Archive for dezembro 28th, 2013

Humanos Atraindo as Doenças Mortais Porque Não Combatem Suas Farsas Culturais que São Mortais a Vida no Planeta

sábado, dezembro 28th, 2013

 

A Natureza no seu conjunto total tem seus anticorpos e se defende da mesma maneira que nosso corpo os tem e se defende. Claro, pois a idéia de inventar anti-corpos e auto-defesa não caiu do céu, não foram inventadas pela primeira vez no Universo pelos animais da Terra, se existem aqui é porque seus princípios vieram de algum lugar. Na selva descobri que é possível montar um quadro geral da Natureza e seu funcionamento de uma maneira nunca feita antes pelos humanos, e como esse novo quadro tem sido tão ou mais lógico que todos os outros, isto significa que é possível que existam muitas coisas ainda na Natureza atuando sobre nós do que as que conhecemos baseados em nossos conhecimentos modernos. Dentre as fôrças e elemntos naturais ainda desconhecidos, estão aqueles que são as causas destas doenças mortais que apareceram junto com o nosso moderno estilo de vida.

Um dos aspectos interessantes da Natureza é o que ela produz substancias que são benéficas a uma nova criatura, porem, as mesmas substancias se tornam malignas e até mortais se essa mesma criatura a trair e perturbar seu estado de equilíbrio. Um único vírus pode ser benéfico ou mortal dependendo de como o corpo onde está, que é seu meio-ambiente,  atua sobre ele, assim como um humano pode ser benéfico ao sistema social ou pode ser um criminoso, dependendo do que o sistema social faz com a vida dêle.  Assim são os hormônios. Veja um exemplo no texto extraído de um artigo do cardiologista e professor B. M. HEGDE.  Hormonios como adrenalina e cortisol são as fôrças naturais existentes no humano que o possibilita sair correndo se ver se aproximar um tigre. Se não existissem estes hormonios, o corpo humano permaneceria parado como uma banana, e como tal, facilmente devorado, mesmo que o corpo fosse inteligente e desejasse desesperadamente se salvar. Portanto são elementos criados para beneficio de uma criatura. Porem, essa criatura desenvolveu uma cultura, hábitos de vida, que estão transformando o ecossistema. Essa criatura com sua inteligencia conseguiu eliminar de seu ambiente a ameaça dos felinos. Na vaga deixada pelos felinos essa criatura criou outros elementos que lhe dão vantagens e prazeres, como automóveis, aviões de guerra, etc. . Acontece que estes outros elementos são perniciosos ao corpo da Natureza. Então a Natureza simplesmente transformou os elementos que foram feitos para salvar a criatura, em elementos para matar a criatura. Aqueles hormonios que moveriam nossos corpos numa correria, agora movem rapidamente o interior de um corpo sedentário, sentado na poltrona, matando-o. Às vêzes eles aceleram a reprodução de células, gerando tumores, matando o corpo lentamente. O efeito direto, real, sentido na pele aqui e agora, sôbre nós, é que a cada dia maior numero de familias tem alguem neste momento sofrendo de alguma doença incurável em casa ou no hospital. Portanto, apesar de incomodo e chato como é, precisa-se entender que o chato não é o autor desta mensagem para estragar seu final de semana, e sim a ameaça que paira no ar, e que você precisa saber que ela existe e como sair correndo fora de suas garras.

