Archive for the ‘RNA’ Category

RNAs Auto-replicadores e a Controversia entre a Teoria Academica e Teoria da Matrix/DNA

domingo, novembro 6th, 2016

xxxx

RNAs copiadores reforçam ideia de como a vida na Terra começou

http://www.universoracionalista.org/rnas-copiadores-reforcam-ideia-de-como-a-vida-na-terra-comecou/

Meu comentário postado no artigo ( aguardando moderação)

Louis Morelli – (NOV)11/06/2016

O método de investigação da Matrix/DNA Theory esta sugerindo uma diferente versão para este tópico. E nunca foi encontrado nada no mundo capaz de auto-copiar com 100% de exatidão, então esta ideia é metafisica e porque forçar em sua busca e não revisar sua teoria?
Seja como for, o mecanismo da replicação tem que ter vindo de um mecanismo mais simples do estado do mundo físico momentos antes da origem da da matéria orgânica. Isto é racionalismo, pois do contrario teria que se acreditar que a matéria orgânica e aqui na Terra inventou do nada pela primeira vez no Universo este mecanismo. Então de onde veio, quais eram as forças naturais e elementos que executavam esse mecanismo mais simples? Assim trabalha a Matrix/DNA Theory, levantando questões racionais e buscando suas respostas racionais, dentro da logica natural conhecida. E nos encontramos uma resposta racional.

O RNA é a contraparte na forma biológica de uma função dos sistemas naturais que já haviam se apresentado nas formas eletromagnéticas, mecânicas, etc. como átomos, galaxias,etc. Na formula geral para sistemas naturais, o RNA foi identificado como executor da Função 5, ou seja, a função da reprodução destes sistemas. Na forma mecânica de sistemas como é a forma astronômica, a auto-replicação era mais simples, um simples processo de auto-reciclagem, onde o sistema tem que “morrer”, se desfazer, e de sua matéria ele se reconstrói. Isto é replicação ou reprodução menos evoluída, mais simples. Então sua contraparte biológica – o RNA – jamais poderia se auto-replicar, pois para isso depende da presença de outras funções sistêmicas, e neste caso, proteínas e talvez enzimas fossem suficientes. mas isto implica que RNA e proteínas surgiram separadamente, na mesma época e lugar.

Esta implicação vai contra o que se acredita na ciência acadêmica com tendencia ateísta, pois implicaria também na conclusão de que houve não-reducionismo da complexidade a um cepo único primitivo comum. Erra também o pessoal que defende o deísmo acenando com a ideia de irredutível complexidade. Porem, o problema é que a teoria acadêmica ainda acredita que o cepo primitivo comum (LUCA) existiu na Terra, quando na verdade, a Terra era uma parte deste cepo, pois ele compreende o sistema astronomico dentro do qual a vida surgiu (veja seu modelo teórico em meu website). E tanto RNA como proteínas são redutivos a um cepo localizado no espaço sideral. Nunca vão conseguir Um RNA que se auto-replique sozinho e por si só, a não ser que alguma elaboração sintética artificial o faça. Para entender isto sera bom ver a formula para sistemas no meu website ( proteínas são pedaços do circuito esférico do sistema).

xxxx

 

SPLICING – ÍNTRONS E ÉXONS: Pesquisar isto

segunda-feira, outubro 24th, 2016

xxx

Basta uma rápida olhadela no assunto para se entender porque os cientistas dizem que este e’ um processo de incrível complexidade. E a explicação geral que encontrei baseado na formula da Matrix/DNA e’ bem diferente da vaga explicação fornecida pela ciência acadêmica. Resumindo o que entendi, numa sequencia de DNA que forma um gene, tem trechos de aminoacidos que nada expressam: são os introns. E quando este gene forma um RNAm para manda-lo ao ribossomo para este confeccionar uma proteína, os introns são copiados tambem neste RNA. Mas os introns não poderiam ser mandados para transcrição pois produziriam proteínas defeituosas ou inuteis. Então o RNAm contendo os introns e’ chamado de pre-RNA pois ele vai ser modificado ainda dentro do nucleo celular. Esta modificação e’ o splicing, processo pelo qual os introns são retirados do RNA, ficando so os trechos de exons, os quais são necessarios e suficientes para produzir a proteina desejada.

Então porque existem estes introns, se nada produzem e aoarentemente so’ atrapalham? Porque não foram descartados pela evolução? Devido a estas questoes, durante um bom tempo as ciencias academicas denominaram estes trechos de introns como “DNA-lixo”. Mas depois do Projeto Proteosome e outras descobertas, este conceito de lixo foi abalado e agora surge uma nova teoria: a de que os introns são necessários para sinalizar longínquos processos dentro dos genes em outras operações.

Mas agora vamos traduzir isto para a linguagem da Matrix/DNA.

Pelo que conclui na primeira vez que tive contacto com este fenomeno, `a primeira vista, introns representam formas temporarias de um corpo evoluindo sob o ciclo vital. Mas porque certas formas não podem ser expressadas numa proteína, se as proteínas representam as sequencias de formas de um trecho do circuito sistêmico, ou seja, do ciclo vital? Segundo a Matrix/DNA, a funcao existencial das proteinas e’ reproduzir o circuito esferico da formula, com todos seus elementos. Pense no rolo de fita de um filme contando uma historia completa da sua vida. Agora corte esta fita em pedacos. Pois cada proteina representa um pedaco da historia vital de um corpo. E neste caso dos introns, e’ como se a proteina que representa o trecho entre a idade de 10 anos,3 meses, 2 dias,18 horas, 24 segundos ate’ a idade de 14 anos, 6 meses… não quer ou não pode conter a forma do corpo na idade de 12 anos, 5 meses, 18 dias. E isto não fazia sentido.

Mas existem muitos introns, na verdade, eles existem alternados com exons ao longo do DNA. E’ como se um individuo quisesse apagar, esconder, certos momentos de sua vida quando fez coisas erradas. Mas isto so e’ possivel imaginariamente, não fisicamente de fato.

A não ser que o DNA humano seja composto por uma superposição de genes. Genes de outras especies, ou ao menos da especie ancestral, continuariam registrados no DNA, tentando agir ou se expressar no mesmo instante que os genes da especie humana.

Ora, mas o DNA humano ‘e 99% igual do ancestral chimpanzé. Então ele seria 99% de introns? Não e’.

Pode ser que todos os genes humanos herdados dos chimpanzés sejam necessários na embriogênese, para formar o corpo, mas depois de formado, o corpo humano se diferencia, e apenas expressa os genes que causam essa diferença. Então nesta fase seria necessário eliminar os aminoacidos de genes herdados, que não mais contribuem para as novas proteínas humanas.

Ainda assim fica esquisito. Parece que no DNA humano existem dois ciclos vitais ao menos, superpostos: o do humano e o da especie anterior. A coisa seria similar a superposição quântica. Se assim for, o processo do splicing também deve estar ocorrendo nos processos quanticos, mas ainda não foi observado. Indagar a um cientista quântico se isto sera’ possível…

Na época dessa investigação, fui anotando tudo o que era relacionado ao fenômeno. Como…

– Preciso lembrar tambem, que a forma dos “laços” ou introns se assemelham aos laços no gráfico do ” Universo de Mil Faces”, o que veio do gráfico da subida da escada onde os laços seriam os “escorregões”. Estes acontecem quando a evolução descarta a forma mais evoluída e acomodada que esta no topo para retornar ao passado buscando uma especie mais simples que seja acessível `a evolução. Seriam os introns, os escorregões do tempo?

– Notar o que diz a cientista no video abaixo: Splicing e’ a razão do porque nos podemos ter o mesmo numero de genes em nosso genoma que a mosca Drosophila, e ainda assim ser-mos mais complexos. E isto é porque nos fazemos o splicing em modos ou maneiras alternativas, e portanto, obtendo o máximo de nossos genes, fazendo múltiplos produtos de cada gene.”

E isto de novo cheira a superposição.

Porem, então lembrei-me de outro artigo antigo onde lidei com o fenômeno do DNA lixo. Alem disso uma frase lida não sei onde ficou batendo na minha cabeça: o spliceosome – a maquina molecular que executa o splicing – nada mais e’ que um catalítico. Ou seja, ele acelera ou desacelera uma reação química, dependendo da situação, assim como você acelera oi freia seu carro. E esta propriedade esta relacionada a velocidade a qual esta relacionada a dimensão tempo, e não espaço. Então,.. como as formas temporárias de um corpo se referem a dimensão espaço, caia a ideia de que os genes estariam escondendo fases formais, concretas da vida. Mas pareceu-me agora que eles estavam escondendo tempos da vida. E a explicação baseada na formula da Matrix/DNA que mais me convenceu foi esta:

O ser humano tem uma vida de 80 anos. Mas o seu DNA registra a historia de todos seus ancestrais, e entre estes estão os átomos e galaxias. Uma galaxia pode atingir 10 bilhoes de anos. Como o DNA lida com essa diferença de tempo de vida das criaturas? Ele nao pode demorar bilhoes de anos para formar um corpo humano como ele demorou para formar uma galaxia. Simples: inventa-se os introns!

Introns sao trechos com aminoacidos repetidos `a exaustao. AGAGAGAH… por isso nada codificam biologicamente. Mas codificaram astronomicamente.

E’ preciso entender o que significa “tempo” sob a perspectiva da formula da Matrix/DNA. Tempo mao e’ uma essencia de per se, ele nao tem uma substancia propria como tem o espaco. Tempo ‘e mais um conceito criado pela imaginacao humana porque precisava-se uma ordem cronologica para se registrar os eventos. Enquanto os aborigenes da America ficaram 500 anos sem mudarem quase nada, na Europa se inventava o canhao, descobria-se a penicilina, construia-se cidades. Na Europa o tempo avancava, na selva americana o tempo havia parado. Mas ao se contar a historia geral da Humanidade, e’ preciso que a historia dos aborigenes se entenda que quase nada avancou em 500, mas na Europa aconteceram coisas que se nao contadas nao se entende o final. Entao, quando se separam as duas historias, na historia dos aborigenes, os humanos colocam numeros ( 1340,1341,1342,etc.) para informar que estao se passando 500 anos, ou melhor, que enquanto isso o mundo estava evoluindo em outro lugar. A Natureza tem apenas um rolo de filme para contar a historia universal geral. O processo da embriogenese de uma galaxia e’ o mesmo da embriogenese de um ser humano. Como manter a historia das galaxias registradas no DNA humano? Para informar que durante 9 meses humanos se passam bilhões de anos galácticos, entre um evento e outro do processo ela insere, aos invés de números, os aminoacidos e repete-os quanto for necessário: agagagagag…. Por isso parece aos cientistas que os introns controlam os momentos de outros genes entrarem em operação.

Mas depois que a embriogênese humana aconteceu, a formula sera repetida milhões de vezes acada segundo para realizar as inúmeras tarefas microscópicas a nível celular onde as velocidades – em relacao a velocidade da formação e processos da galaxia – seriam supersônicas. E quem faz a formula ser repetida são as proteínas. Então tem que cortar fora delas o  tempo na perspectiva astronômica. Tem-se que acelerar os processos, as reações químicas. E isto chama-se catalise. Por isso a frase ” o spliceosome e’ um catalítico” me caiu como um raio na cabeça. ( E alias, este foi mais um exemplo de “seremdipity” assunto do qual trata a cientista no video abaixo)

 

SPLICING – ÍNTRONS E ÉXONS

Gene.png

O Splicing é um processo que remove os íntrons e junta os éxons depois da transcrição do RNA. O splicing só ocorre em células eucarióticas, já que o DNA das células procarióticas não possui íntrons. A estrutura fundamental para clivar essas ligações entre os nucleotídeos é o spliceossomo. Ele consiste na retirada dos íntrons de um mRNA precursor, sendo um dos processos necessários para formar um mRNA maduro funcional.

O spliceossomo é uma estrutura com atividade catalítica responsável pela execução do splicing. É um complexo formado por 5 espécies de RNA e mais 50 proteínas. ribonucleoproteínas (de maneira similar ao ribossomo) que são proteínas ligadas a moléculas de RNA do tipo snRNA (pequeno RNA nuclear). É a máquina de excisão. Essa monstruosa parafernália reconhece início e fim dos íntrons, depois os unem, formando uma alça que então é cortada.

Assistindo o video da descobridora do splicing, no Youtube:

Joan Steitz (Yale/HHMI): SNURPs and Serendipity

(snRNPs (pronounced “snurps”), or small nuclear ribonucleo proteins, are RNA-protein complexes that combine with unmodified pre-mRNA and various other proteins to form a spliceosome, a large RNA-protein molecular complex upon which splicing of pre-mRNA occurs. The action of snRNPs is essential to the removal of introns from pre-mRNA,…)

Meu post no Youtube:

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli   Out/25/2016

Unbelievable the extreme complexity of this process, the extraordinary natural engineer. Hundreds of natural forces and elements, in shape of different molecules, coming from all directions, meet at the same point in time and space for to build a spliceosome and operation of its machinery.
But, at Matrix/DNA Theory, its formulas and models are suggesting a different existential meaning of this process. Accordingly to Matrix/DNA what are introns? They are the larger time of an event occurred at our ancestrals in relation to the short time of the same event occurred at humans bodies. This galaxy is our ancestor also. The embryogenesis of a galaxy is equal the embryogenesis of a human being. One big difference is the time in astronomical dimension and in biological dimension. But, both times are registered at the universal Matrix/DNA.
Then, how Nature solves the problem of a DNA that register both histories? Creating the introns where the larger and now unused time is registered as a repetition of aminoacids: AGAGAGAGA… That’s explains what is the spliceosome: merely a catalytic. It works the times of chemical reactions. (see my long thesis at my website, if you are interested)

xxxx

Pesquisa:

Rever o texto ( – Notar o que diz a cientista no video abaixo: Splicing e’ a razão do porque nos podemos ter o mesmo numero de genes em nosso genoma que a mosca Drosophila, e ainda assim ser-mos mais complexos. E isto é porque nos fazemos o splicing em modos ou maneiras alternativas, e portanto, obtendo o máximo de nossos genes, fazendo múltiplos produtos de cada gene.”)… pois isto não esta batendo com a sugestão da Matrix. Ver de novo como ocorre o splicing de maneiras alternativas…

Ribozima que Replica e Transcreve Um RNA Existente como Template, Para Entender o “RNA-World”

terça-feira, agosto 23rd, 2016

xxxxx

Scientists take big step toward recreating primordial ‘RNA world’ of 4 billion years ago

https://www.sciencedaily.com/releases/2016/08/160815185822.htm

Date: August 15, 2016 – Source: Scripps Research Institute

E’ preciso notar e nunca se esquecer que esta ribozima que sintetizaram no laboratorio nao produz RNA, como a noticia parece querer transmitir. Ela precisa de um RNA feito antes, ja pronto. Apenas entao ela pode se ligar a ele, usa-lo como template, para replica-lo e transcrever seu codigo na formacao de outras moleculas vitais, inclusive para fazer o RNA produzir copias de si mesma.

E’ um grande e respeitavel e louvavel passo para as Ciencias e nossa fundamental busca do conhecimento sobre as nossas origens. Porem, o grande problema permanece: Como surgiu, antes dessa ribozima, o primeiro RNA? Teria ele vindo de um outro template ainda invisivel e desconhecido por nos que teria existido a 4 bilhoes de anos atras? E’ o que a formula da Matrix/DNA sugere, e ela se mostra a si mesma como sendo este template.

O presente artigo suscita algumas pesquisas, o que sera’ feito aqui no prosseguimento: 

Pesquisa:

– ribozyme [a special RNA enzyme]

3D structure of a hammerhead ribozyme

                                                       Estrutura tridimensional de uma ribozima

Definicao:

Uma ribozima é uma molécula de RNA com capacidade auto-catalítica semelhante às enzimas. O termo ribozima, em si, deriva da combinação das palavras enzima de ácido ribonucleico. As ribozimas são moléculas de RNA que possuem a capacidade de atuar como catalisadores,ou seja, de diminuir a energia de ativação de uma reação de forma específica. Tal como as enzimas proteicas, possuem um centro activo que se une especificamente a um substrato e que facilita a sua conversão num produto. As ribozimas são menos versáteis que as enzimas protéicas

Questao: O que realmente e’ “catalizar”? Onde existem exemplos na nossa vida real deste tipo de evento? Porque na Natureza e’ necessario “diminuir a energia de ativacao de uma reacao, … de uma forma especifica?”

O que isto significa quando pensamos na formula da Matrix/DNA, apenas no estado de template abstrato, e sendo copiada, manifestada, no mundo material? Bem,… acho que basta pensar num humano-crianca, crescendo no ritmo do ciclo vital. Se ele crescer ( ou nao crescer) em outro ritmo errado, nao vai haver transformacao para adolescente, jovem, e adulto. Entao, a materia bruta do planeta nao tem relogio biologico… ( epa! Eureka?! Foi aqui que comecou este fenomeno de relogio biologico, ciclo circadiano., etc? Ribozimas seriam o ancestral primordial do relogio biologico?), e por nao ter relogio biologico e nenhum outro motivo para controlar reacoes em acordo com algum ritmo metodico, precisava existir as ribozimas que se impoe a essa materia bruta, exigindo, ou tocando, um ritmo e exigindo que os atomos se comportem movendo-se em sintonia com este ritmo. Esta bem… respondida a questao.

Centro Ativo … da riboenzima:

O sítio ativo (ou centro ativo) é a pequena região de uma enzima onde ocorrerá uma reação química. Provém de grupamentos de partes da sequência de aminoácidos. As enzimas são muito específicas para os seus substratos. Esta especificidade se deve à existência, na superfície da enzima de um local denominado sítio de ligação do substrato. O sítio de ligação do substrato de uma enzima é um arranjo tridimensional de aminoácidos de uma determinada região da molécula, geralmente complementar à molécula do substrato, e ideal espacial e eletricamente para a ligação do mesmo . O sítio de ligação do substrato é capaz de reconhecer inclusive isômeros óticos “D” e “L” de um mesmo composto. Este sítio pode conter um segundo sítio, chamado sítio catalítico ou sítio ativo, ou estar próximo dele; é neste sítio ativo que ocorre a reação enzimática.

Buscar outros termos no artigo para pesquisa e Googlar “riboenzyme” e continuar pesquisa.   

 

 

Teoria do RNA-World e as Ribozimas

sábado, abril 4th, 2015

xxxx

A melhor explicação desta teoria, inclusive com videos animados, se encontra neste website:

http://exploringorigins.org/ribozymes.html#

Ribossomos: Fabricas das Células que Rodam Softwares vindos do DNA produzindo proteinas; Planetas: Fabricas dos Sistemas Astronomicos que recebem softwares vindos da Matrix/DNA para produzirem as varias formas de Vida.

sábado, abril 4th, 2015

xxxx

Pois na formula da Matrix planetas estão posicionados no mesmo local que ribossomos ( F3). E as proteínas já foram identificadas como representantes biológicas de cada trecho do circuito esférico da formula. Em outras palavras, as 20 ou 30.000 espécies de proteínas produzidas nos ribossomos correspondem às milhares de espécies de vida primitiva na face da Terra. O resto – ou seja, como estas vidas primitivas ( fungos, líquens, algas,bactérias, etc), evoluíram – para chegar aos animais superiores, é pura evolução Darwiniana mais as variáveis da formula.

Este novo insight da Matrix/DNAfoi percebido ao ler esta frase:

“…During the process known as transcription, a RNA copy of a segment of DNA, or messenger RNA (mRNA), is made.  This strand of RNA can then be read by a ribosome to form a protein.

http://exploringorigins.org/rna.html

Para você ter uma idéia melhor de como um ribossomo num sistema celular executa a mesma função que um planeta num sistema estelar, observe a figura abaixo. Temos aí a forma de um ribossomo, o qual nada mais é que uma molécula complexa de ribozima, ou seja, apenas RNA e proteína.  Na figura, o strand ou cadeia de RNA vem nas cores azul ( a haste do RNA) e branca ( as bases nitrogenadas do RNA). A proteína vem na cor verde. A teoria cientifica do RNA-world está sugerindo ( e a teoria da Matrix/DNA tambem sugere a mesma coisa), que primeiro existia o RNA apenas ( o DNA veio depois), o qual já conseguia formar alguns micro-organismos muito primitivos porque ele já fazia não as proteinas , mas as mais simples moléculas de ribozimas. Quando a partir do RNA se desenvolveu o DNA este passou a capacitar o RNA a produzir proteinas, vindo então o pós- RNA-world.

Pois bem. Agora lembre-se que a Terra primitiva antes de ter sua superfície coberta pela vida ( verde, pois no principio foi a vegetação) ela era composta de continentes e água ( claro, tambem a invisível primitiva atmosfera de gazes). Nesse estágio a Terra se parecia com o primitivo ribossomo sem a proteina. Então pense nos continentes como sendo o branco, e na água como sendo o azul. A vegetação verde cobriu a Terra primitiva assim como uma proteína surge cobrindo o ribossomo. Isto aconteceu porque qualquer estrutura que ocupe uma das funções sistêmicas universais na formula da Matrix/DNA vai executar a mesma função,o mesmo método, processo e mecanismo em qualquer sistema natural, de átomos a galaxias a corpos humanos.  ( Se você for no link acima, veja esta figura e passe o mouse em cima dela para ver a imagem se animar e parecer como era antes e depois da proteína)

The ribosome, a large molecular machine that drives protein synthesis, is a ribozyme. Roll over to compare the ribosome structure with and without proteins. Proteins are shown in green, and RNA is shown in blue and white. (PDB #2HGR for the 30S subunit and #2HGU for the 50S subunit).

 

 

 

Origem da Vida, RNA Primordial usando Ferro ao invés de Oxigênio, evidencias da Matrix/DNA

quarta-feira, junho 26th, 2013

Oxygen-Free: RNA Was Capable of Catalyzing Electron Transfer on Early Earth with Iron’s Help, Study Suggests

http://www.gtresearchnews.gatech.edu/rna-was-capable-of-catalyzing-electron-transfer/

– – – – – – –

Pesquisa pela Matrix/DNA: ( Artigo em construção)

Oxigenio:

oxigénio  é um elemento químico de símbolo Onúmero atômico 8 (8 prótons e 8elétrons) com massa atômica 16 u.

Na sua forma molecular, O2, é um gás a temperatura ambiente, incolor (azul em estado líquido e sólido), insípido, inodoro, comburente, nãocombustível e pouco solúvel em água.

Representa aproximadamente 20% da composição da atmosfera terrestre. É um dos elementos mais importantes da química orgânica, participando de maneira relevante no ciclo energético dos seres vivos, sendo essencial na respiração celular dos organismos aeróbicos.

Uma outra molécula também formada por átomos de oxigênio é o ozônio (O3), cuja presença na atmosfera protege a Terra da incidência deradiação ultravioleta procedente do Sol.

Matrix/DNA: O Oxigenio representa a formula da Matrix/DNA que tem a Funcao 7 duplicada. Como esta Funcao ev a do final do circuito, ela fragmenta o cadaver , quer dizer, ev a funcao da morte,por isso ela ev oxidante.

Ferro:

ferro é um elemento químicosímbolo Fe, de número atômico 26 (26 prótons e 26 elétrons) e massa atómica 56 u. À temperatura ambiente, o ferro encontra-se no estado sólido. É extraído da natureza sob a forma de minério de ferro que, depois de passado para o estágio de ferro-gusa, através de processos de transformação, é usado na forma de lingotes. Controlando-se o teor de carbono (ocarbono ocorre de forma natural no minério de ferro) dá-se origem a várias formas de aço.

Este metal de transição é encontrado no grupo 8 (VIIIB) da Classificação Periódica dos Elementos. É o quarto elemento mais abundante da crosta terrestre (aproximadamente 5%) e, entre os metais, somente o alumínio é mais abundante.

É um dos elementos mais abundantes do Universo; o núcleo da Terra é formado principalmente por ferro e níquel (NiFe). Este ferro está em uma temperatura muito acima da temperatura de Curie do ferro, dessa forma, o núcleo da Terra não é ferromagnético.

Matrix/DNA: Existe uma relação antes da origem da vida entre ferro e o elemento ancestral do RNA. Pois RNA representa apenas a meia-face esquerda da Matrix, com seu circuito e  4 elementos. Seu numero atomico, 26, esta localizado na Matrix patricamente no centro da esfera, expressando fortemente a F5. Porque 26, significa 3 vezes o sistema inteiro de 7 funcoes – que resulta em 21, e mais uma volta que tem inicio na F1 e termina na F5, ou seja, 21 + 5 = 26.

Mas justamente ai nesta posicao esta tambem o numero PHI, 1, 618. O que o numero pHI teria com catalize da transferenci de eletron entre atomos para formar moleculas organicas?

A transferencia de um eletron de um elemento quimico para outro seria parte do mecanismo da bi-lateral simetria?

O RNA neste caso da origem da vida deveria estar fazendo reproducao. Justamente isso acontece porque  em primeira instancia o RNA   ev a meia-face esquerda e sua reproducao numa copia que inverte o sentido do circuito tornando-o decrescente, e dessa reproducao surge o DNA.

– – – – – – – – –

Artigo:

The study shows that RNA is capable of catalyzing electron transfer under conditions similar to those of the early Earth.

Because electron transfer, the moving of an electron from one chemical species to another, is involved in many biological processes – including photosynthesis, respiration and the reduction of RNA to DNA – the study’s findings suggest that complex biochemical transformations may have been possible when life began.

Porque Todos os Seres Vivos São Baseados no RNA/DNA

sábado, outubro 29th, 2011

xxxx

DNA

Uma pergunta postada num forum me fêz pensar e resultou numa resposta que é uma boa síntese para o leitor entender rápidamente o que é, e como está hoje, a cosmovisão da Matrix/DNA.

A pergunta está no enderêço:

SUPER ABRIL. COM

http://super.abril.com.br/forum/Geral/Ciencia/Duvida-sobre-o-ADN-e-o-ARN

Feita por:

Théo de Freitas Neto
Duvida sobre o ADN e o ARN

Postado em 16/9/2011 13:42:48.

Porque o ADN e o ARN são os unicos tipos de código genético usados “em larga escala” pelos seres vivos (e os virus no caso do ARN)?

E a nossa resposta:

Louis C. Morelli

Postado em 29/10/2011 10:10:13.

Théo, eu penso que as Ciências Naturais se limitam a apresentarem fenômenos naturais e explicarem como funcionam, mas não respondem aos “porquês”, principalmente quando extrapolam o escopo dos fenômenos em si. Basta ver em Wikipedia a longa página sôbre DNA, ou “The RNA World”. “Porque?” é uma pergunta que pertence à Filosofia. Esta tenta responder os porquês procurando conectar num quadro inteligivel todos os dados empiricos mais os obtidos pelo método cientifico.

Existe alem da abiogenêsis a Teoria da Matrix/DNA a qual, em sua cosmovisão, apresenta uma explicação à sua pergunta. Vejamos:

Tanto o DNA como o RNA não são códigos, no sentido literal. São pilhas de cópias de um unico sistema natural, o qual é formado por um par lateral de nucleotideos. Tôdas as cópias possuem um item diferente de tôdas as demais. Se puséssemos os 7 bilhões de seres humanos de mãos dadas numa só fila, teriamos um código? Não, apenas teríamos um conjunto de 7 bilhões de cópias de um unico sistema – o corpo humano – nenhum exatamente igual a qualquer outro. Assim é o DNA.

Mas porque o RNA/DNA se tornou a unidade operativa fundamental de todos os seres vivos na Terra? A resposta está na unidade fundamental do DNA, aquêle par de nucleotideos inicial. O sistema-nucleotídeo é idêntico ao sistema fundamental da nossa galáxia. A galáxia é formada por sete tipos de astros, cada qual executando uma função sistêmica, e isto foi reproduzido na Terra com moléculas orgânicas através das sete moléculas do sistema-nucleotídeo. Mas procurando como esse sistema se tornou astronomico, galáctico, descobrimos que êle já existia antes, na forma de átomos. E agora estamos descobrindo que antes de ser átomo esse sistema era um mero vórtice, quase abstrato, provavelmente quantico. Qualquer vórtice natural, como o simples rodamoinho de vento, possui tôdas as propriedades da vida!

Portanto, a evolução nêste Universo tem sido a evolução de um unico sistema natural que apareceu com as origens do Universo, provavelmente vindo de algo existente antes dêle. Sabemos porque os seres vivos sào baseados no DNA/RNA. Seres vivos, ou Vida, é apenas mais uma forma evoluida do sistema universal, é a forma biológica dêste sistema. O DNA é a face biológica dêste sistema, ao qual denominamos “Matrix”. Não faz sentido dizer que sistemas biológicos são vivos e os seus ancestrais, como o sistemas atômicos, galácticos não o são: todos possuem as propriedades da vida.

Se respondemos porque os sistemas biológicos (seres vivos?) são baseados no RNA/DNA, não podemos responder porque o sistema universal é na forma da Matrix/DNA. Pois ela veio de fora do Universo e nossa inteligência não pode chegar a tanto, ainda.

Ultimamente descobrimos a fórmula fundamental que imprime o Ciclo Vital a corpos materiais: é a Luz Natural, qualquer onda de Luz Natural. Fantástico! A Matrix é feita de Luz! O tijolinho fundamental do DNA veio da luz pura! Porem o problema agora é: o que é, ou quem é, a fonte dessa Luz Natural Universal?! Quando o descobrir-mos, saberemos responder à sua pergunta.

Ahh… se quiser ver tudo isso desenhado em modêlos vá em http://theuniversalmatrix.com . Abraços…

RNA Catalizador:Quem foi seu Ancestral

quinta-feira, maio 14th, 2009

(tema descoberto hoje que deve ser desenvolvido)

Nas discussoes sobre origens da Vida entre intelectuais esta’ sendo muito mencionada a hipotese do “RNA World”: O RNA teria sido a primeira molecula organica e teria dado inicio `a  Vida.  Mas um problema tipo “quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha”, truncava esta ideia: qual teria vindo primeiro, as enzimas que fazem o trabalho das celulas ou os acidos nucleicos que possuem as informacoes requeridas para produzir as enzimas? A descoberta de que acidos nucleicos sao catalizadores (ribozima) resolve este problema e com isso a hipotese do “RNA World” foi fortalecida.

Mas porque o RNA tem a propriedade ou funcao catalizadora?

No modelo referente ao ancestral da Vida na Terra, da Teoria da Matriz, identificamos tres tipos de precursores do RNA. Um seria a metade do circuito `a direita, outro seria a metade `a esquerda e outro ainda seria o componente do sistema celular correspondente `a Funcao n.5,  que em LUCA e’ executada pelo COMETA. Alias este foi o primeiro identificado, pois e’ o agente que se move na celula, enquanto em LUCA o unico agente que se move e’ o cometa. Alem do fator movimento – tanto em LUCA como no sistema celular – sao eles os unicos que transferem informacoes entre as demais funcoes.

Ora, acontece que basta olhar para LUCA e notar que quem realmente aguenta e mantem o movimento rotatorio do seu corpo e’ o cometa: ele e’ movido pelas forcas magneticas espiraladas e `a medida que ele desce a espital mais aumenta sua velocidade ( e talvez ate’ tenha parte de sua massa, a qual e’ magma altamente energizado, transformado em energia), portanto, quando ele atinge o “bico do funil”, ele transfere sua trajetoria rotatoria ao proprio funil… ou buraco negro ( cujo giro e’ imprimido ao corpo inteiro). Ora, entao o tempo de um ciclo vital dependera’ da maior ou menor quantidade de cometas que chegam ao buraco negro. A velocidade de todas as informacoes que correm pelo circuito e, portanto de todas as reacoes do circuito, depende da quantidade de cometas produzidos pelo pulsar. Portanto, cometas sao os catalizadores do building block dos sistemas astronomicos e como sao os ancestrais do RNA, este nao poderia ser outra coisa senao tambem um catalista. E assim tambem – vendo a coisa tao mais clara no corpo de LUCA – torna-se mais mais facil para nos entender o que ‘e esse fenomeno denominado “catalise”, o qual tem sido um dos maiores alvos do investimento cientifico nas ultimas decadas devido principalmente ao seu interesse industrial.