Teoria Cosmológica da Matriz/DNA: Única que acertou, outras erraram!

A Teoria Astronômica mundialmente aceita cometeu um colossal equívoco enquanto a descoberta confirma uma vez mais as previsões da teoria da Matriz/DNA. A descoberta de seis exo-planetas (planetas fora do sistema solar) orbitando na direção contrária do giro da estrêla que acompanham, jamais poderia ter sido imaginado por esta teoria. Como diz o artigo site abaixo do European Southern Observatory:

“Planets are thought to form in the disc of gas and dust encircling a young star. This proto-planetary disc rotates in the same direction as the star itself, and up to now it was expected that planets that form from the disc would all orbit in more or less the same plane, and that they would move along their orbits in the same direction as the star’s rotation. This is the case for the planets in the Solar System. … Surprisingly, when the team combined the new data with older observations they found that more than half of all the hot Jupiters  studied have orbits that are misaligned with the rotation axis of their parent stars. They even found that six exoplanets in this extended study (of which two are new discoveries) have retrograde motion: they orbit their star in the “wrong” direction. “The new results really challenge the conventional wisdom that planets should always orbit in the same direction as their stars spin,” says Andrew Cameron of the University of St Andrews, who presented the new results at the RAS National Astronomy Meeting (NAM2010) in Glasgow this week.”

Ora, como a Teoria da Matriz/DNA indica a formação dos astros, planetas não são formados de restos ou pedaços despregados de estrêlas, e quando estão ainda como asteróides vagando no espaço e se aproximam muito de uma estrêla, então sim, são capturados na órbita desta. Porem, planetas podem vir pela esquerda da estrêla ou podem vir pela direita. Se pela esquerda, vão orbitar no sentido horario, se pela direita vão no sentido anti-horário. Não influencía nada a direção de giro da estrêla. Quando dissemos isto a 20 anos atrás sorriram com compaixão e me mandaram olhar melhor os planetas em volta do Sol, para aprender que todos giram numa unica direção e justamente na direção do giro da estrêla. Respondí que óbviamente já tinha visto isto, e que realmente o sistema solar poderia ser uma evidência que meus modêlos estivessem errados. Mas também poderia ocorrer que o sistema solar inteiro fôsse reciclagem de um sistema anterior, ou de apenas uma estrêla ancestral, que apenas este fato não poderia derrubar tôda a lógica racional da teoria. Claro: a crença dêles era que minha teoria estava totalmente errada.

E agora, José?

Como vou no caminho contrário dêles, minha surprêsa não são os outros sistemas com planetas girando a favor e contra a estrêla. Minha surpresa é com o sistema solar. Pode ser mera coincidência mas é muita coincidência que todos os 8 ou 11 planetas ( ninguem mais sabe ao certo) do sistema tenham vindos todos pela direita. Mas existem duas hipóteses para explicar isto:

1) Um quasar contendo um buraco negro estava à direita da estrêla Sol e como eles soltam sua ninhada de germens estelares todos na mesma direção…;

2) De fato o nosso sistema é a ressureição ou reciclagem de uma estrêla morta. Isto explicaria porque dizem que o Sol é uma estrêla solitária em relação às outras tôdas da galaxia, porque ele teria se distanciado mais do berço onde tôdas nasceram. Ora, quando uma estrêla está morrendo, sua massa e pêso vai dimuindo e portanto ela vai escapando da gravidade do centro galáctico. As velhas morrem mais longe do berço. E seu material vai ficar no mesmo lugar quando ela renascer.

Veja a noticia em: 

Turning Planetary Theory Upside Down

http://www.eso.org/public/news/eso1016/

Tags: