Archive for junho 15th, 2018

Porcentagens das diferentes raças/etnias no Brasil

sexta-feira, junho 15th, 2018

xxxx

Brancos: 45,5% ( notar que brancos não são apenas descendentes de europeus, pois neste grupo estão os turcos, libaneses, e todos do oriente medio)

Pardos: 45% ( vide definicao abaixo)

Negros: 08,6 %

Indigenas ou amarelos: 0,9%

Definicao de “pardo”: Wikipedia

Pardo é um termo usado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para configurar um dos cinco grupos de “cor ou raça” que compõem a população brasileira, junto com brancospretosamarelos e indígenas.[20]

No sentido concreto, estrito, a palavra pardo é usada para referir-se aos brasileiros com variadas ascendências étnicas.[21] O manual do IBGE define o significado atribuído ao termo como pessoas com uma mistura de cores de pele, seja essa …

miscigenação mulata(descendentes de brancos e negros),

cabocla (descendentes de brancos e ameríndios),

cafuza (descendentes de negros e indígenas),

ou mestiça.

Website e Disqus: nao funciona

sexta-feira, junho 15th, 2018

xxxx

Na versao em ingles os comentarios estao “comments of”

Na versao em portugues nao tenho autorizacao para moderacao e aprovacao.

No painel do Disqus so esta registrada a versao em ingles.

( Ver antes a lista de comentarios spams indevidos de users nas duas versoes. Se nao tiver estes comentarios na ingles, e’ porque os coentarios estao of. Se tiver na versao portugues, significa que os falsos users estao entrando pelo wordpress comments apenas)

Fantástica indicação da previsão da Matrix/DNA sobre “dois processos para formação de galáxias”?

sexta-feira, junho 15th, 2018

xxxx

http://www.pnas.org/content/early/2018/06/04/1720167115

Neste paper da PNAS, pela primeira vez vejo mencionado   com grande insistencia os termos “first generation”, and “second generation” referindo-se a nebulosas estelares e pre-condicoes de formação do sistema solar. Assim de chofre sem ler cuidadosamente o paper, estou entendendo que separaram a formação destes sistemas em duas fases porque numas amostras de material interestelar so’ aparecem moléculas e elementos nao-organicos, e em outras amostras aparecem estes ingredientes acrescentados de carbono organico…! Isto e’ fenomenal para o modelo teórico astronomico da Matrix/DNA.

Primeiro porque fui o primeiro ( a 35 anos atras) a sugerir como resultados dos meus modelos que – assim como a célula vital teve duas fases ou dois processos diferentes de formação ( a primeira quando formou a primeira célula e a segunda quando a célula aprendeu a se reproduzir e formou todas as outras posteriores – também a formação de galáxias e/ou sistemas estelares tiveram dois processos de formação, pelo mesmo motivo. Como na teoria tratamos da formação do building block de galáxias, não pudemos ate hoje calcular como teria sido a transformação da primeira para a segunda fase, pois isto envolveria um estudo químico muito complexo e detalhado. Com isto ficamos sem afirmar um modelo de formação da Via Láctea e do nosso sistema solar, por não saber-mos se pertencem `a primeira ou segunda geração.

Se nos debates e fóruns da Internet em que participei esta alusão a dois processos de formação produziu nos interlocutores discredito, incompreensao e ate’ ironías, acontece que eles ainda nao sabiam destes recentes estudos e revelações dividindo as gerações pela Ciência Astronômica Oficial.

Outra grande e espetacular possibilidade que surge com estas recentes descobertas vai de encontro com outra sugestão feita a 35 anos atrás: a de que os sistemas astronômicos são internamente exclusivamente físicos e mecânicos, porém já apresentam uma cobertura de organização orgânico-biológica da matéria, a qual evoluiria para os princípios da origem da vida. Quando eu dizia isto então, os ouvintes iam ao delírio do criticismo. Pois neste paper se descobre que o carbono organico ja existia nas nebulosas pre-solares de segunda geracao e inclusive era forte catalizador na agregação de grandes compostos de elementos inorgânicos.

E para quem não percebeu ainda, a propalada transformação do inorgânico para o orgânico que sempre e’ acreditada nas teorias das origens da vida existentes, pode estar errada, e pode estar certa a minha teoria quando sugeriu ha’ 35 anos atras que esta transformacao se deu fora e antes da formação da Terra. Assim como a minha teoria está sugerindo que a teoria evolucionista darwiniana esta demasiado incompleta porque  a evolucao biologica neste planeta foi e e’ afetada por variáveis vindas da evolucao cosmologica ainda desconhecidas de quem não conhece a minha teoria.

Um dos textos do paper referindo-se a duas diferentes gerações:

” We interpret these observations as evidence for two sequential generations of aggregation, possibly in different environments. GEMS are thus first-generation aggregates in which subgrain mantles may have played a role in the aggregation (or accretion) process. The second generation of aggregation involved sticking of GEMS grains, crystals, and nanoglobules, also perhaps facilitated by a second generation of mantles, to form the aggregate structure with organic matrix observed in cometary IDPs…. 

Espero que tenha tempo, condições financeiras e disposição para retornar a este paper com link acima para fazer uma detalhada pesquisa nos papers derivados e relacionados ao tema. São centenas, milhares de indicações, evidências, como estas, que me fazem suspeitar que realmente a minha teoria tenha uma forte conexão com a realidade da natureza universal…

Evidencia para o modelo astronomico da Matrix/DNA: Formacao dos sistemas astronomicos

sexta-feira, junho 15th, 2018

xxxx

No modelo astronomico da Matrix/DNA – que e’ baseado na formula universal para sistemas – o nucleo de uma nebulosa rotativa contem um turbilhao onde sao processados os elementos que vao compor o nucleo dos astros. O modelo previu grande quantidade de magma de ferro liquido quente. Agora este estudo abaixo confirma a existencia do ferro nas nebulosas pre-sistemas estelares e sugere a existencia de mais tres elementos: Mg (magnesio),Si (silicate) e Ca. Isto deve ser mencionado no livro:

Artigo no link para o paper no PNAS:

http://www.pnas.org/content/early/2018/06/04/1720167115

The Cosmic Dust Analyzer (CDA) on board the Cassini spacecraft determined that contemporary interstellar dust grains from the diffuse ISM consist primarily of grains of magnesium-rich silicate composition with approximately solar relative abundances of the nonvolatile rock-forming elements Mg, Si, Ca, and Fe, a mean size of ∼200 nm, and inferred presence of iron inclusions (9). [Carbon detection by the CDA was difficult in such small samples impacting at high speeds due, in part, to contamination issues (9)

Mais informacoes em: