Archive for junho 17th, 2019

Um método para a Matrix/DNA desafiar materialistas para debates: as diferentes logicas construindo as diferentes teorias.

segunda-feira, junho 17th, 2019

xxxx

Um método para debater teorias com cientistas.

Os acadêmicos tem teorias muito influentes, como a de que a vida veio da não-vida, que o Universo começou com um Big Bang apenas fisico e não biologico, que a evolução começou na Terra e tem apenas 3 variáveis, etc. Eu tenho outra viso do mundo cujas teorias são diferentes nos tres tópicos: a vida é mero produto da evolução dos sistemas naturais que vieram da era cosmologica, que o Universo é apenas uma placenta e começou por um ato de fecundação biológico, que a evolução é universal e tem sete variáveis, etc.

Como eu poderia desafia-los obrigando-os a um debate?

Bem, eles vão exigir que eu apresente modelos teóricos perfeitamente testáveis. Ou mais, que eu apresente como provas os modelos já testados. Mas eles tambem não podem testar e nem tem testados estas três teorias. Então quando pedem isso, eu poderia rebater pedindo-lhes o mesmo. Mas isso interromperia o debate. Então existe outro método:

Já que nenhum dos dois podem testar suas teorias, só nos resta debater a logica de cada teoria. De onde eles tiraram a logica em que um minusculo átomo ao explodir contenha toda a massa e energia do Universo? Onde eles viram algo semelhante? Onde eles viram uma sopa de ingredientes inorgânicos produzirem algo vivo? Porque existem tantas falhas ainda na teoria da evolução? Não seria porque apenas 3 variaveis não podem mover a evolução? Porque dividem a Historia da Evolução Universal em dois blocos separados entre si sem nenhum elo evolutivo entre os dois, os blocos da Evolução Cosmologica e da Evolução Biologica? Quem os autorizou a isso, se a natureza universal é uma só? Porque dividem os sistemas naturais em vivos e não-vivos?

Atraindo-os para este terreno eu posso ter vantagens porque todos os passos da minha teoria são embasados em fatos conhecidos e provados aqui e agora. E as teorias deles são baseadas em exercícios matemáticos não em fatos reais.

Então, vem a calhar este artigo, onde posso extrair argumentos para esse debate e tentar conhecer melhor a psique deles, como ela funciona. Assim como o autor do artigo esta buscando como funciona a psique dos que acreditam na Terra plana.

Flat Earthers, and the Rise of Science Denial in America

https://disqus.com/home/discussion/channel-disqusunderground/flat_earthers_and_the_rise_of_science_denial_in_america/

trechos importantes no artigo:

If we can understand science denial in its most elemental form, might we not be able to make progress against all of it at once? For those of us who care about science, it is important to fight back against science denial in whatever form it arises.

But we must do it in the right way.

As I argue in The Scientific Attitude, we need to stop merely pointing to the successes of science and reclaim the notion of uncertainty as a strength rather than a weakness of scientific reasoning. No matter how good the evidence, science cannot “prove” that climate change is real. Or that vaccines are safe. Or even that the Earth is round. That is just not how inductive reasoning works.

What scientists can do, however, is say much more than they do about the importance of likelihood and probability, to puncture the myth that until we have proof, any theory is just as good as any other. Scientific beliefs are not based on certainty but on “warrant”—on justification given the evidence. To say that the evidence for anthropogenic global warming has hit the “five-sigma” level, which means that there is only a one in a million chance of a false positive, is something less than certainty. But who could deny that this is enough for rational belief? When certainty is the standard, science deniers may feel justified in holding out for proof. So let’s explain to them that this is not how science works. That certainty is an irrational standard for empirical belief.

When a scientist looks for evidence, and it shows that his or her theory is wrong, this cannot just be ignored. If the problem gets bad enough, the theory must be changed or perhaps even abandoned, else one is no longer really a scientist. Yet I do not believe that this is a matter of method or logic (as Karl Popper and other philosophers have long argued,) but of values. One of the reasons that science works as well as it does is that—as opposed to ideology—it does NOT pretend that it has all the answers. It is open to new ideas, but also insists that these must be rigorously tested. In science there is a community standard to enforce this, based on data sharing, peer review, and replication. The scientific attitude exists not just in the hearts of individual scientists, but as a group ethos that guides empirical inquiry in a rational way. But how many of the lay public know this?

I therefore think that the best way to defend science is to go out and have more conversations with science deniers. I am not talking here about those desultory TV debates of yore, where they used to put James Hansen (a NASA scientist and leading voice on climate change) on a split screen with some conspiracy theorist, and then give them equal time. There are obviously legitimate concerns about giving a platform for falsehood. I’m talking about getting more scientists in front of the media, to talk not just about their findings, but about the rigorous process by which scientific results are produced. And yes, I think it is reasonable to expect more interactions between scientists and science deniers, as is now happening with the measles outbreak in Washington state, where public health officials are holding workshops to talk with anti-vaxxers.

In scientific reasoning there’s always a chance that your theory is wrong. What separates science deniers from actual scientists is how rigorously they pursue that possibility.

xxxxx

Ensaio para meu post

Avatar

Sir McIntyre,

I will say that the Science’s representatives, those writing about Sciencies are the first prejudice to Science and who feeds the Science deniers. Theoretical scientists are producing bad, not rational, theories, and the writers try to sell these theories as final proved facts. Theoretical scientists usually loose the rational thinking, but normal people does not, they see the absurdity in such theories, and this is the first cause that normal people disbelief Science.

I agree with you the absurdity of Flat Earthers, climate and vaccine denials, but these are not the meaning scientific theories that affects people against Science. It is the most existential that affects deep beliefs, like the origins of life and this world, evolution by chance, etc. I am a theoretical naturalist philosopher doing my private investigation in Amazon jungle and nature here is suggesting a totally different world view, and that all these academic official theories are very wrong.

If you are serious in this issue and want to advocate in behalf of these current scientific theories ( I am not talking about scientific and empirical proved facts, it is about theories), I’m challenging you to a debate. We will begin fighting with evidences. I will show thousands of real facts as evidences to my theories, and lots of previsions already confirmed by the last scientific data, as you will do it.  But it will not solve the debate. Then, you will ask me rigorous tests about each theory, I don’t have it, but I will ask you to and I know you don’t have it. We don’t have it because we do not have the appropriate technology yet. So, the unique thing we can do is to debate the logical reasoning implied in each theory. And I think I will earn here because each steps of my theories are supported by known and proved facts existing here and now, while most of the steps of these academic theories does not have such support. This debate is useful because it will show to me and you the faults in our rational reasoning that are presents in those scientific deniers, and finally we will understand it.

What do you have to say?

 

Por que e como foi criado o mindinho

segunda-feira, junho 17th, 2019

xxxx

AFINAL, O DEDINHO DO PÉ SERVE PARA ALGUMA COISA?

https://www.megacurioso.com.br/corpo-humano/36917-afinal-o-dedinho-do-pe-serve-para-alguma-coisa-.htm

xxxx

Meus comentários postados no artigo:

Louis Charles Morelli – Junho, 17, 19
Quer saber a verdade sobre os mindinhos? Por favor, coloque sua mão direita aberta na frente de sua face, e observe-a. Verás que sua mão foi construída exatamente como foi a história de seu corpo inteiro. A palma representa a barriga da mulher gravida que te trouxe ‘a luz como um baby ( o mindinho), o qual cresceu como criança (o dedo seguinte), torna-se adulto jovem ( o dedo médio) o qual torna-se o adulto maduro ( o dedo indicador da sabedoria dos pais) e depois entra em degeneração ficando velhinho e curvado como o polegar. O ciclo de vida pelo qual seu corpo passa, as diferentes formas que seu corpo apresenta nesta vida, tudo representado na forma de suas mãos.
Mas para saber como e de onde vem isso precisa outra experiência. Por favor agora observe as duas mãos abertas, palmas voltadas para seus olhos, com os 4 dedos de uma mão sobre os 4 da outra. O mindinho da direita vai estar sobre o indicador da esquerda. Estás vendo a imagem exata de um building block, uma unidade fundamental de informação do seu DNA. Os 4 dedos representam as 4 bases e os dois polegares levantados representam as duas hastes laterais. Tanto a palma quantos os dedos foram formados por um circuito no sentido horário porque o DNA é um sistema funcional cujas partes funcionam por uma conexão em circuito que vai da esquerda para direita, o sentido horário. Porque?
Ora, porque a fórmula que a evolução aplicou para fazer mãos e pés foi a formula do DNA. E o DNA é um sistema funcional cujas partes foram construídas pelo ciclo vital, e quando uma criatura na luta pela vida precisa de um novo acessório, o DNA manda para o local uma cópia de si mesmo, da qual serão materializados as formas úteis pela evolução. As mãos humanas começaram a bilhões de anos atras na forma de um cílios nas células, passaram pelas formas de patas, garras, etc. Se você conhecer esta fórmula ( a qual está no meu website apenas) você vai entender os outros órgãos, a estrutura do cérebro, e muito mais

xxxx

ele serve para nascer uma unha estranha, bater nos móveis …

Louis Charles Morelli – Junho, 17, 19

Sim, pois como podes ver no meu comentário acima, o mindinho existe porque quem criou a sua mão foi uma fórmula, o DNA, e o DNA é um sistema que como tal tem que ter as sete funções sistêmicas, as quais estão conectadas pelo processo do ciclo vital. Assim como os babies não servem para mais nada além de baterem nos móveis, quebrarem os brinquedos e receberem os xingamentos dos adultos, ou então para serem apenas engraçados, assim são os mindinhos. Se a vida não fizesse sua forma como baby não poderia fazer as outras formas, como crianca, adulto, etc., e por isso, se o DNA não fizesse o mindinho, não poderia fazer os outros dedos… Portanto ame e agradeça a existência do seu mindinho.

xxxx

Li A introdução acima da foto e nem li mais o resto. Meu DEUS me fez!!! Nao sou producto de evolucao nenhuma. Eu sou imagem e semelhanca do meu DEUS!!! Gosto de ciencia e estudo engenharia, mas detesto essas afirmacoes RETARDADAS!
Louis Charles Morelli – Junho, 17, 19

Raios, se você estuda engenharia, então não entendo como você pode aceitar esta natureza e seu corpo como obra de um engenheiro inteligente. Não seria mais sensato dar a um Deus deste inimaginável Universo e talvez tantos outros megaversos o tamanho e magnitude que Ele merece como um engenheiro cósmico? E investigar como de Sua Obra surgiu seu corpo? Para um engenheiro superior bastaria lançar seu genoma/software num ato de fecundação como um Big Bang e deixar que o próprio software, contendo o processo da evolução, fizesse o resto para se ter tudo o que temos hoje aqui, inclusive os 50% desta natureza caótica que é “bad design”, se por acaso nossos ancestrais usaram errado seu livre-arbítrio. Pense nisso como engenheiro e não como os trogloditas inventores de lendas compiladas em livros a milhares de anos atras.