Proteinas: Modelamento sendo pesquisado pela Ciencia e a versao da Matrix/DNA

xxxx

O que e’ proteina? Como e porque a Natureza bruta e crua criou este fenomeno aqui na sperficie da Terra?

Representação da estrutura tridimensional da mioglobina, proteína globular de 153 aminoácidos

O artigo que inspira-me neste capitulo e’ :

Rules of the game

By deciphering the rules of protein structure, David Baker has learned how to one-up nature and design new medicines and materials.

http://science.sciencemag.org/content/353/6297/338.full

O artigo trata de pesquisar e tentar imitar como as proteinas sao organizadas, modeladas, ou como diz em ingles “folding”. A Matrix/DNA já deu sua resposta que e’ totalmente desconhecida e ininteligível para o povo acadêmico que desconhece esta visão de mundo e sua formula principal. Segundo a Matrix/DNA, proteínas são pedaços do trecho do circuito de energia/informações de um sistema natural na forma biológica. Vamos trazer este circuito para cá:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Então cada ponto deste circuito e’ um ponto-informação e a totalidade de todos os pontos revela a formula, o sistema inteiro. Ao que parece o artigo citado diz que se conhece cerca de 100.000 tipos de proteínas, mas acreditam que deve existir milhões. Para nos esta quantidade de proteínas apenas indica em quantos pontos ( e o tamanho destes pontos) foi dividido o sistema inteiro. Este numero poderia variar de 1 `a infinidade.

Esta visão da Matrix/DNA tem respondido todas as perguntas que já conheci sobre proteínas. Por exemplo, ao contrário das plantas, os animais não conseguem sintetizar todos os aminoácidos de que necessitam para viver. Mas então como surgiram os primeiros animais, se não tinham estes aminoacidos para formarem seus corpos? E porque as plantas conseguem e os animais não?

Os primeiros bits-informação que chegaram `a superfície da Terra ( vindo 50% na energia solar e 50% da energia nuclear do planeta), eram bits fragmentos do decaimento entropico desta galaxia, mas como o building block da galaxia (que e’ a formula da Matrix/DNA no seu estado de sistema fechado) esta’ presente em qualquer uma de suas formas-partes  (seja uma estrela, um planeta, etc.), então estes dois astros, a Terra e o Sol, possuem todas as informações da galaxia. A Terra expressa as informações da fase de crescimento ( da função 1 a função 3) e a estrela, a fase do amadurecimento e decaimento ( da função 4 a função 7, menos a 5). Estes bits chegavam em locais e tempos diferentes mas com o aumento deles todos foram chegando em todos lugares e por vários tempos. E uma das propriedades deles e’ procurarem e se conectarem a seus vizinhos imediatos, os pontos da esquerda e da direita no circuito, assim como as crianças e jovens procuram os de suas idades e não os idosos para formarem suas turmas. Com isso foram formando pedaços do sistema, que eram os aminoacidos. Depois estas pequenas turmas de aminoacidos foram se conectando formando as proteínas. E assim formaram a primeira copia exata da Matrix na Terra, que foi o par lateral de nucleotídeos, um sistema funcional. Varias formas diferentes destes sistemas e formaram um sistema maior, o DNA, cuja expressão na biosfera terrestre e’ o organismo.

A primeira copia exata do building block da galaxia – a formula de sistema fechado – surgiu com a primeira célula viva, dita vegetal. Mas assim como a galaxia caiu porque sistemas fechados se fecham a própria evolução e a Natureza não veio aqui para produzir apenas galaxias e suas copias fieis, as células vegetais, surgiu um pedaço grande da formula no qual ainda faltava uma parte, uma função, mas o qual logrou sobreviver e lutar como sistema… aberto. Foi a primeira célula animal. Esta iria reabrir as portas `a evolução. Então, na célula animal esta faltando informações de um trecho do circuito, justamente o trecho da Função 6, que representa na galaxia a forma de estrela. Para esta função sua contraparte biológica e’ o cloroplasto, o qual e’ capaz de fazer a fotossíntese, ligando a célula vegetal direto `a estrela. Como os animais não possuem os aminoacidos e proteínas para este trecho, precisam se alimentarem de vegetais para funcionarem como sistemas. Assim a Matrix vai respondendo todas as nossas perguntas e vai nos ajudando cientificamente do conhecimento, por exemplo, quem e’ quem dentre os aminoacidos, qual função cada qual executa, etc..

Então a proteína esta’ para um organismo assim como um fóton esta para uma onda de luz, ou seja, são seus pedaços, seus bits-informação. Precisamos ainda encontrar a diferença entre proteínas e genes, pois estes tambem são quantidades de informação do organismo. Esta claro que uma diferença e’ que genes são pacotes maiores de informações, porem não se compõem de proteínas e sim de nucleotideos. Em vista disso, surge a ideia de que genes são informações para construir (reproduzir) o sistema, enquanto proteínas são informações para repor partes e manter partes do sistema.

Uma questão repentina e inevitável que surge ao se olhar para uma proteína e’: Porque uma informação tem que ser desta forma, enrolada e complexa dessa maneira? E a primeira resposta que surge, ao menos na minha mente e’: Como uma proteína e’ uma informação total sobre um ponto, um trecho, do sistema, ela tem que conter todos os detalhes daquele ponto, e como se pode dividir um sistema em quantidades diferentes de pontos, quando maior for o ponto, maior sera a complexidade da informação e portanto, da sua ferramenta material, no caso, a proteína. Então se dividir-mos o circuito de um sistema em pontos e para identificar cada ponto der-mos a ele um numero – e se dividirmos o sistema em milhões de pontos – vai ter proteínas representadas por números na casa dos milhões.

Obviamente, a figura de uma proteína no papel, como a figura acima, nada diz sobre a realidade da proteína, pois não vemos seus átomos, não a vemos trabalhando, etc. Mas apenas vendo esta figura, tendo buscar a razão do porque um ponto na formula da Matrix/DNA e’ representado desta forma. Sei que a formula no papel tambem ilude, pois ela parece ser uma coisa muito simples quando na verdade, nas suas entrelinhas, estão as bases de todos os bilhões de detalhes dos organismos e desta inteira biosfera terrestre. Tal complexidade sugere que mesmo o mais microscópico ponto já deve ser em si mesmo, muito complexo. Mas porque esta forma? Vejo na figura acima seis ou sete traços finos ligando as fitas mais grossas e isto sugere a primeira vista que os traços finos se refiram as seis ou sete parte da formula. E isto nos leva a suspeitar que cada proteína contem em si o sistema inteiro, porem ela tem algum detalhe minusculo que seja especificamente seu, nenhuma outra proteína a tem, por isso a enorme diferenciação delas entre milhões. mas isto ainda e’ muito especulativo.

Sendo a meta humana construir organismos perfeitos e eliminar todas as doenças, teremos que identificar cada proteína e descobrir qual sua função, qual a informação que ela representa em que ponto do sistema. Isto parece uma tarefa impossível se existirem milhões delas, mas existe um método sugerido pela formula da Matrix/DNA que pode facilitar bem esse trabalho.

Se dividimos a formula em seis ou sete trechos/funções como foi feito, podemos usar o numero da Função como o numero inicial inteiro, e depois, para localizar a proteína cada vez mais perto do ponto a que ela pertence, podemos usar decimais. Alias, esta técnica já estou usando para nomear ou enumerar os bits-informação do Universo – aqueles vortices quânticos que pipocaram no espaço para se desmancharem em ondas de luz e assim formarem as primeiras partículas. Os vortices eram espirais contendo as sete forcas brutas naturais, cada força bruta era uma das sete voltas da espiral, então, uma informação no meio entre a forca bruta dicotômica movimento/inercia que tem o numero 3, pode ser identificada como bits-informação numero 3,7564305812…, e assim por diante. Para separar aminoacidos e identifica-los, temos que identificar primeiro sua base central, sua raiz primeira, que e’ o átomo de carbono. A partir dele vamos vendo quais e quantos átomos foram agregados num dado aminoácido e lhe damos um nome. Quanto `as proteínas, seus tijolos básicos não são mais os átomos e sim os aminoácidos. Deve ter m aminoácido como base central a partir do qual de diversificaram todos os tipos de proteínas. Enfim, uma proteína deve te ter indicado sua localização em qual trecho funcional esta na formula, primeiro. Se esta entre 2 e 3, diremos que seu numero sera 2. Depois mais pesquisas vão indicando sua localização dentro daquele trecho, e assim vamos  aumentando as decimais: 2,3750271…, etc.

Por seu lado, a Ciência Academica define proteína como:

Wikipedia: Proteínas são macromoléculas biológicas constituídas por uma ou mais cadeias de aminoácidos.

E a próxima frase continua: As proteínas estão presentes em todos os seres vivos e participam em praticamente todos os processos celulares, desempenhando…

Quer dizer, e’ uma abordagem e definição expressando o estado do conhecimento atual acadêmico. E uma definição descritiva de como e’ e o que faz, e nada diz de onde veio, qual sua causa criadora, porque ela faz o que faz. E’ como se existisse uma funcionaria do recursos humanos de uma empresa bancaria selecionando um dos candidatos a uma nova vaga. Ela olharia todos os candidatos de longe, escolheria o mais bonito, o levaria ate uma maquina de calcular e faria o teste se ele sabe usar a maquina e calcular. Mas ora, não foi feito teste de drogas, de saúde, de comportamento social, mada se sabe de sua origem. E  pode ser que o candidato tenha um grave defeito, que coloque a agencia bancaria em perigo. Nessa analogia, a selecionadora não sabe e não tem como colher as demais informações sobre o candidato. Por isso a nossa abordagem descritiva e funcional ainda não conseguiu identificar as proteínas defeituosas e as causas das doenças mortais tradicionais. Ninguem conhece de fato qualquer objeto existente aqui e agora senão for capaz de contar a sua historia de 13,8 bilhões de anos, identificando-o dentre os elementos primeiros no momento da origem do Universo. E a Matrix/DNA consegue fazer isso.

Como resultado nefasto para a Humanidade, o personagem do artigo, David Baker, vai continuar a vida toda desenhando cada proteína, imitando-as na forma sintética, criando novos remédios, enchendo ainda mais as prateleiras das farmácias, para manter vivos os pacientes doentes. Não e’ a medicina que necessitamos urgente. Precisamos de uma medicina preventiva, e não uma que atua depois que a casa caiu. Precisamos eliminar as causas na raiz das doenças. Precisamos de fato ter um entendimento universal, cosmológico, dos agentes das doenças, para poder conserta-los.

Vou agora reler o artigo para anotar aqui as informações importantes e algumas criticas da Matrix/DNA, para depois voltar ao artigo do Wikipedia e continuar este estudo das proteínas…