Archive for janeiro 21st, 2012

Imagens do Hubble Mandam uma Mensagem: o Cosmos Pode Ser um Principio Vivo!

sábado, janeiro 21st, 2012

xxx

O Cosmos Não é Vivo?

xxx

O ser humano tem sido ultimamente bombardeado com repetidas imagens estonteantes do espaço celestial. Apenas na ultima semana, as poderosas sondas espaciais enviaram a cada dia um maior numero de imagens como esta acima, por exemplo. Debruçamos-nos sôbre estas imagens tentando raciocinar: “O que elas significam? Que mundo é êste em que existimos?”

Pensávamos que o céu é imutavel e apenas um amontoado de estrêlas espalhadas ao léu como o vemos a ôlho nu nas noites estreladas. Mas aora sabemos que não é imutável, não oferece estabilidade nenhuma para uma existência como a humana pois a qualquer momento, por exemplo, uma pequena erupção no Sol pode queimar tôda a vida na Terra. Nêste momento estão ocorrendo muitos eventos nêsse nosso mundo, tanto que num futuro próximo teremos que ter outro jornal, um relatando noticias que ocorrem todos os dias na Terra e outro com noticias que ocorrem todos os dias no mundo ao qual êste planeta e nós pertencemos.

Estamos dentro do que?! Que mundo é êsse? Esta seria a pergunta se as bactérias que vivem em nosso corpo fossem inteligentes e se questionassem sôbre o que vêm ao redor. Seria a pergunta dos virus que viviam dentro dos dinossauros. Por mais inteligente que fossem nunca poderiam ver a verdade, descobrir que seu cosmos é um dinossauro vivo, ou um ser humano auto-consciente. Nem com toda tecnologia mais avançada possivel o poderiam descobrir. Só poderiam conhecer a verdade se saíssem um dia fora de seu “cosmos” e olhassem para trás, de cima, pois não há como escapar da mensagem fatal no teorema de Godel: não se pode jamais conhecer a verdade, o sentido de existência, o significado, de um sistema, estando dentro dêle. Isso é óbvio!

Considerando-se a relação entre as bactérias e nosso corpo, do virus em relação ao dinossauro, e de nós mesmos em relação ao Cosmos, é fatal que nos lembremos do relativismo: a interpretação de cada observador diferente situado em seu ponto especifico no espaço-tempo será a sua interpretação unica e inimitavel. E sempre incompleta, equivocada. Vemos estas imagens e é inevitável a nós formular uma opinião decorrente de uma interpretação mesmo subconsciente. Somos como virus em relação ao corpo do Universo. Mas já evoluimos ao ponto de saber da armadilha do relativismo, de saber que jamais nossa opinião será semelhante à verdade.

Os cientistas que trabalham com astronomia, cosmologia, tentam interpretar as imagens e divulgam-nas ao publico. Êles podem interpretar de uma maneira mais ampla que nós, mas não esqueçamos o que a Matrix/DNA está tentando alertar: quem está captando estas imagens e desta maneira são sensores mecânicos conectados a cérebros eletro-mecânicos, os quais, relativisticamente, vêm e sentem e interpretam diferente dos sensores orgânicos conectados a cérebros humanos. Todo observador é preconceituoso por sua condição inevitavel: seleciona algumas informações e descarta outras. O cérebro humano com seus sensores veriam o Cosmos diferente, selecionando outra classe de informações vistas e descartando algumas que o computador destacou nestas imagens. Quando os homens entrarem nestas sondas e forem lá ver e sentir por si mesmos, a teoria atual mudará da água para o vinho.

Imagine uma particula inteligente vivendo dentro de um átomo dentro do nosso corpo. Apontando seus telescópios para alem de seu átomo mas dcentro de uma organela dentro de uma célula, captariam átomos ao redor como estamos vendo aquêles pontos luminosos na foto acima, e como estamos acreditando que são estrêlas e galaxias como a que vivemos dentro, êles acreditariam estarem vendo átomos como o que vivem dentro. Captariam as manchas do sangue e outros liquidos como o citoplasma que envolve seus sistemas moleculares, da forma como vemos tôdas estas formas de nuvens brancas e vermelhas na foto acima. Mas seu mundo mental sofreria um baque violento e teria que serem reformuladas tôdas suas crenças e visões de mundo se descobrissem que aquêles átomos e aquelas manchas constituem uma célula, e viva! Quem dêles viveu pensando que sabia alguma coisa do mundo, e registrou publicamente suas crenças, escreveu divulgando-as, perceberiam o quão ridículos foram. Assim como se sentiriam hoje os filósofos gregos, os homens mais bem informados, mais sábios de sua época, se ressuscitassem e conhecessem a biogenesis, e se lembrarem que acreditaram piamente na geração espontanea.

O mundo está totalmente aberto e ainda todo por ser descoberto. Não é aconselhável se permitir que uma teoria, uma visão de mundo, uma doutrina religiosa, qualquer coisa que derive de interpretações do mundo, se sedimente em nossas mentes e interrompam ou desviem-nos da necessidade de continuar experimentando, averiguando, entrando por todas as portas, saindo por todas as saídas. Por exemplo, os resultados do diferente método e dos calculos inseridos na Teoria da Matrix/DNA estão sugerindo que os astros celestes ao menos no passado estiveram sujeitos às mesmas leis naturais que estiveram as moléculas primordiais e seus decorrentes primeiros micro-organismos. Ou seja, ela sugere que os primeiros astros estavam sujeitos ao processo do ciclo vital e formaram sistemas com propriedades mecânicas exatamente ancestrais das propriedades biológicas dos seres vivos. Isto sugere que o Cosmos seja um sistema apresentando um quadro primitivo de algo semi-vivo, um principio de vitalidade. Os átomos e as manchas que esta bactéria-em-relação-ao-Cosmos chamada Louis Morelli está vendo nesta imagem, não me autorizam a entregar minha auto-consciência ao que meu cérebro está acreditando ver, tudo derivado da teoria cosmológica de geração espontanea de astros e mecânica celeste que aprendí na escola e leio nos livros hoje. Nem me autoriza quando vejo as mesmas imagens sob a luz da Teoria da Matrix/DNA, de astros sob ciclos vitais numa vitalidade celeste.

A Humanidade precisa da interpretação mais próxima possivel da verdade para que sintonizemos as nossas vidas no mesmo ritmo da Natureza. Quanto mais “natural” for nosso comportamento, melhor adaptável seremos e isto significa que viveremos mais felizes, mais abastados, mais saudáveis. E significa que podemos aprender como evitar que sejamos atropelados pelos eventos emanados de seu ritmo, como hoje temos tecnologia para saber quando e onde um meteórito vai cair, teríamos tambem para saber quando e onde o Sol vai ter nova erupção, para onde ir nos desviando de seus efeitos. Sabemos que não podemos captar a verdade existindo dentro dela, que temos de evoluir-nos para a capacidade de extrapolar as fronteiras dêste Universo, por isso precisamos continuar caminhando todos os caminhos. Se alguma mente humana sugerir que esatas manchas são de um tipo de um plasma espiritual, ela está apenas indicando mais uma porta aberta. Que pode não levar a lugar algum. Mas ninguem sabe qual porta leva a algum lugar. Esta é uma dentre a infinidade de outras. Vamos experimentando tôdas, até finalmente encontrar a que estamos procurando. Para melhorar a chance de encontra-la, temos que reunir o maximo de nossas fôrças numa só. E aqui está o mal das crenças ondividuais ou de grupos em intertpretações: elas impedem-nos de obter essa força maior, elas nos dividem, e assim elas nos enfraquecem.