Archive for março 2nd, 2015

Ondas de Luz: Razão das Diferenças entre Vibrações/Frequencias/Cores

segunda-feira, março 2nd, 2015

xxxx

Light - The Electromagnetic Spectrum by Matrix/DNA Theory

Light – The Electromagnetic Spectrum by Matrix/DNA Theory

 

Luz… tem se tornado um dos mais importantes assuntos no desenvolvimento desta nova visão do  mundo, desde que começamos a suspeitar, recentemente, que a primeira fôrça para criar a Vida, surgida neste Universo, foi uma ou mais ondas de luz natural. Cheguei a pensar que a Luz são os braços e mãos de Deus para criar suas coisas. Como não sei se algum tipo de Deus existe ou não, troquei aquela frase  pelo “Luz natural é a fôrça que imprime dinamismo, código da Vida, ciclo vital e a fórmula inicial para todos os sistemas naturais”. Tudo isso porque o meu inédito método para abordar o fenômeno dos ciclos vitais me levou a ver nos gráficos onde se registram os esspectros eletromagnéticos ao passar de uma onda de luz, a forma clara e explicita de um ciclo vital completo,como adicionei no gráfico acima a comparação da luz com os periodos de vida de humanos a astros.

Em seguida, tentei rever a minha teoria sobre as origens da matéria e deste Universo, incluindo agora as ondas de luz com essa suspeita propriedade de ciclo vital. Ela começa supondo que havia uma espécie de fronteira na forma de uma tênue membrana separando o espaço onde hoje está o Universo do resto do mundo que existia antes dêle. Essa membrana seria como uma bolha contendo uma substancia etérica. Isto tudo porque é obrigatório dentro da Matrix/DNA utilizar parametros naturais e reais comprovados e conhecidos aqui e agora, e o parametro ideal para a origem ou estado inicial do Universo é um óvulo não fecundado composto de uma membrana e um liquido interno. A substancia chamada de “espaço”, que preenche todo o espaço universal poderia ser um éter, ou a dark matter.

Atravessando  a membrana de fora para dentro e pipocando no meio do oceano espacial vinham os microscópicos vórtices ( ou rodamoinhos) divididos em dois grupos: um girando à esquerda e o outro à direita – e corresponderiam aos genes que pululam no liquido dentro do óvulo. Bem, para encurtar a partir daí até a manifestação das primeiras particulas e da matéria, tudo foi desenvolvido tendo como base a teoria da cola nuclear do físico e prêmio Nobel Hideki Yukawa. O que nos interessa aqui neste artigo é relembrar que por essa nossa teoria, quando aqueles vórtices se desmanchavam, suas linhas espirais se expandiam pelo Universo na forma de ondas de luz. Ou seja: as ondas de luz naturais iniciais nêste Universo seriam os mesmos genes vindos do alem do Universo em uma nova forma.

Mas umas das semelhanças notadas entre o espectro da luz e um corpo como o humano é a intensidade de energia em cada igual idade dos dois. Assim uma criança recem-nascida tem maior dose de vibração energética do que um adulto porque o ciclo vital, que vem da luz, tambem tem a sua fase ou frequencia inicial, maior vibração energética do que outra fase sua com maior “idade”, como seriam os casos do microwave  e rádio.

Agora me deparo com a figura animada abaixo que ilustra espetacularmente essa idéia. Deve-se supor, como eu suponho, que o Sol emite ondas continuas, simultaneas de luz, como faziam os vórtices girantes. E que cada planeta à sua volta está dentro de uma especifica faixa de frequencia dessas ondas. A figura mostra como e porque os planetas próximos ao Sol  giram mais rápidos do que Jupiter, mais distante. E porque os “mais jovens são mais vibrantes e energéticos do que os mais velhos”. De babies humanos a astros celestes.

xxxx

Image credit: Petr Scheirich, 2005, with Trojans (and Greeks) shown in Green.

Jupiter e o cinturão de pedaços de rochas, asteróides, em sua faixa orbital – pela Matrix/DNA

Polvos: Interessante Acasalamento Sexual onde a Fêmea Sempre Come o Macho

segunda-feira, março 2nd, 2015

xxx

Eu pensava que quando dois polvos se acasalassem daria uma macarronada, com tantos tentáculos. Mas… uma horrível surprêsa me aguardava. A fêmea é maior que o macho e logo terminado o ato sexual, a fêmea estrangula o macho e o arrasta para sua caverna para seu jantar! Mas este comportamento de fêmeas comerem machos, ou de machos simplesmente caírem mortos após a cópula, como acontece com os zangões após a cópula com a rainha abelha, não foi inventado pelos animais: ele já existia antes das origens da vida, no nosso ancestral que paira nos céus, como podes ver abaixo na explicação da Matrix/DNA.

Observe que são dois polvos: o verde é fêmea e o cinza é macho.

Polvos no ato sexual: Interessante!

 

Polvos fêmea ( deve ser o mais esverdeado) e macho, namorando.

Polvos fêmea ( deve ser o mais esverdeado) e macho, namorando.

Artigo baseado no artigo publicado no Pharyngula: 

http://scienceblogs.com/pharyngula/2015/02/27/friday-cephalopod-cephalove/

Friday Cephalopod: Cephalove

by PZ Myers on February 27, 2015

 

Meu comentario postado no Pharyngula:

 

Louis Morelli

Brasil

March 2, 2015

This female behavior is one more strong evidence that our theoretical model for LUCA – the Last Universal Common Ancestor for all biological systems – is thru. Look how the shape of octopus is equal the shape of our galaxy which is the same shape of LUCA. LUCA was hermaphrodite, the female function is the central nuclear black hole and the male function is the pulsar. Everytime that the pulsar “ejaculates” its nuclear magma towards the black hole, the pulsar disappears, becoming a supernova. The male bee is who best mimics the scene we see in the sky, flying six meters above the soil, mating with the queen and falling dead. Why the mating in the sky? The behaviors of octopus, bees, ants, is merely the expression of the laws ruling the atoms that composes their bodies.