Consciência: Teoria da Informação Integrada – Tononi

xxx

Diagrama esquemático de como decompor superpostos complexos sistemas de acordo com a Teoria da Informação Integrada de Tononi

Artigo Inspirador:   xxxx

A Consciência e o Cérebro, Giulio Toloni, num Video do Vimeo

https://vimeo.com/53787308

Minha Analise do Video de Nononi Apresentando sua Teoria; 

Primeiro de tudo, uma pergunta que me incomoda sempre que vejo alguns acadêmicos modernos dessa linha materialista predominante, se manifestando:

“Porque os neurocientistas estão pendendo a dar uma volta pela Física, com sua linguagem, a Matemática, e sua dinâmica, o mecanicismo, na busca de entender o mistério dos pensamentos?”

Se os pensamentos e’ o fenômeno mais recente emergido neste Universo,foi produzido por este Universo, e quase com certeza e’ o fenômeno topo da evolução universal ate agora, o fenômeno mais complexo existente,então porque escolhem a Física, que trata dos fenômenos mais baixos nesta escala evolutiva, trata da estrutura do mundo, ou seja, do esqueleto ósseo do mundo?

Entre o primitivo mundo da Física e o mais evoluído mundo dos pensamentos existe ainda o meio-termo que e’ o mundo da Biologia. Então, se os neurocientistas estivessem se voltando para a biologia, indicaria que ainda estão patinando para entrar no mundo superior dos pensamentos, mas estariam mais próximo desta entrada. Descendo ao mundo da Física significa que estão saindo pela porta de saída desta investigação.

O Dr. Tononi esta aplicando a Matemática sobre a consciência para investigar o que e’ a consciência. Mas se a Matemática foi criada pela consciência – e uma consciência especifica, privada, que e’ a humana – NÃO FOI CRIADA PELA NATUREZA, POIS NUNCA NINGUÉM VIU A NATUREZA MOSTRANDO NÚMEROS E EQUAÇÕES EM NENHUM LUGAR, e quem esta realizando a investigação e’ uma consciência humana, qual vantagem esperam obter disto? Isto e’ ficar dando volta em círculos. Não tem diferença a postura do Dr. Toloni, que adota o método materialista, da critica que os materialistas fazem aos religiosos quando dizem que: ” Não me venha com citações da Bíblia para provar a mim que a Bíblia diz a verdade.” Acreditar numa teoria sobre a consciência e tentar prova-la pelo que ela diz e’ a mesma coisa. Não se pode acreditar no que nossa mente diz porque nossa mente não sabe quem ela e’, porque ela existe, etc.

Eu tenho uma teoria como resposta a esta pergunta. O meio acadêmico, universitário, como um sistema inteiro, se deixou dominar por uma de suas partes, que e’ o departamento de Física, a qual sempre traz a tiracolo, o departamento abstrato da Matemática. Os biólogos, os neurólogos, e mesmo os cientistas das areas humanas, estão sendo bombardeados pelos grupos da Física e da Matemática, com o seguinte slogan: vocês querem avançar em suas areas terão antes que vir aprender de nos. E’ isto que chamo de ” um visão de mundo peculiar a uma época temporária da Historia dominando sobre todas as outras possíveis visões”.

E isto e’ mal porque certamente o barco vai afundar levando todos os tripulantes, como todas as civilizações anteriores construídas encima de visões de mundo peculiares afundaram. Pois se eu estivesse no meio universitário nas areas não da Física, como a neurologia, quando me viessem com este slogan eu responderia: ” Não, muito obrigado, mas infelizmente você não pode me fornecer o que preciso. Pois já passei da area dos esqueletos, entrei na area mais complexa da carne mole e suas substancias, e agora estou entrando numa dimensão muito maior invisível que e’ a area do cérebro e dos pensamentos humanos. E ao invés de seguir o caminho que Tononi esta seguindo, indo aprender na Física, aprendendo a fundo a Matemática e aplicando-a, indo aprender a mecânica dos computadores, ou seja, ficar circulando dentro do hardware, para tentar entender os softwares que são os pensamentos, eu me focalizaria na mente do Bill Gates que fez o software, já que meu objetivo e’ o estudo da mente. a qual ‘e o conjunto dos pensamentos e que inclusive, os transcende.

Aplicar os conceitos de “binários” e “bits” para investigar a consciência? Mas se estes conceitos são relacionados a computadores os quais, apesar de todas as milhares de nossas tentativas, não conseguem alcançar o estado de auto-consciência !

Medir a consciência pelo método fundamental da Física que e’ medir quantidades dos fenômenos? Mas se a consciência e’ invisível, e estando na realidade medindo neurônios, onde e porque os tamanhos e pesos medidos de neurônios dizem algo sobre tamanhos e pesos da mente?!

E’ certo que Tononi conseguiu e conseguira, na volta por baixo que ele esta dando, alguns valiosos insights. a Biologia criou o esqueleto e quando fez isso, projetou algumas de suas propriedades nele ( o seu esqueleto foi criado pela Biologia de seus pais e não pelos esqueletos de seus pais). Para quem não conhece Biologia a fundo e esta’ investigando-a, conhecer mais detalhes do esqueleto pode levar a supor verdadeiros detalhes da Biologia, já que os de baixo estão projetados no de cima. Mas isto não e’ aconselhável e e’ muito perigoso. Porque se identificar estes poucos insights e insistir em conecta-los de todas as maneiras possíveis tentando obter um modelo final da Biologia, vai errar feio porque a Biologia pouco tem de mecanicismo. Não se pode confiar numa grande figura obtida ao tentar montar um quebra-cabeça tendo apenas poucas peças. Pode-se acreditar piamente que a grande figura final seja um sapato, mas na realidade a figura correta e’ a de um cachorro. O problema do perigo esta em que esta figura vai ser o nosso guia de comportamentos para erigir nossa civilização, nosso modo de vida, nossas relações com a Natureza, etc. Estando essa figura errada nosso guia estará errado, e não e’ a Natureza que vai mudar-se para se adaptar ao nosso guia. Ao contrario, ela vai se manter firme e inutilizar os movimentos da caravana toda, do guia e seus guiados.

Não estou aqui fazendo uma critica gratuita que visa destruir um trabalho heroico e nada oferecer em seu lugar. Acontece que quase todas as hipóteses afirmadas por Tononi chocam-se com as hipóteses que tenho obtido aplicando meu método. Enquanto ele vai buscar como parâmetros, fotodiodos e camera fotográfica, eu vou buscar como parâmetros coisas vivas, como morula e blástula. No final dos dois métodos temos que Tononi esta chegando a uma consciência inanimada, mecânica, apenas materializada e eu estou chegando numa consciência que contem em si o principio vital. Quem esta certo ou errado na sua crença? Bem, ninguem ainda pode trazer uma consciência e pô-la em cima da mesa de debates para provar suas teorias, portanto, o único juiz a decidir chama-se ” o tempo”.

Itens destacados do Video:

– Um chip de uma camera fotografica pode ser subdividido em milhoes de componentes independentes( que sao os fotodiodos ou pithcels). Muitos pequenos sistemas cada um com um pequeno repertorio de possiveis estados. Consciencia nao pode ser subdividida em componentes independentes.E’ um sistema integrado com um largo repertorio de possiveis estados. Matrix/DNA Theory: A diferenca ente a Teoria de Tononi e a Matrix/DNA comeca quando Tononi comeca usando como parametros para seu raciocinio, os fotodiodos e o chip d camera, enquanto a Matrix/DNA comeca usando uma coisa viva, a morula. Portanto ja da para notar de inicio que teremos uma teoria mecanicista versus uma teoria vital. Retorna o grande problema da discussao entre Pasteur e Leibniz sobre os sistemas biologios, se sao resulatdos de mera evolucao quimica ou se contem um principio vital que os transcende. O chip da camera ‘e constituido de exatas copias de um unico sistema, os fotodiodos. Porque a camera e’ uma maquina, inanimada. Ou uma massa inerte. A consciencia e’ um sistema dotado do principal vital, o qual e’ forssa que imprime o ciclo vital num sistema. Entao, ao inves de massa vamos analizar com uma analogia o estado causal de sua origem. E’ uma analogia com os estados de morula e blastula. A morula parece, `a prineira vista, como o chip da camera: uma grande quantidade d pequenos sistemas independentes, que sao as celulas. E ainda como o chip, parece que estas copias de um sistema sao todas identicas. Mas na verdade nao. Elas foram produzidas pelo DNA. O DNA pode ser comparado com uma fita de filme. Ao comecar a desenrolar, a fita vai revelando cenas iniciais e nao cenas do meio ou cenas finais. Alem disso ‘e uma sequencia rapida d cenas que se modificam, nao ha duas cenas exatamente iguais. Qdo vai desenrolando, o DNA vai produzindo celulas correspondentes a cada cena. No final temos uma bola-massa de celulas, assim como temos a fita enrolada em outra roda. Poderiamos subdividir as cenas do filme em grupos por periodo de tempo. Assim teriamos num grupo as cenas do primeiro capitulo ou primeiros 10 minutos, outro grupo do segundo capitulo, etc. Na maquina fotografica nao teria sentido fazer isso, pis todas as cenas sao exatamente iguais e nao existe sequencia de cenas, nao existe pasado e futuro, apenas o presente. Ja na morula esta inscrito o mover-se do tempo, a divisao entre varios momentos. O interessante e’ que, apesar de parecer na morula que todas as celulas sao iguais, na verdade nao sao, pois dentro delas cada uma tem um pequenino detalhe que nenhuma outra tem. E cada grupo de celulas, ou cada capitulo do filme, e’ difetente de todos os outros grupos. A Natureza realmente efetiva esta diisao de grupos quando comeca a compartementalizar a massa da morula em nova forma, a blastula. E’ como cortar um quijo redondo em cortes transversais de maneira que no final voce obtem, digamos 4 fatias na forma de triangulos. O interessante e’ que cada fatia sera uma a camada ou regiao de um corpo no futuro, chamada de “tecido”. Entao vamos perceber que os diferentes tecidos foram produzidos pela forca do ciclo vital, entao seja la qual for o nome que demos a cada tecido, podemos tambem chama-los de embriao, crianca, adulto e idoso. A consciencia, inicialmente seria como a morula e nao como a maquina fotografica. Principalmente porque como diz Tononi e cho que ele tem razao, a consciencia muda continuamente de estado, enquanto a maquina nunca muda. Dizer que um muda e o outro nao e’ dizer que um contem no seu interior a forssa do cilo vital e o outro nao contem. Mas a morula, a blastula, pertencem a um corpo, o qual sob uma visão geral, se transformou de morula em blastula, em feto, em embriao, etc, ate o idoso envelhecendo. O que fizemos foi posicionar agora a morula dentro de um sistema maior de tempo: enquanto a morula existe por apenas horas ou dias, ela pertence a um sistema-corpo humano que existe por 80 anos. E novamente nos dividimos este grande sistema em capitulos, em grupos de celulas por momentos ou periodos em que elas se formaram. Ora, nos dividimos o corpo objeto em fatias pelas suas aparencias, suas propriedades, funcioes. Os bebes tem aparencia, propriedade, funcao, diferente dos adultos.Mas dentro deste corpo tem a consciencia, que acompanhou este corpo nos seus 80 anos. Entao ela tambem deve ser dividida em consciencia bebe, consciencia adulta. E’ xatamente estas diferentes formas da consciencia que vamos denominar de diferentes estados, para entao agora nos juntar-mos a teoria do Tononi. Entao a consciencia poderia ser subdividida inicialmente em 8 grandes diferentes estados, como dividimos o corpo-objeto. Mas tambem sabemos que dentro de cada grupo, existe a subdivisao dos individuais componentes, onde nenhum apresenta o exato mesmo estado de outro. Assim como na morula nao existe uma celula exatamente igual a outra. Ainda nao entendi porque ( tenho uma leve suspeita), Tononi chega a uma conclusao oposta, de que ”  consciencia nao pode ser subdividida em seus componentes independentes. Ela e’, por natureza, subdividida, apenas nao e’ separada em seus componentes. E claro que nao podemos separar as celulas da morula, pois a morula deixaria de existir como unidade. Mas o que acontece se separar-mos o chip d maquina em seus componentes? Ainda teremos um chip? Entao a consciencia tambem nao pode ser separada em seus diferentes estados. Como diz Tononi, a consciencia ‘e um sistema integrado com um largo repertorio de possiveis estados. O pronlema e’ que Uononi nao leva em conta o que realmente significa ” estados”. Os estados sao os fotodiodos dizendo luz ou escuro ou o mundo externo ora iluminado, ora escuro? Sao a mesma coisa, pois sempre vao ser iguais, ate o infinito. Aqui cainmos no outro grande problema das teorias da consciencia. Onde esta localizada a mente? Ora, ela e o mundo exterior e’ a mesma coisa, ou seja, o mesmo estado. uando aluz do exterior atinge o fotodoiodo e ele se tona iluminado, existe uma seta indicando acao do agente externo sobre um corpo. Quando o diodo se torna iluminado existe outra seta indicando acao d um corpo sobre o mundo externo? Sim: ponha este fotodiodo num quarto escuro e o quarto e tornara iluminado. vanos deixar aqui a dificuldade de pensar isso, de lado: o que este fenomeno nos sugere e’ a suspeita da nao lcalidade da consciencia, ou seja, a consciencia pararece nao poder ser localizada numa regiao do cerebro porque ela propria se extende como exterior do cerebro inteiro. E quando em outras ocasioes nos vemos esta situacao em que um sistema- o cerebro – esta dentro de outro sistema – a conciencia – temos de dizer que o cerebro e’ um subsistema de um sistema maior chado consciencia ou e tenos de dizer que o cerebro ‘e apenas um estado inferior em ralcao a outro estado supeiror que e a consciencia. Enao vamos chegando a uma diferenca crucial entre Tononi e a matrix/DNA. Tononi definiu conm certeza e numa frase reduzida, o que e’ consciencia. Reduziu-a um corpo, objeto, ou propriedade de outro objeto. Com isso ele se sentiu firme para tracar sua nova estrategia na solucao do misterio ca consciencia, pois essa afirmacao e certeza lhe da um metodo, que ‘e o metodo usual da certeza e definicao de um objeto: a matematica.Enquanto isso, a Matrix/DNA esta vendo em toda a conceituacao ate agora, uma certa condfussao de conclusoes ambiguas e auto-exludentes ou autointegradas. Ela esta vendo o aspecto “estado” da consciencia, como um resultado da acao da forc do ciclo vital. E os varios estados da consciencia parecem estarem superpostos formando um unico final estado presente. Quando ela pensa nisso, ela se lembra do fenomeno da superposicao de estados detectado pelo metodo quantico. Entao ela sugere que ao inves da matematica, a estrategia ideal e’ de agora para a frente aplicar o metodo quantico. A partir de agora, a teoria de Tononi se separa da Matrix/DNA teoria e cada qual sai a viajar numa direcao difeernte. Boa sorte para ambos, quica cada qual conheca muitas coisas e depois se encontrem um dia trocando informacoes, fazendo os dois crescerem ainda mais.

xxxx

Wilipedia: Tradução – Integrated information theory

https://en.wikipedia.org/wiki/Integrated_information_theory IIT ‘e um trabalho inrencionado a entender e explicar a natureza da consciencia. Ele foi desenvolvido pelo psiquiatra e neuro-cientista Giulio Tononi, da University of Wisconsin-Madison. As ideias iniciais de Tononi foram mais profundamente desenvolvidas por Adam Barret, o qual criou medidas similares de informacao integrada, tais como as “empirical phi”.

Visao Geral

A IIT da consciencia tenciona explicar consciencia, ou a experiencia da consciencia, a nivel fundamental usando uma estrutura teorica baseada em principios ( ver ” Axiomatic system”. A teoria inicia com duas postulacoes chaves referentes a natureza da consciencia: 1) que a consciencia tem informacao relacionadaa sua experiencia, e 2) que a experiencia e’ tao integrada que partes de uma experiencia sao informativos entre cada uma.

Aqui, IIT abarca o sentido da informacao da Teoria da Informacao ( Ver Teoria da Informacao) o qual e’, informacao e’ a reducao de incerteza referente ao estado da variavel, e conversamente e’ oque acrescenta ao espericifiar uma variavel com um creccente numero de estados. Quando aplicada `a experiencia consciente tal como a conhecemos, desde que o numero de diferentes possiveis experiencias geradas pela consiccencia humana ‘e consideravelmente ampla, a quantidade de informacao que este sistema aculula deve tambem tambem ser ampla.  A lista dos possiveis estados e’ denominada seu a repertorio, em IIT

In a system composed of connected “mechanisms” (nodes containing information and causally influencing other nodes), the information among them is said to be integrated if and to the extent that there is a greater amount of information in the repertoire of a whole system regarding its previous state than there is in the sum of all the mechanisms considered individually. In this way, integrated information does not increase by simply adding more mechanisms to a system if the mechanisms are independent of each other. Applied to consciousness, parts of an experience (qualia) such as color and shape are not experienced separately for the reason that they are integrated, unified in a single, whole experience; applied in another way, our digestive system is not considered part of our consciousness because the information generated in the body is not intrinsically integrated with the brain.

In IIT 3.0, the 2014 revision of IIT, five axioms were established in underpinning the theory:[4]

  • Consciousness exists
  • Consciousness is compositional (structured)
  • Consciousness is informative
  • Consciousness is integrated
  • Consciousness is exclusive

See the original article for more information.

The suggestion is that the quantity of consciousness in a system is measured by the amount of integrated information it generates.