Archive for março, 2010

A Teoria da Sôpa Primordial Desbancada: mais uma vitória da Matriz/DNA?

quarta-feira, março 24th, 2010

Geyser:Life’s Origins?     geyser_in_yellowstone-national-park.jpg

Geyser: Origens da Vida?         Geyser in Yellowstone Nat. Park

 pantano-mudpot.jpg

Pantano (Mudpot)

A Teoria da Matriz/DNA sempre sugeriu que os primeiros elementos nas origens da vida vieram da radiação do nucleo terrestre e do espaço principalmente do Sol. Vindo das entranhas da Terra ela passou por muitos caminhos e formas, inclusive pode ter constituido os ventos termais. Agora um novo “paper” fortalece a teoria. Veja o paper:

AlphaGalileo 

 http://www.alphagalileo.org/ViewItem.aspx?ItemId=67352&CultureCode=en 

 New Research Rejects 80-year Theory of ‘Primordial Soup’ as the Origin of Life

02 February 2010  Wiley – Blackwell

Earth’s Chemical Energy Powered Early Life through ‘the most revolutionary idea in biology since Darwin.’

For 80 years it has been accepted that early life began in a ‘primordial soup’ of organic molecules before evolving out of the oceans millions of years later. Today the ‘soup’ theory has been over turned in a pioneering paper in BioEssays which claims it was the Earth’s chemical energy, from hydrothermal vents on the ocean floor, which kick-started early life.

“Textbooks have it that life arose from organic soup and that the first cells grew by fermenting these organics to generate energy in the form of ATP. We provide a new perspective on why that old and familiar view won’t work at all,” said team leader Dr Nick lane from University College London. “We present the alternative that life arose from gases (H2, CO2, N2, and H2S) and that the energy for first life came from harnessing geochemical gradients created by mother Earth at a special kind of deep-sea hydrothermal vent – one that is riddled with tiny interconnected compartments or pores.”

The soup theory was proposed in 1929 when J.B.S Haldane published his influential essay on the origin of life in which he argued that UV radiation provided the energy to convert methane, ammonia and water into the first organic compounds in the oceans of the early earth.  However critics of the soup theory point out that there is no sustained driving force to make anything react; and without an energy source, life as we know it can’t exist.

“Despite bioenergetic and thermodynamic failings the 80-year-old concept of primordial soup remains central to mainstream thinking on the origin of life,” said senior author, William Martin, an evolutionary biologist from the Insitute of Botany III in Düsseldorf. “But soup has no capacity for producing the energy vital for life.”

In rejecting the soup theory the team turned to the Earth’s chemistry to identify the energy source which could power the first primitive predecessors of living organisms: geochemical gradients across a honeycomb of microscopic natural caverns at hydrothermal vents. These catalytic cells generated lipids, proteins and nucleotides giving rise to the first true cells.

The team focused on ideas pioneered by geochemist Michael J. Russell, on alkaline deep sea vents, which produce chemical gradients very similar to those used by almost all living organisms today – a gradient of protons over a membrane. Early organisms likely exploited these gradients through a process called chemiosmosis, in which the proton gradient is used to drive synthesis of the universal energy currency, ATP, or simpler equivalents. Later on cells evolved to generate their own proton gradient by way of electron transfer from a donor to an acceptor. The team argue that the first donor was hydrogen and the first acceptor was CO2.

“Modern living cells have inherited the same size of proton gradient, and, crucially, the same orientation – positive outside and negative inside – as the inorganic vesicles from which they arose” said co-author John Allen, a biochemist at Queen Mary, University of London.

“Thermodynamic constraints mean that chemiosmosis is strictly necessary for carbon and energy metabolism in all organisms that grow from simple chemical ingredients [autotrophy] today, and presumably the first free-living cells,” said Lane. “Here we consider how the earliest cells might have harnessed a geochemically created force and then learned to make their own.”

This was a vital transition, as chemiosmosis is the only mechanism by which organisms could escape from the vents. “The reason that all organisms are chemiosmotic today is simply that they inherited it from the very time and place that the first cells evolved – and they could not have evolved without it,” said Martin.

“Far from being too complex to have powered early life, it is nearly impossible to see how life could have begun without chemiosmosis”, concluded Lane. “It is time to cast off the shackles of fermentation in some primordial soup as ‘life without oxygen’ – an idea that dates back to a time before anybody in biology had any understanding of how ATP is made.”

Obs: Agora vamos fazer uma pesquisa nos detalhes desta noticia, traduzir e retornaremos ao artigo.

Wikipedia:A hydrothermal vent (observar que vent não é vento, é uma fissura, abertura, orificio) is a fissure in a planet’s surface from which geothermally heated water issues. Hydrothermal vents are commonly found near volcanically active places, areas where tectonic plates are moving apart, ocean basins, and hotspots

Mudpots form in high-temperature geothermal areas where water is in short supply. The little water that is available rises to the surface at a spot where the soil is rich in volcanic ash, clay and other fine particulates. The thickness of the mud usually changes along with seasonal changes in the water table.

Wikipedia: Hydrothermal origin of life

Günter Wächtershäuser proposed the Iron-sulfur world theory and suggested that life might have originated at hydrothermal vents. Wächtershäuser proposed that an early form of metabolism predated genetics. By metabolism he meant a cycle of chemical reactions that produce energy in a form that can be harnessed by other processes.[15]

It has been proposed that amino-acid synthesis could have occurred deep in the Earth’s crust and that these amino-acids were subsequently shot up along with hydrothermal fluids into cooler waters, where lower temperatures and the presence of clay minerals would have fostered the formation of peptides and protocells.[16] This is an attractive hypothesis because of the abundance of CH4 and NH3 present in hydrothermal vent regions, a condition that was not provided by the Earth’s primitive atmosphere. A major limitation to this hypothesis is the lack of stability of organic molecules at high temperatures, but some have suggested that life would have originated outside of the zones of highest temperature. There are numerous species of extremophiles and other organisms currently living immediately around deep-sea vents, suggesting that this is indeed a possible scenario.

Orgone Energy:Reich Tocando a Matriz com Misticismo?

domingo, março 21st, 2010

Lendo rapidamente material sôbre a teoria da energia orgone deparo surprêso que as descrições de Reich são muito parecidas com as inferências que extraio dos modêlos da Matriz no tocante à radiação entrópica da Matriz Astronômica. Fiquei mesmo pasmo quando li em wikipedia que Reich acreditou ter criado vida em um experimento:

” The bion experiments

From 1934-39, Reich conducted experiments looking at vegetative energy in the body, especially the Galvanic skin response, which became research into the origins of life. These he called the “Bion Experiments.”

He examined protozoa, single-celled creatures with nuclei. He grew cultured vesicles using grass, sand, iron, and animal tissue, boiling them, and adding potassium and gelatin. Having heated the materials to incandescence with a heat-torch, he noted bright, glowing, blue vesicles, which, he said, could be cultured, and which gave off an observable radiant energy. He named the vesicles “bions” and believed they were a rudimentary form of life, halfway between life and non-life. When he poured the cooled mixture onto growth media, bacteria were born, he said, dismissing the idea that the bacteria were already present in the air or on other materials.” 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

A Matriz está sugerindo que existe uma radiação vinda do Sol e outra do nucleo terrestre que são complementares pois cada qual contem 50% de informações da Matriz na sua forma astronomica. Esta radiação quando se choca com a superficie terrestre torna-se partículas que penso ser “fótons”. Preenchem toda a atmosfera terrestre e adentram certos minerais de atomos leves notadamente o carbono por este ser a mais fiel e completa configuração da Matriz como sistema. Quando se encontram em determinado lugar partículas que no sistema astronomico eram vizinhas colam-se por afinidades magnéticas e assim vão reproduzindo no meio terrestre o sistema astronomico. Devido ao estado liquido da matéria, à situaçào de sistema aberto, etc, ao invés de um sistema semi-mecânico/semi-biológico, ocorrem mutações derivando para sistemas exclusivamente biológicos, ou seja, o inicio dos seres vivos.

Existe portanto muita semelhança com a intuição de Reich. Porem Reich não conhecia a Matriz, nem o building block dos sistemas astronomicos, ou seja, LUCA, e seu estado mental formado na época que a religião era forte, levou-o a pensar numa “energia cósmica”derivada de Deus, ou mesmo a “energia de Deus”, e isto deve ter atrapalhado ou até mesmo desviado seus experimentos.

Existe fundamento no orgone como energia relacionada ao orgasmo sexual, pois este é produzido pelo desafôgo do organismo de energia entrópica, e os fótons vindos da radiação são produtos entrópicos.

Existe fundamento no orgone como energia que pode curar, pois se um certo trecho do circuito ou o circuito inteiro for reproduzido com fótons e essa arquitetura for emparelhada ou adentrar uma célula, um órgão, 6ele deve forçar o circuito sustêmico da célula a se configurar como ele é configurado, e ele representa um sistema perfeito, portanto poderia corrigir as causas de doenças.

Mas o grande feito de Reich foi antecipar-me no que necessito fazer experimentalmente: arrumar um dispositivo que atraia. capture e armazene os fótons-genes. Reich construiu os acumuladores de orgone. Preciso vê-los e estuda-los.

Porque ele se focalizou nas vesiculas celulares, mais exatamente nas “gas vesicles” eu não sei, mas intuitivamente isto faz sentido, visto que o elemento gerador da Matriz é o buraco negro, relacionado à vesiculas. E na wikipédia diz que as vesiculas iniciam a biomineralização, a qual me parece estar relacionado com abiogênese. Portanto devo começar a estudar estas vesiculas como tudo o mais que chamou a atenção de Reich. Já deixo aqui registrado um material para ler: 

The American Society for Microbiology

 Gas Vesicles
(Paper in PDF)

ANTHONY E. WALSBY
Department of Botany, University of Bristol, Bristol BS8 1UG, England

 http://mmbr.asm.org/cgi/reprint/58/1/94?view=long&pmid=8177173

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Texto da Wikipedia:

 Matrix vesicles are located within the extracellular space, or matrix. Using electron microscopy but working independently, they were discovered in 1967 by H. Clarke Anderson[2] and Ermanno Bonucci.[3] These cell-derived vesicles are specialized to initiate biomineralisation of the matrix in a variety of tissues,

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

The Institute for Orgonomic Science.

http://www.orgonomicscience.org/index.html

Orgone Energy: Primordial Life Energy

See the relevant articles concerning orgone energy and healing applications.

Orgone Energy: Primordial Life Energy 

Orgone energy is the primordial life energy: the fundamental creative life force long known to people in touch with nature, speculated about by natural scientists as the universal ether, employed by acupuncturists, and finally objectified and scientifically demonstrated by the work of the late Wilhelm Reich, M.D.

Through years of experimentation and observation, Reich identified many of the basic properties of the orgone energy: it fills all space and is everywhere; it is mass free and is the primordial, cosmic energy; it penetrates matter, it pulsates and is observable and measurable; it has a strong affinity and attraction to/by water; it is accumulated naturally in the organism by foods, water, breathing, and through the skin. Orgone energy is negatively entropic – highly charged orgone systems attract lesser-charged energy systems.

Reich discovered a way to collect or “accumulate” orgone energy from the atmosphere.  He developed a special enclosure developed from his experiments with the Faraday cage, called an accumulator, that is made from layers of organic materials which absorb and hold the energy, and inorganic materials which attract and then rapidly repel orgone energy.  He found that the inside of a metal-lined enclosure that is layered with organic and inorganic materials contained a higher concentration of orgone energy which was detectable by a higher temperature reading inside the accumulator.

When a person with their own energy field comes into contact with an accumulating device, the two fields make contact and excite each other, creating a stronger excitation called “lumination.”  Reich found this strong orgonotic charge to be very beneficial to living systems.  It may help to strengthen the immune system, improve circulation, and raise one’s energy level.  Investigations have shown that the orgone energy accumulator stimulates the body’s parasympathetic nervous system, inducing relaxation and a feeling of expansion.  Orgone radiation is not foreign to the body.  The orgone in the atmosphere is just another form of the same orgone energy within your body.  The accumulator concentrates that energy and helps the body to help itself

Uma Investigação Científica Digna de Sherlock Holmes

quinta-feira, março 18th, 2010

Em 1960, 10.000 bebês nasceram horrivelmente defeituosos, sem pernas, sem braços, dedos surgiam ligados aos ombros. Foi um pânico geral. Era uma peste? Seria um novo vírus? A pronta mobilização da Ciência foi requerida pelos govêrnos, a qual descobriu rápidamente o culpado: uma simples pílula que as grávidas tomavam para amenizar os desconfortos da gravidez! Mas principalmente os estudantes podem aprender muito com êsse evento e até decidirem a serem cientistas se entenderem direitinho como é o trabalho dos cientistas nestes casos. Para evitar o jargão técnico, imaginei uma maneira de explicar a atividade científica através de uma história de mistério policial. É o seguinte: 

Certa feita, numa grande cidade, começou a aparecer pessoas horrivelmente mutiladas. Ainda estavam vivas quando eram encontradas, mas sem pernas e braços. A primeira suspeita caiu sôbre o chupa-cabra mas o prefeito não era supersticioso e tomou uma feliz providência: contratou o grande detective Sherlock Holmes para investigar o mistério. Ouvindo as vítimas ele concluiu que tratava-se de um ritual satânico, mas os criminosos, encapuzados, não deixavam pistas. Holmes identificou 18 tipos de religiões na cidade, mas eram tôdas ramificações das grandes religiões, organizadas, ordeiras. As vitimas relataram que eram embriagadas para o ritual com vinho, Holmes mandou analizar o vinho no sangue das vitimas e descobriu que havia apenas uma religião que usava aquela marca de vinho nas cerimônias. Para não citar nomes e ter meu cocuruto escalpelado pelos fanáticos desta religião vou chama-la de CPS49. Pode? Então é CPS49.

Holmes frequentou uma cerimonia na igreja, viu que era tudo limpo e pacífico então concluiu que deveria haver dentro daquela religião um grupo de fanáticos que atuava secretamente como uma seita fechada. Estudando o caso dia e noite como os cientistas da talidomida, Holmes descobriu que tôdas as vitimas tinham algo em comum: tôdas nasceram em Novembro. Porque? Bem, pensou Holmes, novembro é o signo do escorpião, estamos tratando com místicos, então a chave deve ser o signo do escorpião. Então Holmes fêz um levantamento nos cartórios da cidade sôbre todos os cidadãos vivos do signo escorpião, secretamente convocou igual numero de pessoas das outras religiões e pediu que vigiassem atentamente os escorpianos. Não deu outra: no dia seguinte um espia de Holmes deu o alarma que seu vigiado foi sequestrado, seguiram os criminosos até o local do ritual e prenderam todos. A cidade aliviada voltou à santa paz. Mas algo ainda intrigava Holmes: porque escorpianos? Interrogando os réus descobriu estupefato que êles nem tinham idéia que as vitimas eram de escorpião. Eles escolhiam como vitimas os ateus, porque acreditavam que os ateus eram os responsáveis por Deus estar mandando terremotos para o mundo, etc.  Acontece que as pessoas nascidas em novembro eram as mais propensas para o ateísmo (não dizem os astrólogos que os escorpianos são frios, céticos, calculistas?) talvez porque neste mês a lua esteja virada de costas para nós, sei lá. Holmes acertou, errando.

(Raios, porque não fazem um filme com essa história e me pagam um cachê? Tô vendendo o almoço para comprar a janta…). Mas agora vamos ver como essa história é parecida ao que fizeram os cientistas. 

Primeiro óbviamente interrogaram as mães das vitimas sôbre os remédios que tomaram na gravidez, e tôdas tinham algo em comum: tomaram talidomida. Quando a talidomida entrou primeiro no mercado em 1957, na Alemanha, foi aprovada pela medicina publica e considerada tão inofensiva que foi direto para o balcão a ser vendida sem receita médica. Assim como os govêrnos permitem as igrejas de religiões consideradas inofensivas. E a talidomida era uma droga muito eficiente em várias doenças, notadamente lepra e alguns casos de cancers. Portanto, assim como muitas pessoas precisam de uma religião, pessoas precisavam de talidomida. Havia mesmo tratamentos que se a talidomida fôsse proibida, pessoas poderiam morrer. O que fazer? Proibiram a venda sem receita média e como estavam entre a cruz e a espada, não podendo banir definitivamente e não podendo permitir, concluiram que a talidomida tinha ingredientes medicinais benéficos e maléficos, portanto, tinham que identificar os fanáticos da seita, digo, a substância malígna. Em 1960, biológos começaram a injetar talidomida em ratos de laboratório para causarem as deformações. Daqueles experimentos cientistas desenvolveram umas 30 teorias. Alguns achavam que a talidomida danificava nervos do embrião responsaveis pelo desenvolvimento dos membros; outros disseram que a droga leva células nos membros em desenvolvimento a cometerem suicídio; outros ainda suspeitavam que a droga impedia células de produzir proteínas. Mas infelizmente eles não podiam testar estas teorias, pois não conheciam  quais mecanismos produzem os membros, os quais tinham que ser a nivel de quimica molecular, mas nem mesmo sabiam quais moléculas. Tal como Sir Sherlock que não conhecia os agentes e o local dos rituais.

A talidomida por si mesma tornou a investigação mais complicada. Quando uma pessoa toma a pílula, enzimas começam a fraciona-la em pedaços menores, em substãncias simples, chamados “metabolites”. De fato, talidomida é separada em pelo menos 18 metabolites. As 18 religiões da cidade de Holmes tinham cada qual uma diferente estrutura e doutrina, e cada qual interagia com a sociedade com alguma sútil diferença: uma não assistia televisão, outra proibia meias curtas, outra não admitia que se pendurassem sutiãs nos varais… tinha até uma que treinavam seus cães de estimação de maneira que quando iam latir se viravam na direção da catedral. Cada um dos 18 metabolites tem estruturas químicas diferenciadas entre si e cada qual interage com as células de diferente maneira. Isto desanimava as investigações.

A complexidade da talidomida e o desconhecimento de como o organismo produz os membros atrasou a investigação por 40 anos e só em 2006 uma descoberta reanimou os cientistas. O Dr. William D. Figg do National Cancer Institute mais o Dr. Neil Vangerson, biólogo da Universidade de Aberdeen, na Escócia, experimentaram inocular apenas um metabolite em cada embrião de cobaia e descobriram que apenas um deles produziam os aleijados. Era o metabolite conhecido como CPS49. Em apenas alguns minutos após ser injetado, o CPS49 começava a matar as veias do sangue que estavam se desenvolvendo no local onde os membros seriam produzidos. Mas como, e porque as veias? Para atuar daquela maneira os metabolites tem que se atracarem num local e a um determinado tipo de moléculas do embrião. Mas quais?

Procurando a molécula o Dr Hiroshi Handa do Tokyo Institute of Technology foi aos cartórios da cidade e descobriu o signo do escorpião… raios, o que estou dizendo?… o Dr. Hiroshi lançou-se a inumeros experimentos até que enfim, encontrou-a: é uma proteína conhecida como “celebron”. Estava identificada o tipo comum das vítimas. Como Holmes ficou intrigado com o fato das vitimas serem de escorpião, os cientistas tambem foram surpreendidos: até aquela data ninguém sabia que o celebron tinha atuação na formação dos membros, nem mesmo se sabia o que esse celebron faz. O que fazem os escorpianos que desgosta os fanáticos dentro de uma religião? O que faz essa proteína que desencadeia a furia do CPS49, um metabolite maligno dentro da talidomida?

Bem, hoje sabemos que a talidomida inibe a proteína celebron que desempenha função indispensavel no desenvolvimento dos membros do nosso corpo. Ainda não entendemos os comandos e suas fontes no organismo que produzem estas maravilhas que são nossos braços e pernas, mas nos laboratórios a batalha contra a ignorância continua e quando o descobrir-mos, nossos herdeiros não nascerão mais aleijados e terão membros perfeitos. Eu particularmente acho que se os pesquisadores tomassem conhecimento – mesmo que fôsse apenas a titulo de curiosidade – das fórmulas da Matriz, que são os softwares-comando de instruções que a Natureza aplica para produzir a matéria e organiza-la em estruturas, arquiteturas, e sistemas naturais cada vez mais evoluídos, de acordo com a Teoria da Matriz/DNA, as respostas seriam encontradas bem mais rápido. Por enquanto o que vale é que a facção criminosa dentro da talidomida foi encontrada, esse maligno CPS49 pode ser retirado da talidomida para ela continue a curar outros doentes sem efeitos colaterais, o pesadelo das mães grávidas terminou e a Humanidade pode voltar a dormir em paz. Como fêz Sherlock: identificou nas vitimas o celebron, chegou aos fanaticos da seita CPS49, retirou-os do convivio com a sociedade, manteve a religião, que sendo placebo ou não conforta seus fiéis. E se a cidade não tivesse Holmes? E se nós não tivéssemos a Ciência?  

(Obs: Êste texto foi inspirado pelo artigo “Listening to Thalidomide: From terrible side effects, lessons on how limbs form”, por Carl Zimmer, do New York Times – Science Times – de 16/03/2010 )  

No céu também as fêmeas devoram os machos?

quarta-feira, março 17th, 2010

Baseado no New York Times – Science Times – de 11/03/2008, artigo:

Kissing the Earth Goodbye in About 7,59 Billion Years

por Dennis Overbye

Tradução: Diga Adeus à cena do Papa beijando a Terra…he…he… dentro de 7,59 bilhões de anos. 

Modéstia à parte, fui o primeiro ser humano a explicar “cientificamente mas nem tanto” porque o zangão macho das abelhas sobe seis metros acima do solo onde o espera pairando no ar a rainha para copular se sabe que vai cair morto. Os mapas da Matriz revelam a mesma cena acontecendo nos sistemas astronômicos, portanto o zangão age inconsciente, automáticamente, dominado pelas fôrças físicas dos átomos que constituem seu corpo e que compõem sua carga genética herdada da Terra, um astro que tem em si gravada (genéticamente!) a experiência do seu ancestral Pulsar, que também desapareceu ao “copular” com um Buraco Negro.

Mas eu não tinha explicado ainda o caso de certas criaturas, como algumas aranhas, que matam e devoram o macho após a cópula. Foi uma falha minha por não ter frequentado o Oráculo da Matriz/DNA com a devida assiduidade, pois nos mapas também está explicado a psicologia da aranha. (Só eu com meus mapas entendo essa psicologia por isso estou pensando em montar uma clinica psicológica para aranhas de estimação ao lado da clinica psicológica para cachorros: se seu cãosinho está rosnando torto, como gato, ou apresentando outro desvio comportamental, traga-o à minha clinica que boto-o deitado no divã, hipnotizo-o e deixo-o falar latindo sôbre suas experiências na infancia onde procuro localizar algum trauma, coitadinho…).

Matei a charada das aranhas ao ler o artigo do NYT acima. Descobriram um planeta gigante orbitando o cadáver em decomposição de uma falecida estrêla em Pegasus (será esta constelação um necrotério cósmico?!), Não conseguiram ver se o planeta está vestindo luto, chorando com um lencinho enxugando as lágrimas, mas a noticia é surpreendente! E aterrorizante para mim: por um momento sentí um calafrio descendo pela espinha até a ponta do dedão do pé. “Estão ameaçando a Teoria da Matriz?” Chegou o momento de bota-la no lixo e despedir-me do mundo, pois sem ela a vida não me faria mais sentido?

Segundo o que entendí (aliás, o que entendeu o unico neuronio que ainda continua trabalhando aqui nessa cabeça), no lugar da falecida resta apenas uma névoa de detritos, e girando em volta dela, um gigante planeta!!! Raios! Nos mapas da Matriz nunca vi tal coisa e na minha lógica portuguesa com certeza isso é ilógico. Pois uma nuvem de detritos não deveria ter a força de atração gravitacional para segurar um gigante planeta, muitos pêlos ao contrário: os detritos deveriam estar girando em torno do planeta, não é? Mas… fazer o que? Se os caras estão dizendo que viram a cena e provavelmente devem ter fotografado?

Para piorar a minha situação de “caidinho pela Matriz”, no mesmo artigo um par de astronômos – Klaus-Peter Schroeder da Universidade de Guanajuato do México e Robert Connon Smith da University of Sussex da Inglaterra – publicaram os resultados de seus calculos indicando que “se a Natureza for deixada por conta de suas próprias crias, daqui a 7,59 bilhões de anos a Terra será sugada por um fogoso Sol vermelho e cairá numa espiral rumo a uma morte vaporenta e rápida”. Então estes astronômos estão matando em um monte de gente as esperanças surgidas com a visão do gigante planeta, a qual sugere que a Terra também poderia sobreviver à morte do Sol. Agora existe a outra alternativa, a de que o Sol possa não querer morrer sózinho e levar a Terra junto. Ai… ai…

Mas, o que diz o Oráculo da Matriz? Eu não ouví direito porque hoje é quinta, portanto faz 5 dias que tomei banho no ultimo sábado e deve ter muita cêra no ouvido, mas resumindo é o seguinte: “Planetas gigantes são geralmente planetas velhos (com excessão daqueles que já nascem gordos) que estão sendo transformados em Pulsares, afastando-se da órbita de suas estrêlas para tornarem-se eles mesmos em novas estrêlas.” Portanto calculei que o Pulsar sempre se situe distante do cadáver estelar, o suficiente para não ser perturbado por êle. mas pode acontecer também outra alternativa: não apenas os cometas emitidos por um Pulsar iniciam a ignição da massa nebulosa estelar dentro do Buraco Branco para produzir o novo ninho de astros mas tambem o próprio Pulsar inteiro se emita ou é sugado na direção da nébula! E como o Pulsar é um astro de fogo novo, potente, concentrado, pode ignar a nébula, disso tudo resultando no nascimento de uma nova estrêla.

Bem… essa nova situação, se de fato for real, é depressiva para mim, mas tenho que estar preparado para possibilidades dêste tipo, pois talvez o espirito da selva que me soprou a Matriz seja demoníaco ou brincalhão como a serpente fêz com a Eva (se eu agarrasse aquela serpente pelo pescoço te juro que a transformava numa minhoca. Não sem antes usa-la como chicote para dar umas lambadas no forever da burra da Eva, que me botou nessa fria que é essa vida de ter que suar o rosto para comer o pão). 

Preciso agora ver se isso muda ou até mesmo desbanca esta belíssima obra de arte que é o diagrama de um sistema fechado como máquina perfeita da Matriz. Se o Pulsar mistura-se com a massa do cadáver estelar, é possível existir ainda o circuito auto-reciclavel? Acho que sim, apenas diminuem as Funções Sistêmicas Universais, desaparecendo a F7 (veja o software). Mas apenas isto já seria um duro golpe na Teoria da Matriz. Terremoto embaixo do Oráculo. Pode acontecer tambem que o sistema visto seja sistema degenerado e no fim a névoa de detritos termine por cincundar o planeta formando algo como os anéis de Saturno?

Voltando ao artigo do NYT, a maioria dêle fala de futurologia baseada na visão da Teoria Nebular, mas tem alguns insights interessantes. O Dr Smith definiu o resiltado de seus calculos como sendo um “toque depressivo” – e ainda bem para mim que a Teoria da Matriz sigere que os resultados estão equivocados porque as premissas para os calculos estão erradas. Mas continua o Dr. Smith: ” Visto por outro ângulo, isto é um novo incentivo para fazermos alguma coisa procurando novos caminhos para deixar nosso planeta e colonizar outras áreas da Galáxia”. E esta é a mesma preocupação da Matriz, eu diria que êsse é um dos motivos fundamentais do porque ela abaixou sôbre a Humanidade agora. Parem de perder tempo com supérfluos, desenvolvam a Ciência e tecnologia espacial, para escaparem daí antes que seja tarde. Portanto, “congratulations, Dr Smith and Klaus-Peter!”

Mas cá entre nós, noticias como estas parece que foram mandadas para nos encher mais ainda o saco. Não sei o que se passa na cabeça dos meus leitores (acho que deveria dizer: na não-cabeça dos meus inexistentes leitores), mas eu estou cada dia mais sentindo um desconforto aqui na barriga devido a uma nova doença que está me atacando e que chamo de “a insustentável leveza do ser”, cujo virus começou com o principio da incerteza de Heisenberg, foi identificado por Humberto Eco e e se multiplicou com os recentes terremotos, dando a impressão que estamos flutuando em cima de uma débil camada de solo que se apóia numa gigantesca fornalha nuclear que a qualquer momento, sem que ninguem no Cosmos chore por isso, possa vir a nos engolir com todos nossos guarda-roupas e gatinhos de estimação. Neste artigo estão dizendo que o Sol esquentou 40% a mais do que era quando nasceu, então me vem a pergunta: este esquentamento só acontece aos poucos lentamente ou pode acontecer por saltos tambem, à la moda dos saltos mutantes de Stephen Jay Gold? Se sim, a que momento será o próximo salto? Eu não tenho aptidão para se transformar num espeto de churrasquinho…   

O Extra-Terrestre que Engravidou uma Réptil e Gerou o Primeiro Mamífero na Terra!

domingo, março 14th, 2010

A Teoria da Evolução exibe uma exuberância de fósseis ósseos de animais intermediários entre os répteis e aquilo em que alguns se transformaram, os mamíferos.  Ossos antigos são fáceis de achar, e assim fica mais fácil explicar como foi essa evolução, mas o problema está em explicar como aconteceu a evolução da parte mole orgânica já que a carne não se fossiliza e é comida pelos vermes. Os répteis botavam os ovos fora abandonando os filhotes à própria sorte – às vêzes mesmo um filhote botava a cabeça para fora de um ôvo e já encontrava a boca aberta de uma serpente.

Mas… foi então que uma fêmea de uma espécie réptil começou a segurar os ovos dentro o mais que podia e só os soltava quando não podia mais segura-lo (!). Passaram-se milhares de anos e milhares de gerações destas fêmeas, cada uma fazendo maior esforço para manter o máximo possivel seus ovos dentro da barriga até que este esforço obrigou o corpo delas a se transformar, desenvolvendo esta extraordinária engenharia que é o sistema reprodutor feminino. Quando a ultima fêmea réptil nasceu equipada para manter e nutrir o filhote até o momento do nascimento ela foi condecorada com a transcendência, promovida para mamifero.

Porem, espere aí… estamos falando de um réptil, e não daquêles grandes como os dinossauros, mas sim de algum pequeno como um lagarto, um crocodilo, ou uma lagartixa. Acordem! Concentrem-se no bicho que estamos falando dêle e tente se colocar no lugar dêle para tentar entendê-lo. Por que cargas d’água uma lagarta iria fazer algum esforço para manter ovos dentro?! Isso é um absurdo contra tôda a lógica da teoria darwiniana da evolução. E contra tôda nossa lógica racionalista. Répteis são feras que existem apenas comendo e lutando para sobreviver contra predadores e em ambientes inóspitos. Quanto mais rápidos, velozes, acrobatas, destros, maior suas chances de sobrevivência e de transferência de seus genes, e assim serem escolhidos pela seleção natural, certo? Portanto, para a fêmea quanto mais rápido puder se livrar do pêso do incômodo ovo, melhor. Se ela não o fizer rápido, se começar a criar barriga, diminui em muito sua capacidade para a caça e para a defesa, muitas vão morrer certamente.

