Ultima Descoberta Baseada Na Matrix/DNA: Você Vive Porque Pegou Carona Numa Onda de Luz Sagrada

Para entender isto, antes de mais nada é preciso ver como o computador capta o espectro de uma onda de luz e como re-interpretei esta imagem na tela do computador ao descobrir que aí está o segredo máximo da Vida, ou seja, como a primeira manifestação de Vida neste Universo veio na forma de ondas de luz contendo o código que hoje está encriptado em cada par lateral de nucleotídeos, ou seja, em cada unidade fundamental de informação do DNA ( podes clicar na imagem para lê-la melhor) :

Light - The Electric-Magnetic Spectrum by Matrix/DNA

 

Bem, nesta figura acrescentei nomes (em azul e vermelho) quando descobrí que uma onda de luz natural apresenta a mesma ordem, a mesma sequencia, de variações, vibrações, frequências, que as variações da energia de um corpo humano nos mostra ao longo de sua vida. Antes dessa descoberta, eu estava calculando algumas coisas aplicando a formula da Matrix/DNA e percebí que a sequencia e funcionalidades de uma onda de luz se encaixava perfeitamente no lugar do circuito energético de todos os sistemas naturais, desde sistemas atômicos a sistemas galácticos e por fim, ao sistema-corpo humano. Se esta teoria estiver correta, as ondas de luz natural imprimem movimento, dinâmica, na matéria inerte, e ao fazer isto, cria o fenômeno do ciclo vital, esta força natural que faz um corpo material se transformar em varias formas diferentes ao longo de uma existência, desde a forma de mórula, blástula, até a do cadáver sendo decomposto em fragmentos (toda onda de luz se decompõe em seus fragmentos denominados “fótons”) .

Em outras palavras, antes do DNA, antes dos seres vivos na Terra, e antes mesmo das galáxias, a Vida já existia na sua forma mais simples, as ondas de luz natural. Desta forma, a Luz contem o código da Vida que mais tarde evoluiu para a forma de DNA. Mas não se entusiasme por enquanto: isto por enquanto é apenas uma teoria na cabeça de um humano filosofo naturalista que se tornou quase macaco vivendo isolado na selva e voltou para a civilização com estas ideias esquisitas. Também não descarte esta teoria por enquanto: talvez seja a Natureza, na sua forma primitiva e selvagem, que imprimiu estas coisas na cabeça do semi-macaco com a intenção de recuperar suas criaturas humanas, as quais estão cada vez mais se distanciando dela. A Natureza quer de volta suas criaturas em seus braços, e sempre seremos conduzidos a este retorno se tomar-mos um banho de Natureza na selva ainda virgem para limpar de nós o artificialismo que vivemos na cidade.

Se ao invés de registrar o avanço de uma onda de luz no gráfico acima, registrar-mos no mesmo gráfico o avanço da energia de um corpo humano, obtemos a mesma exata senoide, aquela linha serpenteante e ondulatória que vemos ali, nos mesmos comprimentos de onda e frequências de vibrações. O inicio da onda de luz – logo apos emitida por uma fonte – é de intensa vibração . E o que acontece no inicio de uma forma de vida perante os nossos olhos? Ora, logo após o momento da fecundação de um ovulo, vemos na embriogênese que a matéria ali dentro entra num processo de transformações e crescimento rapidíssimo. Uma célula inicial começa a se dividir, multiplicar, chegando a bilhões delas em pouco tempo, formando a morula, a blástula… Como analogia, pense no que vês quando lanças uma pedra na água parada de um lago: do ponto onde bateu a pedra emanam em profusão e rapidamente ondas concêntricas que se tornam maiores e diminuem seu ritmo de reprodução.

Interessante é notar que ali naqueles nove meses parece que toda a Historia de 13,7 bilhões de anos do Universo é narrada, contada, imitada em formas e imagens muito semelhantes. A morula lembra constelações, a blástula lembra galaxias, depois vem a forma de peixinho, réptil, mamífero quadrupede… e por ultimo a forma humana. Mera coincidência?! Eu particularmente suspeito que não, porque se fosse apenas uma forma imitada, nada queria dizer, mas todas, e na mesma sequencia? Me engana que eu gosto…

Então, parece que 13,7 bilhões de anos e um imenso espaço sideral são resumidos, comprimidos, em apenas 9 meses, e microscopicamente! Tudo começa com o mais intenso estado vibratório… quando a onda de luz apresenta no gráfico, a frequência “gamma”.  Logo após o período intra-fetal nasce um bebe humano, enquanto após a vibração gamma vem a do Raio-X. Que agitação! Que alegria! Quanta energia! Quanta vibração! Estariam os bebes no estado energético do raio-X? (Obs.: não se ligue para os nomes que os humanos dão as coisas – isso desvirtua o pensamento – preste atenção na senoide do gráfico e lembre-se que o gráfico é apenas o mapa, você tem que mentalizar e se concentrar na tentativa de ver o território real, nas dimensões da luz ). O bebê se torna criança, que parece um mosquito elétrico ou um serelepe. Quem tem que manter a casa arrumada, como as mamães, que o digam! Seria o correspondente à fase ultra-violeta?

E assim o corpo humano continua se transformando, chegando à velhice, que coincidiria com a senoide em fraca vibração, quase se tornando uma reta, na faixa entre micro-ondas e Radio. E depois o corpo humano desfalece totalmente, fragmenta-se em pó e retorna a Terra que o gerou. Mas a mesma teoria da luz sugeriu que toda onda avança ate alcançar um limite, quando então se enfraquece tanto que é fragmentada, em… fótons.

Supor que os fótons devem retornar ao reino que gerou a onda de luz… não seria ilógico. Alias, a nova maneira de interpretar a luz natural que está emergindo da formula da Matrix/DNA tem me levado a suspeitas incríveis. Por exemplo, tenho outro gráfico onde calculo o que acontece quando essa onda retorna, iniciando na forma de fótons fragmentados e retornando até o Big Bang inicial. Neste ponto os resultados sugerem que existe a luz escura, com energia negativa, que parece executar as mesmas funções da força da gravidade, essa coisa invisível que ninguém ainda entendeu direito. Assim meus métodos de investigação muito simples e naturalistas estão chegando ao mesmo caminho que estão chegando vários físicos modernos falando numa “energia negativa com luz escura”!

É preciso entender o que é luz original, natural, e sua diferença com, por exemplo, a luz emitida por estrelas como o Sol. A Luz original veio como ondas da grande explosão inicial (o Big Bang) ou ainda continua sendo emitidas estas ondas se o Universo for pulsante devido a repetidos micro-big-bangs. O Big Bang interpretado pelos cientistas materialistas é diferente da minha interpretação. Enquanto eles acreditam que o Big Bang foi um evento ao acaso, mecânico, regido pelas puras e brutas forças físicas, eu me baseio no fato que observo aqui e agora quando o primeiro instante de uma nova vida começa exatamente quando ocorre uma “explosão” da membrana de um espermatozóide no centro de um óvulo. Talvez você nunca notou isto, mas o primeiro instante do seu corpo surgiu com um Big Bang, à imagem e semelhança de como nasceu este Universo.  para ver isto, basta se imaginar como um microscópico ser posicionado dentro de um óvulo não fecundado e assistindo o momento da chegada de um espermatozoide. Portanto, para mim, o Big Bang é mais Biologia e linguagem dos sentimentos que Física e sua linguagem Matemática, é mais vida que mecânica.

A Fórmula da Matrix/DNA que descobrí na selva estudando todos os sistemas naturais e tentando descobrir as origens daquela biosfera, está sugerindo como foi não apenas as origens da Vida aqui, mas tambem como foi as origens deste Universo. Ela está apontando para alem das fronteiras do Universo e dizendo que lé existe uma espécie de “sistema natural auto-consciente”, cujos braços e mãos são estas ondas de luz… Mas como sou pragmático e preciso de resultados aqui e agora para resolver milhares de problemas que estão torturando a vida humana, deixo isto para o reino da metafisica e não procuro seguir o que a fórmula está apontando para alem da matéria.

Essa luz natural que vem de uma fonte geradora deste universo se expande, se agrega na matéria-massa inerte, perde sua intensidade e passa a morar nesta matéria na forma de seus fragmentos, os fótons, os quais, cada um é uma reprodução completa de uma onda total. Estes fótons adentram os átomos, adentram suas partículas como os elétrons, prótons, e passam a dirigir estes átomos a se conectarem com outros de uma forma especial, criando assim a matéria orgânica e desta as primeiras moléculas da Vida, continuando até chegar hoje aos seres humanos, nesta nossa região e neste nosso tempo. Mas antes de formarem a matéria orgânica aqui estas ondas de luz que se enfraqueciam construíram estações realimentadoras e repetidoras que são as estrelas, quasares, etc. Então a luz que vemos das estrelas é de segunda geração, não é mais a luz original natural. Esta luz original é tão intensa que nos cega os olhos, por isso o mundo celeste nos parece escuro, e por isso precisamos das estações repetidoras, as estrelas, que emitem a luz na frequência que nossos olhos aguentam e podemos ver. O fundo do Universo, deste mundo, é luminoso, de intensa luz e não esta escuridão que nos parece ser a norma. Comecei a pensar nisto quando assistia e ouvia as palavras do velho amigo, curandeiro e xamã nativo do Amazonas – o Sêo Pedro, como era chamado quando chegava nas vilas de brancos – e estava em estado de transe por ingerir aquelas beberagens feitas com raízes e ervas semelhante ao que conhecemos como “Santo Daime”.  Nas suas descrições do que ele estava vendo em transe, todo o espaço em volta de nós era luminoso, principalmente porque o espaço sera povoado pelas “coisinhas”, como ele dizia. Quando ele descreveu estas coisinhas e eu as desenhei num papel, fui descobrir surpreso que o resultado final do desenho era o mesmo modelo que os físicos colocavam nos livros universitários como sendo os diagramas das mais fundamentais partículas como os fótons. E hoje quando assisto videos e leio livros como daquela cientista-neurologista americana que teve derrame cerebral apenas do hemisfério esquerdo e diz que de repente via o mundo todo como luz… fico pensando que estou no caminho certo. Mas como todo filósofo naturalista sou cético incorrigível, não acredito em nada enquanto não puder ver e tocar o fato real, por isso trato tudo isto no âmbito de hipóteses reunidas numa teoria geral sujeitas a testes e mais investigações.

