Archive for janeiro 8th, 2010

Astronomia: T Pyxidis > Um Pulsar tornando-se uma Supernova?

sexta-feira, janeiro 8th, 2010

Como unico trabalhador e mensageiro da Matriz eu não posso gastar tempo com astronomia pois a Humanidade, principalmente com a crise atual precisa de resultados praticos, grandes idéias cientificas e tecnológicas, para as quais a Matriz tem grande potencial. Mas o bombardeio que vem a todo momento do grande exército dos observadores do céu me faz ocupar-me da parte teórica sem adiamento. Agora descobriram que um astro que tem sido curioso por seu comportamento unico e que pode explodir numa supernova dentro de 10 milhões de anos está muito mais próximo da Terra do que se pensava, e com isto veio a possibilidade de que se a explosão ocorrer, ameaçar a vida na Terra. Veja a noticia em portugues no site:

http://ultimosegundo.ig.com.br

Explosão no espaço pode ameaçar vida na Terra (07/0108:47 – BBC Brasil)

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –  Ou em Inglês no site:

http://www.space.com/scienceastronomy/100104-aas-close-supernova.html= = = = = = = = = = = =

Explosive Nearby Star Could Threaten Earth
By Andrea Thompson
Senior Writer
posted: 04 January 2010
– – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
      . O que me interessa nesta noticia é principalmente isto:  “A estrela já apresentou explosões menores no passado, em intervalos constantes de aproximadamente 20 anos, em 1890, 1902, 1920, 1944 e 1967. Mas a estrela não apresenta explosões há 44 anos, e os astrônomos não sabem a explicação.”Ora, ainda não sei como a teoria official acadêmica encaixa este fato em seus modelos, mas quanto à Teoria da Matriz  o novo dado não apenas se encaixa muito bem – significando que foi mais uma previsão acertada dos modelos – como também nos obriga a rever detalhes e a ampliar a abordagem destes detalhes. Tudo indica – pelos nossos modelos – que trata-se de um pulsar indo para um estado de estrela supernova. No software-matriz este astro estará situado entre as Funções 4,5 e 6. Mas se os modelos sugerem que pulsars são Astros locupletos de gigantes vulcões em erupção por todos os lados – e cada erupção deve parecer-se com uma explosão menor – então deve-se esperar explosões simultaneas ou espalhadas no tempo sem qualquer ordem cronológica de intervalos. Mas então percebemos agora que no modelo tratamos de pulsars ainda com certa jovialidade e vibrantes ou então quando já estão próximos aos momentos de transformação, quando cessam as erupções por falta de materia-prima para a reação nuclear e o que resta da casca da superficie colapsa-se tôda para o centro, quando então a nova estr6ela desabrocha como o fazem as flôres.

Se as pequenas explosões ocorrem por espaços intercalados – ao menos na fase final do pulsar, significa que – apesar de ser quase óbvio e não pensamos nisto antes porque nunca  nos detivemos no estudo desta parte dos mapas – o processo todo no sistema fechado astronomico é mais complexo e mecanicista do que tínhamos imaginado.

Porém, enquanto os cientistas que seguem a teoria acadêmica não sabem a explicação do porque as explosões saíram fora da cronologia normal dos intervalos, nossos modelos nos fazem sentir-mo-nos confortáveis para explica-lo: 

1) Ou pode ser a extinção de um dos ultimos vulcões, o que não impede que de repente surjam outros e retornem as explosões;

2) Ou pode ser que realmente trata-ve do ultimo vulcão e nesse caso, as reações nucleares estão muito menos vigorosas processando o pouco restante material que existe nisturado na massa nuclear, tão pouco que não exerce pressão suficiente para ativar um vulcão. Isto significaria que realmente, agora é só esperar que a ultima fina casca do astro se colapse tôda e… nasça mais uma florescente estrêla. Mas isto, em tempos astrônomicos, pode demorar milhões de anos. 

Por isso deve ficar agora registrada esta noticia com mais esta valiosa informação para estudar-mos-lha melhor.