Então, quando eu disse acima que uma fêmea ou varias fêmeas répteis e através de muitas gerações fizeram um esforço para manter os ovos…  cometí uma heresia contra a teoria da evolução darwiniana e contra a lógica racional do leitor. Certo? Claro que sim!

Então, se o processo da evolução fôsse mesmo o que Darwin e seus discípulos modernos neo-darwinistas afirmam – baseado e resumido nas três variáveis VSI (Variação, Seleção e “Inheritance”), nós humanos jamais existiríamos pois a evolução teria parado no réptil, jamais teria dado o passo seguinte para mamífero. Certo? Ou errado? Onde estou errando? Podem contra-argumentar que o sistema reprodutor mamifero surgiu por gradativas mutações ao acaso, que cada mutação fazia os ovos ficarem mais tempo no corpo da fêmea… mas, não, não podem argumentar isto sabendo que se o corpo mantem um dia a mais o ôvo dentro e cresce a barriga, aumenta o pêso, a criatura se torna menos capaz que as outras e com isso jamais será selecionada. Ou alguém pode vir com a balela de que a fêmea réptil já tinha um certo instinto maternal… e mando este alguém com tal disparate ir pentear macaco no zoológico. Pô, réptil é um bicho que inclusive tem o sangue frio, não se esqueça disso, e vem agora o cara me dizer que de repente uma fêmea réptil têve uma mutação criando um calorzinho interno que começou a se transformar no caloroso amor maternal… E além disso, acredito que réptil nem sabe que seus ovos contem seus filhotes pois nem mesmo humanos primitivos sabiam porque as mulheres criavam barriga e engravidavam… Para não falar que muitos destes animais devoram os ovos da própria espécie quando os encontram. Sem duvidas posso garantir que a criação do sistema reprodutor intra-uterino não foi obra de alguma fôrça atuando desde dentro do organismo reptiliano, ela parece ter vindo de fora.

Mas que fiquem tranquilos os neo-darwinistas pois a obra do grande mestre Darwin continua de pé e nêste evento da passagem do réptil para o mamifero os três mecanismos apontados por Darwin realmente atuaram… porem, não contam nem a metade da verdadeira história. A evolução darwiniana de fato fêz o seu trabalho como ela sabe fazer: a seleção foi aumentando o tamanho e a fôrça da espécie até chegar aos dinossauros, os quais se tornaram os reis da Terra, e como sempre, atingiram o último limite evolutivo de suas possibilidades fenótipicas e nesse ponto começou a entropia, a degeneração da espécie, pois neste ponto que denominamos de “super-especialismo num modo de existência”, todos os seres se acomodam, fecham as portas à evolução e assim tornam-se becos sem saída, ramos ou galhos da árvore genealógica que sai fora do tronco e séca e se extingue ( se não fôsse o meteorito, outra ocorrência natural teria acabado com os dinossauros, mas eu não acredito no tal meteorito como causa da extinção deles… pois a Natureza não precisava recorrer a medida tão drástica para fazer o serviço. Ela própria já dispõe dos mecanismos necessarios para descartar espécies que desafiem a evolução). A evolução darwiniana a partir do réptil mediano, onde se lacalizava a nossa fêmea sacrificada e heróica, caminhou no sentido do dinossauro e não no sentido do mamifero. 

Então acho que certo está entre nós que a passagem de réptil para mamífero não se explica dentro das Ciências Biológicas e dentro da teoria darwiniana, pois nunca teria existido antes um ancestral com sistema reprodutor tipo mamifero para passa-lo àquela fêmea. E como ninguém ainda veio me mostrar onde estou errando, vou continuar na mesma linha de raciocínio.

Quais as fôrças da Natureza, qual a Lei Natural da Física, ou da Quântica, ou da Quimica ou mesmo da Biologia, estiveram por trás e por cima das fêmeas répteis conduzindo-as para este final de transcendência feliz? Já revirei bibliotecas e não encontrei ninguém tocando nêste assunto, acho mesmo que ninguém sabe. Ou melhor… talvez tenhamos agora encontrado uma solução para o mistério.

A fêmea réptil, ao se alimentar de matéria orgânica e ter o corpo atravessado ou invadido pela energia solar estava absorvendo algo que os darwinistas desconhecem mas que existe acima e abaixo da biosfera na superficie terrestre. Dêste modo, se provar-mos que (apesar de que na biosfera terrestre nunca antes nada possuiu tal parafernália de sistema reprodutor uterino), no conjunto dos astros celestes que circundam a biosfera existia um ser que possuia tal sistema e que este ser, atacado pela entropia, tem estado se fragmentando em seus ultimos bits-informação na forma de partículas que se alojam nos alimentos e na energia solar, e que estes “bits-particulas” têm a tendência de reproduzirem o sistema ancestral de onde vieram, estejam onde estiverem, tal como dentro de corpos biológicos… teremos matado a charada! Mesmo que isto implique nas estranhas idéias da Biblia de que anjos celestes estiveram aqui fecundando mulheres humanas (que cacófito, meu Deus!… mulheres humanas! E tem mais informação útil aqui: estas mulheres humanas gostam de homens, mas só daquêles do sexo masculino, viu?) ou de idéias de indivíduos como Von Daniken de que astronautas extras-terrestres possam ter copulado com humanas. Pois, de certo modo, a fêmea réptil foi fecundada por um ser astronômico que possuía algo dêste sistema reprodutor e que produziu a mutação gerando a parafernália reprodutora intra-uterina. Os modêlos da Teoria da Matriz/DNA Universal explicam como êsses bits-informação de um planeta semi-vivo e de um Sol radiante funcionam como ancestrais dos nossos genes e como são espalhados no tempo e no espaço livres sem estarem encerrados num saquinho cromossomico gerando a enorme diversidade de sistemas biológicos. 

Mas o garanhão que estêve aqui se apaixonando por aquela fêmea réptil não pode ser chamado literalmente de extra-terrestre, talvez sim, possa ser apelidado de meio-terrestre-meio-extra-terrestre. Pois êle se constitui num par de dois: é o próprio planeta Terra mais a sua estrêla Sol. Ei… antes de me atirar ovos espere que vou demonstrar como isso aconteceu…

Observe as duas figuras abaixo:

Figura 1                            Figura 2 

 DIAGRAMA DO PROTO-SISTEMA “LUCA” - The Last Universal Common Ancestral   LUCA - The Last Common Ancestral 

A Figura 1 e 2 representam o estado evolutivo em que se encontrava o mundo momentos antes da origem da Vida na Terra. Desculpe se as figuras estão ilegíveis, mas podes vê-las melhor em outras partes do website. Trata-se do sistema natural mais evoluído que existia, e dentro dêle e produzido por êle apareceu a primeira matéria organica, e desta veio o primeiro ser vivo. A Figura 2 é a imagem material visível, ou seja, o hardware, enquanto a Figura 1 é o diagrama do código de instruções que se extrai de tal sistema, ou seja, o software. Apesar da imagem mostrar sete tipos de astros celestes, na realidade trata-se de um astro apenas, sujeito a um ciclo vital. Ora,  um corpo humano sujeito a um ciclo vital muda de forma a todo instante, mas podemos fixar algumas formas principais: mórula, blástula, feto, embrião, bebê, criança, adolescente, adulto, cadáver. Então, êste fenômeno de um corpo material ter suas formas transformadas não foi inventado pela matéria burra da Terra e nem pelos sistemas biológicos, ele já vem desde as origens do Universo, e aplicado a um astro fá-lo apresentar-se nas seguintes formas: germe estelar, lua, planeta, pulsar, quasar, estrêla, buracos branco e negro. Esqueça o que aprendestes na escola, a tal da geração espontânea de cada astro em separado, aquilo é apenas metade da verdadeira história.

 Então o que vemos na figura é o desenvolver-se de um astro qualquer, como a própria Terra que nos gerou. Sem me alongar em mais detalhes vamos direto ao que interessa nêste assunto. Onde está na imagem acima do nosso ultimo ancestral “não-vivo” e “extra-terrestre”, a parafernália do sistema reprodutor intra-uterino? Fácil:  o germe de um novo astro é elaborado no “buraco branco” no lugar da Função 1, apresentando os mesmos processos e fases da mórula, blastula, embrião e por fim o parto no horizonte de eventos. Precisamos entender que o processo da evolução também não foi inventado na Terra. Darwin estudou apenas a Evolução Biológica,  a qual é em si mesma uma evolução da Evolução Cosmológica, a qual apresenta sete variáveis (as variaveis das dimensões eletro-magnéticas e dos sistemas termo-dinâmicos que precederam os sistemas biológicos), portanto, para preencher os “gaps” na Teoria da Evolução de Darwin basta visualizar-mos as ações das outras quatro variáveis que modelam nossa biosfera e nem Darwin, nem Gold, nem Dawkins, etc., conheceram. Apenas os vários modêlos da Teoria da Matriz/DNA Universal revelam a verdadeira história da Evolução através dos tempos desde o Big Bang.

 Mas e esta história de diferença entre ovos botados fora e mantidos dentro, como se vê na imagem?

Note que numa primeira fase o germe de estrêla se constitui no nucleo do astro quando ainda está nas funções 2, 3 e 4, ou seja, lua, planeta, pulsar. Isto significa que o corpo está sendo gestado dentro de um ôvo. Mas ele já foi expelido pelo órgão uterino celeste que é o vórtice na Função 1. Portanto, numa primeira fase, o nosso ancestral tambem botava os ovos fora, abandonando a prole à própria sorte. Mas então o germe floresce na função 4, brotando como uma supernova e note: não apenas o ôvo, mas inclusive o “bebê” supernova continua dentro do sistema, nutrida pelo sistema. Isto significa que nosso ultimo ancestral não-vivo tinha os dois processos ao mesmo tempo, mas o processo de manter os ovos dentro é a segunda fase na evolução do sistema. Por isso aqui na Terra numa primeira fase foram gerados sistemas vivos que botavam ovos fora, desde as amebas aos insetos aos répteis, mas já estava determinado, já estava antes escrito nas estrêlas, que aqui na Terra haveria a evolução da primeira fase para a segunda, mais complexa. As inúmeras gerações da fêmea réptil, de mãe para filha, que foram sacrificadas, muitas coverdemente assassinadas pela fome ou pelos predadores, por carregarem uma barriga cada vez maior, por sofrerem as dores do parto, não o fizeram pelos mecanismos da evolução darwiniana nem foram tocadas pelo instinto maternal. Foram as maiores heroínas de todos os tempos de todos os seres vivos, graças a elas estamos existindo, devemos a vida a elas, mas elas não o fizeram por vontade própria e sim conduzidas por uma fôrça natural que estava até ontem além da compreensão da inteligência humana.

… … perdão, eu não consigo continuar escrevendo quando penso nisto, não consigo evitar que lágrimas me inundam os olhos. Não apenas por causa do sacrificio heróico de uma ancestral ( lágrimas por causa de uma ancestral réptil… isto é que é a verdadeira “lágrima de crocodilo”!), mais por causa da incrivel inteligência que sinto existir no Cosmos: um projeto feito no espaço sideral apenas com esferas e vórtices, já continha em si as instruções para se tornar expressa na forma dêste extraordinário engenho biológico! Qualquer dúvida podem perguntar que depois, refeito das emoções, consultarei os modêlos da Teoria da Matriz/DNA e explicarei com calma.  

 

 

 

 

 

A Forma da Criatura Extra-Terrestre mais Inteligente que a Humana

sexta-feira, março 12th, 2010

Todo dia se descobre novos planetas reforçando a expectativa de que existam muitos astros habitados por criaturas menos ou mais evoluidas que nós. Mas será que existem outras criaturas com cérebro biológico e bipedal? Existirá seres inteligentes com cérebros mecânicos e sangue tipo petróleo? A Matriz/DNA está sugerindo que a forma de criatura mais hábil para evoluir mais depressa e se tornar inteligente mais rápido seja a forma de um polvo com muitos tentáculos e entre estes tentáculos aquelas peles que os permite nadar e voar. É uma criatura que manteve a forma celular criando muitos cilios à volta e tornando o citoplasma na pele membranosa voadora. E pode ser muito grande ou até microscópica… e muito mais evoluida que a espécie humana.

