Archive for maio 12th, 2017

Os Fotons Escuros Luminosos: E a Dadiva do Poder do Mais Elevado Conhecimento

sexta-feira, maio 12th, 2017

xxxxx

A posição humana em relação `a busca do conhecimento sera’ melhor entendida se imaginar-mo-nos agora situados no centro da Terra. O conhecimento nos espera nos quatro quadrantes a partir do centro: a sudeste e sudoeste, a noroeste e nordeste. Para o sul vamos  cada vez mais descendo no microscópico e para o norte vamos subindo no macrocosmos.

No momento que pensei nesta analogia, descobri algo muito curioso: o cérebro humano esta’ construído exatamente nesta configuração dos quadrantes, como se fosse previamente desenhado para conquistar e armazenar todo o conhecimento universal.

Senao, vejamos: se nos situar-mos no centro do cérebro, mais próximo ao hipocampo, vemos a nossa esquerda o hemisfério esquerdo, que corresponde ao lado geográfico compreendido por sudoeste e noroeste; e vemos a nossa direita o hemisfério direito, que corresponde ao lado geográfico compreendido por sudeste e nordeste. Acima da nossa posição geográfica esta’ o Polo Norte, abaixo o Polo Sul. Tambem no cérebro, na parte baixa esta’ o cerebelo, a morada dos eus inferiores que herdamos dos instintos animais; enquanto na parte alta do cérebro esta’ o córtex, a região de onde emana a auto-consciência e se constrói o nosso eu superior.

Depois de dar a volta por todo Universo e chegar a suas ultimas fronteiras desvendando os segredos do mundo físico material, a cosmovisão da Matrix/DNA esta’ agora parada nas duas regiões fronteiriças, a de cima, e a de baixo. A microscópica e a macrocósmica. Na macrocósmica paramos no oceano escuro de matéria negra e na onda de luz original que banha este oceano, a radiação cósmica de fundo. Nas regiões microscópicas estamos parados nas partículas ultimas desta onda de luz, os fótons.

Porque já sabemos que a onda universal carrega em si as sete funções de todo sistema natural completo e funcional, e como ela gera o atrito ao passar pela matéria negra criando as energias, e dividindo tudo nestas sete funções para gerar todos os sistemas naturais. Enquanto não desenvolver-mos os nossos atuais sensores naturais e tecnológicos sera’ difícil avançar no conhecimento desta quase abstrata entidade cósmica. Nossos olhos então estão mais voltados para as regiões microscópicas, as partículas fótons.

Partindo do nosso campo visual normal, fomos avançando pelas ondas na hierarquia das dimensões escalares, descendo pelo nível das minusculas células, dos átomos, e depois de suas partículas, chegamos `a dimensão quântica. Mas nessa dimensão a realidade novamente se dobra e escurece as regiões abaixo onde estão os fótons. Podemos imaginar o mundo físico boiando sobre um oceano de pontinhos escuros moventes, e só’. A unica coisa que podemos inferir e’ que estes corpúsculos escuros são fótons, de intensa luminosidade, tao intensa que seu brilho nos cega e vemos a escuridão. Mas ai esta’ o segredo mais poderoso para a especie humana hoje, pois se conseguíssemos adentrar o mundo dos fótons, dominaríamos todos os aspectos da matéria, da energia, do mundo físico.

Sabemos que cada fóton e’ a copia completa da onda de luz universal. Portanto eles são sistemas em si, e funcionais. Em si mesmos são ondas comprimidas no microcosmos, portanto constituídos de sete faixas de frequências/vibrações diferenciadas entre si. E o mais importante: sabemos que eles se conectam em redes, networks, que eles adentram os elétrons dos átomos e assim – como os vírus fazem com as células – eles assumem a maquinaria e administração dos átomos, conduzindo-os a se combinarem para formarem sistemas, sempre modelados pela formula da Matrix/DNA, que e’ a forma da onda de luz universal.

Precisamos de alguma maneira limpar o negrume que esconde estes fótons, precisamos ver como estão formando o tórax humano, o sistema galáctico, o cérebro, cada célula, cada molécula, etc. e etc. Assim podemos ajuda-los a vencer os obstáculos que causam os defeitos nestes sistemas. As doenças nos humanos. As intempéries nos planetas e sistemas astronômicos…

Quando dois fótons se conectam devem criar uma ponte entre eles. De que sera’ feita esta ponte? Da mesma substancia deles? Serão extensões deles? Nas moléculas orgânicas os átomos se conectam através das pontes do semi-átomo, o primeiro a se formar como protótipo de átomo, o mais primitivo, o hidrogênio. Existira’ um tipo de fóton mais simples, mais primitivo, disponível no meio da material, que e’ capturado entre dois fótons superiores para formar seus elos de conexões?

As boas teorias sempre vão na frente das grandes descobertas. Elas tem guiado os humanos para as descobertas. Porque uma teoria gera uma vontade incansável na mente humana de buscar sua confirmação, de encontrar o objeto teorizado. Quando Lemaitre iniciou a teoria do Big Bang, tanto ele como a mente de muitos sentiram o desejo enorme de encontrar algo que fosse evidencia, e este desejo oculto na mente de dois radiotécnicos fê-los perceber que o ruido nos seus aparelhos estariam relacionados com o Big Bang. Quando Einstein elaborou suas teorias fantásticas mencionando espaços curvos encurvando a luz ele guiou mentes sedentas de encontrar evidencias a mentalizar uma experiencia e aproveitar a oportunidade unica de uma eclipse, para verem o objeto dos sonhos, a luz se encurvando.

Mas existem as teorias erradas, e nao sabemos se esta e’ uma boa teoria ou uma errada. Mas mesmo assim, quando se trata da evolução do conhecimento humano, melhor uma teoria errada do que teoria nenhuma. Os índios não formulavam estas teorias, e vemos no que deram. Quando uma teoria esta’ errada ela serviu de grande beneficio para nossa evolução, pois nosso conhecimento tem evoluído na base da tentativa e erro. Cada erro sofrido vai sendo eliminado das possibilidades e assim vamos cada vez mais nos aproximando do acerto.

Portanto, temos uma teoria, e temos agora uma vontade incansável de alcançar o reino fantástico dos fótons, um reino que revela os calcanhares da onda de luz original que veio junto ou deflagrou o Big Bang. Que extrapola as fronteiras do nosso universo perceptível e nos leva aos limiares da Criação… e talvez aos calcanhares do Criador. Estamos procurando agora uma maneira de mergulhar-mos nas trevas que antecede o reino dos fótons, isto nos ocupara’ a mente dia e noite, premissa necessária e suficiente de que vamos chegar la’.

 

Integrated Information Theory (IIT): Moderna Teoria Sobre Auto-Consciencia

sexta-feira, maio 12th, 2017

xxxx

A Ciencia Moderna tem duas eleitas teorias sobre a consciência. Uma chama-se Espaco de Trabalho Global, desenvolvida pelo neurocientista Bernard Baars, do Instituto de Neurociências de La Jolla, Califórnia (EUA), sobre a qual escrevo outro artigo. A qui vamos tratar da outra teoria, a Teoria da Informação Integrada.

Phi, the symbol for integrated information.

Primeiro conhecimento da Teoria obtida no debate com vídeo  e participação do autor da teoria, Giulio Tononi, em:

Consciousness: Explored and Explained

http://www.worldsciencefestival.com/videos/consciousness-explored-and-explained/#volume

 

Consciousness: Explored and Explained

My 2 comments posted at the video/YouTube:

Louis Charles MorelliLouis Charles Morelli – 5/17/2017

Sir Giulio Tononi will advance his research if he learns about the universal formula discovered by matrix/DNA Theory for all natural systems, from atoms to galaxies to brains and probable, consciousness ( it must be a system also, and it must have a configuration that is the projection of the brain’s system). It is very hard dealing with systems without knowing what really is a system, why they exists and why they works the way they does. Nature has applied a formula for doing them and the formula explains everything. Integrated information, reducible mechanisms, everything are there, in the formula. How each part of a system is built by the same life’s cycle process, which are the specific universal function of each part, their locations and shapes, etc. For example, the identity of systems becomes very clear looking to the formula. But, just identity of systems is a good evidence that consciousness is an entity under evolution from systems to systems since the beginnings of time, before life’s origins.
Louis Charles MorelliLouis Charles Morelli – 5/17/2017
Matter is able to become conscious of itself, alone? Every scientific work done about consciousness is like Integrated Information Theory. See the paper: it is hard work collecting natural phenomena related to what we think consciousness does, surrounding the phenomenon, but, as black holes, never reaching or touching or seeing it. No problem, this is the normal procedures in Science, it is the secret by which we had known invisible things. But, there is a belief driving the scientific investigation. That brains produces consciousness. Which means: matter can become conscious of itself. My question is: ” What if the belief is wrong? How much time, money, effort, we will loose? Which evidence or other natural parameter without the human brain we have for believing in this way? What if the knowledge of consciousness is only possible by a different scientific approach? At Matrix/DNA Theory, our theoretical models are suggesting that consciousness has nothing to do with the event of the Big Bang, but it was there, beyond and before the event. Like a human brain gets consciousness at 6 or 8 months at embryonary state but is no the brain creating consciousness first time in the world, it was existing before and beyond the little embryogenetic universe of the embryo, it was existing at potential state inside the genetics of the embryo, waiting the brain reaching the right level of complexity. So, it is we an our universe. Consciousness can flourish at any place where a natural system reaches such complexity, but, consciousness never will be explained while we are inside this universe. Which means that we must continuing these scientific efforts trying to know the effects of consciousness, not its explanation, origins, formation.

Wikipedia:

https://en.wikipedia.org/wiki/Integrated_information_theory#Central_Identity

Integrated information theory (IIT) attempts to explain what consciousness is and why it might be associated with certain physical systems. Given any such system, the theory predicts whether that system is conscious, to what degree it is conscious, and what particular experience it is having (see Central Identity). According to IIT, a system’s consciousness is determined by its causal properties and is therefore an intrinsic, fundamental property of any physical system.[1]

IIT was proposed by neuroscientist Giulio Tononi in 2004, and has been continuously developed over the past decade. The latest version of the theory, labeled IIT 3.0, was published in 2014 ( cont.)

  • ver lista de referencias de papers relacionados na Wikipedia

xxxx

Primeiro Paper do autor da teoria, Giulio Tononi, publicado em 2014, na PubMed, livre para leitura:

From the phenomenology to the mechanisms of consciousness: Integrated Information Theory 3.0. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24811198?dopt=Abstract&holding=npg

( Observar Funding Statement: This work was supported by a Paul G. Allen Family Foundation grant, by the McDonnell Foundation, and by the Templeton World Charities Foundation (Grant #TWCF 0067/AB41). )

xxxx

Artigo na Nature ( somente abstrato livre):

Integrated information theory: from consciousness to its physical substrate

http://www.nature.com/nrn/journal/v17/n7/full/nrn.2016.44.html

Ver lista de referencias na Nature sobre papers publicados e relacionados a IIT

xxxx

Copia de uma analise em português desta teoria:

http://hypescience.com/cientistas-se-aproximam-da-teoria-da-consciencia/

Informação Integrada

O neurocientista Giulio Tononi, da Universidade de Wisconsin-Madison (EUA), desenvolveu uma das teorias mais promissoras para a consciência, conhecida como teoria da informação integrada, na qual Koch também trabalhou, em parceria com Tononi.

Entender como o cérebro produz o material de experiências subjetivas, tais como a cor verde ou o som das ondas do mar, é o que o filósofo australiano David Chalmers chama de “problema difícil” da consciência. Tradicionalmente, os cientistas têm tentado resolver este problema com uma abordagem que vai de baixo para cima, um tipo de processamento de informação baseado em dados vindos do meio ao qual o sistema pertence para formar uma percepção. “Você pega um pedaço do cérebro e tentar espremer o suco de consciência [dali]”, explica o diretor científico do Instituto Allen. “Mas isso é quase impossível”.

Em contraste, a teoria de informação integrada começa com a própria consciência e tenta trabalhar de marcha ré para entender os processos físicos que dão origem a este fenômeno. A ideia básica é que a experiência consciente representa a integração de uma grande variedade de informações e que esta experiência é irredutível. Isto significa que quando você abrir os olhos (supondo que você tenha uma visão normal), você não pode simplesmente optar por ver tudo em preto e branco, ou ver apenas o lado esquerdo de seu campo de visão.

Em vez disso, seu cérebro tece perfeitamente em conjunto uma rede complexa de informações dos sistemas sensoriais e processos cognitivos. Vários estudos têm mostrado que é possível medir o grau de integração utilizando técnicas de estimulação cerebral e de gravação.

A teoria da informação integrada atribui um valor numérico, “phi”, ao grau de irredutibilidade. Se o phi é zero, o sistema é redutível a suas partes individuais, mas se o phi é alto, o sistema é mais do que apenas a soma de suas partes. Este sistema explica como a consciência pode existir em diferentes graus nos seres humanos e em outros animais. A teoria incorpora alguns elementos do pampsiquismo, a filosofia de que a mente não está presente apenas em humanos, mas em todas as coisas.

Um corolário interessante da teoria da informação integrada é que nenhuma simulação de computador, não importa o quão fielmente replica uma mente humana, jamais poderia tornar-se consciente. Koch colocar desta forma: “Você pode simular o tempo em um computador, mas ele nunca vai ficar ‘molhado’”.