Warning: Missing argument 1 for ShareThisShareButtons\Button_Widget::__construct(), called in /home/theunive/public_html/pt-br/artigos/wp-includes/class-wp-widget-factory.php on line 43 and defined in /home/theunive/public_html/pt-br/artigos/wp-content/plugins/sharethis-share-buttons/php/class-button-widget.php on line 29

Warning: Illegal offset type in /home/theunive/public_html/pt-br/artigos/wp-includes/class-wp-widget-factory.php on line 43

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/theunive/public_html/pt-br/artigos/wp-content/plugins/sharethis-share-buttons/php/class-button-widget.php:29) in /home/theunive/public_html/pt-br/artigos/wp-content/plugins/disable-xml-rpc-pingback/disable-xml-rpc-pingback.php on line 51
vírus « The Universal Matrix/DNA – Artigos

Archive for the ‘vírus’ Category

Ébola! A Fórmula da Matrix/DNA sugere: Procurem um Meteórito na Região do Ébola River

quinta-feira, outubro 9th, 2014

O Ebola é um dos principais assuntos do momento e eu tenho uma teoria a respeito que ninguém mais tem, por isso é bom me ouvirem, experimentarem o que estou sugerindo, antes que possa ser tarde demais. Três recentes artigos ( dois no New York Times e um no Huffington Post) me fizeram lembrar imediatamente da antiga sugestão desde a selva amazônica há 30 anos atras sobre o que é e como se originam os vírus.

O pior é que se minha teoria estiver certa, isto significa que a comunidade cientifica jamais irá ganhar a luta contra vírus, porque ela desconhece a causa fundamental da origem e comportamentos dos vírus, a não ser que tomem conhecimento da sugestão da Matrix/DNA e resolvam investiga-la. O atual entendimento da comunidade cientifica do que é vida, sistemas biológicos como vírus e humanos, está muito distante da realidade e isto afasta-os de descobrir as soluções definitivas. Ficam assim combatendo vírus como quem fica podando os galhos doentes enquanto cada galho podado é substituído por novo galho doente, porque a doença está na raiz da arvore. Enquanto isso milhões de seres humanos continuam sendo torturados e mortos por estes minúsculos facínoras.

Veja abaixo o meu post escrito às pressas e postado no Huffington, tentando chamar atenção e iniciar um dialogo. Mas tal dialogo só pode avançar se ambas as partes se limitarem a apresentar fatos comprovados como base de seus argumentos, e não ficar discutindo teorias e conceitos abstratos que fazem parte importante da cultura e visão de mundo propagada através das universidades.Depois do post puxo para cá a fórmula da Matrix e explico na medida que o tempo agora me permitir, os fundamentos da teoria sobre os vírus como o Ebola.

Ebola: Still No Time to Lose

http://www.huffingtonpost.com/peter-piot/ebola-still-no-time-to-lo_b_5952062.html?utm_hp_ref=tw

Louis Charles Morelli ·  Top Commenter · Works at Self employed
My suggestion: Search around the Ebola River any trace of recently failed meteors. Ask to natives if they saw, read, something about. My suggestion is due the models of Matrix/DNA Theory suggesting that the meanings of viruses existence, origins, and the functions of viruses at any natural system like this biological biosphere, is equal the function of comets/meteors in relation to astronomical systems and equal to RNA in relation to living cellular systems. Some data from this article is suggesting evidences for this theory: like the “shot of energy”applied at that hospital: the origins of virus at this biosphere is related to vibrational states of systems, which means a specific strong frequency at the electromagnetic spectrum. The invisible vibrational state of pregnant woman’s body is altered by the strong vibrational state of the embryo, which synchronizes with the vibrational state of those viruses. So, the strong attraction for those viruses towards pregnant woman or anyone with high dose of calcium gluconate.If this theory could be right, there is a slice of meteor spreading energy that creates spontaneously viruses at Ebola regions. And if these theoretical models are right, those people living at that Russia region recently invaded by a meteor need be investigated urgently.This issue is very complex and only one trained by the knowledge of Matrix/DNA formula have more detailed explanations. By the way, I think that any possible solution that can add for us to fight this global treat must be applied.

xxxx

http://www.nytimes.com/roomfordebate/2014/10/02/how-to-stop-the-spread-of-ebola/much-more-vigorous-government-response-to-ebola-is-needed

Louis Charles Morelli

New York, NY 

Is necessary understanding that the current world view academic model has not been victorious on the war against virus, so, we need a different view and approach. The different world view of Matrix/DNA Theory suggests that virus is the common expression of a systemic universal function at any natural system… like this biosphere and human’s bodies. Virus is the expression of Function 5 that you can see at the matrix formula of natural systems. This function, at the level of cell system, is performed by RNA ( mass level) and ATP ( energetic level). At the level of astronomical systems, this function is performed by comets. I have not detected yet which is the agent of F5 at biosphere systemic level. But, the fact that comets are the carriers for information for producing virus ( and we have found several kind of organic molecules at meteors) and knowing that comets can be fragmented into meteors, which commonly falls at Earth, meteors can be the first source for viruses. The cost for human kind is high, so, any suggestion must be tested. Here our suggestion is: ask to the natives of Ebola River region if they saw something falling from the sky in the last 30 or 50 years. If so, where it fells? maybe the source for Ebola is there, irradiating to any living molecule around it.

xxxxx

Virus: Origens, causa criadora, funções nos sistemas naturais:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Quando comecei a ler assuntos sobre algumas doenças causadas por virus, uma informação era comum: vírus são hibernantes ( como não-vivos), fora de sistemas celulares e se despertam dentro de células, quando então passam a se reproduzirem aceleradamente e assim “explodem” a célula, disseminando-se às células vizinhas. E quando tinha encontrado a formula da Matrix, esta informação imediatamente me lembrou que na fórmula existe algo, uma de suas peças, que faz na formula exatamente o que vírus fazem na célula. Trata-se da F5.  A F5 é a função sistêmica que produz cometas no céu, RNA nas células, e quando trata da inter-conexão entre sistemas, é a responsável pela reprodução dos sistemas.

Desde que essa formula é repetida na unidade fundamental de informação do DNA ( um par lateral de nucleotídeos), e depois repetida num especifico grupo de genes, isto significa que o DNA – se expressar aquele grupo de genes – pode gerar vírus. Ou seja, nós podemos criar vírus dentro do nosso próprio corpo.

Mas para que o DNA expresse tal grupo de genes é preciso um estimulo externo, o qual pode ser um pedido do RNA, ou um especifico estado vibracional de uma onda de energia externa. Vamos então imediatamente trazer para cá tambem a nossa versão do que é na realidade uma onda de luz conforme sugerida por essa formula ( estou com dificuldades técnicas aqui para trazer uma melhor figura. Clique nela talvez melhore.) :

Light - The Electro-Magnetic Spectrum

 

Bem, vemos na figura que F5 corresponde ao trecho entre microwave e infrared. Isto significa, a grosso modo, que o estado vibracional dos vírus como sistemas deriva desta frequência da onda de luz/energia. Por isso estou supondo no post acima que os vírus  são atraídos por quaisquer outros sistemas no mesmo estado vibracional. Acontece que o corpo de uma mulher adulta vibra como F5, na mesma sintonia do vírus,  o corpo do embrião dentro de uma mulher gravida vibra como F1.  Ora F1 é o estado da onda recém  emitida por uma fonte, portanto, uma elevada frequência, alto estado vibracional, assim deve ser o estado da energia de um embrião, um baby. É o estado que abre brechas para origens, porque é relacionado à função feminina criadora da formula. Então não existiria ocasião mais propicia para vírus  ser atraídos e penetrar o sistema todo. O corpo do embrião derruba as defesas do auto-imune sistema do corpo da mulher.

Talvez eu esteja fazendo o carro atropelar os bois devido a pressa pois estou atrasado para ir ao trabalho. Isto merece reflexão mais pausada.

Mas a fórmula sugere que meteóritos, resultantes da fragmentação de cometas, tem todo o potencial para carregar as informações químicas para produzir vírus – se o meteórito cair em ambiente que contenha os complementos para a gestação dos vírus. O que deve haver de sobra na ainda primitiva região africana do Ebola River. Portanto é possível que, em algum lugar daquela região exista um ou mais fragmentos de meteoritos irradiando unidades de fotons que, se reunidos dentro de um sistema biológico, como o corpo de um animal, se reunem e recompõe a parte do sistema de onde vieram- este sistema solar e galáctico. Novamente lembro que devo estar sendo precipitado, pois preciso antes rever tudo o que aprendí sobre a fórmula, ondas de luz, fótons, etc. Inclusive procurar neste website o artigo onde escreví esta teoria dos virus.

Como eu disse no post ao Huffington Post, esse assunto do Ebola é demasiado preocupante e toda possibilidade que qualquer humano levantar, por mais esdruxula que pareça à nossa preferida visão de mundo – deve ser considerada e experimentada.

Devo voltar aqui para esmiuçar isto após o trabalho.

Pesquisa para usar Vírus na produção de Energia de Plantas

terça-feira, julho 2nd, 2013

(Pesquisa em andamento)

How synthetic viruses can boost green energy production

By Tom McKeag
Published July 02, 2013
http://www.greenbiz.com/blog/2013/07/02/how-synthetic-viruses-boost-green-energy
– – – – – – –
Destaques do artigo:
– They are, especially, survivors, but they need a host in order to pass on their DNA. One key to their success, therefore, is the ability to selectively bind to this host. A science team at theMassachusetts Institute of Technology (MIT) is studying this capability to improve the performance of green energy technologies.
Matrix/DNA: O mecanismo do virus para captar e agarrar um hospedeiro deve estar baseado na sequencia de pontos do circuito sistemico, observavel na formula da Matrix:
E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Mas a origem universal desta formula, ou seja, a forma como ela surge e se manifesta neste universo material, ev qualquer onda de luz natural, representada neste grafico:

Light - The Electric-Magnetic Spectrum by Matrix/DNAEnquanto as duas gravuras acima sao simbolicas representacoes humanas de fenomenos naturais invisiveis, a gravura a seguir mostra como eles influem nos meios materiais. A formula da Matrix esta acima representada na forma de um diagrama simples de software computacional, e o desenho a seguir representa tipos de reais hardwares materiais criados pela formula:

Matrix/DNA: O template para todos os sistemas naturais, de átomos a nucleotideos a galáxias e células. O circuíto energético padrão.

Matrix/DNA: O template para todos os sistemas naturais, de átomos a nucleotideos a galáxias e células. O circuíto energético padrão.

Entendo que virus sao resultantes de uns poucos bit-informacao vindos de algum pequeno trecho do circuito sistemico – em relacao ao aspecto diagrama – que seria um trecho da onda de luz. Devido suas propriedades, principalmente a fundamental atividade de apenas auto-reproduzir-se quando inserido num hospedeiro, deduzo que o virus ev um emissor de bits-informacao buscando outro receptor de bits-informacao, o ual seria os pontos seguintes a sua localizacao no circuito. Devido a conexao disparar um mecnismo de reproducao, deduzo que estes bits estejam relacionados a funcao sexual na formula, entao me dirijo ao trecho do circuito entre funcoes 4 e 1, para encontrar a forte hipotese de que virus sejam constituidos por informacoes da Funcao 5. E a partir desta hipotese, tenho estudado muitas caracteristicas dos virus e ate agora todas indicam que esta hipotese ev forte e faz sentido. Uma evidencia ev de que a F5 se representa na celula vital na forma do RNA, ela construiu o RNA, os primeiros virus eram puro RNA e proteina, dentro da celula ev o RNA que viaja e transporta entre o citoplasma e o nucleo onde se encontra com o DNA, portanto, as primeiras manifestacoes da vida biologica foram viruses. Outra indicacao importante ev notar que nos sistemas astronomicos a F5 produz os cometas, o que parce sugerir que cometas ou pedacos de cometas tem a possibilidade de produzirem e trazerem viruses a Terra. A segunda gravura, do espectro da luz, indica que virus encontram seu ponto geografico ideal onde impere materia sob vibracao produzida pelas frequencias infra-vermelho e micro-ondas. E bom lmbrar tambem que estas conexoes podem se darem ao nivel de fotons.

O receptor no hospedeiro para viruses deve ser informacoes sobre a F1 e/ou F6, sendo que prefiro por hora suspeitar que sao apenas relativas a F1, a qual representa a funcao feminina reprodutora nos sistemas. Nas celulas, a regiao mais provavel para conter estas informacoes receptoras seria o nucleo, que representa a F1, mas dentro deste, o DNA. A F6 na celula vegetal ev representada pelos cloroplastos, e na celula animal, pelas mitocondrias. Talvez haja alguma relacao entre uma possivel atividade feminina da eva mitocondrial e os virus, mas ev uma possibilidade meio incomoda, que nao oferece muito sentido racional.

Se tiver-mos uma tecnologia que consiga identificar e observar uma celula separada entre suas sete diferentes regioes vibracionais, devemos focalizar-nos nas regioes de coloracao infra-vermelha e miro-ondas, na busca do receptor ideal para virus.

– – – – –  —  –

Angela Belcher leads the team and is an all-star of bio-inspired design.

Research by Angela Belcher and her team (relacionada a biomimicry) :

About 500 million years ago organisms started growing hard materials like calcium carbonate and silica, bone and glass.  For billions of years before the Cambrian geological period, organisms in the ocean were just soft bodied.  Then, over the course of about 50 million years, there was an explosion of hard bodied creatures due to increased ions in the ocean.  These organisms evolved to make exquisite nanostructures like shells and glassy diatoms. Organisms were limited in the types of elements they could use to build hard materials.  In the Biomolecular Materials Group, we are evolving simple organisms using directed evolution to work with the elements in the rest of the periodic table.  We encourage these organisms to grow and assemble technologically important materials and devices for energy, the environment, and medicine.  These hybrid organic-inorganic electronic and magnetic materials have been used in applications as varied as solar cells, batteries, medical diagnostics and basic single molecule interactions related to disease.  In doing so, we have capitalized on many of the wonderful properties of biology–using only non-toxic materials, employing self-repair mechanisms, self-assembling precisely and over longer ranges, and adapting and evolving to become better over time.

– Belcher is continually asking two questions: How can we impart (transmitir) genetic information coding for materials? Can we get living organisms to work with more of the periodic table?

– The viruses’ ability to recognize and bind to specific inorganic substances allows carbon nanowires to be connected to the carbon nanotube network, thus boosting the electrical conductance of the device.

 

( Pesquisa temporariamente interrompida aqui. Primeiro proximo passo urgente é elaborar um post para publicar no artigo. Corrigir o portugues, traduzir para ingles e deixar o artigo como primeiro na parte inglesa, pois ev bastante tecnico, util e divulga as imagens da Matrix) 

 

Bacterias Criam Biofilms Similar a Fotons de LUCA nas Origens da Vida

segunda-feira, maio 20th, 2013

Bacteria organize according to ‘rich-get-richer’ principle

http://www.domain-b.com/technology/biotech_pharma/20130520_principle.html

Bacterias se movem deixando um rastro de sugar para que outras ai se localizem criando um biofilm. Isto ev similar a imagem de fotons de LUCA dirigindo atomos para as novas combinacoes. Estariam as bacterias simplesmente sendo guiadas por instinto seguindo o registro de LUCA em sua memoria? Pesquisar isto.

1) Bacteria on a surface wander around and often organise into highly resilient communities known as biofilms. It turns out that they organise in a rich-get-richer pattern similar to the distribution of wealth in the economy,

”Some of the bacteria remained fixed in position,” Parsek said. ”But some moved around on the surface, apparently randomly, but leaving a trail that influenced the surface behavior of other bacteria that encountered it.”

Bomba! Estou Descobrindo Quem foi o Criador do Sistema Imunologico de Defesa: o Selfish Gene de LUCA!

sexta-feira, maio 3rd, 2013

Sim! … Porque não pensei nisso antes?!!!

Pesquisando agora uma materia que nada tem a ver ( no meu artigo ao lado “Minociclina: Cientistas descobrem a “pílula da desconfiança” contra mulheres bonitas”) cheguei ao conhecimento da Microglia:

Wilipedia:

Microglia

are a type of glial cell that are the resident macrophages of the brain and spinal cord, and thus act as the first and main form of active immune defense in the central nervous system (CNS).

E a coisa toda faz muito sentido! Sempre foi uma pedra no meu sapato esse negocio de imuno-defesa biologica, pois eu não conseguia sequer pensar numa hipótese de como a matéria burra da Terra inventou isso, se o sistema astronomico em que a Terra esta nunca teve isso. Eu cheguei a olhar para a Matrix procurando algum mecanismo que poderia ter gerado isso mas nada encontrei. Raios, a resposta estava na cara! O meu erro foi olhar dentro da formula da Matrix, quando o mecanismo esta fora, na superficie, no circuito esférico, é o sistema todo, ou seja, é a identidade de LUCA como sistema fechado em si mesmo!

Assim como LUCA “se fechava o corpo contra maus olhados”, assim seus descendentes biológicos se fecham o corpo contra virus, bacterias e outros elementos nocivos.

Só poderia gerar uma auto-defesa quem conseguiu se fechar, se isolar do mundo e impedir que qualquer elemento externo entre dentro de si. Então .. também o sistema imunológico já estava escrito nas estrelas… não foi invenção da matéria burra da Terra sozinha… como vou provando que nada foi.

Mas agora tenho que voltar a pesquisa da Minociclina e parar essa pesquisa que de ser estendida ao infinito, pois este assunto de sistema imunológico é demasiado importante para a Humanidade!

Assim esta aberto mais um capitulo extenso de pesquisa que vai iniciar tendo a microglia como pista inicial.

XXXX

Vejamos onde me leva o português:

Os microgliócitos ou micróglia são as menores células da neuróglia. Possuem elevado poder fagocitário e representam uma variedade dos macrófagos que atuam na defesa do sistema nervoso. Os microgliócitos são capazes de reconhecer e fagocitar antígenos, aderindo proteínas do mesmo na sua membrana citoplasmática. Posteriormente, o microgliócito apresenta essas proteínas a outras células de defesa.

As células da glia, geralmente chamadas neuróglia, nevróglia ou simplesmente glia (grego para “cola”) ou gliócitos1 , são células não neuronais do sistema nervoso central que proporcionam suporte e nutrição aos neurónios. Geralmente arredondadas, no cérebro humano as células da glia são, aproximadamente, 10 vezes mais frequentes que os neurônios no corpo humano.  Ao contrário do neurônio, que é amitótico, nas células gliais ocorre a mitose

 

Por décadas, neurocientistas acreditaram que os neurônios eram os responsáveis por toda a comunicação no cérebro e sistema nervoso e que as células gliais, embora nove vezes mais numerosas que os neurônios, apenas os alimentavam

Novas técnicas de imagem e instrumentos de “escuta” mostram que as células gliais se comunicam com os neurônios e umas com as outras sobre as mensagens trocadas pelas células nervosas. As células gliais são capazes de modificar esses sinais nas fendas sinápticas entre os neurônios e podem até mesmo influenciar o local da formação das sinapses.

Devido a essa proeza, as células gliais podem ser essenciais para o aprendizado e para a construção de lembranças, além de importantes na recuperação de lesões neurológicas. Experiências para provar isso estão em andamento.

Oligodendrócito é um tipo de célula da glia

Oligodendrócito é um tipo de célula da glia

Obs: Notar que as microglias nao sao as neuroglia, mas sim um tipo delas, menores em tamanho e especializadas em imunologia. 

Função

As principais funções das células da glia são cercar os neurônios, e mantê-los no seu lugar, fornecer nutrientes e oxigênio para os neurônios, isolar um neurônio do outro, destruir patógenos e remover neurônios mortos. Mantêm a homeostase, formam mielina e participam na transmissão de sinais no sistema nervoso.

As células de glia têm a importante função de produzir moléculas que modificam o crescimento de dendritos e axónios. Descobertas recentes no hipocampo e cerebelo indicam que também participam ativamente nas transmissões sinápticas, regulando a libertação de neurotransmissores ou libertando-os elas mesmas e libertando ATP que modela funções pré-sinápticas.

São cruciais na reparação de neurônios que sofreram danos: no sistema nervoso central a glia impede a reparação – os astrócitos alargam e proliferam de modo a produzirem mielina e moléculas que inibem o crescimento de um axónio lesado, no sistema nervoso periférico as células de Schwann promove a reparação regressando a estado de desenvolvimento mais jovem.

 

Endogenous retroviruses (ERVs): Forte Argumento para a Teoria da Reprodução Biológica de LUCA da Matrix/DNA Theory

terça-feira, setembro 25th, 2012

A observação do ecossistema da selva amazônica durante sete anos por êste autor o levou a uma intuição:  se aplicar o velho método da anatomia comparada entre os conhecidos sistemas vivos e não-vivos será possível conhecer cada um melhor porque pode-se projetar o que se conhece em um sôbre o que está escondido no outro e vice-versa. Como efeito inesperado, o  método o levou a projetar um modêlo do que seria um sistema-link entre vivos e não-vivos supondo-se que tenha havido uma unica linhagem de evolução linear desde o Big Bang até o ser humano.  A analise do modêlo teórico surpreendeu devido sua racionalidade,  lógica funcional, capacidade de predições corretas e a sugestão para se ampliar tudo o que se pensava conhecer até então. Uma das sugestões dos modêlos é que êste teórico link ( denomiando  LUCA: the Last Universal Common Ancestor de todos os sistemas biológicos),  emite informações para a superficie terrestre obedecendo o natural processo da transmissão genética e reprodução. Porem devido ser um sistema meio-mecânico/meio-biológico e muito primitivo, seu “genoma” não é  transmitido encerrado dentro de um envoltório como os cromossomas biológicos, mas sim seus bits-informação são espalhados no espaço sideral e chegam a um mesmo ponto em diferentes épocas do tempo. Isto faria com que um unico sustema se diversifique em milhões de sistemas derivados, todos mutados,  incompletos e mais complexos, quando comparados com LUCA. Por êste modêlo, vírus são pequenos pacotes de bits-informação relacionados com a Função Sistêmica numero 4, a qual consiste em reproduzir sistemas após penetrar sistemas que possuam a Função numero 1.  Em vista disso é perfeitamente possivel que muitos dos casos de “saltos evolutivos” notados por Stephen Jay Gould em sua teoria do “equilibrio pontuado”  sejam causados pelo que na teoria da  Modern Synthesis é denominado ERVs. E assim abrimos aqui mais um campo de pesquisa para a Matrix/DNA começando por uma rápida introdução através da Wikipedia:

http://en.wikipedia.org/wiki/Endogenous_retrovirus

Endogenous retroviruses (ERVs) are sequences in the genome that are derived from ancient viral infections of germ cells in mammals and other vertebrates; as such their proviruses are passed on to the next generation and now remain in the genome.

ERVs Virus Incorporados ao Genoma

ERVs Virus Incorporados ao Genoma

Nós, Mamíferos Fomos Feitos Tambem Por Virus! Mamma mia!

sexta-feira, fevereiro 17th, 2012

xxx

Quando você era apenas um feto, necessitou de nutrientes para sobreviver e se transformar em embrião. Claro que tais nutrientes só poderiam vir do corpo da mãe. Mas como ter acesso aos nutrientes se você estava dentro de um utero que estava isolado dentro do corpo da mãe? Os nutrientes estavam na placenta que existe logo após as paredes do utero, separada dêste. Pela lógica das coisas você não era para ter nascido, todos nós seríamos abortados como fetos mortos. Mas a Natureza tem uma sabedoria extraordinária! Aconteceu então uma espécie de milagre: surgiram entre as paredes do útero e a placenta umas camadas de células preenchendo o espaço, camadas estas que permitem a passagem de tais nutrientes. E quem fêz estas camadas de células?

Virus !!!

Quem poderia ter imaginado uma coisa destas?! Fomos instruídos para odiar os virus porque alguns dêles nos matam, mas agora percebemos que a existência dêles nêste mundo foi necessária e inevitável para a Evolução produzir seres vivos como a espécie humana. A Natureza convocou os virus quando a espécie mais evoluída aqui eram os répteis e usou seu trabalho para transformar um réptil num mamífero. Impressionante!

Bem… leia meus comentários aqui e o artigo publicado em:

Discovern Magazine – Seção Blogs – The Loom

Mammals Made By Viruses

Título: Mammals Made By Viruses

February 14th, 2012 11:48 PM by Carl Zimmer

Em 2000, uma equipe de cientistas de Boston descobriram um peculiar gene no genoma humano. Deram-lhe o nome de ERVWE1. Êle tem o código para produzir uma proteína feita sómente pelas células da placenta. Êles chamaram essa proteína de “syncytin”.

As células que produzem syncytin estavam localizadas apenas onde a placenta faz contacto com o útero. Estas células se fundem, ou se unem, para criar uma unica camada de células, chamada de “syncytiotrophoblast”, a qual é essencial para o feto sugar, drenar, nutrientes de sua mãe. Os cientistas descobriram que o que liga as células como uma espécie de ponte é essa proteína, a syncytin. Então, para que no futuro as células possam se conectarem, precisam antes fabricar a syncytin, como nós do lado de cá de um rio, para atravessar-mos mercadorias à outra margem, precisamos antes fazer uma ponte.

Até aqui tudo bem, nos maravilhamos com as previdências e fantástica engenharia da Natureza, mas estamos acostumados a aceitar isto. O que torna o caso realmente formidável é que êsse gene que faz essa ponte, essa proteína, não é um gene humano! Êle tem todas as características dos genes dos virus. Algum antepassado nosso extorquiu êsse gene do DNA de um virus e nenhum de seus descendentes nunca mais o devolveu. Agora tem virus nascendo aleijado, outro vêsgo de um ôlho, porque lhes falta êsse gene. Devolvam o gene ao virus, meu amigo, minhas amigas, senão vocês podem ir para o inferno…

O problema é que se meu pai tivesse devolvido o gene eu não teria nem nascido e não estaria aqui agora blogando… Se eu devolver o gene nunca terei filhos. Vou ficar triste pelo resto da vida com êsse tremendo pêso na consciência. Somos ladrões de genes de criaturinhas indefesas.

O artigo é longo e continua com informações valiosas. Apenas para ilustrar reproduzimos a figura abaixo mostrando como foi a evolução da inserção dêsse gene:
xxx

Ciclo Evolutivo do Gene para Syncytin


xxx
Observe o desenho na base onde se lê “maternal vessel”, a faixa ou camada de células formada pela syncytin.

Virus têm se infiltrado por êles mesmos no genoma de nossos ancestrais por centenas de milhões de anos. Êles tipicamente têm conseguido isso ao infectarem ovulos e espermas, inserindo seus próprios DNA dentro do nosso. Existem 100.000 conhecidos fragmentos de virus no genoma humano, perfazendo cêrca de 8% do nosso DNA. ( Tem um casal vizinho lá de casa que quando a mulher ficou grávida só se expressaram êstes 8% de genes e quando o filho nasceu era apenas um virus, por isso êles criam seu filho escondido numa caixa de fósforos na casa… Mas, agora falando a verdade, acho que você já sabe que muitas vêzes êstes fragmentos de genes viróticos se replicam e se tornam virus completos, por isso nosso corpo cria virus dentro de nós mesmos!)

A maioria dêste DNA de virus tem sido atacado por tantas mutações que hoje nada mais são que meras bagagens que nossas espécies carregam de uma geração a outra. Ainda assim há alguns genes virais que ainda fazem proteínas em nossos corpos. Syncytin aconteceu de ser uma proteína extremamente util para nossa biologia, por isso a Evolução, através de seu mecanismo da seleção natural, permitiu a êsse gene que a produz, a se expressar e o mantêve até hoje no DNA dos mamóferos. Originalmente, syncytin permitiu aos virus fundirem células dos corpos de seus hospedeiros para que êles pudessem se propagarem de uma célula para outras. Agora essa proteína permite a bebês se colarem ao corpo de suas mães.

Agora vamos analisar êsse fenômeno, como e porque aconteceu essa espécie de milagre, à luz da fórmula da Matrix/DNA, e prepare-se para vibrar de emoção com a sabedoria da Natureza. O que são os virus, como e porque surgem na Terra? Virus são apenas uma das sete peças de um sistema natural. Observe a fórmula da Matrix.
xxx

Fórmula da Matrix/DNA no Estado de Sistema Fechado


xxx

Virus são os instrumentos materiais, os representantes no ecossistema da biosfera terrestre da Função Sistêmica Universal n. 5. Esta função que nasce em F.4 – o elemento masculino do sistema – sai fora do circuito esférico rumo ao interior do sistema, para terminar na F.1 – o elemento feminino do sistema. É a unica peça movel dos sistemas naturais e a unica intermitente, quer dizer, só aparece quando um sistema está maduro e começa sua fase de reprodução. É uma peça fundamental na reprodução e perpetuação das espécies. Ela funde duas outras peças, une-as, a F.4 à F.1. No céu, o unico astro que perambula entre outros é o cometa, e estudando suas demais características descobrimos que cometas são os instrumentos materiais dentro dos sistemas astronomicos fabricados pela faixa do espectro da luz natural correspondente à Função Sistêmica Universal n. 5 quando a luz adentra a matéria inerte e lhe imprime a dinâmica do ciclo vital, quer dizer, organiza a matéria em sistemas funcionais. O cometa é o espermatozóide do espaço. Não os que vemos passar por aqui, êstes são espermatozóides que nunca alcançaram o alvo, vão vagar até se desfazerem. No sistema celular essa função criou o RNA, o mensageiro, o transportador. Na divisão dos orgasnismos pelo sexo essa função entrou criando o espermatozóide. No sistema nucleotideo ela criou a base uracila, a unica que só existe no RNA e é intermitente, só aparece quando é formado um novo nucleotideo que vai compor a fita do DNA.

Cada Função Universal criou uma das cinco principais organelas do sistema celular. A F.1 criou o nucleo, A F.2 criou o centríolo, a F.3 criou o ribossomo, a F.4 criou a mitocondria (por isso a mitocondria tem DNA tambem pois ela representa o elemento macho que precisa ter DNA para a reprodução, e por isso ela emite os bólidos de energia ATP como seu ancestral no céu, o pulsar, emite os energéticos cometas). A F.6 criou o lisossomo que faz a limpeza da célula retirando seus detritos como sua ancestral no céu, a estrêla decadente se fragmenta expulsando seus detritos. A F.7 criou o cloroplasto, que só existe na célula vegetal e como representa o seu ancestral no céu, a estrêla, é êle que conecta a célula vegetal ao Sol e faz a fotossíntese. E a F.5, criou qual organela? Uma que fôsse intermitente, quer dizer, só aparece na reprodução, os virus. Por isso os virus tem a tendencia de penetrar na célula, ir até o nucleo onde se situa a fêmea, e só sabe se reproduzir desenfreadamente, ou juntar o aparato masculino ao feminino se fazendo de ponte, como a syncytin.

As organelas eram, antes de ser formado o primeiro sistema celular, apenas compostos moleculares como o ribossomo, o lisossomo, ou pré-organismos já com RNA/ou DNA como as mitocondrias. Existiam separadas, porque foram pacotinhos de genes semi-vivos vindos do sistema astronomico, eram apenas certos trechos do circuito daquêle sistema. Com o tempo e por simbiose se juntaram dentro de uma membrana, perfazendo o circuito completo e assim o primeiro ser vivo saiu a se arrastar na superficie da Terra.

Os virus são tambem uma organela celular.

E porque êles tem a capacidade de fazer uma proteína que funde o utero à placenta? Ora, já respondemos acima, basta dar uma olhada para o céu, êles lá só sabem fazer é fundir dois corpos. E a maioria dos cometas que não chegam no horizonte de eventos do vórtice formado no meio da poeira estelar (vórtice êsse errôneamente teorizado pelos físicos como se fôsse um buraco negro), porque não tiveram a fôrça necessária para penetra-lo, ficam orbitando no meio da poeira que mais tarde vai justamente se constituir na ancestral celeste da placenta dos mamíferos, ao se agregar ao nucleo da semente de uma nova estrêla e se tornar o depósito de nutrientes para o germe se alimentar até desabrochar. Por isso a syncytin só existe ali entre o utero que imita o buraco negro onde se desenvolve o embrião de uma nova estrêla e o resto do Universo, o qual, nêste caso, é o corpo da mãe.

Êste é o pêso, a fôrça, de uma teoria consistente. Não é porque descobriram no ano 2.000 a syncytin, o gene do virus no DNA dos mamíferos e por causa de eu saber disso tudo apenas hoje quando leio êste artigo que estou descobrindo agora a identificação com minha teoria. Essa história da placenta como imitação do horizonte de eventos, dos virus como reprodutores e organelas, e constantes do DNA, já a escrevo aqui nêste webisite há anos e já a registrei com direitos autorais a 20 anos atrás, antes da syncytin ser descoberta em 1998. É a capacidade de previsão certeira desta teoria que a cada dia me convence mais que algo nela, ou muito dela, deve estar correto. A formula da Matrix/DNA surge nêste Universo material codificada no espectro electro-magnético de qualquer raio de luz natural, (como explico aqui em outro artigo), mas de onde vem essa luz, qual sua fonte natural, A Teoria da Matrix/DNA não sabe dizer. Vou morrer levando comigo êste mistério não-resolvido para meu tumulo…

Mas se assim for, se a teoria da Matrix/DNA está correta, os cientistas estão interpretando algo de forma errada. A teoria diz que tôdas as informações vindas de LUCA – o nosso ultimo ancestral comum astronomico – já existiam no primordial DNA. Isto significa que os genes dos virus tambem surgiram no DNA dos seres vivos à mesma época. A presença dêstes genes no DNA, provavelmente localizados na região chamada DNA-lixo, independente da inserção dêles pelos virus, pois são partes do trecho do circuito sistêmico, o qual está completo no DNA dos vegetais e apenas sem os genes para cloroplastos nos animais. Acontece que aqui o problema se torna complexo e ainda não tive tempo para estudar essa questão. Os genes dos virus são genes biológicos, derivados dos genes semi-vivos astronomicos e a maioria dêstes está inativa na região que denominamos DNA-lixo. Êles só se despertariam para novamente se expressarem se alguma condição de sobrevivencia atuar como um estimulo. Como no ancestral astronomico êles trabalhavam com material mais simples, deve ter tido mutações nos seus derivados que compõem os genes biológicos dos virus. Por isso talvez os cientistas não os encontram no meio do DNA: já não mais se parecem com seus mutados descendentes nos virus. Mas isto levanta uma suspeita: talvez êstes genes não tenham sido inseridos por virus. Talvez estes genes no DNA dos organismos vivos tenham produzido os virus, mesmo que mais tarde, devido à maior eficiência dos genes virais mutados, e devido à proximidade de coexistência de ambos no nucleo celular, a Natureza preferiu selecionar o material viral e deixou o material do DNA primordial inativo.

Outro fator a considerar: porque êstes genes só aparecem dos mamiferos para cá, e não nos ancestrais anteriores como os répteis? Se não aparecem nos anteriores, a Teoria da Matrix/DNA explica o porque. Tenho outro artigo aqui explicando como a engenharia de manter os ovos e nutrir os embriões dentro do corpo da fêmea surgiu e se desenvolveu nos ancestrais não-mamiferos. O artigo, se não me engano chama-se ” Dos répteis aos Mamiferos: Um Ato Heróico?” Isto aconteceu porque no céu, no ancestral sistema astronomico, já existiam as duas fases, a primeira de botar os ovos fora, e a segunda, de manter os ovos dentro. Quer dizer, o aparato de reprodução dos mamíferos já estava estabelecido na fórmula da Matrix desde as origens do Universo. Então, é comprensivel que, mesmo já registrados no DNA desde as amebas, os genes responsáveis pela produção da syncytin só iriam se expressar quando se iniciasse a segunda fase, a formação dos mamiferos. Que estivessem já no DNA dos organismos ou voando por aí nos virus, não importa: estava determinado por uma onda/raio de luz que entrariam em ação no momento certo.

xxx

A seguir, alguns de meus comentários postados na Internet em artigos, foruns de discussão, etc.

http://blogs.discovermagazine.com/loom/2012/02/14/mammals-made-by-viruses/comment-page-1/#comment-76450

34. Louis Morelli Says:
February 17th, 2012 at 12:03 pm

Thanks! I had a lot of information here, useful for my work. But, I am asking the opportunity for debating a different approach about these phenomena, based in the viewpoint of Matrix/DNA Theory.

The existence of virus, the origins of placenta and mammalian reproductive apparatus are explained by the Matrix formula that was present in the state of the world before biogenesis. Hence, this information here about syncytin, the fuses, already was predicted by this theory 30 years ago, as proved by copyrights.

What’s virus? There is a universal natural formula for all natural systems and viruses are the performer of systemic function number 5 at cells systems (See the formula at my article “Nós, Mamíferos Fomos Feitos Tambem Por Virus! Mamma mia! (Portuguese – fevereiro | 17 | 2012). Google it.

How was the origin of placenta and mammalian reproductive apparatus? It is explained in my article “From Reptile to Mammals: A Heroic Act? (English – November 13th, 2011)”

There is a controversial point between the two theories. Matrix suggests that the original genes that later produced syncytin already were registered in the primordial DNA and they are there, at the junk DNA. But they were prohibited to express because the evolution of biological systems obeys the same chronology ordered by the formula and the formula first makes system laying eggs out, only in a later phase the system keeps the egg within. So, in parallel was evolving the virus which DNA had several mutations at the point that some genes are not re-cognoscible when faced with its similar genes at the living beings’ junk DNA.

There is this possibility: the living beings genes produced the viral genes which had mutations and went back to living beings DNA when evolution determined that it was time for their expression.
Viruses, as performers of F5, are supposed to be cells organelles. This function build tools for reproduction and perpetuation of species, then it appears only at intervals in the cell system. Viruses are the performers of male functions, the cells tool as their spermatozoon. The cause evolution had keep this viral organelle outside the cell system is because they have the bias to reproduce by re-cycling closed systems. Then, the virus keeps orbiting around the female apparatus (in this case, the uterus) and mixing at ingredients and cells in that region they produces syncytin.

Everything equal when the Matrix formula was building the galaxies building blocks: uterus is the black hole at the galaxy nucleus, placenta is the formation of events’ horizon with stellar dust. Fetuses are seeds of a new star and virus are the comets that make the fecundation, fusing the black hole with the external Universe, which, in this biological case, is the mother’s body.
This is a different theory, maybe has a lot of wrong things in their models, but his ability to make predictions has been incomparable with others theories.

xxx
http://blogs.discovermagazine.com/loom/2012/02/14/mammals-made-by-viruses/comment-page-1/#comment-76450

35. Louis Morelli Says:
February 17th, 2012 at 12:19 pm

Besides the debate among different theories, there is this practical and urgent case related to these viruses:

Wikipedia: Clinical significance

HERV-W has been associated with multiple sclerosis and schizophrenia in humans. (HERV-W_7q21.2 provirus ancestral Env polyprotein also known as Env-W or enverin or syncytin is a protein that in humans is encoded by the ERVWE1 gene.

Then, my job just now is searching information everywhere about these diseases and trying to understand it from the Matrix/DNA formula viewpoint.

xxx

A seguir começa a compilação de dados para mais esta pesquisa da Matrix/DNA

Wikipedia ; Syncytin > ERVWE1

HERV-W_7q21.2 provirus ancestral Env polyprotein also known as Env-W or enverin or syncytin is a protein that in humans is encoded by the ERVWE1 gene.

Function: Many different human endogenous retrovirus (HERV) families are expressed in normal placental tissue at high levels, suggesting that HERVs are functionally important in reproduction. This gene is part of an HERV provirus on chromosome 7 that has inactivating mutations in the gag and pol genes. This gene is the envelope glycoprotein gene which appears to have been selectively preserved. The product of this gene, syncytin, is expressed in the placental syncytiotrophoblast and is involved in fusion of the cytotrophoblast cells to form the syncytial layer of the placenta. The protein has the characteristics of a typical retroviral envelope protein, including a furin cleavage site that separates the surface (SU) and transmembrane (TM) proteins which form a heterodimer.[3]

Clinical significance: HERV-W has been associated with multiple sclerosis[4] and schizophrenia in humans.

Multiple sclerosis
From Wikipedia, the free encyclopedia:

Multiple sclerosis (abbreviated to MS, known as disseminated sclerosis or encephalomyelitis disseminata) is an inflammatory disease in which the fatty myelin sheaths around the axons of the brain and spinal cord are damaged, leading to demyelination and scarring as well as a broad spectrum of signs and symptoms.[1] Disease onset usually occurs in young adults, and it is more common in women.[1] It has a prevalence that ranges between 2 and 150 per 100,000.[2] MS was first described in 1868 by Jean-Martin Charcot.[3]

Comentário da Matrix/DNA:

Nesta primeira breve abordagem, aprendemos que a esclerose decorre de uma inflamação nas camadas gordurosas de myelin formadas em volta dos axons dos neuronios, geralmente em jovens e mais nas mulheres. O quadro nos lembra imediatamente o mesmo quadro das camadas de syncytin em volta do utero. O que nos traz a essa comparação de padrões é o fato de que os genes envolvidos em syncytin tambem estão envolvidos nessa inflamação, tambem estão presentes no myelin. Temos do syncytin e da formula da Matrix/DNA a teoria de que se trata de gene viral, que virus se localizam em órbita de aparatos que representam F1, o qual é extritamente feminino, por isso já se entende porque a doença ataque mais as mulheres. Tambem sabemos que a maior atividade dos virus é na fase de inicio da reprodução sexual, por isso já se entende porque a inflamação surge mais nos jovens. Deduzimos que os sinais que correm dentro dos axons são entendendidos pelos virus ou seus genes como fetos de uma nova mensagem, por isso os genes virais se dirigem aos axons e ao orbitarem-no acabam criando uma camada-ponte entre o axon e o resto do cérebro, assim como a syncytin funde o utero com o resto do corpo da mãe. Vamos continuar buscando mais informações para penetrar mais fundo nos segrêdos e causas desta doença, buscando uma solução de cura. Que Deus, ou seja lá qual é a fonte por tras da luz natural, esteja conosco. Nossos irmãos estão sendo torturados por essa doença e precisam de nossa ajuda, sempre é bom a mim mesmo lembrar isso para manter-me recolhendo energia de onde for possível e fazer êste trabalho.

Inflammation
From Wikipedia, the free encyclopedia

Inflammation (Latin, īnflammō, “I ignite, set alight”) is part of the complex biological response of vascular tissues to harmful stimuli, such as pathogens, damaged cells, or irritants.[1] Inflammation is a protective attempt by the organism to remove the injurious stimuli and to initiate the healing process. Inflammation is not a synonym for infection, even in cases where inflammation is caused by infection. Although infection is caused by a microorganism, inflammation is one of the responses of the organism to the pathogen. However, inflammation is a stereotyped response, and therefore it is considered as a mechanism of innate immunity, as compared to adaptive immunity, which is specific for each pathogen.

Myelin
From Wikipedia, the free encyclopedia

Myelin is a dielectric (electrically insulating) material that forms a layer, the myelin sheath, usually around only the axon of a neuron. It is essential for the proper functioning of the nervous system. Myelin is an outgrowth of a type of glial cell. The production of the myelin sheath is called myelination. In humans, the production of myelin begins in the fourteenth week of fetal development, although little myelin exists in the brain at the time of birth. During infancy, myelination occurs quickly and continues through the adolescent stages of life.

Schwann cells supply the myelin for peripheral neurons, whereas oligodendrocytes, specifically of the interfascicular type, myelinate the axons of the central nervous system. Myelin is considered a defining characteristic of the (gnathostome) vertebrates, but myelin-like sheaths have also arisen by parallel evolution in some invertebrates, although they are quite different from vertebrate myelin at the molecular level.[1] Myelin was discovered in 1854 by Rudolf Virchow.[2]
xxx

Myelin Em Tipicos Neuronios

xxx

Pathogen
From Wikipedia, the free encyclopedia

A pathogen (Greek: πάθος pathos, “suffering, passion” and γενής genēs (-gen) “producer of”) or infectious agent – in colloquial terms, a germ — is a microbe or microorganism such as a virus, bacterium, prion, or fungus that causes disease in its animal or plant host.[1][2] There are several substrates including pathways whereby pathogens can invade a host; the principal pathways have different episodic time frames, but soil contamination has the longest or most persistent potential for harboring a pathogen.

xxx

Sôbre: Doença de Borna

Estudo aponta vírus comum entre o genoma humano e o de outros mamíferos

publicado em 07/01/2010 às 08h24:
http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/estudo-aponta-virus-comum-entre-o-genoma-humano-e-o-de-outros-mamiferos-20100107.html

xxxx

Feche a Porta da Entrada Principal a um Virus, Êle Dá a Volta Por Trás, Fabríca uma Chave e Entra por Outra Porta

sexta-feira, janeiro 27th, 2012

Impressionante a noticia publicada ontem nos meios cientificos! Que vem fazer a alegria dos evolucionistas na polêmica controvérsia com religiosos.

Artigo: TG DAILY

This virus evolves and mutates

Êste Virus Muta e Evolui

http://www.tgdaily.com/general-sciences-features/61076-this-virus-evolves-and-mutates

Posted on January 27, 2012 – 15:36 by Trent Nouveau

Artigo: The Scientist
http://the-scientist.com/2012/01/26/the-making-of-a-trait/

The Making of a Trait

A produção de uma nova característica genética

By Megan Scudellari | January 26, 2012

xxx

Virus Lambda

xxx

Nosso Comentário:

A bactéria E. Coli tem um inimigo mortal, o virus Lambda, que entra nela através de um receptor para alimentos que ela tem na membrana, chamado LamB … Cientistas mudaram o código genético dela para pararem de fazer êste receptor. Inicialmente os virus ficaram perdidos, muitos morrendo por não encontrar pastagens a tempo. Mas ficaram em volta da bactéria sondando sua superficie e estudando os outros tipos de receptores, os quais, para êles eram impenetráveis. A fôrça de vontade destas criaturas é tanta que, ( inacreditável !!! ), se contorceram, se espremeram, se ampliaram, forçaram mudanças em seus genes, transformaram a aparência de seus corpos de maneira que se forjaram, se tornaram uma chave exatamente certa para abrir e entrar em outro receptor!

É como se acontecesse o que ví acontecer com meu amigo Pinóquio da Silva. Êle trabalha dia e noite teclando no computador, usando duas mãos, mas êle quer fumar, tomar café, se coçar, discar no celular, etc.. Então fica no desêspero para por a idéia na tela antes que ela lhe suma da cabeça mas a ânsia da fome e da vontade de fumar querendo que êle pare de teclar é torturante. No seu subconsciente começou a bombar flashes com a seguinte idéia: “E se eu tivesse três, quatro mãos!”. Bem o desejo foi tão forte que começou a surgir caroços embaixo dos braços, levaram-no ao hospital, ninguem entendeu nada, os caroços cresceram e surgiram mais dois braços com mãos… Pinóquio da Silva é realmente um virus, glup, quero dizer, um homem com fôrça de vontade!

