Archive for novembro 24th, 2015

O planeta Terra teria cabelos invisíveis de dark matter?! E quem faz seus penteados?

terça-feira, novembro 24th, 2015

xxxx

Could dark matter make Earth ‘hairy’?

(Poderia a matéria escura fazer da Terra, uma cabeluda?)

When streams of dark matter interact with planets like Earth, dense hairlike filaments form, according to new research.

( Quando fluxos de matéria escura interagem com planetas como a Terra, formam-se densos filamentos parecidos com cabelos, segundo uma nova pesquisa)

Se a Terra for feminina, este e’ o dia que ela corta o cabelo curto, mas se o planeta for masculino, este e’ o dia que ele não fez a barba…

Na calada da madrugada, quando todo mundo esta’ dormindo e ninguem olhando, a Terra da’ uma escapadinha e vai no salão de beleza dar um capricho na sua cabeleira…  Acho que estou descobrindo quem anda sumindo com meu shampoo. Alias, `a noite acontece muita coisa que vocês não sabem. Por exemplo, um dia fiquei a noite toda acordado nas areias de uma praia no Rio e descobri algo: Quando a cidade apaga suas luzes e todo mundo dorme, o Cristo Redentor se mexe, vira os olhos pra la’ e pra ca’, certifica-se que todo mundo esta dormindo, e então senta para descansar as pernas, que ninguem ‘e de ferro…

Brincadeiras a parte, vamos ao trabalho:

Um cientista acredita que exista a matéria escura e que ela se move. Quando se aproxima de planetas como a Terra, ela pode passar por dentro de sua matéria, como as rochas e o denso efervescente núcleo, mas pode criar um efeito interessante ao redor do planeta, formando caminhos de partículas que se parecem com fios de cabelos. Veja o artigo no link abaixo e a imagem obtida por uma simulação de computador.

Para a Matrix/DNA, este tópico, se for provado verdadeiro, serve para reforçar nossa sugestão de que as imagens que estamos tendo dos cosmos e suas estruturas, através de reduzidos espectros de luz de nossos instrumentos, não revelam tudo e portanto poderíamos estar vendo manchas disformes de gazes onde na verdade pode ter uma estrutura funcional de um sistema astronomico que ainda desconhecemos. Afinal, imagino que um hipotético microbio inteligente vivendo num ribossomo dentro de uma célula dentro de um corpo humano poderia apontar seu telescope para o mundo a sua volta e ver distantes ” galaxias” de gazes disformes quando na verdade estaria vendo o figado…

http://www.csmonitor.com/Science/2015/1124/Could-dark-matter-make-Earth-hairy

 

 

 

 

 

Bagunça no Espaço Sideral Treme a Teoria Astronomica e Reforça a Teoria da Matrix/DNA

terça-feira, novembro 24th, 2015

xxxx

Tao interessante o artigo que vou copia-lo na integra aqui, sendo que abaixo vai meu comentario:

Bagunça no espaço

http://chc.cienciahoje.uol.com.br/bagunca-no-espaco/#comment-78969

por Everton Lopes, estagiário do Instituto Ciência Hoje – 02-03-2015

Entenda a organização dos planetas em torno de uma estrela, e como uma descoberta recente está virando tudo de cabeça para baixo.

Sabe de cor a ordem dos planetas do Sistema Solar? Começando pelo mais próximo do Sol e indo até o mais distante, Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Essa organização, em que os planetas rochosos – no caso do Sistema Solar, os quatro primeiros – ficam mais próximos da estrela e os gasosos, mais distantes, é a mais comum nos sistemas planetários já conhecidos. Porém, uma descoberta de um grupo internacional de cientistas mostrou que ela não é a única possível!

Um sistema com dois exoplanetas identificados pela sonda espacial Kepler, da agência espacial norte-americana (Nasa), parece não obedecer à ordem esperada. Ele recebeu o nome de Kepler 101 e é composto por apenas dois planetas, que orbitam uma estrela semelhante ao nosso Sol. O planeta mais próximo à estrela, Kepler 101b, é um gigante gasoso, enquanto o planeta mais distante, Kepler 101c, é rochoso como a Terra.

O astrônomo Fernando Roig, do Observatório Nacional, explicou que esta é a primeira vez que se identifica um sistema planetário com essa organização. Até agora, as teorias sobre a formação dos sistemas planetários dizem que os planetas gasosos, como Júpiter, se formam longe da estrela e migram para mais perto dela ao longo de bilhões de anos, causando a extinção de planetas rochosos menores que estiverem no meio do caminho.

“Aparentemente, no sistema Kepler 101, o planeta terrestre sobreviveu ao movimento de migração, por razões que ainda não sabemos”, conta Fernando. Essa descoberta deixou os astrônomos de cabelo em pé. ”Os cientistas terão que aprimorar os modelos que existem atualmente para conseguir explicar também este tipo de configuração planetária”, completa o pesquisador.

xxxxx

O seu comentário está aguardando moderação.2015/11/24 às 6:47 AM

Mas este sistema e’ evidencia para uma teoria diferente, o modelo astronomico da Matrix/DNA Theory. Segundo ela,, os astros se transformam como fazem os seres vivos. Um planeta rochosos como a Terra se tornara cada vez mais gasoso e coberto de vulcões, quando então sera um pulsar. E depois continua o processo de gaseificação ate tornar-se uma uma estrela, uma supernova. E planetas podem se formarem no espaço interestelar, que e’ de onde deve estar vindo este.

Como as Escolas Continuam a Desviar As crianças do Amor `a Vida e ao Nosso Planeta

terça-feira, novembro 24th, 2015

xxxx

Mais um artigo publicado e produzindo um desserviço na grande causa da Humanidade. Tiraram uma foto do céu e correram a interpreta-la segundo a cosmovisão de que somos meros produtos do acaso. E isso em nome da Ciência que e’ inserida no curriculum escolar!

Nos perdemos 2.ooo anos porque a precipitação na interpretação de coisas distantes levou a colossais equívocos, como o de que o Sol giraria em torno da Terra, a Terra fosse plana etc. Bilhões de mentes jovens foram desviadas pelos adultos do verdadeiro caminho na busca de nossas origens a da produção da boa Ciência. E’ obvio que esta imagem não autoriza interpretação alguma `a pretensão de ser cientifica. Nunca vamos provar cientificamente a completa formação de um planeta, pois isto requer um filme de 10 bilhões de anos. Teremos uma teoria de formação, assim como temos uma teoria da evolução porque ninguem a assistiu. Estão desviando as mentes dos nossos jovens nos bancos escolares, mas o que ganham com isso?! A destruição da vida por não entender seu significado sublime e eterno, e  de um planeta por não entender que ele foi uma vez nossa mãe, um ancestral na mesma linha genética evolucionaria como foram bactérias, estrelas e repteis?

Para quem esta interessado, leia o artigo pelo link abaixo e leia meu comentário tambem abaixo: 

Astronomia: Como nasce um planeta?

http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2015/11/23/astronomia-como-nasce-um-planeta/comment-page-1/#comment-140336

POR SALVADOR NOGUEIRA – 23/11/15  02:00
Concepção artística de planetas em processo de formação ao redor de uma estrela jovem. (Crédito: Nasa)

Notar que esta e’ uma “concepção artística” de planetas em processo de formação ao redor de uma estrela jovem. A imagem verdadeira deve ser um borrão preto e branco. (Crédito: Nasa)

E minha explicação:
 
Louis Charles Morelli comentou em 24/11/15 at 5:43 am 
(Your comment is awaiting moderation.)
A interpretação dada a esta imagem nos desvia ainda mais do conhecimento das nossas origens. Pois a mesma imagem pode sugerir outras interpretações que tornam mais racionais e fáceis de entender nossas origens, como a interpretação dada pela Matrix/DNA Theory. Este planeta e seu sistema produziu as nossas origens aqui, portanto, onde estavam as formas primitivas das forças e elementos naturais que depois se tornaram as propriedades vitais? Não estavam ai, então o que existe na Terra foi criado do Nada por ela, ou caíram do céu, por magia de deuses ou de acasos?! A forma planetesimal pode ter sido produzida pela força que depois produz a forma fetal, ou a blástula, mas e o resto? O metabolismo, a memoria, codificação e processamento dessa memoria pelo DNA, o sistema digestivo, etc.? Onde estavam os princípios destas propriedades nesta imagem?
 
O mesmo artigo na Nature sugere que a formação ou nascimento de um planeta tome 10 milhões de anos. A repentina visão de um momento entre 10 milhões de anos não nos autoriza a interpretar nada, assim como a foto de um feto humano ainda na forma de réptil, para quem nada sabe de embriogênese humana, não o ajudaria a nenhum entendimento da sua completa formação, do que ocorreu antes e ocorrera depois. Alem disso, com certeza a Dra. Stephanie usou apenas um ou dois espectros da luz, o que deixa muitas dimensões da imagem, encobertas. E’ como olhar para um arco-iris e ver apenas a faixa pelo infra-vermelho, ou apenas a faixa azul. 
 
Devem existir dois processos de formação de astros em geral, como houve dois processos na formação dos seres vivos. O primeiro, das galaxias originais, foi por simbiose, depois as seguintes gerações de astros aprenderam a auto-reciclagem do sistema, que e’ uma simples forma de reprodução. De que outra forma teriam surgidos astros que não existem nos sistemas estelares, como quasares, pulsares, buracos negros, etc? Mas o processo do ciclo vital que este planeta produziu aqui para os sistemas biológicos e que faz um unico corpo inicial se transformar em varias formas, explicaria racionalmente estas existências, mas então este processo vital já estaria incubado, como potencial latente, desde as origens das galaxias.
 
Nos perdemos 2.ooo anos porque a precipitação na interpretação de coisas distantes levou a colossais equívocos, como o de que o Sol giraria em torno da Terra, a Terra fosse plana etc. Bilhões de mentes jovens foram desviadas pelos adultos do verdadeiro caminho na busca de nossas origens a da produção da boa Ciência. E’ obvio que esta imagem não autoriza interpretação alguma `a pretensão de ser cientifica. Nunca vamos provar cientificamente a completa formação de um planeta, pois isto requer um filme de 10 bilhões de anos. Teremos uma teoria de formação, assim como temos uma teoria da evolução porque ninguem a assistiu. Estão desviando as mentes dos nossos jovens nos bancos escolares, mas o que ganham com isso?! A destruição da vida por não entender seu significado sublime e eterno, e  de um planeta por não entender que ele foi uma vez nossa mãe, um ancestral na mesma linha genética evolucionaria como foram bactérias, estrelas e repteis?
xxxx
Comentario enviado a outros artigos: