Luz universal: A evolução do sistema universal é movida pelo ciclo vital?

xxxxx

O Universo mudou as faixas de luz emitidas durante sua evolução. Pela Teoria da Matrix/DNA a evolução não do Universo ( o Universo não evolui, o que evolui e’ um sistema universal dentro dele, segundo minha teoria), e sim do sistema universal acontece pelo processo do ciclo vital, então a sequencia das emissões deve ser a mesma sequencia do espectro abaixo, a começar pelos raios gama ‘a direita. Em seguida viria o Raio-X, depois o Ultra-violeta, e só entao  a luz visível. O artigo diz:

“A luz de regiões distantes de formação de estrelas em galáxias remotas começou a ser emitida em ultravioleta. No entanto, a expansão do Universo mudou a luz para comprimentos de onda infravermelhos.”

Bate então as duas teorias em relacao a luz ultravioleta. Quanto ao caso da infra-vermelho, devo pesquisar. E possível que o artigo se refira a luz emitidas pelas galaxias, que ainda não acompanha a evolução do sistema universal.

 

Light-The-Electro-Magnetic-Spectrum by MatrixDNA THeory

 

O Hubble acaba de revelar uma nova imagem espantosa da evolução do nosso universo

https://www.misteriosdouniverso.net/2018/08/o-hubble-acaba-de-revelar-uma-nova.html

A luz ultravioleta tem sido a peça que faltava no quebra-cabeça cósmico. Agora, combinada com dados de infravermelho e luz visível do Hubble e outros telescópios espaciais e terrestres, os astrônomos reuniram um dos mais completos retratos da história evolutiva do universo.

Em particular, a visão ultravioleta do Hubble abre uma nova janela no universo em evolução, acompanhando o nascimento de estrelas nos últimos 11 bilhões de anos até o mais movimentado período de formação de estrelas do cosmos, cerca de 3 bilhões de anos após o big bang. Esta foto engloba um mar de aproximadamente 15.000 galáxias – 12.000 das quais são formadoras de estrelas – amplamente distribuídas no tempo e no espaço.

A imagem atravessa a lacuna entre as galáxias muito distantes, que só podem ser vistas na luz infravermelha, e galáxias mais próximas, que podem ser vistas através de um amplo espectro. A luz de regiões distantes de formação de estrelas em galáxias remotas começou a ser emitida em ultravioleta. No entanto, a expansão do Universo mudou a luz para comprimentos de onda infravermelhos. Ao comparar imagens de formação estelar no Universo distante e próximo, os astrônomos adquirem uma melhor compreensão de como as galáxias vizinhas cresceram a partir de pequenos aglomerados de jovens estrelas quentes, há muito tempo.
Como a atmosfera da Terra filtra a maior parte da luz ultravioleta, o Hubble pode fornecer algumas das observações ultravioletas baseadas em espaço mais sensíveis possíveis.
Os dados contribuem para o Levantamento de Legado Extragaláctico Profundo de Montagem Cósmica (CANDELS), que obteve pouco menos de dois meses de dados de observação em infravermelho próximo para desenvolver uma pesquisa de mais de 250.000 galáxias do Universo.
Esta imagem é uma parte do campo GOODS-North, localizado na constelação do norte da Ursa Maior.
Um artigo descrevendo a pesquisa foi publicado no The Astrophysical Journal, e você pode baixar as imagens em tamanho real no site do Hubble.

Tags: , , , ,