Archive for junho 8th, 2018

Debate entre experts em Ciencias e Religiao. Questao: Ciencia refuta Deus?

sexta-feira, junho 8th, 2018

xxxx

Nos, agnosticos da cosmovisao da Matrix/DNA, somos “indecisos” nesta questao. Para nos o problema todo esta’ na palavra “Deus”, “God”. Suspeitamos que o atual conhecimento cientifico de fato – sem as teorias dos trabalhadores das ciencias, conhecidos como “cientistas” – desaconselha a fe’ num tipo de Deus tal como e’ descrito na Biblia. E provavelmente todos os outros tipos de deuses descritos nos livros sagrados das outras religioes. Mas os nossos modelos e calculos nos levaram a suspeitar que existe uma especie de “superconsciencia” em outra dimensao alem da que podemos captar com nossos sensores e alem do que tem captado o conhecimento cientifico atual. Esta suspeita superconsciencia seria diferente de todas as descricoes de Deus, portanto evitamos denomina-la Deus ou por outro nome alegorico qualquer.

Esta suspeita surge principalmente de um calculo muito simples dentro dos nossos modelos:

Neste Universo existe, internamente, um sistema natural, que surgiu a 14 bilhoes de anos atras e vem evoluindo, no sentido de que ele surgiu no estado de extrema simplicidade e atraves da Historia Natural Universal tem ate’ agora se transformado no sentido de cada vez mais complexo. Varios outros indicios notados nos nossos modelos resultam na sugestao de que neste Universo esta’ ocorrendo um processo evolutivo pelo simples metodo genetico. Entao nos voltamos para observar a Natureza que conhecemos e procuramos alguma situacao onde um sistema surge em extrema simplicidade, evolui do simples para o mais complexo, e pelo metodo do processo genetico. Isto porque nossas conclusoes teoricas so’ se tornam reais teorias da cosmovisao se encontrar-mos na Natureza real um parametron Comprovado e conhecido por todos. A Teoria de Hawkings sobre uma hipotetica existencia de buracos negros nao passaria neste crivo, pois nao encontramos em nenhum outro lugar um parametron Comprovado real que nos avise que a Natureza e’ capaz de fazer tal objeto.

Encontramos uma situacao comprovada e conhecida por todos que se encaixa perfeitamente como parametro real: trata-se da fecundacao, gestacao e desenvolvimento de cada novo ser vivo. Eles surgem num estado de extrema simplicidade ( uma celula dentro de um ovo); eles evoluem dp mais simples para o mais complexo: e eles sao feitos pelo metodo genetico. O achado nao foi surpresa, pois como nao cremos em magicas sobrenaturais, e portanto este Universo nao poderia criar por magica informacoes que ele nao continha na sua origem, entao ele nao poderia ter inventado outro processo para criar coisas como sistemas vivos que nao fosse o mesmo processo pelo qual ele foi criado.

Encontrado o parametro real, comprovado que a Natureza pode fazer e realmente fez o que pressupoe a teoria, passamos ao estudo comparativo entre a historia do corpo vivo criado e a historia do sistema universal criado. Assim vamos projetando o que conhecemos da micro-historia visivel aqui e agora sobre a macro-historia nao visivel do passado, pressentida no presente mas tambem nao visivel no futuro; e fazemos o exercio contrario ou seja, projetando o que se conhece cientificamente do macrocosmo sobre este evento microcosmico. Assim vamos encontrando num as respostas que faltam mas estao no outro, o que ajudou-nos a aprimorar as duas narrativas destas historias.

Mas um detalhe fragrante salta ao0s olhos, o qual parece sr uma crucial diferenca: em certo momento ( dos 6 aos 8 meses de gestacao) o cerebro do ser vivo humano apresenta a propriedade da consciencia. Isto significa que na evolucao do sistema dentro deste Universo, esta propriedade surgiu nos seus 14 bilhoes de anos. Nao ha’ nenhuma dificuldade aqui porque estamos contando os dois tempos sob a perspectiva humana, entao o que e’ feito em 7 meses na micro-escala humana pode corresponder ao que e’ feito em 14 bilhoes de anos na macroescala do universo.

Mas.… sabemos que nao e’ cada novo cerebro recem formado humano que inventa pela primeira vez no mundo a propriedade da consciencia, porque sabemos que ela ja existia antes, na especie humana, que esta fora e alem do pequeno universo oval do feto. A consciencia ja existia desde o momento da fecundacao na heranca genetica recebida, portanto nos 6 meses  – desde as formas de celula inicial, morula, blastula, feto, e ate a de embriao – ela existiu no estado potencial, nao expressada. Em relacao a historia universal nao temos nenhuma evidencia ou pista para concluir se foi este universo que inventou pela primeira vez no mundo a consciencia, ou se ela ja existia antes e alem dele. mas esntao aplicamos o mesmo metodo de projetar o conhecido da micro-historia sobre seu espelho que ‘e a macro-historia e chegamos a nova teoria de que nestes 14 bilhoes de anos – desde a forma de sistema atomico, estelar, galactico, celula vegetal, e animal irracional – a consciencia esteve no estado potencial, sem ser expressada. E por conseguinte temos que transportar a fonte desta consciencia no fato observado aqui e agora como fonte para o fato existente mas ainda nebuloso da macro-historia, e chegamos a teoria de que a consciencia humana nao foi inventada dentro deste Universo, mas sim ja deve ter existido antes das origens e alem do Universo.

Entao o que denominamos como superconsciencia cosmica em nada se compara com as definicoes de deuses de todas as religioes conhecidas. Pelo que conhecemos da Ciencia humana – seus fatos comprovados – ela nao pode refutar esta teoria, muito pelo contrario, por ser uma teoria intrinsicamente naturalista, ela deveria aceitar como a mais provavel teoria que ela pode produzir sobre tal assunto. Ela ‘e mais consistente do que a teoria de que do nada veio tudo, pois nao existe aqui e agora nenhum parametro conhecido onde um Comprovado nada gera alguma coisa. O fato teorico que embasa a teoria do nada ‘e o resultado zero da energia do universo, mas isto feito equivocadamente, porque a existencia do sistema natural universal nao tem como essencia primeira a energia, ela veio encriptada como codigo em algo que sobra quando as energias se auto-anulam: a luz. Em outras palavras, seja como for, o reino alem deste universo nao nos enviou nenhuma energia, mas sim um a onda de luz, a qual, ao avancar, no seu atrito com a substancia especial que pode ser um eter ou a materia escura, produz a energia positiva, e na sua volta `a fonte, produz a energia negativa. As duas devem ser descartadas quando o universo, como qualquer ovo, com sua clara formada de galaxias fazendo o papel da placenta, e’ descartados ao nascer da criatura.

Vamos entao ao debate no video, e a seguir tentaremos assinalar e analizar cada ponto fundamental citado por ambos lados:               

DEBATE: Atheists vs Christians (Krauss + Shermer vs D’Souza + Hutchinson)

8:24 Lawrence Krauss (Atheist)

15:45 Ian Hutchinson (Christian)

23:34 Michael Shermer (Atheist)

31:02 Dinesh D’Souza (Christian)