Archive for the ‘relogio astronomico’ Category

Excelente Video Mostrando Como e Porque Girassois Acompanham a Luz do Sol

sábado, agosto 6th, 2016

Clique no link abaixo e veja o instrutivo video, uma grande descoberta que responde parte de uma pergunta feita pela Humanidade a milhares de anos. Esta em ingles, porem as imagens explicam tudo. Mas como sempre, nao espere a resposta ultima para o fenomeno, pois a Ciencia descreve como esta funcionando um sistema, nao sua origem e como isto foi criado. Parte da resposta encontrada pelos cientistas esta no tal “relogio biologico”, – circadian clock em ingles – mas uma observacao mais profunda logo mostra que o grande protagonista do fenomeno sao os genes, mas os cientistas nao tocam no assunto de explicar porque. A formula da Matrix/DNA sugere algo do porque os genes fazem isso: e’ um simples caso de fractal dentro de fractal dentro de fractal…

Me expliquem uma coisa:

Imagine uma lagartixinha, dentro de uma lagartixa media, que esta dentro de uma lagartixona. Agora responda: Voce acha que os tres coracoes bater diferente ou no mesmo ritmo, sendo as mesmas pulsacoes nas tres lagartixas?

Claro que sera a mesma, para assim existirem teriam que ser completamente iguais, unica diferenca seria os tamanhos. Sao fractais dentro de fractais, quem comanda tudo e’ o fractal maior, a lagartixona.

Como a formula da Matrix/DNA sugere, genes sao microscopicos fractais dentro dos mesmos fractais maiores que estao dentro de maiores ainda,… ate chegar no grande fractal que e’ este sistema astronomico, a Via Lactea… a qual funciona como um relogio, por coincidencia…

Eu tenho ditto aos cientistas para procurarem dentro de seus corpos, das plantas, etc., se encontram algum relogio perdido por ai, pois somente assim poderiam derrubar minha teoria. E botei o comentario copiado abaixo no artigo…

The Mystery Of Why Sunflowers Turn To Follow The Sun — Solved

http://www.npr.org/sections/thetwo-way/2016/08/05/488891151/the-mystery-of-why-sunflowers-turn-to-follow-the-sun-solved

Newly published research explains why young sunflowers turn to face the sun as it moves across the sky.

Meus dois comentarios postados no artigo:

Louis Charles Morelli – 08/06/2016

Great job, but,… once time more, Science leave the deepest question unanswered: How genes do that? Is it genes that build the circadian clock of the plant or, as said the article, the plant builds it by itself and informs the genes? Now light operates over genes, how genes knows or feels about the magnetic field? I have theories answering these questions based upon the universal formula for natural systems, called Matrix/DNA. The stem’s sides contraction and extensions are merely muscles mechanisms, and muscles obeys the identity of the whole system. The formula suggests there are no circadian clock inside every biological system, since this clock is the entire working solar system.

Louis Charles Morelli – 08/08/2016

It is fractals inside fractals inside frac… Have you observed that the entire plant mimics the shape of this galaxy? The stem is the system’s axis, the branches are the galaxy’s arms, the leaves are the planets, the flower are the stars. The galaxy’s model by Matrix/DNA’s Theory explain inclusive what’s the roots. And the building block of galaxies is a system nanotechnologisied as a lateral base pair of nucleotides, the DNA’s unit of information and building blocks.

So, the galaxy rotates, their smaller and interior fractal – stars systems – moves, the smallest fractal inside them – a plant – try to move also, although it is almost impossible due sunflowers are not free in space.

Somebody here said that the “Why ?” is explained because the flower goes after light because light is their food. But… why light is their food? Because biological systems like plants are not as perfect fractal like the biggest fractal – the galaxy – which is a perfect machine. The bits-information of this galaxy are photons and that’s why biological systems goes after photons, not light. Then, evolution here has an agent behind natural selection, an agent that is driven biological evolution, which is the Milk Way. As suggests Matrix/DNA formulas and models, the whole purpose of this biosphere and its creatures is to reproduce its creator – this galaxy. Of course, with the mutations due new environment.

Relógio Molecular ou Relógio Astronomico ? Mais um indicio favorecendo a Teoria da Matriz/DNA Universal

quinta-feira, julho 2nd, 2009

ovelhas-inglesas-sob-auto-colapso.jpg

O COLAPSO CORPÓREO DA OVELHA INGLESA PELO RELÓGIO ASTRONOMICO?! 

