Archive for março, 2009

Quem e’ LUCA – O verdadeiro criador da Vida ?

sexta-feira, março 27th, 2009

LUCA - The Last Common Ancestral

 LUCA e’ um PROTO-SISTEMA formado pelas suas diferentes FORMAS de seu proprio CICLO VITAL.     LUCA e’ a unidade fundamental (building block) de GALAXIAS e reproduz-se como NUCLEOTIDEO, o building block ou unidade fundamental de informacao do RNA e DNA.

DIAGRAMA DO PROTO-SISTEMA “LUCA” - The Last Universal Common Ancestral

DIAGRAMA DO PROTO-SISTEMA “LUCA” – The Last Universal Common Ancestral

O motivo pelo qual os astronomos erram

quinta-feira, março 26th, 2009

Voce quer entender atraves de uma analogia porque os astronomos estao interpretando o Cosmos com equivocos? Vamos la’:

Imagine que uma forma mental inteligente surja espontaneamente no espacao sideral a muitos milhares de anos-luz. Nao sao mentes surgidas a partir de seres vivos e seus cerebros. Eles nunca viram nada como propriedades vitais, seres vivos, reproducao sexual, etc. De longe apontariam seus instrumentos para a superficie terrestre e conseguiriam ver os seres humanos, mas muito vagamente. Notariam que as populacoes crescem, sempre estariam aparecendo jovens seres humanos, mas como nao sabem a maneira como os seres humanos sao feitos, elaborariam teorias, e provavelmente baseadas em geracao espontanea.

Assim ocorre com a Humanidade neste inicio de sua aventura cosmica. Apontamos nossos telescopios e sensores de naves para constelacoes e galaxias distantes onde se observam densas nebulas de poeira donde surgem novas estrelas e seus planetas, assim elaboramos modelos teoricos tentando explicar como surgem.

Mas no hipotetico caso das mentes, somente o aperfeicoamento de seus instrumentos de observacao e medicao poderia corrigir o erro; no nosso caso, basta aplicar com autenticidade a pura e livre razao que herdamos da Natureza. Assim entenderiamos que quando vemos o Cosmos estamos vendo o nosso passado. E assim raciocinariamos que se existimos aqui com vida e fomos feito do modo como fomos, e’ porque o que somos e como fomos feito veio do Cosmos.    

A Teoria Nebular e a Astronomia nos Textos dos Livros Escolares

quinta-feira, março 26th, 2009

Este artigo visa estudar e debater as visoes de mundo transmitidas ou inculcadas nas cabecas das criancas e jovens atraves dos bancos escolares. Existem pessoas que creem no mundo feito por Deus, existem pessoas que creem no mundo sem Deus e existem pessoas que creem no mundo gerado por ancestrais naturais atraves de softwares geneticos. Nao precisa saber muito para concluir como estas visoes de mundo conectam diferentemente os neuronios nos cerebros e produzem pessoas que se comportam diferentes entre si.  Portanto este tema nao e’ metafisico e sim tem enorme influencia no nosso dia-a-dia e determinara’ a nossa sorte no nosso destino.

Vejamos este trecho da revista “The Economist”, May 31st 2003, pag 78:

” Os discos achados em volta de um tipo de jovens estrelas conhecidas como T-Tauri, sao exemplos nos textos dos livros escolares de como se supoe sao formados os sistemas solares. Uma rotatoria nuvem de gaz e poeira inicia a se contrair sob sua propria gravidade. Ela se esquenta no meio enquanto as regioes esxternas se achatam. Enquanto a temperatura no centro aumenta ao ponto de iniciar a fusao nuclear, a poeira na parte achatada se amalgama e adere. Eventualmente, os monmticulos formados pelo amalgama juntos formam os planetas, e o gaz adere como suas atmosferas.

O que os textos destes livros gastam poucas paginas e’ explicando que, na maioria das estrelas tipo T-Tauri, seria tomado muito tempo para conseguir de pequenas particulas de poeira objetos tao grnades acomo aterra, para nao falar de Jupiter. Por volta dos dez milhoes de anos e’ o tempo calculado gasto na formacao de planetas.

Por enquanto, apesar de tao diferentes, os modelos da Matriz e os modelos da Nebular nao se negam mutuamente, ao contrario, as duas podem sobreviver em tal cenario. Bastaria `a Teoria Nebular ver, no meio dos discos de gaz e poeira a presenca de buracos negros e pulsares tais como descritos pela Matriz. Mas existe um outro problema que torna esdte tema complicado e que teremos de refletir muito antes de finalizar o artigo. A Teoria da Matriz apresenta um modelo de um proto-sistema astronomico que na realidade nao existe num dado momento e que e’ formado pelo ciclo vital e constituido pelas diferentes formas de um unico astro e seus acessorios sob este ciclo vital. Portanto nao se trata de um modelo de sistema astronomico, nem solar nem galactico. Para nossos modelos, sistemas solares pouca importancia tem, da mesma forma que, no estudo do corpo humano, os atomos que constituem-no pouca importancia tem. Porem, em relacao ao prototipo, denominado LUCA, ainda nao estou certo se os sistemas solares seriam seus atomos ou suas celulas. Ainda assim, no estudo geral da anatomia humana, pouco se refere as celulas.

Mas vamos voltar e continuar este tema…        

Estrelas Nuas, Estrelas com Vestidos Transparentes ou Baby-Estrelas com Fraldas?

quinta-feira, março 26th, 2009

(Comentario da Matriz sobre o artigo “Stellar Striptease”, The Economist, May 31st 2003) 

Uma nova informacao vinda do espaco sideral tem dividido os estudiosos da Astronomia em tres grupos: 

1) O grupo radical da Teoria Nebular acredita que as estrelas estao quase nuas porque usam vestidos transparentes;

2) O grupo moderado da Teoria Nebular defende que as estrelas estao nuas mas nao totalmente, ainda estao fazendo striptease;

3) O grupo de um so’ da Teoria da Matriz reza que, pelos seus modelos, tratam-se de estrelas recem-nascidas ainda usando fraldas…

Vamos ver no final quem vai ganhar nessa historia…

O seguinte: A Dra Elizabeth Lada da University of Florida e Karl Haish, da University of Michigan, observaram quatro aglomerados estelares das constelacoes de Orion e Perseus, e mediram a quantidade de radiacao infra-vermelha e microondas vindo de cada aglomerado. Tal radiacao e’ emitida pela poeira estelar quente, tanto que se uma estrela jovem parece brilhante em tais comprimentos de ondas a teoria supoe que a estrela esta’ rodeada por um disco de poeira.  E’ da analise destas radiacoes que se tem calculado o tipo de disco, assim como o tamanho e as idades dos aglomerados e suas estrelas. De acordo com a Teoria Nebular, se um aglomerado nao apresenta mais o disco de poeira e’ porque o aglomerado tem mais de tres milhoes de anos. Isto porque a poeira teria tornado-se planetas, o gaz teria tornado-se suas atmosferas, portanto, teria desaparecido a poeira normalmente vista em torno de estrelas muito novas que ainda nao possuem planetas. Mas a Dra. Lada tem quase certeza que nestas estrelas jovens nao existem os discos de poeira. Suas aparelhagens e tecnicas de observacao sao tao sensiveis que mesmo a uma distancia de mil anos-luz teriam captado os discos de poeira em torno ate’ de pequenos asteroides. E a Dra Lada explica: ” Se as pessoas querem acreditar (alooo, pessoal radical da Nebular…) que planetas se formam normalmente em volta de estrelas, principalmente das T-Tauri, elas terao que pensar em maneiras de permitir isto acontecer em 3 milhoes de anos, ao inves dos 10 milhoes calculados pela teoria.”

Resumindo, a Teoria Nebular ditou os textos dos livros escolares do mundo todo onde expoe a suposta formacao dos sistemas solares, mas cujos processos indicam que a gestacao de planetas tomariam cerca de 10 milhoes de anos. E justamente estes sistemas tipo T-Tauri sao arrolados como bons exemplos da teoria. Agora, com esta nova informacao os teoricos da “Nebular” estao em maus lencois, pois terao que rever os processos e comprimir tudo a ponto de encaixar os tres milhoes de anos onde antes cabiam 10. E como as estrelas T-Tauri normalmente sao cobertas pelos discos de poeira, e estas agora nao os possuem, acham que elas fizeram striptease e chamam-nas de estrelas nuas. 

Mas Jeff Bary e David Weintraub nao estao alegres e aceitando isto assim. Dizem eles: ” A observacao que a fina poeira desaparece rapidamente nao e’ razao para pensar que a manufatura de planetas deve ser um trabalho apressado de 3 milhoes de anos. Tudo o que e’ necessario ‘e uma parcial consolidacao em algum tipo de grandes objetos intermediarios que poderiam ser esperados na formacao de planetas….” Eles usartam outro tipo de observacao de raio-X e concluiram: ” Estrelas nuas, parece-nos, nao sao inteiramente nuas. Elas estao justamente vestidas num diafano e incipiente sistema solar”.

Mas ai’ entra tambem na discussao a Teoria da Matriz, dizendo que se o disco de poeira existe mas e’ muito debil, a estrela nao esta’ em idade de fazer striptease, ou ela ainda ‘e uma baby recem-nascida e a pouca roupagem significa apenas suas fraldas ou tao velha que ja’ esta’ batendo as botas.  Sao duas alternativas possiveis aqui:

1) A Dra. Lada observou os astrobabies na posicao intermediaria entre Funcao 1 e 2, quando a esfera luminosa que ‘e germe estelar e vai constituir o nucleo dos astros seguintes esta’ saindo do horizonte de eventos de um buraco negro e de fato ali deve existir um cinturao deste tipo de estrelas envolvidas nesta pouco densa nuvem de poeira;

2) Ou as estrelas observadas estao na posicao intermediaria entre a Funcao 6 e 7, quando a estrela muito velha comeca a se desfazer e os primeiros fragmentos mantidos por sua gravitacao continuam a orbitarem nas suas proximidades.

Portanto, a Teoria da Matriz absorve com facilidade mais este dado real e continua em pe. Quanto aos teoricos defensores da Teoria Nebular – como diz o artigo – esta e’ uma ma’ noticia, pois terao que refazer calculos e encontrarem uma maneira de encaixar o novo dado em seus modelos.

Mas este ‘e um artigo sob construcao ainda e veremos objecoes, debates, etc.                  

Os Baloes de Yukawa: Segredo Fundamental para entender sua Existencia neste Mundo

domingo, março 22nd, 2009

A Matriz me ajudou a entender 13,7 bilhoes de anos da Historia do Universo… e alguma coisa do porque estamos aqui e agora. Mas empre quando partia da visao de um fenomeno natural qualquer, visto aqui ou no parque em frente de casa, e ia destrinchando suas causas atras de causas ate’ chegar sua raiz primeira, eu chegava no Big Bang e ai’ parava. Mas entao tomei conhecimento da obra genial de um Fisico japones genial, Hideki Yukawa, que ganhou o Premio Nobel nao pot causa da sua obra mais importante – a teoria do adesivo nuclear – mas sim por suas descobertas a respeito dos mesons pi. O adesivo nuclear de Yukawa e’, sempre foi o maior casamenteiro do mundo, o Santo Antonio padroeiro do casamento dos catolicos. Sensacional a inteligencia por traz daqueles olhinhos apertados! 

Quando eu era crianca e menor abandonado dormindo nos bancos das pracas de Curitiba eu roubava livros – ate’ listas telefonicas! – e nao via a hora de chegar a noite para ler sob a luz do poste as coisas inteligentes que deviam estar escritas ali.  Foi assim que numa noite escura quando todo mundo dormia e eu – nao tendo outra coisa melhor para ler – lia a pesada lista telefonica…. Daisy Machado – 465738829 – Rua 63- Changri-la. Davi Schumaker – 465784759… de repente deparei com o nome: Deus – 46579371,  Orion, Nebula… Sacudi a cabeca e li de novo … Deus?! Corri no orelhao da esquina, disquei o numero e foi ai’ que comecou aquela fase na minha vida de todas as madrugadas passar um bom tempo falando com Deus no telefone.As vezes a ligacao era cortada por que acabava minhas fichas e quando ligava outra vez deus estava p… da vida e me ralhava dizendo que ao inves de roubar livros ele me ordenava que roubasse mais fichas telefonicas… Naquela epoca eu tinha algumas manias e a mais intensa que inventei foi minha paixao pela Natureza. Bptei na cabeca que queria ter um filho com a Terra, por isso num lugar escuro e escondido do parque fia um buraquinho apertado na Terra e tyoda a noite botava no meu pipi naquele buraquinho deixando ali minha semente. No dia seguinte ia conferir se alguma semente tinha brotado e imaginava como seria a forma do meu filho com a terra: o corpo seria humano normal com duas pernas, umbigo, dois bracos, mas a cabeca ia puxar a mae, bem redondinha e girando,  fazendo os dois movimentos, de rotacao e translacao. 

Um dia roubei um livro na banca do turco e quando sentei no banco para a refeicao de todo dia comecei a descascar a banana e desembrulhar o pao enrolado na camiseta, abri o livro. A autora era norte-americana e pela biografia era paranormal e devia ser bastante famosa pelo tanto de palestras e obras publicadas. Logo depois do prefacio ela escreveu:

“Quando era menina e sentada na carteira da escola eu oilhava a classe e via um quadro diferente de todo mundo. Via o corpo de Joseph envolvido numa aura de energia zebrada de rodas as cores emitindo um raio meio roxo apaixonado que parecia um arco-iris passando passando por cima das cabecas dos alunos e alcancava o corpo de Mary, mas nao parava ai e continuava em queda ate sumir no piso, Mary nao se dava conta dele. mas do corpo de Mary partia outro raio cor-de-rosa intendso na direcao de John mas tambem se partia porque John nao notava Mary. sepois de algum tempo o raio de Mary ja nao passava todo direto pois uma parte dele sumia dentro da cabeca de Jonn, que comecou a emitir um raio debil de volta para mary mas caia no meio do caminho. O raio de Jonh  foi crescendo, crescendo, na direcao de Mary e um dia vi os dois saindo juntos da escola de maos dadas. A partir dai nao havia mais raios continuos entre os dois e sim uma energia que piscava tracejada que durante a aula ia de John para Mary e vice-versa cada vez em maior velocidade. Senti que o raio ia colar os dois…”

Levantei do banco para jogar a casca no latao de lixo enquanto na outra mao segurava o livro aberto e exclamei: ” Lol! Uaaauuu! Que legal!” Nunca me esqueci daquilo.

Dias depois tinha uma revista sobre ciencias nas maos e li um artigo sobre um Japones, Fisico, de nome Yukawa. Conforme ia lendo, a imagem do quadro descrito na classe pela americana me voltava `a memoria e assim me afundei no artigo ate’ o pescoco. Esse dia ia mudar minha vida, pois meu cerebro foi re-hard-wired, ou seja, a configuracao dos circuitos de interacao dos neuronios foi mudada, e passei a pensar de outro jeito.

Resumindo brevemente, a questao era como e porque uma particula protron se liga `a uma particula neutron e assim constituem o nucleo do atomo. Magnetismo? Diferenciacao de polos? Ou seria a presenca de cola de sapateiro, cujo cheiro insuportavel invadia meu banco pois os garotos que moravam no banco vizinho viviam a cheirar aquilo?

Foi entao que o genio japones entrou na historia. Ele desenvolveu um modelo teorico que mais ou menos dizia que a particula proton carregada de energia, quando se descarregava emitia uma sub-particula denominada pion na direcao do neutron, que era quase pura massa, sem nada de energia. Mas ao receber o pion o neutron se enchia de energia e se tornava um proton que olhava de lado e via o antigo proton murchando e tomando as feicoes de neutron. Imediatamente o agora proton que antes era um neutron emitia o pion na direcao do agora neutron que antes era um proton e este voltava a ser proton. o qual olhava para o vizinho que no comeco era um neutron e depois ficou um proton e agora descarregado voltava a ser um neutron, e o proton devolvia a energia…

O pion ficava malucao indo e voltando cada vez com maior intensidade e velocidade ate’ que parecia fazer uma linha unica, um traco continuo como um arco iris unindo os dois… e assim estava (teoricamente) explicado a cola nuclear! Tao importante que, se algum gaiato no mundo resolvesse botar uma lamina fininha no meio de cada nucleo atomico interrompendo o vai e vem dos pions… o mundo todo de materia se desmoronaria em um segundo como um monte de nada! 

” Raios! … – pensei com meus botoes. “Entao a cena do micro – dentro de um nucleo atomico – e’ a cena do grande – dentro da classe da americana!” E dando asas `a imaginacao olhei `a minha volta procurando se nao haveria por acaso algum raio emitido por alguem vindo na minha direcao… mas claro que nao… qual menina iria mirar suas flechas de cupido num peao sem grana nem para pagar um sorvete? Mas sim… existiam raios de luz vindo em minha direcao, correndo segui com os olhos seu caminho na busca da fonte e deparei com a lampada no alto do poste. Pelo menos ela… e ai comecei a me apaixonar pela lampada. Tanto pensava nela e memorizava sua figura que dentro da minha cabeca se consolidou a imagem holografica da lampada, de maneira que toda vez que ia namora-la e a bolinava esfregando tres vezes recebia de presente mais uma ideia luminosa e ajuntando-as consegui escrever este livro… 

Mas como disse no comeco, antes de conhecer Yukawa eu era toda vez barrado nas margens da ultima fronteira deste Universo de materia, ficava tonto com o estrondo do Big Bang, olhava para alem e so’ via um oceano escuro a perder-se no infinito mas com uma p… tentacao de pular naquele eter quantico, mergulhar de cabeca para ver se saia do outro lado e descobrir o que existe alem do Universo. Tempos depois ja viajando a bordo da Matriz, foi a imagem descrita por Yukawa que me fez notar uma coisa interessante nas aguas negras daquele oceano: por todo o lado pipocavam bolhas que cresciam, murchavam e numa fracao de segundo desapareciam nas profundezas escuras. Lapis e papel na mao passei a desenhar quilos de paginas que eram amassadas e jogadas ao lado, retratando o oceano com suas bolhas, cada desenho as bolhas continham algo diferente bolado na imaginacao. Ate que um dia obtive um quadro final do que acredito seria o estado do mundo um minuto antes do Big Bang. nao eram bolhas o que eu via, que nada! Pura ilusao de otica, pois na verdade eram vortices, remoinhos, os quais quando estouram na superficie do eter parecem mesmo com bolhas. E nao e’ que eles vinham do fundo pequenos e cresciam e murchavam ate desaparecer. Nao. O que crescia nao era o que murchava. Haviam dois tipos deles. Um, surgia como um ponto, crescia devido sugar o eter `a volta que se trnsformava em energia, e a energia ia inflando-o, inchando-o, e ele comecava a espernear tentando parar de sugar, mas nao conseguia parar, a energia tornava-o cheio, redondo e ele explodia por excesso. Enquanto isso com o outro tipo acontecia tudo ao contrario. Ele surgia como um vortice grnade parecendo uma bolha estufada, dele se via esvair um fluxo de energia que quando sentia o clima do espaco tornava-se eter, ele ia encolhendo, murchando, esperneava tentando tapar o buraco e manter a energia, nao conseguia, e desaparecia como um ponto, morrendo por falta. Curioso e’ que os dois tipos tinham o mesmo exato tempo de vida, que constatei medindo no meu rolex da idade da pedra lascada: 17 milionesimos de segundos

O que significava aquilo? O Universo, e antes do Big Bang era todo circundado pelo oceano escuro de eter onde pipocavam bolhas sem qualquer proposito, pois desapareciam e reapareciam sem nada alterar…  Foi entao que no meio do sonho de estar sentado na ultima praia do Universo, revirei-me na cama porque senti os fundilhos da cueca molhados. Teria feito pipi na cama com aquela idade? Impossivel… por isso nao liguei e voltei ao sonho onde ficava naquela praia procurando sentidos das causas. Mas  a umidade nos fundilhos voltou a incomodar e entao levantei-me da areia para ver onde estava sentado e vi que o liquido do oceano estava invadindo minha praia. “Epa! Se a substancia quantica alcanca e se infiltra na materia… ela esta’ trazendo algumas das bolhas… sera’ que ai’ nao estara’ o proposito da existencia das bolhas?!”

Fui bem no ponto das margens onde oceano e materia se encontram, agachei-me com uma lupa e fiquei observando a mistura de areia com agua. De fato ali estavam as bolhas!… e como retribuicao pela intuicao certeira da minha cabeca, dei um tapa nela. Mas ali, bem na linha demarcadora da praia, acontecia algo novo com as bolhas. Mas antes de contar isso, vou falar de uma descoberta logo no inicio: havia uma outra diferenca fundamental entre os dois grupos de vortices. Agora eu via bem ( nao contem para ninguem que eu estava projetando nas bolhas o que lia durante o dia e acordado, do Paul Dirac, do ….  ) e notei que eles giravam ao contrario um do outro. Enquanto um girava da direita para a esquerda, o outro girava da esquerda para a direita, e imitando os Fisicos chamei-os de spin right e spin left. Esta era a diferenca entre opostos fundamental, dando continuidade ao que ja tinha observado que os dois grupos eram em tudo exatamente contrarios entre si.

Mas entao voltemos a falar do novo que acontecia com as bolhas. Talvez devido a presenca da materia e falta da liberdade de movimento no meio da agua, os remoinhos na praia diminuiam suas velocidades de deslocamento, alguns quase parando, e nisso, quando os que mais estavam parando, acontecia de se aproximarem muito um spin right de um spin left, o fluxo de energia que saia do gordo alcancava o remoinho magrinho, adentrava-o, e ele comecava a se encher. Enquanto isso o outro nao segurava a energia que saia e ia murchando, enquanto o de ca’ ia enchendo… quando o de ca’ se enchia tanto que ia explodir por excesso, dava uma volta em si mesmo e fazia a energia retornar para o que ia murchando tanto que ia implodir por falta, o qual recebia-a com muito prazer e votos de amor para o resto da vida… pois por um triz ele nao morrera e agora teria mais um ciclo de vida quantico que  dura mais ou menos 17 milionesimos de segundos.

Bem… a seguir, e la nas ultimas fronteiras espaciais do Universo e antes do Big Bang,  comecou a acontecer entre os danados do spin right e spin left exatamente o que aconteceu com Hohn e Mary na sala de aula e ainda a mesma coisa que acontece entre proton e neutron no casulo atomico: o vai e vem cada vez mais acelerado da energia fixou-se como um canalou uma ponte entre os dois e assim o spin left nunca mais engordou, ficando esvbelto para o resto da vida, e o spin right nunca mais emagreceu, ficando tambem esbelto… mas neste momento os dois deixavam de serem meros vortices e se transformaram em… graos de materia na praia. Assim se manisfestava pela primeira vez a materia e o Universo nascia!

Agora – e isto e’ muito importante para ti – ponha suas duas maos `a sua frente, seja sobre a mesa onde estas, ou sobre os joelhos… so’ nao vale po-las sobre o bumbum da namorada ou namorado se estiverem juntos… Cerre os punhos, ou seja, feche as duas maos. Nao… nao…. desculpe… errei! Mantenha a mao direita fechada e abra a outra, dedos esticados. Agora sim, abra a direita, mas ao mesmo tempo, feche a esquerda. vamos trocar agora: Abra a esquerda… assim… agora feche a direita…assim…nao olhe para p lado, va rapido fechando a esquerda e antes de terminar comece abrindo a direita, mais rapido feche a esquerda enquanto a direita esta abrindo p[orque a esquerda esta fechando va rapido cada vez mais rapido, vamos rapidez nisso… quero ver se voce ‘e homem ou mulher um saco de batatas rapido, rapido… E agora imagine que quando abres uma mao, toda ela se esvai na forma de energia para o ponto da outra, e vice-versa…

Pare, pode parar, respire o que quiser. Se voce conseguiu ser realmente rapido e nao tirou os olhos de suas duas maos, a partir de certo momento elas pareceram adquirir uma forma fixa e continua, a forma de uma bola. Pois foi o que aconteceu com os dois spins, as duas particulas… as duas alcancam um balanco equilibrado de uma forma de maneira que uma se torna a outra e vice-versa, e gracas a isso existe este mundo onde, por heranca daqueles dois malucos naquela praia, tudo e’ dividido em dois que sao simetricamente semelhantes na forma mas assimetricamente opostos na direcao que apontam. desta assimetria resultou finalmente a diferenca de caraterres entre o homem e a mulher: enquanto ela tende a ser um sistema fechado a si mesmo, radicalmente monogamica e nao quer abrir mao disso, ele tende a ser um sistema aberto total, radicalmente dispersivo e poligamico, e nao quer abrir mao disso. Apenas quando descobrem que sozinhos, individualmente, nao vao ter relamente uma vida com sentido logico ‘e que resolvem, cada qual ceder a metade e entao se juntam, se acasalm, trovcam pios e dos dois se manifesta a terceira forma que nasce chorando e fazendo pip[i nas fraldas…

Tudo, mas tudo que ‘e solido e materialmente real neste mundo esta baseado neste simples mecanismo! Conhece-lo, entende-lo, e’ iniciar um novo salto evolutivo e desta vez, da sua mente. Congratulacoes e sejam bem vindo ao novo mundo… mas nao se esqueca de dar uma piscadela de cumplicidade na direcao qualquer que voce acha se encontra o Yukawa. Que gigante, meu Deus!        

Cromossomas X e Y: A Diferença dos Sexos Estava Escrita nas Êstrelas antes da Origem da Vida

sábado, março 21st, 2009

origem-astronomica-dos-cromossomas-sexuais.JPG   

Por favor, confiram se o texto a seguir esta’ correto: 

“Tanto o genoma masculino quanto o feminino e’ uma especie de colar, fita, ou pilha composta de 23 saquinhos – chamados “cromossoma” – dentro de cada um esta’ um trecho de DNA. Vinte e dois cromossomas sao todos do mesmo tamanho porem numa das pontas da tira tem o cromossoma numero 23, que surpreendentemente e’ menor que os outros. E este numero 23 contem o trecho do DNA com os genes que entram em acao em determinado momento que os outros estao construindo um novo corpo humano e comeca a influenciar em todas as regioes do feto para instalar os equipamentos do sistema reprodutor sexual. Ate’ este momento todos os fetos eram identicos, sem sexo algum. Mas a maior surpresa esta’ por vir: tem saquinhos cromossomicos que resolvem fazer do feto um macho, e outros decidem fazer uma femea. Influem tanto que incluzive alteram a configuracao ou fiacao de conexao dos neuronios, pois machos e femeas terao psicologias diferentes entre si.”

Se tiver erros por favor alguem me avise, nao entendo quase nada de embriogenese. Mas vou supor que esta’ tudo certo e continuar para chegar ao objetivo deste artigo.

A grande questao, o grande misterio e’: qual a diferenca no DNA, qual a diferenca dos genes, entre os cromocssomas que decidem fazer machos – batizados como “Y” – e os cromossomas que resolvem fazer machos – denominados de “X” ?!

Os dois possuem o mesmo tamanho e a mesma forma para quem os ve de fora, nao e’? Se sim, entao so se perceberia a diferenca quebrando-lhes a casca (ou abrindo os envelopes) e vendo o conteudo. Certo? Mas os  conteudos dos dois , `a primeira vista, ainda parecem identicos, pois trata-se da fita quimica tipo escada em caracol do DNA… certo? Entao so’ mesmo a biologia molecular (ou quimica molecular?), com seus potentes aparelhos e conhecimento acumulado por seculos pode nos resolver o problema identificando a quimica dos genes, ou a posicao dos genes, ou a configuracao da network formada pelos genes. Certo?

Mas nao me diga que uma coisa tao importante na vida de uma pessoa – a sua sexualidade – foi decidida assim, tao irresponsavelmente pela Natureza, deixando ao leu a configuracao ou posicao dos genes quando entraram no salao e aleatoriamente sentaram-se nas cadeiras… Raios, eu por exemplo tenho minha toda f… porque nasci homem, ninguem me da’ um centavo e comida se nao me ferrar no trabalho duro, sou rejeitado em todo lugar, ninguem anda me chamando para as coisas e tenho que me incomodar enchendo os motores para tomar as iniciativas e tentar ser entrao, … enquanto as mulheres ja nascem com um bem ativo e capitalizavel, que pode ser alugado a qualquer momento e resolver suas necessidades materiais, todo mundo quer, e por isso sao convidadas e tratadas com luvas de pelicas… (na proxima “encadernacao” ou nasco mulher ou nao boto a cabeca pra fora `a luz do mundo depois de conferir o que tenho no meio das pernas). Protestos machos `a parte voltemos `a questao: como pode algo tao importante que determina o nosso destino ser assim, resolvido de um tapa, ao leu, por acaso?

Mas entao preciso dos cientistas a informacao do que veem diferente entre X e Y a nivel molecular, atomico, sei la’… Claro que alguma diferenca deve existir na estrutura deles, os saquinhos nao possuem o livre-arbitrio para escolher o que vai fazer. Entao agora estamos chegando onde queria ir desde o inicio: a diferenca estrutural entre X e Y.

Como e porque a materia burra deste planeta ( a lama com minerio de ferro, po’ de potassio, gaz de amonia, etc.) teve a ideia de fazer uma arquitetura – a qual chamamos de animal – mas dividida entre duas partes bem no meio, porem de maneira que as duas nao podem se sobrepor para constituir a arquitetura unica inicial, no efeito espelho apresentam o interssante fenomeno da chiralidade(?), mas ainda sao exatamente tao complementares que vemos dois corpos separados no espaco porem contendo medidas iguais necessarias e suficientes para se engaterem?! Hein? Estamos falando de um punhado de barro que tenho nas maos agora e olhando para ele e perguntando-lhe; ” Me diga: como e porque voce fez isso? Respoonda, conte tudo, se nao te aperto, te tortura ate’ confessares…”

Mas agora vem a maior surpresa de todos os tempos, e ela surge rompendo tudo dentro de nossa cabeca quando nos deparamos com a imagem do corpo de LUCA. The Last Universal Common Ancestral. O prototipo de sistema que existe e nao existe como sistema mas que foi o artista que pintou o quadro do estado do mundo momentos antes de surgirem os cromossomas.  O building block dos sistemas astronomicos, o pai dos nucleotideos, avo dos genes, bisavo do  DNA! Ele estava por traz do punhado de lama que tenho nas maos, modelando a lama e determinando que haveria corpos com divisao sexual. Faca uma experiencia e um exercicio para elasticar a mente no sentido de aprender a entender a Natureza, a captar seus sinais e decodificar os segredos ocultos nas entrelinhas dos fenomenos naturais.  Ali, no corpo de LUCA, estao dois circuitos sistemicos que ao mesmo tempo formam a haste de seu DNA e os quais desempenham duas diferentes funcoes, as quais sao emitidas pelos dois “orgaos” sexuais de LUCA, um ser hermafrodita. Observe atentamente,.. conseguiu descobrir? Note que ao identificares o trecho de circuito e ver sua estrutura, estaras vendo a estrutura do cromossoma sexual. de X ou Y!

Bem, vou responder… O proto-sistema e’ constituido de um circuito esferico externo que prenche a totalidade do corpo, e outro circuito na forma de diametro cortando a esfera em duas partes iguais  que sai como um ramo lateral da Funcao n.4 e se dirige ao orgao na Funcao n.1. certo? O circuito completo, cheio, vai de 1, passa por todos e retorna a 1, infinitamente. Ora, entao deduz-se que o circuito que inicia em 1, mas quando chega em 4 sai fora da circunferencia e retorna a 1 so’ passa pelos orgaos 1,2,3 e 4, nunca chegando aos orgaos 6 e 7. Certo? Em outras palavras, isto significa que ele tem as informacoes referentes apenas `a metade do corpo hermafrodita. E como ele se bifurca em 4, cujas funcoes sao todas similares ao que o corpo animal macho faz, deduz-se que aquele circuito possue apenas informacoes sobre a parte macho do sistema hermafrodita.  E estamos falando de informacoes geneticas. Aquelas que constituem o genoma, O qual esta’ dentro de X e Y…

Raios… sera’ preciso falar mais, tu estas em estado dechoque ainda, como eu fiquei quando vi isso na primeira vez? Meu Deus!… O que a Natureza esta’ pretendendo brincando assim com nosso fraco coracao…?

Se denominamos aquele trecho do circuito que desenha uma meia-lua de circuito Y porque nos lembramos que no animal o cromossoma macho e’ Y, entao so nos resta aceitar que o outro circuito tem de ser o… X! Cerot? O circuito cheio, X,  possui todas as informnacoes sobre todos os orgaos, sobre ambas as metades do corpo. Enquanto isso, o circuito Y possui informacoes apenas da metade esquerda ( certo que ele sendo nao apenas parte mas o prorpio circuito integral nos trechos entre 1 e 4 ele deve igualmente conter todas as informacoes de ambas as partes, mas como ele ressalta e fica girando sobre a face esquerda, significa que ele expressa em oprimeiro lugar dominantemente, a face esquerda – ou o parte macho do corpo de LUCA).

Acho que agora comecamos a entender aquela historia do “a mulher sempre fornece X e quanto ao homem ele pode escolher entre fornecer X ou Y; se a mulher fornecer X e o homem tambem, teremos dois X, e o feto sera encaminhado a ser mulher ( e a Natureza ja’ se prepara para enfiar a mao no bolso pois tera’ que dar a entrada como capital de bem imobilizavel); mas quando o X fornecido pela mulher e’ ligado ao cromossoma fornecido pelo homem que resolveu fornecer Y… o feto sera’ encaminhado a ser homem… e o coitado vai estar f… enquanto a natureza vai respirar aliviada mantendo seus trocos no bolso…)

Bem… desvendado mais um dos grandes misterios do mundo,… voces me dao licenca porque tenho que trabalhar no pesado para pagar meus bils mas prometo que na proxima “encadernacao” quero nascer encadernado com vapa de mulher e nao vou ter que trabalhar no pesado e assim estas interrupcoes nao vao acontecer, prometo! Mas o artigo continuara aberto pois ainda tem muitas joias aqui para descobrirmos… 

xxxxx
Para Pesquisar

Men and women have major personality differences

Men and women have large differences in personality, according to a new study published Jan. 4 in the online journal PLoS ONE.

MedicalxPress
http://medicalxpress.com/news/2012-01-men-women-major-personality-differences.html

Utilizando métodos mais acurados os autores descobrem que as diferenças psicológicas ou de personalidades entre homens e mulheres são muito maiores do que se pensou até agora porque as prévias pesquisas subestimou tais diferenças.

Ver o paper relativo em : http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0029265

xxxx

         

O Paradoxo de Fermi e o Paradoxo de Morelli

sexta-feira, março 20th, 2009

Voce pode ir em http://www.ceticismoaberto.com/ciencia/pfermi.htm , no site CeticismoAberto de Kentaro Mori e conhecer uma das melhores versoes sobre o famoso “Paradoxo de Fermi”. Aqui, vamos apenas acrescentar a sugestao da Matriz.

O motivo pelo qual nao temos detectado a visita de seres extra-terrestres pode ser melhor entendido comparando-se o caso com um parametro nosso conhecido. Para tanto, vamos estender nossa imaginacao para a Africa e a 50 anos atras. Imaginemos o amago da selva, uma regiao escondida nunca visitada pelo branco, mas onde vive uma tribo semi-selvagem que nem sequer sabe da existencia das racas brancas e amarelas. A regiao se encontra numa area demarcada por uma nacao imperial europeia, como sendo parte de suas colonias. O imperio tem se limitado a esporadicas e rarissimas espionagens sobre a area sobrevoando a regiao, ja’ que ninguem tem coragem de la’ desembarcar devido a malaria, etc.. O imperio sabe da existencia de algumas especies de vida ali, e ja teve algumas vezes que mostrar sua presenca na regiao para afugentar e defende-la de piratas, escravocratas e outros malfeitores. Talvez ate’ mantenha em segredo uma presenca em determinado ponto para colher algum tipo de material, energia, etc., que lhe e’ valiosa e necessaria, mas o faz longe das vistas dos locais, pois nao quer confrontos.

Pois bem, agora deixemos a Africa e vamos ao espaco sideral, situemo-nos num ponto alem da Via Lactea e observemos nossa galaxia desde aquele ponto. Existem varios planetas, algumas luas e ate mesmo alguns pulsares com formas de vida. Existem lugares onde a vida esta’ brotando, com apenas alguns micro-organismos, existem lugares com vidas inteligentes e tecnologia parecidas com a humana, e existem lugares com super-civilizacoes razoavelmente mais avancadas que a humana. A desigualdade evolutiva entre os sistemas inteligentes ou auto-conscientes nao pode ser muito dispar pois o Universo tambem evolui segundo um ciclo vital, portanto existe um balanceado equilibrio sobre a emergencia de formas no topo evolucionario. Digamos que a maxima diferenca entre o nivel da inteligencia humana e o nivel da inteligencia mais evoluida da galaxia e’ comparavel com a diferenca entre a inteligencia dos nativos africanos e a inteligencia dos europeus, assim sendo tambem as diferencas entre as duas tecnologias.

Ora, ” Onde estao os extra-terrestres?”, pergunta Fermi…  E entao imagino a conversa em volta de uma fogueira na noite africana iluminada pela magificiencia do ceu limpido repleto de estrelas brilhantes, a noite silenciosa como reflexo da mudez que vem do mesmo ceu. O jovem afoito e curioso diz aos anciaos que esteve as margens do grande igarape de aguas salgadas a perder de vista ( mal sabendo ele que se trata de um oceano), que viu as ondas trazendo objetos, galhos de arvores  e ossos `a sua praia, ele acha que veio alem das aguas e por isso questiona com veemencia os mais velhos: ” Eu acho que existem mundos alem das aguas e que nestes mundos existem criaturas como as nossas criaturas daqui. Acho nao, tenho quase certeza! Nao faz sentido ser-mos os unicos, Voces nao acham?!”

Ao que, um idoso anciao segurando o cajado levanta-se, fita o jovem e pergunta: ” Entao, onde estao eles?”

Ora, estavam em todos os lugares la’  fora… 

Existiam nao apenas os europeus, mas tambem os asiaticos, os americanos… Acontece que o velho page’ nunca tinha falado com espiritos estrangeiros, eles nao constavam de suas tradicoes sagradas, aqueles mesmos desvios normais de toda mentalidade emergente infantil ainda cuja fiacao das conexoes neuroniais foram desviadas pelo imaginario das fantasias, onde fadas e duendes atuam acima da Lei da Causacao, por isso ele estava predisposto negativamente a negar tais existencias…  

E’ claro que sei que Fermi nao duvidava da existencia  dos extraterrstres, que sua pergunta, antes de transmitir duvida era mais um apelo do tipo “voces ficam ai’ dizendo que existem, eu sei que existem, entao em vez de ficar conjeturando se existem, facam como eu, tentem resolver o problema de saber onde estao e quem sao…” . Mas a maioria do povo duvida dessa existencia 

Nao consigo entender a mania da mente imaginativa humana de insistir em romper, quebrar, desviar a historica, sobejamente comprovada, Lei da Causacao. Por exemplo, desde o Big Bang e ate’ a 4 bilhoes de anos atras a Evolucao das coisas dentro do Universo seguiam certas humanamente supostas leis, mecanismos e processos que foram reunidos num nicho academico sob o nome de Evolucao Cosdmologica.  A seguir, assim, brusca e instintivamente, a inteligencia humana imagina que a 3,5 bilhoes de anos houve uma total reviravolta no estado do mundo aqui nesta regiao, aquelas leis e mecanismos foram fraudadas, algumas eliminadas e substituidas por outras que nunca existira antes, e com isso monta um novo bloco da Historia num nicho academico cerrado a sete chaves denominado Evolucao Biologica. Entre as duas Historias um abismo do tamanho de uma galaxia, que por falta de logica e racionalidade, e’ preenchido com fantasmas, deuses ou acasos magicos, absolutos!

Ora,… vamos parar com isso? Alguem jamais presenciou um evento acontecendo perante seu nariz, cujas causas, com seus elementos ativos, forcas, significados, viessem de qualquer outro lugar ou fonte que nao estava inserido na eterna e logica e visivel e sobejamente conhecida e repetida milhoes de vezes “experiencia da causa existente produzindo efeito na mesma dimensao natural da causa”? Claro que nao! pelo menos ninguem pode prova-lo. Entao, vamos recolher nossa Razao que tem estado a voar e vagabundear no espaco para dentro da nossa cabeca, antes que seja tarde. 

Agora me pergunto se os nativos tivesem deduzido que existiam os europeus, que suas terras tinham donos, teriam feito algo em sua vantagem ou para evitar males no caso do Imperio aparecer? Pois eu, se fosse voce, estaria procurando eu (assim como voce, se fosse eu, estaria procurando voce…  arre!) para juntos comecarmos a pensar no que deve ser feito a respeito. Uma primeira e inevitavel acao seria de qualquer maneira tentar alcancar e espionar a Matriz do Imperio, saber com que tipo estamos lidando, e tambem por mais este motivo apoio todos os esforcos na pesquisa do espaco sideral.  

Existe uma situacao na Terra, uma experiencia possivel, racional, logica, que pode ser comprovada com muitos exemplos e evidencias: a existencia de humanos primitivos dotados de consciencia que ignoravam a existencia de outros humanos dotasdos de consciencia em outros continentes. Alias, este me parece ser o curso natural, inviolavel das forcas naturais, produzir e reproduzir esta mesma experiencia, este mesmo roteiro em que certos efeitos sao determinados pelas mesmas causas, pois e’ isto que a Historia Real nos mostra. Toda vez que existe uma especie de abismo entre duas formas de vida, seja ele preenchido pelo espaco sideral ou pelas aguas salgadas do mar, e dentre elas existe uma maxima desigualdade evolutiva permitida pelo balanceado desenvolvimento do Universo, a especie menos evoluida no inicio desconhece a existencia da especie mais evoluida. E geralmente, em todas as situacoes anteriores, o mundo da especie mais evoluida estava dividido e dominado por imperios.

Qual o motivo dessa teimosia em fantasiar imaginativamente a intercedencia de forcas nao-naturais quebrando a suscessao universal de causas e efeitos, como se conhecessem a existencia de uma outra Lei da Causacao fora desta que ditou a Historia Universal por 13,7 bilhoes de anos, que correria paralela ou transversal `a nossa e de repente se chocasse ou cruzasse o caminho da nossa produzindo acasos absurdos? Onde esta’ ela eu perguntaria a quem me perguntasse onde estao os extraterrestres, no sentido de duvidarem de suas existencias. O obvio indica que galaxias possuem inteligencias avancadas e atrasadas sendo separadas entre si pelas imensidoes do espaco sideral, mas cujas distancias nao impedem que imperios da parte mais evoludia tenha conhecimento e mantenha a dominancia sobre as regioes mais atrasadas, inclusive demarcando-as e protegendo-as do ataque de inimigos e predadores.

Olhe… conscientize-se que acreditar em qualquer outra coisa e’ sinal de que seu cerebro sofreu algum desvio em algum momento genetico de sua ancestralidade, que ele nao esta’ saudavelmente e corretamente hard-wired pela Natureza. Pois entao me apresente um evento ou fato real sobejamente conhecido e comprovado por todos de algum planeta em igual condicoes ambientais nao tenha produzido moleculas organicas e sistemas biologicos, em que nao exista diferencas de niveis evolutivos entre suas formas de vida, e que na presenca de inteligencia nao exista a divisao entre dominancia e recessividade. Voce nao pode… seu cerebro foi pego em flagrante se fastiando no pote das ilusoes. Alguem poderia retrucar me pedindo provas de que existam planetas com condicoes iguais a da Terra, e provas de que eles produziram sistemas biologicos. Bem, responderia eu, o calculo das probabilidades mais os indicios observados no mundo real externo, que sao os fatores geradores de uma Razao Pura, resulta em que a Razao Pura afirme esta existencia. Portanto a contestacao dessa afirmacao so pode vir de outro tipo de Razao alicercada em outros fatores que nao os naturais,  e o onus da prova cabe a ela ja que a razao Pura nao opera em dimensoes nao naturais. E eu particularmente permito-me ultrapassar os limites da Razao Pura, talvez acertando ou errando, porque supomho que existam os building blocks dos sistemas astronomicos, e se eles de fato existem, esta’ determinado que existam seres extraterrestres e provavelmente existam aqueles mais evoluidos que a especie humana.    

Eu nunca vi’ algum objeto vital vindo pelo espaco sideral, muito menos vi algum disco voador. Mas a Terra tem recebido, comprovadamente, o bombardeio de moleculas organicas basilares da vida, como as quimonas, e agora estamos atras de comprovar a suspeita que tambem tem vindo fosseis de micro-organismos, seja a bordo de fragmentos de cometas ou outros. E assim como a regiao daquela tribo africana tem recebido outras formas e especies de vida do alem-mar, e a invisivel visita de agentes do imperio jamais imaginado na jamais imaginada Europa, assim e’ normal que isto esteja acontecendo ente a Terra e outros mundos iguais a ela que devem existirem aos bilhoes por ai afora…

Certa feita, eu havia acabado de dembarcar no aeroporto de Londrina, viajava pela avenida no carro de meus parentes, quando minha irma assustou-nos a todos, abaixando a cabeca sob o para-brisa da frente e exclamando: ” Meu Deus! Olhem, vejam aquilo… o que e’ aquilo?!”

Meu coracao veio `a boca pensando em alguma tragedia acontecendo aos que mais me sao caros, imediatamente procurei o que ela indicava, e entao tive que gastar alguns segundos para digerir e destrinchar a cena vista. No ceu, mas nao muito alto e a mais ou menos alguns quilometros `a nossa frente, desfilavam cinco ou seis esferas luminosas, vermelhas, deixando um um risco no ceu como se feito por um rastro de fogo, e pareciam moverem-se calmamente em curvas e formacao triangular militar. Todos os carros na avenida freavam, cabecas curiosas saindo pelas janelas , gritos e bagunca generalizada. Minha reacao foi: ” Pulem fora do carro, me de as chaves, vou perseguir aquela coisa!”  mas nao podia deixar minha familia na rua ao relento entao sai eu em disparada e a pe’ mesmo, na direcao dos objetos, mas logo partei decepcionado pois a visao desapareceu ao longe atras das copas cerradas das grandes arvores. Ligamos ao aeroporto, teriam detectado algo no radar, mas apenas para saber que toda a cidade estava ligando ao mesmo tempo e eles estavam tao perdidos quanto nos.

Claro, o assunto dominou noite a dentro e no dia seguinte em todas as manchetes dos jornais locais se noticiava o fato. Todos diziam a mesma coisa: discos voadores. Havia a caravana de musicos de um onibus que viu as naves aterrizarem e icarem voo, o porteiro do Clube Alemao que entrou correndo na sala de jogos e fazendo todo mundo sair para ver e depois descreverem para os reporteres como eram os discos voadores, suas luzes, etc.

Eu mantinha-me em silencio nao acreditando no que via acontecer com o imaginario publico! Eu vi a cena, mas jamais poderia afirmar que vi discos voadores! Bem poderiam ser fragmentos de rochas passando a milhares de quilometros de distancia, ou poderiam ser naves terrestres militares, etc. Um milhao de possibilidades, e talvez a verdadeira jamais plausivel de ser conjecturada por nosso cerebro tao limitado. Mas tambem poderia ser o que o povo dizia: naves de alguma civilizacao extra-terrestre. E porque nao?

Mas o que guardei forte daquela experiencia foi um artigo lido num jornal do Rio de Janeiro, alguns dias depois. Uma mulher descrita como clarividente, teria captado mensagens de comunicacao entre seres de outros planetas que visitavam a Terra. A conversa dela era tao atraente e detalhada que vou resumir o que ela teria deduzido do que ouvira: ” O Comandante Austriak, da grande esquadra imperial de Orion, Nebula, estava no Sistema Solar em importante missao, pois todos os astros dessa regiao estavam com movimentos perigosos saindo dos seus eixos de rotacao, o que afetaria regioes maiores, portanto eles estavam aqui para averiguar e tentar sanar o acidente natural, cosmico!”

E eu me pergunto: ” E porque nao?!”

Fiquei imaginando a cena: ums fonte eletromagnetica surgindo de algum buraco negro no Cosmos, a projecao no sistema solar, a Esquadra Imperial correndo para destruir a fonte e depois vindo aqui para limpar a regiao dos residuos eletromagneticos antes que ele se agregassem aos planetas fazendo a Terra parar. Se nao conseguissem a tempo, “um terremoto faria o globo estremecer. Ar e água continuariam se movendo por inércia; furacões varreriam a Terra e os mares avançariam sobre os continentes. . . . O calor aumentaria, pedras derreteriam, vulcões entrariam em erupção, lava fluiria de fissuras no chão e cobriria áreas vastas. Montanhas se ergueriam de planícies…

– “Obrigado uma vez mais, Austriak… se e’ que tu existe, cara.”  

Onde, como e porque, o fluxo normal da Lei de causas e efeitos, foi bruscamente desviado do seu eterno curso universal, natural , quando atravessava o abismo diferencial existente entre duas unidades de fractais existentes em diferentes dimensoes espaco/temporais? Por que, na operacao dos mecanismos da Razao, um homem, ao projetar o conhecido no pequeno sobre o desconhecido no grande, tem que inserir algum  jamais conhecido elemento sobrenatural que seria necessario para romper e desviar o fluxo natural da causacao? Ora, na Terra, nossa conhecida, digamos, na dimensao do pequeno, existem continentes habitados separados por oceanos, e a  Lei de Causacao produz um efeito Y; tal premissa, se operada pela Razao Pura Natural, determina que no Cosmos, na dimensao do grande, onde existem corpos celestes habitados pelos mesmos elementos da Terra e separados pelo espaco sideral, nao inteiramente conhecido, a Lei de Causacao deve produzir o mesmo efeito Y! Ate prova em contrario la’ nao existem fadas e duendes alterando o livre caminhar da Natureza para produzir um efeito nao-Y.  

Assim, para tentar consertar uma pergunta  que acho que foi erroneamente formulada, sou obrigado a criar mais um individuo da especie dos “paradoxos” para se alinhar ao lado do solitario “Paradoxo de Fermi ( “Entao… onde estao eles?), denominando-o de “O Paradoxo de Morelli” ( Entao… onde esta’ a Historia da Causacao determinando que eles nao estao la’… e/ou tambem aqui?)

E agora, como se aproxima a noite aqui na selva, voces me dao licenca que vou acender o fogo para passar a madrugada enviando sinais de fumaca ao Cosmos, tentando captar algum sinal das vidas inteligentes, e quem sabe, por sorte, Austriak apareca por aqui atraido pelos sinais, para um bom papo ao pe’ do fogo …                           

LUCA: A Face do “Ser” que nao existe.

quinta-feira, março 19th, 2009

Com o LUCA ( Last Universal Common Ancestral), a Natureza parece querer brincar com nossa inteligencia, num intrincado jogo de esconde e esconde onde ela recorre a artificios dignos de uma Inteligencia Suprema, e assim, matreira, deixa nosso pequenino cerebro perdido neste labirinto de misterios, mas assim ela lida com ele como se ela quisesse faze-lo evoluir `a forca. Sao muitos mecanismos e processos que se constituem em circuitos de interacoes cujo conhecimento e entendimento sobrepoe-nos sobre os atuais e ainda precarios circuitos dos neuronios e seus pensamentos no cerebro, transformando-o rumo a maior complexidade. Por exemplo, para entender o funcionamento do corpo de LUCA e todos os novos significados da existencia por ele revelados, somos cada vez mais forcados a realizar operacoes mentais ciberneticas e retro-alimentadoras, inclusive sendo obrigados a engolir o processo da entropia revertendo o tempo ao contrario sem que o processo seja revelado por efeitos visiveis na materia, ou contraindo o espaco incomensuravelmente, de maneira que nao seja perceptivel aos nossos sentidos fisicos captar os elos entre macro e micro estruturas naturais.

A 4 bilhoes de anos atras, a Natureza ja idosa contando com quases 10 bilhoes de anos, pouco tinha conseguido na manipulacao da plasticidade da materia, e apesar de alguns belos feitos como as estrelas luminosas no ceu, o mundo era resumido  a nebulosas sem forma, constituido de estruturas agregadas em aglomerados mas sem conexoes estaveis entre si como sao os pequeninos atomos e os gigantescos “tijolos” estelares. Quem visse o mundo naquela epoca ficaria decepcionado, pois a quietude eterna de estruturas belas porem estupidas, inertes, insipidas, inodoras, nao transmitiam nenhum significado de qualquer grandeza que excitassem emocoes. Pois estaria erroneamente enganado. Sutilmente e oculto no meio da materia palpitava e tomava forma um grande plano. A Natureza tinha um projeto incrivel, um sonho secreto grandioso: organizar a materia em sistemas funcionais e acessiveis `a complexidade sem limites, que seriam seres autonomos, vivos e pasmem… auto-conscientes!

Seja quem for ou o que for que esteja por tras e acima dessa Natureza, tem surpreendido tanto minha inteligencia que cheguei ao ponto de me perguntar se essa coisa debil e pequenina que denomino “inteligencia” realmente tem alguma coisa de inteligencia, tal como essa que vejo sendo manifestada atraves da Natureza. Ela queria chegar a um sistema, assim como nos humanos hoje queriamos chegar ao computador quantico como cerebro de robos que resolvesse todos os problemas, fizesse todas as tarefas desagradaveis e provesse todas nossas necessidades. Mas tal computador requereria a existencia, o conhecimento e a capacidade de manipulacao de campos tao etereos como os holograficos para operar informacoes a ponto de fixar complexos codigos de instrucoes que tivessem forcas para manipular a materia bruta. Portanto, o sonho da Natureza naquela epoca pareceria tao utopico e irrealizavel quanto nosso sonho do tal computador quantico . Mas nao era impossivel para a capacidade inteligente oculta da Natureza, tanto que ela logrou realiza-lo.

Tal como nos “criamos” nossas artes tecnologicas, a Natureza tambem tem que passar pelas fases da ideacao da imagem do que se quer na imaginacao, do esboco dos modelos teoricos que consomem uma infinidade de papeis que sao descartados toda vez que sentimos faltar algo a ser acrescentado, das experimentacoes e tentativas de construcao dos modelos no mundo real com os recursos materiais disponiveis, onde vao surgindo prototipos atras de prototipos descartados, e assim ela criou esta infinidade de especies que ficaram por ai ou foram ja descartados, os nossos ancestrais no espaco cosmico. Projetos, prototipos ,tentativas, erros, novas tentativas, nao e’ facil obter-se um sistema funcional.  

Quem diria, quem poderia imaginar tal plano de fazer uma estrutura simples expressar gradualmente informacoes que nelas ja haviam sido inoculadas na forma de fantasmas espiralizados de maneira que, a cada novo nivel de complexidade, a estrutura-prototipo tambem tivesse sua forma mudada por complexificacao? Seria como o homem elaborar softwares que, uma vez introduzidos numa maquina de, digamos, quinta geracao, levasse a maquina a se modificar fisicamente numa nova forma que seria vista como sexta geracao. Mas a Natureza fe-lo e desse modo levou as estruturas a perfazerem ciclos vitais. Porque e para que os ciclos vitais?! Calma, a Natureza trabalha em silencio, o grande plano estava acontecendo.

Os ciclos vitais, por si so’, nao teriam dado a lugar algum, pois eram apenas um repeteco do processo mecanizado e retro-alimentador que mantem particulas ativas dentro do nucleo de um atomo. O eterno vai e vem do pion, transformando a forma do proton em neutron e vice-versa, sem dai’ passar, assim seria o simples ciclo vital, transformando materia bruta num corpo e vice-versa, nascimento produzindo morte produzindo nascimento, sem fim, sem meta, sem significado.

Mas havia um novo truque escondido nos cofres da Natureza, como os tantos outros que ela nao para de nos revelar. Um corpo sob ciclo vital nao tem utilidade evolutiva, intelectiva, nenhuma. Mas se voce fizer muitos corpos iguais, de mesma especie, diferenciando um pouquinho os periodos de seus ciclos vitais, obteras um quadro com uma miscelanea dos diabos, pois nao mais apenas teras em dado momento todos os seres humanos na forma, digamos, de criancas, mas sim, num mesmo dado instante, estarao misturados apresentando todas as formas possiveis do ciclo vital.

Suponhamos que existisse a especie humana mas nao existisse o sistema familiar ainda. Nao vamos descrever todas as caracteristicas inusitadas do quadro que nos vem `a mente, apenas lembrar que seria cada um por si, a prole sendo abandonada pelos reprodutores e deixada por sua propria conta e risco. Cada individuo seria desligado de todos os outros, nenhum vinculo, portanto nao seriam partes constituintes de sistema algum, e penso que isso nunca permitiria o fluir da Evolucao para novas formas transcendentes. Mas quando existem certas forcas invisiveis que servem como estimulos dominadores, dirigentes, conduzindo-os a se organizarem como sistema, individuos de formas e faixas etarias diferentes entre si vao se aproximando, fortalecendo vinculos, canais de comunicacao e interacao que terminam por erigir um sistema e se por sorte consegue-se reunir as sete formas principais dentro de uma caverna, obtem-se um sistema perfeito denominado “familiar”. Cada qual tem uma funcao nescessaria e imprescindivel: o adulto como provedor das partes que nao podem faze-lo por si mesmas, a adulta como reprodutora e nutridora, o baby como promessa de perpetuacao do sistema, o idoso como valvula aberta `a evolucao do sistema, o adolescente como assimilador das novas informacoes colhidas e armazenadas pelo idoso que morreu, o que garante que o sistema mude evolutivamente.  Portanto, de unidades dispersas e sem maior significado criou-se uma situacao concreta com sentido, sinificado, proposito que ultrapassa os limites espaco/temporais de tais unidades. Coisas sutis da inteligencia natural.

Pois no ceu a 10 bilhoes de anos atras era a mesma situacao de uma especie de individuos misgenados em diferentes formas e faixas etarias. Por si so, planetas, estrelas, quasares, buracos negros, nada mais constituem de interessante com significado inteligivel, que existirem como tais. E nunca passarao disto. Nas nebulosas do ceu, durante dez bilhoes de anos e para toda a eternidade por vir, nunca existe sistemas, sejam micro-estruturas como atomos ou grnades estruturas como as estrelas, nunca perfazem uma arquitetura, especies que se mantem por teimosia e por que sao uteis como plataformas solidas, mas condenadas ao desaparecimento. Entao por que aplicar o ciclo vital sobre elas? Por que criar diversas formas, quando, por exemplo, existiam so estrelas de per se pavimentando o fundo etereo do espaco? Se a Evolucao jamais vai caminhar por tais trilhas?

Sutilidade, perspicacia, esperteza, incomensuraveis! Pois de que adiantaria reunir as formas astronomicas em sistemas, se nunca teriam meio-ambiente para se expandirem, colherem informacoes e se complexificarem? Alem daqueles individuos no ceu nao existe mais nada, apenas espaco. Eles nao tem um mundo com solidez de rochas e movimento de ventos, com fauna, flora, e chuvas, como os antigos trogloditas tiveram aqui na superficie terrestre. Eles realmente nao podiam fazer nada, nada tinham a fazer flutuando no nada e cercado pelo nada por todos os lados. Eles tinham sim,  pontos no espaco que poderiam ser utilizados como mundos para novas esturutras crecerem e evoluirem, mas estes pontos no espaco eram eles mesmos, eram seus proprios corpos… Entao,… que fazer?!

– “Ora… ora… – respondeu a inteligencia matreira oculta na Natureza – aplique a nanotecnologia! Ponha-os dentro de si mesmos, facam-nos colapsarem sobre si mesmos, depurando-os da quantidade e mantendo a qualidade apenas, assim terao seus corpos como seus mundos a serem explorados!”

Miniaturizados e inoculados como microbios em seus proprios corpos (assim como certos trechos do nosso DNA tem todas as informacoes geneticas de certo tipos de microorgnismos ou virus e pode expressa-los gerando virus do nada dentro de nossos corpos!), em todas suas formas diferenciadas e diferentes faixas etarias… acabou por se converter nesta fantastica obra de extraordinaria engenharia que ‘e o conhecido sistema celular… pelo mesmo processo que de um bando de macacos a natureza fe-los engolir goela adentro a formacao do sistema familiar!

Sensacional! Que show de astucia a Natureza deu nos nossos generais estrategistas! Mas a Natureza tambem e’ maliciosa e muito vaidosa. Porem como exercer sua vaidade se no Universo so’ existe ela, e mais ninguem para admira-la, inveja-la? Ela resolveu isto tambem: criou o nosso cerebro, dotou-o de alguns artificios de maneira que fomos capazes de uma facanha quase impossivel, ou seja, de descobrir a existencia do que existe e nao existe ao mesmo tempo … muito alem dos limites do nosso espaco/tempo. E assim agora ela tem quem fica babando ao ve-la passar com tantos atributos desejados e aprontando suas tramas que nos deixam malucos e perdidos…     

LUCA nao poderia ter gerado o primeiro ser vivo  em nenhum momento particular de sua vida. Como nos humanos podemos gerar um filho em qualquer momento durante o peiodo ativo sexual, seja com 15 ou 40 anos de idade, Luca nao poderia ter esse “filho” mutado espetacularmente que foi o primeiro nucleotideo. Isto porque, em qualquer momento de sua vida, mesmo durante sua ativa fase sexual, ele expressa dominantemente apenas a metade do genoma. Como ser hemafrodita que e’ e nao e’, e dentro da micro-evolucao, e’ necessario ter duas formas diferentes de LUCA para se obter um genoma completo que possa reproduzi-lo sem mutacao e por inteiro; a forma macho do pulsar e a forma femea do quasar. Mas no tocante `a macro-evolucao, como prototipo de sistema ‘e necessario ligar  sua forma de planeta `a sua forma de estrela para se obter o genoma completo relativo a sistemas.

Essa capacidade de gerar ou se reproduzir em tres frentes da’ muito o que pensar, alem de vislumbrar-mos ai’ a descoberta de importantes sutilidades da Natureza se estudar-mos bem isso tudo (nao se esqueca do aspecto trino fundamental da Natureza). Num caso ele se apresenta como individuo de uma unica parte, nao forma nenhum sistema, apesar de apresentar um ciclo vital e ter sua forma mudada sensivelmente varias vezes. Parece-me que neste caso ele se reproduz por inteiro, como individuo. Num segundo caso, quando esse ciclo vital torna-se um sistema latente, o mesmo corpo reproduzido como individuo torna-se uma parte. E no terceiro caso, se nao existisse ciclo vital, e se o ciclo vital nao produzisse as sete diferentes formas, e se estas formas nao fossem fixadas `a parte para ser montado um prototipo de sistema, nao teria havido a reproducao mutante para sistema nucleotideo e por fim no biologico sistema celular.

Bem… por hora o dever me chama para o trabalho, tenho que interromper por aqui, mas vou deixar o tema em aberto, ‘e muito importante desenvolve-lo…     

Humano: Se estudares, teras a transcendencia; se nao, desapareceras para sempre

terça-feira, março 17th, 2009

O leitor nao deve levar o conteudo deste artigo muito a serio porque ele me parece tendencioso, nao e’ puro fruto da Razao. Tendencioso porque, sendo um intelectual, me incomoda esta enorme massa de iletrados que nao assimilam nenhuma pratica  de reflexao da auto-consciencia e apreciam apenas as praticas de reflexao do fisico. Portanto, deve me ser impossivel evitar tentar (`a insistencia exagerada),  convencer este povo a seguir o meu caminho. Mas escrevo mais este assunto porque outra face anti-filosofica esta’ emergindo e tomando conta da juventude. Refiro-me `a mecanizacao, `a robotizacao super-especializada do cerebro humano que tenta nos impor os selfish genes herdados do LUCA. E aqui, pode ser que o aspecto tendencioso seja uma sutil manifestacao de saude, de autocura, da Razao. Vejamos se o argumento a seguir e’ valido…  

A especie humana sera’ incluida no tronco da arvore da Evolucao – como estao os atomos e as galaxias incluidos, pelo menos em mais de dez bilhoes de anos – ou sera’ desviada como um galho que seca e se extingue, desaparecendo para sempre, como foram os dinossauros? Baseando-se no que conhecemos das experiencias anteriores, uma coisa e’ certa: o corpo humano nao e’ a ultima forma da Evolucao, ele sera’ substituido por  outros mais poderosos e complexos, portanto somos apenas uma forma provisoria. E’ a pequinez e configuracao do nosso cerebro que nos impoe o limite fatal. 

A proxima forma vira’, e ela vera’ e tratara’ a especie humana como nos vemos e tratamos os macacos hoje? Triste, nao e’? Principalmente lembrando que estamos falando dos nossos herdeiros, dos netos de nossos filhos… uma raca tornada inferior…

Mas porque podemos ter a certeza que nao somos a ultima forma da Evolucao? Por acaso temos uma bola de cristal mostrando-nos o futuro? Nao, mas sabemos que o corpo humano nao pode alcancar a complexidade necessaria para a especie  que ira conhecer o mundo, a qual, portanto, sera mais poderosa.  Fatalmente, inevitavelmente, nascemos com a mesma sorte que teve os macacos.

Tente pensar, imaginar, o dia em que uma especie inteligente ficara’ face a face com a Verdade…

Essa “Verdade” e’ algo tao descomunal que ela resolvera’ uma questao insoluvel para o nosso cerebro: o mundo e’ um punhado de materia cercado pelo nada absoluto por todos os lados… ou nao? Essa materia nao pode ter tido um comeco desde o nada,… ou pode? De repente estar-se-a face a face com um Deus que ‘e maior nao apenas que nosso sistema solar, nao apenas maior que uma galaxia, nao apenas maior que um Universo, mas talvez ainda maior que um numero infinito de universos… como nossos olhos veriam esta face?!  Seja o que for a Verdade, ou a comprovacao da inexistencia da Verdade, elas nao podem caber no nosso cerebro humano.

O mundo nao pode ter tido um comeco a partir do Nada, esta e’ uma afirmacao da Razao Humana em que ela nao admite contestacoes. Mas o mundo tambem nao pode ficar sem ter tido um comeco. Um coisa infinitamente eterna que nao tem um comeco e um fim, ao menos uma reciclagem, tambem e’ outra afirmacao da Razao Humana que nao pode ser derrubada sem antes passar por cima do cadaver da propria Razao. 

Entao, deduz-se obviamente que no dia da Verdade, ou no dia da ausencia dela, la’ nao estara’ a Razao Humana. A Razao foi produzida num tempo e espaco do mundo onde tudo e’ regido pela Lei da Causacao – todo efeito tem um causa. Mas certamente o mundo nao foi produzido por esta Lei, ele nao a obedece, tanto e’ que, ou ele nao precisou de uma causa para ser o comeco do efeito que ‘e hoje, ou ele ja surgiu como efeito vindo de um outro mundo que nao produziu a Razao Humana… e nao tem lugar para ela.  

Resumindo, o mundo tem complexidades que a Razao Humana jamais alcancaria, portanto ha’ espacos para a Evolucao gerar novas formas e preenche-lo,  e como aconteceu ate’ agora, alguma nova combinacao probabilistica ou organizacao da materia vai fazer aparecer essa forma. Definitivamente nao somos a ultima forma, teremos o lugar que os macacos tem hoje.

Mas nem tudo esta’ irremediavelmente perdido, ainda temos uma porta aberta para nossa salvacao. Refiro-me `a auto-transformacao, que e’ contraria `a possibilidade das novas poderosas formas virem de outras linhagens evolucionarias, incluindo as possiveis existentes linhagens extra-terrestres. Refiro-me `a transcendencia que pode emergir de dentro da propria especie, seja ela promovida por um grupo apenas de humanos ou pela especie inteira.  Caimos aqui novamente na velha questao de que ou a especie humana se desenvolveu a partir da transcendencia de algum tipo de macaco ou se a especie humana e’ o resultado hoje de uma linhagem evolucionaria particular que surgiu desde LUCA por sua propria conta e risco. 

Seja como for, acredito que a auto-transformacao e’ possivel, mas a condicao necessaria e suficiente ‘e que forcemos o nosso cerebro a organizar seus neuronios numa forma de circuito sistemico diferente do qual ele opera hoje.  Pois certo esta’ que este cerebro com este circuito nao vai a lugar algum: ao inves de operar segundo a classica lei de causacao continua – onde todo efeito depende de uma causa que seja um fenomeno diferente do efeito – o cerebro capaz de entender melhor este mundo que nao foi produzido por este processo, tera’ que operar com o circuito da retro-alimentacao – onde o efeito seja um fenomeno igual a sua propria causa. Onde o efeito desca no tempo e no espaco para ser a causa de si proprio como efeito.

Sera’ esta transformacao possivel para nos? Creio que sim, parece que estamos a caminho dela, pelo menos alguns grupos de seres humanos. Naquela reuniao de cientistas em Genebra a 50 anos atras inventaram a Cibernetica ( estou ficando de memoria curta… quem estava la? Max Winer, Rosen… nao sei o que?). Foi um excelente passo na mudanca da forma como o cerebro pensa.

Mudar a forma do circuito operacional do cerebro (o hard-wire) e’ possivel com a mudanca de visao do mundo, mas nao qualquer visao, e sim aquela em que o mundo comece a ser explicado de forma que nao se fundamente na causacao continua. Um mundo que se explique sem comecos e sem fins sem eternidades e sem finitudes ou infinitudes. E me parece que a visao de mundo fundamentada na Matriz – a qual e’ quase toda baseada em retro-alimentacao – e’ uma forte indicada para isso. Um desses indicios e’ que os modelos da Matriz tem ja’ oferecido quadros explicativos da existencia do mundo que nao necessitam de comecos e fins (como o grafico alinhando universos compondo a mesma imagem do DNA, ou como o quadro onde a substancia de um mundo proton se lanca ao espaco, se transforma durante a viagem e chega tornando-se ou construindo um anti-mundo neutron, do qual depois ela retorna se transformando e criando um anti-mundo proton… infinitamente).

Mas uma coisa e’ certa, com visao da Matriz ou sem ela: o cerebro humano tem que esforcar-se para mudar. Tem que  correr atras de informacao, ou seja, estudar muito e muito. E saber selecionar as informacoes que vai absorver, ou seja, nao aquelas de qual cosmetico e’ melhor para o condicionamento dos cabelos, mas sim daquelas informacoes naturais que revelem a verdadeira Natureza. E estar sempre consciente que as causas e efeitos que vemos aqui na nossa biosfera nao sao as dominantes no mundo, pois nessa biosfera existe apenas a metade do processo do mundo, a metade que se refere a situacao de caos, enquanto a outra metade que se refere a situacao de ordem nao se apresenta aqui, temos que ir busca-la alem da Terra.  Tem que engolir em seco e aceitar sim, a conversa do chato que nos vem falar de ribossomos, mitocondrias, ou das novidades obtidas pelo novo LHC sobre o mundo das particulas, pois ali, no meio destas coisas, estao os circuitos sistemicos do mundo real.  Tem que estar esperto e atento para saber separar fatos de suas vestimentas teoricas, misticas, etc. Pois o mundo e’ produto de uma Lei maior que nao ‘e a Lei da Causacao Continua, a qual tem hard-wired nosso cerebro, mas tambem e’ certo que essa Lei maior esta’ vivente e operando no meio deste mundo, portanto, temos que levar nosso cerebro a sua mesa de cirurgia e deixar-se ser hard-wired por ela.

Quem fizer isto, tem a chance de ser transformado, conseguir a auto-transcendencia e ser a forma mais poderosa do amanha. Quem nao o fizer, que va’ aprendendo a gostar de bananas e viver chutado cada vez mais para os guetos das selvas. Mas como nos somos uns irremediaveis sentimentaloides, e gostamos pra’ caralho dos nossos semelhantes que carregam nosso sangue de especie, nao podemos aceitar a ideia que alguns vao ser salvos e outros nao ( como sao absurdas as religioes que pregam isso! arre!), por isso temos que estar aqui cutucando e empurrando para a frente os preguicosos…          

Evolucao da Humanidade: Queda do Radicalismo pela Emergencia do Relativismo

domingo, março 15th, 2009

O Universo e’ “R E L A T I V O”.

Ele nao se apresenta com uma forma fixa eternamente – como Einstein acreditou na forma cilindrica. O Universo tem mil faces, uma para cada sabor, ao gosto do fregues, que chega como observador unico de algum ponto do espaco/tempo e portando um codigo cosmico individual. Esta a conclusao que cheguei – e qualquer outra pessoa teria chegado `a mesma conclusao – apos observar detidamente o quadro final obtido quando, num grafico cartesiano tendo como coordenadas o tempo e o espaco, e fazendo o Universo rolar segundo o comum roteiro de um ciclo vital, evoluindo desde o momento inicial do Big Bang, passando pelas formas de sistemas atomicos, astronomicos, biologicos, … ate’ chegar nesta sua ultima forma atual  – o sistema ainda recem-nascido da auto-consciencia –  e observando como a linha no grafico alcanca um pico e comeca a retornar pelo tempo ao contrario e espaco em contracao, indo exatamente ao mesmo ponto inicial do Big Bang, todo o Universo material desaparecer e ser descartado como a placenta, celebrando no mesmo ponto inicial do Big Bang o ponto final do Big Birth, o grande nascimento do Universo como apenas auto-consciencia para a luz do mundo alem deste ovo cosmico. 

Tracando a Historia total do Universo no grafico da Razao por excelencia, seguindo as pegadas deixadas por ele na sua passagem por este tempo/espaco, nossa mao segurando o lapis e’ dirigida automaticamente, sem sabermos como e por quem, e essa linha desenha os contornos de uma face, e quando a olhamos frente a frente, sentimos um baque tremendo, nosso coracao acelera quase saindo pela boca, pois voce sente que tocou fundo no maior misterio de todos os tempos. Pois ali, dentro do grafico existe uma face, velha conhecida nossa, e estremeco so’ em lembra-lo aqui: o Universo tem a face do … pasmem! … do “DNA”!

E voce olha para o ceu e inquiridoramente: ” O que significa isto, meu Deus? Tudo se resume simplesmente a isso? DNA? Toda essa Historia de bilhoes de anos todas estas lutas, todo esse fantastico enredo, nada mais era que as operacoes dentro de um DNA?! Mas… porque?! Raios… ( e virando a mesa, papelada voando para todo lado, voce sai porta afora, a ceu aberto, mirando-o…

– “P O R Q U E ?!!!”  

Ainda estonteado e nao satisfeito, peguei este nosso Universo, e uma infinidade de outros mais (pois e’ isto que a vanguarda do pensamento humano liderada por Stephen Hawkings esta’ acreditando: la’ fora, deve existir um multiverso) e os botei como os corpusculos que formam um par complementar de nuc cleotideos, fiquei calculando os efeitos, e cheguei `a conclusao que aquele modelo de multiverso funciona maravilhosamente bem (inclusive resolve uma questao que pensei nunca achariamos a solucao com este nosso cerebro pequenino: uma quantidade qualquer de Universos alinhados no mesmo esquema do DNA, estara’ sob o processo da Evolucao infinita porque sempre que dois Universos formando um codigo binario se relacionem, digamos, sexualmente, produzem um terceiro universo meio-termo, e assim o binario se transforma numa fuzzy logica infinita, o que significa que  eles podem criar novas informacoes de si mesmo como se viessem do nada, o que significa que a complexidade nao tem fim, o que significa que a questao se o mundo e’ finito ou infinito esta’ resolvida. O problema continua quanto ao comeco ou nao-comeco do mundo, mas isto tambem parece ter resolvido com o modelo da matriz sugerindo a existencia do mundo e do anti-mundo que nao se tocam mas se trnasformam um no outro, assim como o proton se transforma em neutron e vice-versa. Pena que sou tao burro que nao sei ainda como passar os modelos para o computador e divulga-los aqui).       

Ok… entao voce abandona-se `a meditacao e se conscientiza da nova situacao: DNA e’ Universo, Universo e’ DNA, ai’ esta’ o codigo cosmico! E todos os Universos, considerados na sua nova identidade, como DNA, formam um novo e gigantesco, infinito DNA! Como cheguei a isto? Revendo e revendo os calculos e a logica do raciocinio parece nao ter sido cometido erros aqui. Entao se a coisa e’ racional, so’ me resta saber se o racional e’ a coisa certa na interpretacao do mundo. O racional foi produzido pela Natureza e neste caso mantido-se limpido de fantasias e imaginacoes, pois cada passo foi dado apos se agarrar a um parametro factual. Desci’ ao inferno do ancestral primata para ter certeza desta limpidez. Mas a Natureza produziu o racional a partir do cerebro que contem neuronios os quais contem como centro diretor, o… o… DNA. Entao…

E aqui, de repente um amargo gosto fel lhe vem `a boca, uma sensacao de desconforto o faz mechaer-se todo, pois voce lembra-se que ja conhece essa historia infeliz. O primata ainda quase irracional considera a Terra como unico e centro do mundo porque ele ainda e’ muito “terra”. A seguir um pouco mais de avanco do racional fez considerr o homem como centro da criacao, porque o racional ainda e’ muito “corpo humano”. A seguir, um avanco mais e o racional passa a considerar agora o DNA como centro do multi-verso infinito… e entao, isto acontece porque agora, nessa onda moderna de biologia molecular, genetica, mapeamento de DNA, codigo universal da especie, etc., o racional ainda e’ muito “DNA”.

E como aconteceu todas as vezes anteriores – o desmoronamento da auto-ideia da Terra como sendo a mais importante, o desmoronamento da auto-ideia do ser humano como sendo o mais importante… certamente vai um dia no futuro, face a novas descobertas, o desmoronamento da auto-ideia do DNA como o mais importante…

Entao, em que ficamos? Na investigacao do misterio supremo do mundo, o DNA desde o centro de nossos neuronios aproveitou a oportunidade dele estar dirigindo o processo e se colocou como imperador absoluto! Assim como os imperadores antigos tudo faziam para o povo acreditar que eles eram deuses, assim o DNA tudo fez para acreditar-mos que ele e’, nao apenas a face, mas o proprio Deus!

