Archive for dezembro, 2009

Matematica:Evidencia para o grafico matematico da Matriz

sábado, dezembro 26th, 2009

Os ultimos sucessos da Ciencia tem promovido a Matematica e os matematicos sao admirados. Mas qual a verdadeira utilidade de todas estas complexas construcoes desenvolvidas desde que inventaram os numeros? Sera que a matematica e’ – como dizem – a linguagem da natureza, a Linguagem de Deus – e sera que a matematica realmente traduz a natureza para um conjinto de simbolos compreensiveis pelo ser humano? Ou nao?

No grafico denominado ” Do Big Bang ao Big Birth” a Matriz sugere uma interessante hipotese. A evolucao do universo desde o Big bang projetada num grafico cartesiano tendo como coordenadas o tempo e o espaco sugere as pegadas do sistema natural que vem evoluindo desenba uma curva e parece que vai terminar num circulo, indicando, entre outras interessantes id’eias, que esta macro-evolucao ‘e curva. Sugere AINDA que a macro-evolucao se da por ciclos (o ciclo das particulas, o ciclo dos atomos, dos sistemas biologicos,etc.) e cada ciclo ‘e dividido em sete micro-ciclos. Ora, se a evolucao universal natural e curva, a matematica nao seria a linguagem da natureza porque a maatematica e linear. Entao tracei a linha reta representando a matemayica sobre a curva da Historia e surgiu um resultado intweressante: a matematica realmente se aplica a todos os ciclos da macro-evolucao, ela realmente e a linguagem em todos os ciclos,mas nao dos ciclos em tsua totalidade. Desde que cada ciclo ‘e dividido em 7 micro-ciclos, a linha reta pega em cada macro-ciclo um unico e mesmo macro-ciclo de todos os ciclos. Em outras palavras: cada micro-ciclo e constituido de uma maneira da natureza organizar a materia, entao temos o ciclo biologico, o mecanico astronomico, o magnetico, o da fisica pura, o quantico, etc. E a matematica pega sempre o ciclo da fisica pura. aqui ela realmente traduz a natureza, ela e a dominante enquanto as seis outras linguagens sao recessivas. mas apenas nesta regiao, a qual compreende apenas um setimo (1/7) da historia.

Bem, eu sempre achei estranho essa crenca na matematica como a chave que abre todos os segredos, eu nao consigo ver muito bem como por exemplo a matematica seria a linguagem da biologia ou da psisque humana. Mas o artigo abaixo veio a dar uma forca nessa ideia que obtivemos atraves da Matriz. Um matematico parece ter captado no ar, brilhantemente, o espirito da Matriz quando diz no artigo abaixo: ” E como se houvesse uma equipe trabalhando no outro lado de um rio sem uma ponte para o nosso lado de ca, e portanto, o trabalho deles nunca teria uma utilidade para nos. A utilidade so seria possivel se construisse uma ponte para que alcansassemos os produtos deste trabalho, o que quer dizer, se encontrassemos as provas que comprovassem a teoria. e finalmente as provas foram encontradas, quer dizer, a ponte foi construida.”

Esta imagem descreve muito bem o que o grafico da historia sugere. A matematica sempre se relata a um micro-ciclo que fica siruado nas bases de cada novo ciclo evolucionario, portanto, por exemplo, no tocante a ao macro-ciclo evolucionario dos sistemas bilogicos a matematica pode ser a forca que moce as reacoes quimicas ou outros aspectos da quimica quando se deixa os sistemas biologico e se entra nos sistemas astronomicos por exemplo a matmatica pega outra faixa daquela realidade. Por isso, muitas vezes uma teoria matematica ou dela derivada, como a teoria quantica, ou a teoria da relatividade, nao encontra muita utilidade na epoca e que e descoberta ou intuida. Por que ela esta muito a frente do tempo, ou muito distante no espaco, e para que ela se aplique no dia a dia da humanidade e precido que as outras seis faixas sejam percorridas antes. Veja-se o artigo ( as palavras que inspiraram este tema estao em vermelho)  

  

7. The Fundamental Lemma, Solved

 

In 1979 the Canadian-American mathematician Robert Langlands developed an ambitious and revolutionary theory that connected two branches of mathematics called number theory and group theory. In a dazzling set of conjectures and insights, the theory captured deep symmetries associated with equations that involve whole numbers, laying out what is now known as the Langlands program. Langlands knew that the task of proving the assumptions that underlie his theory would be the work of generations. But he was convinced that one stepping stone that needed confirmation — dubbed the “fundamental lemma” — would be reasonably straightforward. He, his collaborators and his students were able to prove special cases of this fundamental theorem. But proving the general case proved more difficult than Langlands anticipated — so difficult, in fact, that it took 30 years to finally achieve. Over the past few years, Ngo Bao Chau, a Vietnamese mathematician working at Université Paris-Sud and the Institute for Advanced Study (IAS) in Princeton, formulated an ingenious proof of the fundamental lemma. When it was checked this year and confirmed to be correct, mathematicians around the globe breathed a sigh of relief. Mathematicians’ work in this area in the last three decades was predicated on the principle that the fundamental lemma was indeed accurate and would one day be proved. “It’s as if people were working on the far side of the river waiting for someone to throw this bridge across,” says Peter Sarnak, a number theorist at IAS. “And now all of sudden everyone’s work on the other side of the river has been proven.”

Read more: http://www.time.com/time/specials/packages/article/0,28804,1945379_1944416_1944435,00.html#ixzz0anTnTBuL

A Super-Ciência da Nova Era

quarta-feira, dezembro 23rd, 2009

Sei que o que vou dizer aqui é contrário ao que eu tenho defendido e qualquer racionalista que me conheceu  e o leia ficará decepcionado comigo. Acontece que a gente muda, inclusive nos valores, moral e crenças. Já estou saturado de ouvir criticas à Teoria da Matriz/DNA sem qualquer embasamento factual e perdí a paciência de ficar esperando resultados do pensamento cientifico acadêmico dominante. Vejo 90% da população mundial – cerca de 6 bilhões de pessoas – vivendo ainda em sub-condições humanas para as quais a Ciência quase nada tem feito, e me pergunto às vezes se não estariam melhor na era rural antes do século XV. Pelo menos eu e no lugar que nascí e crescí, não vimos a Ciência passar por lá. Mas talvez eu ainda não saiba distinguir bem a obra da Ciência da obra casuística da tecnologia.

A cada dia que passa estou cada vez mais supondo que existam dimensões de forças e fenômenos que não foram tocadas pela Ciência e dificelmente o serão se continuar essa mentalidade atual, e estas fôrças teriam muita influência no nosso dia a dia. São muitos os motivos que me levam a sentir isso no ar mas dois principais são: 1) A sugestão dos modelos de que este Universo é metade hardware e metade software…poderoso aqui mas imponderável aos nossos sentidos e atuais instrumentos cientificos de pesquisas; 2) O fenômeno da auto-consciência ou mente humana. 

Temos então que tentar fazer o que os cientificistas teimam em desprezar e condenar: considerar todas as possibilidades aventadas pela intuição humana ( desde as recentes inspiradas nos fenomenos quanticos até as mais antigas, como a teoria das Nourees de Pietro Ubaldi, a teoria do inconsciente coletivo de Chardin, etc., como a teoria espirita de Alan Kardec sobre os fluidos espirituais). Eu já li muito sobre cada uma dessas imensas obras escritas e afastei-as tôdas por não ver nelas utilidades imediatas mas como penso que a Matriz desvendou todos os segredos mais importantes do mundo material e chegou a uma fronteira de onde está sentindo tocar novas dimensões, vou voltar a elas.

Fica portanto aberta mais esta categoria de pesquisa e vamos começar registrando o artigo abaixo (sempre lembrando que as frases, palavras em vermelho significam que me chamaram atenção para algo relacionado com a Matriz e as em azul podem ser meis comentarios).

http://colunas.g1.com.br/espiral/

Telomerase Zen

Postado por Alysson Muotri em 12 de outubro de 2009 às 10:39

Meu primeiro contato com Elizabeth Blackburn foi em 2007, em Paris. Havia convidado-a para participar de um congresso sobre elementos transponíveis do genoma (transposons), que acabou resultando num interessante livro sobre a diversidade neuronal (“Retrotransposition, Diversity and the Brain”, Fondation IPSEN, 2008 – vendido pela Amazon).

Blackburn recebeu o prêmio Nobel de Medicina, junto com Carol Greider e Jack Szostak, pela descoberta da telomerase. Desde então, muito tem se falado sobre a telomerase, envelhecimento e câncer. Infelizmente, pouco ou nada se comenta sobre o controle mental desse processo, que é justamente a atual linha de pesquisa do grupo de Blackburn.

A conexão entre telomerase e retrotransposons não é tão obvia assim para a maioria dos leitores, então vale uma breve explicação sobre o tema. Telômeros são capuzes que ficam nas pontas dos cromossomos, protegendo as pontas do genoma. A manutenção dos telômeros é feita por uma série de proteínas celulares que incluem a telomerase. Essa enzima tem a função de reproduzir o DNA que é perdido dos telômeros cada vez que a célula se divide. Assim, a célula consegue evitar o encurtamento do comprimento dos telômeros.

A perda progressiva dos telômeros leva à senescência celular das células em divisão. Dessa forma, a telomerase, com sua função altamente especializada de transcrição reversa, é essencial para a estabilidade genômica e progressiva divisão celular.

Retrotransposons são elementos móveis do genoma, altamente ativos no sistema nervoso. Multiplicam-se por meio da transcrição reversa. Esse mecanismo de transcrição reversa é bem semelhante ao da telomerase, o que sugere uma relação de parentesco evolutivo entre esses dois mecanismos. No entanto, neurônios não se dividem, e portanto não precisariam de telomerases. Segundo Balckburn, neurônios humanos têm sim atividade de telomerase (EB, comunicação pessoal).

Outra observação importante é a correlação da telomerase com o crescimento de tumores. Células cancerígenas perdem a capacidade de controlar a divisão celular e passam a se dividir indefinidamente. Por essa razão, mesmo cientistas fazem a incorreta associação entre câncer e elevada atividade da telomerase. Já foi demonstrado que células cancerígenas continuam dividindo mesmo na ausência da telomerase (Li e colegas, JBC 2005; Lundblasd e Blackburn Cell 1993).

Talvez por isso mesmo, diversas terapias contra câncer baseadas no ataque às telomerases não deram certo até hoje. Aliás, essas terapias podem até ser prejudiciais. Telômeros curtos em células saudáveis aumentam as chances de rearranjos cromossômicos, que podem tornar o câncer ainda mais agressivo.

Essas duas evidências discutidas acima – que neurônios possuem alguma atividade telomérica e que células cancerígenas estão pouco se importando com a telomerase – sugerem que as telomerases possam ter outra função na célula além da proteção dos telômeros. Diversas observações sugerem que as telomerases estariam envolvidas na regulação da senescencia celular de forma independente da divisão celular.

A evidência mais forte entre telômeros curtos e envelhecimento veio de estudos de uma síndrome rara, chamada disqueratosis congênita, causada justamente por mutações na telomerase. Pacientes morrem de falha eventual do sistema hematopoiético, suportando a ideia de que o envelhecimento precoce das células do sangue é uma das causas da mortalidade.

Porém talvez mais interessantes sejam os últimos trabalhos de Elizabeth Blackburn, que correlacionam o tamanho dos telômeros com estresse crônico e depressão. Mas qual seria o mecanismo para explicar o envelhecimento celular por processos psicológicos?

Para tentar descobrir isso, o grupo de Balckburn tem usado da meditação budista como ferramenta para modular o estresse e prevenir o processo de envelhecimento. Vale lembrar que a meditação terapêutica no ocidente está dissociada de influências ritualísticas associadas à prática do budismo. Atualmente, técnicas de meditação são usadas como forma de buscar uma consciência mental focada em um determinado momento. Os efeitos positivos no controle de diversas funções fisiológicas, como respiração e pressão sanguínea, são amplamente documentados.