Só em sonhos. Isso jamais seria aceitável em bases racionais. Mas… a nossa Razão Humana que enfie a viola no saco e engula mais essa: é possível e acontece! Ao menos no mundo desta espécie cuja existência é um flagelo para a Humanidade, o inimigo publico numero um, os terroristas vitoriosos mais odiados pelos humanos em todos os tempos. Em tôdas as familias êles já derrubaram alguem na cama ou até mataram. Tàdos nós já choramos inconsoláveis à beira do leito de um ente querido atacado por estas bêstas, sem que nada possamos fazer.

Êles estão séculos na nossa frente em têrmos de tecnologias da Vida. Êsse virus forçou-se à uma mutação, experimentou-a não era suficiente. Recolheu-se a seu laboratório, mudou a mutação, tentou novamente, sem suscesso. Por quatro vêzes êle mudou as mutações anteriores, em apenas 12 dias! Êle como que transformou uma carroça tocada a burro num Rolls-Royce com possante motor em 12 dias, e nada conseguiu impedi-lo em seu intento!

Ou nós humanos nos dediquemos com mais energia e investimentos de tempo e trabalho, exploremos o maximo de nossa inteligencia e criatividade, na guerra para acabar com os virus ou êles ainda acabarão conosco!

Por isso é válida qualquer tentativa, qualquer idéia deve ser testada, experimentada, por mais louca que pareça. É uma questão de vida ou morte, é hora de equipar nosso exército de defesa e ataque para ir lá, libertar da cama aqueles milhares que nêste momento estão sendo consumidos por essas feras minusculas, como as vitimas da Aids, dos canceres, etc.

Uma destas idéias estranhas é a proposta da Matrix/DNA Theory sôbre o que são, de onde vem, qual é a fonte criadora dos virus. Se mesmo apenas a titulo de curiosidade os pesquisadores, investigadores, tiverem conhecimento dessa idéia, ela pode ser lembrada em dado momento enquanto observam e se questionam um mecanismo, um processo, um comportamento dos virus, e experimentarem algo inusitado e pode ser que… bingo! Matam a charada, causam consideráveis baixas no inimigo, minando suas estratégias!

Diz a Matrix/DNA:

“Não houve biogêneses, o que houve foi “embriogênese astronomica” que perdurou por 3,5 bilhões de anos porque esta é a escala do tempo nas dimensões astronomicas. O sistema astronomico que nos envolve, criou, gerou, dentro dêle, em material novo e estados da matéria nunca experimentados antes, tudo isso provocando enormes mutações, tipos de seres vivos que são como virus, assim como nosso DNA possui códigos para produzir virus e nós mesmos os produzimos dentro dos nossos corpos. Acontece que os genes, bits-informação, na forma de fótons, emitidos pelas radiações estelares e nucleares planetárias, não se encontram juntos num mesmo ponto do espaço/tempo, porque ao contrário da carga genética humana, que é transmitida por inteiro dentro de envelopes cromossomicos, os genes semi-vivos astronomicos são separados e espalhados no espaço sideral. Ora, em pontos-receptores com enorme capacidade de recepção e sob intenso bombardeio destas emissões, como certas regiões do planeta Terra, muitos dêsses emissores do ancestral astronomico chegam, se encontram, se reunem, e tentam reproduzir a sequencia em que existiam antes, do circuito do sistema a que pertenceram. Assim aqui se formam pedaços de frases, pacotes com conjuntos, arquiteturas com inteiros paragrafos reproduzidos, e depois quando tudo se reune, um novo ser, uma célula viva sai se arrastando e procurando alimento na superficie dos planetas.

Virus são pedaços incompletos do sistema ancestral, êles contem informações apenas das funções 4, 5 e 7 do sistema natural-matriz que organiza a matéria amôrfa em sistemas. A função quatro é a do vulcão emitindo cometas, espermatozóides do espaço, a Função 5 é o próprio espermatozóide e a Função 7 é a que organiza a poeira oriunda do cadaver estelar num horizonte de eventos que circunda buracos negros, e quando aqui no meio biológico ela produz as capsulas proteicas, as membranas que envolvem os elementos internos. Por isso o virus invade a célula, porque lá, no nucleo está a fêmea que ele precisa para se reproduzir.

Porque virus tem tanta plasticidade, ou seja, capacidade rápida de mutar? Ora, são pedaços, frases, paragrafos, de um texto cujas outras frases e paragrafos estão disponiveis ao seu redor. Existe uma fôrça de atração entre os fótons dentro fos virus com os fótons livres em seu meio circundante, ocorre uma simbiose natural, basta o virus querer e absorver do ar, ou do sangue, etc., estes fótons. Para humanos como Pinóquio da Silva isto é impossivel porque humanos não são pedaços, são inclusive mais que o texto completo, a evolução os fêz ultrapassar os limites de informações do ancestral e já está absorvendo informações de um sistema hierarquicamente superior ao ancestral, um sistema que tem capacidade mental.

Pois bem: mas em que nos ajuda essa nova estapafurdia idéia? Numa situação desesperada de guerra contra um poderoso inimigo?

Infelizmente sou pobretão e tenho que sair para trabalhar agora, senão não pago o aluguel e vou acabar teclando na rua embaixo da ponte… Mas eu voltarei! Eu vou esmiuçar a cabeça à exaustão em cima dessa idéia, vou estudar o virus como ela o pinta por todos os angulos, tenho que ver uma estratégia antes até mesmo que êles me peguem tambem! Por exemplo, quais são os bits-informação que existem nas substancias onde o virus está, relacionados às Funções 6, 1, 2, 3? Se as descobrimos, inibir-mos sua presença ali, será como deixar os virus como ficou o exército nazista na Russia, no gêlo de Leningrado e sem provisões? Podemos produzir o inverno-inferno para nossos inimigos dentro do nosso corpo? Isto já o fazemos em muitos casos.

A Luz na Cura de Doenças

sábado, agosto 13th, 2011

Tenho notado em vários “papers” que a Luz apenas incidindo sôbre tumores ou vírus pode elimina-los! No caso do artigo abaixo, a luz ultravioleta pode inativar o vírus da raiva. Ora, a ultravioleta está na faixa do espectro correspondente entre às funções 2 e 3. Por que ela desativa vírus? Tenho que ver melhor o que como é o virus e destrinchar isso.

Per Scientia
http://albericomarcosbioifes.wordpress.com/category/questionarios/

A Raiva

A raiva é uma doença causada por um vírus da família Rhabdoviridae e do gênero Lyssavirus, que possui material genético do tipo fita de RNA simples e negativa (Para a síntese de proteínas é necessário que esse RNA seja transcrito em RNAm). Esse vírus possui uma camada bilipídica que envolve o nucleocapsídeo (de formato helicoidal e simétrico), e sua forma assemelha-se ao de uma “bala de revólver”. A princípio, quando o patologista e microbiólogo italiano Adelchi Negri identificou o agente etiológico, o classificou como um parasita protozoário. Mais tarde, em 1903, o pesquisador Paul Remlinger descreveu corretamente o agente etiológico: um vírus. Esse agente pode ser inativado por vários meios, um deles, muito interessante, é pela incidência de luz ultravioleta no sistema contendo o vírus.

Raiva - O vírus

VOCÊ DEIXOU MILHARES DE FILHOS POR ONDE PASSOU,… E NÃO SABE DELES?!

terça-feira, março 1st, 2011

 Somos homens-bombas, mulheres-bombas, auto-suicidas?! 

E o pior: homens tambem engravidam e dão à luz,… ao menos suas células!

