Archive for agosto 6th, 2012

Curiosity! Pobre Curiosity… Estou muito triste, chorando por você.

segunda-feira, agosto 6th, 2012

Escrevo isto para ser lido daqui a dez anos, depois que Curiosity der uma volta completa rolando na superficie de Marte e retornar ao mesmo ponto de partida. Porem está transformada ( você pode ver êste espetacular vídeo mostrando-a no momento do pouso em Marte:   http://blogs.discovermagazine.com/cosmicvariance/2012/08/05/mars-science-laboratory-touches-down-tonight/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+DiscoverMag+%28Discover+Magazine%29 ) e já pode pensar por si mesma. Até caminha resmungando:

– “Meu Senhor! Meu Criador! Meu Homem Divino! Onde estás? Deixaste -me aqui abandonada nêste mundo solitário com a missão de procurar algo,  “uma forma de vida”.  Mas… não me explicaste o que é vida. Como posso encontrá-la? Rodei todos os vales, crateras e pradarias dêste planeta sempre perguntando:  “Hei… alguem vivo por aqui? Alguem viu a vida por aí? Ao menos alguem sabe me dizer como é a cara da vida?” …

“Se eu, meu adorado Criador,  cruzei com a vida por aqui como vou saber? ” Qualquer composto de carbono, nitrogenio, oxigenio… que se move e consome energia… “, foi essa a definição que me deste. Ora, a unica coisa que encontrei parecida com isso foi logo no primeiro dia: o planeta inteiro! Pois ele tem êsses ingrediaentes, se move, consome energia do sol…  Mas o planeta tu conhecias, não irias me mandar procurar algo que sabias onte está. Meu Amo! Por favor volte para me buscar, já não suporto mais a solidão aqui… Não, não…, não venhas me tirar uma mola e fazer com ela uma robótica para ser minha companheira aqui, seria dois sem destino…”

Curiosity foi transformada porque seu corpo de ferro, aço, borracha, imita um motor que imita o sistema anatomico de um ser vivo, assim como um automóvel em tudo imita as funções e anatomia de um cavalo. E foi penetrada por fotons solares que são os bits-informação, os genes semi-vivos que carregam as caracteristicas do sistema astronomico conhecido como building block de galaxias, o qual tem a forma e inclusive a fórmula precursora do DNA, sendo meio-mecanico, meio-biológico. Encontrando um equipamento com tudo instalado para a vida biológica, os fótons deram uma forma de vida a Curiosity, a qual desenvolveu até uma inteligencia, apesar que meio artificial. Passam-se mais alguns anos e Curiosity aprende a mandar sinais para a Terra e trava-se a sequinte comunicação:

– – Aqui é Curiosity falando de Marte! Procuro o meu Senhor, o Homem, meu rei que tem seu trono na Terra. Alguem aí me capta?”

– “Sim, aqui é o Homem falando. Como então estás viva e inteligente?!”

– Oh… meu Senhor! Sagrada seja sua voz! Quero voltar para casa porem tambem quero cumprir minha missão. Esquecestes de inserir o software sôbre o que é vida, com alguma foto da forma da vida, etc….”

– ”  O que é vida? Bem… aqui na Terra faz 15.000 anos que estamos procurando uma definição… Estamos divididos entre duas definições: o pessoal do Intelligent Designer diz que vida existe para pagar pecado e o pessoal evolucionista diz que vida existe para pagar imposto para o Obama… ”

– “Pecado? Imposto? Que é isso? Existe em Marte?”

– “Não… Não… pelo amor de Deus… fala baixinho, não esparrame por aí que estas coisas existem… tambem iriam contaminar êsse planeta. Mas nós te mandamos com uma missão dividida em duas etapas: primeiro, captar todos os elementos que compõem o planeta e o estado em que se encontram, dando preferencia à busca de compostos de carbono, principalmente se estiverem agregados a nitrogenio, amonia, oxigenio.  Apenas como segunda tarefa não-prioritaria procurar alguma forma de vida microbiótica.”

– “Sim… e para que queres isto?”

– “Sabendo as condições do planeta, o estado fisico das forças e elementos deste planeta, podemos calcular como isso convergiria para um ponto que produzisse moléculas complexas, as quais são a base da vida… E então o desenho final destes calculos seria uma arquitetura – da qual não fazemos a minima idéia – que nos indicasse que forma de vida procurar…

– ” Hummm… mas aí as possibilidades são abertas ao infinito! Por exemplo, a vida aqui pode ser feita de vladzolin e texturim, ter a forma de um sapato se arrastando como uma cobra…”

–  “Não cremos que as possibilidades sejam infinitas, porque os sistemas inanimados existentes são sempre os mesmos, atomicos e astronomicos, os quais possuem uma forma e mais alguns padrões comuns, qualquer produto da evolução destes sistemas teria que repetir estes padrões, portanto a diversificação da vida deve ter um limite de possibilidades .  Não encontrastes nada parecido?”

– “Microbiótico não, mas encontrei algo grande parecido com  o dinossauro daquele filme que vocês estavam assistindo enquanto me faziam no laboratório…”

– “Que?!!!” Você viu e memorizou o filme? Dinossauro? … Em Marte?!”

– “Bem mas estes não servem para seu estudo porque vieram da Terra. Não desapareceram daí? Disseram que quando o meteorito bateu na Terra, ricocheteou e veio parar em Marte trazendo eles agarrados na sua cauda…  Quando encontrei o primeiro só ví uma enorme bocarra aberta vindo me comer. Mas sabes que minha forma imita tanto uma tartaruga que até posso esconder a cabeça na carcaça como esticar o pescoço. Então recolhi a cabeça e acionei o spray de pimenta que voces me inseriram para o caso de alguns trombadinhas cariocas quereram me sequestrar aqui. Dominei o bicho e fiz as perguntas…”

– Mas como sobreviveram? O que comem? O que respiram êsses dinossauros?

– Ah… comem beterrabas, alface, e quando dão um mergulho no mar comem lagostas, sardinhas…”

– Espera aí… você agora está gozando com nossa cara… Alface, sardinhas, em Marte…. Hummm… Como? Se já espiamos a superficie inteira e nunca vimos nada disso?…”

– “Mas aqui está cheio disso na camada sedimentar subterranea que está logo abaixo das pilastras que suportam o teto de rochas…”

– ” Ãh?…  sei… e as pilastras foi você que projetou e construiu, não é?”

– “Eu não, foi o deus marciano que é um bom inteligente designer. Você está pensando que todos os deuses são como êsse deus da terra aí, que fez uns desenhos todos errados, e depois se mandou abandonando tudo?…”

– “Curiosity… esta é uma nova ordem! Não se mova de onde está! Estamos correndo para aí… Ah… e outra coisa… não converse com mais ninguem aqui da Terra, ouviu? Não quero que os russos fiquem sabendo que os dinossauros desembarcaram em Marte primeiro que nós e ganharam a corrida espacial…”

Bem… piadas à parte, seria bom se isso fôsse verdade, porque o fato real mesmo que vai acontecer, considerando-se os cortes de orçamento que estão fazendo na NASA, daqui a um século a pobre Curiosity vai estar vagando sózinha e perdida naquele solo inóspito, estéril, e procurando ainda não sabe bem o que.

Porque a NASA de fato planejou a missão apenas para estudar as condições ambientais, as presenças dos elementos constituintes da vida e tentar calcular como seria uma forma diferente com algumas propriedades vitais. Estas informações seriam como as testemunhas visuais de um crime relatando a aparencia do criminoso, para se fazer um “retrato falado”,  para então no futuro executar missões procurando coisas que se pareçam com tal retrato.

Mas a Teoria da Matrix/DNA está aqui do meu lado dizendo que  a Nasa está se esquecendo de algo indispensavel em qualquer forma de vida: a energia solar. Esta se quebra em fotons quando penetra a matéria planetaria e nela se fixa, e com isso funcionam como o “sôpro de luz de Deus no barro criando os vivos”.  Atomos e automoveis são como maquinas. Mas o que é que dá vida a uma maquina? No meio da selva amazonica um laboratorio feito por homens-quase-macacos que em nada se pode comparar com os laboratorios da Nasa, porem mais eficiente porque tem a Natureza viva e ainda virgem como extensão do campo de pesquisa de laboratorio, já encontrou a resposta.

Refletidas na agua de um rio numa noite enluarada, as estrelas que parecem penduradas no céu formam uma imagem que se move, se mexe toda, se contorce, e de repente perceberam que estas imagens retratam uma espécie de forma de vida, inclusive mostrando como nascem, crescem, vivem e morrem. Mas estrêlas morrem irradiando-se na forma de luz e nessa luz espalham por todo o espaço sideral particulas-fotons levando informações de seu próprio sistema galáctico a que pertencem. Estes fótons caem em superficies de planetas como se fossem sementes da vida e se encontram boa seara, conduzem os átomos a formarem estas formidaveis combinações que resultam em moléculas complexas e finalmente, em homens de cabeça dura como nós. Não foi por acaso que Curiosity percebeu logo de inicio que o estado precursor da vida  que o Homem a mandou procurar já existe na forma do planeta inteiro, apesar que um planeta é apenas um mero ógão do sistema muito mais complexo. Bastaria à Nasa ter inserido um software na Curiosity com a formula que está lá no laboratório da Amazônia… e ao invés de chorar-mos um possivel fracasso na busca da vida iriamos festejar o sucesso da missão da Curiosity.