Como foi que a matéria sem vida, se tornou vida? Resposta da Matrix/DNA

xxxx

Como foi que um líquido sem vida dentro de um óvulo se tornou vida e parte dessa vida? Ou seja, voce? E’ a mesma resposta para a pergunta do título. A matéria sem vida na superfície da Terra a 3,5 bilhões de anos atras, de por si so’ jamais poderia se tornar algo vivo e parte desse algo vivo. No caso do liquido no ovulo, a materia dentro do óvulo so começou a se tornar matéria viva depois que nela penetrou um genoma, um programa para fazer um ser vivo. Então a resposta para o que aconteceu na matéria na superfície da Terra e’ que nela chegou uma especie de genoma. Como sabemos que as coisas complexas vieram da evolução das coisas mais simples, este genoma que chegou na matéria primitiva deve ter sido muito mais simples que o genoma no ovulo. Mas sabemos também que o genoma que penetrou o óvulo foi emitido por uma fonte, e conhecemos essa fonte. Logo, o genoma primitiva na materia sem vida teve uma fonte, mas vocês ainda não a conhecem, ao menos não tem nenhum forte candidato. Eu tenho um candidato e aposto nele. Quem e’ o candidato-fonte? Voce pode encontra-lo por si mesmo. Vou explicar como faze-lo:

Minha avó na sua santa ignorância dizia que filho de peixe peixinho será. E eu pensei que o contrário também era verdade: se e’ um peixinho, filho de peixe será.

E em qual tipo de peixinho eu estava pensando: o primeiro ser vivo a aparecer neste planeta, ou seja, um sistema celular com nucleo e organelas, e  funcionando. Antes dela, sejam os aminoacidos, as moleculas mais complexas como proteinas, o RNA, o DNA, tudo foi prototipos, formas infra-estruturais, como sao as formas da morula, da blastula, feto e embriao do ser vivo chamado de baby. O peixinho era aquela celula. Quem foi o peixe?

Bem, em p;rimeiro lugar, m inha avo dizia aquilo querendo lembrar que o peixinho tem a mesma forma do peixe. Portanto, a celula viva tinha a mesma forma de quem a fez. A materia sem vida da Terra estava ja de cara descartada, pois em nada ela tem a forma da celula. O peixe estava escondido em algum lugar e portanto tambem seu genoma veio escondido do nosso conhecimento.  Por enquanto apenas sei que havia algo parecido com a celula e que esse algo emite seu genoma, o qual penetra a materia sem vida da Terra. Mas como detecta-lo? Existe um metodo.

A passagem do peixe para o peixinho e’ um processo conhecido que chamamos de reproducao. Esta tem inicio com a chegada do genoma, continua com as formas de morula, blastula, etc. Entao a passagem da celula-fonte para a celula biologica viva teve inicio com a chegada do genoma, continuou com as formas de aminoacidos, moleculas complexas, e isto se chama “reproducao da celula-fonte” e nao abiogeneses, como os academicos acreditam. Abiogeneses, ‘e uma palavra errada que desvia o raciocinio do caminho certo para leva-lo a questoes sem fundamentos, fantasias e proposicoes absurdas, como ” a materia sem vida se tornou materia viva”. O amnion nao se tornou um baby.

Sabendo agora que houve um processo de reprodução e não a hipotese sem fundamento racional denominada abiogêneses, vamos nos fixar na forma da primeira célula viva, pois aquela tera que ser a forma da celula-fonte. E agora, sabendo que existe evolucao, e que muitas vezes neste processo de reproducao ocorre alguma mutacao, muito leve que altera apenas algum pequeno detalhe na prole gerada, vamos calcular a forma da celula viva regredindo na evolucao, perdendo algumas das suas complexidades, tornando-se um pouco mais simples, e vamos desenhar o resultado. Com isso estamos fazendo o mesmo que o delegado quando chama as testemunhas, pede que descrevam o que viram do suspeito, enquanto ao lado um desenhista faz o “retrato falado”.

E assim obtive o retrato do suspeito, e com ele em maos, sai a campo para procura-lo.

Mas imediatamente dei meia-volta e retornei a mesa de calculos. Eu havia me esquecido de algo determinante. A tal da reproducao entre a celula fonte e a celula filha demorou bilhoes de anos, e neste tempo o ambiente nao ficou parado, ele tambem teve mutacoes, se trnaformou para chegar ao estado do dia em que a celula filha nasceu. E este nascimento aconteceu a muitos milhoes de anos atras, entao tambem o dia em que a celula filha nasceu nao tinha o mesmo ambiente que tem hoje. Entao nao adianta eu sair no campo la’ fora procurar a celula fonte, certamente ela nao poderia sobreviver ao ambiente de hoje. Nem oxigenio existia, o que poderia mata-la, ela devia precisar de amonia que carregava a atmosfera naqurles seus tempos, etc.

Entao preciso ver o camarada Oparin, o Miller, que ja fizeram calculos dessa evolucao reduzida, mais os conhecimntos adquidridos recentemente, e fazer outro retrato falado, que gora ai se tornar o mapa do territorio onde estava a célula-fonte. Neste twrritorio stav o peixe, sera possivel detecta-lo, sem estar la, e passado tanto tempo? Mas… espera ai… ainda tem outra coisa que ia me esquecendo.

O peixe nao esta no meio da materia sem vida. O meu pai e minha mae nao estavam dentro do ovulo no liquido sem vida. Estavam la fora. Entao a celula-fonte nao estava na superficie da Terra. Raios !!!…

Agora embananou tudo? Ficamos sem esperanças de resolver o maior quebra-cabeças do mundo? Eu e’ que nao vou desistir. Vou dar um jeito e vou la fora procurar o danado.

La fora, da superficie terrestre, significa o que está além da atmosfera, e não apenas o que vemos acima, mas sim o que esta dos lados, embaixo… ou seja, o sistema solar, a galaxia… o peixe está em algum lugar nesse meio. Não estou brincando, foram calculos corretos, foi a orientacao da Natureza, que afirmaram que a celula fonte esta la, e isto significa parar as buscas aqui na superficie da Terra. Tenho o retrato falado dela, mas nao posso ir no campo procura-la…

Me restou ficar namorando o retrato falado. Ali estava a fotografia da minha tatatataravo ( ela tinha que ser hermafrodita, pois sua filha, a célula viva, era hermafrodita) , pessoa amada de muito respeito, querida, eu daria tudo para estar ao lado dela, ouvir tantas histórias que eu queria aprender, ela deve saber de muitas coisas deste universo afora… Eu iria tentar espiar pelo buraco da fechadura da porta de seu quarto, pois estou curioso como um hermafrodita faz sexo consigo mesmo…

Fiquei muitos anos dormindo com o retrato ao lado, e nesse tempo eu vivia isolado na selva, na qual eu sabia que minha tatataravo nunca viveu, então quando pensava nela, imediatamente a via no Cosmos, e pensava no Cosmos.

O que tem no Cosmos? Sete tipos de astros conhecidos até agora. Como eles nascem? Como nasce um quasar, um pulsar?! E la ia eu para a voadeira, meu pequeno barco a motor, rumar para as livrarias e biblioteca da cidade, buscar estas informações.

Nos livros eu ficava sabendo que havia um exército de quimicos ajoelhados na beira de pântanos, mergulhados no fundo dos oceanos em volta das fontes termais, todos procurando LUCA, o ultimo ancestral comum, que para mim se chamava célula- fonte e nao estava aqui, estava no céu. E quando eu me via ajoelhado na beira de pântanos removendo a lama com pauzinhos e olhando com lentes ou o velho microscópio para ver o micro-mundo ali, minha cabeca comecava a esquentar sob o sol torrido dos trópicos, para eu me lembrar que sem a luz do sol nada vivo de movia, a nao ser os bichinhos cegos no fundo do oceano recebendo os tais termais que vinha das profundezas da Terra, provavelmente do nucleo. Então se a luz do sol movia seres na superfície, os seres no fundo do oceano deveriam ser movidos por alguma energia semelhante a energia do sol, o que induzia a pensar que o núcleo da Terra tem algo de estrela…

Muitos detalhes assim foram cada vez mais me convencendo que os modelos teoricos astronomicos que estavam nos livros não estavam dizendo toda a verdade, e se não estavam… me fizeram elaborar um mapa errado do território onde viveu ou ainda vive minha tatataravo. Era preciso refazer os modelos teóricos, mas sem ter um Hubble, sem poder dirigir a NASA para meus objetivos, o que eu podia fazer? Refazer o retrato falado do ambiente, baseado em que?

Testemunhas ! Sim eu precisava de mais testemunhas e me dei conta que tinha uma ao meu lado que ainda não tinha sido convidada a dar seu depoimento: o retrato falado da minha tatataravo! Eu ja tinha pensado em como muitos detalhes na forma dos organismos imitam o ambiente terrestre. Por exemplo, o coração pulsando, expandindo e se contraindo, cada vez que expande se encosta numa costela ossea, parecia com as águas do oceano em ondas que se expandem e encostam na dura rocha dos continentes. Então o retrato falado da minha tatataravo tinha muitos detalhes que eram pistas de como deve ser o ambiente celeste onde ela foi feita. Vamos a ver isto…

( a continuar ) 

Tags: , , ,