Archive for the ‘Origem da Vida’ Category

Origens da Vida: Informativa entrevista com Joel de Rosnay

quarta-feira, outubro 10th, 2018

xxxxx

Joel de Rosnay: “A vida não surgiu por acaso”

https://super.abril.com.br/ciencia/joel-de-rosnay-a-vida-nao-surgiu-por-acaso/

Procurar o livro:

Rosnay é autor, entre outros livros, de um clássico no assunto, Las origines de La vie, de 1965, do qual uma nova versão saiu em 1988 sob o titulo L’aventure Du vivant,

Origens da Vida: Nova pesquisa sugere que o RNA não precisou de membrana para se formar

quarta-feira, outubro 10th, 2018

xxxx

Origin of life in membraneless protocells

October 9, 2018, Max Planck Society

https://phys.org/news/2018-10-life-membraneless-protocells.html

Uma nova perspectiva se abriu no tema da busca para explicar as origens da vida. O surgimento da primeira membrana sempre foi motivo de debate, pois se calculava que era necessário aparecer primeiro uma membrana para possibilitar a formação e desenvolvimento das primeiras biomoléculas, como enzimas, proteínas e RNA. Um forte candidato para solucionar o mistério são as bolhas como se vê formando na água. Mas agora um grupo de cientistas descobriram que os coacervados – uma espécie de protocélula – que não possuem membranas, podem conter em si biomoléculas de RNA e a ausência de membranas facilita a transferência de pedaços curtos da biomolécula entre indivíduos, fornecendo assim um complexo maior de informações. Mas quando focalizamos toda esta situação, ou quando lemos um artigo como esse, tendo em mente a formula da Matrix/DNA, nos vem a mente todas as soluções para as questões e se vê novos aspectos do problema. Deixarei aqui registrado o link para o artigo para retornar e destrinchar cada item citado. Enquanto isso, abaixo vai cópias de meus comentários publicado pela PHYS.ORG:

Morelli – posted at 10/10/18
Great job, but, still a scientific wrong worldview is avoiding to see the obvious here. From where Nature got the mechanism of self-replication? What else was – in the state of the world at that time and before that time – doing self-replication ? What means, which is the natural force, that produces the function of self-replication? Who drove the terrestrial atoms composing rocks, water, air, suddenly to such never seen before new connections that produced biomolecules? And why complex biomolecules?
There is a new theory with a new world view that suggests explanations for all these questions following a unique logic line: linking cosmological evolution with biological evolution we can find the picture of an evolutionary link, like a kind of non-biological DNA. The picture is at my website and it solves all these questions. Of course, while I can not show the real link, it is merely a theory. But theories are the drivers for science to find out the next missing information.

xxxx

V4Vendicar – not rated yet5 hours ago
membranes came first’
xxxx
Morelli posted 10/10/18 – not rated yetjust added

membranes came first’

Well… you are right. Before life’s origins, there were membranes in the sky, composed as membranes and working as membranes: the horizon event surrounding galactic nuclei. So, why Nature should to do the hard work of creating from nothing (applying magics?) the natural phenomena called “membrane”, if it already exists? Life which real name is “biological system” was generated here by the forces and elements existing in a planet belonging to a surrounding natural system called “solar”, which is inside other called Milk Way. It is always systems down. It is the same and unique evolutionary lineage. Of course, galaxies are our ancestors like bacteria are.So, really, membranes came first. I can’t understand why humans arbitrarily decided to separate universal evolution into two blocks without any evolutionary link between them… can you explain me? Thanks…

Read more at: https://phys.org/news/2018-10-life-membraneless-protocells.html#jCp

Origens da vida: Joel de Rosnay, entrevista interessante e livro a comprar

terça-feira, setembro 25th, 2018

xxxxx

https://super.abril.com.br/ciencia/joel-de-rosnay-a-vida-nao-surgiu-por-acaso/

Joel de Rosnay: “A vida não surgiu por acaso”

( Obs: Procurar este livro, versao em ingles: Las origines de La vie, de 1965, do qual uma nova versão saiu em 1988 sob o titulo L’aventure Du vivant, ainda não editado no Brasil )

Desde Aristóteles, há 2300 anos, aos bioquímicos dos laboratórios computadorizados dos dias atuais, filósofos e cientistas – para não falar dos pensadores religiosos de todos os credos e épocas – têm procurado a resposta para aquilo que seguramente é a maior interrogação sobre a face da terra: como , quando e por que surgiu o que se chama vida? Esta portentosa pergunta, comparável apenas a indagação sobre a origem do Universo, desdobra-se numa variedade tão grande de complexas questões que chega a lembrar as assombrosas diversidade das formas vivas que povoaram este planeta.

Terá sido, por exemplo, um acidente num percurso dos componentes primitivos a matéria inanimada – o acaso, em suma, a matriz primeira da matéria orgânica? Ou, desde a formação da terra, uma lógica implacável determinou o nascimento das moléculas vitais? E que peculiaríssimo arranjo químico foi esse que, até onde a ainda precária vista humana alcança, só parece ter impregnado um único corpo celeste? Excluída a idéia da intervenção divina, pelo simples motivo de que tal resposta está além de qualquer verificação cientifica, restam as hipóteses construídas pelos próprios cientistas.
Estas não apenas são verossímeis, dado o acumulo de conhecimentos que permitiu formulá-las e testá-las, como também descrevem o que talvez seja a suprema odisséia já ocorrida nestas paragens do Cosmo. Do casamento das chamadas ciências planetárias, como a Geologia, a Climatologia e o estudo da atmosfera, com a Biologia Molecular e a Microbiologia, emergiu enfim uma explicação coerente e articulada para o enigma da vida. Poucos cientistas têm tanta familiaridade com cada tijolo dessa construção admirável quanto o francês Joël de Rosnay.

