Archive for março, 2017

Como e porque humanos conceituam a beleza da face e qual o segredo destas faces? Ver Video.

sábado, março 11th, 2017

xxxx

Jill Helms faz uma palestra sobre as diferenças entre faces bonitas e com defeitos. Porem devido seu pouco conhecimento ela não desce `a profundidade requerida para se entender o fenômeno em sua totalidade. Apenas o conhecimento da cosmovisão da Matrix/DNA nos revela informações sobre o tema jamais imaginadas antes. Então leia meus dois comentários copiados abaixo que foram postados no vídeo do Youtube e no meu Facebook, depois veja abaixo uma interessante descoberta baseada na formula da Matrix/DNA e depois clique no link para assistir a palestra Procure as legendas e transcript do texto em português no TED)

https://www.youtube.com/watch?v=qIDuFyXjcA0&index=6&list=PLsRNoUx8w3rPvhx_lImJfT7aiQ5tEbxoj

Reconsidering beauty | Jill Helms | TEDxStanford

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – Mar/3/11/2017

Why the genes has wired us to determine which are beautiful faces? Because it is their goal to rewards health ovules and spermatozoons. They wish the best environment for doing their job.

Beautiful faces has exactly symmetry and balance because its DNA has the same symmetry and balance. Symmetry is produced by the systemic function number 5 of Matrix/DNA universal formula for systems. Any natural system begins to be built from the bottom running to the left. Then the left face is reproduced as the right face by F5. At the RNA-world was the uracil base doing this function and it copied a strand of RNA as the right strand, creating the DNA. From here, the genes build animals faces once time entirely, but repeats the copied result of one’s DNA.
So, the golden ratio is anything else than the active act of the reproductive systemic function and measuring its point at the formula we get 1,618… the phi number.
So, the environmental/nutritional conditions inside the ovule at the moment of fecundation determines the symmetry and the balance of DNA which will be repeated at face’s formation.
A non-health ovule’s environment produces diseases and since the face is a kind of mirror of the DNA, the face will show the disease. And remember: perturbations at ovule’s environment mimics the perturbations of the external environment. That’s why rich and evolved people usually has more beautiful faces than poor people at poor regions. (If you are interested in this issue and want to see the systemic formula and understanding this issue, see the formula at my website and its explanations.)
xxxxxx
Facebook de Mar/03-12-2017
Louis Charles Morelli 

Em que estou a pensar agora? Na minha fantastica descoberta desta semana.

Os humanos criaram um preconceito baseado numa abstração da imaginação que diz: ” Existem faces bonitas e faces feias”. Este preconceito e’ muito influente na vida toda das pessoas, praticamente o principal determinador da sociedade humana para qual qualidade de vida o individuo terá. Um absurdo irracional?

Não sei se os outros animais, como cachorros e macacos, também possuem este preconceito entre eles e se criaram algum valor para determinar o que e’ face bonita ou feia. Mas assim como para nos humanos não existe diferença de faces entre macacos e todos nos parecem feios, assim também alguma inteligencia superior extraterrestre com outro tipo de corpo, com certeza nos vera’ a todos como tendo faces iguais e sendo feios.

Nesta semana assisti um vídeo do TED-Talk com uma palestra sobre este tema ( o link esta no meu artigo). A autora apresenta curiosos detalhes e informações inclusive históricos que nunca havíamos pensado. Mas como ela não conhece a base deste mundo e quem constrói faces – a formula da Matrix/DNA – ela trata o tema com seu conhecimento supérfluo e passando valores errados. No meu website nesta semana escrevi um artigo lidando com o assunto mais profundamente e descobrindo coisas que eu nunca havia pensado antes.

Porque a natureza produz faces ditas “bonitas”, onde as partes são bem balanceadas com tamanhos bem encaixados e as duas meias-faces apresentam perfeita simetria, enquanto produz outras faces – a maioria – sem estas perfeições?

A resposta esta nas diferenças do trabalho realizado pelo DNA com seus genes. Tudo e’ determinado a partir do momento que um espermatozoide alcança o centro de um ovulo e depois nos nove meses seguintes. A qualidade dos ambientes interiores do ovulo e da bolsa embrionaria mais o estado evolutivo dos genes herdados dos genitores determinam o modelo da face a ser construída.

Então, pessoas que vivem na pobreza, com um ambiente externo cheio de obstáculos, perturbações, e muita escassez de nutrimentos e acomodação do organismo, tem estas situações projetadas para dentro do ovulo e saco embrionário. Pessoas mais afortunadas que nascem em berços ricos e ambiente externo pacifico, controlado pelos humanos, com boa nutrição, projetam isto para o interior e processamento da gestação. Para ver isto basta comparar o físico de alemães com indígenas nativos, ou o povo desafortunado de Bangladesh.

O que me deixa atônito e’ como estes conhecimentos tao básicos não são a base de áreas como psicossociologia, economia,etc. A suprema missão do ser humano seria lutar para melhorar a qualidade de vida e manter a evolução mental da humanidade. Senão, para que fazer filhos e deixar novas gerações? E um dos mais urgentes assuntos a resolver e’ a pobreza que afeta a maioria dos humanos, a qual dentre outras mazelas, produz os organismos imperfeitos.

Existe detalhes mais profundos a conhecer neste assunto das faces, para entende-lo na sua totalidade. Como este que citei no artigo:

A simetria ou assimetria são a primeira causa do que aos nossos olhos parece bonito ou feio. Uma face ‘e dividida ao meio exato vertical, com a linha fronteiriça passando desde a testa, para o meio dos olhos, das duas narinas, da boca, do queixo, das mãos e pernas. Se ano existisse esta forca natural e seu mecanismo especifico denominado simetria, nada impediria que organismos tivessem um, três, ou cinco olhos, mãos, narizes, etc. Queríamos ter mais mãos, varias bocas – uma para comer ao mesmo tempo que outra para beber, outra para falar, etc. Mas a simetria impede que nossos esforços se realizam na forma física.

O fenômeno da simetria vem sendo observado e estudado desde a Grécia antiga, onde os filósofos descobriram a “golden ratio”, ou a razão dourada, ou ainda a geometria sagrada. E a representaram matematicamente com um numero, 1,618,… chamado numero “phi” porque mediram esta simetria nas espirais das plantas, flores e outros fenômenos naturais, como os lábios humanos, e sempre resulta no mesmo numero. Então se acredita num desenho supernatural inteligente.

Mas com a formula da Matrix/DNA eu descobri de onde vem este mecanismo e porque este numero. Esta explicado no artigo do meu website e na formula. Os DNA’s masculino e feminino são divididos ao meio vertical e repetem o que aconteceu nas origens da vida, no RNA-world – quando uma haste de RNA tem seu circuito energético continuado nas pontas para repetir a figura e propriedades da haste ou face esquerda na forma da haste ou face direita. Porem, este conhecimento imediatamente nos leva a perceber como é importante o estado ou qualidade do ambiente interno do organismo produzido pelo ambiente externo nos meses da gestação. E assim surgem as sugestões do que devemos fazer para na humanidade todos as pessoas nasçam com um organismo mais perfeito. E isso é de uma importância imensurável..

Veja na formula na formula da Matrix/DNA o que é o principio da simetria:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

A função dos sistemas responsável pelo fenômeno da simetria é a função numero 5 – a função da reprodução do sistema ( funções sistêmicas são diferentes forças naturais que surgiram das sete frequências/vibrações das ondas de luz, mas isto é uma outra historia mais complicada. Costumo pensar que funções são os obreiros construtores universais). Esta função se materializa nos sistemas criando um corpo físico para se expressar, de acordo com o tipo de sistema, os materiais disponíveis, o meio ambiente, etc. Então para atuar nos sistemas astronômicos ela produziu os cometas, nos sistemas vivos ela produziu o espermatozoide ou pólen, na genética ela produziu a base nitrogenada chamada uracila, no sistema celular ela produziu os tipos de RNA que se movem dentro da célula.

Todos os sistemas naturais são evoluções de sistemas anteriores. Os novos sistemas surgem com mais complexidade e novas formas. Existem dois métodos aplicados pela Natureza para produzir sistemas. O primeiro e’ feito criando inicialmente um tipo de corpo e em seguida aplicando nele a força do ciclo vital, a qual o transforma em varias formas com diferentes funções. Depois por simbiose a Natureza conecta estas diferentes formas sempre seguindo a sequencia do ciclo vital, e as formas se tornam as partes do sistema. Depois de assim gerado uma nova forma do sistema universal, a Natureza aplica o segundo método, que e’ simplesmente a auto-reprodução do original.

Então vejamos como foi montado o sistema DNA a partir da entropia do sistema astronomico que criou o DNA. Primeiro surge a forma de um corpo biológico que sera o núcleo do DNA. Esta foi a molécula atrelada na haste, que chamamos de açúcar desoxirribose. Em seguida o principio vital transformou ou produziu esta molécula em outras formas consecutivas, e assim surgiram as 5 bases nitrogenadas. Agora precisava conectar todas estas formas num só sistema. Então a conexão começa com um circuito de energia/informação a partir do corpo inicial, que na formula e’ F1. O circuito vai subindo no sentido horário `a esquerda, captando F2, F3 e F4. Aqui o circuito se bifurca em duas metades: uma vai continuar a forma esférica para gerar a maturidade e envelhecimento, a outra vai retornar a F! como energia crescente para realimentar F1 e produzir novo ciclo apos a morte da parte esférica. Isto é reprodução do sistema.

Então notamos que primeiro a Natureza produziu a meia-face esquerda do DNA, com uma so haste, três moléculas penduradas nela, o que se chamou RNA. Em seguida a F5 toma a meia-face esquerda como modelo e a repete como a meia-face direita. Assim a direita sera simétrica `a primeira.

Claro, existem outras coisas a considerar aqui, por exemplo, a diferença de que na meia-face esquerda a energia do sistema esta crescendo até atingir o pico em F4 e a partir dai começa a entropia do sistema e a meia-face direita terá a energia em queda, o que produz a degeneração e envelhecimento do sistema. O nosso cérebro é outro bom exemplo, e esta descoberta nos leva a entender porque estamos usando mais o hemisfério esquerdo e porque o hemisfério direito tem propriedades tao estranhas ao nosso raciocínio logico.

Mas a formação da face humana pelos genes já ocorre pelo segundo método, onde uma figura intermediaria entre os modelos de faces do pai e da mãe é gerada e reproduzida por inteiro. E não são os genes que determinam o modelo, mas sim a identidade de sistemas, no caso, o sistema DNA. E como fora do organismo, existe a biosfera, a qual contem o DNA vindo do sistema astronomico e dividido em fótons solares e terrestres, existe uma relacao de conflito no processo da gestação humana, entre o DNA humano que procura o estado harmônico da ordem e o DNA astronomico que aqui chega no estado de caos. Depende do estado evolutivo e saúde do DNA humano, se ele vai se impor ao DNA cósmico ao modelar a face ou se ele ainda esta’ fraco e o DNA cósmico vai dominar o processo. Assim surge a face bonita ou a face imperfeita.

