Archive for abril 25th, 2016

Autoconsciência e Cérebro: Mais Uma Teoria

segunda-feira, abril 25th, 2016

xxxxx

Ler, traduzir e pesquisar importantes informações:

http://vixra.org/pdf/1502.0129v2.pdf

What is Counciousness

Encarnando a Formula da Matrix: Uma Divagação Inconsequente

segunda-feira, abril 25th, 2016

xxxxxx

Eu vou encarnar a formula, vou ser a formula. Estou dentro de uma célula que esta dentro de uma mórula. Vou me forçar todos meus fragmentos de formula que estão dentro de todas as células a dirigirem energia a um só ponto. A partir deste ponto começo  fluir como formula. Vou ne esticando, atravessando o espaço com a próxima célula a esquerda, para perfazer o sentido horário, entro nesta célula, continuo a estivar, crescer, passo por outra célula… finalmente me implantei a nível da mórula inteira.

Agora vou dirigir a mórula a ser uma blástula. Na blástula levanto-me como nova onda e faço a blástula se transformar num feto. Assim por diante, até chegar a ser um baby nascido.

Passo um tempo sobrevivendo a duras penas como esse baby isolado mas que trabalha manipulando a matéria a volta e montando um molde, e então me duplico, , saltando para o molde, me tornando dois babies . Deixo um baby como esta e me concentro no outro fazendo-o crescer e se transformar numa criança, feminina,

Agora tenho uma criança, feminina, e dois babies.

Como a criança, deixo os dois babies brincando, me viro para o lado, me duplico, faço uma unidade voltar-se para brincar com os babies, enquanto me concentro na outra unidade fazendo-a crescer e se tornando uma jovem adolescente.

Agora tenho uma jovem, uma criança, feminina, e dois babies.

A jovem deixa a criança e os dois babies brincando, vira-se para o lado, se duplica, retorna uma moca a brincar com os outros três, me concentro na duplicata da moca, levo-a a se transformar numa adulta.

Agora tenho dois babies, uma criança, uma jovem e uma adulta.

Duplico a adulta e uma delas transformo numa idosa.

Agora tenho dois babies, uma criança, uma jovem, uma adulta e uma idosa. 

Todos sentados num sofá vendo tv, os babies e criança e jovem e adulto brincando, a idosa se duplica sendo a ultima na forma a de um cadáver que aparece deitado no chão atrás do sofá. A idosa chama a atenção da adulta e aponta o cadáver e todos param de brincar olhando o cadáver.

Agora tenho dois babies, uma criança, uma jovem, uma adulta, uma idosa e um cadáver.

Todos assistem o enterro do cadáver, continuam suas vidas, enquanto o pó do cadáver se mistura com o planeta.

Agora tenho dois babies, uma criança, uma moca, uma adulta, uma idosa e dois planetas(). Não, e o mesmo planeta antes do começo, acontece que o tempo de envelhecimento do planeta se da numa escala de tempo astronômico, por isso parece que dois planetas se justapõe um sobre o outro.

A adulta se engravida e surge um terceiro baby, masculino.

Agora tenho três babies, uma criança, uma moca, uma adulta, uma idosa, um planeta.

O terceiro baby volta as costas a todos e se duplica, sendo que a copia cresce e se torna uma criança.

Agora tenho 3 babies, 2 crianças, uma moca, uma adulta e uma idosa.

Uma das crianças se afasta de todos, se duplica, uma copia volta para o meio de todos enquanto a outra cresce e se transforma num jovem.

Agora tenho 3 babies, 2 crianças, 2 jovens, uma adulta, uma idosa…

… Bem, continua assim  o planeta se enche com uma  população.

Mas na verdade, não comecei isto quanto a evolução já tinha formado a espécie humana. Comecei na fase dos macacos.

A primeira geração foi um baby-macaco, uma criança macaca, etc. O planeta se encheu com uma população de macacos.

Quando já havia muitos macacos e vi que não haveria futuro evolucionário para eles, me concentrei, chamei a minha primeira essência da formula que sou, cuja essência era na forma de uma onda de luz universal, a qual se expande transformando-se numa sequencia de vários estados de vibração, que vai da fortíssima vibração inicial como raio gama e termina se fragmentando em particulas fótons depois de ter passado na longa, comprida e fraca vibração chamada radio.

E notei que a primeira forma da sequencia já estava tomada, pelas partículas materiais como quarks, elétrons, etc. A segunda estava tomada pelos sistemas chamados de átomos. A terceira estava tomada pelos sistemas astronômicos, como as galáxias. A quarta estava tomada pelos sistemas biológicos, de células primordiais a macacos. Estava vazia a quinta. Então mergulhei de corpo e alma, na forma da formula, dentro desta quinta dimensão de vibração.

E do cérebro dos macacos começou a brotar uma nuvem como um cogumelo. Era o inicio da autoconsciência, um sistema mais evoluído que o biológico. E com isso o macaco mudou de forma, suavizando um pouco, tornando-se humano, com aquele cogumelo na cabeça, o qual se tornou o córtex cerebral. Quer dizer, para a nuvem tipo cogumelo se fixar no humano, ela criou essa estrutura carnal camada de córtex.

O planeta se encheu de uma população de humanos e quando se notou que a evolução irisa parar neles, voltei e me introduzi dentro do cogumelo. O cogumelo tem milhões de raízes que entram no cérebro, cada raiz se fixa ou nasce de um neurônio, então puxei todas estas raízes formando um feixe único delas. E comecei a esticar este feixe afastando a nuvem, o cogumelo da cabeça, elevando-a no espaço. O feixe foi se esticando, tornando-se cada vez mais fino, e maneira que a nuvem podia se mover livre ate por milhares de milhas de distancia da cabeça. Mas sempre ligada a um crânio por aquele fio prateado, fazendo a função de cordão umbilical. Esta a nova formada transcendente a sair da espécie humana.

E assim esta forma da quinta dimensão vai evoluir e entrar na sexta dimensão, quando se livra totalmente do mundo material e começa a notar a presença da sétima, da oitava dimensão, e uma delas, finalmente, e’ uma única onda de luz autoconsciente. Ela banha todo o infinito e dela brota estas ondas de luz que constroem estes sistemas naturais e dentre eles correm estes ciclos, etc. O que mais acontece ai, e a nível da consciência cósmica, não adianta dizer aqui porque não temos no cérebro o aparato suficiente para entende-lo.

Problema resolvido.

Então, o que se pode fazer agora para forçar minha ( ou nossa) entrada na quinta dimensão:… Esticar o feixe. Tentar sair fora da cabeça. Dar uma de El Chapo e cavar um túnel através da parede óssea.

Mas eu não quero ir para a quinta dimensão deixando tantos entes queridos aqui, e mitos vivendo pesadelo desta condição. Então preciso entrar na quinta dimensão para tocar a sexta e me oferecer como voluntario para ficar aqui na quarta  ajudando as pessoas a se prepararem para entrarem na quinta. Isto consiste em começar pegando um homeless, uma criança na miséria, levando roupa limpa, levando para tomar um banho, fornecendo um lauto antar, leva-la no salão de cabelereiros para se dar um trato. ao dentista, ao medico, bater um papo com ela sobre o significado de as existência, e instala-la no seu território suficiente para lá produzir o básico necessário a sua sobrevivência e se quiser esforçar-se produzir mais para adquiri os supérfluos, associar-se com outros para atividades sociais construtivas, etc. Assim deixamos-las limpa es, com o cérebro em ordem, para receberem o toque e absorção da quinta dimensão. Quando todos estivermos lá… então sim, vamos viver e buscar a sexta.