O Universo como placenta de uma reprodução genética

xxxx

O que é este Universo?!

Como ele surgiu, se é finito, ou o que ele é, se for infinito?

Começando por uma simples curiosidade filosófica existencial, quando cheguei na selva amazônica, suspeitei que seria possível entender aquela biosfera observando como cada detalhe dela se relacionava com o resto total da biosfera. Assim eu desenharia estas linhas de conexão a partir, por exemplo de uma planta, um animal, a chuva, obtendo redes de conexões, pois a neurologia não estava tentando desvendar o segredo do cérebro aplicando o MRI para obter e registrar as sinapses e montar as redes de conexões neuroniais. Mas foi aquela biosfera primordial como na selva que acabou por produzir o cérebro humano, então aquela tinha que estar embutida neste, ou seja, o cérebro seria algo `a imagem e semelhança da biosfera.

Logo percebi que cada detalhe era em si um sistema, a biosfera toda era um sistema composto de sub-sistemas. A palavra, o conceito de SISTEMA passou a ter grande importância para mim. Afinal, o primeiro ser vivo realmente completo, funcional, foi um sistema, um sistema celular. Não era o caso de teimar que uma vida só pode vir de outra vida ( onde estava a vida antes da primeira célula?), mas que um sistema natural só pode vir de outro sistema natural, me parecia obvio. Não tem como uma massa disforme e inerte criar um sistema funcional dentro de si se não tiver partículas agindo como informações de um prévio sistema.

Haviam sistemas vivos e não-vivos compondo a biosfera. Os primeiros formados de matéria orgânica, os outros formados de matéria inorgânica. Não teria o primeiro sistema vivo, orgânico, vindo diretamente de um sistema não-vivo, inorgânico? Pode ser, se neste caso trabalhou também a evolução darwiniana, em que o não-vivo serviu de ancestral e se modificou pouco a pouco, gradualmente, na direcao da vida. Mas se foi assim a teoria da abiogenesis – pela qual a vida teria surgido de uma sopa de ingredientes inorgânicos, sem formarem sistema algum, sem previas informações para sistema – estaria com algum erro.

Deixei essa questão no bolso e resolve arregaçar as mangas trabalhando no que meus pensamentos ordenava: aplique anatomia comparada entre sistemas vivos e não-vivos, para detectar semelhanças e diferenças, e tentar enxergar quais foram as transformações evolutivas darwinianas dos sistemas não vivos em sistemas vivos. Esse método foi surpreendentemente frutífero, a questão da abiogenesis foi solucionada e a biosfera terrestre me conduziu a conhecer seu passado ate chegar aos limites do… Big Bang. Eu tinha em mãos a Historia Universal, onde inclusive surgia uma causa para sua origem. E  o Quadro todo apontava nesta direcao:

Este Universo – enquanto um super-aglomerado de aglomerados de galaxias e perceptíveis pelos nossos poucos e limitados sensores cerebrais – parece ser como a placenta formada de células ( as quais são as próprias galaxias como fosseis ainda funcionais de nossos ancestrais), no meio da qual se desenvolver um sistema natural, o qual imita as formas de morula, blastula, feto, etc, pois esse universal sistema natural foi um sistema atômico, depois adquiriu a forma de sistema astronomico, daqui evoluiu para um tipo de sistema astronomico que apresenta os princípios das propriedades vitais, que depois se nanotecnologizou – assim como um corpo adulto se colapsa e torna-se um minusculo genoma – e daqui se tornou um sistema biológico vivo, o qual agora esta criando uma nova forma que é o sistema-consciência… Ou seja, neste universo nada mais esta ocorrendo do que um mero processo de reprodução genética… a qual parece uma operação computacional.

Bem,… nessa ideia eu nunca havia pensado antes. Mas os modelos teóricos e os cálculos foram elaborados com tanto trabalho, tanto zelo para não errar, pois a unica coisa que me movie era a busca de verdade sobre o que é esta existência. E afinal havia um parâmetro real, factual, natural, ocorrendo aqui e agora perante nossos olhos, que dava respaldo racional ao resultado final apontando pela investigação. No entanto, em primeiro lugar, tenho certeza absoluta que minha pequinês quando comparado as dimensões espaço temporais deste mundo, que meu diminuto cérebro com seus poucos e pobres sensores – inclusive a visão quase nada funciona pois só posso ver os objetos revelados por apenas uma das faixas das sete emanadas no espectro eletromagnético – essas limitações não podem nunca processar todas as informações que explicariam o quadro final deste mundo. Vou morrer sem conhecer a verdade e tenho que suportar essa tortura. Então, o modelo que elaborei sobre o Universo não pode estar completamente correto nem completo, e ainda, o que temos tem que ser testado `a luz de fatos, os quais, em sua maioria, ainda tem que serem descobertas, visualizados. Portanto, e por enquanto, só’ me resta uma coisa a fazer no sentido de dar prosseguimento a essa investigação: testar incansavelmente os cálculos e modelos teóricos contra todos os fatos novos que venham a ser conhecidos. O que é muito trabalho, pois apenas em termos de papers científicos, quase todos revelando ou sugerindo um fato novo, são publicados aos milhares todos os anos. Mas no meio deste árduo trabalho sempre encontramos algumas joias de algum pensador que teve a capacidade de explicar ou formular como palavras um fato melhor que eu fiz. Por exemplo, o texto abaixo obtido num artigo na Internet:

” Al respecto, el reconocido físico John Wheeler propuso que todo lo que pasa, desde la interacción de partículas hacia arriba, es en cierta forma computación.

“Si uno mira las entrañas del Universo -la estructura de la materia en su escala más pequeña- se da cuenta que no son más que bits realizando operaciones digitales locales”, dice Seth Lloyd, del Instituto Tecnológico de Massachusetts.

( Minha observação: isto pode ser visto como computação, mas é também exatamente o que acontece em genética)

Esto nos lleva al meollo del asunto. Si la realidad es sólo información, entonces nosotros no somos más o menos “reales” si estamos en una simulación o no. En cualquiera de los casos, información es todo lo que podemos ser.

( minha obs: Sim, a outra sugestão dos modelos e’ que somos 8 bilhões de genes semi-conscientes trabalhando na formação de um sistema consciente. E gene nada mais é que “uma informação”)

Assim vou colhendo e registrando aqui estas joias que servem como mais argumentos a favor da teoria geral da Matrix/DNA.

Tags: , , ,