Aos 52 anos, químico de formação, ex-pesquisador do Instituto Pasteur, de Paris, e do não menos renomado Massachusetts Institute of Technology, em Cambrigde, Estados Unidos, Rosnay é autor, entre outros livros, de um clássico no assunto, Las origines de La vie, de 1965, do qual uma nova versão saiu em 1988 sob o titulo L’aventure Du vivant, ainda não editado no Brasil, assim como o anterior. Atual diretor da Cidade das Ciências, de La Villette, define-se como “um misto de administrador, cientista e comunicador”. Nesta entrevista a Dominique Simonnet, da revista francesa L’Express, que SUPERINTERESSANTE publica com exclusividade para o Brasil, Rosnay sustenta que “ a vida é o resultado de uma longa evolução”.

Já se passaram mais de vinte anos desde a publicação de seu livro As origens da vida. Nesses vinte anos o mistério original se esclareceu?

Em parte. As recentes descobertas confirmaram sobretudo uma grande idéia: a vida não apareceu por acaso. Ao contrário, ela é o resultado de uma longa evolução da matéria, das moléculas simples às primeira células. É um processo continuo intimamente ligado à evolução da própria terra. A novidade é que foi possível reproduzir em laboratório as principais etapas desse processo.

A idéia de que a vida surgiu da matéria lembra o conceito de “geração espontânea” dos nossos bisavós. Quer dizer então que eles não estavam completamente errados?

É verdade. Mas eles acreditavam que os vermes brotavam da imundície e as moscas, da carne estragada. No século XVII, um célebre médico chegou mesmo a dar uma receita para a criação de ratos em 21 dias a partir de um grão de trigo e de uma camisa suja. Pasteur acabou com esse mito: as gerações espontâneas eram na realidade devidas aos microorganismos que proliferam num ambiente. Na época concluiu-se daí que a vida só poderia nascer da vida. Como então explicar sua primeira aparição? Só havia duas soluções: uma origem divina, mas aí já não se tratava de ciência, ou uma origem extraterrestre – meteoritos teriam trazido os germes da vida, o que tampouco resolvia o problema. A ciência ficou assim bloqueada anos a fio.

Até que finalmente ela se resignou a estabelecer a ponto entre a matéria e a vida.
Sim. Graças em parte a Darwin, que introduziu a idéia fundamental da evolução do tempo. Isso seaplica as espécies vivas, desde o primeiro organismo até o homem. Mas também, como Darwin sugeriu, às moléculas antes mesmo das primeiras células. No começo do século, os bioquímicos Aleksander Oparin e John Burdon Halden afirmaram que os componentes da vida se formaram a partir das moléculas simples que se encontravam na Terra por ocasião de sua formação, há 4,5 bilhões de anos.

Por que isso aconteceu na Terra?

Porque se trata de um planeta realmente peculiar: possui uma massa suficiente para reter gases numa atmosfera; fica a uma boa distância de uma estrela, o Sol, que irradia infravermelhos e ultravioleta capazes de desencadear reações químicas. Sob o efeito dos raios ultravioleta do Sol e dos violentos relâmpagos terrestres, as moléculas de gás da atmosfera primitiva (principalmente metano, amônia e vapor de água) se partiram e se recombinaram em elementos mais complexos: as primeiras moléculas, a que chamamos orgânicas, porque elas entram hoje na composição dos seres vivos. Durante milhões de anos, essas moléculas caíram do céu, trazidas pelas chuvas resultantes da condensação do vapor de água nas camadas frias da atmosfera. Assim se fixaram duas características essenciais do mundo vivo: sua composição química – todos os organismos são feitos de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio: e sua fonte de energia – o Sol.

Como se descobriu isso?

Mediante simulações em laboratório. A mais célebre foi realizada nos anos 50. Um jovem químico, Stanley Miller, fechou uma mistura de metano, amônia, hidrogênio e vapor de água (os quatro gases da atmosfera primitiva) num tubo de ensaio, que foi submetido a poderosas descargas elétricas para simular os relâmpagos e que ele havia equipado com um sistema de condenação da água para fazer as vezes das chuvas. Ao cabo de uma semana, ele obteve um liquido vermelho – alaranjado, onde encontrou notadamente aminoácidos, elementos essenciais dos seres vivos. Estava estabelecida a prova de que compostos orgânicos podiam se formar a partir de moléculas inertes.

Apesar disso, fica faltando a dimensão do tempo, è qual o senhor dá importância.

Sim, mas em laboratório sabe-se acelerar as reações e abreviar a duração. Além disso, de seu lado, os astrofísicos descobriram moléculas orgânicas no espaço, mais de setenta em quinze anos. Em 1986 a sonda Giotto encontrou tais moléculas no núcleo do Cometa de Halley. Isso mostra que antigamente a formação dessas moléculas não era um caso excepcional no Universo. Duas delas, o formaldeído e o ácido cianídrico, parecem haver desempenhado um papel importante: submetidas aos raios ultravioleta, deram origem a duas das quatro bases que compõem o DNA, o suporte de hereditariedade, ou seja, duas das quatro “letras” do código genético que caracteriza os seres vivos. Todas essas moléculas se acumularam inicialmente num gigantesco caldo de cultura, a sopa primitiva. As reações essenciais não se produziram apenas nos oceanos, como se acreditou durante muito tempo, mas também nas lagunas e nos pântanos, lugares secos e quentes de dia, frios e úmidos à noite, e sem dúvida no barro. Tais ambientes desempenharam o papel de desencadeadores das reações.

Ora, a vida nascida do barro. Reencontra-se um dos grandes mitos da criação.

Sim. Os pesquisadores israelenses e americanos que simularam em laboratório os ciclos de secamento dos mares confirmaram: em presença do barro, as famosas bases se juntam espontaneamente em pequenas cadeias de DNA e sobretudo de RNA, o outro suporte da informação genética ( que duplica o DNA da célula). Ora, segundo uma descoberta realizada em 1986 pelo americano Thomas Cech, esse RNA tem um poder extraordinário – o de auto-reproduzir. Outra experiência, esta do americano Sidney Fox, permite completar o argumento. Segundo ele, certas moléculas se aglutinaram na sopa primitiva em numerosíssimas bolinhas, as “microsferas”, de certa forma como gotas de óleo na água. Foi uma grande novidade: cada gota podia, com efeito, possuir um conteúdo químico próprio. Sabe-se que certas reações internas podem destruí-la; outras, ao contrário, podem estabelecer sua estabilidade. Resultado: aquelas que dispunham de um conteúdo favorável puderam subsistir notadamente as que colhiam as famosas cadeia de RNA, capazes de se auto-reproduzir. Essa seleção natural química durou um bom bilhão de ano. Houve portanto luta pela vida – antes da vida.

Mas a partir de que momento existe vida

É uma questão de definição. Admite-se geralmente que um organismo vivo é um sistema capaz de assegurar sua própria conservação, de se gerir a si próprio e de se reproduzir – três propriedades que se aplicam a célula. Um cristal, ao contrário, não vive: ele é capaz de se reproduzir, mas não de metabolizar energia. O caso do vírus é mais ambíguo. Pode-se, por exemplo, transformar um vírus, como o mosaico do tabaco (TMV), em cristais, como o do açúcar comum, e conservá-lo durante anos. Ele não se reproduz, ele não se manifesta, ele não “vive”. E depois, um dia, pode-se buscar o pó, acrescentar-lhe água e despejar um pouco da solução numa folha de tabaco. A planta apresentará rapidamente sinais de infecção: o vírus reencontrou seus poderes e se reproduz a uma velocidade assombrosa. Digamos então que o vírus se situa na fronteira da vida. Segundo uma teoria original, os vírus seriam estruturas aperfeiçoadas, células que teriam evoluído livrando-se do estorvo do material da reprodução para se reduzirem a sua expressão mais simples. Em todo caso, ao contrario do que se chegou a acreditar, os vírus certamente não foram as primeiras formas de vida, pois eles necessitam de estruturas vivas para se reproduzir.

Os primeiros seres vivos foram portanto as esferas dotadas de RNA, as “gostas de vida”?

Provavelmente. Essa vida teria então invadido a terra muito depressa, ela teria contaminado como … um vírus. Talvez em menos de um ano, quem sabe. Quase nada., comparando aos bilhões de anos precedente. Não esqueça: quando uma célula se divide em duas, depois em quatro, oito dezesseis, 32 etc., chega-se muitos rapidamente a quantidades astronômicas. Além do que, naquela época não havia nada que destruísse os primeiros organismos. Hoje, qualquer tentativa de aparecimento de uma nova vida seria instantaneamente aniquilada pelos atuais seres vivos. A vida queimou as pontes atrás de si.

Quando ocorreu aquela contaminação?

Pelo menos a 3,5 bilhões de anos, visto que os mais antigos fósseis de bactérias, descobertos na Austrália, datam desse período. Em seguida, no interior das microgotas, o jogo das estruturas químicas conduziu progressivamente ao estabelecimento de um código genético rudimentar, depois à dupla hélice do DNA – este se impôs porque apresentava vantagens sobre o RNA, principalmente uma estabilidade maior. Mas como isso se deu? Os biólogos ainda não sabem. É um dos seus principais elos perdidos.

Será que algum designo, ou alguma lógica teria conduzido a natureza a inventar o DNA?

A natureza não “inventa” nada, não tem intenções; ela procede por eliminação. A vantagem do DNA é ter permitido,, mediante o jogo das mutações, uma variedade considerável de formas vivas. Com o tempo, o ambiente criou novas condições, novas necessidades. Os organismos que não foram capazes de se adaptar a elas acabaram eliminados. Os outros proliferaram. É o principio darwiniano da seleção natural.

Mas, se existem necessidades, não se pode dizer que o acaso participe dessa história?

Alguns pensam que a vida nasceu por acaso, por um arranjo acidental nos oceanos. O que faria da vida um acontecimento exclusivamente terrestre. Mas, para a maioria dos cientistas, a primazia é da necessidade. Nesse caso, todo planeta que contenha água e se encontre a uma distância ótima de uma estrela quente pode ter acumulado moléculas da mesma maneira que a terra. E estas, ao se tornarem mais complexas, desembocaram substancias químicas com seu meio etc. assim de necessidade em necessidade, a evolução química pode acabar resultando em seres vivos rudimentares.

Então a vida em outros planetas também se basearia no DNA?

Provavelmente. O DNA se insere numa evolução química lógica do Universo.

Depois que apareceu o DNA, o que aconteceu?

As microgotas continuaram a aperfeiçoar seu metabolismo. Depois da fermentação, a forma mais primitiva de obtenção de energia, que se produz na ausência de oxigênio, surgiram a fotossíntese e a respiração. A primeira se baseia na clorofila; a segunda, na hemoglobina. O universo de uma é verde. O da outra, vermelho. Mas essas duas moléculas são praticamente idênticas e provavelmente originarias de um mesmo “ancestral químico”. O surgimento da fotossíntese encheu o ambiente de oxigênio – o que sem duvida fez surgir na alta atmosfera a famosa camada protetora de ozônio. Produziu-se então uma separação entre aqueles que obtinham energia diretamente a partir do Sol e aqueles que absorviam as substâncias e o oxigênio rejeitados pelos outros. É a espoleta da separação entre mundo animal e mundo vegetal.

Já? Num estágio tão primitivo?

Assim se acredita. A árvore da vida ramificou muito cedo. Depois das bactérias e das algas aparecem as células ais complexas, dotadas de um núcleo e de órgãos… ? duvida Segundo uma teoria muito recente. Tais células teriam resultado de simbioses: a célula vegetal, por exemplo, seria uma célula na qual teria ido viver uma alga – e assim teria constituído nela o cloroplasto. A célula animal com núcleo teria da mesma forma, acolhido uma bactéria – que nela viria a se transformar na mitocôndria, uma espécie de minicentral de produção de energia.

Uma lógica de associação, desta vez?

Sim. Pois chegou um momento em que nenhuma dessas células pôde evoluir sozinha. Os dejetos que elas, por assim dizer, cuspiam no ambiente as envenenavam: elas também conheceram a poluição. Seu modo de sobrevivência foi se associar em sistemas, o que oferecia a vantagem de diversificar o trabalho. Então elas se diferenciaram. Vê-se ainda esse fenômeno no caso do volvox, pequena célula independente munida de flagelos: num meio pobre em substâncias nutritivas, esses organismos secretam uma espécie de gel e se colam uns aos outros formando um colônia que pode alcançar vários milhares de espécimes. Então eles se deslocam todos na mesma direção, de maneira muito coordenada, formando uma única entidade. Talvez tenha sido uma lógica parecida que tornou possível o aparecimento dos primeiros seres multicelulares. Também a sexualidade teve seu papel: é um modo de fundir o DNA, portanto, de criar variedade. Depois, a árvore da vida continuou a se ramificar: os cogumelos, as algas multicelulares, as esponjas, os corais, os peixes, os insetos, os pássaros, os mamíferos…

… e o homem, enfim. O senhor … ? duvida

Sim, se considera que a sociedade humana forma com a biosfera (ou seja, a parte viva do planeta) um gigantesco organismo que vive e continua a evoluir. As invenções do cérebro humano serão agora os equivalentes das mutações.

Mas se está muito longe das primeiras gotas de vida.

Nem tanto. O DNA guarda na memória trações da evolução biológica. No curso de seu desenvolvimento, um feto revive rapidamente algumas etapas dessa evolução. Nosso cérebro, com suas três partes – , é igualmente o resultado de um espécie de sedimentação. E a composição química de nossos tecidos permanece muito semelhante à do meio orgânico há 4,5 bilhões de anos: cada uma de nossas células é um pedacinho do oceano primitivo do qual emergiu a vida. De fato, nosso corpo inteiro continua a contar a história de nossas origens.

Microbios na Extratosfera da Terra: outra predicao acertada da Matrix/DNA

segunda-feira, julho 9th, 2018

xxxx

https://www.space.com/41096-stratosphere-microbes-extreme-life-alien-worlds.html?utm_content=bufferd2f2a&utm_medium=social&utm_source=facebook

How Stratospheric Life Is Teaching Us About the Possibility of Extreme Life on Other Worlds

Louis Morelli – posted at 07/09/18

Ok, the existence of these creatures in space was predicted by Matrix/DNA Theory 30 years ago and while the reseachers doens’t know the Matrix/DNA formula and its properties they never will understand the origins and evolution of these cratures.

Origens da Vida: Pesquisar novos ingredientes: sulfites e bisulfites

sexta-feira, abril 13th, 2018

xxxx

Brewing up Earth’s earliest life

https://www.sciencedaily.com/releases/2018/04/180409103833.htm

Large concentrations of sulfites and bisulfites in shallow lakes may have set the stage for Earth’s first biological molecules. Planetary scientists have found that large concentrations of sulfites and bisulfites in shallow lakes may have set the stage for synthesizing Earth’s first life forms.

Data: April 9, 2018

Metabolismo e’ o mecanismo, o motor dentro de um sistema? A maquina celeste oculta pela carne?

quarta-feira, janeiro 3rd, 2018

xxxx

Pesquisa: Metabolismo > uma das principais propriedades da vida

( Do video abaixo, no ponto 34:00) – Um carro pode ter um computador que dirija o carro. Se retirar-mos o computador o carro ainda funciona. mas se tirarmos o motor o carro para, entao o mais importante e’ o motor. Entao dever haver um mecanismo dentro da celula que e’ o mais importante, e este mecanismo e’ o metabolismo. Metabolismo e’ um processo quimico que converte combustivel em energia utilizavel. O metabolismo da vida pode ter surgido nos jatos quentes do fundo oceanico produzindo reacoes quimicas com abundante sulfeto de ferro das rochas. Nos possuimos sulfeto de ferro na nossa pele, o que nos lembra nossa origem destas rochas.

https://www.youtube.com/watch?v=Ab-OguXdZ78

Pesquisa:

Wikipedia: metabolism ( continuar)

Origem da Vida: Checagem do Vídeo: Mistérios da Ciência – Origem da vida no planeta Terra

segunda-feira, janeiro 1st, 2018

xxxx

O vídeo tem muitos insights que podem ajudar na montagem do livro. Falta revê-lo quase todo, coletar os insights e analisa-los. Mas um dos principais pontos notados no vídeo é que todas as teorias se baseiam em reunir ingredientes e pesquisar como eles se interagem e se desenvolvem para arquiteturas cada vez mais complexa. Nenhuma outra teoria se baseia na perspectiva baseada pela minha teoria, ou seja, buscar no meio dos ingredientes e do ambiente externo um prévio “programa”, natural, que teria dirigido os ingredientes a montarem a primeira célula. Pois

Imagino-me como um microscópico microbio com o pequeno conhecimento e raciocínio que tenho. Estou vivendo num oceano liquido mais parecido com uma sopa que é  o amnion, dentro de um ovulo não fecundado. Tiro uma soneca rápida e quando acordo vejo uma bolinha no centro do ovulo, não sei como aquilo apareceu ali. A bolinha cresce, não sei como, e de repente, se divide em duas, exatamente iguais! Ainda não sei como, fico cada vez mais curioso observando agora as duas bolinhas. E então elas se dividem novamente e novamente e de uma “bolona” começam a surgir protuberâncias, tentaculos, enfim, em 9 meses tem ali um ser inimaginável. Como começou? Como se desenvolveu? Bem, com a capacidade da ciência moderna eu posso ate repetir num laboratorio o começo, e posso descrever por completo como ela se desenvolveu, pois eu assisti o desenvolvimento, estando situado fora da bolinha.

Resumindo, se o microscópico inteligente nada sabe sobre DNA – um programa que esta Escondido dentro da bolinha mas que dirigiu todos os processos – ele vai elaborar todos os tipos de teorias, pode ate replica tudo artificialmente num laboratorio, mas nunca vai entender bulhufas.

Então o que fiz – dentre outros métodos inusuais – foi pensar que algo existiu no meio daquela sopa primordial, ou nos ventos quentes no fundo do oceano, que dirigiu todo o processo, e esse algo continua invisível e desconhecido dos cientistas. Na busca por modelos desse algo, encontrei a formula natural da Matrix/DNA, vinda tanto do planeta como for a dele, e perfeitamente cabível na sopa primordial.