O estresse cognitivo é indiscutivelmente importante para a sobrevivência do indivíduo, mas se estiver baseado em percepções e dimensões distorcidas da realidade, pode produzir um ambiente não muito favorável à longevidade celular. Impressões distorcidas da realidade incluem falsas projeções e expectativas ou crenças baseadas no medo. Os trabalhos têm acumulado evidências de que o bloqueio desse tipo de pensamento negativo altera a expressão da telomerase sanguínea e evita o encurtamento dos telômeros, o que é simplesmente fascinante.

Os trabalhos de Blackburn estão caminhando num sentido bem diferente da biologia molecular tradicional. Seus estudos estão apontando para o cérebro como o grande responsável pelo envelhecimento, tendo a telomerase como intermediária do processo no nível celular. Ainda são obscuros os fatores envolvidos nessa conexão, mas os vilões mais prováveis são hormônios e danos oxidativos.

O campo ainda é novo e altamente especulativo, além de ter uma série de “buracos” em sua lógica. A justa vinda de um prêmio Nobel para uma pesquisadora que não tem medo de ousar deve trazer novo fôlego e mentes abertas para essa área. Vamos acabar descobrindo que o envelhecemos não com o corpo, mas com a mente.

Astronomia: Novo planeta favorece a Teoria da Matriz ao invés da Teoria Nebular?

domingo, dezembro 20th, 2009

o-planeta-de-agua.jpg

Artigo publicado no The New York Times 

Published: December 16, 2009

 Cosmos  & Space

http://www.nytimes.com/2009/12/17/science/space/17planet.html?_r=1

A Sultry World Is Found Orbiting a Distant Star

A corrida dos caçadores de planetas está pegando fogo e só nesta semana, enquanto um time no telescópio do Hawai anunciopu a descoberta de seis, outro cientista anunciou a descoberta de um, porem muitissimo interessante: os dados, preliminares ainda, sugerem que o planeta é todo coberto por um unico oceano de agua! Dá para imaginar uma coisa dessas? Bem o que me interessa aqui é que os modelos astronomicos da Teoria da Matriz/DNA prevê facilmente a existência de planetas assim. Segundo os modelos, quando um astro ( na posição de Função 2) sai do white hole (Função 1) entra no seu horizonte de eventos. Este é formado pela poeira e todo tipo de pedaços de rochas, etc., que sobram da morte de um estrela ou do cadaver estelar (Função 7). Esta poeira forma um vasto anel sendo que a parte dela mais proxima do white hole deve ser muito quente. Mas à medida que se vai afastando do white hole vai se entrando no frio espaço interestelar então esta poeira nestas regiões podem até estarem congeladas. Ora como essa poeira vai se agregando à superficie do astro, acontece que a primeira poeira conectada vai conservar altas temperaturas enquanto a segunda que vai cobrir esta virá quase ou totalmente congelada. Mas acontece que o astro sai do horizonte de eventos como se fosse um picolé redondo voador (entre F2 e F3) e ficará vagando no espaço até passar perto de alguma estrela, quando então será capturado em sua órbita. Ora, o calor da estrela vai fazer aquela massa congelada esquentar e o que vai acontecer? A real poeira que é mais pesada vai ficar no fundo e o gelo, formado mais de gazes, que é mais leve, vai ficar na superficie, porem, transformado em agua. Está explicado o planeta agua? Estava previsto na teoria a 25 anos atras ou não? Alias sempre quando reví esta parte do processo me causou algum disconforto porque tendo a Terra atual como modelo, me vinha a questão de como aparecem as montanhas e mesmo os continentes. Mas tudo isso depende do tempo de calor da estrela incidindo sobre o astro, de como foi a travessia do horizonte de eventos, dos movimentos das placas tectonicas, etc. Calculos que não são para eu fazer.

Agora é preciso pegar os modelos da Teoria Nebular e ver como eles se saem dessa. Tinham previsto isto? Como a geração espontanea de um planeta nos restos de matéria do Sol pode torna-lo um planeta-água? Ou vão mais uma vez considerar que este novo mundo é uma excessão à regra e continuarem a alimentar seu Leito de Procusto? Nào digo que a teoria acadêmica não previu ou não suporta a existência deste tipo de planeta, pois ainda não reví a teoria à luz do novo achado e não ví ninguem fazê-lo, mas estou aguardando. Por enquanto…mais um brinde à Matriz!