Archive for setembro 15th, 2011

Matrix. O que é? Veja Como Ela Surgiu Antes das Origens da Vida

quinta-feira, setembro 15th, 2011

Existe êste movimento global denominado “The Plan” ( http://www.whatis-theplan.org/forum), que começou pelos jovens hackers e aficionados da Internet, a maioria com diplomas universitários mas desempregados, anônimos ( http://libertesedosistema.blogspot.com/ ) sem poder de expressão e sem espaço para viver e ser o que são: as atuais e locais unidades de inteligência do Cosmos. Na Espanha, por exemplo, mais da metade da juventude está nesta situação.

Junte-se a êste movimento os levantes nos países árabes, as manifestações recentes no Wisconsin, os acontecimentos de Londres, o aparecimento do WikiLeaks, etc., e parece um novo despertar, uma reação do consciente coletivo da Humanidade. Mas o despertar está vindo lento, por isso estão ainda apenas captando a superficie da verdade. Por exemplo, em relação ao atual sistema social humano, perceberam que a grande maioria vive como escravo sem se darem conta de que isso não seria necessário se a inteligencia humana estivesse realmente no poder para planejar sua existência nêste planeta com os recursos que êle tem. Mas por não conhecerem a fórmula universal de sistema natural da Matrix/DNA, não perceberam que o sistema social humano é uma evolução do sistema familiar nuclear, o qual é uma projeção do sistema corpo humano, que por sua vez é produto de um sistema encriptado no DNA, e todos êstes sistemas são derivados de uma mesma fórmula. Por enquanto estão vendo apenas os poucos humanos que são aqui os capatazes do Sistema, pensando que êles são o Sistema. Dão-lhes nomes como Iluminatti, Rotchild, Realeza Inglêsa, Sionismo, etc. Foram um pouco mais longe quando imaginaram a Matrix, retratada no filme do mesmo nome.

Mas o que é o Sistema, e como êle funciona como uma Matrix?

Êsse pessoal está flutuando ainda na superficie do problema. Se não teriam visto que a escravidão não é apenas relacionada a seres humanos, ela já vem de a muito tempo antes. O que é cada célula do nosso corpo que nasce, trabalha feito burra, e morre? Senão escravas, no mais puro do seu significado? E escravas do sistema corpo-humano? Eu olho para cada animal, cada inseto, e vejo um pobre escravo nesta existência, a começar, sendo escravo da fome, da falta de energia própria. Portanto a primeira célula viva, que foi o primeiro ser vivo, já surgiu com o estigma da escravidão gravado em seu nucleo, em seu DNA. Então, a condição de escravo vem antes dos seres vivos. De onde? Durante sete anos, como unico ser pensante no meio da selva amazônica, nas noites estreladas mas solitárias, minha mente olhava para o infinito buscando uma resposta. E aqui exponho parte do meu raciocinio na época para justificar o que penso ter descoberto.

Até prova em contrário, quem criou a vida aqui foi o planeta Terra com sua matéria. Mas não podemos ainda prova-lo cientificamente, e os dados que temos hoje sugerem fortemente que apenas a matéria estúpida do planeta não poderia tê-lo feito. Basta pensar no DNA, na mente humana. Então somos obrigados a levantar mais os olhos ínquiridores na direção do que mais existia no mundo a 4,5 bilhões de anos atras, momentos antes das origens da vida. O sistema solar, as galáxias. E logo percebemos que não foi o planeta que inventou a escravidão, pois êle próprio é uma parte de um sistema, escravo do sistema: prêsos numa órbita, os planetas dão sustentação gravitacional à existência de uma estrêla, sem a qual ela não se sustentaria estacionária, e sua matéria degradada se perderia no Cosmos impedindo que quando ela morrer se reproduza numa nova estrêla.

Então, os elementos que supostamente não foram produzidos pela Terra apenas, e que teriam vindo de fora só podem ter vindos do sistema solar ao qual o planeta pertence, quando muito, do alem dêle, mas improvavelmente do alem desta galaxia. Nenhuma fôrça, nenhum agente teria vindo do alem, atravessado essa imensa galáxia com cem milhões de estrêlas e tantos outros planetas e atingido diretamente êste pontinho insignificante que é a Terra. A resposta, que é o agente, a fôrça, que cria vida escravizada, tem que estar por aqui, dentro do sistema solar ou no maximo, dentro da galáxia.

O que existirá, ou no sistema solar ou nesta galáxia, que tem a capacidade de criar seres vivos na forma de sistemas biológicos e sob o estigma da escravidão? Um sistema atômico? Um sistema astronômico? Tudo indica que aqui não existem outros sistemas alem dêstes.

Meus olhos iam das árvores magestosas, mas plantadas, tambem escravas para produzirem o ar e o alimento, e delas para as estrêlas… A vida aqui poderia ser planejada diferente, sem escravidão, e não foi. Bastaria que cada sistema biológico fôsse dotado do processo da reação nuclear das estrêlas, que nascem com uma energia potencial própria reservada em sua matéria. Qualquer engenheiro humano de hoje teria dotado os seres vivos com êste possível e mais inteligente designer. No meio das estrêlas estava a resposta, tinha que estar, já que não admitia nem de longe a existência de fantasmas não-naturais. Talvez seres alienigenas super-inteligentes… mas com que propósito? E não seriam êles tambem, de alguma forma, escravos? De qualquer forma, que se aplique a navalha de Ockhan: se podemos encontrar a resposta no simples mundo material, para que complicar apelando para um super-natural que nunca se viu?

O agente criador tinha que ser um sistema ou estar relacionado a sistemas porque o primeiro ser vivo foi criado como sistema, e a escravidão é um produto dos sistemas: uma parte isolada será sempre livre, aliás, nem será mesmo parte de coisa alguma.

Bem, resumindo, apliquei o método da lógica formal aliada à anatomia comparada entre sistemas vivos e não-vivos e cheguei na Matrix/DNA, e essa explicação me convenceu. Nós existimos, desde nossa ancestral primeira célula, como um esforço natural de um sistema astronômico moribundo para se reproduzir. Nós somos os genes dêsse sistema caído do céu – LUCA, The Last Universal Common Ancestor , o gerador de todos os seres vivos – como tem sua face bem detalhada revelada em nosso modêlo astronômico na formação da galáxia. Somos escravos porque quando éra-mos ainda uma forma muito primitiva e quase inconsciente ainda, antes de ser sistemas biológicos, cometemos ou fomos conduzidos pela matéria e suas tendências naturais a um grande êrro. Deixamo-nos levar pela fôrça da matéria em sua suprema busca de conforto eterno no equilibrio termo-dinâmico. Seja como for, nosso corpo se tornou nosso ambiente num sistema mecânico super-feliz, mas bestial. Ao construi-lo, fechamos a porta à evolução o que implica que tentamos eternizar uma forma provisória de nosso ser, que caminhava para formas mais grandiosas. Ao fechar às portas à evolução cortamos relações com o próprio Universo, negamos a razão dêle existir, que, ao que tudo está indicando, era o de ser a seara onde, como seres conscientes, floreceríamos. Ao cortar-mos relações com o Universo, cortamos o cordão umbilical com nossa fonte de energia. Sem energia própria somos escravos, filhos da necessidade.

É preciso entender que não estamos falando da Verdade Ultima. Eu não teria a suprema presunção de acreditar que meu cérebrosinho e mente nascida ainda ontem seria já capaz de captar a Verdade Última. Esta se perde na noite dos tempos e ultrapassa os limites dêste Universo material. Estamos falando de uma verdade recente, corrigindo algumas distorções nas teorias existentes sôbre o passado recente que não vimos.

Nós não vimos o passado em pessoa, mas nossos ancestrais foram os átomos, as galáxias, a primeira célula, e tôda essa História dessa linhagem evolutiva está registrada naquêles 97% aparentemente inativos do nosso DNA e que o chamam errôaneamente de DNA-Lixo. Estando ali registrada, e estando o DNA no centro de nossos neurônios, é possível que nossa mente, em estados alterados pela tortura física, possa ver flashes desta História, visões às quais pensamos serem os sonhos ou intuições. O problema está na nossa interpretação destas imagens relâmpagos. Por exemplo, os ascetas torturados antigos viram LUCA, um sistema astronômico termodinâmico como nosso corpo e nosso mundo no passado e suas imaginações criaram a fábula do Paraíso do Eden; eu, tambem torturado e asceta na selva, ví o paraiso do Eden e minha imaginação, guiada pelo pensamento científico, elaborou a teoria de LUCA. O que importa é que as duas tão diferentes interpretações, vindas por tão diferentes métodos, apontam para o mesmo e unico significado final,o que indica que a fonte é a mesma e unica. Nós cometemos um pecado nas origens, original. Nós somos escravos da necessidade, mas já tivemos antes uma forma em que não o éramos. Basta olhar para o céu com o olhar do entendimento da Ciência moderna para entender tudo sôbre esta verdade recente da nossa História. Há cientistas que ainda não perceberam isso porque o modêlo astronômico acadêmico está incompleto e por isso não conecta a História da Evolução Cosmológica à História da Evolução Biológica compondo a História Universal. Esta falha faz parecer que a Vida surgiu por acaso, sem uma história lógica anterior.

LUCA foi a expressão genética de um dos extremos da nossa personalidade, mas nossa personalidade não se limita à nossa forma humana. Nossa personalidade é cósmica, universal, tem uma outra forma, que é a Matrix/DNA. LUCA foi nossa forma que deixou expressar e dominar o nosso lado negro, a ponta extrema negativa do dualismo que permeia tôda a matéria do Universo e se reflete como nossa dualidade mental, a Fôrça Negra que domina quando sucumbimos às orgias das sensações e deixamos de evoluir. A extrema expressão do narcisismo egoísta, de onde herdamos o “selfish gene” que ainda domina e dirige nossa genética pelas sendas do individualismo. Êstes humanos que estão atuando no papel de elites financeiras, politicas, militares, nada mais são que instrumentos dóceis e inconscientes desta face negativa da Matrix/DNA, na forma de LUCA. Êles não sabem o que fazem. Como a rainha da colmeia não sabe que ela é tambem escrava do sistema que governa. Não sabem que existe outra possibilidade de existência, na qual estariam melhor realizados. Como não o sabem a enorme massa de operários. Como eu descobrí quando fugí do trabalho escravo na fábrica e fui para a selva: bicho do mato… cheio de piuns e carapanãs a me sugarem o sangue, mas livre, com todo o espaço terrestre e celeste do mundo para sentir e explorar. Porem, se todos os seres humanos descobrissem isso, seríamos uma fôrça que um individuo isolado não pode ser, teríamos a liberdade da selva sem suas desvantagens, os confortos da Ciência e sua tecnologia, eliminando os piuns.

LUCA, como bem podem ver na figura de sua face, é uma máquina, a mais perfeita máquina jamais superada. Se não existisse a fôrça universal da entropia, que é o martelo do juiz divino a declarar sentenças corretoras, LUCA seria o moto-contínuo, eterno. Na figura parece que LUCA é livre, e escravas são as peças que o compõem. Mas que liberdade é essa de LUCA se êle tem que ficar 24 horas vigilante em suas fronteiras para que nada do exterior o penetre e nada do seu interior escape, e corrigindo os desvios de suas peças?! O feitiço se virou contra o feiticeiro. Os capatazes de LUCA na Terra, os multi-bilionários, parece que conseguiram contornar êste problema. Empregam seus próprios capatazes para fazerem êsse trabalho enquanto podem ser livres para usufruirem as benesses da matéria. Mas basta conversar cinco minutos com um dêles, ou saber de suas palavras na imprensa, para se sentir um choque repugnante ao se constatar um atraso mental. Estão totalmente desviados da evolução mental. Estão adentrando mais fundo na direção do estado de máquina. Estão repetindo os êrros da História: a mente subjugada pelos assuntos imediatistas do aqui e agora, deixando-se levar pelas fôrças da matéria na direção do equilibrio termodinâmico, um processo irreversível de prisão mental. Mas como disse antes, são inocentes uteis, usados. Não gosto de ser pobre, porem prefiro ser pobre mas com esta capacidade para perceber isto. Me aprecia mais as benesses da mente que os da matéria.

E porque LUCA – se êle se tornou uma máquina escrava – estaria se reproduzindo aqui, debaixo da nossa pele? Ora,… e porque os humanos escravos estão se reproduzindo como escravos? Infância da Consciência. Eu não sou melhor que ninguém, mas o mérito deve ser reconhecido: fui um escravo que dominou seus instintos e hoje, já velho, olho para trás e me certifico que não me reproduzí, não alimentei o sistema escravagista com carne frêsca. Ao menos nêsse ponto um pobre diabo pode dizer que venceu a Fôrça Negra dentro de si mesmo. Seria êste fato isolado um sinal de que a consciência humana pode alcançar sua maturidade e vencer o jugo da matéria? Apesar de que a reprodução dos escravos parece ser um instinto estúpido, animalesco, não seria êste extremo ato – a subita rebeldia contra sua reprodução – a melhor solução. Existe uma maneira mais inteligente de vencer o sistema escravagista sem o suicídio coletivo, se todos despertar-mo-nos para a verdade da nossa condição.

Eu vivi na selva original e levantava os olhos buscando alguem, implorando para ser expulso dela, levado para um lugar onde minha mente pudesse atuar para minha evolução e libertação do jugo da matéria. Imaginei então como seria a vida de Adão e Eva no Paraíso, que sabia ser uma fábula, porem retratava fielmente a descrição de um sistema em equilibrio termodinâmico eterno, a descrição exata do corpo e estado donosso ancestral no céu, LUCA. Se eu fôsse Adão, perceberia a prisão de minha mente, aquêle falso paraiso, a perspectiva de existir naquêle estado por tôda a eternidade, e imploraria ser expulso, mesmo caindo numa escravidão, mas que acenasse com a possibilidade de um dia conquistar a liberdade mental.

Nossos ancestrais (ou seja, nós mesmos em épocas remotas), criaram nossa prisão, nós mesmos criamos êsse fenômeno conhecido como escravidão. Temos aqui mesmo na Terra evidências estupidas para provar que criaturas criam suas escravidões. Quando algo desmancha uma colmeia, a rainha abelha foge, e se vê isolada à distância de seus súditos. Ela tem o mundo todo aberto para escolher o que fazer, diferente do que tinha no trono enclusurado no escuro do seu reino, mas ela, contra toda a sensatez, chama os suditos e se assenta em novo trono. Porque ela e os suditos não aproveitam a oportunidade para planejar um novo sistema social onde sejam mais livres e possam evoluir mentalmente?! Por isso abelhas são um beco sem saída na arvore evolucionaria da Vida. Na selva a minha mente humana falava a elas perguntando porque: mas elas não evoluiram para terem a capacidade de se comunicarem com uma inteligencia superior. Os nossos operários vão às igrejas. Mas não evoluíram suas inteligencias para capacitarem-nos a se comunicarem com seus deuses. Continuamos tão ilógicos como foi nosso ancestral celeste.

E estamos indo de volta na direção da máquina novamente, porque LUCA criou nossa biosfera, êle está ao nosso redor, e êle está inscrito em nossa genética. Está em nossa psique, como parte do livre-arbitrio da Matrix/DNA. Estamos indo na direção do “Admirável Mundo Novo” , tão certeiramente profetizado por Aldous Huxley! Todos os humanos saudáveis, ricos, sorrindo felizes… como bêstas.

Pois é, meus irmãos dos Anônimos e do “Plano”; a coisa é mais profunda, é mais embaixo. Mas se a descobrimos, se temos consciência da verdade, torna-se possivel nossa libertação. Basta que cada um se desperte para a verdade, como aconteceu comigo sózinho na selva. Eu acredito que isso ocorrerá, primeiro porque a fórmula da Matrix/DNA está mostrando que em paralelo a êste mundo material, esta éspecie de “hardware”, existe algo mais, uma espécie de “software”, e que a retroalimentação evolutiva entre hardware e software corrige todos os defeitos do caminho evolucionario; segundo, tenho esperança, porque a existência da entropia, uma força que veio do alem e acima das galaxias, derrotou LUCA, o que signifca que ela vem de algo mais poderoso, que ela está presente, vigilante, e não nos abandonará. Talvez ela esteja por trás dêsse despertar de vocês hoje.

Ela nos libertará reabrindo as portas para nossa evolução, rumo ao nosso destino, alem de qualquer máquina newtoniana escravagista como é nosso sistema solar. Contem comigo nêste movimento, darei a vida para que êle continue se necessário for, porque êste tipo de iniciativa é o mais nobre ato de um homem, é a possibilidade de ultrapassar-mos as fronteiras dêste sistema, e encetar nossa grandiosa aventura cósmica. É um sinal de auto-cura e conquista da sabedoria pela personalidade divina da Matrix/DNA.