Archive for outubro 13th, 2014

Cultura, Embriogenese, Debate do Aborto: Importante Artigo com Informações

segunda-feira, outubro 13th, 2014

xxx

Aborto – cultura biológica

http://microsintonias.blogspot.com/2012/08/aborto-cultura-biologica_28.html#links

( Blog “Adaptações”, postado por  Valdemiro Romanha )

IMPORTANTES INFORMAÇÕES:

1) Informação: ” É consenso entre a maioria dos Biólogos do Desenvolvimento e  Médicos que os fetos não possuem as conexões nervosas necessárias para que haja a percepção da dor antes da décima segunda semana de vida, e que o córtex cerebral, que difere o homem dos demais animais, só estará totalmente formado na quadragésima semana de vida.” ( Ou seja: dor só em 12 semanas, 3 meses. E o córtex cerebral completamente formado, com auto-consciência, em 40 semanas, o que dá 10 meses). 

2) Informação: ” Em relação à decisão do STF, acredita-se que fetos anencéfalos correspondem a um quadro semelhante àqueles em que um paciente é dado com morto a partir de um diagnóstico de morte Neurológica. Segundo PENNA (2005), em ampla revisão sobre o assunto, o feto anencefálico é um feto morto, incapaz de sentir dor, ver, ouvir ou sentir qualquer tipo de sensação, ainda que, em muitos casos, seu coração seja capaz de bombear sangue para o corpo por algumas horas ou até mesmo dias após o nascimento. Destaca-se o fato de que, ainda que a gravidez seja levada a termo, este feto não terá um segundo de consciência ou experimentar sensações, não havendo potencialidade de se tornar uma pessoa. O motivo seria a ausência do córtex cerebral, independente da presença de um tronco encefálico “viável”.

3) Informação: ” Na natureza o aborto é apenas mais um dos mecanismos de controle populacional, ainda que tal mecanismo também vise a manutenção de um padrão genético que vem dando parcialmente certo. Nas plantas, a seleção sexual pode ocorrer em alguns momentos tais como: 1) durante a polinização através da competição entre os grãos de pólen pelo óvulo; 2) durante a fertilização dos óvulos no qual os grãos de pólen são selecionados pelas parte feminina da planta e; 3) durante o desenvolvimento dos embriões no qual ocorre direcionamento seletivo de nutrientes por parte da flor para diferentes embriões (Wilson 1994). Como resultado, pode-se ter ou a maturação seletiva ou o aborto de embriões, devido a diferenças na qualidade genética dos doadores de grãos de pólen e do investimento nutricional materno (Melser & Klinkhamer 2001).

4) Informação: ” Os componentes naturais estão sujeitos às condições iniciais encontradas em cada momento da sua dinâmica sistêmica, respondendo coletivamente a estímulos ou “ruídos” que, eventualmente, perturbem seu frágil equilíbrio. A depender do caso, rupturas no comportamento padrão não são toleradas. Esta resposta é determinada geneticamente em conjunto com a dinâmica das relações a que estão submetidos os organismos no ambiente. Assim, os organismos moldam o ambiente e o ambiente molda os organismos (Hipótese de Gaia). Senão vejamos: A camada de ozônio não existiria sem atividade fotossintética das algas marinhas e das plantas uma vez que o ozônio (O3) é formado a partir do oxigênio (O2) produzido pelas algas. Também não haveria nuvens se não fosse a atividade metabólica das algas planctônicas que vivem nos oceanos e nas grandes bacias fluviais. Estas produzem uma substância chamada dimetil-sulfeto sem a qual as nuvens não seriam formadas (Odum & Barret, 2007). Da mesma forma que não é possível a existência da vida como a conhecemos sem a camada de ozônio, a camada de ozônio não seria possível sem a vida na terra. Ou seja, para a microbiologista americana Lynn Margulis a vida na Terra cria as condições para a sua própria sobrevivência, e não o contrário, como as teorias tradicionais sugerem (Margulis & Stamp; Sagan, 2002).

xxxx 

Discussões de Interpretações Teóricas Entre a Matrix/DNA e o Autor do Artigo:

Artigo: ” Um dos aspectos mais curiosos no desenvolvimento das sociedades em contraponto com a evolução biológica é a aparente contradição entre a seleção natural e a seleção artificial.”