Filho de uma p… ! Eu quero a Verdade, chega de ser enganado! Ou auto-enganado…

Em outras palavras…

– houve na infancia da Humanidade, a fantasia de que as existencia, forma e essencia do Universo era explicado pela existencia de Deus… “E pronto, nao se fala mais nisso!”;

– depois veio a segunda infancia em que o Universo era explicado pela materia… “E pronto nao se fala mais nisso!”;

– agora esta’ vindo a era do Dna em que o Universo se explica pela existencia do DNA… “E pronto nao se fala mais… epa… espera ai’… qual sera a proxima coisa que vai explicar o Universo?…

Note a mudanca entre as duas posicoes primeiras, radicais, e a terceira, voluvel, maleavel, ou seja, relativistica.

Bem, foi assim que ajoelhei-me sob a estatua de Albert Einstein, beijei-lhe os pes em sinal de adoracao e submissao absoluta, surrupiei-lhe os manuscritos da Teoria da relatividade geral e debrucado sobre eles perdi muitas noites de sono. Hoje creio piamente nisso. Nos sempre achamos o que estavamos antes previamente, querendo encontrar. O observador projeta-se sobre o mundo externo e na sua imaginacao modela-o segundo seu mundo interno. Assim surgem deuses com a face humana, ou ao menos com um espirito tendo a mesma face do espirito humano.  Sempre foi e sera’ assim. Portanto o Universo ‘e plastico, maleavel, podemos modelar sua face ao nosso sabor e assim fabricar nossos sentidos, nossos significados, deles extraindo retroativamente como efeito final,  os valores humanos que deram a forma a forma `aquela face. Em outras palavras, o Universo e’ um fenomeno Relativista!

Sei que existe por ai’ uma corrente de pensamento que abjeta o relativismo. Quero saber quais sao seus argumentos, pois tenho que por os modelos `a prova.      

Num artigo escrito aqui ( Beleza e a semente), vimos a discussao entre Charles Darwin e o duque de Campbell. O duque, fervoroso criacionista e incomodado com a Teoria  da Evolucao arrolou um monte de evidencias que ele utiliza para radicalizar-se na posicao de que a “beleza” surgiu como algo “absoluto”, de per si, criada por Deus sem outro objetivo senao agraciar os olhos dos humanos. Darwin observava que se nao fosse a beleza dos frutos arvores nao se multiplicariam pela Terra e nao perpetuaria sua especie: a beleza da casca atrai o transportador pelos olhos, o aroma da polpa atrai-o pelo cheiro para que rompa a casca e assim a arvore inocula no corpo do transportador a semente, para que ele a possibilite germinar. 

Campbell radicalizava sua posicao na beleza como absoluta falta de proposito utilitarista, para justificar sua crenca ultima – que a beleza veio diretamente de Deus, enquanto Darwuin radicalizou sua posicao oposta, na beleza como fenomeno que teria surgido por acidente mutacional, selecionado por adaptacao e utilitarismo, vindo diretamente da arvore. E foi alem: a beleza, segundo ele, e’um acidente porque nao e’ propriedade intrinseca e original do objeto, ela existe apenas na imaginacao do homem.

Um rapida consulta nos modelos da Matriz sugeriu finalmente que Darwin esta’ certo e errado ao mesmo tempo, e assim tambem parece com Campbell. Os modelos mostraram nossos ancestrais nao vivos utilizando o recurso da beleza a bilhoes de anos atras com fins utilitaristas.  Ate’ aqui, Darwin ganhava a competicao. mas nossos modelos nos levam adiante no tempo e no espaco e assim mostraram as origens primeiras da beleza antes do proprio Big Bang, na dimensao primordial quantica: um individuo pela metade, chamado spin right, via sua outra metade com o spin left, e achava-a bonito, porque ele se achava bonito. Puro narcisismo criado pelo selfish ser, parece ser a fonte original desse fenomeno que denominamos beleza. Aqui, a teoria de Darwin comeca a se torcer e fraquejar, parece que ele vai perder a competicao: ja nao existe tanto utilitarismo na beleza de per si, ela aparece algo mais abstrata.

Mas os modelos da Matriz continuam a nos conduzir nesta viagem fantastica e agora sugerem que a “auto-consciencia” ‘e um novo sistema natural, recem-nascido, emergindo nos palcos do cerebro humano como a mais recente novidade, ocupando o topo da Evolucao. Como – ainda segundo a Matriz – o Universo e’ uma producao genetica, ou seja, a reproducao de algo que existia alem do Big Bang, deduz-se que a auto-consciencia ‘e apenas mais uma das formas em que o feto se transforma em embriao, etc, e isto leva-nos `a estonteante conclusao que o ser ex-machine ja’ possuia auto-consciencia. Vai dai’ que, sendo filha de alguem alem do Universo, e sendo uma forma mais evoluida que todo o mais existente dentro do Universo, a mente humana tem atributos e propriedades existentes apenas alem do Universo… o que nos leva a final conclusao que a beleza e’ um valor mental imprescrutavel pela propria mente enquanto baby como ela e’…

E aqui, retorna resuscitado e arrasador o tal do duque de Campbell!  Apesar que o genio de Darwin interveio no ultimo momento emparelhando-o na corrida e mantendo-o na competicao: beleza e’ um produto da imaginacao humana. Que a beleza apresenta um proposito utilitarista, nao o posso negar. Mas posso nega-lo que ela tenha surgido ao acaso por acidente mutacional selecionavel.  Pois ela ja existia ants do Universo e veio na carga genetica que deflagrou o Big Bang. Nossa mente recem-nascida, abrindo os olhos para o mundo apenas agora, nada sabe de si mesma, ainda nem se viu a si propria no espelho, e assim como ela nao sabe porque seus pais tem umbigo e ela tambem, ela nao pode saber porque sua mae mentalizada alem do Universo tem esse valor referente a beleza e ela tambem…

Seja como for, o sistema, aquele ou aquilo que existia e ou existe alem do Universo e gerou este Universo, apesar de parecer-nos plenamente uma “coisa” ou “ser” natural, pode receber o nome que bem entender dar-lhe o observador, seja este nome “Deus” ou “Vladzolin”. E ai Campbell da’ um passo a frente de Darwin, festejando ruidosamente, porem, e’ cedo ainda, a competicao continua…

O caso acima, acho eu, serve para ilustrar o titulo e o proposito do artigo: abaixo as posicoes radicais, abaixo o fundamentalismo, maleabilidade nas tradicoes, e observancia continua das ondas relativas. A Humanidade eliminara’ muito de seus conflitos internos, erradicara’ muitas das causas de seus sofrimentos e vivera’ melhor. Imagine se Hitler fosse um relativista ao inves daquele carater duro e intransigente fechado em sua verdade absoluta! A Historia estaria limpa daqueles registros sangrentos e muito mais cheia de registros de sucessos humanos. Eu penso que o relativismo e’ uma boa ideia e tem que ser divulgada, propagada, debatida, levada a todos.

Mas, nos os teoricos cometemos erros infantis `as vezes, por isso entre devagar no relativismo e reflita para operar suas proprias conclusoes. Veja o erro infantil de Einstein: depois dele descobrir o fantastico mundo da Relatividade Geral, onde tudo seria relativo, ele esqueceu-se de aplicar sua propria formula `a maior de todas as questoes – o Universo – pois se tudo e’ relativo e’ porque o proprio Universo e’ relativo, portanto nao teria sentido crer na forma particular cilindrica do Universo. Formas do que os olhos nao ve estao na mente do observador, e observadores mudam de forma mais que aquela nuvem rolando no espaco…

Outro caso que ilustra bem esse assunto foi a famosa “Discussao da Cerveja”, entre Louis Pasteur e um quimico positivista, se me recordo bem, o grande Linus Pauling, nao foi? para quem nao a conhece, resumindo, Louis Pasteur acreditava no ‘vitalismo” ou seja, existiria uma essencia vital alem da quimica e intronizada nela, enquanto Pauling defendia a ideia da geracao espontanea dentro da quimica, ou seja, reacoes quimicas numa dada sucessao produziria as propriedades vitais.  Eram duas posicoes radicais, antagonicas, uma abrindo a porta para Deus e outra cerrando-a. Com sua famosa experiencia num frasco de vidro Louis Pasteur mostrou que a vida nao aparecia em cadaveres putrefatos, era necessario a ocorrencia de ar e abertura para o mundo, Pauling perdeu naquela epoca. mas experiencias e evidencias recentes tem obnubilado as evidencias de Pasteur e os positivistas dao um passo a frente na corrida. Entao surge a Matriz dizendo que tanto os positivistas quanto Pasteur estavam 50% certos e 50% errados: o principio vital existia antes de surgir o estado liquido da materia e suas consequentes producoes como a quimica, porem os sistemas biologicos (aka seres vivos) surgem espontaneamente onde existe quimica…  E agora?! O que vao dizer Pasteur e Pauling?

Nao adianta! Radicalismo nao tem vez neste mundo.  Ele surgiu antes do Big Bang porque os bits-informacao do Universo vieram divididos em dois grupos simetricos e complementares entre si na forma, porem, assimetricos e opostos no carater. Assim sao todas suas crias posteriores, inclusive os modernos homens e mulheres. Os dois se necessitam, se complementam, cada um tem a metade que falta ao outro, mas, psicologicamente, no tocante ao temperamento, `a personalidade, sao um desastre: um tende ao sistema aberto ate perder-se numa expansao infinita, outro tende ao sistema fechado ate’ cerrar-se num ponto finito…  O radicalismo vem do alem-universo, do ser ou coisa que o gerou e ai’ nao adianta tentarmos entrar porque nunca vamos sabe-lo com essa consciencia ainda fetal. Mas uma coisa e’ certa: o radicalismo dos vortices quanticos produziram o caos, no caos os vortices nao conseguiam se fixarem como formas existentes, e apenas quando cada grupo cedeu sua metade ao outro, o Universo se manifestou materialmente. Radicalismo siginifica carater fechado em si mesmo, e dois caraters fechados competindo pelo mesmo espaco gera o caos ambiente que acaba levando os dois para o buraco. Radicalismo, fundamentalismo, e’ masoquismo, auto-mutilacao, falta de inteligencia.

Por outro lado, o Relativismo causa certo desconforto em alguns pensadores, por imaginarem que o mundo torna-se demasiado voluvel, sem solidez em que se agarrar. a verdade de hoje sera’ a mentira do amanha. Mas a Matriz esta’ sugerindo que nao e’ bem assim. O seu grafico cartesiano esta’ sugerindo que o Universo tem muitas faces, que cada face ‘e uma realidade porem nao e’ a ultima face, cada face visivel pelo cerebro humano e’ apenas uma parcela da face final, pois o numero de diferentes faces possiveis de serem criadas e’ limitado. No fim, todas as faces tornam-se pontos fractais de uma face maior, parecendo infinita, mas ainda inalcansavel pela nossa mente atual. Pena que nossa consciencia tera que nascer para a luz alem das fronteiras do universo para ver essa face final… mas isso ameniza aquela sensacao de insustentavel leveza do ser denunciada por Humberto Eco… sem elimina-la totalmente, pois ser relativista e’ isso mesmo, e’ sentir-se nas alturas caminhando numa corda bamba…     

Ate’