Está ocorrendo uma carnificina a nossa volta e ela pode vir em cima de nós. A todo momento estou sendo surpreendido por noticias de que “aquele vizinho que é ainda jovem, alegre e cheio de vida, descobriu que está com um tumor cancerigeno”, ou, até mesmo como foi a noticia desta semana, “aquele magnata que era todo sorrisos pois tinha 800 milhões de dólares e uma mansão no West Park, se suicidou atirando-se da janela ontem… revelando que tinha algum tipo de tumor mental”. As chamadas doenças produzidas pelo nosso moderno estilo de vida, tais como Diabete Tipo II, ataque cardíaco, parada cerebral, refluxo de ácidos, ansiedade cronica, asma, depressão, acnes, pés inchados, alta pressão sanguínea, dor na coluna, osteoporose, etc. e etc., continuam aí sendo um mistério para cientistas e doutores, ninguem consegue descobrir suas causas pois elas continuam aí, e tudo isso se deve a que nosso modelo de conhecimento da natureza está tão errado que não temos consciência quando estamos sendo bons cidadãos naturais ou criminosos. E a maioria de nós estamos sendo exatamente isto: criminosos. A Natureza cada vez mais mandando criminosos para a pena de morte. Por isso tambem estou me portando como militante chato, aguerrido, empedernido, insistindo que devemos buscar todas as maneiras de desmascarar essa nossa cultura tradicional, que se tornou uma entidade virtual, uma face negra de uma Matrix, constituída de falsos conhecimentos e falsos conceitos sôbre cada um dos fenômenos e eventos naturais. Assim como a selva me pegou – a um cérebro bem informado e condicionado por 15 mil anos da cultura da civilização – me atacou de todas as maneiras, me lançou todos seus venenos, espinhos e feras para me torturarem, me levou ao leito da morte varias vezes, realizando um total colapso desta cultura, uma completa lavagem cerebral, e depois me soltou forte e defensivo como um semi-macaco de mente vazia, no seu aspecto bruto, selvagem, tão primitivo remontando as origens da Vida, para reiniciar meu aprendizado do que realmente é a Natureza, inclusive nos seus niveis atômicos e astronômicos, assim vocês que estão vivendo na civilização agora, ou se decidam a enfrentar, repensar, investigar, seus conceitos mentais produzidos pela sua interpretação das coisas naturais que ainda restam no seu ambiente, procurar o sentido lógico que estás dando ao que acredita ser o significado de sua existência como individuo e seu comportamento social, ou a Natureza vai descartar para sempre a nossa espécie, antes  acelerando o envio prematuro de um a um ao leito da morte. Tente fazer um esforço e entender o novo quadro da Natureza que encontrei na selva, veja como tudo o que te ensinaram sobre cada fenômeno e evento natural muda de interpretação assim como Copérnico mudou a interpretação do Sistema Solar tornando a crença comum de cabeça para baixo. Pois basta uma súbita descoberta, uma rápida nova maneira de entender o mundo, para inconscientemente mudar seus valores psicológicos e automaticamente veres seu comportamento e hábitos sendo mudados. Foi isso que aconteceu comigo nos últimos 30 anos que apesar de estar vivendo uma vida totalmente descontrolada se analisada pelo ponto de vista da cultura moderna,  nestes 30 anos nunca precisei tomar um comprimido sequer, pois nem sei mais o que é uma enxaqueca ou dor de cabeça… É meu dever informar aos meus irmãos de espécie o que me está fazendo bem.

A seguir o texto extraído e um estudo geral do grande artigo do professor B.M.Hegde (voltarei aqui para traduzir e completar assim que sobrar tempo).

Evolutionary mismatch

http://www.thehindu.com/opinion/open-page/evolutionary-mismatch/article5512897.ece?homepage=true

by PROFESSOR B. M. HEGDE – December 29, 2013 04:04 IST

If a man sees a tiger approaching him in the forest he must try to run away. The above mentioned two systems are there to help him run away from the wrath of the angry tiger. Adrenaline and cortisol are the two hormones through which the two systems keep one away from danger. Such a Palaeolithic body today is placed in a very hostile modern society of monetary economy and technologically advanced society where life has got itself transformed into a heartless, cruel rat race.

