Archive for the ‘genes’ Category

Mulher nasce sem a vagina, e apenas a Matrix/DNA explica a causa

sábado, agosto 19th, 2017

xxxx

Esta noticia chama atenção de quem conhece a formula da Matrix/DNA porque imediatamente nos vem a pergunta: qual a causa desta anomalia? Vide noticia com link abaixo: Mulher nasce sem a vagina e fala sobre sua rara condição”. E basta lembrar da formula que a resposta vem imediatamente: os genes que executam a Função 7 da formula não funcionaram. E basta um pouco de trabalho laboratorial para saber como ativar estes genes e deixar a Natureza trabalhar normalmente, sem dor e custos elevados, que os órgãos reprodutores vão se formarem. Mas estamos com um grande problema no mundo humano devido o domínio dos grandes predadores puxarem sempre a brasa para sua sardinha ate’ quando se deparam com um fenômeno natural que não entendem e logo procuram uma interpretação que seja conveniente a manutenção de suas crenças como ser privilegiado por seu Deus que ao mesmo tempo mantenha o condicionamento mental das presas em seu domínio. Assim não lhes e’ conveniente perguntar a causa da anomalia ( e’ coisa de Deus ou do acaso) e correm a procurar maneiras de faturarem alto em cima do problema com essa medicina que apenas intervem depois da doença instalada. Enquanto perdurar essa cultura milenar que interpreta a natureza toda de maneira errada eu vou morrer gritando porque qualquer outra atitude para mudar isso que não passe pela mudança mental sera inútil. Por isso entro nestes comentários como fiz neste magazine da noticia mesmo que nada entendam do que estamos falando…

Conheça o raro caso desta mulher que nasceu sem vagina

http://hypescience.com/mulher-que-nasceu-sem-vagina-fala-sobre-sua-rara-condicao/

E a noticia original em ingles:

Woman Born Without a Vagina Speaks Out About Rare Condition

https://www.livescience.com/60162-born-without-vagina-mrkh-syndrome.html

Meu comentario postado na Livescience:

Louis Charles Morelli · 8/19/2017
Lots of money spent with painful surgery, when, in the future, this will be solved naturally, with some drugs or lasers that stimulates the responsible genes to finishing their work. But, why we are not doing it now? Wrong world view driving Science, which turn us blind to what is Nature. It is missing to Science to learn seeing a body as a natural system, an evolutionary product from monkeys, bacteria, galaxies, atoms… till its origins at the Big Bang. As discovered by Matrix/DNA Theory, there is a unique universal formula appied by Nature for organizing matter into systems, and the formula shows what could happen in the wrong way for these genes not working. Look to the formula at my website: the female reproductor organs are the function F1, which is porduced by F7, so, the problem is with the genes performing F7. Sad that still has too manny people suffering due a wrong world view guiding Science.
xxxxx
E a formula da Matrix/DNA para ver o que acontece se a Funcao F7 nao funcionar:
E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

 

 

O Código Genético Existe? A definição acadêmica de código genético esta errada?

quarta-feira, agosto 16th, 2017

xxxx

Eu pensava que o nome “código genético” se referia `as informações ou características produzidas pelos genes nos organismos. Mas não e’. Definição de código genético e’:

Código genético é a relação entre a sequência de bases no DNA e a sequência correspondente de aminoácidos, na proteína. Ou seja, refere-se apenas ao jeito que as bases do DNA fazem os RNA’s mensageiro para que estes vao ao ribossomo fazer proteínas.

Então aquilo que eu costumava dizer – “não existe código genético” não se diz mais.

Mas… o uso do nome “codigo genetico” para fazer o que ele faz segundo a definicao academica, parece estar errado. Tendo em vista o que os codigos de 3 letras fazem, deveria chamar-se “codigo proteico”, ou outra coisa qualquer. 

Ainda acho que o erro esta na definição e não no que eu pensei. Pois dizer código genético, o genético tem que referir-se a genes. E não estou vendo genes entrar nesta historia, neste processo de formação de aminoacidos e proteínas. Na definição do Wikipedia mesmo diz que entram 64 bases para fazer os 20 aminoacidos, e 64 bases, mesmos os seus nucleotídeos, não formam nenhum gene, estes precisam de muito mais.

Preciso debater isto com algum biólogo.

Mas porque eu tinha pensado que não existe código genético? Foi quando a formula da Matrix/DNA se encaixou perfeitamente sobre o conjunto formado por 4 nucleotídeos juntos, sendo uma sequencia de dois numa haste, multiplicado por dois porque entra os dois nucleotídeos paralelos da outra haste. Isto queria – ou quer dizer  se a teoria estiver certa – que a unidade de informação do DNA ‘e este conjunto de 4 nucleotídeos e que cada  conjunto deste, ou seja, cada unidade de informação e’ um sistema completo e funcional, no mesmo modelo da formula da Matriz/DNA.

Mas se assim for, não haveria a grande variação de códigos para formar os genes. Entao a solucao mais razoavel e’ que nao deve existir duas unidades de informacao iguais, que cada unidade ‘e uma copia da formula, do sistema inicial, mas contendo alguma minima diferenciacao interna. Por isso pensei que o codigo genetico – enquanto o conjunto de informacoes para as caracteristicas do organismo – nao existe como codigo, mas sim apenas como uma pilha de um sistema, cada um diferente de todos os demais. Esta diferenciacao dentro dos sistemas resultaria na grande variacao de informacoes.

Mas apenas agora percebo que quando a escola diz ” codigo genetico” esta se referindo apenas `a producao das diferentes proteinas.

Fica agora uma questao: porque o conjunto de 4 nucleotideos formando um sistema, qual a funcao de um sistema. Bem, e’ possivel que tenha funcao na formacao dos genes, e nao das proteinas.

Porque o RNA precisa de 3 bases para formar um codon (cau, gct) o qual produz um aminoacido? ( Mas e’ aminoacido ou proteina? Espera ai: cada codon produz um aminacido, e para produzir uma proteina e’ preciso muitos dos 20 aminoacidos, entao, como diz na Wikipedia, para formar uma proteina de 200 aminoacidos, entram 600 bases, ou 200 codons.

O motivo do porque o RNA precisa de 3 bases para formar um codon esta visível na formula: o RNA representa um lado da face da formula, num lado tem 3 partes ou Fs. Entao o RNA nao contem F1, mas contem F4, ficando a face esquerda = F2,F3,F4 – e a face direita nao tem o F4 mas tem o F1, ficando F6,F7 e F1.

Devo continuar a pensar nisso, pesquisar genes para ver como as unidades sistemicas os produzem, etc.

 

Como e porque humanos conceituam a beleza da face e qual o segredo destas faces? Ver Video.

sábado, março 11th, 2017

xxxx

Jill Helms faz uma palestra sobre as diferenças entre faces bonitas e com defeitos. Porem devido seu pouco conhecimento ela não desce `a profundidade requerida para se entender o fenômeno em sua totalidade. Apenas o conhecimento da cosmovisão da Matrix/DNA nos revela informações sobre o tema jamais imaginadas antes. Então leia meus dois comentários copiados abaixo que foram postados no vídeo do Youtube e no meu Facebook, depois veja abaixo uma interessante descoberta baseada na formula da Matrix/DNA e depois clique no link para assistir a palestra Procure as legendas e transcript do texto em português no TED)

https://www.youtube.com/watch?v=qIDuFyXjcA0&index=6&list=PLsRNoUx8w3rPvhx_lImJfT7aiQ5tEbxoj

Reconsidering beauty | Jill Helms | TEDxStanford

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – Mar/3/11/2017

Why the genes has wired us to determine which are beautiful faces? Because it is their goal to rewards health ovules and spermatozoons. They wish the best environment for doing their job.

Beautiful faces has exactly symmetry and balance because its DNA has the same symmetry and balance. Symmetry is produced by the systemic function number 5 of Matrix/DNA universal formula for systems. Any natural system begins to be built from the bottom running to the left. Then the left face is reproduced as the right face by F5. At the RNA-world was the uracil base doing this function and it copied a strand of RNA as the right strand, creating the DNA. From here, the genes build animals faces once time entirely, but repeats the copied result of one’s DNA.
So, the golden ratio is anything else than the active act of the reproductive systemic function and measuring its point at the formula we get 1,618… the phi number.
So, the environmental/nutritional conditions inside the ovule at the moment of fecundation determines the symmetry and the balance of DNA which will be repeated at face’s formation.
A non-health ovule’s environment produces diseases and since the face is a kind of mirror of the DNA, the face will show the disease. And remember: perturbations at ovule’s environment mimics the perturbations of the external environment. That’s why rich and evolved people usually has more beautiful faces than poor people at poor regions. (If you are interested in this issue and want to see the systemic formula and understanding this issue, see the formula at my website and its explanations.)
xxxxxx
Facebook de Mar/03-12-2017
Louis Charles Morelli 

Em que estou a pensar agora? Na minha fantastica descoberta desta semana.

