Archive for junho 9th, 2011

Decifrado o segrêdo da fruta comida por Eva e Adão no Paraíso?

quinta-feira, junho 9th, 2011

Question:  “What was the Fruit of the tree of Knowledge of Good and Evil that was supposedly eaten by Eve and then offered to Adam?”

Cassiopea: “Knowledge restriction Encoding.”

Português: Qual foi a fruta da Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal que foi supostamente comida por Eva e então oferecida a Adão?

Cassiopéia: Código Restritivo do Conhecimento.

Lendo por curiosidade o website http://www.cassiopaea.org/cass/matrix_dna_illusions_alchemy.htm , onde pessoas fazem perguntas a uma entidade espiritual chamada Cassiopea, me deparei com o trecho acima. Mas é justamente o que os modêlos da Matriz/DNA estão sugerindo! Como pode duas pessoas,vindo por caminhos tão diferentes chegarem à mesma Roma, à mesma solução?!

A autora do artigo lida com a área mística enquanto a Matriz/DNA nasceu de uma investigação exclusiva e extremamente materialista. Mas o resultado final é um encontro!

A Matriz/DNA sugere o modêlo do estado do mundo momentos antes de surgir a vida na Terra. Como estavam organizados os astros celestes, como e de onde a Terra veio, o que existia na Terra, quais foram as forças naturais e ingredientes que atuaram nos três bilhões de anos em que a vida estava sendo forjada lentamente a partir de uma sôpa caótica. Bem, êsse modêlo sugere que o ápice da evolução antes do primeiro ser vivo tinha sido a formação de uma galáxia. E o modelo mostra a foto de como era o sistema galáctico, um sistema de extraordinaria engenharia, semi-mecânico/semi-biológico, contendo um ciclo vital, etc. Mas era um sistema fechado em si mesmo, com pretensões de ser eterno nesta forma. No circuito que conecta as partes, ou seja, os astros, corria um fluxo de informação que em dado momento se dividia, e baseando-me no que fazem quando ocorre essa divisão, concluí que é exatamente o que fazem os cromossomas X e Y na geração de um novo ser. Ou seja, o sistema era hermafrodita, mas em dado momento ele se bifurca em masculino e feminino e volta a ser hermafrodita logo depois. Como o sistema em tudo parece ser um verdadeiro e perfeito paraíso para a vivência de seres masculinos e femininos, estas três palavras – paraíso, masculino e feminino – me fêz a contragosto lembrar da fábula na Biblia, de Adão e Eva. Muito mal para o mais fiel e disciplinado materialista de todos os tempos, pois assim tive que ser para descobrir a Matriz/DNA.

Logo em seguida os modêlos da Matriz/DNA sugerem como foram os passos evolutivos que transformaram o sistema galáctico no primeiro sistema celular, biologico. Primeiro, o sistema perfeito foi atacado pela entropia degeneradora.  O sistema se desfêz em seus bits-informação, os quais vagam no espaço e caem na superficie de planetas como a Terra. O processo continua com eles se reencontrando, se reunindo na mesma configuração anterior e por fim se produz o sistema celular.

Agora vem a analise existencial de todas essas ocorrencias. O fim ultimo buscado nesse evento foi transformar um sistema fechado em sistema aberto.  O paraiso se torna o ambiente caótico primitivo da terra aberto a todas as possibilidades evolutivas, quando o sistema anterior havia trancado suas portas ao processo da evolução. Mas foi assistindo um filme ( O Admiravel MundoNovo, extraído do livro de Aldous Huxley) que houví uma frase que me calou fundo. O lider maioral diz a um rebelde:

– “Mudar? Mudar para melhor?  Isto não pode acontecer, não tem como. Aqui tudo é perfeito, estamos n aextrema perfeição.  Qualquer mudanca seria uma perturbação ao sistema inteiro, ao que é perfeito.”

Ora, o rebelde que havia nascido de maneira diferente,  fora daquele mundo, estava vendo que ali tudo era artificial, havia extrema felicidade das pessoas mas não havia mente, não havia aquilo que nós humanos temos e que nos fazem inquietos e que não sei explicar o que é, mas sem o qual, eu não queria existir. Então, do ponto de vista dos habitantes daquele paraiso tudo era perfeito, mas do ponto de vista humano, faltava algo, o principal, talvez a liberdade e a expectativa que existe quando podemos avançar no desconhecido, progredir. Eu sei que é ininteligivel isso. Progredir como, para onde, se já se alcançou a ultima perfeição? Não temos a resposta mas somos humanos, não queremos aquele paraiso perfeito e ponto final. Nós não nos entendemos, mas entendemos que queremos algo que não sabemos o que é, e vamos viver em busca dêsse algo.

Aqui está o Código de Restrição ao Conhecimento. No paraíso perfeito!

Segundo os modêlos da Matriz/DNA, a parte da matéria desse mundo  com que nos relacionamos tem uma força invisivel evolutiva. Isto tambem é exdruxulo, ininteligivel, pois como poderia existir uma força com um objetivo, sendo ela mesma parte da matéria? Sem nenhuma mentalização?  Mas acontece que essa porção de matéria com a qual nos relacionamos tem funcionado desde as origens doUniverso, como um computador, ou como um cérebro humano. Existe essa força invisivel que exerce a função de um comando de instruções ao qual vamos denominar de software mental. E tem a parte exclusivamente fisica, corporal visivel que vamos chamar de hardware carnal. Se os modelos estiverem corretos, a mente humana é hoje o ápice da evolução de sua própria entidade, ela surgiu por sua conta e risco no Big Bang de forma muito simples, impregnada nas particulas, deu um salto evolutivo habitando os átomos, depois as galaxias, passou pelos animais irracionais onde estava acordando e veio despertar no homem.

Mencionei esta questão do software e hardware apenas para explicar o que era Adão e Eva a 4 bilhões de anos atrás. Era esse software, num estado ainda primitivo mas já poderoso, que construiu seu corpo material na forma da galaxia semi-biológica. Ora, como disse antes, se supormos que os dois fluxos de informação que correm no circuito daquele sistema fossem algo inteligentes e sensiveis como os humanos, eles teriam a vida que pedimos a deus.  24 horas por dia com a boca aberta e o suculento manah caindo de graça, enquanto os dois se encontravam em ininterrupto orgasmo, como só seria possivel a um hermafrodita. Então, dando nomes humanos aos dois fluxos, podemos escolher Adão e Eva,… porque não?

E qual seria a principal preocupação de Adão e Eva? Observe bem que aqui, o paraiso não teria sido feito por Deus e presenteado aos dois. Não, quem fez aquele paraiso foram os dois mesmos, na forma da mente da matéria, um sistema em equilibrio termodinamico perfeito, o qual é, todos sabemos em Fisica, o supremo objetivo de todas as forças naturais constantes na matéria.

Foi Adão e Eva quem construiram aquele paraíso e a julgar pelo resultado final, o fizeram contra a vontade da lei maior do Universo.  Qual é esta? Evolução. É a unica coisa, o unico processo que a Matriz/DNA identificou como ininterrupto desde o Big Bang, que passou pela evolução sub-atomica, pela cosmológica, entrou na biológica e agora parece estar entrando na evolução mental. E se qualquer porção da matéria se recusa a evoluir o que acontece? A lei maior do Universo, a evolução, se aplica usando a entropia que é a lei da morte. Isto porque toda vez que o sistema ápice da evolução encontra um confortável  modo devida, tenta se acomodar e parar ali, interrompendo sua evolução. Para não perde-lo para sempre, o Universo, ou seja lá algum Deus acima dele, aciona a morte que desintegra o sistema e leva suas particulas-informação a reiniciar por outro caminho. Então, como os modêlos da Matriz/DNA sugerem que o processo de transição entre a mecanica astronomica e a vitalidade biológica houve uma queda, daí concluimos que Adão e Eva fizeram algo contra a vontade de um regulador, fizeram um falso pararaiso.  Qual seria então o maior medo de Adao e Eva, mesmo que fossem inconscientes na materia de que tinham feito para si um corpo que o Universo ou Deus não aprova?

O mesmo medo do lider maioral do Admiravel Mundo Novo.

– “Mudar?! Mundanças? Essa é a pior e mais terrível palavra que jamais pode ser pronunciada no nosso mundo  perfeito”

Mas quem, qual força natural dentro do paraiso perfeito iria se dirigir ou ser dirigida na direção de alguma mudança? Nenhuma. Porque e para que? Ali dentro do paraiso, tanto o software como o hardware não conheciam nada mais alem dele. Não existia mundo lá fora. O sistema era auto-reciclavel, ou seja, ele iniciava e terminava em simesmo. O sistema era um restritor do conhecimento. Se algo ali dentro de repente intuisse que existe algo mais a conhecer, teria sido um defeito de fabricação. Como foi o rebelde no filme.

O modelo do sistema fechado é a mesma figura de uma serpente engolindo a própria cauda. Quer dizer, a cauda está inserida na boca dela, mas ela não come a sua cauda, e sim absorve o que a cauda excreta, que é o sistema inteiro se esvaindo como fluxo de informação. Então encontramos a serpente da fabula biblica. E sabemos que é coisa falsa, errada, representa o fechamento das portas á evolução. A serpente é a figura, a planta do projeto. Um projeto que fecha as portas ao conhecimento do bem, do mal, a todo conhecimento que exista fora dele. Quando o sistema social fechado em simesmo se instala, o feminino se acomoda primeiro em sua índole, se acomoda em seu lar palacial, só falta dominar o macho, mante-lo no quarto nupcial enquanto o mundo brinca lá fora ao seu redor como fazem os demais astros. Esta é a base dos sistemas sociais fechados das abelhas e formigas onde o feminino é a rainha, soberana. O macho tem a indole contrária, de sair para a aventura, mas… qual macho resiste a uma bela Eva num palacio tendo tudo de graça? Adão sucumbiu ao projeto feminino. Adão comeu a maçã ofertada por Eva. O mundo iria parar eternamente. Estava totalmente inibida qualquer adição de qualquer novo conhecimento, nada poderia ser mudado.

E nós, esse DNA/Matriz que se reergue a duras penas, estamos pagando o pato do êrro de nossos avós, que na verdade eram nós mesmos bilhões de anos atras.

Está ou não decifrado o segrêdo da maçã?

Luz é gerada a partir do nada… e já vem com o Código da Vida?

quinta-feira, junho 9th, 2011

Recapitulando artigos anteriores,  nós da Matrix/DNA  chegamos num impasse que parece intransponível: a fórmula da Matriz desvenda tudo o que existe no Universo material, o mundo material não tem mais segrêdos para nós e tudo de novo material que for-mos encontrando daqui para a frente se encaixará na história da Matrix. Tentando avançar além da matéria – porque aqui não encontramos as respostas ultimas à razão da existência – de repente descobrimos que um espectro de luz natural contem o código da vida, assim como é o animador dos ciclos vitais.  Nêste ponto o mundo ruiu a nossos pés, pois somos bons em desvendar os segrêdos do mundo que de alguma forma conseguimos sentir,  ver, apalpar, manipular, mas a luz natural é algo tão imaterial, tão abstrato, tão fantasmagórico, que em nada podemos tocá-la. Terá a resposta suprema sido ocultada de nós para sempre, por tras da luz natural?  O que existe além da luz?  Qual é a fonte dessa luz? Porque ela é tão complexa a ponto de ter a fórmula da criação? A Luz seria o braço, as mãos, de Deus?

Eu particularmente pensei em desistir de tudo, mandar o mundo parar porque quero descer. Não há para mim razão ou motivação alguma para continuar a viver nesta forma de eterno ignorante d aprópria existência.   Mas como meu cérebro não suporta ficar sem trabalhar de policia, continuei a dar uma olhada de soslaio no que  aparece nas noticias sôbre a luz, e mais algumas coisas que deixaram pontos de interrogação,  como a mente, holografia, cérebro, e claro, a dimensão quântica. Portanto criei aqui uma categoria para cada um dêsses assuntos e aí vou registrando e pensando no que vai surgindo de novo.  Agora vêm me dizer que criaram luz do… nada!  Claro, isso só poderia ser brincadeira.  Mas chegaram perto: um aparelho no vácuo quântico parece materializar fotons de luz!  Tais fotons podem ser arrancados do aparelho pelas fôrças do vácuo quântico ou pode ser, como apostam os pesquisadores, terem sido criados pelo vácuo quantico.

Mas os pesquisadores não tem êsse problema de saber que na luz está o código da criação.  Acho que para êles, luz é apenas luz, nada mais. Se for como eles pensam, é racional supor que apenas as vibrações do vácuo podem criar de si mesmas a luz.  Mas se a luz for o que penso que é,  o vácuo quântico é apenas a ponte entre nós, o nosso mundo real e a fonte criadora do nosso mundo.  Portanto, por tras do vácuo quântico e fomentando aquelas vibrações está o supremo mistério da nossa existência, o qual vai se materializando na forma de fotons – os quais são –  segundo a Matriz/DNA – particulas informação da coisa que nos criou.

Portanto fica aqui registrado êste artigo de muita importancia nêsse novo reino da nossa busca pela Verdade Última… se houver uma.  

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=luz-gerada-partir-nada&id=010815110606

Redação do Site Inovação Tecnológica – 06/06/2011

O estranho mundo quântico Se você não entende nada de física quântica, não se avexe: Richard Feynman, um dos mais aclamados físicos do último século, dizia que ninguém entende de física quântica.

 A realidade, contudo, é que ela está lá e, de forma bem prática, é a física quântica que explica o funcionamento dos computadores, dos supercondutores, dos microscópios eletrônicos, das comunicações por fibra óptica, enfim, de quase tudo o que nos leva a chamar o período em que vivemos de “era da tecnologia”.

 Mas que a física quântica é estranha, isso ela é, sobretudo porque, nas dimensões atômicas e subatômicas, as coisas se comportam de maneiras que ferem nossa intuição, fundamentada no que chamamos de “mundo clássico”, explicado pela “física clássica”.

 Vácuo quântico

 Um exemplo típico da estranheza do mundo quântico é o vácuo: faça um vácuo perfeito, eliminando tudo de um determinado espaço, até a última molécula e o que você terá? Nada?

Não exatamente: você terá o vácuo quântico.

O vácuo quântico é um estado com a menor energia possível, uma espécie de sopa de campos e ondas de todas as frequências, o que inclui as forças eletromagnéticas, mas também as ondas que representam as partículas.

Nessa sopa real, partículas saltam continuamente entre a existência e a inexistência.

Essas partículas são tão efêmeras que os físicos as chamam de “partículas virtuais”, embora elas tenham efeitos sobre o mundo real.

É por isso que os físicos afirmam que a matéria é resultado das flutuações do vácuo quântico.

Eles acreditam também que corpos celestes extremos podem atuar diretamente sobre o vácuo quântico, produzindo energias capazes de interferir até com fenômenos astrofísicos.

 Estrela de nêutrons pode acordar o vácuo quântico

Faça-se a luz

 A maior parte dessas explicações ainda está no reino das hipóteses e das teorias. Ou, pelo menos, estava.

Pela primeira vez, uma equipe de físicos afirma ter conseguido gerar coisas desse “nada” quântico. Mais especificamente, eles fizeram com que vácuo quântico gerasse fótons reais. Ainda mais claramente, tentando trazer isso para o senso comum, eles emitiram luz do nada.

Será necessário esperar que outros grupos refaçam o experimento; mas, se confirmado, esta certamente se transformará em uma das experiências científicas mais bizarras e famosas da história, e uma importante prova prática da validade da mecânica quântica.

Realizando o virtual

Ora, se o vácuo quântico é uma sopa na qual pululam partículas virtuais, deve ser possível detectar ou mesmo capturar essas partículas. Foi isto o que motivou Per Delsing e seus colegas da Universidade Tecnologia de Chalmers, na Suécia.

Os cientistas já sabiam como detectar indiretamente as partículas virtuais “emitidas” pelo vácuo quântico usando dois espelhos, colocando-os muito próximos um do outro.

Essa proximidade limita a quantidade de partículas virtuais que podem vir à existência entre os dois espelhos. Como passam a existir mais partículas virtuais fora dos espelhos do que entre eles, cria-se uma força que empurra um espelho na direção do outro.

Esse empurrão, conhecido como Força de Casimir, é forte o suficiente para ser medido pelos instrumentos atuais.

Luz do nada

Mas os teóricos previam que as coisas poderiam ficar mais interessantes se fosse usado um espelho só, que poderia absorver energia das partículas virtuais e, sendo um espelho, reemití-las na forma de fótons reais.

O problema é que, para isso dar certo, o espelho teria que se mover a uma velocidade próxima à velocidade da luz, algo impraticável com a tecnologia atual.

Delsing e seus colegas deram um jeito de sair desse impasse usando um sensor extraordinariamente sensível a campos magnéticos, chamado SQUID (Superconducting Quantum Interference Device), e fazendo-o funcionar como um espelho.

Quando um campo magnético atravessa o SQUID, ele move-se ligeiramente. Alterando-se o sentido do campo magnético vários bilhões de vezes por segundo força-se o SQUID-espelho a sacudir velozmente – tão rápido que ele atinge cerca de 5% da velocidade da luz.

E essa velocidade parece ter sido suficiente.

Segundo os físicos, o espelho gera um chuveiro de fótons, que saem desse nada chamado vácuo quântico, refletem-se no espelho, e surgem para o mundo real, onde podem ser detectados por fotocélulas.

Luz é gerada é partir do nada

Luz de Feynman

No estágio atual, com este experimento pioneiro, ainda não é possível prever alguma aplicação para o efeito, uma vez que a luz gerada é muito fraca para fins práticos.

Mas pode ser uma luz suficiente para clarear as esquisitices da mecânica quântica e, quem sabe, tirar a razão de Feynman: quem sabe dos cientistas já não estejam começando a entender “alguma coisa” de mecânica quântica?

Se este for o caso, logo poderá ser dada razão a um outro grupo de físicos que, em 2006, previu que será possível, no futuro, construir nanomáquinas alimentadas pela energia do “nada”.

Veja outras pesquisas sobre o vácuo quântico: