão emitindo cometas no pulsar), mas mantem informações do sexo feminino, em situação de recessividade, que deve estar encoberta em algum lugar. Talvez isto se expressa nas mamilas masculinas, que parece não tem utilidade e não conheço evolucionário biólogo que tenha explicado porque elas estão ali. Da mesma forma a mulher tem em algum lugar a expressão do sexo masculino – pelo que volta a hipótese das mamilas, que mantem a forma de vulcões ejaculando “leite”.

E o que deve acontecer nas raras fusões sexuais em que um individuo apresenta órgãos de um sexo, mas caráter, personalidade, do outro sexo? terá algum motivo evolucionário, será uma doença, ou um evento por acaso?

Não pode ser produto de um propósito evolucionário, pois homosexualismo não é retransmitido hereditariamente, o que significa que a natureza nunca fixou essa mutação genética. Mas tambem não é um acaso, pois o evento tem se repetido milhões de vezes, e um acaso não se repete. Pode ser uma mutação encoberta, como uma doença que não se transmite em todos os filhos mas retorna numa geração seguinte.

Talvez nosso ancestral pudesse ser chamado de homosexual, porque era hermafrodita. Talvez não, pois, talvez, o hermafroditismo cria uma terceira personalidade, que não a homosexual. Mas pode ser que nesse esforço do ancestral astronomico de se reproduzir através dos sistemas biológicos aqui, o ambiente contenha informações que seriam forças mutantes reproduzindo o seu “caráter” nos dois corpos divididos que são dois meio-caraters. Se for isso, o problema diz respeito a epigenética. Algo que transcende o simples processamento de genes na genética, pela atuação do corpo como sistema.

Se é epigenético, o fator causador do hosexualismo é externo ao corpo, uma força que vem do ambiente. E aqui surge mais uma possibilidade, apesar de estar fora do escopo da Matrix/DNA, mas não fora do racionalismo.  Me refiro à doutrina espirita que em algum lugar escreveu que uma pessoa – seja homem ou mulher – com comportamento sexual doentio, como om pederastismo, o abuso de crianças e do sexo oposto, etc., retorna na próxima encarnação com a personalidade do abusado, para experimentar o outro lado, o lado de suas vitimas… isto se encaixaria na epigenética e como terceira alternativa. Mas o assunto fica aberto para pesquisa.