Hoje fiquei conhecendo mais um assunto “quente” em biologia evolucionaria. Aqui entre nós, leigos, a coisa seria assim:

Digamos que a partir dos peixes a evolução se dividiu em três tipos: pássaros, répteis e mamiferos. Imagine que o tempo separou estes tipos em largas distancias entre eles: um grupo evoluiu na selva, outro no deserto, outro nos oceanos. Todos foram mudando, mutando, de maneira que depois de uma certa época, são grandes as diferenças anatômicas e tambem muitas as diferenças no código genético. Até aí, tudo bem, nenhum problema para nosso cerebrosinho entender. Porem, os incansaveis vasculhadores dos segredos genéticos descobriram algo que nos deixa atônitos: passado 800 milhões de anos depois daquela separação, num belo dia, uma proteina denominada cytochrome C , sofreu uma mutação e a mesma mutação em todas as tres espécies…!!! O queeeee ???

Como é que uma proteina que está no corpo do golfinho e no oceano, mais uma proteína que está no corpo de uma anta e na selva, e mais uma proteína que está no corpo de um escorpião e no deserto, sofrem uma mutação igual e num mesmo tempo?!!

Vocês já ouviram falar no “quorum sensing”? Estudei isto tempos atrás e não me lembro onde botei os papéis com os resultados, mas se me lembro algo, o quorum sensing explica fenômenos incríveis como aquêle em que um certo tipo marinho ( acho que os corais) que existem em vários oceanos desovam todos apenas uma vez por ano, mas todos ao mesmo tempo! Tem que haver alguma força a nivel planetário passando pelos corpos vivos e a nível microscópico regulando tal evento, pois como os corais do Pacífico saberiam que os do Atlântico concordaram em desovar amanhã… e às 6:32 hs da manhã…? 

Bem, as evidências dessa misteriosa sincronização planetária estão se avolumando, muitos acreditam piamente na existencia do que denominaram “o relógio molecular” e abaixo vai a definição curta em Wikipedia:

“O relógio molecular é uma técnica em evolução molecular para relacionar o tempo de divergência entre duas espécies com o número de diferenças moleculares medidas entre as sequências de DNA ou proteínas. Quanto mais aparentados geneticamente, menor o tempo de separação entre duas espécies.”

Verdade seja dita que o artigo em Wikipedia coloca o tema sob o nome “hipótese”, quer dizer, ainda não está cientificamente confirmado, apesar de muitos já estarem usando uma técnica denominada “calibração baseada no relogio molecular”. E no artigo não existe nenhuma tentativa de explicação do porque existe este relógio, como veio à existência, e onde ele está. Mas isto é normal num artigo cientifico, pois o cientista limita-se a descrever uma observação e pára por aí, ele não costuma se fazer a pergunta “porque?!”

Mais uma vez meu coração bateu acelerado ao ler esta noticia. Pois isso leva imediatamente minha mente para o reino da Teoria da Matriz e seus modelos. Eles já tinham apontado, a cêrca de 30 anos atrás, que tinha de existir na Natureza uma sintonia evolutiva que bem poderia por nós ser visto como um relógio. Porém os modelos da Teoria da Matriz/DNA são mais ousados e vão muito mais longe: ao invés de relógio molecular os calculos a partir dos modelos apontaram a existência de um… um… Relógio Astronômico !  Que regularia eventos na biosfera terrestre a niveis moleculares, e mais exatamente, através dos nucleotideos, de todo e qualquer nucleotideo existente na superficie terrestre, e quiçá, em qualquer outro planeta onde haja sistemas biológicos. 

Naquela época – nem mesmo a informação de que já existia esta área de pesquisa em torno do quorum sensing, me fêz gostar do que os modelos diziam existir. Isto cheirava a “astrologia”, e sempre me sentia mal quando ouvia falar ou via algo escrito sobre astrologia, uma “idéia absurda de alguns charlatões que visam o dinheiro dos ignorantes”, pensava eu… e ainda, claro, penso assim. Cheirava à astrologia, mas depois fui entendendo que não tem nada a ver.

Como então os modelos definem o que denomino “Relógio Astrônomico”:

Se no planeta todo – da Patagonia ao Casaquistão – nascerem 1000 bebês machos amanhã, podes apostar que dentro de 16 anos, mais ou menos no dia 10 de outubro de 2025, vão surgir no planeta,… 1000 novos bigodes. Se forem meninas, dentro de treze anos, mais ou menos no mesmo dia, vão acontecer mil novas menstruações. Isto porque existe o “relógio da reprodução”. Pois o Relógio Astronômico, este que atua tambem a nivel molecular, nada mais é que um relógio da reprodução. Porém como aqui estamos falando da reprodução de LUCA, e tôdas as espécies vivas da Terra estão envolvidas neste esforço reprodutivo, uma certa proteína pode mudar em todas as espécies num mesmo tempo, não inporta se estão no Equador ou na China.

Relógio reprodutivo – penso eu – significa também “determinismo genético”. A ironia é que – por não conhecerem LUCA – muitos dizem que também estas mutações acontecem por acaso.

Entenda por favor que quando falo de LUCA estou falando do planeta Terra, e não de algum hipotético fantasma. Mas trata-se da nova Terra nunca imaginada antes, esta que é apenas uma das formas do ciclo vital de um astro.

Também é preciso entender que o decaimento degenerativo de LUCA se dá cronológicamente. Os seus “genes”, que são irradiados por estrelas como o Sol, começam a transmitir informação da ultima camada da estrela, depois, extinguida esta, passam a transmitir a penultima camada e assim por diante. desta forma vão passando informações na ordem cronológica de reprodução da mesma maneira que nosso genoma o faz. Também deve isto acontecer com os “genes” que alcançam a superficie terrestre vindos das reações no nucleo do planeta – por isso atingindo tambem os corais de todos os oceanos.        

A irradiação de fotons por uma estrela acontece como o desenrolar de uma fita de filme no cinema, quando o enredo da historia da vida da estrela – que contem o enredo da semi-vida de LUCA – vai se revelando aos poucos e cronologicamente. Tambem, a radiação dos bits desde o nucleo planetario vai obedecendo a ordem cronologica. Disso se deduz que a superficie da Terra, de norte a sul e de leste a oeste, recebe o mesmo tipo de genes semi-vivos em certa época. Em outras palavras, a emissão de informação é regulada no tempo, por uma espécie de relógio astronomico. Não existe relógio algum, trata-se apenas de uma alegoria com o fato de observar-mos que todos os processos de reprodução são cronológicamente sincronizados.

Os cientistas da Terra estão incrívelmente certos ao pensarem estarem enxergando esse relógio, eles não tem uma mera hipótese mas sim uma robusta suspeita, apenas estão cometendo um pequeno equívoco: não se deveria falar em relógio molecular, mas sim, relógio astronomico.  Vimos no artigo em Ingles da Wikipedia que o relógio molecular já está tendo diversas aplicações práticas, ajudando nossa evolução, mas, imagine o que nos poderá ajudar o conhecimento de um relógio astronomico! Não apenas será aplicavel aos estudos sobre evolução, à Biologia, mas sim a toda tecnologia!

Um fator que deve ser registrado desde já neste artigo que iniciará uma nova área de pesquisa dentro da Teoria da Matriz, ( a saber, a “Teoria do Relógio Astronomico”) é o que diz respeito á controversia sobre a seleção natural, entre a Teoria Neo-Darwinista e a Teoria da Matriz. Segundo a primeira teoria (arre!… segundo a primeira… primeiro a segunda… nesta eu escorreguei feio!), a seleção natural é uma força lógica mas cega, sem qualquer propósito pré-estabelecido na Natureza, simplesmente selecionando as mutações que melhor se adaptam às circunstancias ambientais e geram maior prole . Segundo a segunda (por favor, não me xingue) teoria, a seleção natural no meio biológico terrestre é uma força tunelada, previsivel, com propósito, dirigida pelo LUCA que se encontra incorporado no planeta Terra. A hipótese do relógio molecular, a meu ver, é um chute no saco da Teoria Neo-Darwinista. Com que então, trés forças cegas atuando sobre tres diferentes tipos de vida, em tres diferentes ambientes, iriam produzir a mesma mutação numa das proteinas comum a todas as três?! Seria o cumulo do acaso absoluto.  Seria o mesmo que – num mesmo dia as tres loterias de tres paises diferentes – Italia, Brazil e USA – dessem como resultado a mesma sequencia de seis numeros… e vai acreditar em fantasmas assim no inferno!

A seguir uma breve cópia de um trecho do artigo em inglês da Wikipedia, para eu voltar e desenvolver este assunto quando reler este artigo: 

Early discovery and genetic equidistance

The notion of the existence of a so-called “molecular clock” was first attributed to Emile Zuckerkandl and Linus Pauling who, in 1962, noticed that the number of amino acid differences in hemoglobin between different lineages roughly changes with time, as estimated also from fossil evidence.[1] They generalized this observation to assert that the rate of evolutionary change of any specified protein was approximately constant over time and over different lineages.

The Genetic equidistance phenomenon was first noted in 1963. The author wrote: “It appears that the number of residue differences between cytochrome C of any two species is mostly conditioned by the time elapsed since the lines of evolution leading to these two species originally diverged. If this is correct, the cytochrome c of all mammals should be equally different from the cytochrome c of all birds. Since fish diverges from the main stem of vertebrate evolution earlier than either birds or mammals, the cytochrome c of both mammals and birds should be equally different from the cytochrome c of fish. Similarly, all vertebrate cytochrome c should be equally different from the yeast protein.”[2] For example, the difference between the cytochrome C of a carp and a frog, turtle, chicken, rabbit, and horse is a very constant 13% to 14%. Similarly, the difference between the cytochrome C of a bacterium and yeast, wheat, moth, tuna, pigeon, and horse ranges from 64% to 69%. Together with the work of Emile Zuckerkandl and Linus Pauling, the genetic equidistance result directly led to the formal postulation of the molecular clock hypothesis in the early 1960s.[3] Genetic equidistance has often been used to infer equal time of separation of different sister species from an outgroup. [4][5]

Later Allan Wilson and Vincent Sarich built upon this work and the work of Motoo Kimura observed and formalized that rare spontaneous errors in DNA replication cause the mutations that drive molecular evolution, and that the accumulation of evolutionarily “neutral” differences between two sequences could be used to measure time, if the error rate of DNA replication could be calibrated.[6][7] One method of calibrating the error rate was to use as references pairs of groups of living species whose date of speciation was already known from the fossil record.

Uses

The molecular clock technique is an important tool in molecular systematics, the use of molecular genetics information to determine the correct scientific classification of organisms or to study variation in selective forces.

Knowledge of approximately-constant rate of molecular evolution in particular sets of lineages also facilitates establishing the dates of phylogenetic events, including those not documented by fossils, such as the divergence of living taxa and the formation of the phylogenetic tree. But in these cases – especially over long stretches of time – the limitations of MCH (above) must be considered ; such estimates may be off by 50% or more.

See also

  • ACRESCIMO EM julho/03/09

A noticia abaixo pode estar relacionada com o tema do “relógio astronômico”, observando-se que na Teoria da Matriz os aquecimentos de planetas e consequentes mudanças do clima são processos naturais e normais ( o que não impede que na Terra o processo natural esteja sendo acelerado por um aquecimento inédito e doentio produzido pelas atividades humanas). O artigo fornece insights tal como a esclarecedora idéia de que o relógio astronomico atua a nivel molecular através da ecologia, ou inteira biosfera. Frases notadas em vermelho são para posterior estudo:

From “Scientific Blogging”

http://www.scientificblogging.com/news_articles/holy_shrinking_sheep_global_warming_more_powerful_natural_selection_say_researchers

 

Holy Shrinking Sheep! Global Warming More Powerful Than Natural Selection, Say Researchers

By News Staff | July 2nd 2009 12:00 AM |

Just when you thought evolution couldn’t get attacked by anyone else, a zoologist writing in Science and his colleagues are contending that changing winter conditions due to global warming are causing Scotland’s wild Soay sheep to get smaller despite the evolutionary benefits of having a large body.  Yep, climate change can trump natural selection, it turns out. 

So much for adapting to the environment.   Too bad Darwin didn’t know about CO2.  

“Sheep are getting smaller. Well, at least the wild Soay sheep living on a remote Scottish island are. But according to classic evolutionary theory, they should have been getting bigger, because larger sheep tend to be more likely to survive and reproduce than smaller ones, and offspring tend to resemble their parents,” said study author Tim Coulson, professor of population biology at Imperial College London who teaches courses in  ecology, evolution and conservation.

Our findings have solved a paradox that has tormented biologists for years – why predictions did not match observation. Biologists have realized that ecological and evolutionary processes are intricately intertwined, and they now have a way of dissecting out the contribution of each. Unfortunately it is too early to tell whether a warming world will lead to pocket-sized sheep,” Coulson said.

Coulson and his colleagues analyzed body-weight measurements and life-history data (which record the timing of key milestones throughout an individual’s life), for the female members of a population of Soay sheep. The sheep live on the island of Hirta in the St. Kilda archipelago and have been studied closely since 1985. 

The researchers plugged their data into a numerical model that they say predicts how a trait such as body size will change over time due to natural selection and other factors that influence survival and reproduction in the wild. They selected body size because it is a heritable trait, and because the sheep have, on average, been decreasing in size for the last 25 years.

Their results lead them to state that the decrease is primarily an ecological response to environmental variation over the last 25 years. Evolutionary change has contributed relatively little

More specifically, lambs are not growing as quickly as they once did. As winters have become shorter and milder, due to global climate change, lambs now do not need to put on as much as weight in the first months of life to survive to their first birthday. So, even the slower-growing ones now have a chance of surviving, according to Coulson.

Also contributing to this trend is what Coulson and his colleagues call the “young mum effect.” The researchers found that younger mothers are physically unable to produce offspring that are as big as they were at birth. The reasons behind this are still unclear, but the young mum effect counters the effect of natural selection, which favors larger lambs, the authors report.

Article: Arpat Ozgul , Shripad Tuljapurkar, Tim G. Benton, Josephine M. Pemberton, Tim H. Clutton-Brock, Tim Coulson, ‘The Dynamics of Phenotypic Change and the Shrinking Sheep of St. Kilda’, Published Online July 2, 2009 Science DOI: 10.1126/science.1173668  This research was funded by the Natural Environment Research Council and the National Institute on Aging, NIH.

MEU COMENTARIO POSTADO NAQUELE ARTIGO:

DARWINIAN THEORY OF MICRO-EVOLUTION x MATRIX/DNA THEORY OF MACRO-EVOLUTION

     .Thanks to Tim Coulson by good job of collecting new data, and thanks to comments here that show to us what to think about.The Scotland’s wild Soay sheep could be an effect from the “astronomic clock” acting through its smaller representative, the “molecular clock’? Everybody knows that natural systems have a life’s cycle, which is birth-growth-collapse-death. Why not to suppose that this cycle is applied over any biological specie? If it is applicable, every specie should experiment its own collapse when reaching millions/billions of years. 

     . In Matrix/DNA Theory models, the global warming of any kind of planets are normal and natural process regulated by the astronomic clock, which is an effect from LUCA’s life (the Last Universal Common Ancestor). Human activities could affect the natural process, but global warming was expected to happen naturally and it is a ruler of natural selection as well. The problem behind the paradox and about “why predictions did not match observation”, I think, is due the differences between micro and macro evolution. What are happens with the Scotland’s sheeps are effects from macro-evolution, and Darwin did not understood it. Macro-evolution is about the universal evolution since the Big Bang and Darwin had no cosmological data we have today. He spent four years in the salvage land studying details of evolution in biological systems without knowing that the entire history of biological systems are merely a new cycle of universal evolution. Macro-evolution is about the history of evolution of a single system that was born at the Bib Bang and before arriving to biological systems, it was a half mechanical/half biological system, which was/is the building block of galaxies, and it is the thru Last Universal Common Ancestor of any biological system (aka “living beings”). Darwin was right, his job was great, but it is merely the begining for understanding evolution. Every specie under evolution is inside a system hierarchy and Darwinian micro-evolution, whith its three variables (VSI) works among seven variables from macro-evolution. There are no serious study/theories about macro-evolution (linking cosmological and biological evolution) then we spent like Darwin, seven years at salvage land trying to see what Nature here is suggesting about its past times, its cosmological history, before life’s origins. As result we got a general theory.  

As you can see in Matrix/DNA Theory, its models suggests that LUCA was/is not a biological system, but an astronomic and mechanical Newtonian system, it was/is not leaving at Earth, and there were no origins of life… neither there is such difference between living and non-living natural systems. Cheers…

xxxxxxxxxxxxx

O artigo abaixo, sôbre sociedade das ab6elhas, pode estar relacionado com o relógio biológico?

Rhythmic vibrations guide caste development in social wasps

http://www.physorg.com/news/2011-01-rhythmic-vibrations-social-wasps.html