Mais duas sensacionais descobertas da Matrix/DNA: As origens do fosfato e pontes de hidrogenio do RNA e DNA !

Origem da Vida: Não teria sido o Sol, mas estrelas velhas e distantes que enviaram os genes de LUCA, dentro destas moléculas em meteoritos e gás interestelar? A experiência cientifica relatada neste artigo levou-nos a formular esta questão, plausível segundo as formulas da Matrix/DNA, mas ao mesmo tempo nos levou a mais duas importantíssimas descobertas: De onde a matéria burra da Terra tirou a ideia, onde buscou o mecanismo no mundo não-vivo dos primórdios e como fez aparecer aqui as pontes de fosfato e de hidrogênio que conectam moléculas do RNA e DNA!!! 

Life’s First Spark Re-Created in the Laboratory

Mais uma vitoria para Matrix/DNA !

Wired Science

http://www.wired.com/wiredscience/2009/05/ribonucleotides/

Meu comentario postado no Youtube, video com mesmo titulo:

http://www.youtube.com/watch?v=m7cUr8mx2Qs

TheMatrixDNA   1 second ago

Great! Now human beings will pay attention to models of Matrix/DNA Theory, which designed a model of astronomic system for our galaxy that predicted this result 30 years ago: the basic elements came from clouds of stars and meteorites. If you see the pictures (as The Human Cosmic Code) at Matrix website you will understand what happened in the lab. Phosphate is like the tentacles that any piece of LUCA develops for getting food, so it really came later. The secret is at photons inside atoms.

XXXXXXXXX

Copia do artigo para analise:

A fundamental but elusive step in the early evolution of life on Earth has been replicated in a laboratory.

Researchers synthesized the basic ingredients of RNA, a molecule from which the simplest self-replicating structures are made. Until now, they couldn’t explain how these ingredients might have formed.

“It’s like molecular choreography, where the molecules choreograph their own behavior,” said organic chemist John Sutherland of the University of Manchester, co-author of a study in Nature Wednesday.

(Matrix/DNA: Exatamente como previu nossos modelos. Átomos ou moléculas terrestres, se invadidas pelos genes de LUCA, encontrarem-se juntas aqui, tendem automaticamente a se configurarem na mesma forma que estavam conectadas em LUCA. Assim como se tivéssemos sete fotografias de um único individuo,  misturadas e amontoadas ao caos, porem em diferentes idades, portanto diferente formas, cada fotografia se moveria para uma posição entre outras duas de maneira que no final o ciclo de vida do individuo estaria na ordem certa. Foi este o segredo da simbiose entre micro-organismos que juntaram as organelas dentro da célula e da formação da galáxia original. Moléculas possuídas pelos genes de LUCA coreografam sua dança)

RNA is now found in living cells, where it carries information between genes and protein-manufacturing cellular components. Scientists think RNA existed early in Earth’s history, providing a necessary intermediate platform between pre-biotic chemicals and DNA, its double-stranded, more-stable descendant.

(Matrix/DNA: O RNA foi uma plataforma intermediaria entre pre-bioticos químicos e o DNA, como indica nossos modelos, porque os genes de LUCA primeiro constroem a face esquerda (da função 1 ate função 4 e como o circuito continua no sentido horário, o fluxo salta para o lado direito continuando de 6 para 1. Ou pode ser 1>3 e depois 6>1, sendo que os elementos sexuais, 1,4 e 5 são intermitentes, so atuam na fase sexual ativa)

However, though researchers have been able to show how RNA’s component molecules, called ribonucleotides, could assemble into RNA, their many attempts to synthesize these ribonucleotides have failed. No matter how they combined the ingredients — a sugar, a phosphate, and one of four different nitrogenous molecules, or nucleobases  — ribonucleotides just wouldn’t form.

(Matrix/DNA: O açúcar, que esta pregado na haste dos RNA e DNA, já sabemos que representa a função 1. As quatro comuns bases nitrogenadas representam funções 2,3,6 e 7. O fosfato tem a função de ponte conectadora entre duas formas do mesmo corpo, essas pontes são representadas na formula da Matrix pelas setas do circuito esferico, são os espaços entre as partículas, que são apenas o aspecto onda da luz, que imprime o tempo do ciclo vital. Na fase evolucionaria biologica, devido os corpos-partículas representando as sete principais diferentes formas de um único corpo, existirem simultaneamente mesmo que separados, são atraídos e atraem suas formas seguintes da sequencia vital e para se conectarem biologicamente, quimicamente, estes corpos emitem tentáculos, que se tornam essas pontes. Porem, biologicamente surgiram dois tipos de pontes: as de fosfato e as de hidrogênio.

As Pontes de Fosfato: Como e porque surgiram

No céu, LUCA morria (ou ainda morre, se ainda existe) quando o circuito chegava na função 7 e se fragmentava. Essa poeira formava uma nuvem no espaço que girava rotacionalmente sobre seu próprio centro devido o movimento rotacional do todo em que se encontrava, talvez uma galáxia, ou talvez o próprio Universo. Isto criava um vórtice central e os fragmentos de LUCA, funcionando como genes, reconstruíam LUCA. Isto era auto-reciclagem dos sistemas perfeitos fechados em si mesmos. Assim LUCA, mesmo condenado a morrer pela forca degeneradora da entropia, se tornava quase-eterno. Mas o colapso interno destes genes, que começava pela periferia do sistema já na função 6, com a radiação estelar, fazia com que os primeiros genes decaidos ainda encontrassem em seu caminho na direção do centro, outros corpos existentes, na forma de planetas, e agregados a superfície destes, reiniciavam sua reprodução. Como agora a paisagem e condições ambientais eram diferentes do espaço vazio onde LUCA fora formado, houveram as mutações e ao invés dos genes reconstruírem o LUCA astronômico construíram o LUCA biológico, ou seja o sistema celular. Com essa evasão de genes a auto-reciclagem não mais funcionou e por fim LUCA pode ter morrido de fato. Os outros genes que vinham depois, ao inves de LUCA so tinham informações para construírem sistemas solares, faltando quasares, buracos negros, pulsares, cometas. O qual deve ser o caso dos sistemas solares modernos, como o nosso. Mas o elemento, a força que invisivelmente unia o LUCA morto com o novo LUCA vivo na auto-reciclagem, que era executada principalmente por cometas na função 5 , se tornou em biologia a base uracila, a única base intermitente no RNA que aparece e desaparece, como o cometa so aparece na fase de reprodução sexual do LUCA astronômico. Quando presente ela faz os ribonucleotideos, que são as unidades fundamentais de informação do RNA, e os pares horizontais de nucleotideos, que são as unidades fundamentais de informação do DNA, se multiplicarem, ou seja, ev o processo da auto-reciclagem mutado para multiplicação de nucleotídeos, o que faz a pilha deles, chamada RNA ou DNA, crescer. Mas como ligar um sistema fixo a outro sistema também fixo, quimicamente… A ponte de fosfato, que esta nas hastes. Esta ponte surge aplicando-se o mecanismo dos sistemas para criarem extensões em seus corpos, na forma de tentáculos, bracos e mãos, para agarrarem alimento ou transporte. Aqui o mecanismo foi usado no esforço do LUCA biológico de continuar sua auto-reciclagem, mutado para multiplicação linear, mas que de certa forma representa o mesmo processo de LUCA no ceur.  aos grupos em diferentes lugares e épocas por isso reconstroem pedaços de LUCA, o que formam os aminoácidos e proteínas, e os componentes separados de ribonucleotideos e nucleotídeos. Estes elementos são o açúcar, as bases guanina, timina, citosina, adenina e a intermitente uracila. Cada elemento representa uma das formas do corpo de LUCA, cada qual executando uma função sistêmica. Mas em seguida grupos de genes podem se encontrarem numa mesma sopa química e ocorre uma atracao automática entre eles no sentido de reconstruírem LUCA. Entao o grupo que consiste na base nitrogenada que representa a função 3, tendera a se conectar a direita com a base da função 2 e a esquerda com a base da função 4. Para fazer essa conexão criam de si uma extensão, um tentáculo, que quando alcanca sua base procurada, torna-se uma ponte fixa entre as duas. Já não e mais o caso de unir dois sistemas, como foi no caso da ponte de fosfato, mas sim de unir duas etapas do ciclo vital dentro de um único sistema.

A Origem das Pontes de Hidrogênio no DNA

Os genes de LUCA, caídos na superfície de um planeta, de forma dispersa no tempo e no espaço, não conseguem se reunirem todos num so ponto. Encontram-se aos grupos em diferentes lugares e épocas por isso reconstroem pedaços de LUCA, o que formam os aminoácidos e proteínas, e os componentes separados de ribonucleotideos e nucleotídeos. Estes elementos são o açúcar, as bases guanina, timina, citosina, adenina e a intermitente uracila. Cada elemento representa uma das formas do corpo de LUCA, cada qual executando uma função sistêmica. Mas em seguida grupos de genes podem se encontrarem numa mesma sopa química e ocorre uma atracao automática entre eles no sentido de reconstruírem LUCA. Entao o grupo que consiste na base nitrogenada que representa a função 3, tendera a se conectar a direita com a base da função 2 e a esquerda com a base da função 4. Para fazer essa conexão criam de si uma extensão, um tentáculo, que quando alcanca sua base procurada, torna-se uma ponte fixa entre as duas. Já não e mais o caso de unir dois sistemas, como foi no caso da ponte de fosfato, mas sim de unir duas etapas do ciclo vital dentro de um único sistema. A ponte de fosfato ev vertical, a ponte de hidrogênio ev horizontal, ela parte do açúcar na haste na posição horizontal e cria a estrutura intermediaria com o açúcar da haste lateral. As pontes de hidrogênio representam as setas entre funções na formula da Matrix.

Porque não estava se formando  os ribonucleotideos: porque em LUCA o corpo da função 1 (um quasar contendo o vórtice nuclear) liga-se num circuito esférico com a função 7 a direita e função 2 a esquerda. Quando LUCA astronômico se reproduz com a mutação para biológico, o circuito esférico continua, porem, ovalando-se e horizontalizando-se. E as ondas do tempo, que são as setas na formula, quando se horizontaliza, torna-se pontes de hidrogênio. São duas bases nitrogenadas a fase biologica

(continuar a partir daqui- não esquecer que as pontes foram os precursores quimicos das proteinas) 

 

Sutherland’s team took a different approach in what Harvard molecular biologist Jack Szostak called a “synthetic tour de force” in an accompanying commentary in Nature.

“By changing the way we mix the ingredients together, we managed to make ribonucleotides,” said Sutherland. “The chemistry works very effectively from simple precursors, and the conditions required are not distinct from what one might imagine took place on the early Earth.”

 

Like other would-be nucleotide synthesizers, Sutherland’s team included phosphate in their mix, but rather than adding it to sugars and nucleobases, they started with an array of even simpler molecules that were probably also in Earth’s primordial ooze.

They mixed the molecules in water, heated the solution, then allowed it to evaporate, leaving behind a residue of hybrid, half-sugar, half-nucleobase molecules. To this residue they again added water, heated it, allowed it evaporate, and then irradiated it.

At each stage of the cycle, the resulting molecules were more complex. At the final stage, Sutherland’s team added phosphate. “Remarkably, it transformed into the ribonucleotide!” said Sutherland.

According to Sutherland, these laboratory conditions resembled those of the life-originating “warm little pond” hypothesized by Charles Darwin if the pond “evaporated, got heated, and then it rained and the sun shone.”

Such conditions are plausible, and Szostak imagined the ongoing cycle of evaporation, heating and condensation providing “a kind of organic snow which could accumulate as a reservoir of material ready for the next step in RNA synthesis.”

Intriguingly, the precursor molecules used by Sutherland’s team have been identified in interstellar dust clouds and on meteorites.

“Ribonucleotides are simply an expression of the fundamental principles of organic chemistry,” said Sutherland. “They’re doing it unwittingly. The instructions for them to do it are inherent in the structure of the precursor materials. And if they can self-assemble so easily, perhaps they shouldn’t be viewed as complicated.”

Tags: , , , , , , , , , , , , ,