Archive for the ‘planeta’ Category

A Terra – Uma Criatura Viva. Bonito Video pela NASA porem, com um grave equivoco…

segunda-feira, outubro 23rd, 2017

xxxx

https://www.youtube.com/watch?v=zlqjz9OEhk0&lc=z12wdnjjypaespbxl04cdzcbjpjzh3kp224.1508662277159596

My comment posted in YouTube at 1023/2017

The signals of a living planet are not seen at its external appearance, like the first almost-living creature produced in this planet – viruses – has no external signals of life. The active nucleus and its surrounding layers are showing the same signals that a corn seed will show when inserted into the land and receiving water/sun’s light. Biological systems, (aka, life) were made by and inside these astronomic systems (stellar and galactic system) so, it is rational to think that all basic elements and life’s properties must be present in a very primordial shape in these systems. The current astronomical models are wrong that’s why you are not seeing the clear signals of primordial life in this planet. As planet’s nucleus we have the germ of new stars and if this Milk Way is old enough that would be formed by the first process of galactic formation, we will see in the next thousands years the big transformations as every living thing. By the way, the video is a brilliant art work and has a good message. Congratulations to NASA.

And…

My comment posted at 08/22/2017

So,… who says that life came from non-life? Or who needs magical gods for explaining life here? Earth is not a living creature as we understand “life”, but it is not non-life also. Any living being is a working system and Earth is not a system in itself, it is merely part of a system, called stellar system. System only comes from previous systems, there are no self-organizing systems. We can not making comparisons between systems as living beings with parts of systems, like Earth. So, is the stellar system, more “alive”? Has it all forces and elements for producing organic matter and biological systems? Where “life” came from? Thinking about this question, applying comparative anatomy between these systems, I elaborated Matrix/DNA Theory with the following explanation: No, a stellar system alone has no all forces and elements necessary for building biological systems, but a building block of galaxies has all forces, all elements, and the exactly anatomical configuration for reproducing itself – nannotechnologically – as the building blocks of DNA, a lateral base-pair of nucleotide. The evolution of these building blocks towards the fist cell system was due the new state of matter, water, and its production, organic chemistry. Earth alone, neither this stellar system are alive, but they are organs, or parts, of something half-alive… By the way, Earth, the Sun, this system and this galaxy are our ancestors like bacteria and monkeys are… ( this is merely, a theory, don’t forget it)

A Formacao do Planeta e a Origem da Vida

terça-feira, outubro 3rd, 2017

xxxx

(Artigo em construção: rever e anotar novidades)

32:32 – Termal vents (black smoker) resulta da constante movimentacao das placas tectonicas que provocam a penetracao da agua no interior do planeta reagindo com magma e sendo expelida como vapor negro, e nisso traz consigo informacoes matriciais do nucleo da Terra.

33:08 – Sulfite minerals – provindo das aguas profundas misturadas com magma, estes minerais tem a propriedade de catalizar reacoes quimicas que produzem moleculas primordiais da vida, o que confirma a nossa teoria matricial de que  os primeiros 50% da abiogenese foi dirigido por informacoes do nucleo planetario. Mas este fato chama atencao para outro aspecto matricial que estamos tentando desvendar. Parece que os elementos atomicos que formam as primeiras moleculas vitais possuem um estado vibracional/frequencia de onda especifico do espectro da onda de luz (traduzido em energia). Quando estao em ambientes dominados pelas outras seis faixas da onda estao instaveis, e assim nao podem formar mutuas conexoes duradouras entre si. Mas quando estao num ambiente dominado pela mesma faixa que a sua, se estabilizam e formam as conecoes. Entao, catalise seria isto: um elemento do ambiente externo de identidade igual dos elementos reagentes. E nisso vai bater a teoria matricial, pois o sulfite pertence ao nucleo planetario entao a uma das primeiras faixas de onda, enquanto a vida comeca por suas combinacoes iniciais que dizem respeito tambem as primeiras faixas de onda.

Planetas: Teorias da formação Pela Academia de Ciências e pela Matrix/DNA Theory

terça-feira, agosto 22nd, 2017

xxxx

A Short History of Planet Formation

https://www.youtube.com/watch?v=VAKSzsJcpQk

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – 8/22/2017

There are four ways for searching planet formation: 1) reductionist, is what Dr. Shahar is doing, first studying the basic Physics and Chemistry of it system’s components: 2) Systemic, which is comparisons between a system and the Matrix/DNA universal formula for systems, and making comparative anatomy between systems: 3) Trying to compose the history, from the past Big Bang to nowadays, and 4) From the future to the past, going from the final product today built by the forces and elements as a system and trying to know the reverse of its evolution, going towards the Big Bang. I am not well informed, I have knowledge of works being doing by Academic Science only by methods 1 and 3. So, I tried something about methods 2 and 4 and I got the Matrix/DNA astronomical models and theory. It results in a different general world view which affects the approaches to astronomic bodies formation. What will happen if academic researches tries methods 2 and 4? Maybe it will reduce time, money and sacrifices for getting the final knowledge.

Astronomia: Formação de Sistemas Astronômicos pelo Segundo Método

domingo, agosto 20th, 2017

xxxx

Assistindo ( link abaixo) a moderna teoria astronômica acadêmica sobre formação de sistemas estelares onde a estrela nasce primeiro que os planetas – tive uma ideia para explicar o segundo método da formação de sistemas astronômicos.

Depois de seu primeiro método de formação – que foi simbioses – a célula aprendeu a se replicar já adulta, meramente se multiplicando já pronta. Então porque este método não teria vindo do ancestral astronomico? Se sim, isto significa que depois do método da simbiose – que formou as primeiras galaxias ou o building block de galaxias – tanto sistemas estelares quanto galácticos aprenderam a se reciclarem já adultos, prontos. Então neste segundo método, realmente a teoria acadêmica está correta.

Isto encerra a pesquisa da Matrix/DNA sobre o segundo método na formação de sistemas astronômicos.

Porem ela não conhece ainda o primeiro método e isto desvirtua a interpretação do que são sistemas astronômicos em seguida desvia o conhecimento dos processos nas origens da vida e de seu significado, pois o primeiro método mostra sua face biológica, que obedeceram, na sua primeira geração, a formação de cada astro pelo processo do ciclo vital.

https://www.youtube.com/watch?v=VAKSzsJcpQk

Forma real e Feia do Planeta Terra: Mais um Chute no Nosso Ego

domingo, julho 30th, 2017

 

A forma solida real da Terra

xxxx

 

Que monstrengo e’ esse na figura? Pois e’ o nosso planeta real, solido, sem a cobertura da agua, a qual da’ a aparencia ilusoria de esfera quase perfeita. Asssim a cada novo conhecimento cientifico o ego humano vai sendo bombardeado e desfeito. Ja fomos expulsos do centro da Criacao, nosso planeta retirado do centro do Sistema solar e do Universo, depois Darwin nos reduziu a macacos, inclusive Freud derrubou o mito do anjo ao reveler em nos a besta fera.mas o que sugere a minha cosmovisao da Matrix/DNA, sobre tudo isso? Deixa-me consultar o mapa, as formulas, e tentar interpretar o mais certo possivel o que vejo. Deixemos a matrix falar:

Matrix/DNA: ” Ao nascer, todos cantam a beleza do baby humano. Porem, nos meses anteriores, quando estava na forma de uma bolota irregular chamada “morula”, ou depois na forma fetal parecendo um sapinho, o nascido baby nao era nada belo. O mesmo se pode dizer das flores e das estrelas. Planetas carregam em si, como seu nucleo, o germe de uma estrela, que um dia florescera como uma bela supernova. Tambem a consciencia universal passa por estas fases iniciais destituidas de beleza. Quando ainda fetal ou embrionaria, tal como se encontra hoje na fase humana, a consciencia ainda e’ dominada pelo cerebro fisico e suas herancas animalescas, seus instintos forjados no caos  e sua carnificina. mas um dia essa consciencia estara pronta para nascer, quando abrira seus proprios olhos para conhecer a substancia e forma de seu corpo. Todos os exemplos anteriores sao evidencias indicando que o baby ser’a muito mais belo.

Assinado: Matrix/DNA

… bem…, a Matrix esta sempre nos surpreendendo com uma perspectiva que nunca haviamos pensado antes. Quem a conhece pode mandar aos diabos as fantasias misticas que nos venderam falsas ilusoes sem respaldo na realidade e as evidencias que de fato podemos ver. Assim, o ser humilhado, pecador, rebaixado na vida pratica em nome de uma ilustracao fantasiosa de poder e beleza como destinados a serem o centro de tudo, mas somente podendo recolher as recompensas em outro mundo e apos a morte, a Matrix nos recupera um amor proprio jamais experimentado antes e nos proporciona uma indescritivel afirmacao de bem estar aqui e agora, fundamentando seus argumentos nao em fantasias magicas e sobrenaturais, mas em fatos cientificos e provados que podemos ver e conhecer aqui e agora. Nos somos pecadores sim, somos imperfeitos e moralmente feios, porem… ainda nao somos o que viemos para ser, e ja sabemos a beleza do que seremos quando finalmente vier o nosso real nascer.

De acordo com o modelo astronomico sugerido pela Matrix/DNA, a forma dos planetas deveriam mesmo serem irregulars, pois seus nucleos sao forjados na caldeira incandescente do vortices nuclear, e depois que ejetados, abortados, atravessam a zona do horizonte de eventos composta de poeira e rochas estelares, as quais sao agregadas aleatoriamente sobre a esfera nuclear, por isso a acertada previsao de formas futuras irregulares. E’ certo que o longo periodo de orbitas em torno de uma estrela pode lapidar as formas irregulars aproximando-as da forma esferica, porem isto em nada altera a mecanica celeste. Planetas ainda sao estagios embrionarios da estrela a nascer.

Halleluya! Mais um brinde `a Matrix – a carga genetica do nosso criador!

Para quem quiser mais informacoes sobre a figura:

Geóide: o inacreditável formato do planeta Terra

http://imagensdouniverso.blogspot.com/2014/10/geoide-o-inacreditavel-formato-do.html

 

Ooops! Nova Imagem de Jupiter Alerta Matrix/DNA Sobre a Equitativa Distribuicao de Fotons prevista pela Teoria

quarta-feira, maio 31st, 2017

xxx

Ha anos vem acontecendo o mesmo. Os academicos nao apenas sugerem suas teorias, mas afirmam-na como porta-vozes cientificos, e como estas teorias vao contra meus modelos, eu retruco com outra teoria e eles simplesmente ignoram. Mas entao a tecnologia se desenvolve e fornece cada vez instrumentos mais potentes na colecao de dados.  E quando os novos dados chegam sempre dizem como nesta noticia agora:

“We’re seeing a lot of our ideas were incorrect and maybe naïve,” Scott J. Bolton, the principal investigator of the Juno mission, said during a NASA news conference on Thursday.

Os modelos teoricos deles tem tantos remendos que minha admira que ainda nao perceberam que do modelo original nao resta mais nada. Enquanto isso, quando tenho tempo de analizar os novos dados e compara-los com meus modelos, descubro que estavam justamente previstos e mais, os novos dados me fazem perceber novos dados que ainda nao tinha observado. vejamos exemplos com as figuras abaixo:

https://www.nytimes.com/2017/05/25/science/nasa-juno-spacecraft-jupiter-storms.html?rref=collection%2Fsectioncollection%2Fscience&action=click&contentCollection=science&region=rank&module=package&version=highlights&contentPlacement=2&pgtype=sectionfront

NASA’s Jupiter Mission Reveals the ‘Brand-New and Unexpected’ (may,25,2017)

As faixas tipo listas de zebra bate com a nocao de aneis espiralados que a Matrix/DNA sugeriu na existencia de estruturas que dao o nascimento a estrelas. Veja neste meu modelo desenhado rusticamente a mao na selva amazonica:

Sistema-Elo Entre os Sistemas Naturais Não-Vivos e os Sistemas Biológicos

Sistema-Elo Entre os Sistemas Naturais Não-Vivos e os Sistemas Biológicos

I can’t write a long text here explaining it, but at the …. oh, raios, eu estava escrevendo em portugues,… Eu nao posso escrever longos textos aqui para explicar mas o cone espiralado na rustica figura acima ‘e o berco de estrelas. E porque digo isso? Porque o meu modelo esta sugerindo que planetas que se encontram no estado em que Jupiter esta hoje, em milhoes ou bilhoes de anos acabam saindo do Sistema solar e se tornam novas estrelas, pois no seu nucleo cresce um germe estelar.

Mas nao e’ esse fato que levou a Matrix/DNA a comemorar a boa-nova. O fato e’ que os aneis que se ve na figura de Jupiter – em numero de seis – explica maravilhosamente uma questao que eu andava procurando e nao tinha acertado com uma solucao satisfatoria. a questao de como uma estrela emite todos os tipos de suas informacoes por radiacao em tao curto tempo como foi necessario para dirigir a criacao da vida na Terra. Com a existencia das faixas emitindo magneticamente ( como diz o artigo: strong magnetic fields), agora sei como todos os tipos de fotons chegam aqui ao mesmo tempo para se reunirem e reproduzirem o sistema de onde vieram usando atomos da Terra. Hallelluyah!

Assim, enquanto os academicos estao neste momento puxando os cabelos ao compararem os novos dados com seus modelos e verem que nada bate, eu estou vibrando com o acerto dos meus modelos… mais uma vez nos ultimos 30 anos de tantas vitorias igual a essa.

Vamos ao segundo fato usando a imagem abaixo que tambem foi obtida agora pela NASA:

Multiple images combined show Jupiter’s south pole, as seen by NASA’s Juno spacecraft from an altitude of 32,000 miles. The oval features are cyclones.

Ciclones? Justo o que desenhei a 30 anos atras? Vejamos outro desenho dos meus modelos:

O Ultimo Ancestral Não-Vivo e Inanimado

O Ultimo Ancestral Não-Vivo e Inanimado

Veja no desenho a figura que esta mais `a direita, cheia de pintas. Este o resultado do que meus calculos apontaram como sendo um pulsar. As pintas sao gigantescos vulcoes que tomam toda a superficie emitindo cometas. Jupiter esta no ponto de gigante e velho planeta se transformando em pulsar paara depois se tornar uma estrela, supernova. Diz ainda meus resultados que estes vulcoes vao se formando nos planetas novos devido aberturas que vao surgindo na crostra como valvulas de escape do material sob forte pressao resultante das reacoes produzidas pelo nucleo digerindo os atomos da crostra. mas como o planeta gira por rotacao e por translacao, o que se ve nestes gifgantes gasosos acima dos vulcoes que vao se formando e’ a lava e fumaca emitida na forma de cyclone, espiralados. Entao, estou dizendo que embaixo de cada cyclone deste, e produzindo estes ciclones, estao os vulcoes. Assim minha teoria se torna cientificamente testavel, pois chefgaremos um dia mais perto de Jupiter e descobriremos o que produz estes ciclones.

Enquanto isso vou continuar a ler o artigo para ver como eles explicam estes ciclones baseados nos modelos deles. yac,yac,yac…

Formacao e Evolucao do Campo Magnetico da Terra

domingo, março 12th, 2017

xxxx

Earth’s ancient magnetic field was significantly different than present day field, new work suggests

http://nashuavoice.us/content/57477-earths-ancient-magnetic-field-was-significantly-different-present

Submitted by Jeanne Rife on Mon, 06/27/2016 – 22:51

Earth's ancient magnetic field was significantly different than present day field, new work suggests

Vídeo Para Teoria da Formação da Terra: Viagem ao Centro da Terra

quarta-feira, setembro 7th, 2016

xxxxx

 

Uma Viagem ao Centro da Terra Dublado HD

E a causa que gera o campo magnético da Terra continua desconhecida.

 

A Historia de 4,5 Bilhoes de Anos da Terra, neste Vídeo, Revela o Sentido ou Não-Sentido da Nossa Existência? Veja a resposta da Matrix/DNA

terça-feira, setembro 6th, 2016

xxxx

Vídeo inesquecível de longa duração, narrando as muitas transformações porque passou a formação do planeta Terra, da Lua, mostrando principalmente como estamos por um fio em cima de uma bola de magma incandescente e como a vida aqui se mantem de forma tao fugaz. Apesar desta historia ser ainda uma teoria – a acadêmica – e diferenciar da nossa teoria da Matrix/DNA, e’ um filme e com muitos recursos técnicos, muito interessante para ver e repetir.

https://www.youtube.com/watch?v=MPATtHrY1AM

Construindo o Planeta Terra

E meu comentário postado no video:

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – Set/06/2016

Este excelente filme narra uma teoria cuidadosamente elaborada em seculos de observações, cálculos, etc. mas existem varias falhas na teoria. A primeira ‘e isolar o calculo da formação da terra do sistema a que ela pertence, a Via Láctea. E quando observamos esta não vemos violência alguma, vemos o estado harmônico de ordem da natureza. E’ erro comum ao homem projetar o caos da sua biosfera aqui sobre seis modelos teóricos de sistemas estelares e galácticos, mas se esquecem de projetar a ordem destes sistemas para calcular esta formação do planeta.
Todas estas mudanças que parecem catastróficas sob a perspectiva humana seriam também catastróficas ao microbio assistindo as varias mudanças dos nossos corpos durante a embriogênese, de morula, a blástula, a feto, embrião. Então o que vemos aqui sugere que estas mudanças ocorreram dentro de uma especie de útero celeste, como sugere o modelo astronomico da Matrix/DNA.
Outra falha inexplicável nesta teoria e’ que esta Terra tal como a calcularam jamais teria as forças e elementos que mais tarde produziram os corpos dos primeiros seres vivos. Então estas forças e elementos caíram do céu ou foram inventadas pela primeira vez neste Universo por essa matéria bruta e estupida deste pequeno planetinha perdido na imensidão sideral? Oh,.. como’n, isto precisa de uma grande dose de ato de fé… Não seria mais logico supor que a extraordinária engenharia no processo da nossa embriogênese seja produto de um processo semelhante pelo qual passou o planeta que nos produziu?! Os materiais podem ser diferentes, o ambiente pode ser diferente, mas o significado do processo deve ser o mesmo, ou então houve magica. E isto e’ outra religião.
Mas o modelo da Matrix/DNA sugere onde estavam todas estas forças e elementos neste sistema astronomico que geraram fenômenos como metabolismo, ciclo vital, reprodução sexuada, etc. No entanto, parabéns pela qualidade técnica, pelo esforço em acertar, e pelo incentivo a nossa continua busca do conhecimento… o filme esta excelente, o conteúdo porem, não e’ um fato cientifico e nunca sera enquanto não se filmar por 4 bilhões de anos como se forma outro planeta. A falha gritante no vídeo esta em se esquecerem de avisar a toda momento que cada cena daquela ‘e uma “TEORIA”, como eu sempre aviso que a Matrix/DNA, por enquanto ‘e apenas uma teoria.

xxxxx

E outro comentário sobre o assunto:

A julgar pelo conteúdo dos comentários aqui: Assim como estes continentes emergem de oceanos, um fenômeno, uma questão, emerge na mente do humano no final do vídeo: “Qual o sentido da nossa existência?” Uma resposta o vídeo forneceu: ” Como todos estes animais que surgem e desaparecem sem sentido algum, sua existência não tem sentido algum. No próximo remexer deste planeta, sera’ sua vez e de todos seus edifícios serem enterrados.” Claro, isto suscita uma inconformidade com nosso ego, e por isso muitas alternativas fantasiosas são imaginadas e até acreditadas, para contornar essa inconformidade e nos manter a viver essa vida, a trabalhar, respeitar as leis sociais.
Mas se alcançamos o ponto de enviar veículos ao espaço e produzir computadores e a Internet, porque não somos capazes de produzir ou encontrar um habitat ou uma forma de vida cujas existências tenham ao menos uma duração mais longa, torcendo que ela nos conduza finalmente a produzir um sentido logico e aceitável, para a nossa existência?
Ao invés de Deus e todas estas outras teorias que geram fantasias para esquecer a nossa realidade, a Historia neste vídeo aponta firmemente numa direcao: o mundo é governado pelo Acaso Absoluto. Mas a Historia deste mundo é de 13,8 bilhões de anos e num espaço trilhões de vezes maior que o deste planeta e não apenas os 4,5 bilhões neste pequenino ponto perdido na imensidão cósmica. Então, que este sentido existencial extraído da Historia deste planeta pode indicar algo parecido para a Historia do mundo, é um salto temerário e confiar nele, é preciso um voto de fé, o que já sai fora do racional.
A Historia do mundo sugerida pelos meus modelos teóricos  que inclusive sugere uma diferente formação para este planeta do que esta versão no vídeo – sugere um sentido para nossa existência que apenas eu tenho defendido entre todos os humanos nascidos até hoje. A Historia deste mundo tem sido a historia das transformações e evolução, do simples para o mais complexo, de um único sistema natural. Ele surgiu como sistema atômico, evoluiu para sistema estelar, depois galáctico, depois celular e seu topo hoje aqui e agora é o sistema corpo humano. Por 13,8 bilhões de anos esse sistema e sua linhagem de herdeiros sobreviveu a todos os eventos ao acaso. E desde o primeiro átomo até o ultimo humano, todas as formas deste sistema manteve algo intimo, comum a todos, que é uma formula, a qual denomino de Matrix/DNA. Porque o nosso DNA veio dessa formula que esta’ na base da formação de cada átomo, de cada galaxia, colocando estes sistemas como nossos ancestrais tal como são as bactérias. Nos somos a primeira forma desta formula onde emerge isso que denominamos “auto-consciência”. Esta parece ser a nova forma deste sistema universal a transcender a existência humana. E quando fomos mais fundo na investigação desta formula universal, descobrimos que sua primeira aparição neste Universo foi na forma de uma onda de luz. No meu website explico como uma onda de luz é um sistema funcional em si mesmo, e se propaga pelo mesmo processo do código da vida. Por outro lado, observando como as sinapses elétricas nos pensamentos “parecem” gerar uma “nuvem luminosa dentro de um black hole”, e nesta luz ocultada ocorrem as operações da consciência, estamos apostando que a luz da origem volta no final de nossos tempos, porem, agora, auto-consciente. Ora, se eu fosse um Deus criador de um multiverso ( um mundo com uma infinidade de universos), bastaria criar essa forma de luz e lança-la a todos os cantos do espaço. Os átomos, as galaxias, os humanos, e a auto-consciência já estavam determinados a existirem por esta simples formula. Ou então, fazer tudo sem magicas, ao natural, bastando que o meu genoma fosse esta forma de luz. Assim este Universo nada mais seria do que um Ovo Cósmico onde estaria ocorrendo um processo natural genético de reprodução do ser ou da coisa desconhecida que gera universos. nesse contexto, todas estas mudanças e movimentos do planeta e da galaxia seriam as mesmas que ocorrem na placenta, ou seja, fazem parte da formação do embrião, e não são produtos do acaso, nem de outra forma de magica. E eu estou apostando mais nessa hipótese do que nas hipóteses de Deus Magico e Acaso Magico. Mas assim somos nos, cada um com sua teoria para iludir sua inconformidade com a historia da realidade que acabamos de assistir. Não se esquecendo que tambem a historia neste video é uma teoria, ainda.

Vida Extraterrestre: Completo e Atual texto, Aborda Tudo

terça-feira, agosto 2nd, 2016

xxxx

O Paradoxo de Fermi: onde é que estão as outras Terras?

http://gizmodo.uol.com.br/paradoxo-fermi/

Por:
13 de setembro de 2014 às 16:02

The Fermi Paradox (1)

Quando você está em algum lugar propício para admirar as estrelas, e se a noite estiver especialmente boa para vê-las, é incrível olhar para cima e se deparar com algo semelhante à imagem acima.

Algumas pessoas ficam impressionadas pela beleza do céu, ou se deslumbram com a vastidão do universo. No meu caso, eu passo por uma leve crise existencial, e depois ajo bem estranhamente por meia hora. Cada um reage de um jeito diferente.

O físico Enrico Fermi também reagia diferente, e se perguntou: “cadê todo mundo?”

Os números

Um céu estrelado parece imenso, mas tudo o que estamos vendo é a nossa vizinhança. Nas melhores noites estreladas, nós podemos ver até 2.500 estrelas (mais ou menos um centésimo de milionésimo do total de estrelas em nossa galáxia). Quase todas estão a menos de mil anos-luz de nós (ou 1% do diâmetro da Via Láctea). Então, na verdade estamos olhando para isto:

DivulgaçãoNosso céu noturno é formado por uma pequena parte das estrelas próximas e mais brilhantes dentro do círculo vermelho.

Quando somos confrontados com o assunto de estrelas e galáxias, uma questão que atormenta a maior parte dos humanos é: “há vida inteligente lá fora?” Vamos colocar alguns números nessa questão; se você não gosta de números, pode ler só o negrito.

Nossa galáxia tem entre 100 bilhões e 400 bilhões de estrelas; no entanto, este é quase o mesmo número de galáxias no universo observável. Então, para cada estrela da imensa Via Láctea, há uma galáxia inteira lá fora. No total, existem entre 10^22 e 10^24 estrelas no universo. Isso significa que para cada grão de areia na Terra, há 10.000 estrelas no universo.

O mundo da ciência não está em total acordo sobre qual porcentagem dessas estrelas são parecidas com o Sol (similares em tamanho, temperatura e luminosidade). As opiniões tipicamente vão de 5% a 20%. Indo pela mais conservadora (5%) e o número mais baixo na estimativa total de estrelas (10^22), isso nos dá 500 quintilhões, ou 500 bilhões de bilhões de estrelas similares ao Sol.

Também há um debate sobre qual porcentagem dessas estrelas similares ao Sol poderiam ser orbitadas por planetas similares a Terra (com condições parecidas de temperatura, que poderiam ter água líquida e que poderia sustentar vida similar à da Terra). Alguns dizem que é até 50%, mas vamos ficar com os conservadores 22% que apareceram em um recente estudo no PNAS. Isso sugere que há um planeta similar à Terra, potencialmente habitável, orbitando pelo menos 1% do total de estrelas do universo: um total de 100 bilhões de bilhões de planetas similares à Terra.

Então existem 100 planetas parecidos com a Terra para cada grão de areia do mundo. Pense nisso na próxima vez que for à praia.

Daqui para a frente, nós não temos outra escolha senão sermos especulativos. Vamos imaginar que, depois de bilhões de anos de existência, 1% dos planetas parecidos com a Terra tenham desenvolvido vida (se isso for verdade, cada grão de areia representaria um planeta com vida). E imagine que em 1% desses planetas avance até o nível da vida inteligente, como aconteceu na Terra. Isso significaria que teríamos 10 quatrilhões, ou 10 milhões de bilhões de civilizações inteligentes no universo observável.

Voltando para a nossa galáxia e fazendo as mesmas contas usando a estimativa mais baixa de estrelas na Via Láctea, estimamos que existem 1 bilhão de planetas similares à Terra, e 100 mil civilizações inteligentes na nossa galáxia. (A Equação de Drake traz um método formal para esse processo limitado que estamos fazendo).

A SETI (Busca por Inteligência Extraterrestre, na sigla em inglês) é uma organização dedicada a ouvir sinais de outras vidas inteligentes. Se nós estivermos certos e houver 100 mil ou mais civilizações inteligentes na nossa galáxia, uma fração delas estaria emitindo ondas de rádio, ou raios laser, ou qualquer coisa para realizar contato. Então os satélites da SETI deveria estar recebendo sinais de todo tipo, certo?

Mas não está. Nunca recebeu.

Cadê todo mundo?

Tipos de civilização

E tudo fica mais estranho. Nosso Sol é relativamente jovem em relação ao universo. Há estrelas muito mais velhas, com planetas muito mais velhos e semelhantes à Terra, o que em teoria representaria civilizações muito mais avançadas que a nossa. Por exemplo, vamos comparar nossa Terra de 4,54 bilhões de anos com um hipotético planeta X, com seus 8 bilhões de anos.

Divulgação

Se o planeta X tiver uma história similar a da Terra, vamos olhar para onde sua civilização estaria hoje:

Divulgação

Hoje, o Planeta X estaria a 3,46 bilhões de anos de desenvolvimento além do que temos hoje.

A tecnologia e o conhecimento de uma civilização mil anos à nossa frente poderia ser tão chocante quanto nosso mundo seria para uma pessoa medieval. Uma civilização um milhão de anos à frente poderia ser tão incompreensível para nós quanto a cultura humana é para chimpanzés. E o planeta X está a 3.4 bilhões de anos à frente de nós…

Existe algo chamado de Escala Kardashev, que nos ajuda a agrupar civilizações inteligentes em três grandes categorias, de acordo com a quantidade de energia que usam:

  • uma Civilização Tipo I tem a habilidade de usar toda a energia de seu planeta. Nós não somos exatamente uma Civilização Tipo I, mas estamos perto (Carl Sagan criou uma fórmula para essa escala que nos coloca como uma Civilização Tipo 0,7);
  • uma Civilização Tipo II pode colher toda a energia de seu sistema solar. Nosso débil cérebro Tipo I mal consegue imaginar como alguém faria isso, mas nós tentamos nosso melhor, imaginando coisas como a Esfera de Dyson.
  • uma Civilização Tipo III ultrapassa fácil as outras duas, acessando poder comparável ao da Via Láctea inteira.

Se esse nível de avanço parece difícil de acreditar, lembre-se do planeta X e de seus 3,4 bilhões de anos de desenvolvimento além do nosso (cerca de meio milhão de vezes mais do que o tempo que a raça humana existe). Se uma civilização no planeta X for similar à nossa e foi capaz de sobreviver até chegar no Tipo III, é natural pensar que a essa altura eles provavelmente já dominaram a viagem interestelar, possivelmente até mesmo colonizando a galáxia inteira.

Como essa colonização galáctica teria acontecido? Uma hipótese: cria-se um maquinário que pode viajar para outros planetas, passam-se uns 500 anos se auto-replicando usando os materiais que encontrarem no novo planeta, e então enviam-se duas réplicas para fazerem a mesma coisa.

Mesmo sem alcançar nada perto da velocidade da luz, esse processo colonizaria a galáxia inteira em 3,75 milhões de anos, relativamente um piscar de olhos quando estamos falando de uma escala de bilhões de anos:

Divulgação

Nesta evolução exponencial, a galáxia estaria completamente colonizada em 3,75 milhões de anos. Fonte: J. Schombert, U. Oregon

Continuando a especular, se 1% da vida inteligente sobreviver tempo suficiente para se tornar uma colonizadora de galáxias Civilização Tipo III em potencial, nossos cálculos acima sugerem que haveriam mil Civilizações Tipo III só em nossa galáxia. Dado o poder de tal civilização, sua presença provavelmente seria fácil de se notar. E, ainda assim, nós não vemos nada, não ouvimos nada e não fomos visitados por ninguém.

Então cadê todo mundo?

Sejam bem-vindos ao Paradoxo de Fermi.

Ainda não há uma resposta para o Paradoxo de Fermi. O melhor que podemos fazer é conseguir “explicações possíveis”. E se você perguntar a dez cientistas diferentes qual o palpite deles sobre a explicação correta, você terá dez respostas diferentes. Sabe quando humanos de antigamente discutiam se a Terra era redonda, ou se o Sol girava em torno da Terra, ou achavam que os raios aconteciam por causa de Zeus? Por isso, hoje eles parecem primitivos e ignorantes; no entanto, esse é mais ou menos o ponto em que estamos neste assunto.

Ao analisar as hipóteses mais discutidas sobre o Paradoxo de Fermi, vamos dividi-las em duas grandes categorias: as explicações que supõem que não há sinal de Civilizações Tipo II e III porque elas não existem; e as explicações que sugerem que elas estão lá, só que não estamos vendo ou ouvindo nada por outros motivos.

Grupo 1 de Explicações: não há sinais de civilizações superiores (Tipos II e III) porque elas não existem.

Aqueles que acreditam em explicações do Grupo 1 recusam qualquer teoria do tipo “existem civilizações maiores, mas nenhuma delas fez qualquer tipo de contato conosco porque todas _____”. O pessoal do Grupo 1 vê os números, entende que deveria haver milhares (ou milhões) de civilizações superiores, e intui que pelo menos uma delas deveria ser a exceção à regra. Mesmo se uma teoria abarcasse 99,99% das civilizações superiores, o 0,001% restante se comportaria de alguma outra forma e nós perceberíamos sua existência.

Por isso, dizem as explicações do Grupo 1, não entramos em contato com civilizações superavançadas porque porque não existem. Como a matemática sugere que existem milhares delas só na nossa galáxia, alguma outra coisa deve estar acontecendo.

Essa “outra coisa” é o Grande Filtro.

A teoria do Grande Filtro diz que, em algum ponto entre o início da vida e a inteligência Tipo III, há uma barreira. Há algum estágio naquele longo processo evolucionário que é improvável ou impossível de ser atravessado pela vida. Esse estágio é chamado de O Grande Filtro.

Divulgação

As linhas amarelas mostram saltos evolucionários comuns de serem alcançados. A linha vermelha é o Grande Filtro. A linha verde representa uma espécie que, passando por eventos extraordinários, consegue ultrapassar o Grande Filtro.

Se essa teoria for real, a grande questão é: quando acontece o Grande Filtro na linha do tempo?

Acontece que, quando o assunto é o destino da humanidade, essa questão é muito importante. Dependendo de quando O Grande Filtro ocorre, sobram para nós três possíveis realidades: nós somos raros; nós somos os primeiros; ou nós estamos ferrados.

1. Nós somos raros (já passamos do Grande Filtro)

Uma esperança é que já tenhamos passado do Grande Filtro. Nós conseguimos atravessá-lo, portanto é extremamente raro que a vida alcance nosso nível de inteligência. O diagrama abaixo mostra apenas duas espécies passando por ele; nós somos uma delas.

Divulgação

 

Esse cenário explicaria por que não existem Civilizações Tipo III… mas isso também poderia significar que nós podemos ser uma das exceções, já que chegamos até aqui. Isso significaria que há esperança para nós. Superficialmente, isso parece com as pessoas de meio século atrás, sugerindo que a Terra é o centro do universo. Sugere que nós somos especiais.

Mas se nós somos especiais, quando exatamente nos tornamos especiais? Isto é, qual passo nós superamos, apesar de quase todo mundo ficar preso nele?

Uma possibilidade: o Grande Filtro pode estar no comecinho de tudo; pode ser incrivelmente raro que a vida comece. Esse é um candidato porque demorou um bilhão de anos para a vida na Terra finalmente acontecer, e porque nós tentamos exaustivamente replicar esse evento em laboratórios e jamais conseguimos. Se este é mesmo o Grande Filtro, isso significaria que não deve existir vida inteligente lá fora – pode simplesmente não haver vida.

Outra possibilidade: o Grande Filtro pode ser o salto de células procariontes simples para células eucariontes complexas. Após o surgimento das procariontes, elas permaneceram dessa forma por quase dois milhões de anos antes de darem o salto evolucionário para se tornarem complexas e ganharem um núcleo. Se esse é o Grande Filtro, isso significaria que o universo está repleto de células procariontes simples e quase nada além disso.

Há outras possibilidades. Alguns acham até que nosso salto evolucionário mais recente, alcançando nossa inteligência atual, é um candidato a Grande Filtro. Ainda que o salto de vida semi-inteligente (chimpanzés) até a vida inteligente (humanos) a princípio não pareça um passo miraculoso, Steven Pinker rejeita a ideia de que a “escalada ascendente” da evolução seja inevitável:

Uma vez que a evolução apenas acontece, sem ter um objetivo, ela usa a adaptação mais útil para um certo nicho ecológico. O fato que, na Terra, até hoje isso levou a inteligência tecnológica apenas uma vez, pode sugerir que essa consequência da seleção natural é rara e, consequentemente, não é um desenvolvimento infalível da evolução de uma árvore da vida.

A maioria dos saltos não se qualifica como candidatos a Grande Filtro. Qualquer Grande Filtro possível deve ser algo que só acontece uma vez em um bilhão, onde uma ou mais anomalias devem ocorrer para proporcionar uma enorme exceção.

Por esse motivo, algo como pular de uma vida unicelular para uma multicelular está fora de questão como filtro, porque isso aconteceu pelo menos 46 vezes em incidentes isolados, só no nosso planeta. Pela mesma razão, se nós encontrarmos uma célula eucarionte fossilizada em Marte, ela iria tirar o salto “de-célula-simples-para-complexa” da lista de possíveis Grandes Filtros (assim como qualquer outra coisa que esteja antes desse ponto na cadeia evolucionária). Se isso aconteceu tanto na Terra quanto em Marte, claramente não é uma anomalia.

Se nós formos mesmo raros, isso pode ser por causa de um acidente biológico, mas isso também pode ser atribuído ao que se chama de Hipótese da Terra Rara. Ela sugere que, ainda que existam muitos planetas similares a Terra, as condições particulares do nosso planeta o tornam tão conveniente à vida — sejam as relacionadas a seu sistema solar, seu relacionamento com a Lua (uma lua tão grande é incomum para um planeta tão pequeno, contribuindo para as condições peculiares de nosso clima e nosso oceano), ou algo sobre o planeta em si.

2. Nós somos os primeiros

Divulgação

A civilização humana é representada pela linha laranja.

Para pensadores do Grupo 1, se já não tivermos passado pelo Grande Filtro, nossa única esperança é que, do Big Bang até hoje, as condições no universo estão alcançando um nível que permita o desenvolvimento de vida inteligente. Nesse caso, nós podemos estar a caminho da super inteligência, mas isso ainda não aconteceu. Por acaso, nós estaríamos na hora certa para nos tornarmos uma das primeiras civilizações super inteligentes.

Um exemplo de um fenômeno que poderia tornar isso realístico é o predomínio de explosões de raios gama, detonações absurdamente imensas que observamos em galáxias distantes. Levou algumas centenas de milhões de anos para que os asteróides e vulcões se acalmassem e a vida se tornasse possível.

Da mesma forma, pode ser que o começo das existências no universo esteja cheio de eventos cataclísmicos, como explosões de raios gama que incinerariam tudo à sua volta de tempos em tempos, evitando que qualquer vida se desenvolva a partir de um certo estágio. Talvez estejamos agora no meio de uma fase de transição astrobiológica, e essa seja a primeira vez que qualquer vida tenha sido capaz de se desenvolver ininterruptamente por tanto tempo.

3. Nós estamos ferrados (o Grande Filtro está chegando)

Divulgação

O Grande Filtro é representado pela linha vermelha.

Se nós não somos nem raros nem pioneiros, os pensadores do Grupo 1 concluem que O Grande Filtro deve estar no nosso futuro. Isso implicaria que a vida frequentemente evolui até onde estamos, mas alguma coisa impede, em quase todos os casos, que a vida vá muito adiante e alcance a inteligência avançada — e dificilmente nós seremos uma exceção.

Um possível Grande Filtro seria algum evento cataclísmico que ocorra regularmente, como as já mencionadas explosões de raio gama. Só que ela ainda não teria ocorrido e, infelizmente, é uma questão de tempo até que ela acabe com toda a vida na Terra. Outra candidata é a destruição possivelmente inevitável que quase todas as civilizações inteligentes acabariam trazendo para si mesmas, uma vez atingido certo nível de tecnologia.

É por isso que o filósofo Nock Bostrom, da Universidade de Oxford, diz que “boa novidade é não haver novidade“. Se descobrirem vida em Marte, mesmo que simples, isso seria devastador, porque eliminaria diversos potenciais Grandes Filtros no passado. E se encontrarmos fósseis de vida complexa em Marte, Bostrom diz que “seria a pior notícia já impressa em uma primeira página de jornal”, porque significaria que o Grande Filtro está quase que definitivamente à nossa frente, condenando toda nossa espécie de uma vez. Bostrom acredita que, quando se trata do Paradoxo de Fermi, “o silêncio do céu noturno é ouro”.

Grupo 2 de Explicações: civilizações inteligentes dos Tipos I e II existem, mas há razões lógicas para que não tenhamos ouvido falar delas.

As explicações do Grupo 2 abandonam qualquer ideia de que nós somos raros, especiais ou qualquer coisa parecida. Pelo contrário, elas acreditam no Princípio da Mediocridade: ou seja, até que se prove o contrário, não há nada de especial ou incomum em nossa galáxia, sistema solar, planeta ou nível de inteligência. Além disso, elas são mais cautelosas antes de assumir que, se não há evidências de uma inteligência superior, ela não existe. Elas enfatizam o fato de nossas buscas por sinais só alcançarem mais ou menos até 100 anos-luz de nós (0,1% da galáxia) e só terem ocorrido há menos de uma década, o que é pouquíssimo tempo.

Pensadores do Grupo 2 têm uma ampla gama de possíveis explicações para o Paradoxo de Fermi. A seguir, eis as nove mais discutidas:

Possibilidade 1: a vida superinteligente pode ter visitado a Terra antes de estarmos aqui. Humanos sencientes só estão por aí há uns 50 mil anos, um piscar de olhos se comparado à existência do universo. Se o contato ocorreu antes disso, deve ter assustado alguns patos e só. Além disso, nossa história documentada só vai até uns 5.500 anos atrás. Por isso, talvez tribos humanas de caçadores-coletores pode ter passado por algumas experiências loucas com aliens, mas não tinham como contá-las para as pessoas do futuro.

Possibilidade 2: a galáxia foi colonizada, mas nós moramos em uma área despovoada. As Américas podem ter sido colonizadas pelos europeus muito antes de qualquer um daquela pequena tribo Inuit ao norte do Canadá ter percebido o ocorrido. Pode haver um elemento de urbanização nas moradias estelares das espécies mais avançadas: todos os sistemas solares de uma certa área são colonizados e estão em comunicação, mas seria pouco prático e inútil pra qualquer um deles vir até o canto distante e aleatório em que vivemos.

Possibilidade 3: todo o conceito de colonização física é comicamente atrasado para uma espécie mais avançada. Uma Civilização Tipo II consegue usar toda a energia de sua estrela. Com toda essa energia, eles podem ter criado um ambiente perfeito para eles, satisfazendo todas as suas necessidades. Eles podem ter meios hiperavançados de reduzir a necessidade de recursos, e interesse zero em deixar sua utopia feliz para explorar um universo frio, vazio e pouco desenvolvido.

Uma civilização ainda mais avançada poderia ver todo o mundo físico como um lugar horrivelmente primitivo, tendo há muito dominado sua própria biologia e feito upload de seus cérebros para uma realidade virtual, um paraíso da vida eterna. Viver em um mundo físico de biologia, morte, desejos e necessidades pode soar para eles da mesma forma como nos soam as espécies primitivas vivendo no oceano escuro e gelado.

Possibilidade 4: há civilizações predatórias e assustadoras lá fora, e as formas de vida mais inteligentes sabem que não devem transmitir sinais e divulgar sua localização. Essa é uma ideia desagradável, mas que ajudaria explicar a falta de sinais recebidos pelos satélites SETI. Ela também significaria que, ao transmitir nossos sinais lá pra fora, estamos sendo novatos inocentes e descuidados. Há um debate envolvendo METI (Mensagem às Inteligências Extraterrestes na sigla em inglês; o inverso de SETI, que só escuta). Basicamente, deveríamos mesmo enviar mensagens para o universo? A maioria das pessoas diz que não.

Stephen Hawking adverte: “se aliens nos visitarem, o resultado pode ser parecido com a chegada de Colombo nas Américas, que não terminou bem para os nativos”. Mesmo Carl Sagan, que geralmente acredita que qualquer civilização avançada o bastante para viagens interestelares seria altruísta, não hostil, diz que a prática de METI é “profundamente imprudente e imatura“, e recomendou que “as crianças mais novas de um cosmo estranho e incerto deveriam ouvir em silêncio por um longo tempo, aprendendo pacientemente e tomando notas sobre o universo, antes de gritar para uma selva desconhecida que não conseguimos compreender”. Assustador.

Possibilidade 5: existe apenas uma única inteligência superior, uma civilização “superpredadora” (mais ou menos como os humanos aqui na Terra) que é muito mais avançada que todas as outras e mantém as coisas assim, exterminando qualquer civilização que ultrapasse um certo nível de inteligência. Isso seria um saco. Poderia funcionar se o extermínio de todas as inteligências emergentes fosse um desperdício de recursos, já que a maioria se mata sozinha. Mas, ultrapassado um certo ponto, esses super seres agiriam porque, para eles, uma espécie inteligente emergente se tornaria um vírus, conforme começasse a crescer e se expandir. Essa teoria sugere que a vitória é de quem foi o primeiro a alcançar a inteligência superior. Ninguém mais tem chance. Isso explicaria a falta de atividade lá fora, porque o número de civilizações superinteligentes seria 1.

Possibilidade 6: há muito barulho e atividade lá fora, mas nossas tecnologias são muito primitivas e nós estamos procurando pelas coisas erradas. É como entrar em um prédio de escritórios, ligar um walkie-talkie (que ninguém mais usa) e, ao não ouvir nada, concluir que o prédio está vazio. Ou talvez, como apontou Carl Sagan, pode ser que nossas mentes trabalhem exponencialmente mais rápido ou mais lentamente do que a de qualquer outra forma de vida lá fora. Ou seja, eles levam 12 anos pra dizer “oi” e, quando nós ouvimos essa comunicação, isso parece apenas ruído.

Possibilidade 7: civilizações mais avançadas sabem sobre nós e estão nos observando, mas se ocultam de nós (a “Hipótese do Zoológico”). Até onde sabemos, civilizações super inteligentes existem em uma galáxia controlada rigidamente, e nossa Terra é tratada como parte de um safári amplo e protegido, e planetas como o nosso estão sob uma estrita regra de “olhe, mas não toque”. Nós não estamos cientes deles porque, se uma espécie muito mais inteligente quisesse nos observar, ela saberia como fazer isso sem nos deixar saber. Talvez haja uma regra similar à “Primeira Diretriz” de Jornada nas Estrelas, que proíbe seres super inteligentes de fazerem qualquer contato aberto com espécies inferiores como a nossa, ou de se revelarem de qualquer forma, até que a espécie inferior alcance um certo nível de inteligência.

Possibilidade 8: civilizações superiores existem à nossa volta, mas somos primitivos demais para percebê-las. Michio Kaku resumiu isso assim:

Digamos que há um formigueiro no meio da floresta. Ao lado do formigueiro, estão construindo uma super autoestrada de dez faixas. E a questão é, “as formigas seriam capazes de entender o que é uma super autoestrada de dez faixas? Elas seriam capazes de entender a tecnologia e as intenções dos seres construindo a autoestrada a seu lado?”

Então não é que, usando nossa tecnologia, não sejamos capazes de receber os sinais do planeta X. É que nós não conseguimos sequer entender o que são os seres do planeta X, ou o que eles estão tentando fazer. É tão além de nós que mesmo se eles quisessem nos esclarecer, seria como tentar ensinar às formigas sobre a internet.

Seguindo essa linha, essa pode ser uma resposta para “se existem tantas exuberantes Civilizações Tipo III, por que ainda não entraram em contato conosco?”. Para responder isso, vamos nos perguntar: quando Pizarro chegou ao Peru, ele parou um tempo em um formigueiro e tentou se comunicar com ele? Ele foi magnânimo, tentando ajudar as formigas? Ele foi hostil e atrasou sua missão original só para esmagar e destruir o formigueiro? Ou, para Pizarro, o formigueiro era completa e absoluta e eternamente irrelevante? Essa pode ser a nossa situação nesse caso.

Possibilidade 9: nós estamos completamente enganados sobre nossa realidade. Há muitas maneiras pelas quais nós podemos estar totalmente iludidos em tudo que pensamos. O universo pode parecer ser de um jeito e ser de outro completamente diferente, como um holograma. Ou talvez nós sejamos os alienígenas e fomos plantados aqui como um experimento. Há até mesmo a chance de que sejamos parte de uma simulação de computador de algum pesquisador de outro mundo, e outras formas de vida simplesmente não foram programadas na simulação.

Conclusão

Conforme continuamos em nossa possivelmente inútil busca por inteligência extraterrestre, eu não tenho certeza o que queremos encontrar. Francamente, tanto faz saber se estamos oficialmente sozinhos no universo ou se estamos oficialmente na companhia de outros, ambas são opções assustadoras. É um tema recorrente em todos os enredos surreais acima: qualquer que seja a verdade, ela é de enlouquecer.

Além de seu chocante ingrediente de ficção científica, o Paradoxo de Fermi também me deixa profundamente humilde. Não só lembra que sou microscópico e minha existência dura uns três segundos, algo que me vem à cabeça sempre que penso sobre o universo. O Paradoxo de Fermi traz à tona uma humildade mais mordaz, mais pessoal, do tipo que só acontece depois de passar horas de pesquisa ouvindo os mais renomados cientistas de nossa espécie apresentando as teorias mais insanas, mudando de ideia e contradizendo um ao outro freneticamente. Ele nos faz lembrar que as futuras gerações olharão para nós da mesma forma que nós olhamos para os antigos, que tinham certeza que as estrelas estavam sob o domo do céu; no futuro, lembrarão de nós dizendo “uau, eles não tinham ideia nenhuma do que estava acontecendo”.

E ainda temos mais outro golpe à autoestima com todo esse assunto de Civilizações Tipos II e III. Aqui na Terra, nós somos os reis de nosso pequeno castelo, comandando os rumos do planeta mais do que qualquer outra espécie. Nessa bolha, sem competição e sem ninguém para nos julgar, é raro que sejamos confrontados com a ideia de sermos uma espécie inferior a qualquer outra. Mas não somos nem uma Civilização Tipo I!

Dito isso, toda essa discussão é maravilhosa para mim. Sim, tenho minha perspectiva de que a humanidade é uma órfã solitária em uma pequena rocha no meio de um universo solitário. Mas as hipóteses apontam que provavelmente não somos tão espertos como pensamos. Além disso, muito do que temos certeza pode estar errado. Tudo isso me deixa esperançoso em conhecer e descobrir mais, nem que seja um pouquinho, porque existem muito mais coisas do que nós temos consciência.

(Ver a secao de comentarios no Gizmodo)