Mas tudo o que eu digo aqui nada mais a forma como estou interpretando a formula. Outras mentes com diferentes experiencias podem descobrir detalhes mais importantes na formula. Por enquanto apenas escrevo minhas teorias… e não sou nada petante a Verdade, com este meu cérebro débil e super-limitado para conhecer a Verdade. Como eu ano acredito sem fazer os testes experimentais científicos, não acredite no que minha interpretação esta sugerindo. Você vale mais para minha missão se tiver sua mente aberta e independente para me ajudar a progredir mentalmente. Que a força física da Matrix perfeita e a sabedoria da consciência universal esteja contigo…

O Mistério e as Nossas Conquistas da Dimensão Quântica: Informativo Video

sexta-feira, março 10th, 2017

xxxx

Quantum Fields: The Real Building Blocks of the Universe – with David Tong

 

https://www.youtube.com/watch?v=zNVQfWC_evg

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli Mar-03/10/2017

Matrix/DNA Theory suggests the patterns that are missing to Physics and Math in this equation, but, the patterns are biological. The fundamental unit of life – DNA – is merely an evolved shape of a kind of DNA building galaxies and atoms,and at universal scale we call it “the Matrix/DNA” and we have it as a intelligible formula. What’s this fluctuations in the vacuum? Think about your body composed by hard bone skeleton surrounded by soft meat and liquid substances. The method and approach by Physics and Math can grasp the bone skeleton, but the meat and liquid substances appears as these quantum fluctuations, where a whole very complex world exists. So, this is what Physics and Math are describing very well when seeing particles, forces, energy, etc.: the skeleton of the Universe, the fossils of our ancestrals systems that became the frame for life. We can not understand the deep meanings of the skeleton without seeing the biological cover. It is the meat and substances that creates and produces the skeleton. Matrix/DNA has found that a single light wave like those emitted at the Big Bang has the code for life, it appears to be a living thing. So, this talk from Physics and Math perspective of the Universe should be followed by a talk from the Matrix/DNA world view. It would be very interesting. This equation will be more significant seeing how it fluctuates moved by the force of vital cycles composing a operating complete natural system.
xxxx
https://www.youtube.com/watch?v=zNVQfWC_evg

A Primavera Árabe demonstra que a solução para a humanidade não e’ politica, econômica, nem social.

sexta-feira, março 10th, 2017

xxxx

O mundo humano parece não ter outro futuro senão a sua extinção ( porque esta’ seguindo o mesmo roteiro das especie extintas e a esperança na auto-consciência que deveria produzir a inteligencia esta se entorpecendo.) Mas porque?

A experiencia de Wael Ghonim ( um egipcio engenheiro do Google), revela a explicação nesta excelente palestra cujo link para o video vai abaixo). Ele ajudou a desencadear a Primavera Árabe, na sua casa no Egito… abrindo apenas uma página no Facebook. Conforme revela, depois de a revolução se ter espalhado pelas ruas, passou de promissora a confusa, depois a terrível e penosa. E com as redes sociais aconteceu a mesma coisa. O que tinha sido um local para unificar a população, empenhá-la e torná-la participativa, tornou-se um campo de batalha. Wael pergunta: O que é que podemos fazer agora quanto ao comportamento online? Como é que podemos usar a Internet e as redes sociais para criar civilidade e uma discussão racional?

Esta polarização ou divisão da população em dois grupos inimigos entre si que Wael revela tem uma causa oculta e profunda. Ela desce as nossas origens e ate mesmo as origens da vida na Terra. Os humanos são filhos do caos. Quem não percebeu isso, faça como eu e vá viver anos isolado na selva para conhecer o lugar de onde viemos. A biosfera em estado de caos criou e forjou a genética e comportamentos de nossos ancestrais de outras especies. A formação do planeta já foi em estado de caos e por bilhões de anos a cada 50.000 anos a superfície era estremecida e invadida pelas lavas do interior e nesse meio a vida surgiu. E isto modelou e lapidou a nossa genética. A luta pela sobrevivência em meio a carnificina gerou o gene egoísta que inconfessavelmente cada um manteve e alimentou para que ele modelasse nossa psique. A qual ainda tem na forma abstrata o canino do grande predador, a ferocidade e parasitismo do médio predador e a fraqueza da presa.

Esta dita polarização de que tanto se fala hoje na America, no Brasil, no Egito e provavelmente no mundo todo, na verdade é uma tripolarização e vem daqueles três instintos. Todos os sistemas sociais criados pelo homem ate hoje – seja o feudalismo, o capitalismo, a monarquia, o comunismo ou o socialismo – imitam exatamente a divisão de poder e as regras entre os animais na selva, nos ares e nos oceanos. Assim estes sistemas sempre apresentaram as divisões entre a aristocracia dos grandes predadores, a classe media dos médios predadores, e a classe pobre ou escrava das presas. Por isso na historia pessoas como Wael sempre terminam por se arrependerem quando acreditaram que o absurdo sistema social de seu povo poderia ser mudado com algum método imediatista.

Wael queria a mudança para uma sociedade pacifica e ordeira e ele se acredita exemplar porque não tomou o partido de nenhum dos dois grupos opositores. Ele se engana a si próprio porque ele não conhece a si próprio porque ignora as suas origens como esta clarificada acima. Se ele tivesse sido alçado ao poder, ele teria produzido um regime que teria no centro dos privilégios, a sua classe dos médios predadores. Ele hoje é um funcionário do Google, ele esta’ vivendo o papel de médio predador, como sempre viveu antes. E seu povo estaria no caminho errado, sofrendo injustiças e insatisfeito também.

Wael acredita que a Internet possa ser o fator de mutação que a humanidade tanto necessita. Mas ele mesmo aponta o fator que anula esta pretensão. Ele informa que um terço da humanidade tem Internet. Mesmo que ele detectasse o real problema, descobrisse a visão de mundo que produziria o efeito desta mutação, ele não levaria esta mutação aos outros dois terços- 5 a 6 bilhões de pessoas – que na sua maioria consiste dos genes com tendencia a massa retrograda, reacionária, das ovelhas.

O caos nos condenou antes antes de nascer-mos a “comer nosso pão com o suor do nosso rosto”. Nascemos como sistemas abertos, os quais dependem de energia externa e outros acomodativos para sobreviver. E uma segunda condenação que nos diz” tentaras progredir mentalmente e tecnologicamente antes que o planeta perca suas propriedades de suportar a vida”. Mas as classes A e B jamais se submeteriam `a primeira condenação, e a classe C, `a segunda. Wael que ser trabalhador sentado de computador e se puder vai abocanhar a maior quantidade de propriedades, ele nem sequer imagina-se arregaçando as mangas e fazendo sua parte do trabalho árduo e sujo e jamais dividiria suas terras ate ficar com o lote suficiente e necessário para ele sobreviver. E com isso, a humanidade vai para o desfecho da não obediência as condenações da Natureza, como os dinossauros, os leões, as águias, as baleias, e em seguida as ovelhas com a devastação da vegetação, vão para o mesmo caminho: a extinção.

Mas existe uma porta aberta. A auto-consciência não veio do caos, ainda não chegou na sua maturidade e potencialidade, não sabemos de onde ela vem. Ela pode ser uma força tentando nos conduzir a nossa transcendência. Mas ela esta atada a psique, esta ainda tem caninos, chifres e a melosa baba das ovelhas. Conseguira ela proceder a grande mutação dessa psique? Antes da Terra receber os últimos chocalhos do caos?

Seja como for, não sera’ a Internet e nem a energia gratuita do sol que produzira esta mutação. E’ da natureza dos predadores sempre vampirizarem as ovelhas para satisfazerem a necessidade mortal de seus caninos, e é da natureza das ovelhas manter a cabeça baixa pastando para que as partículas-informação da consciência que pairam no ar não as alcance. Uma unica estrategia descoberta pelos humanos no sentido de ajudar esse esforço que vem de fora a se sedimentar antes da extinção tem que ser voltada a atuação sobre a consciência de toda humanidade, das três classes. Essa estrategia tem que ser exorcista, imunizadora, do vírus entranhado na nossa carga genética. Essa descoberta tem que ser o despertar para a visão correta do mundo que consiga produzir uma desconstrução cultural simultânea nas três classes pela re-interpretação de todos os detalhes, todos os fenômenos naturais, a qual revela a outra face oculta da Natureza, o estado de ordem. Este que governa o equilíbrio do macro-universo e suas arquiteturas. A desconstrução cultural é a lapidação da psique eliminando aqueles ranços animalesco  e com isso vem o exorcismo. Esta é uma estrategia muito difícil, porem não vejo nenhuma outra alternativa. Mas ela é factível pois é possível descobrir a cosmovisão da verdade, haja visto que ja temos a descoberta da cosmovisão da Matrix/DNA que se aproxima bastante da final que necessitamos.

Então vamos ver a interessante palestra de Wael e aprender com sua experiencia. Para quem quer ver a legenda em português, clique no subtitles e escolha o idioma. Também tem o transcript do texto inteiro em português, o qual copiei abaixo para reler e sublinhar as informações principais.

 

http://www.ted.com/talks/wael_ghonim_let_s_design_social_media_that_drives_real_change?language=pt

Transcript:

0:12 Eu uma vez disse: “Se queremos libertar uma sociedade, “só precisamos da Internet.” Enganei-me.

0:21 Eu disse estas palavras em 2011, quando uma página de Facebook que eu criei anonimamente ajudou a desencadear a revolução egípcia. A Primavera Árabe revelou o maior potencial das redes sociais, mas também expôs os seus maiores defeitos. A mesma ferramenta que nos uniu para derrubarmos ditadores acabou por dividir-nos. Eu gostaria de partilhar a minha experiência relativamente ao uso das redes sociais para o ativismo, e falar sobre alguns dos desafios que enfrentei pessoalmente e sobre o que é que se poderia fazer.

0:58 No início da década de 2000, os árabes começavam a inundar a Internet. Sedentos de conhecimento, de oportunidades para se ligarem com o resto das pessoas em todo o mundo, escapávamos às nossas frustrantes realidades políticas e vivíamos uma vida alternativa virtual. Tal como muitos deles, também eu era completamente apolítico até 2009. Na altura, quando eu me liguei às redes sociais, comecei a ver cada vez mais egípcios que desejavam uma mudança política no país. Senti que não estava sozinho.

1:39 Em junho de 2010, a Internet mudou a minha vida para sempre. Enquanto navegava no Facebook, vi uma fotografia, uma fotografia terrível de um corpo, um cadáver torturado de um jovem egípcio. Chamava-se Khaled Said. Khaled era um alexandrino de 29 anos que fora morto pela polícia. Vi-me a mim mesmo na fotografia dele. Pensei: “Eu podia ser o Khaled.”.

2:11 Não consegui dormir nessa noite, e decidi fazer qualquer coisa. Anonimamente, criei uma página no Facebook e chamei-lhe “Somos todos Khaled Said.”. Em apenas três dias, a página tinha mais de 100 000 pessoas, outros egípcios que partilhavam a mesma preocupação. O quer que fosse que se estava a passar tinha de parar.

2:35 Recrutei o meu co-administrador, Abdel Rahman Mansour. Trabalhamos juntos horas e horas. Recolhemos ideias de pessoas na multidão. Tentávamos envolvê-las.Clamávamos colectivamente por ação, e partilhávamos notícias que o regime não queria que os egípcios soubessem. A página tornou-se a página mais seguida no mundo árabe. Tinha mais fãs que alguns órgãos de comunicação reputados e mesmo mais que algumas super-celebridades.

3:05 A 14 de janeiro de 2011, Ben Ali fugiu da Tunísia após protestos crescentes contra o seu regime. Eu vi uma centelha de esperança. Nas redes sociais, os egípcios pensavam: “Se a Tunísia conseguiu, porque é que nós não conseguimos?”.Publiquei um evento no Facebook e chamei-lhe “Uma Revolução contra a Corrupção, a Injustiça e a Ditadura.”. Fiz uma pergunta aos 300 000 utilizadores da página, na altura: “Hoje é 14 de Janeiro. “o dia 25 de Janeiro é o Dia da Polícia. “É um feriado nacional. “Se 100 000 de nós tomarmos as ruas do Cairo, “ninguém nos vai parar. “Será que o conseguiremos fazer?”

3:53 Em apenas poucos dias, o convite chegou a mais de um milhão de pessoas; e mais de 100 000 pessoas confirmaram a sua presença. As redes sociais foram fundamentais para esta campanha. Ajudaram ao levantamento de um movimento descentralizado. Fizeram as pessoas perceber que não estavam sozinhas. E fizeram com que fosse impossível o regime pará-la. Na altura, nem sequer a compreenderam. E a 25 de Janeiro, os egípcios inundaram as ruas do Cairo e de outras cidades, exigindo uma mudança, quebrando a barreira do medo e anunciando uma nova era.

4:32 Depois vieram as consequências. Umas horas antes de o regime bloquear a Internet e as telecomunicações, eu caminhava numa rua escura no Cairo, por volta da meia-noite. Eu tinha acabado de twittar: “Rezem pelo Egito. “O governo deve estar a planear um massacre para amanhã.”

4:52 Fui atingido com força na cabeça. Perdi o equilíbrio e caí, e de seguida vi quatro homens armados à minha volta. Um deles tapou-me a boca e os outros paralisaram-me. Eu sabia que estava a ser raptado pela segurança do estado.

5:09 Dei comigo numa cela, algemado e vendado. Estava aterrorizado. Assim como a minha família, que começou a procurar-me nos hospitais, nas esquadras de polícia, e até nas morgues.

5:25 Depois do meu desaparecimento, alguns dos meus colegas que sabiam que eu era o administrador da página contaram à comunicação social a minha ligação com essa página, e que eu provavelmente tinha sido preso pela segurança do estado. Os meus colegas na Google começaram uma campanha de busca para tentar encontrar-me e os outros manifestantes na praça de Tahrir exigiram a minha libertação.

5:47 Depois de 11 dias de absoluta escuridão, fui libertado. E três dias mais tarde,Mubarak foi obrigado a renunciar. Foi o momento mais inspirador e emancipador da minha vida. Foi um tempo de grande esperança. Os egípcios viveram 18 dias de utopia durante a revolução. Todos partilhavam a crença de que poderíamos viver juntos apesar das nossas diferenças, que o Egito, depois de Mubarak, seria para todos.

6:18 Mas infelizmente os acontecimentos do pós-revolução foram como um murro no estômago. A euforia dissipou-se, não conseguimos formar um consenso, e a luta política conduziu a uma polarização intensa. As redes sociais só amplificaram essa situação, ao facilitarem a propagação de desinformação, rumores, câmaras de ressonância e discursos de ódio. O ambiente era puramente tóxico. O meu mundo online tornou-se um campo de batalha cheio de provocações, mentiras, discursos de ódio. Comecei a preocupar-me com a segurança da minha família. Mas, claro, isto não tinha que ver apenas comigo. A polarização atingiu o seu pico entre as duas forças principais — os apoiantes do exército e os islamistas. As pessoas ao centro, como eu, começaram a sentir-se impotentes. Ambos os grupos queriam que ficássemos do seu lado; ou éramos a favor ou contra eles. E, a 3 de julho de 2013, o exército depôs o primeiro presidente do Egito democraticamente eleito,após três dias de protestos populares que exigiam a sua demissão.

7:33 Nesse dia tomei uma decisão muito difícil. Decidi ficar calado, absolutamente calado. Foi um momento de derrota. Mantive-me calado durante mais de dois anos,e usei o tempo para refletir sobre tudo o que tinha acontecido, tentando compreender porque é que acontecera. Tornou-se claro para mim que, apesar da polarização ser guiada principalmente pelo nosso comportamento humano, as redes sociais modelam este comportamento e amplificam o seu impacto. Digamos que queremos dizer algo que não se baseia em fatos, arranjar conflitos ou ignorar alguém de quem não gostamos. Tudo isto são impulsos humanos naturais, mas, por causa da tecnologia, agir segundo esses impulsos está à distância de apenas um clique.

8:23 Do meu ponto de vista, há cinco desafios críticos que as redes sociais enfrentam, hoje em dia 

8:29 Primeiro, não sabemos como lidar com rumores. Os rumores, que confirmam os preconceitos das pessoas, são considerados verdadeiros e espalham-se por milhões de pessoas.

8:41 Segundo, nós criamos as nossas próprias câmaras de eco. Temos tendência a comunicar apenas com pessoas que concordam connosco e, graças às redes sociais, podemos silenciar, deixar de seguir e bloquear todas as outras pessoas.

Terceiro, as discussões online rapidamente se transformam em multidões zangadas.

9:02 Todos nós provavelmente sabemos isso. É como se nos esquecêssemos que as pessoas por detrás dos ecrãs são mesmo pessoas reais e não apenas avatares.

9:12 Quarto, tornou-se verdadeiramente difícil mudar de opinião. Por causa da velocidade e da brevidade das redes sociais, somos forçados a tirar conclusões precipitadas e a escrever opiniões acutilantes em 140 caracteres sobre assuntos complexos do mundo. E, logo que o fazemos, fica para sempre na Internet, e temos menos motivação para mudarmos de posição, mesmo quando surgem novas evidências.

9:39 Quinto — e, na minha perspectiva, este é o mais crítico — hoje as nossas experiências com as redes sociais estão planeadas de um modo que favorece a difusão em lugar de envolvimento, favorece as publicações em vez de discussões, os comentários vazios em vez de conversas profundas. É como se concordássemos que estamos aqui para falarmos uns para os outros, em vez de falarmos uns com os outros.

10:04 Eu testemunhei o modo como estes desafios críticos agravaram a polarização já existente na sociedade egípcia, mas isto não tem apenas que ver com o Egito. A polarização está a crescer em todo o mundo. Precisamos de nos esforçar por compreender como é que a tecnologia poderá ser parte da solução, e não parte do problema.

10:26 Há um grande debate hoje em dia sobre como combater a intimidação online e como combater as provocações. Isto é muito importante. Ninguém poderá dizer o contrário. Mas também precisamos de pensar em como conceber experiências de redes sociais que promovam o civismo e recompensem a ponderação. Sei por experiência que, se escrever uma publicação mais sensacionalista, mais parcial, por vezes irada e agressiva, tenho mais gente a ver essa publicação. Vou ganhar mais atenção.

10:58 E se nos focarmos mais na qualidade? O que é mais importante: o número total de leitores de uma publicação que escrevemos ou quem são as pessoas que têm impacto e que lêem o que escrevemos? Não poderíamos simplesmente dar mais incentivos às pessoas para se envolverem em conversas, em vez de apenas difundirmos opiniões a toda a hora? Ou recompensar as pessoas por lerem e responderem a pontos de vista com os quais discordam? E também, tornar socialmente aceitável mudarmos de opinião, ou até mesmo recompensar essa mudança? E se tivermos uma matriz que diga quantas pessoas mudaram de opinião, e isso se tornar parte da nossa experiência nas redes sociais? Se eu pudesse seguir quantas pessoas vão mudando de opinião, provavelmente escreveria com mais consideração, tentando eu próprio mudar, em vez de apelar às pessoas que já concordam comigo e “gostar” apenas porque acabei de confirmar os preconceitos delas.

11:54 Também precisamos de pensar em mecanismos eficazes de “crowdsourcing” para verificar informações largamente difundidas online e recompensar as pessoas que contribuam para isso. Em suma, precisamos de repensar o ecossistema atual das redes sociais e redesenhar as suas experiências para recompensar a ponderação, o civismo e a compreensão mútua.

12:16 Enquanto crente da Internet, juntei-me com alguns amigos, iniciei um novo projeto, na tentativa de encontrar respostas e explorar possibilidades. O nosso primeiro produto é uma nova plataforma para conversas. Estamos a acolher conversas que promovem a compreensão mútua e, com sorte, mudam mentalidades. Nós não alegamos ter as respostas, mas começamos a experimentar com diferentes discussões sobre assuntos muito fracturantes, tais como raça, controlo de armas, o debate sobre os refugiados, a relação entre o Islão e o terrorismo. Estas são conversas que importam.

12:53 Hoje em dia, pelo menos uma em cada três pessoas no planeta tem acesso à Internet. Mas parte desta Internet mantém-se refém dos aspectos menos nobres do nosso comportamento humano.

13:09 Há cinco anos, eu disse: “Se quiserem libertar a sociedade, “só necessitam da Internet.”

13:18 Hoje, acredito que, se queremos libertar a sociedade, temos primeiro de libertar a Internet. Muito obrigado. (Aplausos).

xxxxx

Parecer da Matrix/DNA:

O texto serve como evidencia para a teoria que descrevi acima. A polarização surgiu entre grandes predadores ( aristocracia por trás dos generais do exercito) e os islamitas, as ovelhas. Enquanto isso, as pessoas de centro ( os lobos, as raposas) se viram impotentes, mas sera’ sempre assim pois na verdade, é a classe mais fraca das três. Eles não tem a força, a ferocidade e radicalismo dos leões para sujeitar o enorme numero de todas as ovelhas, ao mesmo tempo que não tem a força para vencer os leões.

Mas e’ preciso lembrar que a humanidade veio da selva na forma de um ancestral que era carnívoro e vegetariano ao mesmo tempo. O que significa que ao nascer, cada humano ainda não tenha determinado instinto. Sera a educação familiar e social no local onde ele nascer, a cultura que modela seu comportamento, que fara expressar um dos três instintos. Alem disso, mesmo que a pessoa nasça, digamos dentre as ovelhas, alguma forma de mutação casuística ao nascer pode revelar uma ovelha com tendencia a predador. Sao vários exemplos, um bem conhecido e’ o caso do Presidente Lula, do Brasil.

Segundo Wael, ninguém conseguia mudar de opinião. Isto porque a opinião esta’ determinada no inconsciente, na psique. E por fim ele denuncia a vileza do comportamento humano. Sim, é um comportamento forjado pelo estado de caos da Natureza.

E o comentario que postei no TED:

Louis Morelli – Posted 3/10/2017
For his project and dealing with movements like that in Egypt, the engineer Wael need a Biologist and a Psychologist. There was/is no polarization, but three groups, included the group of Wael. The very cause goes back to humans origins and even life’s origins. I learned it living years isolated at Amazon jungle, from where came ours ancestrals.

All social systems created by humans ( be it monarchy, communism, capitalism, etc.) mimics the division of power and the rules among the animals in the jungle. There is the big predators ( the aristocracy behind the arm’s chiefs), the medium predators ( the medium class of Mr. Wael) and the preys (the islamitas). These instincts are encrypted at our genetics which produces our psyche. The bias for predators has hidden canines in their physique and they will die trying to keep their territories and preys, because they can not live in a equalitary system.

Internet is merely a tool being driven by humans. The nature of humans is the decision making. If you want a movement towards the transcendence of humans before their extinction due the transformations of the planet, you need a strategy for exorcising these instincts from our genetics and its product – the psyche. And the unique strategy that is trying to do it and has the weapons for doing it is the Matrix/DNA world view

Quântica, Dupla Fenda: Ótimo video

quinta-feira, março 9th, 2017

xxxx

Mecanica cuantica: experimento doble ranura

https://www.youtube.com/watch?v=x53UGGB7XMI

Livro para aprender sobre grandes predadores humanos ( Wall Street)

quarta-feira, março 8th, 2017

xxxxx

https://www.goodreads.com/review/show/1928414083?utm_medium=api&utm_source=custom_widget

Straight to Hell: True Tales of Deviance, Debauchery, and Billion-Dollar Deals

by John LeFevre

 John Lefevre, autor de @GSElevator, nos cuenta su vida como jefe de la mesa de Syndicate de Citi Bank, en una aventura que le llevó a Londres y luego a Hong Kong.
El libro está muy, muy bien escrito. Narra las juergas continuas, los pisotones, las puñaladas por la espalda, el lujo y en general todos los tópicos atribuidos a los despreciables banqueros de Wall Street. ( cont. a ler)

Interessante Historia da Grande Depressão de 1929

quarta-feira, março 8th, 2017

xxxxx

Um grande momento de aprendizagem na minha vida. Achei um website de uma de uma mulher de 103 anos contando a historia vivendo no Tenessee de 190o,  como era a escola na epoca, e como passaram pela Grande Depressão de 1929. Esta historia devia ser lida por brasileiros que não tem noção de como o povo americano sofreu para chegar onde chegou hoje. E ao mesmo tempo me deparo com a noticia de que esta sendo prevista uma grande depressão no Brasil (veja no link abaixo). Achei o momento oportuno para comparar as duas situações, e para prever o que pode acontecer no Brasil. Sugiro que va’ ao website com link abaixo e veja a coleção de fotos daquela época. Uma obra prima!) ( para quem não lê inglês, prometo que voltarei aqui para traduzir)

A maior depressão da História do Brasil

https://www.conversaafiada.com.br/economia/a-maior-depressao-da-historia-do-brasil

xxxxx

e o link para ver o website fonte da historia:

From Little Lot to the Great Depression

http://www.krampf.com/content/little-lot-great-depression

Lizzie Jim Sanders

My mother wrote the following story about my grandmother, Lizzie Jim Sanders. It was published in the local paper of Hickman County, TN. Little Lot (in Hickman County) is the name of the town where my grandmother grew up. It’s about 40 miles south of Nashville, in a very rural part of Tennessee.

LIzzie Jim, a garota de branco,(quarta da esq. para dir) na sua infância no Tenesse In this picture, left to right – Ewell Coleman (Mammy’s brother), Hershel Hub Sanders (baby), Lizzie Coleman Sanders (Mammy), Lizzie Jim Sanders Farmer (young girl), Rufus C. Coleman, Mattie Totty Coleman, Grace Sanders Anderson (young girl), Dewey Keys (son of Louella Coleman Keys, Aunt Lou, who was Mammy’s sister). I don’t know the name of the cow behind the bush. Rufus C. and Mattie Totty Coleman wer

From Little Lot to the Great Depression

( De um pequeno sitio para a Grande Depressão)

Lizzie Jim Sanders graduated from Little Lot School in 1922, and with her diploma in hand, headed for Nashville. She took her extra homemade dress in a sack, along with a little “egg money” from her mother. Her cousin, Dewey Keys, had gone to Nashville a year or two before her. He came back to marry Rose Fitts, and they had a home in Nashville where Lizzie could stay. Rose even had a job lined up for her.

Por volta de 1900, eles tinham que irem com baldes no posco longe da casa para obter a água para beber, tomar banho e lavar roupas. This is Jim Sanders on the Jones farm, going to the well in the middle of the field. In the summer, the well near the house would go dry, and they would have to walk to the well in the field for water to drink, take a bath, and wash clothes.

First, Lizzie changed her name to Elizabeth. It sounded more like a “city” name. Then she went with Rose to Federal Can Company, where she got a job running a machine that made cans for Maxwell House coffee and King Leo Peppermint candy. The owners treated the employees well, and the workers were friendly. Elizabeth felt at home in her new job. And it paid “by the piece”, so the faster she worked, the more money she made.

 

She lived just a short walk across the bridge over the Cumberland River from downtown Nashville. There were more stores than she had ever seen. Soon she was
spending most of her paycheck in those stores. She had never had a “store bought” dress. Now she had a closet full of them. She bought coats with fur collars, shoes with silver buckles on them, and every Saturday she had her blonde hair shampooed and set with curls and waves.

Elizabeth met Robert Farmer, who also worked at the factory. They were married in 1926. They rented a room from Dewey and Rose, who had turned their home into a rooming house. Soon, they moved into a rented house of their own.

Escola no Tenessee em 1910. Robert Farmer, que viria a se casar com Lizzie Jim em 1926 e’ o garoto mais alto de cabelo preto e paleto escuro, terceiro da dir. para esq. na fila de tras.

Work at the factory began to slow down. To keep from laying off anyone, the owners cut everyone’s hours. Some weeks they would work three days, some they would work two days, and then sometimes there would not be enough work for even one day for everyone.

The owners began to serve a lunch of white beans and cornbread to the workers every day. It saved the workers a few precious cents. Some people could not get by on the smaller salary, and lost their houses or apartments. Often they came to stay with Elizabeth and Robert until they could find a way to get back to their hometown. One by one their friends had to leave Nashville and go back home. There were just not enough jobs available.

Hickman County was close enough that Elizabeth and Robert could make a trip back there on the weekend and bring back food. In the summer, there were vegetables from the large garden, fruit from the fruit trees and eggs aplenty from the many hens. In the winter there were canned berries and fruit, and smoked meat from the hogs they killed. And they ate plenty of catfish from the Duck River, and fried chicken, rabbit and squirrel.

Their friends begged to go “home” with them, and thought the large farm on Duck River where Mr. Sanders worked was like paradise. They could catch fish in the river, hunt rabbits and squirrels, and eat food prepared by Elizabeth’s mother. It was difficult to get in the car and go back to the real world where work was harder and harder to get, and bills stacked up, and broken things did not get fixed because of lack of money.

Difficult times make people do desperate things. A number of people found a way out by jumping off one of the bridges in Nashville that crossed the Cumberland River. One day, as Elizabeth walked across the bridge closest to where they lived, a man came running past her and leaped over the rail into the river to his death.

Daily, people knocked on the kitchen door, asking for a sandwich to eat, and offering to do a little work for it. The summer heat was oppressive, and many people took their blankets and slept in the parks.

Eventually, the factory could not meet expenses. The owners sold it to a larger company, and as the hard times began to end, the new owners announced that they were moving to Memphis, and anyone who wanted to transfer would have a job waiting in Memphis.

In 1933, Elizabeth and Robert and most of the workers who were still employed packed up their belongings and headed for Memphis. Once again, Elizabeth had a relative there who let them spend one night – but only one – and helped them find a room to rent.

With the larger company, and better times, work picked up. Hard times teach hard lessons. There were no more coats with fur collars. There were no fancy shoes with silver buckles. And dresses went back to being well made, but home made. Remembering how it was with no money, Elizabeth and Robert made sure to save a small portion of each paycheck.

They never used the word “Depression”. They were too busy living it to give it a name. They were fortunate that they were not in debt, and they had Hickman County to feed them. Even today, at 103 years, Elizabeth is very careful with every penny she has, with one exception. She decided many years ago that the beauty shop is definitely a necessity, not a luxury.

Lizzie Jim com 103 anos, em Menphis, e todas as criancas sao seus netos. Left to right – Mike Hill, Shelly Hill Harwell, Ronnie Sanders (in back), Dicky Evans, Rob Krampf (in yellow shorts), Mammy, Sandra Evans, Sharla Krampf Brechbill. Taken at Riverside Park in Memphis.

 

Lizzie Jim sobreviveu `a Grande Depressão e com 100 anos de idade tinha esta casa

 

xxxxxxxxx

Second Grade in 1912

Several years ago, my second graders wrote letters to my grandmother, Lizzie Jim Sanders Farmer. She and my mother, Shirley Farmer Krampf, wrote this as a reply.

——————

I was in second grade a very long time ago. It was 1912, Tenessee. Many of the things that you have at home and at school had not been invented yet. A hundred years from now, people will wonder how you were able to live without some on the things that will be invented between now and then. Since they have not been invented, we don’t even know what they will be.

When I was in second grade, I lived a long way from a city. I lived in a little community. Farms were all around it. It was about 15 miles from a small town and fifty miles from a city. To get to the small town or the city, we had to ride in a wagon pulled by a mule. My house had no electricity because no one in our area had electricity. Even though electricity had been invented, the wires that carry electricity did not come out into the farmland until many years later. We got our light from lamps filled with oil, and from the fireplace. Anything that has to be plugged into the wall, we did not have.

No refrigerator, no freezer, no TV, no video games, no CD player, no Ipod.
no computer.

I walked about a mile and a half to school when I was in second grade. A few years later, we moved from the very small community to the farm where my father worked, and I had to walk about three miles to school. On rainy days, my father took us on a mule. If the weather was very bad, we stayed home and worked in the barn shelling corn or cleaning out the stalls where the cows stayed. Sometimes we cleaned the ashes out of the fireplace and the stove, and saved them outside in a bucket. My mother used the ashes to make hominy from dried corn. We could make it to eat in the wintertime, when the corn was no longer growing in the garden. She also used the ashes to make soap.

When we lived in the small community, we had a cow and some chickens. From the cow, we got milk and butter. From the chickens, we got eggs, and we had chicken for dinner on special occasions. We got our water from a well.
We also put things that we needed to keep cool, like milk, down in the well, because the water in the well was cool. There was usually a small shelf dug out in the wall of the well, where you could set a couple of things.

We bought some food from the small general store. It was one room, only a little bigger than your classroom. We could buy flour, meal, and sugar, and dry beans and spices. Sometimes they had pieces of candy. We could also buy shoes and socks, and fabric to make our clothes. It was sort of like WalMart if you took away all the things that required electricity or refrigeration or had not been invented yet. WalMart would not be very big today if you took all those things away. Some things had been invented that were only in large cities like San Francisco.

I think I was about 10 or 11 when we moved to live on the farm. The farm was large and several families had little houses there to live in. At one time, there were 14 children who lived there with their families. We played games together. The owner of the farm lived in a large, white house and the rest of us lived in small houses. Our house had a small kitchen with a stove. There were two small bedrooms with a stove that used wood to heat the rooms and a larger room with a fireplace and two beds. The larger room was only used when company came, because we had to save the wood so it would last all winter. Upstairs, there was a large room with no heat. It had three beds in it. It was like an attic. My brothers slept up there. My sister slept in a small bed downstairs.

Now I will answer your questions.

The school that I went to had two rooms. Several grades were in the same room. I carried my books to school in a “book satchel” which was a cloth bag with handles. My mother made it. We did not have much to carry home. Usually, I carried a tablet with my spelling words, a pencil and my geography book. If it was raining, we did not take a book home because we did not want to get it wet.

We had some homework. We had to learn spelling words. I was good in spelling and every Friday we had a spelling bee. Even though I was good at spelling words, sometimes I had to sit down.

We had reading homework every night. I liked to read. My father could not read or write. When he was growing up, he was never able to live close enough to a school to go to it.

My mother could read and write, but she could not read hard words. She only went to school a few years. Because I learned to read really well, I still enjoy reading. I read the newspaper every night. I read the advertisements, too, and I like to look at the clothes that are for sale.

When I moved to the city, I got a library card. I went to the library every week to get books to read.

We had a blackboard at school and wrote on it with chalk. Markers and whiteboards had not been invented. I did my work in a tablet that cost a nickel. I used a pencil to write with. I think it cost a penny.

I liked geography. I did not like arithmetic. I learned how to do it because I wanted to know how much money I needed to buy candy, and to make sure I got the right amount of pennies back from the storekeeper. But I did not like arithmetic because you have to think a lot to learn it.

I had friends at school. And some people who were not friends at school, but I had to be nice to them anyway. One girl did not have a lot of food at home. Sometimes she took my lunch and ate it. That meant that I did not have any lunch that day. We had to bring our lunch, or go home to eat. I usually took a biscuit sandwich, with ham or bacon or egg on it. If we had sweet potatoes, I would take a baked sweet potato. We drank water.

One day a boy took a cup of water up to the top of the steps that went outside. When we went out to play at recess, he poured the water on us.
He got in a lot of trouble, and had to stay in at recess for several days.

I can still remember the names of the boys and girls in my class. Kate Grimes. Georgia Grimes (she needed help walking) Thelma Anderson. Cornell Easlely. Edith Anderson (she was stuck up). Pauline Ferguson. Odell Ferguson. Elese Baker (she is the one who took my lunch). Lily Worley. Ruby Harvell. Paul Baker. James Baker. Hobert Baird. Easley Bratton. Paul Jones. Malcolm Baker. “Dummy” Baird (it was not nice of us to call him “Dummy” and I cannot remember what his real name was) and Pauline Neely.

I did not have a bicycle. No one I knew had a bicycle. The roads were not smooth, and you could not ride a bicycle on them. I learned to ride a bicycle when I was grown up. I did not have a camera. Only professional photographers had cameras. They traveled around the country, taking photographs of families. They would stay with a family for a few days and take pictures. Then they would bring the photographs back in a few weeks. Even poor families wanted the photographs to hang on their wall, because it was something we had not seen before. It was almost like a miracle.

We did not have many toys. At Christmas we usually got one toy, an orange and a peppermint stick of candy. Oranges were rare, and we thought they were very good. We did not have orange juice at the store. Oranges had to come from a long way off because orange trees do not grow in Tennessee.

We played games. We played with balls and jump ropes and marbles, and jacks. We played hide and seek and other games like that. Sometimes we played with things that we should not play with. One afternoon on the farm, we pulled a large hay wagon up to the top of a hill and all the kids on the farm got in it and rode in it down the hill (without any mule pulling it). There was no way to guide it. It was fun and no one got hurt. So we pulled it back up the hill and were going to do it again. It could have turned over and hurt us because we could not guide which way it would go. The man who owned the farm saw us and made us stop. He told our fathers. We got in big trouble and never tried to do that again.

My bed looked much like the bed you sleep in, but the mattress was made out of straw, covered in fabric. It had a place where you could add more straw when you needed to. We had to shake it once in a while to fluff it up. On top of the straw was a “featherbed”. It was like a pillow filled with feathers, and it was large enough to cover the straw mattress. It needed to be
fluffed once in a while to make it more comfortable. Both of these mattresses needed to be taken outside in the sun occasionally to freshen them and make them smell good. We had pillows filled with feathers from chickens that we killed and cooked for dinner. Some pillows were filled with duck feathers. You can pluck feathers from live ducks – without hurting them – if you know how. They will grow more feathers to replace them.

My mother made the soap that our clothes were washed in. She used water poured thru ashes and grease from the meat we cooked. It made a soap called lye soap. She put our clothes in a very large kettle over a fire in the yard. She put water and soap in it and stirred them with a big stick. Then she poured out that water and put in more. We had to bring buckets of water from the well. She rinsed them in the pot over the fire, and took them out with the big stick. She wrung the water out and hung them over a clothesline to dry. It was hard work.

Most of the time we had soap from the store to use when we took a bath. We washed our hair with the same soap. My mother kept a large barrel in the yard where the rainwater ran off the house. We used it to wash our hair in because it made our hair soft. There were no factories nearby, so there was no pollution in the water. We took a bath in a large tub, out in the yard behind the well house, in the summertime. In the winter, we had to take a bath in a small wash basin, near the stove. We washed as well as possible, but we liked taking a bath in summer better.

I don’t remember too much about brushing our teeth. I know that there was a kind of tree that had little branches. If we pulled off one of the little branches and smashed the end, it would splinter apart into little pieces kind of like the bristles on your toothbrush. Later on, we had store-bought toothbrushes. Sometimes we used baking soda on our toothbrush. And sometimes we could get toothpaste or tooth powder from the store.

We did not have a bathroom. We had a little shed outside with a toilet in it.
If you have ever gone to a carnival or someplace that had Porta-potties, you will know what ours looked like.

My mother cooked our meals on a big stove that you had to put wood into to make it hot. My father lit the fire with a match, but every night, he piled the ashes up on the hot coals left from the wood. The next morning, there would still be some fire left and all he had to do was put on some more wood.

For breakfast, we had bacon, or sausage, or ham which came from the pigs that we raised. We had eggs, and biscuits. We took leftovers from breakfast for our lunch. For dinner, we had lots of vegetables in the summer. In the winter, we had potatoes, and apples, and biscuits with butter and jelly or syrup. And we had pie or cake that my mother made, for dessert.

We only had one cow, and we needed her to get milk from, so we did not have hamburgers or roast, or steak for dinner.

When I was about 10 years old, my mother bought a pretty piece of red fabric from the general store. She said she would make me a dress out of it when she had time. She made all of my clothes, and all of my sister’s clothes, and shirts for my two brothers. She made our pajamas, and our underwear.

One day, when my mother was out working in the garden, I got the piece of fabric out of the drawer. I wanted a dress out of it today. I decided that I could make it myself. I had watched her lots of times. I had even used the sewing machine to sew a little bit when I tore my dress.

I laid the piece of material on the floor and smoothed it out. I got my other dress – I only had two dresses – and put it on the floor so I could see it. Then I got the scissors and some pins, and cut the red fabric in pieces. I put red thread in the sewing machine, and sat down to sew the pieces together. I knew just how to push the pedal up and down to make the sewing machine work.

My mother came in and saw that I had cut up the red fabric. She looked really sad. She was a gentle woman and never yelled at us. She never spanked us. But we knew that we had done something wrong when she looked so sad. She did not have any money to buy more fabric. It had taken a long time to save money to buy this fabric.

She picked it up to see if somehow she could still use it. What a surprise! I had done a good job. I had made a dress. It did not look as fancy as it would have if she made it, but it was good enough to wear to school. My mother was happy. If I could make this, I could make clothes for my sister and brothers. This would give my mother more time to work in the garden and to take care of the chickens.

Every one has a talent for something. Each person just has to find out what that talent is. Some people can paint pictures. Others can build houses, or take care of animals, or work in the fields. My talent is sewing. I can make patterns for the things that I want to sew. Then I can cut out the pieces and sew them together to make something pretty. I have been sewing for 91 years. I have sewed a lot of things, and most of them turned out just fine – just like the red dress did.

I hope I have answered your questions about what it was like when I was your age. If you have more questions, let me know.

Where was this?:
Little Lot, Tennessee
When was this?:
1912

Gravitação e a Discordancia da Matrix/DNA no Youtube

terça-feira, março 7th, 2017

xxxx

https://www.youtube.com/watch?v=da4W30vOWpI

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – Mar-03/07/2017

My friend, since you says “the idea of how we think of mass and energy is flawed”, and you are a student, I can bet on you. I found a new and different world view applying different methods like comparative anatomy among non-living and living natural systems for understanding the formation of Amazon biosphere. The final results is a totally different history than this academic world view built by the methods of Physics and Math. So, my suggestion to you: do not permit to be indoctrinated, think and try out of the box. I am not saying that my world view is the most correct, only that it shows there are others rational alternatives. My models are suggesting that there is a link between cosmological and biological evolution. So, the first living cell is merely evolution from atoms and astronomic systems. There is a universal formula ( see it at my website) inside all natural systems, so, DNA – the universal formula of living things – is evolution of this formula that also built atoms and galaxies. I call it Matrix/DNA. I found the beginning of this formula at the Big Bang, in shape of light waves ( see the electromagnetic spectrum with the formula at my website). But my interpretation is that light has no energy, neither mass, but a force, like our thoughts, mind, has a force that moves our bodies. When the wave of light propagates into spacetime is same thing when your own body is born and propagates into space time, growing. Advancing into dark matter ( or other name for space’s substance) light produces or creates friction and this friction is energy. When a light wave is established it separates portions of dark-matter plus energy which will be parts of a working natural system – the first atom and from here, galaxies, cells systems, etc. Then, every natural system like our own bodies has this internal field of energy which produces the electromagnetic field. And this field is responsible by the effects that they are calling “gravity”. Never the big force produced by astronomic bodies could making any effect on small things like apples or papers. And if there is curved spacetime, it is not between a tree and the floor… think about it… Keep opened mind and you can correct the bad ways that are deriving our Science into fantasies, like multiverse, black holes, vacuum vibration,etc. Cheers…

Fenomenos Parapsicologicos _ Lista dos Scientific Papers

segunda-feira, março 6th, 2017

xxxxx

Selected Psi Research Publications

http://www.deanradin.com/evidence/evidence.htm

Desde cura a distancia, telepatia, sobrevivência da mente apos morte, etc.

Sistemas: Síntese da Teoria Geral

domingo, março 5th, 2017

xxxx

1 – Introdução

Os Sistemas estão em toda parte

Por consequência do avanço tecnológico, o termo “sistemas” vem se difundindo na sociedade
moderna. A necessidade de se encontrar novos meios para realizar tarefas faz surgir novas profissões voltadas ao “enfoque sistêmico”, com o objetivo de não somente realizar a tarefa pretendia, mas a realizar com o máximo de eficiência e menor custo possíveis.
Todos essas mudanças levam o período atual a se caracterizar como uma “Segunda Revolução Industrial”, pois os sistemas estão presentes em todos os campos da ciência. Essa transformação ocorre na maneira do homem pensar, que passa a encarar tudo como se fossem grandes complexos (sistemas), reorientando o pensamento científico.
As novas descobertas nos campos da biologia molecular, genética, medicina, entre outros, já se tornaram conhecimento comum, porém falta uma visão voltada mais ao nível da organização
da matéria viva, e não somente uma visão mais aprofundada dos complexos da matéria.
A teoria sobre sistemas pode servir para diversos campos, até mesmo nas ciências sociais, onde se deve tratar os fenômenos sociais contemporâneos como sendo “sistemas”, mesmo sabendo a complexidade das definições sócio-culturais dos povos atuais.
Os grandes acontecimentos da história foram tidos como atos de indivíduos, que foram tomados como seres fora dos padrões humanos (tratados como gênios, pessoas com capacidades sobre-humanas), mas que na verdade não são os grandes encarregados pelos acontecimentos, somente uma pequena peça de um grande “sistema”, que pode ser representado por ideologias e tendências sócio-culturais.
Mesmo sabendo das deficiências das teorias como das de Spengler e Toynbee, as leis dos sistemas sócio-culturais são dotadas de sentido, mas não formam algo inevitável.
Apesar da história e a sociologia tratarem de organizações informais, foi desenvolvido a “teoria das organizações formais”, que podem ter como exemplos empresas comerciais que seguem algum tipo de “padrão/regras”. O estudo dessas organizações, no ponto de vista
sistêmico, as trata como um sistema de variáveis mutuamente dependentes (se interagem). Por consequência se equipara a teoria por trás das organizações com a teoria geral dos sistemas, que procura tratar os sistemas como sendo uma grande entidade, e não um aglomerado de partes.
Tudo o que já foi comentado pode ilustrar o conceito de “sistemas”. Uma consequência do
conhecimento sobre sistemas é que o “novo mundo” não se refere mais a pessoas, mas sim a “sistemas”. O ser humano, “o objeto falível”, se torna um item de consumo que pode ser facilmente substituído, e deve ser eliminado e substituído por máquinas que ele mesmo criou ou
se tornar um ser idiota treinado para uma única coisa (um ser “super especializado”). O indivíduo não passar a ser nada mais do que uma “roda dentada” do grande sistema, regido por alguns
“líderes” que só se preocupam com o próprio sistema.
Não importa se considerarmos essa expansão do conhecimento como sendo algo benéfico ou
uma extensão do pensamento de “linhas de produção”, devemos saber que esses fatos são dignos
de um intenso estudo.História da Teoria dos Sistemas

O conceito de “Sistema” possui uma longa história, apesar de que o termo “Sistema” não era mencionado. Vários pensadores importantes fizeram parte dessa história, como Leibniz, Nicolau de Cusa, Marx e Hegel.
Outro precursor dos “Sistemas” foram as “Gestalten físicas”, escritas por Kohler, que seguiam
um pensamento parecido, porém se limitava à física, e não tratava de toda a generalidade do problema. Em uma publicação posterior, Kohler deu mais um avanço, criando um postulado de
uma teoria dos sistemas, que era destinada a sistemas orgânicos e inorgânicos. A obra clássica de Lotka se aproximou mais do objetivo, ao tratar a sociedade como um sistema e se preocupar mais com problemas da sociedade do que problemas biológicos de um indivíduo.
A necessidade da abordagem dos sistemas só se tornou visível recentemente, quando se
percebeu que não era viável tratar as ciências por partes isoladas. Com essa nova abordagem, novas criações se tornaram viáveis em todos os ramos da ciência.
Ludwig ficou intrigado com peças que faltavam na biologia. A abordagem atual não tratava
do organismo como um sistema, que interagia para criar condições de vida, mas sim tratava
com um enfoque mecanicista.
Idéias semelhantes começaram a surgir em outros lugares, mostrando que esse era o início de uma nova tendência, que necessitava de tempo para ser aceita.
Juntamente com o trabalho sobre o metabolismo e as novas teorias sobre o organismo, a teoria dos sistemas abertos foi proposta, baseando-se no fato que o organismo é um sistema aberto, apesar de que na época não existia nenhuma teoria desse tipo. Assim, a biofísica passou a exigir
uma melhora da física convencional, o que mais tarde acabou ficando conhecida como termodinâmica irreversível.
A biologia até então era tida igual ao trabalho em laboratório, o que fez o autor passar por
rejeições ao publicar “Theoretische Biologie”, que tratava de um outro campo da biologia, que
só passou a ser aceito e divulgado mais tarde. Por causa da última guerra, parte das publicações
foram destruídas. Após a guerra, a teoria geral dos sistemas foi amplamente discutida entre físicos e em conferências.
Um grande obstáculo para a aceitação da teoria dos sistemas foi o fato que ela era tida como trivial e falsa, por causa de suas analogias superficiais que mudavam as diferenças reais, conduzindo a conclusões erradas.
Os ataques à teoria dos sistemas não atingiam o verdadeiro objetivo dela, que era ter uma interpretação generalista e uma teoria sobre assuntos que até então não existiam.
Outra linha de desenvolvimento estava surgindo, com a publicação do livro “Cybernetics” de Norbert Wiener, que foi o resultado dos recentes estudos da tecnologia de computadores, teoria
da informação e das máquinas auto-reguladoras. Wiener levou os conceitos cibernéticos de retroação além dos campos da tecnologia, generalizando-os nos campos biológicos e sociais.
A teoria dos sistemas não surgiu por causa dos esforços feitos para a guerra, mas sim pelos
esforços que já haviam sido feitos antes.

Rumos da Teoria dos Sistemas

A sociedade estava em uma época que encarava qualquer nova descoberta ou mudança como uma revolução, por mais trivial que ela fosse. O início da implementação da teoria dos sistemas não fugiu muito disso.
Kuhn define uma revolução científica como o aparecimento de novos paradigmas conceituais que mostram aspectos que estavam escondidos anteriormente na ciência convencional. De acordo com essa definição, a implantação da teoria dos sistemas ocasionou uma mudança nos métodos na prática científica.
Mas esse novo conhecimento leva ao aumento da importância de se fazer uma análise filosófica, que normalmente é deixada de lado. Com grande frequência, as versões primitivas de um novo “paradigma” são voltadas somente à resolução de problemas específicos, falhando quando se tenta aplicar em outros problemas. O novo paradigma engloba novos problemas, inclusive os que antes foram deixados de lado como “metafísicos”.
O grande problema do sistema são as limitações existentes na forma em que a ciência analisa os fatos e dados.
A ciência clássica faz uso do “procedimento analítico”, que estuda uma entidade a separando em partes e estudando separadamente cada uma. Ela procura por unidades “atômicas”.
Para aplicar o “procedimento analítico”, deve-se atender a dois pré-requisitos: Não devem haver interações entre as “partes” ou as interações devem ser desprezíveis. Esses requisitos garantem que a entidade possa ser estudada matematicamente.
Teoria dos compartimentos: É um aspecto dos sistemas complicado o suficiente para ser tratado separadamente. É uma teoria segundo o qual os sistemas podem ser divididos em “sistemas menores”, que interagem com outros “sistemas menores”. Existem dificuldades matemáticas ao se analisar um número razoável de “compartimentos”, somente sendo possível o cálculo utilizando as Transformações de Laplace, a introdução das redes e dos gráficos.
Teoria dos conjuntos: As propriedades formais dos sistemas podem ser axiomatizadas. Este enfoque se mostra superior às formulações mais primitivas da teoria dos sistemas.
Teoria dos gráficos: Muitos problemas não tratam de relações quantitativas, mas sim à relações topológicas dos sistemas. Uma boa abordagem à esse tipo de problema é utilizando a teoria dos gráficos. Em termos matemáticos, essa teoria se liga à álgebra das matrizes e forma modelos seguindo a teoria dos compartimentos.
Teoria das redes: A teoria das redes tem ligação com as teorias já descritas. É aplicada em sistemas como as “redes nervosas”.
Cibernética: Trata da “transferência de informação” e da “retroação”. Tem grande aplicação, porém não caracteriza a “teoria dos sistemas” em geral. É utilizada para descrever os mecanismos reguladores, e serve até mesmo para sistemas do tipo “caixa preta” (quando não se conhece o mecanismo real, e só é definido pelos resultados da entrada de dados).
Computação e simulação: Para resolver conjuntos de equações que seriam muito cansativas ou praticamente impossíveis, usa-se os computadores para realizar o cálculo.
Teoria da informação: Baseia-se no conceito de que a informação pode ser usada como medida de organização. Não possui muitas aplicações, excluindo no campo de engenharia da comunicação.
Teoria dos autômatos: Autômatos são “máquinas algorítmicas”, capazes de calcular qualquer processo de qualquer complexidade, se o número de operações lógicas puder ser expresso e for finito.
Teoria dos jogos: Apesar de ser diferente das outras teorias, ela se enquadra como sistema pois trata do comportamento do “jogador”, que procura ter o maior ganho e menor perda possíveis.
Teoria da decisão: “É uma teoria matemática que trata de escolhas entre alternativas”.
Teoria da fila: Trata da otimização de arranjos. Mostra que existem diferentes enfoques para se investigar sistemas, incluindo grandes métodos matemáticos. Existe incompatibilidades entre os modelos e a realidade, pois mesmo tendo um modelo complicado e bem elaborado, pode ser difícil encontrar uma aplicação prática para ele. Grande parte das teorias causaram muita expectativa, mas não tiveram resultados do nível esperado, como por exemplo o caso da teoria da informação, que tem um alto desenvolvimento matemático, mas não serviu em nada para campos como psicologia e sociologia.
As vantagens de modelos matemáticos são bem conhecidas e exploradas, como a ausência de ambiguidade e a possibilidade de se verificar resultados observando os dados que são utilizados. Esses modelos, porém, não substituem os modelos formulados em linguagem ordinária.
A matemática representa algoritmos que são muito mais precisos do que a linguagem ordinária. Expressões em linguagem ordinária precederam os algoritmos, e algumas teorias, como a de Darwin, só ganharam seus modelos matemáticos mais tarde.
Não é necessário possuir um modelo matemático para algo ser caracterizado como um “sistema”, como por exemplo sistemas no campo da sociologia.
Existem um grande problema ao se tratar de sistemas com muitas equações/números imensos, pois, apesar de teoricamente algum autômato poder calcular qualquer cois que possa ser expressa em números e ser finita, é praticamente impossível e ruim de se calcular um sistema com um enorme número de etapas.
De acordo com Hart, as invenções humanas são combinações de elementos conhecidos. Seguindo o pensamento de Hart, conclue-se que quando se aumentar o número de permutações e combinações dos elementos existentes, vai se aumentar a o número de novas invenções. Hart também apresentou curvas mostrando a velocidade de crescimento cultural e outras áreas humanas. Essas curvas constituem uma superaceleração à maneira da curva “log-log”.
A concepção mecanicista, mesmo tomada na forma moderna e generalizada de um autômato de Turing, falha ao tratar de regulações subsequentes a perturbações arbitrárias, como também ao tratar de números imensos.
As considerações acima referem-se a conceitos fundamentais da teoria dos sistemas, como o de ordem hierárquica. Podemos ver o universo como uma grande hierarquia, das partículas elementares até os grandes complexos. As leias de organização atuais são insuficientes para o mundo sub atômico.
Os princípios da ordem hierárquica podem ser descritos pela linguagem verbal, e possui idéias “semimatemáticas” relacionadas com a teoria das matrizes em termos da lógica matemática.

2 – O significado da teoria geral dos sistemas

A procura de uma teoria geral dos sistemas

A principal característica da ciência moderna é a especialização, que acaba dividindo a ciência em vários ramos e sub-ramos, prendendo o cientista em um universo privado, com pouca comunicação com outras áreas à sua volta.
Esse fato se opõe a outro aspecto. Concepções (e problemas) semelhantes surgiram em áreas bem diferentes.
A física clássica tinha como meta resolver os fenômenos naturais, o que foi expresso no ideal do “espírito laplaciano”, que diz que pode-se predizer o estado do universo partindo da posição e do momento das partículas. Quando as leis da física foram substituídas por leis estatísticas, essa concepção, apesar de mecanicista, não foi alterada, mas sim reforçada. Contrastando com essa concepção mecanicista, criou-se problemas de totalidade, interação dinâmica e organização em vários ramos da física.
Na concepção organimística da biologia, é necessário estudar todo o sistema, e não somente as partes isoladas, sistema esse resultante da interação dinâmica das partes. Se as partes fossem estudadas separadamente, iam se obter outros resultados. Este conceito também serve para outras áreas, como por exemplo na psicologia.
Pouco tempo atrás, a ciência exata identificava-se quase por completo com a física teórica. Não se tentava enunciar leis exatas em campos diferentes da física (poucos obtiveram reconhecimento). Porém, com o progresso nessas áreas, torna-se necessário uma expansão dos conceitos, com o objetivo de permitir o estabelecimento de sistemas de leis onde a física não pode estar presente.
Organismos vivos são tomados como sistemas abertos, pois interagem com o ambiente, enquanto a física e outros campos exatos tratam de sistemas fechados. Somente mais tarde a física passou a englobar também sistemas abertos e estados de desequilíbrio.
O significado dessa disciplina é que nada obriga a por um um termo aos sistemas tratados em física, pois pode-se aspirar a princípios aplicáveis aos sistemas em geral, independente da sua natureza. Pode se verificar que existem modelos, princípios e leis que se aplicam aos sistemas, independente do seu tipo particular.
Por consequência ao que foi dito acima, começam a aparecer semelhanças nas estruturas em diferentes áreas. Uma mesma lei pode servir ao mesmo tempo para o campo da biologia quanto ao campo da matemática.
A formulação de uma teoria geral dos sistemas poderia fornecer modelos a serem usados em vários campos, economizando tempo e trabalho, aumentando o progresso nos campos.
O método clássico era adequado para resolução de problemas que podiam ser isolados e calculados separadamente, porém não serve para processos que incluem interações, exigindo um novo pensamento matemático.
Não se deve pensar que, por exemplo, pela teoria geral dos sistemas os países são organismos superiores, e as pessoas são apenas células insignificantes. Esse pensamento está errado e leva a
analogias sem significação.
Existem áreas, como a genética e a economia, que são de alta complexidade, e formular uma teoria completa é uma tarefa muito difícil, e devemos nos contentar com uma “explicação em princípio”.

Propósitos da teoria geral dos sistemas

Pontos de vistas semelhantes surgiram em várias disciplinas da ciência, como também problemas que não são entendíveis se analisar apenas as partes isoladas. Essa correspondência é muito importante e indica uma mudança na atitude da física, que passa a tentar achar uma teoria geral que sirva para todas as áreas da ciência, tentando encontrar uma teoria exata nos campos não físicos da ciência.
Estas considerações levam ao postulado de uma nova disciplina, chamada de “Teoria Geral dos Sistemas”, que deixa menos vago o conceito de “totalidade”.

Sistemas fechados e abertos: limitações da física convencional

A física convencional só trata de sistemas fechados, que são aqueles que estão isolados do seu ambiente. Porém, normalmente esses sistemas que só são estudados em casos isolados nunca aparecem separados do meio, mas sim interagindo com outros sistemas. Somente nos últimos anos que a física passou a englobar alguns casos de sistemas abertos.
Existe um grande contraste entre a natureza animada e a natureza inanimada, no ponto de vista da física convencional. O próprio metabolismo humano é um grande paradoxo, como também o princípio da eqüifinalidade.
Ao pegar o ponto de vista dos sistemas generalizados, muitas das supostas violações, paradoxos e contradições da física convencional desaparecem, e o conceito de sistema aberto pode ser aplicado à níveis não físicos.

Informação e entropia

Outro ramo da física, a teoria da comunicação, é estreitamente ligado à teoria dos sistemas. Em muitos casos, o fluxo de informações se parece com um fluxo de energia, em outros, não. Porém, existem formas de “medir” a informação, em termos de “decisões”.
O segundo conceito geral da teoria da comunicação é o conceito da retroação. Este conceito é muito usado nos sistemas auto-reguladores, pois garantem uma “direção” da ação. Um bom exemplo são os mísseis que possuem um sistema próprio de radar e que procuram pelo alvo. Porém, não é somente em aparatos tecnológicos que existe retroação. Vários fenômenos biológicos correspondem ao modelo da retroação, como por exemplo o fenômeno da homeostase.

Causalidade e Teologia

Na concepção mecanicista da física, o mundo dos organismos era visto como um “produto do acaso”, onde não se entendia o movimento dos átomos, nem as leis da causalidade.
Os conceitos de teologia e finalidade pareciam estar fora do âmbito da ciência, e eram tratados como algo estranho pela ciência . Porém, não se pode conceber um organismo vivo sem tratar dos conceitos da adaptação, finalidade e etc. A concepção atual considera esses aspectos como “partes” da ciência, e já trata de modelos como a eqüifinalidade, retroação e o modelo do “comportamento” adaptativo.

Que é a organização?

A organização era estranha ao mundo mecanicista. Os organismos são exemplos de “coisas organizadas”, assim como as os átomos e as moléculas. Uma organização tem como características, tanto para organismos vivos quanto para outros tipos de “sistemas organizados”, noções de crescimento, diferenciação, ordem hierárquica, controle, entre outras. Pela lei do oligopólio, se existirem organizações competindo, os conflitos entre elas aumentam a medida em que o número de organizações vão diminuindo. Quando sobram apenas um par, o atrito é tão grande que pode levar a destruição das duas organizações restantes.

A teoria geral dos sistemas e a unidade da ciência

A teoria geral dos sistemas tem como função integrar a ciência. Essa integração não tem como objetivo de reduzir tudo ao nível da física, mas sim na elaboração de leis que sirvam para todas as áreas.
A concepção humana de “desenvolvimento” está muito ligada ao desenvolvimento de novas tecnologias e inventos, que inclusive levaram a grandes catástrofes do nosso tempo. É possível que se tratarmos o mundo como uma grande organização, daremos mais importância aos seres vivos. Importância esta que quase perdemos nas últimas décadas.

A teoria geral dos sistemas na educação: a produção de generalistas científicos

A educação convencional trata os campos como domínios separados, e constrói especialistas, pois não acredita que é possível uma “educação integrada”, onde o que se aprende possa ser usado mais genericamente, e não só para problemas específicos.
Os benefícios do domínio humano sobre as leis da física são claros, como por exemplo a nossa tecnologia. Nos campos biológicos, apesar de não serem tão evoluídos, conseguimos melhoras na qualidade de vida e espectativa de vida. Mas, todo o controle do ser humano sobre a tecnologia também traz um grande perigo: o da destruição. Muitas vidas foram tiradas por inventos que nós mesmo criamos. O homem não é somente um pequeno “animal político”, mas sim um indivíduo que merece sua importância.

3 – Alguns conceitos dos sistemas considerados em termos matemáticos elementares

O conceito de sistema

Podemos distinguir complexos de acordo com o seu número, espécie ou de acordo com suas relações. Existem as características somativas e as características constitutivas. As somativas representam, por exemplo, a massa molecular e o calor, enquanto as constitutivas não são explicáveis a partir de características de alguma parte isolada, seguindo o pensamento de que “o todo é mais do que a soma das partes”.
Um sistema pode ser representado por um complexo de elementos em interação, e pode ser definido de várias várias maneiras, como por exemplo um sistemas de equações diferenciais simultâneas.

Crescimento

Equações desse tipo podem ser encontradas em vários campos, portanto pode demonstrar a existência de uma teoria geral dos sistemas.
A lei exponencial, também chamada de “lei do crescimento natural”, é válida para muitos campos, e pode ser usada para descrever o crescimento de populações (no caso de recursos ilimitados), crescimento de capital a juros compostos. A Lei de Malthus significa que o nascimento é maior do que a taxa de mortalidade, o que cria um crescimento infinito.
Outra “curva” que tem grande aplicação é a “curva logística”, que descreve, por exemplo, o crescimento de populações com recursos limitados e reações autocráticas. Esses exemplos mostram que existe uma uniformidade na natureza.

Fonte: http://www.infoescola.com/filosofia/sintese-teoria-geral-dos-sistemas/

Lucas Hermann Negri – Ciência da Computação – Udesc

Teoria do Principio Antrópico e Diferença da Teoria da MatrixDNA

domingo, março 5th, 2017

xxxx

Sugestão da MatrixDNA Theory

Racionalmente pensando, o Universo apenas pode gerar arquiteturas naturais aplicando o mesmo método pelo qual ele foi gerado. Por isso corpos humanos apenas podem gerar humanos e não girafas ou automóveis, e pelo mesmo método que eles foram gerados. O Universo não pode criar novas informações do nada, por magica, para inventar métodos que ele não tem informações para.
Acontece que Universo é apenas um aglomerado de galaxias, que evoluiu desde o Big Bang a este topo evolucionário e nada indica que exista algo mais complexo que galaxias. A evolução no sentido cosmológico parou nas galaxias, o universo agora apenas cresce em tamanho. Não é um sistema funcional e sim uma massa de sistemas. Isto é igual, na geração de corpos humanos, quando o corpo feminino produz a placenta, o amnion. Então o Universo estava tunelado para se tornar a infraestrutura placentária. E assim como na geração humana o que produz um sistema funcional dentro da planeta é um código genético – o DNA – assim também no Big Bang deve ter emergido um código para produzir um sistema interno. Na cosmovisão da Matrix/DNA Theory este código foi localizado na onda total de luz que se forma pela radiação no espectro eletromagnético. A forma como essa onda de luz surge e se propaga no tempo/espaço é pelo mesmo processo que produz os ciclos vitais dos corpos humanos, e separando-se as faixas de frequência/vibração dessa onda, aplicando-a sobre a dark matter surge um sistema atômico, e como um código ou formula ela conduz este sistema a evoluir para as formas de sistema estelar, galáctico, celular, humanos. Temos encontrado esta formula na infraestrutura de todos os sistemas naturais, inclusive na unidade fundamental de informação do DNA.
Não o Universo não foi programado para criar a vida nem humanos, estes são apenas resultados do processo de reprodução num estilo genético/computacional quântico do sistema desconhecido que produziu o universo. Mas, lembre-se, isto também é ainda apenas uma teoria, tal como é a do principio antrópico.
xxxx

Como funciona o princípio antrópico

princípio antrópico

Tudo leva a crer que a existência de vida na Terra decorra de uma enorme e complexa coincidência de múltiplos fatores. Mas há cientistas que pensam diferente. Para uma parte deles não foi o acaso que fez isso acontecer. Esses cientistas têm procurado provar que o propósito de existência do Universo e de todas as leis que o governam é justamente possibilitar o surgimento de vida inteligente no nosso planeta. Assim, do Big-Bang ao emaranhamento quântico, tudo conspira intencionalmente para um único fim: a existência do ser humano, o nome dessa controversa ideia, que coloca o homem não só como centro mas também como a razão de ser do Universo, é princípio antrópico.

Assim o Universo seria do jeito que é não por acaso, mas sim pela simples razão de que ele se desenvolveu sob medida para permitir o florescimento da vida humana. Essa visão quase divina da existência e do significado do Universo, levada adiante por importantes cientistas, é inspirada por várias “coincidências” que possibilitam a existência da vida, como a massa dos elétrons, a força da gravidade, as propriedades especiais dos átomos de Carbono. Qualquer pequena alteração nesses elementos – como a variação de apenas 1% na força da gravidade – eliminaria a possibilidade do surgimento de seres vivos. Por conta disso, os cientistas têm estudado, desde a segunda metade do século 20, a possibilidade de haver uma ligação direta entre a existência de vida inteligente sobre a face da Terra e a origem do Universo.

O princípio antrópico prevê também que o nosso Universo é apenas um dos vários que existiriam num “multiverso”. Apesar de parecer ficção científica, a ideia de múltiplos Universos, sendo que alguns deles seriam adequados à vida, vem da teoria da inflação caótica desenvolvida pelo cosmólogo russo Andrei Linde, da Universidade de Stanford (EUA), nos anos 1980. Assim, existiria um “Universo” bem maior do que o nosso, que seria apenas uma parte desse multiverso. Infinito em extensão, o multiverso conteria cada forma possível de “Universos”, alguns similares ao nosso, outros com leis físicas distintas e, segundo o princípio antrópico, elas seriam incompatíveis com a existência de vida.

Mas foi na década anterior ao surgimento da teoria de Linde que o astrofísico Brandon Carter, da Universidade de Cambridge (Reino Unido), criou o termo “princípio antrópico”, para expressar que as propriedades do Universo são do jeito que são para possibilitar a existência da vida humana.

Princípio antrópico: um Universo feito sob medida para o homem

© istockphoto.com / Pleio – Segundo o princípio antrópico, o Universo foi feito sob medida para possibilitar a existência de vida inteligente na Terra

A ideia de que o Universo foi feito sob medida para possibilitar a existência do ser humano remonta à fundação da ciência ocidental. No século 17, cientistas britânicos como Isaac Newton e Robert Boyle acreditavam nisso. Mas no começo do século 20 essa ideia tinha pouca credibilidade e soava mais como um pensamento esotérico do que como ciência. Apesar disso alguns cientistas, como o naturalista Alfred Russel Wallace, continuavam a arriscar suas reputações ao declararem que o Universo é do jeito que é para produzir um mundo que permitisse o desenvolvimento da vida até o surgimento do ser humano.

Esse antropocentrismo exacerbado recebeu um golpe quase fatal com a teoria da relatividade de Albert Einstein. Associada às descobertas que os astrônomos tinham feito sobre a natureza do Universo nas primeiras décadas do século 20, a teoria de Einstein mostrava que a compreensão do Universo só seria possível a partir das complexas equações da relatividade geral, o que colocava o ser humano como um mero figurante nessa história toda e não como o ator principal.

Mas algumas coincidências existentes no Universo continuaram a intrigar vários cientistas. Uma delas mostrava que a proporção entre o tamanho do Universo visível e um elétron é igual à proporção com que a intensidade da força eletrostática entre os elétrons e os prótons excede a força gravitacional entre eles. Enquanto para alguns isso tratava-se de uma incrível coincidência, para outros sinalizava que existia alguma conexão ente a Física aplicada ao Universo e a das partículas subatômicas.

Um dos cientistas que deu atenção a esse fato foi o físico britânico Paul Dirac, ganhador do Prêmio Nobel. Para ele essa relação refletia uma lei fundamental da Física, o que levava a uma previsão assustadora. Se a relação entre essas duas proporções deve ser sempre a mesma, como o cosmo está em expansão e seu tamanho está aumentando, essa proporção só permaneceria igual se a força da gravidade estivesse enfraquecendo com o passar do tempo na mesma taxa com que o Universo se expande.

Nos anos 1950, o astrofísico Fred Hoyle, colega de Dirac na Universidade de Cambridge e um dos mais brilhantes cientistas do século 20, descobriu uma outra incrível coincidência que relacionava diretamente as propriedades do Universo com a existência de vida na Terra. Hoyle investigava a origem dos elementos químicos quando recorreu a uma inesperada solução.

Segundo a pesquisa de Hoyle, os mais simples e comuns elementos químicos, o Hélio e o Hidrogênio, parecem ter sido criados com o calor provocado pelo Big-Bang, o processo que supostamente deu origem ao Universo. Reações nucleares no interior das estrelas poderiam ser a resposta para a formação dos demais elementos, principalmente o Carbono, essencial para a existência de vida. Mas para isso acontecer o Carbono deveria apresentar uma ressonância que Hoyle não conseguia encontrar.

Para superar o impasse, ele recorreu de forma pioneira ao princípio antrópico: essa ressonância no Carbono tinha de existir, senão não haveria vida. Pouco tempo depois, pesquisadores identificaram a ressonância conforme Hoyle havia previsto. O uso que Hoyle fez do princípio antrópico para prever uma propriedade fundamental dos átomos foi recebida com ceticismo pela comunidade científica. No entanto, nos anos seguintes a teoria ganharia novos impulsos.

Princípio antrópico: o Universo depende de nós para existir

Não se sabe por que as propriedades encontradas no cosmo têm o valor que têm. Talvez por que eles sejam os únicos valores possíveis para elas. Assim, pode ter sido uma combinação fortuita deles que levou ao surgimento da vida ou, então, pode-se supor que a vida é tão adaptável que ela floresceria de diferentes formas em Universos com outras propriedades. A energia propulsora do Big-Bang teria desenvolvido a ideia de um processo de inflação caótica criadora de vários Universos. Esses não são os únicos argumentos para questionar o princípio antrópico. Na segunda metade do século 20, uma série de evidências derrubaram o raciocínio de Paul Dirac a respeito do enfraquecimento da gravidade, elemento que sustentava sua tese da conexão entre a Física do Universo e a das partículas subatômicas. Apesar disso, a ideia do princípio antrópico conquistou outros adeptos no meio científico e ganhou força a hipótese de que os valores de determinadas constantes no cosmo não são simples coincidência.

Em 1973, o astrofísico Brandon Carter, da Universidade de Cambridge, criou o nome de princípio antrópico para essa ideia. Mais do que isso, ele estabeleceu duas variáveis para ele. O princípio antrópico fraco, que diz que o fato de existirmos coloca limites para certas propriedades do Universo, e o princípio antrópico forte, que prevê que o Universo é impelido a ter propriedades compatíveis com a vida inteligente.

O físico russo Andrei Linde, a partir da teoria da inflação cósmica proposta por Alan Guth, que explica a energia propulsora do Big-Bang, desenvolveu a ideia de um processo de inflação caótica. Esse processo poderia ter produzido uma variedade de Universos. O físico norte-americano Lee Smolin foi mais longe e sugeriu que nesses vários Universos que surgem há uma espécie de evolução darwiniana, que os levaria a tornarem-se adaptados para a existência da vida. A visão de Smolin, que centra seus argumentos em torno da relação entre os buracos negros e a produção dos elementos químicos necessários para o surgimento da vida, está alinhada com as leis da Física e pode significar um novo impulso à teoria do princípio antrópico.

Apesar do princípio antrópico ainda soar como algo além dos domínios da ciência, como se fosse um axioma teológico, muitos cientistas importantes, principalmente aqueles que são estudiosos dos mecanismos quânticos, têm se dedicado a ele. Uma das mais recentes especulações a respeito do princípio antrópico foi construída pelos físicos John Barrow e Frank Tipler. Segundo eles, o Universo é constituído com um número infinito de informações que, em algum momento no futuro com computadores capazes de processá-las, poderiam ser combinadas de forma a atingirem as complexas fórmulas exigidas para o surgimento da vida.

Fonte: “HowStuffWorks – Como funciona o princípio antrópico”. Publicado em 13 de novembro de 2009

http://ciencia.hsw.uol.com.br/principio-antropico3.htm