Os humanos criaram um preconceito baseado numa abstração da imaginação que diz: ” Existem faces bonitas e faces feias”. Este preconceito e’ muito influente na vida toda das pessoas, praticamente o principal determinador da sociedade humana para qual qualidade de vida o individuo terá. Um absurdo irracional?

Não sei se os outros animais, como cachorros e macacos, também possuem este preconceito entre eles e se criaram algum valor para determinar o que e’ face bonita ou feia. Mas assim como para nos humanos não existe diferença de faces entre macacos e todos nos parecem feios, assim também alguma inteligencia superior extraterrestre com outro tipo de corpo, com certeza nos vera’ a todos como tendo faces iguais e sendo feios.

Nesta semana assisti um vídeo do TED-Talk com uma palestra sobre este tema ( o link esta no meu artigo). A autora apresenta curiosos detalhes e informações inclusive históricos que nunca havíamos pensado. Mas como ela não conhece a base deste mundo e quem constrói faces – a formula da Matrix/DNA – ela trata o tema com seu conhecimento supérfluo e passando valores errados. No meu website nesta semana escrevi um artigo lidando com o assunto mais profundamente e descobrindo coisas que eu nunca havia pensado antes.

Porque a natureza produz faces ditas “bonitas”, onde as partes são bem balanceadas com tamanhos bem encaixados e as duas meias-faces apresentam perfeita simetria, enquanto produz outras faces – a maioria – sem estas perfeições?

A resposta esta nas diferenças do trabalho realizado pelo DNA com seus genes. Tudo e’ determinado a partir do momento que um espermatozoide alcança o centro de um ovulo e depois nos nove meses seguintes. A qualidade dos ambientes interiores do ovulo e da bolsa embrionaria mais o estado evolutivo dos genes herdados dos genitores determinam o modelo da face a ser construída.

Então, pessoas que vivem na pobreza, com um ambiente externo cheio de obstáculos, perturbações, e muita escassez de nutrimentos e acomodação do organismo, tem estas situações projetadas para dentro do ovulo e saco embrionário. Pessoas mais afortunadas que nascem em berços ricos e ambiente externo pacifico, controlado pelos humanos, com boa nutrição, projetam isto para o interior e processamento da gestação. Para ver isto basta comparar o físico de alemães com indígenas nativos, ou o povo desafortunado de Bangladesh.

O que me deixa atônito e’ como estes conhecimentos tao básicos não são a base de áreas como psicossociologia, economia,etc. A suprema missão do ser humano seria lutar para melhorar a qualidade de vida e manter a evolução mental da humanidade. Senão, para que fazer filhos e deixar novas gerações? E um dos mais urgentes assuntos a resolver e’ a pobreza que afeta a maioria dos humanos, a qual dentre outras mazelas, produz os organismos imperfeitos.

Existe detalhes mais profundos a conhecer neste assunto das faces, para entende-lo na sua totalidade. Como este que citei no artigo:

A simetria ou assimetria são a primeira causa do que aos nossos olhos parece bonito ou feio. Uma face ‘e dividida ao meio exato vertical, com a linha fronteiriça passando desde a testa, para o meio dos olhos, das duas narinas, da boca, do queixo, das mãos e pernas. Se ano existisse esta forca natural e seu mecanismo especifico denominado simetria, nada impediria que organismos tivessem um, três, ou cinco olhos, mãos, narizes, etc. Queríamos ter mais mãos, varias bocas – uma para comer ao mesmo tempo que outra para beber, outra para falar, etc. Mas a simetria impede que nossos esforços se realizam na forma física.

O fenômeno da simetria vem sendo observado e estudado desde a Grécia antiga, onde os filósofos descobriram a “golden ratio”, ou a razão dourada, ou ainda a geometria sagrada. E a representaram matematicamente com um numero, 1,618,… chamado numero “phi” porque mediram esta simetria nas espirais das plantas, flores e outros fenômenos naturais, como os lábios humanos, e sempre resulta no mesmo numero. Então se acredita num desenho supernatural inteligente.

Mas com a formula da Matrix/DNA eu descobri de onde vem este mecanismo e porque este numero. Esta explicado no artigo do meu website e na formula. Os DNA’s masculino e feminino são divididos ao meio vertical e repetem o que aconteceu nas origens da vida, no RNA-world – quando uma haste de RNA tem seu circuito energético continuado nas pontas para repetir a figura e propriedades da haste ou face esquerda na forma da haste ou face direita. Porem, este conhecimento imediatamente nos leva a perceber como é importante o estado ou qualidade do ambiente interno do organismo produzido pelo ambiente externo nos meses da gestação. E assim surgem as sugestões do que devemos fazer para na humanidade todos as pessoas nasçam com um organismo mais perfeito. E isso é de uma importância imensurável..

Veja na formula na formula da Matrix/DNA o que é o principio da simetria:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

A função dos sistemas responsável pelo fenômeno da simetria é a função numero 5 – a função da reprodução do sistema ( funções sistêmicas são diferentes forças naturais que surgiram das sete frequências/vibrações das ondas de luz, mas isto é uma outra historia mais complicada. Costumo pensar que funções são os obreiros construtores universais). Esta função se materializa nos sistemas criando um corpo físico para se expressar, de acordo com o tipo de sistema, os materiais disponíveis, o meio ambiente, etc. Então para atuar nos sistemas astronômicos ela produziu os cometas, nos sistemas vivos ela produziu o espermatozoide ou pólen, na genética ela produziu a base nitrogenada chamada uracila, no sistema celular ela produziu os tipos de RNA que se movem dentro da célula.

Todos os sistemas naturais são evoluções de sistemas anteriores. Os novos sistemas surgem com mais complexidade e novas formas. Existem dois métodos aplicados pela Natureza para produzir sistemas. O primeiro e’ feito criando inicialmente um tipo de corpo e em seguida aplicando nele a força do ciclo vital, a qual o transforma em varias formas com diferentes funções. Depois por simbiose a Natureza conecta estas diferentes formas sempre seguindo a sequencia do ciclo vital, e as formas se tornam as partes do sistema. Depois de assim gerado uma nova forma do sistema universal, a Natureza aplica o segundo método, que e’ simplesmente a auto-reprodução do original.

Então vejamos como foi montado o sistema DNA a partir da entropia do sistema astronomico que criou o DNA. Primeiro surge a forma de um corpo biológico que sera o núcleo do DNA. Esta foi a molécula atrelada na haste, que chamamos de açúcar desoxirribose. Em seguida o principio vital transformou ou produziu esta molécula em outras formas consecutivas, e assim surgiram as 5 bases nitrogenadas. Agora precisava conectar todas estas formas num só sistema. Então a conexão começa com um circuito de energia/informação a partir do corpo inicial, que na formula e’ F1. O circuito vai subindo no sentido horário `a esquerda, captando F2, F3 e F4. Aqui o circuito se bifurca em duas metades: uma vai continuar a forma esférica para gerar a maturidade e envelhecimento, a outra vai retornar a F! como energia crescente para realimentar F1 e produzir novo ciclo apos a morte da parte esférica. Isto é reprodução do sistema.

Então notamos que primeiro a Natureza produziu a meia-face esquerda do DNA, com uma so haste, três moléculas penduradas nela, o que se chamou RNA. Em seguida a F5 toma a meia-face esquerda como modelo e a repete como a meia-face direita. Assim a direita sera simétrica `a primeira.

Claro, existem outras coisas a considerar aqui, por exemplo, a diferença de que na meia-face esquerda a energia do sistema esta crescendo até atingir o pico em F4 e a partir dai começa a entropia do sistema e a meia-face direita terá a energia em queda, o que produz a degeneração e envelhecimento do sistema. O nosso cérebro é outro bom exemplo, e esta descoberta nos leva a entender porque estamos usando mais o hemisfério esquerdo e porque o hemisfério direito tem propriedades tao estranhas ao nosso raciocínio logico.

Mas a formação da face humana pelos genes já ocorre pelo segundo método, onde uma figura intermediaria entre os modelos de faces do pai e da mãe é gerada e reproduzida por inteiro. E não são os genes que determinam o modelo, mas sim a identidade de sistemas, no caso, o sistema DNA. E como fora do organismo, existe a biosfera, a qual contem o DNA vindo do sistema astronomico e dividido em fótons solares e terrestres, existe uma relacao de conflito no processo da gestação humana, entre o DNA humano que procura o estado harmônico da ordem e o DNA astronomico que aqui chega no estado de caos. Depende do estado evolutivo e saúde do DNA humano, se ele vai se impor ao DNA cósmico ao modelar a face ou se ele ainda esta’ fraco e o DNA cósmico vai dominar o processo. Assim surge a face bonita ou a face imperfeita.

Mas tudo o que eu digo aqui nada mais a forma como estou interpretando a formula. Outras mentes com diferentes experiencias podem descobrir detalhes mais importantes na formula. Por enquanto apenas escrevo minhas teorias… e não sou nada petante a Verdade, com este meu cérebro débil e super-limitado para conhecer a Verdade. Como eu ano acredito sem fazer os testes experimentais científicos, não acredite no que minha interpretação esta sugerindo. Você vale mais para minha missão se tiver sua mente aberta e independente para me ajudar a progredir mentalmente. Que a força física da Matrix perfeita e a sabedoria da consciência universal esteja contigo…

Genes Salteadores Liquidam Óvulos e Diminuem a Fertilidade

domingo, dezembro 25th, 2016

xxxx

Este artigo exprime um processo natural importante além de trazer novas importantes informações, tais como transposons, os genes salteadores. A cópia de um segmento do DNA pode ser comparada a uma pilha de folhas de um livro que inserimos numa maquina copiadora. A máquina tem que produzir as cópias na sequência certa para que se possa ler e entender o material. Se a maquina nao tiver este controle, folhas podem saltar de uma posição para outra, tornando quase impossível ler o material. isto e’ o que fazem os genes salteadores, pulando para diferentes posicoes e atrapalhando a reprodução do DNA, células e ate’ a reproducao de seres vivos que podem nascerem defeituosos.

Estes genes sao responsáveis pela liquidação de grande parte dos óvulos produzidos no nascer da fêmea. Se eles aumentarem muito e atuarem livremente, a femea pode ficar esteril. Porém, por outro lado, grande quantidade de óvulos aumenta a possibilidade de ovulos defeituosos serem escolhidos numa reproducao, rsultando em seres defeituosos. Os genes salteadores eliminam muitos destes ovulos defeituosos. Então, suspeita-se que eles na verdade seriam uma bênção dissimulada.

Observando o processo pela ótica da fórmula da Matrix/DNA, parece-me que tudo isso ocorre devido ao decaimento pela entropia na face esquerda da matrix.

Copio o artigo para traduzi-lo quando tempo tiver.

 

Fertility: Sacrificing eggs for the greater good

http://medicalxpress.com/news/2014-05-fertility-sacrificing-eggs-greater-good.html

Medical Press – May 29, 2014

A woman’s supply of eggs is a precious commodity because only a few hundred mature eggs can be produced throughout her lifetime and each must be as free as possible from genetic damage. Part of egg production involves a winnowing of the egg supply during fetal development, childhood and into adulthood down from a large starting pool. New research by Carnegie’s Alex Bortvin and postdoctoral fellow Safia Malki have gained new insights into the earliest stages of egg selection, which may have broad implications for women’s health and fertility. The work is reported in the early on-line edition of Developmental Cell.

Bortvin’s team discovered that the fetal egg die-off is connected to segments of the egg’s DNA known as transposable elements or “jumping genes.” As developing eggs gain the ability to guide embryo development, transposons gain the ability to start moving. These ancient virus-like genes begin to leapfrog around the egg’s DNA, thereby producing new mutations, just as transposon movement causes color mutations in ears of corn. A transposable element named LINE1 is the most likely to become activated in mammalian eggs.

Jumping genes can be particularly destructive in sperm and eggs, since much of their is an essential part of the recipe for developing a healthy baby. Think of the genome of an egg or sperm as a stack of papers being photocopied. In order to be read and understood, they have to come out of the copier in the same order they went into it. But jumping genes are like pages that insert themselves at random into the stack, making the reading process difficult or even impossible.

Prior studies by Bortvin and others showed that male germ cells quash the movement of transposons, minimizing mutations and ensuring high levels of sperm production. In contrast, Bortvin and Malki discovered that female mice allow transposon movement to take place, but then get rid off immature eggs harboring the highest number of mutations before the female mouse is even born. The team proposes that this purging process allows for the selective survival of immature eggs whose genetic material has acquired relatively few new mutations.

Bortvin’s group also discovered that the process of immature egg purging must be finely balanced. Overly stringent surveillance could result in excessive egg purging, too few surviving eggs, and premature loss of fertility. Surveillance that is not stringent enough, on the other hand, would allow eggs with a lot of jumping gene-related errors to survive, and lead to a high level of birth defects, such as those caused by an incorrect number of chromosomes in the offspring.

“Our findings suggest that the ovary of a newborn girl already contains both ‘good’ eggs and those destined to give rise to Down syndrome or miscarriages,” Bortvin said. “Further study may show that these ‘good’ cells are ovulated first and the abnormal ones usually come later.”

Importantly, Bortvin and Malki discovered that a drug AZT, which inhibits multiplication of AIDS-causing HIV virus in humans, also alters jumping gene activity in immature eggs. In particular, it is effective against LINE1 transposons. This discovery raises the possibility that the number and quality of immature eggs might be enhanced by drug treatment.

Finally, Bortvin and Malki’s work raises the question of whether this immature egg purge is actually a blessing in disguise. Despite their destructive power, are also the source of serendipitous genetic novelty that can make species stronger and better suited for survival over time. By allowing just the right amount of beneficial -generated genetic variation, female mammals are giving their offspring and species the best chance of thriving in an uncertain, dangerous world

Superposicao Quantica Desdobra-se nas Fases do Ciclo Vital?

terça-feira, outubro 18th, 2016

xxxx

O ultimo artigo aqui – sobre maos humanas  fala em superposicao de genes evoluindo para a separacao dos genes em ordem cronologica como no ciclo vital. Ha muito venho suspeitando que a superposicao quantica seria todas as diferentes formas de um corpo acontecendo  num so momento sob a perspectiva humana do tempo microscopico. Expliquei a incerteza de Heisenberg com essa teoria. E agora surge a possibilidade de que a enorme bagnca de formas monstriuisas nas origens da vida foi devido a superposicao de fotons, a qual foi repetida inicialmente pelos genes…..

Preciso desenvolver esta tese.

O Maior Segredo da Vida: O Que e’ o Comando de Instruções do DNA ?!

terça-feira, outubro 11th, 2016

Artigo em constricao, faltandocorrigir a ortografia

Esqueça a equipe de engenheiros da NASA, a equipe dos agentes da inteligencia da CIA, e a equipe que constrói os aviões gigantes da Boeing. Pois a equipe que constrói o engenho mais complexo conhecido deste Universo – o Corpo Humano – é outra, também quase desconhecida ainda: a equipe dos GENES. Mil vezes mais gênios que os maiores gênios humanos. Basta pensar no cérebro humano e na sua auto-consciência.

Mas os genes são os trabalhadores, os operários. São os que arregaçam as mangas e poe as mãos na massa, executando um projeto. E toda equipe de operadores funcionam sob um comando central. Então aqui esta o maior mistério. O que, ou quem, comanda as instruções aos genes no DNA?!

Seria absurdo crer que os genes atuam por conta própria, sem um comando. Seria demonstrar total ignorância do que o grupo dos genes, a equipe genética, produz, e como funcionam. Na verdade, genes são pacotinhos de nucleotídeos, os quais, são pacotinhos de átomos. No fim tudo se resume a um montículo de átomos, como é um punhado de terra, ou uma pedra. Mas quando este montículo de átomos especial inicia a se mover e atuar na matéria circundante tambem feita de átomos, revela-se a orquestra mais afinada do Universo. Quem, ou o que é o Maestro desta orquestra?! De onde veio, como surgiu num planeta a 3,5 bilhões de anos atras quando sua superfície era apenas rochas, areia e água? Um planeta totalmente pelado, árido, ora sob o gelo, ora sob o calor tórrido do magma interno que aflorava `a superficie? O que fez com que estes átomos – que so’ sabiam se combinarem na forma de terra, água e quando muito, vento e gazes – de repente passassem a se combinar de uma forma nunca experimentada antes, iniciando o mais espetacular fenômeno de todos os tempos – a VIDA?! O QUE FOI, DE ONDE VEIO, A FORÇA NATURAL QUE MOVEU E DIRIGIU ESTES ÁTOMOS?!

E’ absurdo crer que uma mera sucessão de movimentos ao acaso, através de trilhões de eventos acidentais, culminou com a cena que vemos hoje: um corpo feito apenas de átomos, de extraordinária engenharia – o corpo humano, seu cérebro, sua consciência. Da mesma maneira que é absurdo crer que uma inteligencia alienígena tivesse por tecnologia ou magica gerado um baby humano para deixa-lo abandonado num mundo sem inteligencia e segurança alguma, num berço numa cabana e ser devorado por uma serpente, como tem acontecido. Então continua o supremo mistério: qual a força que atuou sobre aqueles átomos a 3,5 bilhões de anos atras e continua atuando ate hoje, já que, sabemos, a evolução não foi interrompida? E o que era esta força, capaz de inventar a obra mais espetacular de todos os tempos nestas regiões do Universo?!

E’ absurdo acreditar que um montículo de átomos denominado de “gene” fique inativo, adormecido, por 16 anos, e quando chega exatamente nos 16 anos e 31 dias, as 4 horas da tarde, acorda, começa a se mover, começa a manipular outros átomos a sua volta, desloca-se de lugar, e vai exatamente encima de um ponto especifico, na face de um jovem humano macho e depois de alguns dias produz algo que nunca existiu naquela face: barba e bigode. Na NASA tem um montículo de engenheiros que ficam inativos por 3 anos, mas quando chega aos 3 anos e 27 dias, a equipe se dirige `a area onde esta’ sendo construído um satélite espacial, movem-se para dentro da cabina, e num lugar especifico constroem ou instalam a caixa preta. Outra equipe acorda depois e vem dar a pintura final na maquina. Mas seria impossível eles estarem tanto tempo fazendo outras coisas em outros lugares e sem aviso de lugar algum, de comando algum, chegarem exatamente no momento certo, e saberem fazer o que deve ser feito. E’ obvio que os genes estão sob um comando de instruções invisível, ao menos aos olhos humanos. Mas o que é este “comando”?! Como ele surgiu? Como ele veio parar aqui?!

Sera’ que este comando existe internamente aos genes? Ou sera’ que ele existe fora dos genes? Assim, de repente, me vem uma situação que pode responder esta questão.

Tanto no embrião humano masculino como feminino, deve existir o gene para barba e bigode. Mas no corpo feminino, quando chega os 16 anos, este gene não acorda, e não vai acordar nunca. Em palavras mais técnicas, o gene não se expressa. Porem no corpo masculino ele acorda aos 16 anos e faz o diabo! Como pode dois genes iguais agirem de forma tao diferente? Penso que isto so pode ser explicado se pensar-mos que o comando de instrução para acordar não esta’ dentro dos dois genes, mas sim fora deles. Então o comando de instruções é algo existente fora dos genes. os genes não atuam sozinhos por conta própria. Não é uma banda de rock, sem maestro. Pertencem a uma incrível e gigantesca orquestra. A qual deve ter um MAESTRO.

Raios, raios e mais raios…. pelo amor de Deus, alguém me mostre este MAESTRO, senão vou morrer como o cara mais frustrado deste planeta. Este mistério me pintou no cérebro na primeira aula de biologia ainda criança e desde então tem me perseguiu ate os 35 anos de idade, 24 horas por dia. Foi quando suspeitei que descobri o MAESTRO. Desenhei um retrato falado da face dele, segundo o resultado das minhas investigações. E depois  dos 35 minha vida foi dedicada a buscar dia e noite na Natureza o suspeito cuja face se encaixe no retrato. Não o encontrei, porem depois de milhares de evidencias e tantos acertos de predição, mais me convenço que o retrato corresponde a um sujeito real.

E o SUJEITO neste caso é o Comando de Instruções da Vida!

Para reforçar o conceito espetacular do que e’ este comando de Instruções – doravante aqui resumido a sigla CI – vamos recorrer a analogia com uma historia que todos conhecemos.

Existe um individuo cuja função na vida é construir prédios para si próprio, para aluga-los, na forma de apartamentos, escritórios, garagens e lojas. Então este individuo – que se chama John – esgotou o estoque de todos os terrenos vazios ou com prédios velhos para demolir da sua cidade, tornou-se muito rico dono de uma grande construtora. Num belo dia John vai a cidade vizinha – digamos que se chama Kearny – vê um terreno vazio e compra-o. Neste momento, ele se assemelha ao Comando de Instruções – CI – que inteira-se da existência de um ovulo num corpo humano e decide que ali fara’ mais uma obra ( não preciso dizer que o corpo é feminino, pois não?).

John observa o terreno, pega o celular e começa a distribuir instruções, chamando as equipes que serão contratadas, cada qual especializada em fazer um detalhe da obra. E no dia seguinte começam a chegar os veículos trazendo os operários. Isto se assemelha `a chegada dos cromossomas, trazendo os genomas masculino e feminino. Começa a obra e dai para a frente… sabemos qual vai ser o resultado. O John tera’ mais um prédio, e o CI tera’ mais um baby humano.

Eu fui a Kearny observar o comportamento do John desde o inicio em que ele la chegou, mas ao invés de John, eu esforçava minha mente para a todo momento pensar que John era o CI dos genes. Então vi o John no meio da obra a distribuir dinheiro, cheques, para todas as equipes contratadas. Assim John fornecia a “energia” aos trabalhadores para que estes se movessem e trabalhassem. O dinheiro do John era a energia, a mola propulsora. Isto sugeria que o CI fornece energia aos genes. Esta energia vinda do CI seria o que os bioquímicos denominam de “sinais” que percorrem as reações dentro de uma célula, ou entre células. Os sinais são os papeis com desenhos arquitetônicos para cada equipe executar.

Então sera o CI que fornece a energia que faz o montículo de átomos denominado de gene, que estava adormecido, a começar a mover-se?! Sim pois se o gene não atua antes da hora que e’ acionado, se ele estava inerte, é porque não tinha a energia, o combustível, para estar se movendo.

E então. ali na obra do John, me lembrei da visão do mundo que a natureza virgem da Amazônia me contou ser a real. Nesta visão do mundo, nas origens do Universo, e como resultado do Big Bang, ondas de luz natural, contendo em si o código para construção de sistemas naturais, ou em outras palavras, o código da vida, se expandiram infiltrando-se na substancia do espaço, que era uma matéria escura, inerte. Quando as ondas avançavam causavam atritos com esta substancia, e deste atrito, desta friccao, surgia a energia na forma de eletricidade. A qual trouxe a dinâmica dos movimentos ao cósmico espaço inerte. Se isto for a verdade – e não sei ainda se é ou não a verdade – quem fornece energia é a… LUZ. E isto nos leva imediatamente a uma fantastica suspeita: O CI é uma entidade feita de… LUZ. Ou talvez seja a luz que esta’ embutida em toda eletricidade.

Isto beira a metafisica, e não gosto quando a minha investigação começa a me jogar para a metafisica. Resisto, esperneio, não entro nela e volto correndo para meu mundinho materialista. Porque os problemas de meus irmãos humanos que sonho em resolver, so podem serem resolvidos com soluções praticas materialistas. Mas a dimensão da LUZ sera’ metafisica ou sera’ que nosso pobre e limitado cérebro não possui ainda os sensores para lidar com ela como lidamos com os outros aspectos materiais? Hein? E se não temos sensores naturais cerebrais para determinada dimensão, não podemos construir os instrumentos científicos para processar esta dimensão, pois até agora so’ construímos equipamentos científicos que são extensões tecnológicas dos nossos sensores naturais. Ou quando muito, sensores de outras criaturas, como as antenas dos insetos. Então continua livre a possibilidade de que a luz seja algo muito mais complexo do que sabemos até agora.

Esta suspeita de que o CI seja algo relacionado diretamente com a luz, ou indiretamente, se ele estiver relacionado com a energia que contem em si e como sua fonte, a luz, aumentou quando me lembrei que em outra parte da visão do mundo obtida na selva, os átomos terrestres começaram a se organizar organicamente devido terem seus elétrons penetrados por fótons vindos de três fontes: do Sol, do núcleo terrestre e do cosmos. O que pode ser resumido em duas fontes se a radiação cósmica que alcança a Terra seja meramente energia de outras estrelas. E fótons nada mais são que… as partículas da luz. Assim o CI agora começava a receber o mesmo tratamento que teve o elo entre os vivos e os não-vivos, em outra parte da minha investigação: começou a ser retratado no papel, tendo sua face desenhada, de acordo com as descrições das testemunhas e das evidencias. E neste retrato o CI começava a se apresentar como sendo uma network, uma rede sistêmica de fótons. Existente dentro do DNA. mas por mais uma destas incríveis coincidências – ou talvez não sejam meras coincidências – o retrato final desta red de fótons não apenas era a formula da Matrix/DNA, mas também era surpreendentemente ao desenho que os antigos orientais fizeram da “aura”! Como a formula é o building block básico do DNA – quando ela forma os pares laterais de nucleotídeos – a formula é igual a uma secção do DNA, e o que aparecia neste retrato como as duas hastes laterais, correspondia ao desenho das duas serpentes de kundaline na aura, enquanto as moléculas de bases nitrogenadas entre as duas hastes representavam os chacras que estão entre as duas serpentes enroladas em espiral! Sei que a aura é uma hipótese e nada aceita ni mundo e cultura ocidental. E não faz sentido que antigos primitivos tivessem alguma capacidade mental para ver o que não vemos. Mas também o mecanismo dessa capacidade em cérebros primitivos e consciência ainda límpida da cultura, já foi explicado em outra tese da Matrix/DNA. Eu presenciei eventos semelhantes com os nativos da Amazônia. O fato é que uma imagem que um método extremamente materialista e racionalista de investigação ( anatomia comparada) apontou como existente ( a network de fótons, a formula da Matrix/DNA), é exatamente a imagem “visionaria” descrita pelos orientais. Se isto corresponder `a verdade – e ainda não foi comprovado, porem muitas evidencias apontam nesta direcao – o DNA tem uma… ” aura”! Invisível a nos e nossos instrumentos científicos porque feita de partículas de luz separadas entre si em longas distancias microscópicas. E esta “aura” seria o Comando de Instruções…

Nada mais logico! Enquanto um feto humano esta sendo construído, o CI que comanda a operação ( mesmo que ele seja apenas o DNA molecular como querem os biólogos modernos), veio dos pais do novo ser. Ora, quem gerou os seres vivos na superfície deste planeta foi esta galaxia. Ela foi a mãe, o pai ( já que ela é hermafrodita, como podemos ver no seu modelo feito pela Matrix/DNA) dos seres vivos, os quais possuem o DNA, o comando de instruções. E em outra parte descobrimos que o building block desta galaxia foi miniaturizado e transmitido para os seres vivos na forma de building block do DNA assentado numa network de fótons que esta’ vindo de astros desta galaxia. Nada mais logico.

E o sistema que estes fótons apresentam eu já o tenho desenhado. E’a formula da Matrix/DNA. Ela existe no DNA, mas é a mesma comandante que construiu as galaxias e, mais, pelo mesmo processo genético! Nada mais logico.

Neste momento novamente meus cálculos querem me empurrar para o reino da metafisica. Sinto um arrepio come se tivesse tocando os pês de uma divindade. Pois essa Matrix parece-me transcender este Universo. E esperneio para voltar correndo e por os pês no chão.

E voltando ao solo firme, me lembro que a questão sendo tratada é: quem, ou que é, o CI da Vida? Bem… me parece que ele é uma especie de John, invisível a nos porque nossa visão e percepção apenas percebe uma limitada faixa de uma onda de luz.

Penso que, nesta altura dos acontecimentos, os biólogos devem estarem rindo a valer da leiguice deste leigo. Eu estudei administração de empresas e filosofia na escola, minha biologia escolar é primaria, e obtida a 40 anos atras, então sou leigo em biologia, em embriogênese. Mas o desespero para saber a resposta a esta questão suprema me fez um aguerrido auto-didata, usando o máximo do pouco tempo livre para estudar lendo todas as outras areas das ciências exatas e humanas. Nunca testei meus conhecimentos perante biólogos, como não o fiz com físicos da quântica, com os bioquímicos das reações moleculares orgânicas. Portanto não sei se cometi algum erro infantil na exposição acima ou ate mesmo se errei tudo. Mas talvez não errei tanto. Talvez os biólogos acham que tem erros porque eu não me expresso no linguajar técnico deles e talvez principalmente porque minha mestra principal – a selva amazônica – me ensinou uma visão de mundo totalmente diferente. Se esta visão de mundo esta totalmente errada na visão de mundo dos biólogos modernos, eles terão que mostrarem os erros com fatos, e não com teorias, pois ai seria teoria contra teoria, meras abstrações. Então penso que se algum biólogo lesse o que estou escrevendo, ele estaria estranhando minha insistência na existência de um mistério que para ele não é mistério algum, ele já sabe a resposta: o comando de instruções para os genes chama-se “DNA”. E eu ano vou concordar e eles não vão poder provar isso na bancada de um laboratorio. Na verdade, sei que eles não podem acreditar nesta resposta que tem sido apontada pelo ensino acadêmico, principalmente depois que a teoria de que cada gene, cada doença, foi desbancada pelo Projeto Genoma, quando se descobriu que doenças são causadas por grupos de genes. Isso confirma que eles não podem saber que o comandante e’ o DNA, pois erraram na teoria, apesar de que não avisaram os elaboradores do curriculum escolar.

Não creio que o comandante seja o DNA porque a minha na minha visão de mundo o DNA aparece com uma definição diferente da definição acadêmica e porque a minha definição tem juntado mais evidencias e acertado mais previsões.  Na minha visão do DNA, não existe o ao propalado “código da vida”. O DNA não é nenhuma mensagem em código, como afirma o ensino acadêmico quando quer por enfase em seu conhecimento e atua de forma publicitaria, utilizando metáforas bombásticas. Mensagem implica num emissor consciente, inteligente, e não existe inteligencia nenhuma aplicada no DNA, tudo ali foi produzido naturalmente, assim como a mamãe girafa produz uma girafinha – uma obra de extraordinária engenharia,- sem aplicar um minimo de inteligencia, tudo ocorre naturalmente. Pois o DNA é construído com tijolinhos aparentemente iguais, os chamados nucleotídeos. E segundo a minha visão do mundo, cada par lateral e horizontal de nucleotídeos forma uma unidade de informação do DNA, porem esta unidade de informação e’, em si mesma, um sistema, completo e funcional, vivo, operante. E a anatomia deste sistema é novamente a face da formula da Matrix/DNA. Acontece que assim como não existe um humano exatamente igual a outro, também não existe tijolinho do DNA exatamente igual a outro. Todos os milhões ou bilhões de nucleotídeos do DNA nada mais são que copias com alguma diferenciação de um único sistema original. E neste sentido, o DNA nada mais é que uma pilha de tijolos, de sistemas. O DNA em si não é um sistema. O que o faz parecer ser um sistema é o comando de instruções dentro dele. Então os biólogos tem sua teoria, eu tenho uma teoria, ninguém consegue provar sua  teoria, e assim vamos ficar ate que algum fato novo derrube uma, ou ambas.

Resumindo, o grande misteriosos e genial Comando de Instruções da Vida é a formula da Matrix/DNA, constituída de fótons. Vinda das galaxias, mas antes disso, vinda do Big Bang… ou da fonte que produziu o Big Bang, uma fonte alem deste Universo. Torna-se muito estranho a mim pensar que é possível que dentro do corpo humano tenha algo que tenha vindo do alem e do antes deste imenso Universo material. Mas é o que minha investigação esta’ indicando…

Porem, se este mistério parece ter sido solucionado, na verdade ele esta’ começando mesmo é agora. Pois aqui emerge uma questão ainda mais intrigante.

Nos sabemos e podemos compreender porque o John tem este comportamento. Ele constrói prédios tendo por base um motivo logico, racional, compreensível: obter lucro.

Mas qual o objetivo do Comando de Instruções em construir todos estes Sistemas Naturais, incluindo os biológicos, ou seja, a Vida?… Pois se em tudo seu comportamento se assemelha ao comportamento do John, e o John faz tudo isso tendo uma meta suprema, o CI também tem que ter sua meta suprema.

Esta questão também foi respondida pela formula da Matrix/DNA. Quando ela diz: ” Este Universo, este superaglomerado de galaxias, nada mais e’ que a contraparte primitiva representando a placenta, ou um ovo fecundado. Em meio a essa placenta esta’ sendo gerado um sistema natural, que já passou pelas fases de ondas de luz, átomos, galaxias, e no planeta Terra, pelas fases de células vivas, plantas e animais, cérebro humano e agora entra na fase de sistema auto-consciente, assim como esta acontecendo em muitas outras regiões do Universo. Portanto neste Universo esta ocorrendo um processo de reprodução genética, a qual, vista de dentro, parece ser um processo de evolução. E reprodução de que? De quem? Sinto muito mas a Matrix/DNA apenas chegou a fronteira ultima deste Universo, ela não pode dar um passo alem e olhar la fora para saber esta resposta.”

Agora estou realmente enrolado! Vai começar novo tormento, as noites perdidas de sono vão continuar, um mistério acabou, um mistério novo começou. A quem o CI esta reproduzindo?!

E suspeito que a resposta para este mistério jaz alem do Universo. Agora sim, parece que encontrei o ultimo mistério, o qual nunca vou conseguir solucionar. Eu devia ter ouvido Goethe quando disse: ” Ninguem pode saber a verdade de um sistema estando dentro dele”. Sim, para saber o significado ultimo da existência deste Universo, sera preciso sair fora dele. Este mistério vou levar para o tumulo. Mas a Matrix/DNA esta’ afirmando que o CI que esta’ no meu corpo tem muito mais que os 13,8 bilhões de anos deste Universo, o que gera a conclusão que tem existência muito mais longa que o Universo, portanto, quando este Universo se extinguir, eu vou pular fora dele… e encontrarei a resposta para o ultimo mistério.

 

A descoberta de uma super-enzima e sua relacao com a forca que controla a evolucao

sábado, setembro 17th, 2016

xxxx

Estou entrando numa nova dimensao da Natureza de importancia grandiosa. E o artigo copiado abaixo para ser pesquisado aqui em cada informacao, esta relacionado ao assunto.

Ainda nao fasso ideia de como seria nem o esboco dessa nova dimensao. Mas existem evidencias, ela e’ logica, esta escudada em parametro natural conhecido.

Quando na embriogenese esta sendo construido um novo ser, parece que existe algo como um commando de instrucoes invisivel no DNA coordenando as atividades dos genes. Parece um maestro dirigindo uma orquestra. Mas sao milhares de genes ( cerca de 30.000?), e cada qual tem uma informacao unica, especifica dele. Entao seria uma orquestra com 30.000 musicos mas cada um tem um instrument unico, especifico, que emite um som diferente de todos os outros. O maestro coordena de maneira que cada instrumento entre num dado momento, e que em cada momento existe um grupo selecionado tocando. O gene que tem informacao para fazer algo do nariz ja estara a postos no momento seguinte a fecundacao, como todos os demais, mas ele tera que esperar inativo, sem se expressar, ate que os outros genes fassam a cabeca. E o artigo abaixo sugere como e’ compost o commando de instrucoes (o maestro) do DNA. Enzimas catalizadoras.

Sim, mas onde esta a nova dimensao do conhecimento? Como escrevi num artigo aqui ontem, as vidas dos humanos estao sendo “controladas” a nivel de Humanidade, de sistemas sociais, ou talvez mesmo a nivel inconsciente, por um semlhante invisivel e desconhecido commando de instrucoes.nao apenas a vida dos humanos, mas sim, a evolucao biologica de bilhoes de anos tem sido dirigida por esse comando misterioso. E as regras sao as mesmas que ocorrem com os genes. Isso cheira `a metafisica, ‘e quase impossivel, mas uma serie de detalhes me levam a suspeitar que isso nao apenas seria possivel, como de fato, deve estar ocorrendo.

Uma das possibilidades seria explicada por outra sub-teoria dentro da geral teoria da Matrix/DNA: a de que os 8 bilhoes de humanos sao 8 bilhoes de genes inconscientes cada qual carregando em suas cabecas uma particular de informacao unica, especifica, diferente de todas as demais, na forma de sua mente, construindo aqui uma nova forma do sistema natural universal, a qual denominamos ” auto-consciencia”. Se isto for verdade, tem que ter um commando central invisivel tal como tem no DNA.

Mas tem outra situacao, uma quase identica situacao. A teoria geral da Matrix/DNA esta sugerindo que, em paralelo a esta funcao de genes para uma auto-consciencia, tambem somos genes cnstruindo uma replica do nosso criador imediato e ancestral sistema astronomico. uer dizer, nao apenas os humanos, mas sim todos os sistemas biologicos dessa biosfera. Seriam duas tendencias conflitantes entre si, uma imediatamente materialista, obedecendo a evolucao de um hardware que vem se complexificando desde o Big Bang, e a outra, apesar de ser perfeitamente natural tambem, tem uma conotacao mais metafisica, pois estariamos construindo uma reproducao de algo que jaz alem deste Universo. Neste caso, o maestro seria inimaginavel por nos.

No roteiro da nossa evolucao era imprescindivel que o homem descobrisse como fazer o fogo, para dai fazer os metais e sua tecnologia. Coube a uma lendasugerir como isso ocorreu, metaforicamente falando, claro. Ptometeu condenado junto com Sisifoa rolar uma pedra morro acima ate que conseguissem coloca-la no pico do Monte Olimpo. A certo momento Prometeu desiste de rolar a pedra e ao inves vai furtivamente pelo lado escuro da montanha, sobe-a, alcanca o pico, e nao tendo mais o que fazer ali, rouba a tocha do fogo do trono de Zeus. teria chegado o momento certo do maestro mandar o gene para fogo entrar em acao. Nao poderia ter sido antes porque a humanidade nao estava preparada e nao podia ser muito tarde porque a humanidade poderia sucumbir antes. Seja como for, as enzimas catalizadoras fazem jutamente isso com os genes na embriogenese.

E seja como for, ja esperando que va perder meu tempo e de em nada, eu vou procurar se existe um maestro oculto  e quais suas forssas catalizadoras atuando sobre o conjunto da humanidade. nao espero encontrar o maestro relacionado a reproducao da auto-consciencia, pois isto seria muita pretensao, porem, se houver um maestro dirifgindo a reproducao da galaxia a nivel biologico, nos podemos encontra-lo. E esta super-enzima mencionada neste artigo sera uma das pistas a serem investigadas.

(obs:v oltar ao artigo da phys.org e ver varios outros artigos relacionados a este tema)

http://m.phys.org/news/2016-09-scientists-super-enzyme-dna.html

 Scientists discover how ‘super enzyme’ speeds up DNA repair

September 5, 2016
Credit: Medical Research Council

Scientists from the University of Sussex have discovered how an enzyme, known as PARP3, helps to accelerate the repair of DNA.

In the body, mutations can arise from DNA damage that is not repaired properly, leading to disease, including cancer and neurodegenerative disease. New research funded by the MRC and Cancer Research UK, led by the laboratories of Professor Keith Caldecott and Professor Laurence Pearl at the University of Sussex’s Genome Damage and Stability Centre, has identified how the PARP3, short for poly(ADP-ribose) polymerase 3, recognises and signals the presence of broken DNA strands.

Research has shown that the PARP3 enzyme is involved in the DNA repair process and helps to maintain the integrity of the genetic code, but until now the precise DNA repair activation mechanism triggered by the enzyme was unclear.

Using multi-disciplinary expertise, Sussex scientists have identified the specific steps involved in activating the DNA repair process. When the PARP3 enzyme locates a specific site of DNA damage, it ‘marks’ the damaged DNA with a molecular signal.

This signal is created via a chemical change, involving the addition of a molecule called ‘ADP-ribose’ to the DNA. The DNA is packaged up in a complex called ‘chromatin’ which contains proteins; the team found that the PARP3 enzyme adds the ‘ADP-ribose’ molecule to one of these proteins – ‘histone H2B’.

By marking the precise site of damage the enzyme flags the problem up to specialised DNA repair enzymes that will move in to repair the damage, protecting the cell from potentially dangerous DNA breaks.

The researchers believe this is a vital step towards understanding how DNA breaks are detected, signalled, and repaired, which could in the future enable scientists to create drugs which can better target certain cancers.

PARP3 is one of a superfamily of enzymes that are targeted by PARP inhibitor drugs, a new class drugs used to treat hereditary cancer, including ovarian and breast cancer. Knowledge of how the PARP3 enzyme activates DNA repair will also contribute to improving the understanding, and targeting, of PARP inhibitor drugs.

The research, which took place over four years, also involved nuclear magnetic resonance expertise in Professor Steve Matthews’ group at Imperial College, London, proteomics in the lab of Dr Steve Sweet in Sussex and chromatin biology in the lab of Dr Alan Thorne at the University of Portsmouth.

Professor Keith Caldecott, who led the study, said: “This discovery highlights the value of multi-disciplinary collaborations, combining molecular and cellular biology with biochemistry and structural biology. As a result of working together, we have been able to identify how PARP3 recognises and flags the presence of broken DNA.

“This will be important for our understanding of how cells protect themselves from potentially dangerous DNA breaks. It will also help to provide insight into the mechanisms of action of a new class of PARP inhibitory anti-cancer drugs.”

Ver tambem este outro artigo relacionado ( mas estarei escrevendo outro artigo para isto pois se trata da origem da vida):

New knowledge about the building blocks of life

September 2, 2016

http://phys.org/news/2016-09-knowledge-blocks-life.html

Read more at: http://phys.org/news/2016-09-knowledge-blocks-life.html#jCp

Pesquisa:

PARP3, short for poly(ADP-ribose) polymerase 3

Enzyme (definicao em http://phys.org/tags/enzyme/

Enzymes are biomolecules that catalyze (i.e., increase the rates of) chemical reactions. Nearly all known enzymes are proteins. However, certain RNA molecules can be effective biocatalysts too. These RNA molecules have come to be known as ribozymes. In enzymatic reactions, the molecules at the beginning of the process are called substrates, and the enzyme converts them into different molecules, called the products. Almost all processes in a biological cell need enzymes to occur at significant rates. Since enzymes are selective for their substrates and speed up only a few reactions from among many possibilities, the set of enzymes made in a cell determines which metabolic pathways occur in that cell.Like all catalysts, enzymes work by lowering the activation energy (Ea or ΔG‡) for a reaction, thus dramatically increasing the rate of the reaction. Most enzyme reaction rates are millions of times faster than those of comparable un-catalyzed reactions. As with all catalysts, enzymes are not consumed by the reactions they catalyze, nor do they alter the equilibrium of these reactions. However, enzymes do differ from most other catalysts by being much more specific. Enzymes are known to catalyze about 4,000 biochemical reactions. A few RNA molecules called ribozymes catalyze reactions, with an important example being some parts of the ribosome. Synthetic molecules called artificial enzymes also display enzyme-like catalysis.Enzyme activity can be affected by other molecules. Inhibitors are molecules that decrease enzyme activity; activators are molecules that increase activity. Many drugs and poisons are enzyme inhibitors. Activity is also affected by temperature, chemical environment (e.g., pH), and the concentration of substrate. Some enzymes are used commercially, for example, in the synthesis of antibiotics. In addition, some household products use enzymes to speed up biochemical reactions (e.g., enzymes in biological washing powders break down protein or fat stains on clothes; enzymes in meat tenderizers break down proteins, making the meat easier to chew).

XXXXXX

Dados tecnicos e modelo deste gene no Genome Databank:

Human Gene PARP3 (ENST00000431474.5) Description and Page Index

http://genome.ucsc.edu/cgi-bin/hgGene?db=hg38&hgg_gene=PARP3

xxxxx

Wikipedia:

Poly [ADP-ribose] polymerase 3 is an enzyme that in humans is encoded by the PARP3 gene.

The protein encoded by this gene belongs to the PARP family. These enzymes modify nuclear proteins by poly-ADP-ribosylation, which is required for DNA repair, regulation of apoptosis, and maintenance of genomic stability. This gene encodes the poly(ADP-ribosyl)transferase 3, which is preferentially localized to the daughter centriole throughout the cell cycle. Alternatively spliced transcript variants encoding different isoforms have been identified.

Poly (ADP-ribose) polymerase (PARP) is a family of proteins involved in a number of cellular processes involving mainly DNA repair and programmed cell death. ( cont a ler)

 

 

 

Novas Questoes Sobre Genetica, DNA, Sendo Respondidas Apenas Por Matrix/DNA Theory

terça-feira, agosto 9th, 2016

xxxx

O Dr. Deepak Chopra e’ um conhecido aguerrido militante defendendo a esoterica teoria de que uma consciencia divina estaria por tras de nossas vidas e tudo que e’ fenomeno natural. Tao militante que participou de varios debates na midia – tv, magazines,videos, etc. – com cientistas ateus famosos. Ele combate veementemente o atual paradigma cientifico.

Pois bem, hoje ele postou mais um artigo em varias midias, defendendo suas ideias e cutucando os materialistas. Ele levanta interessantes questoes que passam despercebidas do meio intelectual, que os cientistas materialistas nunca pensam a respeito, por isso, estamos atentos aos seus artigos, apesar de diferir-mos tanto dele quanto do paradgma academico atual. Entao nao pude evitar publicar um comentario no seu artigo, o qual vai copiado abaixo. Vamos registrar o artigo aqui para anotar as importantes questoes que ele levanta e responde-las segundo o que sugere a formula da Matrix/DNA.

What Is Your DNA Doing For You Right Now?

http://www.huffingtonpost.com/deepak-chopra/what-is-your-dna-doing-fo_b_11388690.html

By Deepak Chopra, MD and Rudolph E. Tanzi, PhD – 08/08/2016

E meu comentario postado no artigo do Huffington Post:

Louis Charles Morelli – 08/09/2016

Mr. Deepak: About the bad things did by DNA – like creating monsters as snakes, lions, etc. – were it also produced by counciousness at the source?
I agree we need a paradigm shift towards reality but, reality is 50% good things and 50% bad things. So, counciosness would be 50% a good God and 50% a bad evil?
Yes, DNA can tell the time – if you are interpreting DNA as do the Matrix/DNA theoretical model of DNA, different from the academic paradigm. DNA is anything else than a pile of bilions copies with some small diferency of a universal formula that is encrypted into its building blocks – a lateral pair of nucleotides. Like Humanity is a set of 8 billions diversified copies of its building blocks: the individual human.
It happens that this formula is also encrypted into the building blocks of atoms, galaxies, everything that looks like a natural system. So, its is all about a working systemic fractal which is inside a bigger fractal which is inside another biggest fractal, stablishing the hierarchy of systems. Neither the building blocks of atoms, nor the ones of galaxies tells time, butwhen all them are based on th same working formula, all them obeys the same synchronized scallar time.
From the first day of fecundation to
its 7 month, there is no actions of counciusness building the fetus. But you know that is not each embryo creating consciouness for the first time in this Universe. Conciosness was existing outside the litte embryo’s universe and was existing as not expressed potential force at morulae, blastula, fetus shapes. Why conscuoenesswas not expressed at our ancestors systems, like atoms and galaxies? Fractals, Dr. Deepak. 7 months for a fractal called “human” is same time as 13,7 billion years counted by by the bigger fractal called “universe”.
We need a paradigm shift but to a real one, one that does not forget 50% of reality.
xxxxxxx
Pesquisa:

Deepak: “If every cell is a biological robot, and the entire body is made up of cells, then we must be biological robots too. This view, which a surprising number of geneticists believe in, cannot be true. It is a conclusion that the old model of DNA supported because that model was reductionist—that is, all complex processes can be explained by breaking them down into more basic processes. The whole approach is totally logical, but nobody can seriously claim that the works of Shakespeare and Mozart are explainable by protein manufacture. And in our daily lives we think thoughts and feel emotions, which proteins don’t, or cells for that matter.

As a result, genetics has been racing to catch up with human reality. On several fronts there has been progress, of a sort. So-called Systems Biology has emerged to examine how the body works as a dynamic, changing organism responding to input from the environment. In this way DNA stopped being so rigid and got into the game. On another front a field known as epigenetics began to study how everyday experience, including our lifestyle and memory, actually gets chemically imprinted on our genes. Again, DNA became more dynamic and responsive.

But while DNA was getting liberated, what was really happening? One could argue that the only thing changing was a scientific model. Reality wasn’t changing at all. Now it is dawning that DNA is fundamentally so mysterious, biology can’t even contain it, much less explain it.

Matrix/DNA: Ok, isto ja foi explicado pela Matrix.

Deepak: ( continuar isto)

Espaço Interestelar: Pesquisa Sobre Moléculas e Outros Componentes

sábado, janeiro 2nd, 2016

xxxxx

O que existe nos imensos espaços entre as estrelas, ou sistemas estelares, se a estrela conter planetas,etc.?!

Bem… alem da provável dark matter ( e dark energy?), as ciências astronômicas tem detectado grãos de poeira e moléculas. Então este assunto e’ de muita importância para a Matrix/DNA Theory porque… segundo esta teoria por estes espaços viajam os ” genes semi-vivos”, ou seja, os bits-informação do building block astronomico que produzem os building blocks dos sistemas biológicos, ou seja, da Vida.

Neste capitulo vamos armazenar a pesquisa deste assunto.

1) O link abaixo conduz a um interessante e resumido PDF:

Interstellar Molecules

( foi obtido a partir de: http://prospect.rsc.org/blogs/cw/wp-content/uploads/2015/12/Interstellar-Hydrogen-Bonding-Poster-.pdf

e de:  http://prospect.rsc.org/blogs/cw/2015/12/09/isacs18-poster-prize-winner-emmanuel-etim/#more-16567  )

2) Chemistry WorldBlog 

http://prospect.rsc.org/blogs/cw/2015/12/09/isacs18-poster-prize-winner-emmanuel-etim/#more-16567

ISACS18 poster prize winner: Emmanuel Etim

Posted by Jennifer on Wed 9 Dec 2015
Categories: Conferences | [14] Comments

Chemistry World was pleased to sponsor a poster prize at ISACS18 (Challenges in Organic Materials and Supramolecular Chemistry), held in Bangalore, India, last month. PhD student Emmanuel Etim from the Indian Institute of Science, India, was the winner with his poster titled: Interstellar hydrogen bonding.

Emmanuel Etim

Emmanuel explains his work:

‘We are interested in understanding the chemistry of interstellar molecules – ie molecules that exist in the space between the stars – because of their importance in astrochemistry, astrophysics, astrobiology, astronomy and related fie

Over 200 of these molecules have been detected in different astronomical sources largely via their rotational spectra. Isomerism is a conspicuous feature of these molecules with over 40% of the known molecules (excluding the diatomics and other special species like the C3, C5, which cannot form isomers) observed in more than one isomeric form.

But why are some isomers observed and others are not has been a question for decades. In addressing this question, we investigated 130 molecules from 31 isomeric groups and we found a unique relationship, which accounts for the detection of some isomers and the non-detection of others. According to the Energy, Stability and Abundance (ESA) relationship, interstellar abundances of related species are directly proportional to their stabilities. However, we observed some deviations from the ESA relationship in a few isomeric groups: Where the most stable isomers are not observed and where the most stable isomers are not the most abundant. What could be responsible for these deviations?

How are these molecules formed? Reactions that occur on the surfaces of interstellar dust particles have been invoked in the formation of molecular hydrogen; as well as for the synthesis of larger interstellar molecules. Water molecules constitute about 70% of the interstellar dust grains (interstellar ice). These water molecules serve as the platform for hydrogen bonding. This interstellar hydrogen bonding causes a greater portion of these molecules to be attached to the surface of the dust grains. This reduces the overall abundances of the molecules in the gas phase.

Our high level quantum chemical calculations for the hydrogen bond interaction between the interstellar molecules (known and possible) and water, shows a direct correlation between the binding energies of these complexes and the abundances of the interstellar molecules. This accounts for the observed deviations from the ESA relationship.

From both ESA relationship and interstellar hydrogen bonding, we predicted ketenes as potential candidates for astronomical observation. In line with this, ketenyl radical has just been observed in space.

Finally, the weakly bound complexes that are formed in the interstellar medium (ISM), are they detectable? The conditions in the terrestrial laboratories where weakly bound complexes are observed are similar to the conditions in ISM and the high binding energies of the complexes imply that these complexes are detectable in ISM.’

xxxx

Postei o seguinte comentário no Chemistry world blog:

 

Horizontal Gene Transfer (HGT) Foi Previsto Pela Matrix/DNA há 30 Anos Atrás

sábado, abril 11th, 2015

xxxx

No meio acadêmico sempre se pensou que não teria como passar genes de uma espécie para outra com a qual ela não se cruza. Mas ainda na selva há 30 anos atrás descobri uma fórmula para sistemas naturais pela qual, em dadas circunstancias como foi o evento das origens da vida na Terra, informações não apenas podem como devem passar de um sistema a outro. E isto incluía os sistemas naturais denominados seres vivos. tempos depois o meio acadêmico descobriu o fenômeno da transferência horizontal de genes, ou seja, alem dos genes serem passados de gerações a gerações, verticalmente, eles tambem se movem entre os genomas de distantes espécies. Exemplos incluem a absorção de bactéria por outra espécie ( isto foi como a mitocondria foi originada, uma teoria sugerida por Lynn Margulis; e estas mitocondrias, que eram antes bacterias livres, contribuiram com seus genes para os absorventes organismos); a transferencia de genes pigmentais de fungos para afídeos, os quais deram aos afídeos a cor  vermelha que muito os ajudam a se esconderem dos predadores; e a transferencia de várias enzimas de bactérias para insetos, as quais ajudaram os insetos a usarem novas plantas como alimento.

Segundo a história da evolução sugerida pela Matrix/DNA, as sementes da vida espalhadas largamente no Cosmos não são transmitidas para superfícies de planetas encerradas em um envoltório como são os genomas biológicos contidos dentro de uma membrana. Espermatozóides e óvulos são transmitidos completos e por inteiro, por isso só podem gerar uma forma de ser vivo, a forma da espécie emissora. Mas o primeiro “genoma” não  veio de um sistema biológico como os seres vivos na Terra, e sim do sistema astronomico ao qual a Terra pertence. Este genoma é liberado pela radiação de energia de estrelas como o Sol e pela radiação dos núcleos de planetas como a Terra, mas são fragmentados em seus menores bits-informação no espaço sideral e através de longos  tempos. Vizinhos fragmentos que se encontram em um ponto na superfície de um planeta se juntam em pequenos pacotes de informações, depois estes pacotes se juntam a outros pacotes, e como são pedaços de um sistema vivo, podem funcionar como pequenos pacotes, sendo esta a causa da grande diversidade da vida na Terra. Muitos pacotes apresentam brechas, lacunas, em seus DNA’s, as quais podem serem preenchidas se houver contacto com outro DNA ou RNA que contenha aquelas informações faltantes.  A fórmula da Matrix/DNA sugeriu que esta transferência horizontal de genes ocorreria em larga escala nas origens da vida e nas espécies mais simples, como nos procariotas unicelulares. Depois esta transferência se tornaria cada vez mais rara, porem podia perpassar todo o reino vegetal e animal até chegar no gorila, e isto porque a semente astronômica para sistemas biológicos só poderia gerar como ápice evolucionário uma maquina tão eficiente quanto a ancestral mas limitada a ela, o que não inclui os humanos. Com o genoma humano é ainda um sistema aberto, se houver HGT deve ser deléterio, piorando o genoma. Esta previsão vem ao encontro da teoria de alguns cientistas sugerindo que os alimentos transgênicos e outros tipos emparelhamento de genomas podem ser inclusive uma causa de canceres.

Muito tempo depois da selva, por volta do ano 2.ooo, tomei conhecimento que a primeira descoberta de HGT entre virus se deu em Seattle, em 1951; e em 1959 descobriu-se no Japão a HGT entre bactérias, o que era responsavel pela resistencia bacteriana aos antibióticos. Porem, a primeira suspeita de que HGT tambem estaria ocorrendo entre organismos complexos multicelulares ou eucariotas, data de 2005, anunciado por Bapteste et al., e se não me engano tambem por Lake e Rivera em 2007 quando disseram que “…adicional evidencias sugerem que a transferencia de genes pode tambem ser um importante mecanismo evolucionario na evolução dos protistas”.

A propósito, menciono aqui um artigo recente bem esclarecedor do tema:

 How often do genes move between distantly related species?

https://whyevolutionistrue.wordpress.com/2015/04/10/how-often-do-genes-move-between-distantly-related-species/#respond

E meu comentario postado naquele artigo ( o qual ninguem ali vai entender nada… mas… é meu dever fazê-lo): 

( Verificar se foi publicado). 

HGT from the RNA-world to gorillas was first suggested by the evolutionary model of Matrix/DNA Theory 30 years ago. The model suggests a formula containing all informations coming from the prebiotic world that works as sidereal seeds of life but alike biological genoma, these seeds are fragmented into its smallest bits-information which are spreaded in space and time. When these bits meets at any point that has the necessary conditions, like some planetary surfaces, they have the tendency of joining again in the equal sequence they were formed, making smaller packets of informations that can works as non-complete systems and this is the reason of diversity of life from a unique genoma. These packets maybe contains gaps due missing the right bits, which can be find at another packets, which produces HGT.  It must happens from initial organic molecules to gorillas, stopping here due gorillas are the evolutionary limit possible by those informations. If it happens with humans, like by transgenic food or meat consumption, HGT must be deleterious and the cause of several diseases, like cancer. At least, this is what is suggesting Matrix/DNA Theory.