O que acontece com a auto-consciência na hora da morte: mais uma teoria

xxxxx

(corrigir ortografia)

Mulheres gravidas podem sofrer acidentes e morrerem, mas se o feto não foi  atingido diretamente ele pode sobreviver por mais algum tempo. Cientistas criaram especies de barrigas substitutas em tubos de ensaio e neles inserem o feto ainda com vida. E’ possível terminar a gestação destes fetos no tubo de ensaio ate o nascimento saudável.

Um ser humano carrega e nutre um feto de auto-consciencia numa especie de placenta que chamamos de “cerebro”, o qual esta dentro de uma especie de ovo que chamamos de “cabeca”. Porem, acontece que todos os seres humanos, sem excessao, morrem ainda “gravidos”. A questao e’: o feto de auto-consciencia morre junto ou a Natureza tem algum tipo de mecanismo que transporte estes fetos para uma especie de barriga substituta?

Porque nao? Ate agora, tudo o que foi feito tecnologicamente pelo homem, tem sido encontrado um aspecto da Natureza que ja fazia aquela tecnologia. O homem nunca cria algo do nada, que nunca existiu antes. Primeiro ele descobre conscientemente ou intuitivamente como a Natureza funciona, como Ela resolve um problema, como ela constroi uma caracteristica ou um sistema, e entao ele reproduz o processo utilizando fisica, matematica, ferro, plasticos, ao inves de quimica, biologia, carne ou osso. So existem avioes voando no ar porque havia perante os olhos do homem passaros com asas voando no ar.

Mas o que seria, ou sera’, a barriga substituta feita pela Natureza? Onde ela estariam localizadas? Numa dimensao material captável aos nossos sensores? Como seriam – ou serao – estas especies de barrigas de aluguel? para fetos de auto-consciencia?!!

Nao faz nenhum sentido a evolucao ter construido o feto, o prototipo, de um novo sistema natural, que nunca iria se tornar terminado, realizado, distribuido pelo nascimento. E` evidente que na Natureza existe o fenomeno da consciencia, nos humanos somos dotados deste atributo, ninguem pode negar. Mas nos nao podemos aponta-lo, nao podemos ve-lo, nem toca-lo. Sera a consciencia apenas mais um tipo de sensor natural tal como os existentes que produzem a sensacao ou proriedade do sabor, o tato, a audicao, a visao? Pode ser, mas nos ja localizamos os elementos materiais e descrevemos a quimica que produz estas sensacoes. Quanto a consciencia, ainda nao conhecemos sua “substancia material”, nem descrevemos o seu processamento.

Estudiosos existem que acreditam piamente que a consciencia nada mais seja que uma propriedade que emergiu por acaso a partir do desenvolvimento do cerebro, e que ela deve, de alguma forma, se constituir apenas de algum elemento existente nas reacoes eletro-quimicas e suas “sinapses”. Existe, por exemplo, no TED TALK, video com uma palestra de um dos gurus da neurologia moderna altamente considerado no seu meio academico – se nao me engano por nome de Antonio Machado – defendendo com enfase esta crenca. Sim, crenca por enquanto, pois a neurologia ainda nao demonstrou como os neuronios se relatam ou se conectam com os pensamentos.

Existe a outra possibilidade de que a consciencia tenha sim, uma especie de substancia, e que ate seja uma especie de corpo-sistema proprio, o qual seria o responsavel pelos processamentos de informacoes que sentimos ocorrer e do qual constatamos efeitos. Deve ter uma substancia que de alguma forma se relaciona com as substancias materiais do cerebro, pois a consciencia – neste caso o seu outro nome, “a mente”- tem uma forssa propria que consegue mover a materia. Basta sua mente querer mover um dedo que esta’ inerte, e o dedo se move, comprovando que a mente, mesmo que seja abstrata, fantasmagorica, tem forssa material.

Nos dois casos ja teorizados pelos humanos – sejam as eletro-quimicas sinapses, seja a substancia plasmatica de uma dimensao material nao captada pelos nossos sensores – a consciencia teria uma substancia propria. Esta substancia morre, desaparece, quando o cerebro morre, desaparece? Ou ela tem sua fiacao de conexao com o cerebro – o seu cordao umbilical com o cerebro – rompido e transplantado, como fazemos com os tubos de ensaio?

Vamos supor que a resposta correta sera a de que sim, a Natureza possui o processo, o mecanismo, de manter esta substancia e seja la que tipo de arquitetura ela se constitui, em outro local, como um tubo de ensaio, ou uma nevoa desta substancia em uma dimensao ainda nao captada pelos nossos sensores. E nem pela propria consciencia como uma especie de novo sensor. Como vamos buscar esta substancia, procurar estes tubos de ensaios naturais, pesquisar isto tudo, seja cientificamente em laboratorio, ou atraves de processamentos mentais? Temos como recurso ou tecnica avancada nesta pesquisa cientifica o ramo da neurologia, mas ela nao dispoe dos instrumentos tecnologicos para captar esta substancia.

A teoria que me ocorreu nesta noite enquanto pensava nisso, foi a de que a Natureza poderia ter um mecanismo realizando este processo de salvar todos os fetos de consciencia dos cerebros humanos que morrem simplesmente tendo como os tubos de ensaios, os outros fetos de cerebros que estao em outras barrigas gravidas. Porque nao?!

Nos extraimos um feto ainda vivo de dentro da barriga de uma mulher falecida e o transportamos para um tubo de ensaio que reproduz as condicoes da barriga humana. Criamos do nada esta tecnica? Ou fomos conduzidos a fazer isto intuitivamente porque nosso DNA e o cerebro que ele constitui sabe que a Natureza faz exatamente isso? Esta e uma hipotese ainda, mas me parece muito logica, racional, apesar de algo, uma especie de resistencia emocional ou cultural, nao me deixa acreditar piamente nisso como os neurologistas acreditam na consciencia eletro-quimica sem te-la visto.

Um feto humano dentro de uma barriga que ainda nao tem o cerebro completamente formado e portanto nao tem ainda a propriedade de auto-consciencia de sua existencia como individuo unico, separado do mundo, nao tem a menor nocao de que o mundo nao se resume aquilo que e` seu muninho, o inteiror da barriga, o oceano de placenta e liquido amniotico, etc. Ele jamais poderia ter a ideia de que existe a forma humana que ele proprio esta indo adquirir, jamais poderia imaginar que alem das paredes do seu pequeno universo o mundo verdadeiro se abre com uma enorme complexidade. O feto nao sabe qual sua substancia fisica e nem ve sua forma fisica, nao tem olhos abertos para ver seu proprio corpo. Pois eu sinto, quando tento afastar o ego que sou eu, quando tento me afastar do meu cerebro, quando insisto em acreditar que sou apenas uma bolha contendo um naco de consciencia que borbulha no meio de um infinito oceano de substancia consciente, sinto que sou uma entidade sem olhos, que nao sei qual a forma de meu corpo, nem qual a minha substancia. Suponho que como consciencia estou na mesma situacao do feto ainda em formacao, aprisionado em uma especie de celula escura, limitado e separado do mundo por uma caixa craniana ossea. Mas talvez este “eu sinto” nao seja um normal produto natural, talvez seja inexistente, artificialmente criado por um desejo impossivel. Quem pode saber? Se voce tem alguma crenca a respeito sera apenas isto, sua opiniao, nem eu nem ninguem mais tem como provar nada aqui. Se voce quer afirmar que voce sabe da verdade – como afirma o neurologista Antonio Machado e seus seguidores –  entao traga um cerebro vivo para um tubo de ensaio reproduzindo a cabeca humana para a mesa do laboratorio, mostre os processamentos eletro-quimicos, mostre a substancia dos pensamentos, mostre os fios que ligam estes pensamentos aos neuronios, etc. Sem isto, tens apenas teorias, como eu, mas que já são alguma coisa, pois precisamos de teorias para guiar nossas pesquisas. Como os neurologistas desta linha de crenca continuam pesquisando, testando, sua teoria, o que acho valido, heroico, a humanidade precisa disto. Nos nao podemos continuar a ser esta manada desembestada num vale sem saber o que nos espera a frente, se um abismo onde todos cairemos ou um oasis onde todos vamos encontrar a sabedoria. precisamos saber o que somos, para que estamos aqui, para construir-mos nossa estrada a frente sabendo para onde vamos, que o mundo, a Natureza, estara aprovando a nossa existencia.

nao faria nenhum sentido lgogico que a evolucao natural tenha trabalhado durante 13,8 bilhoes de anos sempre seguindo uma mesma orientacao – a de construir formas de sistemas cada vez mais complexos a partir dos sistemas menos complexos que que ela propria ja construiu – e ter chegado a este ponto de construir cerebros-placentas onde gesta fetos de um sistem muito mais complexo que denominamos de auto-consciencia, para deixar todos estes fetos desaparecerem, seem dar continuidade a esta evolucao. Nao e possivel e nem mesmo pode ser considerado como plausivel que a nossa epoca e nos mesmos sejamos um momento unico e especial na historia deste mundo – o meomento que a evolucao natural chega a seu fim. Se todos os fetos de consciencia morrem aqui, o Universo quedou-se patinando num pantano do qual nunca vai se desvencilhar? mas o Universo muitas vezes anteriormente chegou ao ponto de patinar onde se suporia que ele estancaria, no entanto, ele sempre conseguiu sair e se mover em frente. ja nos primeiros instantes na formacao das primeiras particulas, a tendencia da materia nestas de buscar o equilibrio termodinamico e se estabelecer eternamente neste estado confortavel deve ter feito a evolucao patinar, mas algo dentro dela, uma especie de motor, de forssa alem da substancia material, funcionou com eficiencia. Nao,… a teoria de que todas as consciencias aqui morrem nao faz sentido logico, nao esta de acordo com o que temos observado da historia real deste mundo. O mais logico e supor que as conscinecias nas cabecas dos humanos nao morrem e continuam sua evolucao. That’s it!

Mas se um feto de consciencia, numa especie de bolha invisivel a nossa visao, e separado e liberado do cerebro de um corpo morto, e em seguida transportado pelo simples fluir dos processos naturais para outro cerebro em estagio de formacao, qual o estagio do feto de cerebro apropriado como recipiente, qual configuracao de DNA se assemelha nos dois casos, como a Natureza faz isso? A bolha de consciencia liberada fica em alguma dimensao esperando que apareca um feto apropriado onde baixar, ou ela fica procurando, ou tudo funciona como nas ondas de aguas no fundo oceanico quando femeas expelem ovulos aleatoriamente na agua os quais se encontram acidentalmente com espermatozoides lancados aleatoriamente e se unem automaticamente?

Com estas questoes malucas no meu cocuruto encontro por acaso na Internet pessoas postando figuras de bolhas fantasmagoricas dentro de quartos ou mesmo ao ar livre, rondando os humanos. sao pessoas que se dizem dotados de clarividencia e que veem estas coisas. Alguns chegam a postar figuras que dizem serem fotos reais, que desenvolveram cameras especiais que captam estas “bolhas”. Um exemplo que tem me chamdo atencao e de vez em quando volto a dar uma olhada apareceu no meu Google+, um autor chamado…

 

Tags: , ,