Fantástico! Matrix/DNA Explica Porque Batidas de Antena da Abelha Rainha Produz Mais Rainhas ou Escravos

A Rainha Vibra Antena Para as Câmaras do Favo

A Rainha Vibra Antena Para as Câmaras do Favo

Um mistério parece que foi resolvido. É sabido que tôdas as abelhas de uma colonia nascem das desovas da rainha. E que todos os ovos são exatamente iguais. Porem quando começam a nascer, os filhotes aparecem divididos em dois grupos diferentes: um grupo constituirá a casta das “operárias” ( que constroem os ninhos e cuidam dos jovens, possuem pouca reserva de energia e gordura, não reproduzem ovos,  e morrem fácil por não resisitir ao frio dos invernos), e a casta das pré-rainhas ( possuem grande estoque de gordura e outros nutrientes que as faz resisitirem aos invernos, reproduzem ovos e podem tornarem-se rainhas).

Mas como, se os ovos são exatamente iguais?! O que de invisivel dentro do ovo decide se um embrião vai ser um escravo ou um rei?

Durante milhares de anos os criadores de abelhas acreditaram que a diferença se explicaria pela qualidade nutricional do alimento dado à larva sob desenvolvimento: futuras rainhas receberiam ( segundo a teoria) o rico nutriente “geléia-real”, enquanto futuras operárias receberiam apenas polen e nectar. Todavia, cientificamente nunca se encontrou evidências que a rainha alimenta suas jovens operárias e pré-rainhas diferente.

Por outro lado tem outro mistério na colméia que tem intrigado cientistas e seres humanos por muito tempo… (espera aí… isto escreví errado… por acaso cientistas não são seres humanos?… Ahhh…você entendeu, né?).

Acontece que a rainha, enquanto está alimentando uma colonia de larvas, periódicamente bate suas antenas num padrão ritmico contra as cãmaras do ninho, um comportamento conhecido como “bateria antenada”. O comportamento baterístico é claramente audível para humanos e tem sido observado por décadas, provocando inumeras hipóteses a respeito de seu propósito, como relata Robert Jeanne, um emérito professor de entomologia da Universidade de Wisconsin-Madison. Muitos estudiosos tem proposto que a bateria serve como um sinal de comunicação entre a rainha e a larva dentro do ovo. Será? O que ela estaria comunicando? Talvez algo como: “Façam xixi no pinico…” ?

Agora cientistas (parece) que resolveram os dois mistérios como uma só solução, matando dois coelhos com uma só cajadada! Como está exposto no artigo do “link” abaixo, seria o bater da antena produzindo vibrações que invadem os ovos que determinariam se um feto vai ser operário ou rainha. Como?!

Os pesquisadores, Jeanne e Surynarayanan, trouxeram colonias para o laboratório e fizeram experimentos com aparelhos pizoelétricos que imitam as vibrações das antenas e comunicaram suas conclusões. Os resultados sugerem que abelhas usam a bateria antenada para dirigir as larvas em desenvolvimento para uma casta social ou outra. “Nós pensamos que a bateria antenada inicia uma cascata de eventos de sinalizações bioquimicas. Larvas que recebem esta bateria de vibrações podem expressar um conjunto de genes que são diferentes de larvas que não recebem, genes para proteínas relacionadas com casta social”. – diz Jeanne – “Algumas possibilidades podem incluir hormonios, neurotransmissores, ou outras moléculas menores biológicamente ativas” – Jeanne acrescenta.

Ok, você pode ler o “cientifico paper” e tirar suas conclusões. Mas cá entre nós… chegue mais perto… e pense comigo…

A solução encontrada pelos cientistas está sugerindo que abelhas entende mais de genética que nossa Ciência. Elas sabem tudo sôbre a existência de genes, DNA, etc., e para falar a verdade, foram elas que cochicharam êsse segrêdo nos ouvidos do Mendell lá naquela horta do mosteiro onde êle cruzava ervilhas verdes com rugosas e disse que começou a descobrir a genética. E elas sabem que vibrações produzem ondas sonoras que espalhadas no espaço e adentrando ovos vão mexer com certos genes lá dentro. Para que bisturi, então? Mas abêlhas tambem – e não vá contar essa para mais ninguem, hein? – são mais sábias em ciências politicas e divisão em classes sociais que o Karl Max. O regime ideal é a monarquia – ensinam elas – e uma sociedade perpétua só pode existir se tiver escravos e reis. Com prazer elas condenam metade de seus próprios filhos e filhas a serem escravos e eunucos, nunca terão direito a darem à luz a rebentos. E tudo isso se pode conseguir divertindo-se, usando as antenas como as varetas e tocando bateria ao ritmo de samba…

Você acredita mesmo nisso?!

Uma abelha nem mesmo o que se pode chamar de cérebro tem. O bicho de vez em quando vai no favo onde estão seus ovos e começa a vibrar sua antena. Depois de alguns minutos fazendo isso, pára, e vai cuidar da vida. Passa um certo tempo e ela volta, faz a mesma coisa, e se afasta. Para quê?!

Parece que alguem aí ficou biruta;  ou a rainha das abelhas ou os cientistas Jeanne e  Suru… (ou Suryn… ah… é o nome dificil do cara aí em cima…) ?!A rainha ficou biruta, é?

Ultimamente eu tenho ficado embasbacado quanto mais “papers” cientificos leio, principalmente de biologia. Parece que tudo começou com o papa dos ateus, Richard Dawkins, quando êle escreveu o livro “O Gene Egoísta”. Estão emprestando a personalidade emotiva e  inteligente humana a genes, um monticulo de átomos! Agora às abelhas tambem!

Mas o problema é que os cientistas não têm outra alternativa. Êles estão observando fatos e fazendo experimentos testando a veracidade dos fatos. Em seguida se limitam a descrever os resultados. As vibrações produzem sinais bioquimicos que fazem genes se expressarem ou inibirem-se… Êste é o fato, incontestável. Quando pegamos o fato em si, apenas o processo e os objetos envolvidos no evento – genes e antenas – é uma coisa. Descreve-se o que se vê e pronto. Mas agora, quando subimos ao nivel mais amplo do fato, ao nível das ondas vibratórias, de abelhas, de classes sociais – aos quais pertencem aqueles objetos, e os quais determinam o significado existencial do fato… é outra coisa. Êles aqui saem correndo, lavam as mãos como Pilatos e não tentam explicar nada! Não querem nem pensar no assunto. Se perguntar êles respondem resmungando: “Estou fora do laboratório, não misturo lazer com trabalho, aqui não falo do trabalho!”

O sistema social de insetos como abelhas e formigas é muito mais engenhoso e eficiente que qualquer dos sistemas sociais já inventados pelos humanos, pois a civilização dêles baseada no seu sistema de divisão de castas e organização já dura mais de 600 milhões de anos enquanto que tôdas as civilizações que criamos caíram e rápido. Está provado que os melhores administraores de sociedades são os que não tem cérebro. Portanto, o melhor politico é aquêle que não tiver cérebro! Devíamos mesmo extrair fora o cérebro de todos os politicos, ou então enfiar em suas cabeças o pequenino cérebro de formigas,  nossa vida ia ser melhor. Não sou eu quem diz isso, são as abelhas e as formigas.

Mas eu e você não fugimos de uma boa briga. Nós vamos ficar aqui e botar a cabeça para solucionar isso. Diz a lógica pura que a abelha rainha não pode saber ligar o evento do bater da antena com o futuro evento do produto que são abelhas divididas em operárias e pré-rainhas. Mas agora sabe-se que o evento do bater da antena produz o futuro evento da divisão social. E que esta divisão social do trabalho e privilégios produz um novo sistema natural funcional – o sistema social dos insetos. O qual é uma produção de outro sistema natural: o corpo da abelha. Portanto, vibrações = sistema social natural. É preciso muita explicação para se explicar que a origem e organização de um sistema natural se dá por ação de ondas vibratórias? As quais certamente são sinais em código que carregam um comando de instruções? De um sistema existente se reproduzindo com algum grau a a mais de complexidade? A ligação entre o evento do bater da antena e o evento da larva operária ou pré-rainha é feita por um agente que passa por dentro de genes, de antenas, de abelhas, de formigas, e nem genes, nem abelhas, nem formigas sabem bulhufas sôbre isso, muito menos tomariam iniciativas para qualquer comportamento relacionado à atividade dêsse agente. Claro! O comando que produz êsse fenômeno natural é um agente natural que está dentro e por fora de abelhas e da colmeia inteira. Assim como girafas produzem girafinhas sem saber porque e como. DNA, my friend, DNA! Aí moram os deuses! Transmissão genética de sistema a sistema, desde átomos a girafas a sistemas sociais naturais.

Vamos explicar a explicação da qual os cientistas fogem como do capêta. Para tanto, primeiro é preciso observar a fígura abaixo ( clique na figura para ver ampliada):

MatrixDNA e os Ancestrais dos Cromossomas Sexuais

MatrixDNA e os Ancestrais dos Cromossomas Sexuais

Não posso me estender aqui para explicar o que já tem sido explicado no meu website. Já tenho explicado aqui em outro artigo como a organização da sociedade dos insetos é uma exata reprodução da fórmula da Matrix/DNA. Em outro artigo descobrimos que o fato dos machos das abelhas subirem 6 metros para formarem fila, fecundarem a rainha e cairem mortos é exatamente o mesmo mecanismo da fórmula quando o macho “pulsar” se distancia da base onde foi gerado, subindo, emite cometas que fecundam o nucleo galáctico, e morrem ao se transformarem em supernovas. Em outro artigo ainda revelamos a descoberta que as diferentes frequências de um raio de luz original compõem os sete estágios de um ciclo vital e produzem as vibrações com as quais a luz original imprime vida à matéria inerte ( http://theuniversalmatrix.com/pt-br/artigos/?p=1298 ). Todos êstes processos que ocorrem nas profundezas da Natureza são expressados nos sistemas sociais dos insetos porque êstes estão mais próximos evolutivamente daqueles principios naturais que os complexos humanos e suas complexas sociedades.

Vamos então direto à explicação do porque o bater da antena causa a diferença nas larvas dentro dos ovos. O fluxo de informações de um sistema natural tem inicio no turbilhão rotativo da F1 avança normalmente até F4 onde se divide em dois fluxos: um vai constituir F5 e outro continua o circuito esférico para F6, F7, F1, etc. Portanto a esfera pode ser dividida em duas metades, duas meias-faces, sendo uma F1+F2+F3+F4+F1. e a outra, F1+F2+F3+F4+F6+F7+F1, etc. F4 é o elemento “macho” do sistema e F1 é o elemento feminino. O circuito menor contem informações num total a que damos o nome de “Y” e o circuito maior o nome de “X”. O cromossoma X feminino contem e expressa 100% das informações do sistema, enquanto a meia-face Y contem 100% mas expressa apenas 50%, mais fortemente o elemento macho.

Está sub-entendido na fórmula que a face inteira necessita, para se expressar, de 100% das rotações do turbilhão central, enquanto a meia-face apenas 50%. Cada rotação é uma unidade vibratória. Cem rotações produz um cromossoma X, 50 vibrações produz um cromossoma Y. Assim… o mecanismo que diferencia os sexos no sistema biológico é o mesmo mecanismo usado pela Natureza que diferencia abelhas em operárias e pré-rainhas. Elementar… meu caro Watson.

100 batidas de uma antena de abelha produz 100 vibrações que atingem os primeiros 50% de ovos. Suas larvas são estimuladas a prosseguirem até o final de seu desenvolvimento saindo-se como uma pré-rainha, assim como o fluxo de informações na linha de cor azul da fórmula da Matrix/DNA é levado a completar o circuito sistêmico inteiro. A metade das batidas da mesma antena ( ou batida nenhuma, penso eu, porque as ondas vibratórias não devem chegar aos ovos mais distantes, deixando apenas o natural processo que produz duas metades sexuais iguais em qualquer população atuar normalmente), não excita a larva a continuar a se desenvolver mais alem do que já é estrutura suficiente para ela existir, saindo-se pobremente como uma mera operária.

O DNA é a penas a forma evolucionaria provisória da Matrix Universal a qual vem desde os sistemas atômicos se transferindo para organizar nova matéria em sistemas cada vez mais complexos. Já vimos em outros artigos como ela se transfere, como ela se insere nos corpos do sistema e como dirige estes sistemas através das fôrças do meio-ambiente o qual nada mais é que outra forma dela mesma. Eis o agente invisivel que entende de genes, de divisão de funções sistêmicas sociais, de abelhas e de cientistas como o Dr. Jeanne. Em outras palavras, as abelhas obedecem um comportamento instintivo quando batem suas antenas nos favos porque são manipuladas como marionetes pelas fôrças naturais que constituem êsse nosso mundo.

É preciso dizer mais?

Link para o artigo (aconselho a ler, pois é mais uma obra formidável da nossa Ciência com alto teor informativo).

PhysOrg.Com

Rhythmic vibrations guide caste development in social wasps

http://phys.org/news/2011-01-rhythmic-vibrations-social-wasps.html

Obs: Gyne: is the primary reproductive female caste of social insects (especially antswasps, and bees of order Hymenoptera). Gynes are those destined to become queens, whereas female workers are typically sterile and cannot become queens. (Wikipedia)

Tags: , , , ,