Você já ouviu falar na filosofia oriental que mostra figuras do que chamam “chacras”, não é? Repararam que as sete cores que eles deram aos chacras são as mesmas cores no espectro acima? Mas – mais curioso ainda – eles fizeram suas figuras dos chacras colocando as cores na mesma sequencia do espectro da onda de luz! Raios… aqueles autores chineses e indianos de 4 ou 5.000 anos atrás nem óculos tinham para se comparar com nossos poderosos microscópios eletrônicos, sabiam tanto sobre luz como uma criança de 5 anos de hoje, sabe. Novamente pergunto: foi mera coincidência essa semelhança entre uma hipotética aura energética humana e o que hoje vemos na tela de um computador? Bem, alguém poderia alegar que os filósofos viam arco-iris, que, por “coincidência” tem as mesmas cores e na mesma sequencia – e só poderia ter sido assim porque o arco-iris mostra na atmosfera o que a onda de luz mostra na tela do computador… Pode ser, mas quem viu como eu, pessoas nativas tao ignorantes como nossas crianças, descreverem as mesmas visões… vai se perguntar porque diabos os primitivos separados entre si pelos quatro cantos do mundo, da Ásia à América antes de sua descoberta, tiveram a mesma idéia de imaginar as cores do arco-iris dentro do corpo humano.

Enfim, a formula da Matrix/DNA esta me levando a pensar numa imagem. A existência de uma Vida, o movimento, a trajetória que a Vida segue, se parece com o passar de uma onda de luz por um ponto qualquer do espaço/tempo! Isto se ver-mos o tempo da luz com os olhos humanos,  pois assim a passagem de uma onda por um ponto qualquer demora 70 ou 80 anos, em media, que é a média do ciclo vital humano. Seria como se você se sentasse na frente da tela e ficasse assistindo durante 80 anos aquela senoide nascer, se expandir, e desaparecer – enquanto, ao mesmo tempo, numa tela ao lado mostrasse as transformações durante a vida de um corpo humano. Mera coincidência?!

Pode ser. Sou um cético inveterado, teimoso, à 30 anos estou sendo cutucado diariamente pela formula da Matrix/DNA mas ainda não acredito nela, quero vê-la como São Tomé. Mas não sou um preguiçoso mental, por isso, vou manter esta teoria registrada na memoria e vou buscar incansávelmente evidencias contra e/ou a favor dela… ate o meu ultimo suspiro, que vai levar meu ultimo fóton de luz da minha aura para o lado luminoso, e não massificante, do Universo… assim espero… porque a teoria geral está sugerindo que é isso que vai acontecer.

Se isto for verdade, todos somos surfistas por natureza, todos vivemos pegando uma onda e flutuando ao sabor dela, porem, são ondas de luz natural. Mais alem de onde se levantam as ondas sempre existe a praia, o continente, onde as espumas das ondas se assentam e os surfistas ancoram… retornando ao seu mundo real. Aqui estamos nestes corpos “humanos”.

Para finalizar, como sempre acontece a cada nova descoberta, imediatamente procuro quais seriam as utilidades praticas que poderíamos obter de tal conhecimento. A primeira ideia que me ocorre é: se se conseguisse ampliar a duração da onda de luz natural… ampliaríamos a nossa própria, dando um empurrãozinho mais para a frente, e, ao invés de 80, viveríamos 200 anos…? Se podemos modular ondas sonoras, ondas hertzianas, nos equipamentos que fabricamos, aplicando agora a sequencia do ciclo vital nestas ondas, qual seria o resultado? E outra…: cada planeta está numa faixa orbital ao redor de uma estrela que é a fonte de emissão das ondas de um campo magnético… a Terra me parece que está na faixa entre infra-vermelho e ultra-violeta das ondas luminosas solares… então, porque estas faixas são ideal para a Vida na sua forma biológica? E etc.

Trad.: Last Discovery Based On Matrix / DNA: You Live Because You Got a Ride In a Holy Light Wave 

Tags: , , , ,