A Forma da Criatura Extra-Terrestre mais Inteligente que a Humana

Todo dia se descobre novos planetas reforçando a expectativa de que existam muitos astros habitados por criaturas menos ou mais evoluidas que nós. Mas será que existem outras criaturas com cérebro biológico e bipedal? Existirá seres inteligentes com cérebros mecânicos e sangue tipo petróleo? A Matriz/DNA está sugerindo que a forma de criatura mais hábil para evoluir mais depressa e se tornar inteligente mais rápido seja a forma de um polvo com muitos tentáculos e entre estes tentáculos aquelas peles que os permite nadar e voar. É uma criatura que manteve a forma celular criando muitos cilios à volta e tornando o citoplasma na pele membranosa voadora. E pode ser muito grande ou até microscópica… e muito mais evoluida que a espécie humana.

O debate entre proeminentes cientistas nos faz pensar. Michael Shermer, autor de “Why Darwin Matters” acredita que alienígenas com formas como aquelas que vemos nos filmes e técnicamente desenvolvidas não existem. Por exemplo as formas mais evoluidas não devem ser bipedal, discordando de Ed Wilson, biólogo da Universidade de Harvard que sugere por exemplo que num astro onde não tenha havido catástrofes causadas por meteoros, dinossauros podem ter evoluído para a forma bipedal e alcançado um formato humanóide. Shermer explica com razão que se a evolução dirige inevitavelmente as criaturas a serem antes humanóides bipedais para alcançarem a inteligencia e sofisticação tecnológica, muitas espécies na Terra teriam evoluido tanto quanto a espécie humana e hoje estaria competindo conosco. Robert Wright, em “Nonzero: The Logic of Human Destiny” argumenta que nossa existência eliminou pela competição e dominancia a possibilidade de outras espécies terrestres alcançarem o nivel da inteligência, mas Shermer contra-ataca lembrando que os Neandertals tiveram centenas de milhares de anos de existência livre sem a presença hominida na Europa e nem por isso evoluiram como o homo sapiens evoluiu na Africa. Enquanto uns acreditam que humanóides inteligentes pode ter evoluido em todo o Universo e outros acreditam justamente no outro extremo, ou seja, que sómente na Terra a evolução gerou humanóides inteligentes, Richard Dawkins prefere a coluna do meio, a de que o Universo seja habitado por muitas formas parecidas com a humanóide e com outra coisa qualquer e com inteligências parecidas com a nossa, dita “racional”. Lembre-se dos filmes de terror onde se diz que demônios (e isto vale para extra-terrestres) não são humanos, suas atuações são totalmente sem sentido para nossa inteligência, mas desde que provavelmente eles atuam para o beneficio deles, óbviamente a inteligencia deles deve ter outro tipo inimaginavel de racionalidade.

Shermer apresenta um raciocinio aceitável para quem não conhece a Matriz/DNA. Ele se baseia nas evidências. Dos 60 ou 80 filos de animais, sómente uma, os cordados, levou à inteligência, e dentre êstes, sómente os vertebrados realmente desenvolveram ela. De todos os vertebrados, sómente os mamíferos evoluiram cérebros grandes suficiente para alta inteligência. E das 24 ordens de mamíferos sómente uma – nós, os primatas – temos inteligência tecnológica. E o biólogo evolucionista Ernst Mayr conclui: “Nada melhor para demonstrar a improbabilidade da origem de elevada inteligência do que as milhões de linhagens filogenéticas que falharam em alcança-la. Mesmo pensando que tem evoluido talvez cêrca de 50 billions de espécies na Terra, sómente uma delas alcançou a espécie de inteligência necessaria para desenvolver uma civilização”.

Carl Sagan notou certa vez que espécies tecnologicamente capazes de comunicar-se “podem viver no solo, no ar ou no mar”. Elas podem apresentar inimaginaveis quimicas, formas, tamanhos, cores, membros e opiniões. Nós não podemos requerer que elas tenham seguido a mesma rota na evolução que produziu os humanos. Podem existir muitos diferentes métodos evolucionarios, cada qual peculiar, mas a soma do numero de métodos para levar à inteligência pode não ser muito substancial. Portanto ele concorda com Shermer quando pensa que a probabilidade de existir vida diferenciada em muitos outros lugares é alta, mas a probabilidade de existir formas humanóides é muito pequena. Eu penso que essa tendência de imaginar extra-terrestres com formas parecidas com a nossa, bipedais, etc, é a mesma que levou muitos a imaginarem Deus com a forma humana. Na falta de diversidade criativa e imaginação, nós nos projetamos nos seres desconhecidos dos quais tentamos adivinhar suas caracteristicas.

Mas o que sugerem os modêlos da Matriz/DNA? À medida que vamos nos aprofundando no passado, precisamos calcular a redução da complexidade para formas cada vez mais simples. Houve tempo que havia apenas um gênero de sistema natural, ou criaturas, no Universo: os átomos. Êstes podem ter gerado evolutivamente muitas formas que desconhecemos, além dos astros celestes conhecidos. Mas aqui em nossa região cósmica apenas um herdeiro do átomo gerou a inteligência, mas para tanto gerou-a através de sistemas biológicos, ou seja, seres vivos. Esse herdeiro foi o astro que apresenta um ciclo vital que o faz se transformar ao longo de uma existência nas formas de lua, planeta, pulsar, estrêla, quasar, buraco negro ou branco. Esse ser, que por ter ciclo vital e apresentar todas as propriedades da Vida apesar de sua forma mecânica, só pode gerar um tipo de genôma. Em outras palavras isto significa que os astros nesta galáxia fazem a semeadura da vida em todos os outros astros, lançam sua semente-genôma aos quatro cantos, mas poucas são as boas searas onde estas sementes florescem. Aqui na Terra ela floresceu na forma inicial de nucleotideo, deste evoluiu para RNA e DNA e destes para a primeira célula dita “viva”. A célula mantem muitas das caraterísticas e da forma do sistema astronomico, e ela então se diversificou em muitas formas, porem, tôdas as espécies na Terra, desde plantas a animais, apresentam uma forma estrutural ainda bem parecida com a ancestral astronomica. Mas sabendo-se que os genes-particulas da fonte astronomica são lancados livres no espaço em diferentes tempos, e conhecendo-se as caracteristicas fisicas mecanicas da fonte astronomica, pode se inferir que muitas serão as especies derivadas de um mesmo tipo de genoma fundamentado no nucleotideo e DNA. Porem, a forma que será melhor selecionada e se dará melhor na vida será a que manter-se mais fiel à forma da matriz astronomica. E esta forma é justamente a do polvo com tentaculos ligados por uma membrana esponjosa – lembre-se da forma de polvo que a galaxia apresenta. Uma forma assim, mesmo que tenha sido gerada depois da espécie humana, pode ter desenvolvido sua inteligência bem mais rápido que nós devido as facilidades na vida: varias mãos, asa para voar, varios pés para caminhar, etc. O problema do nosso polvo terrestre foi o mesmo dos dinossauros, dos leões, das baleias, dos passaros, etc.: todos conseguiram aprazivel conforto na vida, se super-especializaram num modo de ser e viver, tentaram manter este status e com isso pararam de evoluir, caminhando para a extinção. Mas imagine se esse polvo surgisse como o primata, tendo que lutar arduamente contra predadores e para obter alimento. Portanto, se uma espécie nos visitar antes que a visitemos significa que ela é mais evoluida e não se surpreenda se de repente te deparares com a forma do Monstro Espagueti Voador… exibindo uma suprema inteligencia.    

  

           

Tags: