Archive for dezembro 22nd, 2013

Mensagem da Matrix/DNA: Como a Humanidade Pode Conquistar a Amizade e Aprovação da Natureza Universal

domingo, dezembro 22nd, 2013

A grande preocupação hoje é como colocar a Humanidade em sintonia com o ritmo e desígnio da Natureza, para que o Universo seja amigável a nós, e não nos sinta como mais um vírus maligno crescendo em suas entranhas. Eu decidí apostar numa solução que explicaria qual é o objetivo supremo do “seja lá quem foi” gerador deste Universo: obter mais um “filho” cujo corpo contem auto-consciência”. Então tenho que tudo fazer para alinhar a Humanidade inteira, oue ao menos uma comunidade que queira fazer a mesma aposta, dentro dêste objetivo.

Ninguém pode negar que a arquitetura natural mais evoluída, conhecida e comprovada por todos, aqui e agora, é o cérebro humano. E ninguém tem provas contra a possibilidade de que este cérebro está produzindo sinapses com energias que produzem pensamentos e a este conjunto podemos denominar de “mente”. E ninguém pode negar que esta mente “absorve” um corpo inteiro humano, mais algum conhecimento da área do mundo externo ao corpo que o circunda, e mais algum conhecimento do tempo passado das existências deste corpo e desta área do mundo externo. A isso chamamos de pequena, nasciturna, “auto-consciência”.

Ora, então, vindo por dois caminhos diferentes – o Universo e o corpo humano – chegamos a um mesmo ponto. Os dois caminhos terminam e se encontram nisto que entendemos por “auto-consciência”. E então deduzimos que a Humanidade está num estado de sintonia, no caminho certo, requerido pela Natureza Universal. A Humanidade está cooperando, colaborando, trabalhando, para o objetivo supremo do criador deste Universo.

Mas é evidente que o Universo, e mesmo o Criador, não está ajudando a grande maioria dos humanos. 90% ou mais dêles ainda estão como escravos do trabalho forçado, robótico, sem oportunidade para se auto-desenvolver, o próprio cérebro. É evidente que o Criador está ausente e desinteressado, como o homem que deixa abandonada sua parceira grávida. O que está havendo de errado?

A Natureza Universal teria que se comportar como uma mulher grávida, cuja preocupação maior é ter o melhor corpo-ambiente para o melhor desenvolvimento do novo ser que gera. No entanto, a Natureza quando semeou na superfície da Terra as sementes dos sistemas biológicos que deveriam ser o útero e a placenta para a nova criatura, trouxe a sua meia-face caótica, ao invés de sua meia-face ordeira. Ela agiu como uma grávida que fôra violentada, que não deseja a gravidez, e tudo fará de mal ao ambiente interno para provocar o aborto e expulsar a criatura. Porque?

Quando re-escreví a História Natural Universal sob a ótica da Matrix/DNA, encontrei explicações lógicas naturais para estas perguntas. O Universo como mero processo genético reproduzindo um sistema natural auto-consciente se manteve com uma lógica natural inabalável. Mas como não posso expor estas explicações neste espaço, ao menos uma, é inevitável.

Todos os sistemas naturais, até hoje, obedeceram a um processo evolutivo dividido em duas fases: a primeira fase dos ovos fora e a segunda fase, dos ovos dentro. Para resumir, o sistema biológico que se iniciou com moléculas orgânicas e chegou ao cérebro humano, têve na sua evolução, até o estágio dos répteis, a fase em que seus ovos eram botados fora, a prole abandonada a própria sorte no relento, nas intempéries climáticas e sem proteção contra predadores e parasitas, tanto invisíveis como os visíveis. Então veio a segunda fase com os mamíferos, cada vez mais mantendo os ovos dentro, nutrindo-os e protegendo-os, até evoluir para o sistema familiar humano onde, mesmo após nascidas, as criaturas são mantidas dentro de um lar. Ora, sendo a auto-consciência meramente mais uma forma deste sistema natural universal, e como sistema, deduz-se que ela deverá trilhar o mesmo caminho. Portanto estamos na fase em que os pequenos e primitivos protótipos de auto-consciência aqui na Terra estejam na fase dos ovos botados fora, sujeitos a todos os tipos de violências ambientais e tendo que lutar pela sua sobrevivência, quando possuir condições para tal.

