Archive for maio 16th, 2018

A Bíblia versus O Livro das Leis: O Deus dos ricos e o Deus dos pobres: apenas um cenário idêntico `a selvagem divisão entre predadores e presas

quarta-feira, maio 16th, 2018

xxxx

Os leões acabaram de atacar o rebanho. Quando desceram das sombras da elevada colina e apareceram nos campos foram notados pelas ovelhas, que se puseram a correr desesperadas. Então o leão mais velho e líder deu o urro do horror, anunciando a sua gang que ia começar a festa. Como sempre, dentre as ovelhas as novilhas ainda quase babies, com pernas mais curtas ficam para traz na correria, estas são as presas mais fáceis para os leões, e as preferidas, pois tem a carne suculenta de sangue, tenra, e ouvir seus gritos de infante no momento em que são estraçalhadas vivas, e’ o momento de orgasmo máximo dos leões. O momento em que expressam seu poderio, sua força invencível, e seu ódio, desprezo pelo fraco. As ovelhas adultas vão parando de correr, pois ouviram os gritos dos infantes, sabem que os leões não virão por mais algum tempo, sentem-se salvas porque o ritual, de conceder seus rebentos para o altar dos sacrifícios aos deuses da montanha, foi cumprido.

Quando os leões festejam cada qual arranca um pedaço, um órgão preferido, e um sai com o figado na boca, outro o coração e uma parte das costelas, e se riem uns para os outros, assim como moleques na escola se divertem com maliciosidade fazendo o bullying do feio e fraco no meio da roda. Tal pode ser o êxtase dos leões que acontece algo que os humanos não sabem, apenas os ocultistas podem ver, o inicio de um ritual.  De seus cérebros crescem como que nuvens plásmicas invisíveis com rápidos clarões devidos repentinos raios e relâmpagos, que são extensões das sinapses entre seus neurônios. Estas “nuvens” crescem tanto que se encontram umas com as outras, se amalgamam, formando uma só imagem como um holograma no centro da roda dos leões em algazarra e êxtase. E essa imagem se transforma numa entidade fantasmagórica, com cabeça de serpente mas juba de leão, corpo espiral serpenteante e comprido mas com membros e garras de leão. E essa entidade fala aos leões quando estes se aquietam e se debruçam sob a sombra das arvores no alto da colina:

” Esta cumprido! Eu sou a serpente dos Céus, do Éden, eu prometi que lhes daria a força, a vitoria sobre os cães inúteis, os sem classe e estirpe, os filhos do caos e da desordem, vocês são os meus 1% mais os 4% de lobos e hienas escolhidos, vocês são estrelas, cada um e’ uma estrela, e estrelas tem toda a abundância do espaço e do tempo, as farturas como dadivas desta Natureza sem fim e locupleta de riquezas mil, existem planetas de ouro, outros de diamantes e as mais lindas perolas, outras de relva e flores tao belas jamais imaginadas, tudo a sua disposição porque vocês são os únicos desbravadores científicos e criadores das tecnologias, as estrelas são livres para moverem-se para onde quiserem e podem praticar todos os seus desejos, pois o espaço e’ infinito, as abundancias são ilimitadas, por isso seus desejos não se chocam, não criam conflitos entre vocês, e por isso devem ser unidos contra os que não querem ser estrelas brilhantes, que preferem apagar as estrelas em si próprios. Festejem como lhes aprouver, este e’ o privilegio meritório aos fortes que me seguem!”

Enquanto isso nos campos de relva verde as ovelhas estão cabisbaixas, tristes e incomodadas pelo choro das mães das novilhas que estão sendo estraçalhadas, ouvindo seus gritos, e as mães rolam no solo árduo, correm atabalhoadamente em círculos, se jogam nos troncos das arvores, pois qualquer dor física sera’ menos sofrível que as ajuda a suportarem a dor dos sentimentos, emotiva. Assim com o rebanho paralisado em torpor enquanto as mães se torturam e gritam de dor, igualmente inicia um ritual, de seus cérebros crescem e emanam nuvens plásmicas que se encontram e se amalgamam no meio da roda do rebanho, formando uma imagem, um holograma que compõem uma figura, e levanta-se uma entidade fantasmagórica. E esta entidade se dirige as mães perante os olhos do rebanho, e enlaça as mães num abraco fraternal, carinhoso, e diz em voz baixa e suave: ” Eu vim para apascentar-lhes e ajudar-lhes a curar suas feridas. Eu sou quem sou e no Éden eu lhes dei tudo e lhes prometi que de vocês sera o reino dos céus. Vocês vieram para conhecer, amar e servir!…

Mas nisso surge o bode azul com chifres, um deformado nascido dentre o rebanho, que salta violentamente ao centro da roda querendo empurrar e expulsar o holograma da divindade enquanto vocifera em alta voz:

  • ” Não ouçam este mentiroso e enganador! E derrotado ate pelos lobos judeus aliados e servis aos leões romanos, pagando com sangue na cruz pela sua fraqueza! Aquele que não apareceu para empunhar armas e lutar defendendo as mulheres, idosos e criancinhas devorados em seu nome na arena de Nero! Este e’ o grande ausente que esta mancomunado com o deus dos leões, este e’ a outra face de Satan, o eterno ausente nas suas necessidades e sempre presente nos discursos prometedores que nada mais visam que os seus filhos, os seus corpos e sangue a serem entregues ao grande Satan do alto da colina.”
  • -” Não, meu filho… – interrompe a divindade fantasmagórica…
  • – Não me chame de filho, não sou filho dos fracos e covardes… Onde estavas antes dos leões atacarem? Não dizes que podes ver os tempos, o passado e o futuro, como não prevês as tragedias para evita-las aos seus filhos? Onde estavas para impedir mais esta tragedia aos que você diz serem seus filhos? E seus irmãos, suas irmas, seus pais, suas mães? Enviando sinais de paralisia mental para entorpecer o rebanho exigindo o sacrifico da vitima no seu altar?
  • – Não, meu filho, eu estava no meu reino que não e’ deste mundo, o reino dos meus filhos, para onde vão os meus escolhidos, e você nunca vai entender com sua mente e razão humana ( glup, eu quis dizer “razão bodifera”), pois as respostas e explicações estão na dimensão espiritual, não são para o vosso entendimento…”
  • – “Sei, sei – interrompe o bode chifrudo azul – e só nos resta ama-lo temendo-o e obedecendo não e’? E nos conformarmos em viver esta vida estupida sem sentido de ficar 24 horas trabalhando transformando grama em suculenta e nova carne para pastejo dos demônios, não e’? Eu acabei de assistir agora qual o destino de seus escolhidos, de suas criancinhas…  Meus amigos, – diz o bode voltando-se para fitar o rebanho `a volta – eu sou seu amigo, eu sou seu irmão, eu sou sua especie, eu sou forte porque os leões nunca me pegaram, pois sou planejador, cauteloso, vigilante, e se preciso for, eu posso morrer mas caindo de pé, ferindo a fera com meus chifres pontiagudos. Deixem de ouvir esta falsa divindade que nada mais e’ que um fantasma projetado pelas suas mentes, vocês são em muito maior numero que as feras na colina, vocês são 90% ou ate 95%, vocês tem a força e o poder, a qual lhes e’ usurpada pelas mentiras deste Satan que se faz passar por santo dos santos…. Deixem de serem como estas mães choronas mas inertes, passivas, que por preguiça mental e não por fraqueza física não tomaram as providencias possíveis antes de gerarem seus filhos.”
  • “No alto da colina – continuou o bode azul – neste momento, o deus dos predadores, Satan, festeja comemorando com seus filhos mais esta vitoria de guerra. Tambem as feras são enganadas sem o saberem, pois acima de todos os deuses esta a realidade desta Mãe Natureza Universal e a força de Suas Leis. E uma destas Leis, assim como revela o conhecimento da Historia Natural e não as falsas versões da Historia para incluir seleções de escolhas convenientes aos desejos, mas inexistentes na realidade, sempre determinou que todo grande predador, se acomodou no leito dos privilégios e conforto, tornou-se um beco sem saída para a evolução, tornou-se gordo, e pesado incapaz de se defender, e com