Our greatest stress today is to acquire mundane things. In that rat race where the world is too much with us we spend most of our energy getting and spending. We have no time to see the good things in nature that give us tranquillity and pleasure. We seem to have sold our soul to the devil. It is a sordid boon. In this rat race we encounter many tigers in life. Our Palaeolithic body produces the same fight-flight response producing adrenaline and cortisol. The latter would be used to run away from the forest tiger in our Palaeolithic age. But the tigers in life today (stresses) do not let you expend the two hormones by running.

The hormones that thus accumulate in the system are the cause of most of the killer diseases. While this is the leading mismatch, there is another equally important mismatch in that our cultural evolution vis-à-vis our biological evolution leaves us today much more sedentary than our ancestors who had to trek miles daily to get their next meal. We hardly move around as the technological comforts have brought everything to our global village. Some of us use our vehicles even to go to the toilet. This compounds the stress hormone damage, causing more grievous injury to our systems.

XXXXXXX

Pesquisa:

Wikipedia: Match/mismatch

The match/mismatch hypothesis (MMH) was first described by David Cushing (1969). The MMH “seeks to explain recruitment variation in a population by means of the relation between its phenology—the timing of seasonal activities such asflowering or breeding – and that of species at the immediate lower level”, see Durant et al. (2007). In essence it is a measure of reproductive success due to how well the phenology of the prey is able to meet the requirements of its predator. In ecological studies, a few examples include; the seasonal occurrence of breeding bird species to that of their primary prey (Visser et al. 1998, Strode 2003), the interactions between herring fish reproduction and copepod spawning (Cushing 1990), or the relationship between winter moth egg hatching, and the timing of oak bud bursting ( ver mais)

A lógica da Cosmovisão da Matrix/DNA ( em construção, correção)

sábado, dezembro 28th, 2013

na solidão da selva eu pensava na civilização lá fora, no que essa civilização me ensinara na escola, e uma inquietação começou a tomar corpo, tornar-sr irresitivel, uma sensação desagradavel de que eu havia sido enganado… de que a cilização tinha se enganado, pois o conhecimento da civilização não batia com a natureza da selva que gerou essa civilização. Então eu imaginava dialogos entre A e B para desenvolver e esquematizar a lógica natural, tal como:

A – “A moderna neurologia esta crendo que a mente, definida como o conjunto dos pensamentos, foi produzida pelo cérebro humano. Pelo que eu sei, a propriedade da consciência emerge no embrião mais ou após sete ou oito meses depois da fecundação, quando o cérebro já está formado. Em primeiro lugar, se a consciencia é um produto do cérebro humano, isto forçosamente significaria que a consciencia surgiu pela primeira vez no Universo, ao menos nesta nossa região do Universo, agora quando ele está com cerca de 13,7 bilhões de anos. Hummm… onde estava a consciencia nos sete meses antes dela aparecer no embrião?

(Estão certas as afirmações de A? Algum erro? Onde?)

B – “Onde estava… ora, em lugar nenhum, ela apareceu nos 7 meses…”

(Esta certa a resposta de B? Algum erro? Onde?)

A – “Você está querendo dizer que não havia consciencia no Universo antes? Que o cérebro do embrião inventou a consciencia pela primeira vez no mundo?”

( Esta certa a pergunta de A? Onde esta o erro, se houver?)

B – “Não, claro que não. Já existiam consciencias em bilhões de seres humanos… lá fora do saco, do ovo onde ele estava. Dentro do ovo e no embrião ela não estava antes dos sete meses…”

( Está certo?)

A – “Então não foi aquele cérebro que inventou, que criou a consciencia. Ela já existia. Então porque os cientistas e seus estudantes, como você, acreditam que cérebros produzem consciencias?”

( Está certa a afirmação e subsequengte pergunta de A? Não? Onde esta o erro?)

B – “Ora, foi o cérebro da espécie, e não um cerebro individual. A evolução se aplica a espécies.”

A – “Voce está querendo dizer que a espécie humana existe na forma de corais, com os individuos ligados entre si formando um novo individuo?”

B – Claro que não!”