Matrix/DNA: “Como no caso da cultura dominante neste sistema social, a seleção artificial não é bem artificial pois é produto da imitação dos instintos naturais animalescos. Mas o artigo mesmo se contradiz quando a seguir diz: ” Aceitamos que a cultura, mecanismo/produto de seleção artificial, deriva da evolução da cognição humana e portanto intervenções antropogênicas nos fenômenos naturais são coerentes com a natureza do homem. Não existe “artificialismo” se tudo deriva da sofisticação progressiva do sistema nervoso. A cultura do aborto induzido é uma sofisticação dotada de razão daquilo que foi e é o comportamento biológico de selecionar embriões viáveis e não viáveis.” ( O autor se refere ao caso das plantas femininas selecionarem qual pólen irá fecundar). Ok, ele disse “aparente”… e a seguir mostra que essa aparencia – a de que o aborto seria seleção artificial – é falsa.

Artigo: “A sociedade, que é produto da engenhosidade do cérebro humano, rejeita a morte e cultua a vida.”

Matrix/DNA: Nem sempre. Isto é óbvio quando reduzido à engenhosidade do individual, na defesa de sua existência, mas se distorce quando ampliado e projetado ao nível de sociedade. Existe a pena de morte, a Igreja Católica Cultuou a Morte na Inquisição, nas guerras a sociedade deseja a morte do outro, etc. Esta escolha depende dos interesses dos dominantes predadores nas sociedades (as ditas “forças conservadoras… para manter o tipo de sistema que lhes sustenta como predadores),  que geram os valores culturais para condicionamento comportamental das prêsas. Os burocratas das religiões se aliam aos patrões na atuação para combater o aborto entre pobres porque isto significa redução do tamanho de seu rebanho, e portanto, menos colheita. O aborto como na agricultura das frutas, impede muitas frutas de amadurecerem para serem colhidas. Esta escolha pode ser até naturalmente inconsciente, simplesmente seguindo a dinâmica do instinto herdado dos animais, como a posse e defesa feroz do território.

Artigo: ” Até bem pouco tempo, cerca de vinte anos ou menos, era inimaginável se discutir no Brasil questões como aborto sem que houvesse uma comoção nacional por conta de forças conservadoras acolhidas nos diversos segmentos religiosos que sempre pressionaram o Estado no sentido de sua criminalização, incluindo o aborto de fetos anencéfalos.”

Matrix/DNA: Porque a estratégia maquiavélica dos predadores de escolher as igrejas para inserir sua força no combate ao aborto? Porque não usa seus exércitos, seu poder financeiro, ou diretamente sua policia? Penso que a resposta é óbvia: porque custa menos aproveitar um exército de condicionamento mental que já é custeado e produz bom resultado sem estragar muito os produtos ( suas presas) a serem colhidos. É como a diferença entre fazer colheitas de frutas à mão ou com maquinas, que estragam muitas frutas. Mas este assunto levanta uma questão interessante a ser pesquisada. Nos primórdios tribais, quando a dominação era direta pela força bruta, o que levou os dominantes a se obrigarem a conter os abortos, inserindo aqueles slogans condicionadores nas suas escrituras sagradas? É certo que desejavam o maior numero de nascimento de escravos, mas a inserção de textos engenhosos com noções contra o aborto significa que os escravos estavam forçando o aborto…? Não acredito que escravos negros tivessem desejo de abortar, mas talvez escravos mais renegados, como os hebreus no Egito dos faraós, ou bárbaros europeus apanhados por israelitas, tivessem mais consciência e quisessem evitar a escravidão aos seus rebentos. Falta uma pesquisa nisso. Quanto a enorme massa do proletariado moderno… o texto a seguir trás uma novidade a esse respeito:

 

Artigo: ”

Artigo: “Muitas vezes o embrião ou feto apresenta desenvolvimento incompleto ou anormal. Nestes casos, o corpo rejeita o embrião expelindo-o. Não interessa para a natureza experimentos mal sucedidos sob o risco de comprometer a deriva natural dos genes que levaram ao sucesso da espécie humana.”

Matrix/DNA: ” A natureza é cega, não tem propósitos de evitar riscos ou mutações que derivem os genes para fora do sucesso de nenhuma espécie. É preciso estudar ao nível da física, da química dos sistemas, o que acontece na realidade quando fetos anormais são expelidos pelo sistema. Talvez o sistema sente sugamento exagerado de suas forças acionando o sub-sistema auto-imune que enxerga o feto como outro invasor parasitário qualquer. Em relação ao sistema social, o individuo-prêsa deve nascer para trabalhar e servir o sistema, não trabalhar e servir apenas a si mesmo. Isto acontece e é permitido apenas aos indivíduos-predadores. Se acontece no rebanho, o individuo rebelde é expulso para as prisões ou assassinado.

Artigo: ” Culturalmente não devemos pensar no aborto induzido como uma ferramenta de aperfeiçoamento genético ou como um método de controle de densidade populacional, mas como um mecanismo natural de funcionamento da psique humana expressando uma necessidade cultural individual mas com repercussões ecológicas globais já que 40% das gestações culminam em aborto. O aborto não é contra a natureza visto que tem um papel ecológico. Então devemos ver o desejo de uma gestante de não sustentar uma gravidez como uma lógica ecossistêmica onde a razão é apenas o seu mais novo mecanismo.”

Matrix/DNA: “Isto parece mais um produto do desenvolvimento da cultura virtual dominante. Talvez o atual numero populacional de prêsas está se tornando desvantajosos em termos econômicos tendo em vista o advento da robótica e substituição de escravos humanos por maquinas escravas, que consomem menos recursos. Curioso é que a cultura social sempre tem desvirtuado as interpretações dos fenômenos naturais antes de levar o conhecimento destes fenômenos às prêsas, mas aqui parece que ela rebusca na natureza um fenômeno (o equilibrio eco-sistêmico) que, sem distorções interpretativas, por si só já serve de evidencia a seu interessado argumento.

Artigo: ” … o determinismo genético evoluiu inclusive para que as espécies tenham qualidade de vida. (…) Então fazer o bem é da natureza humana e uma condição para a evolução das sociedades.

Matrix/DNA: ” Isso está mal. Se existe determinismo genético aplicado a leões para que esta espécie tenha melhor qualidade de vida, ao mesmo tempo então ele é aplicado às ovelhas e demais vitimas do leão para que tenham pior qualidade de vida. Em relação a humanos, o determinismo genético tem a direção de conduzi-los à melhor qualidade de vida num sistema social como o teorizado por Huxley, no seu “Admirável Mundo Novo”, aduzido pelo sistema teorizado por Orwel, com o seu Big Brother. Espécies sem intelecto como abelhas e formigas foram conduzidas por este determinismo genético a construírem este exato tipo de sistema social, apenas trocando o Big Brother pela Big Mother. É preciso analisar melhor quando um ato está fazendo o bem ou o mal. Isso é relativístico e depende em relação a que sujeito de referencia. Abelhas como humanos que fazem o bem ao seu atual sistema social fazem ao mesmo tempo o mal ao sistema ideal para a livre auto-consciência. Isto desviou as abelhas para sempre da conquista de uma psicologia mais elevada. O altruísmo individual para com um sistema social notadamente egoísta como são os sistemas fechados é na verdade uma expressão do egoismo individual, enquanto o egoismo do sistema se compõe da soma dos altruísmos individuais.

Na Teoria da Matrix/DNA a tendencia genética desta biosfera e todos seus elementos vem do sistema que criou esta biosfera, o qual é o building block dos sistemas astronômicos, como este sistema solar e esta Via Láctea. Tal building block é um sistema fechado em si mesmo, quando a matéria atinge o poder da supremacia de sua tendencia, que é a busca do supremo estado de equilíbrio termodinâmico. Portanto não se admira que insetos foram por este caminho e a humanidade, inconscientemente esteja sendo conduzida aos braços do Big Brother. Mas alem de sistemas estelares e galaxias existe o Universo, que talvez seja um sistema aberto, pois de fora da galaxia está vindo esta força mutante gerando a auto-consciência, a qual exige um sistema aberto como corpo e ambiente físico.

Na real natureza observada aqui neste planeta e agora, vemos que o determinismo genético está sendo ameaçado e enfrentado por um elemento invasor que ameaça produzir uma mutação indesejada na espécie humana: falo a respeito da auto-consciência. Ela não pode ser produto direto do determinismo genético atuante sobre sistemas naturais porque ela não cabe e nunca aceitaria se submeter ao humano com este apogeu na qualidade de vida num sistema fechado em si mesmo, obtido à custa do super-especialismo que já levou tantas espécies à extinção. A genética direciona o corpo a um caminho onde a consciência seria abortada ou se submeteria à escravidão ao sistema. Temos que tomar cuidado com esta suposição teórica de “determinismo genético”. Porque na natureza não existe um determinismo sistêmico natural: sistemas naturais tanto podem serem abertos como fechados. Para o humano a melhor qualidade de vida física seria num sistema fechado, como o tipo mencionado acima, mas o intelecto, a mente, ou auto-consciência, como se prefere chamar este fenômeno, precisa para existir e se desenvolver um caminho livre apenas propiciado pelos sistemas abertos às relações com o mundo externo, sem limites. Em todo caso, assim como tudo na natureza vem em dicotomias, dividida em dois extremos opositores, assim deve acontecer com a genética, o que anularia dela a palavra “determinismo”.

Artigo: “… Assim, os organismos moldam o ambiente e o ambiente molda os organismos (Hipótese de Gaia)”

Matrix/DNA: “O que é mais uma evidencia de que a Cosmovisão da Matrix/DNA esteja correta. O meio-ambiente na superfície terrestre, a total biosfera, e os organismos, são todos produzidos pela mesma fórmula – apresentada na teoria.  O fenômeno genético dos organismos se adapta ou pode colaborar com a evolução do ambiente porque este também foi produzido e contem seu fenômeno “genético” ( a Matrix/DNA universal),  o qual é o mesmo dos organismos.

Artigo: “Não existem aí fenômenos místicos ou algo parecido. Não foi a vida que evoluiu para se adaptar às condições na Terra, em vez disso, os organismos desde o início, desempenharam controle de um ambiente geoquímico que lhes fosse favorável.”

Matrix/DNA:  “Não existe a mistica. Mas também a biosfera não foi construída pelos organismos. O nível de interações entre átomos que denominamos “biológico”, um grau evoluído a partir do nível de interações puramente físicas, já existia nos seus princípios antes da biosfera e organismos. O problema aqui é alimentado pela nossa teimosia em juntar sistemas naturais animados com partes inanimadas de sistemas para vir com a crença de que existe separação natural entre sistemas naturais vivos e não-vivos. A noção humana de  “vida” não faz sentido para o Universo.

Artigo: ” O sucesso evolutivo que levou à emergência do homem moderno derivou da sofisticação gradativa de códigos genéticos comprometidos com a manutenção da espécie através da expressão de mecanismos eficientes de caça, acasalamento e reprodução.”

Matrix/DNA: ” Faltou um importante mecanismo aqui, referente à divisão entre predadores e presas, ou competição.” 

Artigo: ” Podemos entender então que a cultura subverte o comportamento básico humano travestindo-o de crenças e demandas criativas. “

Matrix/DNA: “Não o subverte, apenas o mascara com adornos como valores éticos e morais para esconder e manter sua natureza animalesca”