O debate entre proeminentes cientistas nos faz pensar. Michael Shermer, autor de “Why Darwin Matters” acredita que alienígenas com formas como aquelas que vemos nos filmes e técnicamente desenvolvidas não existem. Por exemplo as formas mais evoluidas não devem ser bipedal, discordando de Ed Wilson, biólogo da Universidade de Harvard que sugere por exemplo que num astro onde não tenha havido catástrofes causadas por meteoros, dinossauros podem ter evoluído para a forma bipedal e alcançado um formato humanóide. Shermer explica com razão que se a evolução dirige inevitavelmente as criaturas a serem antes humanóides bipedais para alcançarem a inteligencia e sofisticação tecnológica, muitas espécies na Terra teriam evoluido tanto quanto a espécie humana e hoje estaria competindo conosco. Robert Wright, em “Nonzero: The Logic of Human Destiny” argumenta que nossa existência eliminou pela competição e dominancia a possibilidade de outras espécies terrestres alcançarem o nivel da inteligência, mas Shermer contra-ataca lembrando que os Neandertals tiveram centenas de milhares de anos de existência livre sem a presença hominida na Europa e nem por isso evoluiram como o homo sapiens evoluiu na Africa. Enquanto uns acreditam que humanóides inteligentes pode ter evoluido em todo o Universo e outros acreditam justamente no outro extremo, ou seja, que sómente na Terra a evolução gerou humanóides inteligentes, Richard Dawkins prefere a coluna do meio, a de que o Universo seja habitado por muitas formas parecidas com a humanóide e com outra coisa qualquer e com inteligências parecidas com a nossa, dita “racional”. Lembre-se dos filmes de terror onde se diz que demônios (e isto vale para extra-terrestres) não são humanos, suas atuações são totalmente sem sentido para nossa inteligência, mas desde que provavelmente eles atuam para o beneficio deles, óbviamente a inteligencia deles deve ter outro tipo inimaginavel de racionalidade.

Shermer apresenta um raciocinio aceitável para quem não conhece a Matriz/DNA. Ele se baseia nas evidências. Dos 60 ou 80 filos de animais, sómente uma, os cordados, levou à inteligência, e dentre êstes, sómente os vertebrados realmente desenvolveram ela. De todos os vertebrados, sómente os mamíferos evoluiram cérebros grandes suficiente para alta inteligência. E das 24 ordens de mamíferos sómente uma – nós, os primatas – temos inteligência tecnológica. E o biólogo evolucionista Ernst Mayr conclui: “Nada melhor para demonstrar a improbabilidade da origem de elevada inteligência do que as milhões de linhagens filogenéticas que falharam em alcança-la. Mesmo pensando que tem evoluido talvez cêrca de 50 billions de espécies na Terra, sómente uma delas alcançou a espécie de inteligência necessaria para desenvolver uma civilização”.

Carl Sagan notou certa vez que espécies tecnologicamente capazes de comunicar-se “podem viver no solo, no ar ou no mar”. Elas podem apresentar inimaginaveis quimicas, formas, tamanhos, cores, membros e opiniões. Nós não podemos requerer que elas tenham seguido a mesma rota na evolução que produziu os humanos. Podem existir muitos diferentes métodos evolucionarios, cada qual peculiar, mas a soma do numero de métodos para levar à inteligência pode não ser muito substancial. Portanto ele concorda com Shermer quando pensa que a probabilidade de existir vida diferenciada em muitos outros lugares é alta, mas a probabilidade de existir formas humanóides é muito pequena. Eu penso que essa tendência de imaginar extra-terrestres com formas parecidas com a nossa, bipedais, etc, é a mesma que levou muitos a imaginarem Deus com a forma humana. Na falta de diversidade criativa e imaginação, nós nos projetamos nos seres desconhecidos dos quais tentamos adivinhar suas caracteristicas.

Mas o que sugerem os modêlos da Matriz/DNA? À medida que vamos nos aprofundando no passado, precisamos calcular a redução da complexidade para formas cada vez mais simples. Houve tempo que havia apenas um gênero de sistema natural, ou criaturas, no Universo: os átomos. Êstes podem ter gerado evolutivamente muitas formas que desconhecemos, além dos astros celestes conhecidos. Mas aqui em nossa região cósmica apenas um herdeiro do átomo gerou a inteligência, mas para tanto gerou-a através de sistemas biológicos, ou seja, seres vivos. Esse herdeiro foi o astro que apresenta um ciclo vital que o faz se transformar ao longo de uma existência nas formas de lua, planeta, pulsar, estrêla, quasar, buraco negro ou branco. Esse ser, que por ter ciclo vital e apresentar todas as propriedades da Vida apesar de sua forma mecânica, só pode gerar um tipo de genôma. Em outras palavras isto significa que os astros nesta galáxia fazem a semeadura da vida em todos os outros astros, lançam sua semente-genôma aos quatro cantos, mas poucas são as boas searas onde estas sementes florescem. Aqui na Terra ela floresceu na forma inicial de nucleotideo, deste evoluiu para RNA e DNA e destes para a primeira célula dita “viva”. A célula mantem muitas das caraterísticas e da forma do sistema astronomico, e ela então se diversificou em muitas formas, porem, tôdas as espécies na Terra, desde plantas a animais, apresentam uma forma estrutural ainda bem parecida com a ancestral astronomica. Mas sabendo-se que os genes-particulas da fonte astronomica são lancados livres no espaço em diferentes tempos, e conhecendo-se as caracteristicas fisicas mecanicas da fonte astronomica, pode se inferir que muitas serão as especies derivadas de um mesmo tipo de genoma fundamentado no nucleotideo e DNA. Porem, a forma que será melhor selecionada e se dará melhor na vida será a que manter-se mais fiel à forma da matriz astronomica. E esta forma é justamente a do polvo com tentaculos ligados por uma membrana esponjosa – lembre-se da forma de polvo que a galaxia apresenta. Uma forma assim, mesmo que tenha sido gerada depois da espécie humana, pode ter desenvolvido sua inteligência bem mais rápido que nós devido as facilidades na vida: varias mãos, asa para voar, varios pés para caminhar, etc. O problema do nosso polvo terrestre foi o mesmo dos dinossauros, dos leões, das baleias, dos passaros, etc.: todos conseguiram aprazivel conforto na vida, se super-especializaram num modo de ser e viver, tentaram manter este status e com isso pararam de evoluir, caminhando para a extinção. Mas imagine se esse polvo surgisse como o primata, tendo que lutar arduamente contra predadores e para obter alimento. Portanto, se uma espécie nos visitar antes que a visitemos significa que ela é mais evoluida e não se surpreenda se de repente te deparares com a forma do Monstro Espagueti Voador… exibindo uma suprema inteligencia.