isso foi extinto. Ondes estão os dinossauros, reis dos continentes, a águia, rainha dos ares, as orcas, rainha dos oceanos? O que restam deles sabem que não tem outro futuro senão a extinção de sua especie e herdeiros para toda a eternidade. Por isso vocês não podem aceitar passivamente este estado de coisas em que ficam cedendo, dando de seu trabalho, energia e suor, para alimentar e fazer crescer os monstros sem futuro, que serão maior peso para as costas de seus filhos. Eles dizem que vocês são bárbaros causadores da desordem, os que perturbam a ordem… mas que ordem? Ora a ordem segundo o sistema que lhes satisfaz, que mantem seus territórios e direitos sobre os rebanhos, ao qual tentam se agarrar e defender com a coragem dos suicidas, pois preferem a violência, a guerra total, a própria morte, que não ter como satisfazer seus caninos da boca e os abstratos da psique, que foram feitos pelos deuses com o único intuito de matar, estraçalhar, devorar. Mas vocês são sim, na sua ignorância e preguiça mental contra as ciências da natureza, agentes da desordem e da destruição do reino vivo mais baixo que e’ a vegetação, e devido seu descontrole na sua multiplicação como ratos, vocês também estão condenados a desaparecerem quando extinguirem esta vegetação. Eu não quero vocês no poder, no alto da colina, pois para a minha suprema meta, que e’ a transcendentalidade destas formas animalescas, a exorcização destes instintos repugnantes, vocês no poder seriam igual obstaculo como o são os predadores de hoje. Minha unica chance de sucesso e’ agora animar e buscar nos vencidos, a força para não deixar crescer os dominantes. Por isso tenham a certeza de que neste momento estou alinhado ao vosso lado, sem pertencer a sua ideologia e comportamentos e sem aceitar seus deuses. Todos os deuses são fantasmas, auto-projeções dos desejos inconfessáveis do inconsciente, projetados como hologramas que são vistos pelo consciente enganado. A palavra dos deuses e’ elaborada, polida, mas com frases roubadas ou emprestadas do consciente.
  • Vocês podem se defenderem e ate eliminar os lobos e os leões se quiserem, e devem querê-lo, senão por vocês mesmos, façam-no em nome de sus filhos. Sei que são desajeitados, que tem cascos nas mãos e pés ao invés de garras, que só sabem e preferem trabalhar com a boca ao invés das patas e com a cabeça buscando soluções técnicas para eliminar a escravidão ao trabalho rotineiro, mas mesmo com os cascos, se deixarem se manifestar a força que em vos dorme como potencial latente, mesmo os cascos, mas com a vontade e a inteligencia vocês podem preparar artefatos e armadilhas que combatem as feras. Mesmo com cascos mas com a boca podem colher e afinar galhos, esticar cipos, construírem arcos e flechas que ferem e matam as feras `a distancia e de surpresa. Com seus cascos e bocas agarrando traves pontiagudas podem cavar buracos imensos em volta do campo de relva verde, cobrindo os buracos com folhas e colhendo assim de surpresa as feras em celas das quais nunca mais poderão sair. Sigam amim, que eu estou sempre ausente do rebanho tentando cavar estes buracos com meus chifres, tentando fazer meus arcos, eu lhes ensinarei as estrategias de defesa e ataque, pois temos que responder a agressão da guerra que eles nos promovem, não tem como salvar nossos filhos desta carnificina se não for com uma carnificina preliminar, onde alguns de nos sera certamente sacrificados, mas somos o grande número, e os que se salvarem vitoriosos herdarão a Terra!

                                                                         INICIO do FIM 

Moral da historia. Os dois lados tem seus deuses, o deus vermelho das feras predadoras e ricas, e o deus  violeta/purpura das escravas presas e trabalhadoras pobres. Ate a classe media dos lobos e hienas deve ter seu deus, apesar de que me ‘e evidente que cultuam o mesmo deus vermelho dos grandes predadores de quem vivem a se aproveitarem das sobras da carnificina. Somente o bode chifrudo azul, um meio-carneiro, meio-lobo, produto de rara mutação da evolução, não tem seu deus azul. O bode sabe de onde vem, qual a causa primeira que produziu predadores e presas. No inicio dos tempos deste mundo, la’ pelas eras do Big Bang, no meio do infinito espaço escuro de dark matter inerte, massa pura, houve a emanação e explosão de uma fonte de luz branca, tao forte que nos cegaria as vistas, e por isso quando olhamos para ela nossos olhos se cegam e vemos no seu lugar a escuridão. E o bode racional e cientifico observou – não com os pobres e limitados olhos humanos de ver, não com os pobres e poucos sensores dos cérebros humanos, mas com o exercício de sua inteligencia matemática – o espectro dessa luz fantasmagórica que a tudo deu inicio, que trouxe o movimento onde nada se movia, que fez o infinito borbulhar como espuma quântica, assim como o espermatozoide invade um ovulo de oceano amniótico inerte e alojando-se no seu centro, explode sua membrana e libera a força que move e traz a vida a um novo rebento. O bode observou com a inteligencia, calculou por anos e seculos de geração a geração os segredos dessa luz e por fim conseguiu enquadra-la numa figura alojada no gráfico cartesiano, `a qual denominou ” o espectro total eletromagnético”. E percebeu que esta luz se propaga e se espalha no espaço como ondas, e que cada onda e’ composta por sete diferentes estados, cada qual com um nível vibratório, um comprimento e uma frequência própria, especifica. E viu que do ponto onde a onda se explode ela tem a maior força, a maior energia, a a maior vibração, as quais vão diminuindo a medida que a onda se propaga, ate as ultimas faixas se tornarem um fio contínuo que por fim se desintegra em partículas, os fótons… E viu que os fótons criam o mundo manifestado do retorno a fonte, este nosso mundo materializado onde vão recompondo a onda de luz do fim para o inicio, para chegarem e retornarem a fonte de onde foram criados. Um simples e conhecido processo de reprodução genética rege este mundo, porem, reprodução de não se-sabe-o-que, seja la o que tenha criado este Universo através de espalhafatosos eventos de Big Bangs.  E o bode azul viu que a faixa inicial com força vibratória e elevada energia era a substancia do deus das feras, dos leões predadores no alto da colina. E também viu que a substancia do deus do rebanho era a ultima faixa de linha continua mais as suas partículas a serem dispersadas individualmente no espaço. E com isso entendeu porque todas as partículas dos rebanho, porque todas ovelhas são fracas e jamais conseguem se unirem, porque se tornam partículas individuais, separadas em carne e espirito de sua especie, num extremo ato de egoismo individualista. E o bode azul entendeu todo o resto dos mistérios deste mundo. Viu que a onda universal e’ da cor de uma brancura purina, mas aos cegos olhos do bode ela se divide em sete cores, começando pelo vermelho energético e super-vibrante, a cor do deus dos predadores sanguinários, e depois vem a cor laranja, a amarela, a verde, a azul, violeta e por fim aquela que e’ confundida entre negra e branca, na mesma sequencia do arco-iris e da aura bodifera. E viu sua própria substancia azul fluindo de uma das faixas intermediarias próxima da faixa da luz que os humanos chamam de “visível”. Ele era o meio-termo, o ponto de equilíbrio entre o extremo predador e o extremo inerte, e descobriu que ambos os extremos, opostos em tudo entre si, são ambos expressões do extremo egoismo, e que a unica salvação para os vivos na Terra sera’ a exorcização destes instintos extremos incrustados na psique. E assim, como bode chifrudo azul eu existo neste meio, e para isso eu me mantenho vivo, para lutar por este exorcismo. Eu não sei o que ou quem esta por traz da fonte emanadora daquela luz que vem do alem deste Universo. Não entendo porque ela tem que vir na sua forma dual, sempre manifestando tudo em opostos entre si, se isto sempre causa os conflitos, o sofrimento, o choro e ranger de dentes, apresar de que também esta’ evidente que se as especies vencem os extremos em si, elas transcendem para uma forma e um destino mais sublime. Mas não interessa por enquanto buscar a resposta deste grande e maior mistério, cujas informações estariam alem da capacidade do meu pequeno cérebro em process-las e entende-las, o que interessa agora e’ lutar aqui como homem e vida, dentro dos limites deste Universo, para erradicar os extremos e alcançar a transcendência. Suspeito que com ela, poderemos ultrapassar as fronteiras ultimas deste mundo e então nos depara frente a frente com a solução do grande mistério.

FIM

Estou muito ocupado fazendo uma investigação comparativa entre o povo do “Deus dos Pobres” e o povo do “Deus dos Ricos”. Para isso primeiro coloquei sobre a mesa ” O Livro Cientificista Materialista Evolucionista da Historia Natural” porque para qualquer conclusão eu tenho que me ater aos fatos reais comprovados por mim e mais os fatos que eu não vi porem são sugeridos pelos trabalhadores que escreveram o livro cientificista e que são testáveis, muitos deles eu assisti os testes e os aprovei. Tendo sobre a mesa a coleção dos fatos reais avistados na minha experiencia de vida, agora vou por sobre a mesa os livros destes deuses, que a meu ver são a maneira que cada qual conecta os fatos e dai extrai sua visão do mundo, e cuja visão geral funciona como feed-back retroalimentando o tipo especifico de interpretação de cada grupo sobre um mesmo fenômeno ou evento natural, real. Então de um lado tem os livros dos deuses dos pobres, a começar pela Bíblia, o Kuran ou Alcorão, o Talmude, o Budista… e do lado dos deuses dos ricos inicio com o “Livro das Leis” da filosofia thelemita no qual a divindade espiritual que ditou e inspirou o livro fala tudo exatamente o oposto do que fala por exemplo, a Bíblia.

Se algumas pessoas disseram que viram seu Deus e este disse que “tenha compaixão e ajudai os fracos e humildes pois eles são meu rebanho, eles herdarão os seus, e blá-blá-blá…”, outras pessoas disseram que viram seu Deus e este disse: ” Vocês, menos de 5%, são os meus escolhidos e eleitos, porque vocês são as estrelas que brilham e a sabedoria, a vocês darei todo o poder porque os outros 95% são como cães, então unam-se e massacrem, escravizem, tratem como cães sem futuro os outros 95% e blá-bla-blá…”.

Ao ver isso retorno ao livro cientifico e me certifico de que de fato desde suas origens a humanidade em todas as nações e civilizações tem apresentado esta divisão de 5% de fortes dominantes e 95% de fracos dominados, fracos porque tendo maior força em numero, se deixam escravizar e torturar e morrer pelos 5%. Contra a historia real visível não existem argumentos e esta tem sido a historia real e ainda nos dias de hoje.

Então volto aos livros religiosos procurando qual a justificativa que cada Deus forneceu para fundamentar o seu conselho. `A primeira vista, a justificativa fornecida pelo Deus dos ricos e’ mais humanamente racional, mais sincronizada com a logica natural que temos observado. Diz o Deus dos ricos que cada humano tem uma estrela em si, e’ uma estrela, e estrelas são livres para satisfazerem seus desejos, pois o espaço e’ infinito, elas não se chocam, as dadivas da natureza são abundantes, tem para todos. E assim devia ser na Terra, cada um satisfazendo seus desejos sem escrúpulos, porem os 95% não querem assim, eles causam a desordem e por isso os choques, os conflitos. Então, que massacrem os 95%! Enquanto isso, a justificativa do Deus dos pobres para seus mandamentos e’ que os humanos devem serem bons e deixar as questões, as soluções, para o mundo espiritual, pois humanos não podem conhece-las. Ora, se os dois deuses se manterem com estas mesmas doutrinas, este atual estado da humanidade deveria perdurar ate’ o infinito, o que não vai acontecer porque sabemos que o sistema solar esta’ mudando, se transformando e vai varrer fora todo traco de vida neste planeta. A cosmovisão da Matrix/DNA sugere que existe um processo natural que pode ser considerada uma lei universal:

1 – Quando uma forma de sistema natural que se constitui no mais complexo de um dado ambiente, chega aos limites de sua capacidade de evolução, a especie colapsa-se ou estagna-se, suas informações se desintegram, retorna no tempo ate a sua forma que ainda era aberta `a evolução, geralmente tendo seu próprio corpo como o novo ambiente mutado. Obedecendo a lei da dualidade universal, no novo ambiente as informações se juntam em dois grupos distintos, digamos, a face branca e a face negra. Em tudo um grupo e’ exatamente o oposto do outro, apesar de suas formas serem iguais. Ou seja, o fenótipo e’ um só, porem o genótipo são dois opostos entre si. Devido a esta oposição entram em conflitos, geram o caos a volta, o caos os maltrata somando-se aos mal tratos dos conflitos, ate’ que ambos se enfraquecem e caiam. Na queda se avaliam em suas diferenças, pesam os porquês de cada um, percebem que podem haver acordos, e assim se levantam tornando novamente um só em prosperidade. Assim caminham o sistema para a maturidade onde atinge as limitações de suas capacidades evolutivas, porem, deram um passo transcendente em complexidade, em relacao ao ultimo ancestral que era o mais complexo. E novamente outro ciclo evolutivo tem inicio. Mas existe a outra alternativa em que as partes conflitantes nunca entram num acordo, então se tornam um beco evolutivo sem saída, são ambos descartados e a evolução recomeça onde parou no ultimo.

O que vai acontecer com o sistema “especie humana” se esta divisão e estes deuses continuarem, e’ justamente a pior alternativa, a extinção. Por isso temos que arregaçar as mangas e lutar urgente, na busca deste exorcismo destes dois instintos. nem rico nem pobre, nem esquerdista nem direitistas,nem comunista nem capitalista… simplesmente humanista transcendental.

xxxx

Coletar agora cada mandamento, cada frase, do Livro das Leis e procurar sua oposta na Bíblia:

( a continuar)