A – “Então os cérebros humanos sempre estiveram separados, sempre foram individuais. Vocé diz que o cérebro humano produziu a consciencia. isto quer dizer que cérebros individuais, ceparados entre si, produziram a consciencia. Qual a diferença em dizer isso assim e dizer que um cérebro individual produz ou produziu a consciencia?”

B – “Mutação ocorre em populações, estas são selecionadas, transmitidas, geram maior prole. Cada cérebro, ou um certo numero limitado de cérebros produziram um pequeno detalhe da mutação total, e no cruzamento estes detalhes se somam, mais cruzamentos e mais ajuntamento de diferentes detalhes… por fim se assenta uma grande mutação.”

( Está certa esta afirmação? – Precisamos recapitular o item da teoria evolucionaria sobre populações)

A – “Ótimo! Muito lógico, racional, faz sentido.  Mas continua valendo então a sua afirmação de que o cérebro humano produziu a mente e pela primeira vez no mundo, ao menos, nesta região do Universo.”

B – “Não é bem assim. Hoje se acumulam as observações cientificas sugerindo que alguns animais já possuiam niveis mais primitivos de consciencia. Foi uma evolucão gradual.”

A – “Não importa. Digamos então – ao invés de cérebro humano – que o cérebro biológico produziu a consciencia pela primeira vez nestas regiões do Universo. Certo?”

B – “Assim está melhor…”

A – “Não… isto não é resposta para minha pergunta. Voc6e tem respondê-la: esta certo ou errado?”

B – “Bem… desde que não conhecemos ainda nenhuma outra consciencia por aqui… Mas sugere a lógica que ela deve existir em muitas outras regiões.”

A – “Não tem nada a ver com a consciencia que surgiu aqui. Ou voce acha que estas outras consciencias de alguma maneira produziram os cérebros daqui que produziram a consciencia? Não esta evidente na teoria da abiogenese que a vida surgiu aqui por sua própria conta?”

B – “Ok… seja qual for a regiao onde a vida se repetir, e na forma biologica, tal como seguiu a evoluão aqui, nesta região existirá cérebros biológicos e existira consciencia.”

A – ” Bem, estas ultimas perguntas pareciam redundantes mas não, tiveram um propósito: para que voc6e testasse a sua crfença em que cérebros produzem concienscias, e não que conciencias venham de algum outro lugar sendo implantadas no cérebro. Você reafirmou sua crença. Então voltemos ao inicio. No processo embrionario, onde estava a consciencia que emergiu do cérebro com sete meses? Veja bem que você mesmo afirmou que çerebros individuais não criam conciencia.”

B – “Estava na espécie humana, nos pais do feto, do embrião. Não havia ainda um cérebro completo, reproduzido, da espécie humana. Apenas quando completamente formado, cérebros modernos produzem consciencias completamente formadas.”

A – “Em outras palavras, o cérebro do embrião produziu pela primeira vez,  num “corpo”, uma consciencia, que nunca existira ali antes. A lógica por tras disso é o conceito de que a consciencia vem depois do cérebro, na evolução, até mesmo inferindo-se que ele esteja acima, ou na parte de cima do cérebro, talvez no neocortex. A lógica reafirma essa conclusão quando se sabe que não existe consciencia sem cérebro, mas existe cérebro sem consciencia.  Mas faço outra pergunta: foi o pescoço que produziu a cabeça?”

B – “Isso é brincadeira? Sem resposta…”

A – “A cabeça está acima do pescoço, não existe cabeça sem pescoco, mas acho que no processo evolucionario, existe uma fase em que já tem o pescoço e ainda não tem a cabeça, certo?”

B – “Não conheço o processo embrionario neste particular, mas acho que tudo vai se formando em conjunto, tecidos diferentes mas unidos geram ao mesmo tempo coisas diferentes, que depois continuam unidas.”

A – “É verdade, isso é possivel. Acho mesmo que deve ser assim. Então agora temos que trazer ao tema essa coisa conhecida como programa genético. Tanto pescoços, como cérebros, como consci6encias já existiam programadas, em potencial latente, dentro do novo corpo. Certo? Durante os sete meses a consciencias estava ali, mas como um sinal decodicificado, transmitido por uma fonte fora do corpo, a espécie humana. Certo? Não foi aquele cérebro que se produziu a si mesmo, nem aquela consciencia se produziu a si mesma, nem o cérebro produziu a consciência.  Vamos agora sair do corpo humano e vamos voltar ao Universo. Tinhamos lembrado que – ao menos aqui nestas regiões – O Universo produziu a consciencia nos seus 13,7 bilhões de anos. Certo? Agora sim, quero resposta positiva ou negativa.”

B – “Certo.”

A – “Mas qual o parametro factual comprovado e conhecido que prova que a Natureza pode fazer a mesma coisa por dois processos totalmente diferentes entre si?”

B – “Como assim? Não entendí…”

A – “Ao nivel dos organismos – digamos, no nivel microscopico – a consciencia não é produzida pelo cérebro do embrião nos sete meses, ela já existia programada geneticamente desde o momento inicial do corpo, ou antes da existencia do corpo, ela já existia numa fonte externa ao corpo. Certo? E no seu nivel macroscópico, no seu corpo universal, a natureza fêz com que a consciencia aparecesse pela primeira vez aos 13, 7 bilhões de anos sem antes ter estado programada em lugar algum. Certo? Ou errado?”

B – “Corpo universal?… Não foi o Universo que adquiriu consciencia, foi algo dentro dele, que tem outra história evolutiva, outro processo evolutivo…”

A – “Não foi o corpo biológico que produziu a consciencia, foi algo dentro dele, o cérebro. Qual a diferença?”

B – “O Universo não é um corpo consciente, ele não sai a caminhar por aí praticando atos conscientes.”

A  – “Bem… o embrião briológico tambem aos sete meses tambem ninguem diria que é consciente, e não sai a caminhar praticando atos conscientes. Quem te garante que este Universo não seja agora, nos 13,7 bilhões de anos que a Humanidade contou para ele, uma forma de embriao universal? Quem te garante que nós não somos  a forma dos neuronios do Universo, os primeiros neuronios ainda num cérebro em formação? Sei que é uma idéia esquisita, mas qual a lei natural ou fato natural conhecido cientificamente que anula esta possibilidade? Não existe, certo?… O que quero dizer e perguntar é: porque, na sua crença, a natureza não pode usar a nivel macro… cósmico, os mesmos mecanismos e processos que aplica a nivel microscópico?”

B – “As leis, mecanismos e processos ao nivel quantico, que é mais microspico ainda em relação ao nivel das grandezas humanas, são diferentes das leis macroscópicas.”

A – Por exemplo, o “sprit” experimento, um foton pode passar por duas portas ao mesmo tempo, porque é onda e particula ao mesmo tempo. Você sabia que um observador alienigena, do tamanho do Universo, observou humanos nos seus instrumentos oticos, e concluiu que humanos podem passar por duas portas ao mesmo tempo?”

B – “Isso não chega a ser nem uma hipótese cientifica. Impossivel!”

A – ” Não apenas por duas portas, ele viu um corpo humano passando por dezenas de portas ao mesmo tempo. Acontece que nosso observador tem uma vida de 20 bilhões de anos. Ele vê um humano vivendo 80 anos em apenas um de seus micro-segundos , que correspondem a milhões de nossos anos. Em 80 anos voc6e vai passar por dezenas de portas, uma de cada vez. Porem não para o observador universal, todas estas passagens se superpoe numa passagem só. Ele não notará nunca que o corpo humano muda de foema nos 80 anos, ele não saberá que o corpo humano tambem esta sujeito ao ciclo vital. Qual a prova de os fotons não estão sujeitos ao ciclo vital? Qual a prova de que os fotons observados desde a partida até a chegada na parede do outro lado das portas mantiveram a mesma e unica forma?”

B – “Mesmo que isso fôsse verdade, jamais ele poderia concluir que o corpo humano é particula e onda ao mesmo tempo…”

A – “Problema seu, não dele. Ele não tira conclusões precipitadas, baseadas no que não esta vendo. Voc6e viu o foton como onda e particula ao mesmo tempo?”

B – “…..

A – “Deixa-me terminar com isso. No teórico sistema natural fechado em si mesmo, que tenho elaborado, um corpo sob ciclo vital se transforma continuamente em bilhões, quase infinitas formas diferentes, assim como nosso corpo, pois a todo momento morre uma célula, outra é produzida para ocupar seu lugar, mas certamente ela não é cópia exata da substituida, ela deve diferir no minimo numa das bilhões de particulas de que é composta,portanto nosso corpo está continuamente se transformando.  Mas nós não vemos e não temos nomes para cada uma das infinitas formas do corpo humano, nós as agrupamos incionscientemente em sete formas principais: morula, feto, embrião, bebê, criança, adulto… etc. Na fórmula de sistema fechado tambem tive que resumir isso em sete formas diferentes do mesmo corpo. Mas como explicar ao observador alienigena que uma forma não caiu do céu, e sim veio da transformação da forma anterior?  Ora, entre as sete formas colocamos vetores, setas indicando uma direção, entre cada forma, mostrando que estão conectadas entre si. percebe-se que estas setas representam o tempo, enquanto as sete formas representa o corpo como particula, ou seja, representa espaço. Se as setas do tempo não são particulas, devem ser o que? Como se propaga o tempo? Ondas. Para nosso observador gigante, se imitar a pressa humana em tirar conclusões, o corpo humano é particula e onda ao mesmo tempo. certo ou errado?”

B – “É  certo…,  que tem de estar errado, mas eu não tenho o conhecimento desse aspecto da quantica o suficiente para apontar onde está o erro.”

A – “No corpo humano a consciencia apareceu aos sete meses porque ela ja existia em algum lugar, mesmo fora do mundo resumido desse corpo quando estava na forma de embrião no utero materno, e estava geneticamente programada o tempo todo nos sete meses. No corpo do Universo a consciencia apareceu aos 13,7 bilhões de anos ( segundo a contagem de tempo pelos humanos) porque ela já existia em algum lugar, mesmo fora do espaço e tempo resumido deste Universo ainda na sua forma de embrião, e estava naturalmente programada o tempo todo nestes bilhões de anos. Qual a prova cientifica de que esta afirmação está errada? Mas o importante ainda não é isso.  Qual o juiz que sentenciou ser a minha lógica _ a de que a natureza usa um unico processo tanto em cima quanto em baixo – a errada,  e a sua lógica – a de que a natureza usa dois processos diferentes em cima e em baixo e o segundo invisivel processo sendo narrado por ti nunca observado em nenhum lugar – seja a correta?”

B – Traga as evidencias. De que ela estava programada quando o Universo era apenas uma nebulosa de atomos, ou de galaxias…

A – “traga-me evidencias de que um único universo pode produzir consciência pela primeira vez no mundo, de que não é neccessario uma população de universos para que isto ocorra, de que este universo forma espécie com outros iguais ele, etc. Para terminar: a consciencia que emerge no cérebro de um embrião veio de uma fonte situada alem do pequenino universo do embrião que é o útero onde existe, esta fonte era um sistema natural consciente, e nós lhes damos o nome de pai e mãe. A consciencia que emergiu no Universo só pode ter vindo de uma fonte externa a ele, de um sistema natural consciente, ao qual voce pode chamar o nome que quiser, mas não pode negar que é pai e é mãe…”

Foi colocando estes pensamentos no papel que fui percebendo que a lógica lá fora na civilização não era confiavel…