SPLICING – ÍNTRONS E ÉXONS: Pesquisar isto

xxx

Basta uma rápida olhadela no assunto para se entender porque os cientistas dizem que este e’ um processo de incrível complexidade. E a explicação geral que encontrei baseado na formula da Matrix/DNA e’ bem diferente da vaga explicação fornecida pela ciência acadêmica. Resumindo o que entendi, numa sequencia de DNA que forma um gene, tem trechos de aminoacidos que nada expressam: são os introns. E quando este gene forma um RNAm para manda-lo ao ribossomo para este confeccionar uma proteína, os introns são copiados tambem neste RNA. Mas os introns não poderiam ser mandados para transcrição pois produziriam proteínas defeituosas ou inuteis. Então o RNAm contendo os introns e’ chamado de pre-RNA pois ele vai ser modificado ainda dentro do nucleo celular. Esta modificação e’ o splicing, processo pelo qual os introns são retirados do RNA, ficando so os trechos de exons, os quais são necessarios e suficientes para produzir a proteina desejada.

Então porque existem estes introns, se nada produzem e aoarentemente so’ atrapalham? Porque não foram descartados pela evolução? Devido a estas questoes, durante um bom tempo as ciencias academicas denominaram estes trechos de introns como “DNA-lixo”. Mas depois do Projeto Proteosome e outras descobertas, este conceito de lixo foi abalado e agora surge uma nova teoria: a de que os introns são necessários para sinalizar longínquos processos dentro dos genes em outras operações.

Mas agora vamos traduzir isto para a linguagem da Matrix/DNA.

Pelo que conclui na primeira vez que tive contacto com este fenomeno, `a primeira vista, introns representam formas temporarias de um corpo evoluindo sob o ciclo vital. Mas porque certas formas não podem ser expressadas numa proteína, se as proteínas representam as sequencias de formas de um trecho do circuito sistêmico, ou seja, do ciclo vital? Segundo a Matrix/DNA, a funcao existencial das proteinas e’ reproduzir o circuito esferico da formula, com todos seus elementos. Pense no rolo de fita de um filme contando uma historia completa da sua vida. Agora corte esta fita em pedacos. Pois cada proteina representa um pedaco da historia vital de um corpo. E neste caso dos introns, e’ como se a proteina que representa o trecho entre a idade de 10 anos,3 meses, 2 dias,18 horas, 24 segundos ate’ a idade de 14 anos, 6 meses… não quer ou não pode conter a forma do corpo na idade de 12 anos, 5 meses, 18 dias. E isto não fazia sentido.

Mas existem muitos introns, na verdade, eles existem alternados com exons ao longo do DNA. E’ como se um individuo quisesse apagar, esconder, certos momentos de sua vida quando fez coisas erradas. Mas isto so e’ possivel imaginariamente, não fisicamente de fato.

A não ser que o DNA humano seja composto por uma superposição de genes. Genes de outras especies, ou ao menos da especie ancestral, continuariam registrados no DNA, tentando agir ou se expressar no mesmo instante que os genes da especie humana.

Ora, mas o DNA humano ‘e 99% igual do ancestral chimpanzé. Então ele seria 99% de introns? Não e’.

Pode ser que todos os genes humanos herdados dos chimpanzés sejam necessários na embriogênese, para formar o corpo, mas depois de formado, o corpo humano se diferencia, e apenas expressa os genes que causam essa diferença. Então nesta fase seria necessário eliminar os aminoacidos de genes herdados, que não mais contribuem para as novas proteínas humanas.

Ainda assim fica esquisito. Parece que no DNA humano existem dois ciclos vitais ao menos, superpostos: o do humano e o da especie anterior. A coisa seria similar a superposição quântica. Se assim for, o processo do splicing também deve estar ocorrendo nos processos quanticos, mas ainda não foi observado. Indagar a um cientista quântico se isto sera’ possível…

Na época dessa investigação, fui anotando tudo o que era relacionado ao fenômeno. Como…

– Preciso lembrar tambem, que a forma dos “laços” ou introns se assemelham aos laços no gráfico do ” Universo de Mil Faces”, o que veio do gráfico da subida da escada onde os laços seriam os “escorregões”. Estes acontecem quando a evolução descarta a forma mais evoluída e acomodada que esta no topo para retornar ao passado buscando uma especie mais simples que seja acessível `a evolução. Seriam os introns, os escorregões do tempo?

– Notar o que diz a cientista no video abaixo: Splicing e’ a razão do porque nos podemos ter o mesmo numero de genes em nosso genoma que a mosca Drosophila, e ainda assim ser-mos mais complexos. E isto é porque nos fazemos o splicing em modos ou maneiras alternativas, e portanto, obtendo o máximo de nossos genes, fazendo múltiplos produtos de cada gene.”

E isto de novo cheira a superposição.

Porem, então lembrei-me de outro artigo antigo onde lidei com o fenômeno do DNA lixo. Alem disso uma frase lida não sei onde ficou batendo na minha cabeça: o spliceosome – a maquina molecular que executa o splicing – nada mais e’ que um catalítico. Ou seja, ele acelera ou desacelera uma reação química, dependendo da situação, assim como você acelera oi freia seu carro. E esta propriedade esta relacionada a velocidade a qual esta relacionada a dimensão tempo, e não espaço. Então,.. como as formas temporárias de um corpo se referem a dimensão espaço, caia a ideia de que os genes estariam escondendo fases formais, concretas da vida. Mas pareceu-me agora que eles estavam escondendo tempos da vida. E a explicação baseada na formula da Matrix/DNA que mais me convenceu foi esta:

O ser humano tem uma vida de 80 anos. Mas o seu DNA registra a historia de todos seus ancestrais, e entre estes estão os átomos e galaxias. Uma galaxia pode atingir 10 bilhoes de anos. Como o DNA lida com essa diferença de tempo de vida das criaturas? Ele nao pode demorar bilhoes de anos para formar um corpo humano como ele demorou para formar uma galaxia. Simples: inventa-se os introns!

Introns sao trechos com aminoacidos repetidos `a exaustao. AGAGAGAH… por isso nada codificam biologicamente. Mas codificaram astronomicamente.

E’ preciso entender o que significa “tempo” sob a perspectiva da formula da Matrix/DNA. Tempo mao e’ uma essencia de per se, ele nao tem uma substancia propria como tem o espaco. Tempo ‘e mais um conceito criado pela imaginacao humana porque precisava-se uma ordem cronologica para se registrar os eventos. Enquanto os aborigenes da America ficaram 500 anos sem mudarem quase nada, na Europa se inventava o canhao, descobria-se a penicilina, construia-se cidades. Na Europa o tempo avancava, na selva americana o tempo havia parado. Mas ao se contar a historia geral da Humanidade, e’ preciso que a historia dos aborigenes se entenda que quase nada avancou em 500, mas na Europa aconteceram coisas que se nao contadas nao se entende o final. Entao, quando se separam as duas historias, na historia dos aborigenes, os humanos colocam numeros ( 1340,1341,1342,etc.) para informar que estao se passando 500 anos, ou melhor, que enquanto isso o mundo estava evoluindo em outro lugar. A Natureza tem apenas um rolo de filme para contar a historia universal geral. O processo da embriogenese de uma galaxia e’ o mesmo da embriogenese de um ser humano. Como manter a historia das galaxias registradas no DNA humano? Para informar que durante 9 meses humanos se passam bilhões de anos galácticos, entre um evento e outro do processo ela insere, aos invés de números, os aminoacidos e repete-os quanto for necessário: agagagagag…. Por isso parece aos cientistas que os introns controlam os momentos de outros genes entrarem em operação.

Mas depois que a embriogênese humana aconteceu, a formula sera repetida milhões de vezes acada segundo para realizar as inúmeras tarefas microscópicas a nível celular onde as velocidades – em relacao a velocidade da formação e processos da galaxia – seriam supersônicas. E quem faz a formula ser repetida são as proteínas. Então tem que cortar fora delas o  tempo na perspectiva astronômica. Tem-se que acelerar os processos, as reações químicas. E isto chama-se catalise. Por isso a frase ” o spliceosome e’ um catalítico” me caiu como um raio na cabeça. ( E alias, este foi mais um exemplo de “seremdipity” assunto do qual trata a cientista no video abaixo)

 

SPLICING – ÍNTRONS E ÉXONS

Gene.png

O Splicing é um processo que remove os íntrons e junta os éxons depois da transcrição do RNA. O splicing só ocorre em células eucarióticas, já que o DNA das células procarióticas não possui íntrons. A estrutura fundamental para clivar essas ligações entre os nucleotídeos é o spliceossomo. Ele consiste na retirada dos íntrons de um mRNA precursor, sendo um dos processos necessários para formar um mRNA maduro funcional.

O spliceossomo é uma estrutura com atividade catalítica responsável pela execução do splicing. É um complexo formado por 5 espécies de RNA e mais 50 proteínas. ribonucleoproteínas (de maneira similar ao ribossomo) que são proteínas ligadas a moléculas de RNA do tipo snRNA (pequeno RNA nuclear). É a máquina de excisão. Essa monstruosa parafernália reconhece início e fim dos íntrons, depois os unem, formando uma alça que então é cortada.

Assistindo o video da descobridora do splicing, no Youtube:

Joan Steitz (Yale/HHMI): SNURPs and Serendipity

(snRNPs (pronounced “snurps”), or small nuclear ribonucleo proteins, are RNA-protein complexes that combine with unmodified pre-mRNA and various other proteins to form a spliceosome, a large RNA-protein molecular complex upon which splicing of pre-mRNA occurs. The action of snRNPs is essential to the removal of introns from pre-mRNA,…)

Meu post no Youtube:

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli   Out/25/2016

Unbelievable the extreme complexity of this process, the extraordinary natural engineer. Hundreds of natural forces and elements, in shape of different molecules, coming from all directions, meet at the same point in time and space for to build a spliceosome and operation of its machinery.
But, at Matrix/DNA Theory, its formulas and models are suggesting a different existential meaning of this process. Accordingly to Matrix/DNA what are introns? They are the larger time of an event occurred at our ancestrals in relation to the short time of the same event occurred at humans bodies. This galaxy is our ancestor also. The embryogenesis of a galaxy is equal the embryogenesis of a human being. One big difference is the time in astronomical dimension and in biological dimension. But, both times are registered at the universal Matrix/DNA.
Then, how Nature solves the problem of a DNA that register both histories? Creating the introns where the larger and now unused time is registered as a repetition of aminoacids: AGAGAGAGA… That’s explains what is the spliceosome: merely a catalytic. It works the times of chemical reactions. (see my long thesis at my website, if you are interested)

xxxx

Pesquisa:

Rever o texto ( – Notar o que diz a cientista no video abaixo: Splicing e’ a razão do porque nos podemos ter o mesmo numero de genes em nosso genoma que a mosca Drosophila, e ainda assim ser-mos mais complexos. E isto é porque nos fazemos o splicing em modos ou maneiras alternativas, e portanto, obtendo o máximo de nossos genes, fazendo múltiplos produtos de cada gene.”)… pois isto não esta batendo com a sugestão da Matrix. Ver de novo como ocorre o splicing de maneiras alternativas…

Tags: , , ,