É neste ponto que eu entro. É aqui que encontro o norte para dirigir minha vida. Somos sete bilhões de filhotes recém-nascidos, pois nem mesmo abrimos os olhos para ver a substancia e forma do nosso corpo mental. Não tem nenhuma mente superior ( como devem ser nossos criadores) nos protegendo, nos nutrindo. Somos filhos da necessidade, somos filhos do caos. O mundo nos fustiga, nos tortura, nos queima em febres, e nos portamos individualmente no salve-se quem puder. Então me pergunto: porque não juntar-mos, somar-mos, as nossa pequenas fôrças, criando uma grande fôrça, que se constitua na protetora e provedora que nos falta? Não seria justamente isto que o Universo, e mesmo o seu criador, estaria esperando de nós? Não seria isso o respeito e observância do criador que e nos deseje como livres portadores do livre-arbítrio?

Porque não?

Um detalhe que aprendí ao re-escrever a grande história, foi a sagaz perspicácia do criador, revelada na Natureza. Isto observei na história evolutiva dos sistemas astronômicos, e na fórmula natural para estes sistemas. na formação das galaxias, está evidente a primeira fase dos ovos botados fora do núcleo gerador, e o processo dos astros-babyes vagando nos frios e inóspitos espaços interestelares, como a prole abandonada a própria sorte. Porem, ao se observar melhor a cena, percebe-se que na verdade, os ovos e os filhotes nunca saírem fora do sistema que os criou. E está ali pre-determinado, mesmo antes dos novos astros nascerem, que vá por onde forem, enfrentem o que enfrentarem, morram tantas vezes e ressuscitem outras tantas vezes, está pré-determinado que chegarão à segunda fase, dos ovos mantidos dentro. E não existem razões para negar que o criador não tenha aplicado a mesma formula para nós.

Mas o sistema social que aí está está todo errado se o objetivo supremo for este. os cérebros só possuem uma maneira de desenvolver e tornarem-se mais potentes, captando mais uteis e importantes dimensões profundas da natureza e sua matéria, tornando-se o melhor útero e a melhor placenta para o novo baby sendo gerado: conhecendo cada vez mais a Natureza. Todos os atributos necessários ao embrião estão nas informações vindas dos pais, mais os mecanismos e processos do útero, pois auto-consciência é a projeção do mundo num espelho que cria vida própria e suplanta o mundo. O método cientifico e as Ciências Naturais, aliado ao código moral dos irmãos órfãos e sem lar mas que formam uma família, isto é tudo em que temos de investir aqui e agora. No céu, um sistema astronômico invisível e desconhecido pelos astros individuais, é o elemento invisível protetor e nutridor que garante o futuro de todo astro. Aqui na Terra, o sistema social, este conceito abstrato e não palpável, pode ser o nosso sistema protetor.

O sistema social que aí está, está todo errado tendo em vista este objetivo supremo. Nossas cidades e modo de vida esta tudo errado, precisamos desmanchar tudo e re-construir tudo diferente. O dever sagrado de cada um é observar que todos os humanos estejam podendo cumprir aquela sua missão genética pessoal, intransferível, e para isso, todos precisam estarem livres do trabalho escravo, os cérebros sendo constantemente motivados a se evoluírem pelo conhecimento da Natureza imediata e do Cosmos que nos envolve. Eu não vejo outra razão para a nossa existência aqui e agora, por isso, em todos os momentos que posso dar uma escapadela da luta pela vida, venho aqui bater na mesma tecla, espremer os miolos para ver o que posso fazer por esta causa, de imediato. Mas, ainda tenho que ter em mente que eu possa estar totalmente errado, pois tenho consciência que ainda não abri meus olhos, e jamais serei um cego irresponsável dizendo aos outros cegos que eu estou enxergando e que devem me acompanhar. Pois se houver um precipício a frente nele cairei e arrastarei comigo a todos que amo. Sugiro um caminho, mas não me responsabilizo pelos resultados porque não os conheço, e aos que escolhem caminhos diferentes, desejo-lhes boa sorte.