Eu posso ter errado nos meu cálculos e modelos, talvez o elemento desconhecido seja diferente e tenha outras origens, posso aceitar isso tranquilamente, porem, o que eu não posso aceitar é porque os pesquisadores não aplicam a razão pura humana tal como recebida da Natureza, confeccionada pela logica da Natureza, nesta busca. Raios, como refletir sobre o evento da origem da vida no planeta sem lembrar da origem da vida individual que continua a acontecer perante nossos olhos? Sera demasiado humilhante se por no lugar de um microscópico microbio? Ou a ideia absurda ( mas que esta’ se tornando uma doutrina), do Acaso Absoluto Magico produzindo estes milhões de eventos espetaculares e na unica sequencia possível, lhes entrou na cabeça a ponto de cega-los?

Rodar o video de 00 a 16:39 para captar os pontos importantes:

16:39 – Evolução química: Não sabemos como, mas se juntam as três coisas: a membrana, as moleculas com seu metabolismo e a genetica com suas moleculas replicadoras ( esse ajuntamento, essa organização, ocorre atras das cortinas, ou seja, não sabemos como, E dela sai,,, uma célula viva!

  • 16:50 – Abismo da Evolução Química: Não existe uma linha clara divisória entre a vida e a não-vida. Ai e’ que esta o abismo da evolução quimica.
  • 17;05 – Eu acho que a maior questão da vida é como o inanimado se torna animado… O inicio do codigo genetico, da reprodução, do metabolismo, da luta pela sobrevivencia, e etc. Este salto do inanimado para o animado é o maior mistério.
  • 18:10 – Uma importante ocorrência que pode explicar este salto da não-vida para a vida é uma lei conhecida em todo o Universo: a Emergência. E la surge em estrelas, sistemas solares… De elementos e compostos espalhados aleatoriamente a emergência os organiza em sistemas mais complexos, e assim pode surgir ate a própria vida. ente apenas.
  • 3620 – Quando as cianobacterias criaram o oxigenio n atmosfera e ocorreram outras mudanças como a maior energia solar, e’ como se a Terra se mudasse preparando-se para formar e receber a vida celular. Pois ela se transformou para uma situação condizente com a vida celular ate mesmo antes que a vida celular aparecesse. ( E nem isto e’ suficiente para entenderem que apenas um plano, uma formula, estava atuando no todo mudando o ambiente externo e ao mesmo atuando de dentro da individual bactéria. Claro, se a mesma formula modela o exterior e o invdividuo dentro dele, obviamente que o ambiente externo vai se encaixar perfeitamente nos moldes necessarios ao individual)
  • 35:47 – mas como a vida passa de unicelular para seres multicelulares, e da eliminação de oxigenio, para a respiração do oxigenio? A vida faz isso cometendo muitos erros. Erros de copiagem, mutação. Nao fossem os erros, animais superiores e o próprio homem nunca teria existido na Terra, para solucionar o mistério de como a vida começou. ( Erros? Seria o mesmo que índios que desconhecem a existência dos engenheiros dizerem que automóveis existem por uma serie de erros dos mecânicos. Quem não consegue ver e não consegue imaginar a existência do DNA, mas tambem não quer aceitar a versão da criacao magica por deuses, vai acreditar a embriogenese toda, e’ uma serie de erros, mas por sorte, estes erros produzem babyes… Nao e’ assim. havia algo dirigindo todo o processo e este era a formula natural vinda das galaxias.)
  • (continuar)

Mensagem da Matrix/DNA para 2018: Como dirigir a força e vencer a crise no ano esta nascendo

domingo, dezembro 31st, 2017

xxxx

Para você apreciar, se animar, se entender e melhor viver neste 2018

São muitos os apelos dos vendedores para que aumentes o seu consumo e a gama de tentações oferecidas nos deixam em constante estado de frustração devido nossas novas necessidades criadas por eles não poderem ser satisfeitas. Basta abrir o imenso leque da Internet e a tela já mostra um monumental cruzeiro numa ilha paradisíaca do Caribe, mas nem 0,00001% dos humanos conseguem entrar num monumental yate daqueles que aparecem na tela. Por outro lado, cerca de 90% não-privilegiados dos brasileiros estão em quase estado de torpor e temor ao assistir e sentir o estado de crise no pais, então 2018 e o futuro em si fica incerto. Mas…

Felicidade acho que é uma palavra ilusória pois os humanos jamais poderiam experimenta-la, não esta’ em nossa natureza permitido alcançar esse estado fruto da imaginação. Então não vou dizer onde esta’ e como alcançar sua felicidade, mas eu tive uma experiencia de vida diferente de vocês onde aprendi que é possível a qualquer um quase chegar nela e no meio das grandes crises, mesmo maiores que essa no Brasil agora. Eu estive isolado na selva amazônica reduzido a semi-macaco deficiente de tudo que um humano necessita fisicamente, enfrentando malaria, espinhos, insetos venenosos de toda especie, mas por incrível que pareca, me lembro daqueles dias como os mais “felizes” que já experimentei, e mesmo estando agora numa cidade como New York com dinheiro no bolso para fazer inclusive os cruzeiros que a Internet sugere, no fundo, me pego desejando a selva. Como explico isso?

Você precisaria investir um pouquinho de seu tempo hoje assistindo um vídeo como o que forneço o link a seguir. Sei que para a maioria é um assunto chato, desinteressante porque não vai dar dinheiro algum, mas ele pode fornecer algo valioso se você assisti-lo apos ler este texto: algo que pode trazer um profundo e intimo bem-estar atravessando a crise em 2018.

O vídeo insiste numa questão existencial: como a vida se originou neste planeta? E quando dizem “a vida” entendemos “eu”, pois eu sou vivo. Então, como eu vim parar aqui e porque me puseram nesta enrascada de ambiente e sistema todo errado?