Recentes descobertas científicas me deixaram preocupado. Imagine que nosso corpo é capaz de dar origem a vírus! Quando acreditávamos que todos os vírus vinham de fora…
A sua esposa ou seu marido vai querer saber desta história “direitinho”. Por onde tens andado? Vamos explicar?
Mas piadas à parte, a experiência científica que nos inspirou a êste artigo oferece uma grande oportunidade para o leitor aprender algo muito importante para manter sua saúde.
A explicação pode ser melhor recorrendo-se a uma ilustração: a relação entre o virus Lambda e a bacteria E. coli. Este virus é um assassino da bactéria, ou seja, é um bacteriofogo. Isto porque ele se reproduz dentro dela em grande quantidade e depois dissolve-a, abandonando-a para procurar outra bacteria saudavel . Êste tipo de origem de novos vírus dentro de outros organismos não se trata de geração espontânea  pois o vírus original veio de fora do organismo. Mas ele sugere que na bactéria exista um código genético senão igual, muito semelhante ao seu, basta ver que a união dos dois códigos implica em reprodução. Vamos deixar este método, pois o que nos interessa é o método seguinte, o qual foi inicialmente descoberto pela seguinte experiência:
Num frasco herméticamente fechado foi inserida uma bactéria que não continha nenhum vírus. Mantida em cultura, essa bactéria se reproduziu, por muitas gerações. Depois que já existiam dez mil descendentes, de repente algumas aparecem contendo virus! Mas como?! Os virus vieram de fora, atravessaram o frasco? Impossivel!
Ocorre que o DNA da bactéria apresenta um trecho de genes em código que, se expressado, se duplicado, ao invés de produzir uma simples proteína, produz um virus, completo, funcionando! Ela carrega em si mesma a polvora, o estopim, e às vezes resolve detonar-se! Os primeiros suicidas, a bactéria-bomba!
E agora segure-se para não cair: o nosso DNA, humano, possui o mesmo código! Portanto, quando nós fazemos com que êsse código seja duplicado, nós estamos gerando virus dentro de nossas células. Portanto, eles são como nossos filhos, com direito a registro em cartório, carteira de identidade, partilhamento da herança,…!  E portanto, temos dois tipos de filhos: os humanos, e… os virus. Mas talvez não seja só: é possível que geremos procariontes, eucariontes, bactérias,… tôda uma fauna!
E quando uma pessoa passa na rua e dá um espirro, pode estar espalhando seus filhos pelo ambiente. Por isso se pode dizer que alguém tem deixado muitos filhos pelos seus caminhos.
Talvez certas doenças, como a AIDS, o cancer, não sejam apenas contraídas por contágio. Talvez indivíduos estão gerando dentro de si mesmos os agentes malignos! E a Teoria da Matriz/DNA poderia ajudar nesta pesquisa de forma decisiva, pois ela previu isto antes da sua descoberta por humanos, e ela fornece muitas novas informações sobre o que são virus.
O DNA contem um trecho em código capaz de se duplicar na forma de virus . Mas este código pode ser acionado ou pode permanecer inativo durante toda a existência do individuo. Técnicamente, o que determina a ativação ou não do código é um “switch”, uma espécie de chave liga/desliga, num complicado processo envolvendo substancias inibidoras ou promotoras, etc., o qual não vamos descrever aqui. Mas será que esta produção de virus depende apenas técnicamente, do acaso, ou de algo mais, como por exemplo, o contexto psicossomatico do individuo, a sua postura ou comportamento perante a Vida e a Natureza?
A minha experiência particular sugere que os virus são produzidos quando a psique fórça um certo trecho do DNA-lixo  a se expressar fora de sua época e lugar. Existem psiques saudaveis e psiques doentias. Mas não são os hábitos e experiências materiais que determinam se a psique é saudável ou não. É algo mais profundo, muito profundo, relacionado com cosmovisão, a relação entre mente/e-seu-mergulho-no-oceano-quântico. Eu tinha e tenho uma vida indisciplinada, fumando, passando dias sem uma refeição, meses sem um copo de água, a noite tôda acordado e trabalhando na neve quando estou em New York, alem das loucas aventuras no inferno da selva amazonica. Por isso, na juventude conhecí muitas doenças, desde os dois tipos da malária que peguei de uma só vez até uma cirurgia de emergência devido a uma ulcera estomacal causada pela indisciplina alimentar.
Mas então descobri a Matriz – ou sua teoria – e a nova cosmovisão sugeria um quadro profundo de meu ser, com aura, chacras, kundaline, partículas de energia do espaço entrando e saindo do meu corpo, e minha mente como uma substancia que está se organizando como um novo sistema natural. Estas visões sugeriram um método de meditação, de tomar banho de energias especiais e alimentar a aura com outras espécies de energias especiais. Tudo isto em quinze minutos de meditação todo dia ao deitar ou levantar-se. Resultado? Fazem 25 anos, continuando  com tôda essa vida desregrada, e eu não sei mais o que é ficar doente, sentir dor, tomar remédios. Se dependesse de mim, a medicina e os laboratórios poderiam fechar a portas.
Eu não tenho certeza se o meu método é o responsável por minha surpreendente saúde e energia. Pode ser pura superstição. Mas em time que está ganhando, não se mexe, certo? Eu não sou louco de mudar e parar minha meditação. Continuem aquêles que acreditam que essa coisa de meditação é pura superstição, e continuem tomando remédios.  That’s it!
Eu gostaria de ensinar o método de graça, para todo mundo: só teria a ganhar se meus semelhantes fossem todos saudaveis. Mas o texto explicativo seria muito longo pois ele foi por mim elaborado como uma síntese das cosmovisões dos antigos orientais, mais as descrições dos curandeiros nativos do Amazonas quando tomam suas beberagens alucinógenas, e mais o quadro de energias fluindo no corpo e o tipo de estrutura e substancia da mente que extraí dos modêlos da Matriz/DNA. Teria que apresentar desenhos para o leitor fixar imagens. Mas posso fazer o texto e registrar aqui se muitos o pedirem. Só sei que mal não faz a ninguém e não custa nada.
   
A auto-produção de virus, doentios, pode ser, deve ser, psíquica, segundo sugere de maneira lógica e racional, os modêlos da Matriz/DNA. A psique deve ser o agente que produz as substancias que liga ou desliga a chave. Quando um individuo, por exemplo, apresenta o comportamento homossexual, pode ser consequência de uma psique auto-destrutiva e masoquista nesta forma de vida, mas que foi um mecanismo normal da matéria em nossas formas antepassadas (lembre-se que em tôda a evolução cosmológica, até os primórdios da evolução biológica, todos os sistemas ancestrais eram hermafroditas). Esta psique libera comportamentos mórbidos e ao mesmo tempo, cópias de trechos do DNA cuja função pode destrui-los. Ou então tal psique deixa o individuo  frágil e exposto a ser infectado por tais agentes.
O DNA contem o código genético completo para gerar um virus completo porque este código genético foi util no passado e como infra-estrutura dos sistemas atuais é parte indispensável do DNA. Sem este trecho de código, não existiria o DNA biológico. Pois este trecho virótico expressa uma função sistêmica universal, e funções universais criam ferramentas materiais para poderem atuar na matéria. Se estiver no nivel químico/biológico, a Função 3 cria um tipo de proteinas, enzimas; se a nivel celular, esta função cria um elemento celular, o RNAm; se a nivel de corpo humano, a função cria órgãos do sistema reprodutor; se a nivel astronomico, a mesma função que cria o pênis no corpo humano, cria o RNAm na célula, cria o píon no atomo, vai criar o vulcão no pulsar.
O código que cria o virus a nivel biológico está estacionado na região do DNA-lixo e ele veio do ancestral do DNA, a Matriz na sua fase astronômica, onde ele cria cometas no céu: a função masculina da reprodução. Por isso o virus não pode se reproduzir sózinho, ele não possui a parte fêmea do hermafrodita, então ele necessita da fêmea, e sua fêmea está dentro da célula, num trecho do código. E por isto ele não faz outra coisa na vida senão reproduzir-se: ele é apenas como é um espermatozóide, um elemento cego, sem mais nada no corpo, dirigido exclusivamente para um unico alvo. Quando entenderem a causa da origem, a procedencia e o significado sistêmico dos virus, nossa medicina vai dar um salto gigantesco, e a humanidade vai agradecer… mas para isto terão que conhecer antes a Matriz.
Quando o ancestral do DNA era a fôrma sôbre a qual se assentou os sistemas astronomicos, a matéria existente no mundo apresentava-se apenas nas formas gasosa e sólida. Alem disso o meio ambiente nas origens de sistemas estelares e galácticos era circundado e regido pela ausência de gravitação. Pode ser que, ao invés do trecho em código que hoje produz certo tipo de moléculas que constituem o sistema reprodutor, naquela época produzia alguma substãncia ácida, venenosa para sistemas biológicos constituidos tambem pelo estado líquido da matéria. Óbviamente tal forma evolucionaria deste trecho de código não deve ser expressado aqui, e então êle é oculto nas regiões que denominamos DNA-lixo, que constituem a maior parte do DNA. Isto acontece com seres vivos normais. mas existem seres humanos que possuem certas tendências secretas, mórbidas. Basta lembrar-se de crimes horrendos que alguns cometem. Outros têm a tendência de teimarem em reviver o passado dos ancestrais, como por exemplo os que comem carnes cruas, algo quase como canibalismo. Seja como for, desejos intensos da psique podem estimular trechos do DNA-lixo a se expressarem, os quais são venenosos. Alguns produzem os vírus.
 
Por exemplo, muitas pesquisas tem encontrado que pessoas apresentando cancer tinham um comportamento comum, angustiado. Sabe-se lá o que está por tras desta angustia, mas isto serve para reforçar a hipótese de causa psiquica, de carater, de personalidade. Que pode fazer manifestarem-se personalidades/sistemas elementares, primitivas, que ainda se encontram codificadas em nosso DNA-lixo.
Virus surgem na Terra quando um certo numero de certas espécies de fotons vindos através da radiação cósmica – inclusive a solar – conseguem se reunirem num mesmo ponto espacial, adentrando átomos terrestres. Estes fotons são bits-informação da Matriz/DNA no seu estágio evolutivo astronômico, relacionados á função universal numero 3. Ou são gerados dentro do nosso corpo, como nossos filhos, quando nossa psique resolve ter relações sexuais com o dark side da existencia que ficou oculto nas brumas do tempo, mas que pode ressuscitar…
No meu caso algo não normal tem funcionado protegendo minha saúde. As pessoas que me conhecem estão sempre chamando minha atenção para o meu descuido com o corpo e a saúde. Imagine se me acompanhassem por apenas uma semana quando estou na selva. Eu passei meses dormindo 3 ou 4 horas no carpet do chão de um escritório onde trabalhava e tinha um computador para pesquisar meus assuntos na Internet quando minha casa com minha cama ficava a apenas 800 metros de distãncia, mas não tinha tempo… Hoje às vêzes paro para me questionar quando foi a ultima vez que tomei uma refeição, para descobrir que lá se vão dois ou quatro dias só beliscando alguma coisa aqui e ali. Filósofos naturalistas que precisam conhecer todo o conhecimento da humanidade deveriam nascerem ricos e não precisarem trabalhar no bruto para pagar suas contas, mas eu tenho e portanto tempo é o meu maior problema. O corpo fica esquecido. Mas com o cérebro fervilhando de tanta informação, mesmo que esteja a dois dias sem dormir, não consigo acalma-lo e pegar no sono logo que deito. Então a meditação é um santo recurso para dormir… e talvez ela esteja operando mais profundamente do que imagino e do que acredito. Fica o conselho de amigo… 

Porque genes de virus estão conquistando os emprêgos dos genes humanos!

quinta-feira, fevereiro 3rd, 2011

Virus & Cometas: Mais indícios para a Matriz/DNA

Cyanophages, cianobacterial virus, são importantes agentes na horizontal transferência de genes entre diferentes espécies de cianobactérias da flora/fauna marinha, os organismos que fazem fotosíntese predominantes nos oceanos. Êste fenômeno de horizontal transferência de genes entre espécies diferentes é pouco entendido mas muito importante nas nossas vidas, e com a maneira popular como explicamos aqui, tôdo mundo pode entender rápido. 

Vertical transferência de genes é o processo normal: pais passam seus genes para os filhos. Mas existe tambem a horizontal transferência de genes: invasores de corpos maiores alcançam o DNA dêstes e adicionam seus genes, ou absorvem genes, talvez. Assim acaba ocorrendo uma grande salada de espécies diferentes compartilhando, trocando genes. Acho que muitas mutações genéticas e muitas doenças hereditárias tem a horizontal transferência de genes como causa, por isso precisamos estudar êste tema com carinho.

Qual seria a fôrça, ou fôrças, da Natureza que provoca êsse fenômeno, ou ao menos que abre oportunidades para isso ocorrer? Existiria algum objetivo maior – da Vida em si mesma, ou de algo mais contido na Vida – por trás dêste fenômeno? O DNA demonstra que faz muitas coisas para se proteger e manter rigorosamente seu código, criando inclusive duas membranas celulares (a nuclear e a celular) como muralhas fortificadas para se proteger contra invasores. Portanto se essa invasão ocorre é porque existem fôrças mais poderosas que a fôrça do DNA. Ou então porque os invasores usam da inteligência e mandaram um presente de grego, um Cavalo de Tróia, que engana o DNA. Na verdade ocorrem as duas coisas: existe uma fôrça mais poderosa, que é a Matriz, e ela utiliza aqui o ardil do “spaghetti”.  

A Teoria da Matriz/DNA diz que sim, que é a Matriz/DNA Universal quem está por trás disso e explica porque. Para entender melhor precisamos ter a figura do software da Matriz que veio do céu, na memória:

DIAGRAMA-SOFTWARE DA MATRIZ/DNA – SISTEMA FECHADO

Os bits-informação (fótons) emitidos pela matéria de um sistema astronomico envelhecido são como os radicais livres e são dispersos no tempo e no espaço. Mas se dois bits que eram vizinhos antes, no circuito de informações de um sistema astronomico, se encontram, digamos, na superficie de um planeta, ocorre a união automática. É como se dois amigos  chineses da mesma cidade imigram separadamente para New York e um dia se encontram. Assim se formam os bairros com diferenças de etnias, como o bairro dos chineses, dos italianos, dos hispanos, etc. Mas se um italiano for morar no bairro chinês que só comia macarrão do tipo miojo e começar a oferecer spaghetti, a população local, com o tempo, pode incorporar o spaghetti em sua cultura. Assim faz um virus carregando genes sofisticados para fotossíntese quando chega na colonia de genes de uma bactéria fazendo sofregamente uma fotossíntese rudimentar. O DNA local, com o tempo, incorpora os genes diferentes e melhores do virus para fotossíntese.

Qual a vantagem disso para a Matriz Universal?

Ora, os bits-informação que vieram da astronomia para a superficie da Terra, eram como genes não-vivos, semi-biológicos, de LUCA – the Last Universal Common Ancestor  de todos os sistemas biológicos, porque LUCA foi o sistema astronomico mais evoluído que existia. E LUCA veio à Terra como um Deus caído, por ter sucumbido às tentações da matéria em que seu aspecto feminino, massa, tem como supremo objetivo o equilibrio termodinâmico (todo cientista sabe disso), e seu aspecto masculino, energia, tem como supremo objetivo o frenesí e ficção obtidos pelas mais longas aventuras nas mais elevadas velocidades. Por isso mulheres apreciam a segurança e conforto de mansões com marido e filhos enquanto homens apreciam aventuras de conquista e sexo. Constituíram assim um sistema fechado em si mesmo, extremamente egoísta, cortando relações com tudo o mais existente no mundo, fechando as portas à sua Evolução.    Mas além e maior que as galáxias existe o Universo, o qual dispõe de um recurso: degeneração, que causa a morte, segundo principio da termodinamica medido pela entropia, a conhecida Lei de Claudius. O que deveria ser um moto perpétuo eterno foi fragmentado em seus bits e canalizados para um novo mundo, mas foram separados, para vizinhos anteriores caírem em diferentes lugares e em diferentes épocas.  Para chineses em New York não chegarem juntos e no mesmo local e construírem um sistema social e uma cidade igualzinha à da China, pois o super-direitista Presidente Bush não admitiria uma cidade comunista dentro dos EUA, certo? Assim o sistema foi reaberto e a espontânea associação ou aproximação entre os genes semi-vivos foi formando tribos ecléticas, sociedades, miscigenação de raças, gerando novos tipos de circuitos diferentes daquele pecaminoso ancestral.

Ora, já detectamos que o trecho do circuito de LUCA, referente à Função 5, que tinha como ferramenta o cometa, aqui no mundo dos micro-organismos se tornou os virus. Os primeiros só continham uma haste do código genético, denominado RNA. Justamente porque o cometa apenas expressa as informações da meia-face esquerda da Matriz, aquela cujo trecho de circuito vai de F2 a F5 ( observe o diagrama acima). Ora, o cometa é lançado do pulsar, ou seja, F5 é lançado de F4. Justamente F4 é quem tem o potencial latente para transformar-se em, construir, a estrêla. Se você fôr um especialista em construção de usina que produz a luz solar, ninguem melhor do que você será capaz de desenvolver usos uteis dessa luz, dessa energia. Usos úteis como a fotossíntese, que é captação e transformação de energia solar. Isso é em que consite os genes especiais do virus: engenheiros de usinas de energia. Quando se misturam com a comunidade local de engenheiros menos especializados de uma bactéria, facilmente deslocam estas de seus emprêgos, pois o patrão DNA quer a melhor usina que êles sabem fazer. Se as bactérias soubessem o que vai lhes acontecer, resistiriam à tentação mandando o spaghetti para o inferno e continuariam com o miojo. Ou seja, suas usinas mais simples.

Esta é uma maneira de usar uma analogia para explicar por que acontece a horizontal transferência de genes entre diferentes espécies e dentro do contexto da cosmovisão da teoria da Matriz/DNA.

E agora vamos ao artigo que me inspirou a escrever êste pois tem algo mais  importante nêle.

PLOS BIOLOGY JOURNAL

Prevalence and Evolution of Core Photosystem II Genes in Marine Cyanobacterial Viruses and Their Hosts

http://www.plosbiology.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pbio.0040234

“Cyanophages (cyanobacterial viruses) are important agents of  horizontal gene transfer among marine cyanobacteria, the numerically dominant photosynthetic organisms in the oceans. Some cyanophage genomes carry and express host-like photosynthesis genes, presumably to augment the host photosynthetic machinery during infection. To study the prevalence and evolutionary dynamics of this phenomenon, 33 cultured…”

O artigo diz: Alguns cyanophage genomes carregam e expressam genes parecidos com os genes da bactéria hospedeira dedicados à maquinaria fotosintética, presumivelmente para otimizar a maquinaria da hospedeira durante a infecção. Êste é o problema da Ciência sem o conhecimento da  Matriz/DNA: coisas inexplicáveis acontecem, mas como não podemos ficar sem opinar uma explicação, precipitamo-nos a divulgar uma explicação que se melhor pensada, não faz sentido. Você acha mesmo que aquêle mero punhado de átomos que é um virus, arranjado como se fôsse uma ilha ( o RNA ou DNA) cercado de água salôba (citoplasma), contendo ao longe uma muralha protetora circular ou pentagonal (membrana feita com proteina), e nada mais…, estaria por aí se dando ao trabalho de carregar um fardo que ele não usa? Porque e para que possuem genes para fazer fotosíntese, se, pelo que sei, virus não faz fotosíntese?! – só mesmo a Matriz/DNA explica isso). E como um punhado de átomos pode prever o futuro,  como pode saber que a bactéria faz fotosíntese, e como pode entender de fotosíntese melhor que a bacéria? Seria o mesmo caso do fazendeiro que planta milho para alimentar porco para comer o porco quando tiver gordo! Ora… tenha a santa paciência! Êsse amigo biólogo quando explica ao filho que Papai Noel existe e vai dar um presente de natal, não está mentindo: êle se esqueceu que Papai Noel não existe.

A explicação do porque os genes da fotosíntese estão no genoma do vírus está explicada acima. Vírus não tem a menor idéia de que êles transportam engenheiros e ainda mais, os melhores engenheiros em usinas de energia. São os engenheiros da Matriz. Os mesmos que conseguiram fazer obras belas e fantásticas como uma Marylin Monroe, um Albert Einstein, ou mais ainda, a cozinheira idosa e gorducha do restaurante que frequento, uma santa e heróica criatura!

No entanto… a Matriz ainda é apenas uma teoria na cabeça de um maluco… não acredite em mim, tenha a explicação como possibilidade apenas, por enquanto. Mas também não precisa me condenar, não é …? Afinal, além de agora você entender o que é “horizontal gene transfer” = chineses largando o miojo para comer spaghetti – você tambem sabe que os biólogos estão acreditando em coisas mais malucas que eu. Abraços…

Louis Morelli