Archive for setembro 20th, 2011

Nossas Células Possuem Vestiários Para Proteínas Trocarem de Roupa!?

terça-feira, setembro 20th, 2011

Isto é muito sério, seríssimo: o corpo humano possue bilhões de proteinas e agora foi descoberto que elas são muito vaidosas e exigem se vestirem e maquiarem no estilo da moda. E mais: para se arrumarem exigem compartimentos próprios como vestiários. A célula que não construir vestiários para elas, morre rápido, ou o corpo todo pode padecer das piores doenças existentes!

Proteínas…!!! Quem diria?!!!

O “The New York Times”, na sua valiosa seção de Ciencias das terças-feiras, publica a noticia da descoberta com a premiação do Dr. Arthur Horwich pela Mary Lasker Foundation. Êle realizou um trabalho que está na base de remédios para tratamento das piores doenças que flagelam a Humanidade.

Mas sua descoberta é muito curiosa.

Acontece que as proteínas quando saem das mitocondrias são desorganizadas e como os bebês não sabem fazer nada. São cêrca de 20.000 espécies delas. Para realizarem sua função precisam passar por uma metamorfose, um processo que as organizem numa configuração tridimensional, ou seja, cada espécie tem uma forma especifica, como entre a bicharada, galinhas tem forma de galinhas, diferente da forma dos patos e jacarés. Se elas não puderem se apresentar maquiadas e vestidas nas cöres da moda de sua espécie, elas se recusam a fabricar seu produto, o qual nossos corpos necessitam.

Mas acontece que elas não se arrumam em qualquer lugar, como no meio da rua. O ambiente do citoplasma dentro das células onde elas nascem é muito povoado e tumultuado. Sem as condições que as proteínas exigem para se trocarem, elas não funcionam. Sabendo disto os genes correram a providenciar o que fôsse necessário para que se apresentem na moda e façam seu trabalho. E como resolveram isto?

Vestiarios separados dentro do citoplasma! Onde só entram proteínas. Os vestiarios são feitos de uma proteína tambem, mas especial. Ela é elaborada por um gene e se chama HSP60. Isto é a sigla em inglês para “Heat Shock Protein” e o numero 60 se refere à sua massa. Ela se parece com um baú, ou uma caixa, e uma célula tem milhares delas: são tão importantes que se uma célula não tiver o gene que produz estas caixas, a célula morre rápidamente. Mas… e agora prepare-se para as grandes surprêsas! A HSP60 tem a forma de dois barrís colados lado a lado. O ambiente dentro dos barrís é diferente do ambiente do citoplasma, quase um vácuo. Cada barril possue uma tampa que fica abrindo por 10 segundos e se fechando. Quando êle se abre uma proteína desarrumada entra com seus apetrechos e pode se arrumar. A tampa sefecha e longe dos olhares cobiçosos a proteína pode aplicar os mistérios de suas fórmulas que só ela sabe e manter seu segrêdo. Mas ela não tem muito tempo para ficar se admirando no espelho, apenas os 10 segundos, pois quando a tampa se abre ela tem que sair e dar lugar para outra que vai entrar.

Isto parece brincadeira. O Sr. José está com Alzheimer, perdeu a memória e só faz trapalhadas. Imagime que dia dêstes êle pôs a roupa suja dentro da geladeira e ficou ao lado esperando. Quando a espôsa chegou e perguntou por que estava ali êle disse que estava esperando a máquina lavar a roupa… O seu vizinho, o Sr. Milton está na cama com câncer. E tôdos êstes doentes assim estão apenas porque existem células que não possuem suficientes HSP60, ou seja, vestiários para as proteínas!

Vamos ver uma síntese das informações no NYT. O Dr. Arthur passa horas e horas apontando o microscópio para estas “caixas” nas células tentando entender o que se passa dentro delas. Espiando pelo buraco da fechadura, hein?…Indiscreto! Do que é constituído seu espaço interno? O que as proteínas fazem lá dentro, onde entram feias como uma larva e saem vaidosas como uma borboleta?! Se alguem conseguir imitar a fórmula do gene e inventar um vestiário mágico como êsse, as mulheres idosas, as gordas, etc., entram e saem com um corpinho de Marilyn Monroe…Vão fazê-lo bilionário… Parece até que existe um cirurgião plastico extraterrestre dentro de cada barril…

Proteína antes e depois do HSP60

Äs vêzes, bebês recem-nascidos vivem apenas por alguns dias e morrem, desgraçadamente. Isto porque existe uma doença chamada “OTC deficiency” é causada pela ausência ou não funcionamento de uma proteína que tem a função de retirar um gás toxico do sangue, a amonia. Quando essa proteína não tem um vestiário, não funciona, e o sangue inundado pela amônia causa a intoxicação. E assim se perde uma criança porque a proteína é vaidosa, ao invés de trabalhar fica em greve de braços cruzados, porque a célula não lhe providenciou um vestiário com cirurgiões plasticos extraterrestres!…

A cura e entendimento das causas de muitas doenças foram atrasadas por décadas porque os cientistas foram enganados. Em 1950, um bioqumico chamado Dr. Anfinsen publicou os resultados de uma experiencia que indicava que as proteínas se enovelavam adquirindo a sua forma funcional unicamente por elas mesmas. Ou seja, elas possuiriam o potencial para se transformarem. Mas o Dr. Anfinsen viu proteinas se transformando dentro de tubos de testes, onde o ambiente foi planejado por ele, tentando imitar o citoplasma celular. Esta publicação lhe deu o Prêmio Nobel de 1972! Tenho um artigo aqui revelando que muitos prêmios Nobel foram cedidos por realizações que mais tarde se provaram serem erradas. Pesquisando a doença do OTC, tentando entender qual era o problema que impedia a proteina se transformar, o Dr Arthur desconfiou que a crença da comunidade cientifica baseada na experiencia do Dr. Anfinsen não revelava a história completa. Mas êle nem podia comentar sua desconfiança, pois seria considerada uma heresia cientifica. Êle notou que existia essa HSP60 que ” can cradle the OTC protein that have misfolded”, como diz o jornal, ou seja, “pode acolher numa forma de berço e embalar uma proteina que foi desorganizada, ajudando-a a se metamorfosear”. E então perguntou-se se isto não seria o normal, ou seja, que todas as proteinas normais necessitariam de uma ajuda externa para se anovelarem na forma tridimensional. No final da história êle provou que nenhuma proteína é capaz de se enovelar na sua forma final e no meio do citoplasma por si própria, tôdas só o fazem dentro do compartimento celular do HSP60.

Bem… aqui termina essa versão popularizada da noticia cientifica. O leitor pode parar de ler por aqui. Apenas quem aprecía a visão de mundo sugerida pela Matrix/DNA deve continuar a ler e ver a interpretação da noticia a seguir:

Sempre começamos com as profundas questões filosóficas existienciais. Que Natureza é esta?! Porque uma fita formada com 20 tipos de grupos atômicos denominados “aminoácidos” não serve para nada e não é batizada recebendo um nome de uma proteina, se ela não organizar êstes grupos de atomos numa sequencia especifica e não adquirir uma forma de enrolamento especifica? Como, de onde a Natureza tirou a idéia de inventar essa coisa denominada proteína e como uma proteína fabrica uma substancia como a abelha fabrica o mel?! Como e para que a a Natureza inventou as proteinas numa época que não existia nenhum ser vivo, portanto não serviam para nada? Para que existiu uma arquitetura que produzia produtos que não tinha nenhuma serventia em nenhuma cadeia de eventos, em nenhuma network de causas e efeitos? No principio, os produtos das proteínas eram becos sem saída. Mas aqui está mais um golpe na visão com miopia do reducionismo aplicado à Evolução: porque a seleção natural iria eleger e conservar uma coisa inutil? Parece que naquela época que a superficie da Terra era desabitada, árida, contendo apenas oceanos, rochas e areia, a Natureza já sabia que ela seria habitada, ao menos ela selecionou as proteinas que mais tarde montaram os primeiros seres vivos! Para não falar do conflito nunca resolvido da Teoria do RNA World: RNA são feitos de proteínas, mas proteínas são feitos por RNA. Então quem surgiu primeiro? Caindo do céu? Sim: em LUCA já existiam os dois, a fórmula software da Matrix/DNA trás todos eles quando monta novo hardware. Genes e células são amontoados de átomos sem nenhuma inteligencia, sem nenhum discernimento. Como então punhados de átomos resolvem se alinharem na forma de paredes, conformar estas paredes na forma de barrís e tampas, fazer com que estas tampas fiquem abrindo e fechando indefinidamente, e criando dentro espaços de constituições diferentes não existentes em nenhum outro lugar?!

Ninguem nunca me respondeu estas perguntas, mas bastou dar uma rápida olhada na fórmula da Matrix/DNA para ter todas as explicações. Essa fórmula já fazia no céu, a 10 bilhões de anos atrás, coisas que funcionam como proteínas. Estas coisas eram os restos de uma estrêla morta na forma de detritos estelares, e mais alguns cometas. Os detritos giravam em roda devido ao giro da galáxia. No seu centro se formou um rodamoinho, como um quarto escuro dentro do qual o ambiente era gravitacionalmente diferente do meio externo e não era povoado, uma cópia exata do HSP60. Os detritos mais os cometas eram sugados para dentro do vórtice e misturados até formarem esferas chamejantes, como os aminoácidos são dirigidos para dentro do HSP60 e formam figuras tridimensionais. Estas esferas ao adquirirem certo pêso caíam fora do vórtice, como as proteinas ao adquirirem uma certa forma saem do barril. Ao saírem encontravam os detritos que ficaram de fora, muitos dos quais eram agregados à superficie das esferas, formando anéis envolventes que mais tarde se tornariam as camadas geológicas do astro, como as proteínas encontram os ingredientes para fazerem suas substancias. No final, e no céu, surgia uma nova estrela. Porque uma estrela? Porque os vórtices são como os vestiarios onde os restos de estrelas se reorganizam como novas estrelas. E porque surge uma proteina especifica? Porque o HSP60 re-novela uma proteina que nasceu enovelada e foi desnovelada numa mitocondria (esta parte do processo não contei aqui porque é muito longa). Ora, proteinas na Terra são a forma organica correspondente aos diferentes trechos dos circuitos do sistema que veio de LUCA – the Last Universal Common Ancestor, que tem sua face revelada aqui pela Matrix/DNA. Cada proteína produz uma substancia e a totalidade de todas as substancias re-organiza o sistema.

O Dr. Arthir precisaria saber da fórmula da Matrix/DNA para agilizar suas pesquisas e beneficiar a Humanidade combatendo os piores terroristas que são nossos inimigos mortais, as doenças. Pois para agilizar e produzir resultados práticos é preciso entender as causas e os mecanismos da existência do HSP60. O que êle não percebeu é que o HSP60 é um instrumento que produz “reciclagem”. Sistemas estelares se desfazem em nébulas de poeira onde surgem vórtices como buracos negros que atuam como recicladores e o falecido Sistema Estelar ressuscita das próprias cinzas como a Fênix grega. Exatamente êste processo, que está encriptado na fórmula da Matrix/DNA, é re-aplicado aqui a nível biológico sôbre proteínas. Reciclagem tem mecanismos próprios, fáceis de entender. Assim se entenderá totalmente o HSP60.

A forma de dois barrís com tampas que se abrem e fecham não foi ainda bem vista pelo Dr. Arthur, pois falta êle explicar uma previsão da Matrix/DNA: as duas tampas não abrem e se fecham aleatóriamente ou ao mesmo tempo, mas sim alternadamente. Quando uma está se fechando a outra deve estar se abrindo. E se uma tampa fica fechada por 10 segundos, a outra deve ficar aberta tambem por dez segundos. Porque? Ora os dois barris com tampas abrindo e fechando são uma réplica dos balões de Yukawa, conforme artigo que publiquei antes aqui. Êles já existiam nos nucleos dos átomos a 13 bilhões de anos atrás e são os responsaveis pela conexão entre proton e neutron. No buiding block de galaxias pode se ver facilmente os dois barrís quando traçamos uma linha imaginaria transversalmente horizontal na espiral galáctica, dividindo-a em dois cones, os barrís celestes. É facil perceber que quando o fluxo de matéria/energia se encontra formando o cone da base é produzida uma fôrça centrifuga abrindo a bôca do cone e expulsando o fluxo na direção do cone no tôpo. Quando tôda a matéria é emitida o cone se fecha e desaparece até a próxima reciclagem, mas antes abrindo a área do cone no tôpo para o fluxo entrar movida pela fôrça centripeta dêste. A matéria burra da Terra não inventou nada, o mecanismo de extraordinária engenharia está aí no céu para qualquer um que tenha olhos de ver, que o veja.

Por trás de tôdos êles – de todos os vórtices, átomos, células, HSP60, proteínas – e presente nos 13,7 bilhões de anos dêste Universo, está a fórmula da Matrix/DNA.

Os homens não inventaram os vestiários nas lojas para venderem roupas da moda. Os vestiários já existiam nas células, criados pelos genes. Mas os genes não inventaram os vestiarios nas células, pois eles já existiam na galáxia. Mais exatamente existiam em LUCA. E pode ter certeza que LUCA não foi o inventor de vestiários. De alguma maneira eles existem nos átomos que formaram as galaxias. Mas tambem não foram os átomos… Os balões de Yukawa surgiram no Universo na forma dos turbilhões vazios e imateriais que “criaram” a matéria. Dentro dêste Universo tudo o que existe não precisou de inventores, mágicos. Tudo veio por um processo natural desde algo ou alguem que existia antes do Big Bang e deve existir naturalmente alem dêste Universo material. Tem que ser um Sistema, e Natural, que se reproduz genéticamente através de ovos cósmicos, mas pode ser uma Inteligência, um moleque-deus brincando de fazer softwares com bits quanticos vivos que geram consciências através de Universos.