No vídeo, se você prestar bem atenção, veras que o profundo sentido da historia das origens que tentam descrever teoricamente, é que sempre ali no meio de um ambiente horrível, inóspito, existiu uma força minuscula, frágil, mas com uma vontade incrivelmente tenaz, uma determinação de continuar a frente custe o que custar, uma meta de vencer o mundo. Esta força parece começar dentro dos minúsculos e solitários átomos de carbonos, mas eles a alimentam e a fazem crescer tornando-se aminoacidos, e nesta nova forma a força continua avançar teimosamente contra tudo e todos, e vai se tornando moléculas cada vez maiores e capazes de fazerem mais coisas, abrirem mais caminhos, e estas moléculas avançam tornando-se proteínas, chegam a uma vitoria, a algo quase inacreditável, em que seguram e mantem os registros de toda sua historia de origens e lutas, na forma de um código secreto, ao qual denominamos de DNA. Que força sera esta, de onde veio isso?! Nos somos essencialmente, enquanto humanos, DNA, pois resumindo todo nosso corpo ele esta encriptado em cada uma das bilhões de copias desse elemento misterioso que na verdade sou eu. E quando essa força chegou ao estado de DNA, a mais ou menos 3 bilhões de anos atras (!), um tempo impossível ao nosso cérebro de calcular e saber o que ele significa, ela se estabeleceu de uma maneira que veio vencendo crises infernais muito maiores do que a que se abate ao pais hoje, pois a cada 50.000 anos este planeta tem se tornado um inferno seja em fogo ou em degelo, e inacreditavelmente esta força vestida de DNA resistiu a tudo a ponto de hoje mostrar a idade de 3,8 bilhões de anos! Sem nunca ter morrido, nunca ter sido totalmente vencida!!! Essa a nossa verdadeira idade hoje quando lembramos que nossa essência, nos somos, em síntese, nosso DNA: temos 3,8 bilhões de anos de idade!

Mas em que ao me lembrar disso vai me animar a atravessar o 2018? Como o conhecimento disso pode fazer um semi-macaco malárico no inferno da selva viver daquele jeito rindo porque por dentro esta em constante sentimento de orgasmos intelectuais, algo que nem a redução ao estados primitivos da evolução consegue reduzir: uma coisa denominada “consciência” e da qual ainda quase nada entendemos.

O grande golpe de inteligencia de sua parte hoje, seria você se tornar e se sentir maior do que os exibicionistas se jactando como nadando em felicidade nas selfies postadas no Facebook e Instagran, passando a informação de que se sentem felizes e mostrando, como pano de fundo das fotos, uma posição em algum ambiente exalando luxuria. Porque ali, nestas pessoas, a força esta’ moribunda, indo para sua morte, como foram todos os iludidos espertos e mais “fortes” em cada época: onde estão os reis de outrora, como os dinossauros, os leões nas selvas, as águias nos ares? se tivessem cameras todos teriam tirado selfies registrando e mostrando seu auge. Mas a Historia Natural e depois a Historia das Civilizacoes Humanas mostraram que o estado de estar no auge e feliz com o jeito que o sistema esta’, é o trampolim inevitável para sua extinção. As “selfies” trazem uma etiqueta invisível implacável: a força aqui já morreu, só falta cair de vez! A força continua viva e tenaz com chances de evoluir naqueles que estão fluindo no meio de coisas mais simples, menos resistentes e mais duradouras, mesmo que o quadro revele estado de crises. Foi assim que um pequeno réptil parecendo um porquinho, feinho, e chamado de cinodonte vivendo numa das maiores crises – pois os grandes repteis estavam devorando toda a vegetação e alimento do planeta e deles tinham que viverem escondidos nos buracos escuros para não serem devorados – foi assim que a natureza, o mundo, voltou seus olhos para a sofrida mas mantenedora da chama da vida pequena criatura e lhe entregou o troféu máximo, a transformação para sua transcendência e a herança da Terra toda, tornando-a o primeiro mamífero do planeta. A Natureza sempre atuou assim, descartando o que mais se aparecia, dando uma volta no tempo, retornando atras, para selecionar seu escolhido. Ela fez assim inclusive antes das origens da vida com átomos para a transcendencia a estrelas e destas para galaxias. Mas se conheceres a historia anterior alem deste pequeno cosmos, veras que dessa mesma maneira atuou o mundo antes e sempre, quando deu a transcendência aos átomos tornando-os estrelas, `as estrelas tornando-as galaxias… O grande golpe da inteligencia é detectar e seguir o caminho da continuidade dessa quase eternidade de 3,8 bilhões de anos emque pode inclusive nos levar ao salto transcendental.

Assistindo o vídeo nos assalta e incomoda uma questão profunda: que raios de força é essa no meio dessa matéria toda que tem lutado e teimado dessa maneira, para que, para onde ela pensa que vai, onde ela quer chegar? Nenhum dos cientistas no vídeo respondem, pois ao contrario, a todo momento se fazem esta mesma pergunta. E para quem passou pelas escolas mais avançadas, do segundo grau para cima, e foi educado sob o bombardeio destas teorias e questões no vídeo, aquelas velhas respostas ofertadas pela imaginação sobre entidades e paraísos sobrenaturais a serem apenas alcançados depois da morte, isso já não nos serve mais de muletas psicológicas. Mas… vou sugerir uma maneira de dar o grande golpe da inteligencia, existe uma alternativa.

Os macacos na selva entendem mais de sobrevivência do que os homens brancos que caem nela, parece que eles tem sentidos, sensores, que captam coisas da natureza que nos perdemos na evolução quando criamos este ambiente artificial em que vivemos. Seja como for, no meio de macacos e reduzido fisicamente ao estado deles, me parece que a Natureza, enquanto me surrava sem piedade, sussurrava coisas aos meus ouvidos, segredos que ela não conta aos urbanos modernos, pois estes se afastaram dela. Dai eu trouxe da selva uma nova interpretação do mundo, na qual eu não acredito porque tenho o defeito de ser um cético radical inclusive desconfiando das minhas próprias produções, mas essa interpretação, verdadeira ou não, justamente nos fornece o elemento para estar melhor dentro das crises, pois ela reanima aquela força misteriosa que hoje, somos nos mesmos, lutando, tentando, apanhando, mais sempre teimosos, uma vontade inexplicável de ir em frente custe o que custar, mesmo que não saibamos o que existe la’ na frente. E dentro desta nova interpretação vem a sugestão do que é essa força, de onde ela veio, porque e para que ela esta aqui, e para onde ela esta se dirigindo. Ao menos, para mim ela sempre funciona e sou muito grato a isso. Por exemplo, mesmo sentindo os amigos a sentirem a falta de esperança e esperando dias piores, eu estou vibrando de energia querendo arregaçar as mangas e por para quebrar os laços desta crise e resolver isto custe o que custar. Mas nesse estado, por dentro, me sinto mentalmente muito bem. A ponto de desprezar as “selfies” dentro dos iates em cruzeiros e valorizar a simplicidade dos meios que me cercam agora, pois aqui vejo a vida viva tentando avançar, e la’ vejo a historia afirmando que a vida esta indo para sua morte. esperemos mais algumas dezenas de anos, as selfies terão se apagado e esquecidas pelo tempo, enquanto a vida aqui na simplicidade poderá estar ate dentro de incríveis naves espaciais conquistando o Universo. Podemos não ser nos em carne e osso dentro das naves, mas não se esqueça que somos nosso DNA, 3,8 bilhões de anos de idade, e nos como esse DNA estaremos dentro das naves, talvez ate com algo mais… com nossa própria e desconhecida alma de hoje.

Aquela força que emergiu de dentro daquele turbilhão de forças gigantescas causando maremotos e cobrindo a superfície do planeta de lavas incandescentes, depois degelando, depois queimando de novo, e ela ali resistindo e avançando, segundo a selva me sugeriu, nada mais era e é que simples partículas vindo de algo maior, muito, muito grande, muito forte. E aquelas partículas continuam aqui até hoje,  elas constituem a nos, pois comandam nosso DNA, que esta inclusive nos centros de nossos neurônios, e portanto se projetando na forma de nossa mente, de nossa consciência. Ao falar em consciência devo mencionar que a onda de luz geradora das partículas atua como se fosse duas coisas ao mesmo, como se fosse constituída de hardware e software, e como nos computadores os hardwares vão sendo ultrapassados e descartados para o lixo, o software sobrevive, evolui e entra nos novos hardwares, ou seja, então ele já’ conta no minimo com `13 bilhões de anos… e da sua evolução resulta o que hoje denominamos nossa “consciência”. mas isto e’ uma historia mais complicada, deixemo-la para outra ocasião.

Aquela força estava dentro de partículas chamadas fótons, resultantes da fragmentação de ondas de luz que atravessam este Universo. São partículas que resultam da propagação e fragmentação da onda de luz, mas partículas que lutam no meio da matéria tentando se reunirem e reconstruírem-se como a onda de luz e retornarem `a fonte de onde foi emitida essa onda de luz. Ai esta o segredo de sua existência, você é hoje um pacote maior e muito complexo que reúne muitas daquelas partículas e você, inconscientemente, esta’ indo onde as partículas querem ir. Elas devem ter lembrança da fonte para se comportarem com tal tenacidade, com tanto desejo e determinação atravessando os longos tempos cósmicos se necessário, então deixe-se levar, atravesse as crises com cabeça erguida, aguente tudo porque el vieram aguentando tudo e todas as armas e forças contrarias. Neste barco que é seu corpo existe o verdadeiro cruzeiro que não te leva `as selfies prenunciando a morte, mas sim a vida, a transcendência, a evolução, ao retorno a fonte que, apesar de misteriosa, desconhecida, deve ser o máximo e supremo objetivo, pois aquela força de 3,8 bilhões de anos atras tudo tem feito para a ela retornar. Mas agora faltam os detalhes mais explicativos do que é essa força e o que são, mais especificamente os tais “fotons”. Ora, hoje em nossos corpos eles se transcenderam para ‘biofotons” e dentro dos nossos corpos eles geram as suas networks mas por serem de luz original muito forte eles cegam inclusive as mais potentes lentes dos cientistas assim como o repentino farol alto de um carro nos cega a vista. Suas networks são formadas por fios tao tênues que são mais difíceis de ver e detectar que as sinapses que eles formam em nosso cérebros conectando nossos neurônios as quais já podem serem vistas com instrumentos científicos. os detalhes sobre eles são cada vez mais intrigantes, fenomenais, porem aqui não podemos descreve-los, apenas em meu website tem mais algumas informações.

Esta crise nos vai colocar em maior simplicidade ambiental do que a propaganda dos vendedores desejam nos colocar. Mas e’ justamente assim que um equilíbrio entre o nosso profundo mental eu e a superfície dos nosso corpo que toca o mundo externo encontra um equilíbrio que nos gera uma sensação de ótimo bem-estar, o qual não pode ser obtido nem no mais luxuosos ambiente produzido pela parafernália dos vendedores da morte. Esteja vivo, mantenha a fossa e tente leva-la a frente, custe o que custar, permaneças no tronco da arvore da evolução rumo `a fonte, e não se deixe cair no mundo das selfies que se constituem em galhos desprendidos do tronco sem outro destino senão o de se secar e se extinguir. E por falar nisso, vou já largar essa tela, arregaçar as mangas e ir la fora ver o que posso fazer para levar esta força `a frente, a qual esta fragmentada em bilhões de humanos tentando lutar, alguns precisando de minha ajuda, e a qual sou eu mesmo… E que venha o 2018, pois como aconteceu com os outros 3,8 bilhões anteriores, eu e minha força mais uma vez venceremos…

Link para o vídeo:

Mistérios da Ciência – Origem da Vida no Planeta Terra

na busca da origem da vida, o obvio observado na superficie oculta a essencia do obvio que jaz na profundidade.

domingo, novembro 19th, 2017

xxxx

Muitas vezes cientistas se encontram face a face com detalhes da vida que estao claramente apontando para a cosmologia, mas eles nao captam e ignoram estas pistas, porque nao estao habituados a ligar a evolucao cosmologica `a vida. Um exemplo que me ocorre agora e’ o fato de que no campo de estudos da dinamica molecular, sao aplicadas simulacoes computacionais para calcular as reacoes entre moleculas organicas, porque descobriu-se que o resultado destas simulacoes se dao muito bem com dados obtidos na experimentacao pratica. Porque essa coincidencia? Sera que os cientistas se fazem essa pergunta, ou nao a fazem porque a resposta lhes parece obvia, porem, na realidade a resposta deles esta’ errada? Penso que eles reduzem a questao rapidamente pela crenca de que a matematica explica o mundo e portanto a dinamica entre celulas organicas, e, ao mesmo tempo, a matematica esta na logica do computador e das simulacoes. Entao simplesmente uma coisa leva `a outra, segundo eles pensam.

As simulacoes sao feitas  atraves de um computador que e’ uma maquina, operacoes mecanicistas. Ambito da Fisica e da Matematica. Materia organica e principalmente moleculas organicas sao produto de outro tipo de operacoes – a organizacao biologica da materia. Entao, pela logica nao era para computador e moleculas biologicas apresentarem exateamente o mesmo comportamento. Fazerem suas coisas aplicando o mesmo metodo. Como explicar isto?

Ou a maquina do computador tem alguma oculta propriedade biologica, ou a molecula biologica tem alguma oculta propriedade mecanicista… ?

Vamos descartar a primeira hipotese: parece impossivel que a maquina computador tenha alguma propriedade biologica. Resta entao a hipotese dos compostos organicos terem propriedades mecanicistas.

E de fato, me parece obvio que tenham. Para um hipotetico observador que fosse inteligente e menor que um atomo e situado dentro de atomos ou ao lado deles, observando as reacoes entre atomos pareceriam puros processos mecanicos dentro de um contexto geral governado pelo acaso. Tal observador nao poderia ver as influencias naqueles atomos vindas de um sistema muito maior, biologico, nao saberia da existencia biologica e nao necessitaria dela para descrever as reacoes.

Estas moleculas estao no inicio, nas origens da vida. Sao os elementos mais simples em que pode se constatar um efemero principio vital. Como se comportam mecanicamente, devia ser indutivo concluir-se que a vida, ou a organizacao biologica da material, veio, e foi um produto evolucionario do mundo mecanico primordial. Mecanicas, porem com um toque biologico, o qual insere e centraliza o compost molecular sobre o atomo de carbon, estas moleculas seriam o elo evolucionario entre o mecanicista nao-organico e a vida.

Ok, este mecanicista meio nao-organico e’ o meio ambiente dos planetas, dos elementos e forssas na superficie terrestre, o qual teria por si so produzido a vida, Segundo a teoria da abiogenesis. Hoje se considera com certo realce a hipotese de elementos trazidos de fora do planeta a bordo de meteoritos teriam definido as origens da vida, mas isso nada muda o fato de que a materia de outro astro seja a criadora da vida. Porem,…

Ainda existem muitos problemas para se certificar de que a materia de planetas possa ter criado a vida. E existe uma teoria em que estes problemas todos sao resolvidos quando ela sugere que a vida nao veio apenas da materia planetaria, e sim, do sistema astronomico onde o planeta existe. Pois a vida propriamente dita so existiu quando se formou a primeira celula complete e functional, a qual era, em si, um Sistema. Os materiais da Terra nao sao sistemas, apenas partes dele. E o planeta inteiro e’ demasiado simples para ter dado esse quase infinito salto evolucionario para a intrigante complexidade ddo ser vivo. Mas a teoria da Matrix/DNA sugere um modelo dos building blocks das galaxias que contem todos os principios de todas as propriedades biologicas. ‘E um Sistema mecanico, suas reacoes, interacoes, sao mecanicistas, mas o significado final de seua operacoes sao identidcas aos resultados finais das operacoes biologicas.

As moleculas organicas foram os primeiros passos vindos do mundo mecanicista sendo dados na direcao do mundo biologico. Logico portanto que elas apresentem mais processos mecanicos que biologicos. Estes devem serem tao abstratos que imitam a situcao das galaxias, onde eles de fato nao existem, apenas se insinuam em termos de significado final. Por isso um computador mecanico se alinha com as operacoes destas moleculas.

Mas o mecanicismo nas moleculas estao enviando um sinal ao observador sobre a sua procedencia. E o cientista nao presta atencao neste sinal porque ele acredita de antemao que o mecanicismo dos ingredients das moleculas – a materia terrestre – e’ sufiente para expressr o obvio.  Mas nao e’. Nas reacoes e interacoes com estes ingredients, em nenhum momento e’ detectado precursors do que estava ali sendo iniciado, as propriedades biologicas, como a auto-replicacao, o metabolismo, a homeostase, etc. Ento quando nos debates eu pergunto porque nao estao procurando nestes conjuntos destes ingredients, estes prinicpios, respondem que nao veem necessidade disto. Estas propriedades surgiram depois por acaso, no simples desenrolar dos acontecimentos.

Se algum dia for provado que os modelos astronomicos da Matrix/DNA Theory estao corretos, vao perceber que se tivessem suspeitado da teoria do acaso e tivessem procurado estes principios, teriam percebidos esta material nao foi a criadora, e teriam elevado ao Cosmos os olhos da inquiricao. E teriam economizado muito tempo e dinheiro.

Origem da Vida: Recente teoria: Vida na Terra pode ter iniciado por meteoritos (RNA World)

terça-feira, novembro 14th, 2017

xxxxx

https://www.seeker.com/earth/life-on-earth-may-have-started-with-a-cosmic-splash

 EARTH

Life on Earth May Have Started With a Cosmic Splash

Could the building blocks for life on Earth have been delivered by meteorites crashing into ponds of water 4 billion years ago?

It was not the meteorites, it was just the ultraviolet light reaching precursors of biological systems emerging from the deep oceans thermal vents. Why not an experiment applying ultraviolet light upon deep ocean molecules? The seeds for biological systems ( aka, “life”) are splitted everywhere in this galaxy, produced by the galaxy as a system which already shows primitive biological organization of matter, so, the galaxy is LUCA – the last non-biological ancestor. But the complete collection of bits-informations from astronomical systems are 50% furnished by planetary nuclear reaction and stellar radiation ( even cosmic radiation), and the packet from the star could be furnished by ultraviolet light. Panspermia does not comes from a point inside the galaxy, but as projection of the entire galactic system. ( ok, it is theory against theory; I am based on Matrix/DNA Theory. This theory, like yours, could be wrong)