E-book: Ensaio para Introdução e Planejamento da Obra

aIntrodução

Existe uma nova teoria sobre a existência do mundo e sua existência humana dentro deste mundo, narrada apenas através deste livro e seu website. Sabemos que a essencia da Vida e o denominador comum existente em todos os seres vivos é o DNA. Mas esta teoria está sugerindo que o DNA é apenas uma nova forma evolutiva de uma essencia universal comum a todos os sistemas naturais – de átomos a galaxias – que emergiu no Big Bang como ondas de luz e vem evoluindo desde então, contida dentro de uma fórmula que está explicada e representada por um desenho, aqui denominada de Matrix/DNA.

Chocante, estranha, não é? Nunca antes na História da Humanidade alguem pensou nisso, ao menos, nada foi publicado em nenhum lugar. Mas teorias muito esquisitas e totalmente sem sentido racional são publicadas em grande numero, esta pode ser mais uma delas, então como ter certeza de que não perderíamos totalmente nosso tempo lendo sobre ela? Porque nenhuma outra teoria aponta todos os fenomenos conhecidos da Natureza com uma interpretação jamais imaginada por ti, diferente de todas as outras existentes, mas explicadas por uma unica fórmula lógica que abrange a totalidade da natureza universal. Ela vira de ponta-cabeça todas as visões e crenças existentes como a teoria do Copérnico na sua época dizendo que o mundo era ao contrario, ou seja, ao invés da Terra ser o centro e o Sol em sua órbita, o Sol seria o centro com a Terra orbitando-o. Mas no atual moderno estágio avançado do conhecimento cientifico, haveria ainda possibilidades de novas revoluções copernicanas, envolvendo tudo o que acreditamos de cabeça para baixo?! Se a fórmula da Matrix/DNA aqui sugerida realmente existir, e o mundo que re-interpretamos baseado nela, vamos descobrir que – por incrivel que pareça – sim, existe a possibilidade de termos sido enganados mais uma vez e arealidade é muito diferente do que estávamos acreditando.

Vou começar com alguns simples exemplos do que significa re-interpretar todas as coisas, todos os objetos, todos os acontecimentos, naturais, à nossa volta, que fazem parte do nossos corpos, do nosso dia a dia, e que nunca tinhamos observado antes.

1) As mãos humanas:

Esquecendo por alguns minutos a teoria de que um Deus mágico teria vindo à Terra e criado tudo o que de natural aqui existe, ficam as perguntas de como as coisas naturais foram criadas, como chegaram a ser o que são perante nossos olhos agora. Uma das principais coisas naturais que nossos olhos vêm primeiro são as partes do nosso corpo, principalmente nossas mãos. Sem considerar a criação magica das mãos por um Deus, o humano racional imediatamente se lembra das mãos dos macacos, das patas de cavalos, das garras da lagartixa e acredita que viu aí um longo processo evolutivo, determinado pelas necessidades e vontades dos seres vivos nas suas lutas pela melhor sobrevivencia. Mas… será mesmo, só isso, que explica a existencia e o formato das mãos humanas? Não haveriam outras possiveis evoluções mais vantajosas? Por exemplo, porque os dedos humanos não podem se tornarem eretos quando necessario, ou se esticarem, encolherem, como podemos fazer com outros órgãos? Porque mesmo a existencia de dedos e não daquelas caçapas de ferro dos guindastes que construimos para melhor agarrar as coisas? Bastaria um de nossos multiplos ancestrais ter desenvolvido suas patas ou garras de alguma maneira diferente em algum detalhe ( por exemplo, vacas desenvolvendo de suas patas garras para se defenderem das feras) e nunca, jamais, teria sido possivel um regresso na evolução para o caminho evolutivo que conduziu ao formato atual das mãos humanas. WEntão teria havido uma fôrça natural ainda desconhecida por nós e pelas nossas ciencias biológicas da evolução qued teria atuado para conduzir este processo e chegar ao formato das màos atuais? O pior é que sim, esta teoria encontrou algo muito lógico atuando em toda esta história e impregnando suas mãos com detalhes que voce nunca observou, apesar de ter visto suas mãos todos os dias em tôda sua vida!

Ponha sua mão esquerda aberta, de palmas á vista. Observe seus dedos, do mindinho ao indicador ao polegar. Movimente-os e sinta os sentidos ocultos em seus movimentos. A minha primeira impressão quando fiz isso foi a de que minhas mãos são a verdadeira perfeição e não tenho mais o que aprender ou descobrir sobre elas. Acho quer você foi influenciado pela mesma aparencia e conclusão. Mas existe um detalhe oculto nas nossas mãos que se conhecido antes, teria mudado a história da Humanidade, pois teria revelado propriedades da Natureza, fatos da nossa existência que teria evitado muitas interpretações erradas e todas as civilizações erradas que construimos e que a nossa natureza se viu obrigada a desfazer.

Porque o primeiro dedo à esquerda é pequeno, o menor, e parece tão desajeitado, quase inutil? Não teria sido mais lógico – se a evolução obedecesse apenas a vontade nascida das necessidades dos seres vivos – ter feito no mesmo lugar um dedo mais eficiente como é o dedo indicador? Claro que sim! E porque não o fêz?!

A explicação é surpreendente, e apenas quem conhece a fórmula da Matrix/DNA pode captar essa explicação, e pode entender melhor suas próprias mãos. Existe uma outra situação na Natureza  onde algo apresenta todas as caracteristicas do dedo mindinho, ou seja, é o menor, é desajeitado, e quase inutil. Me refiro à forma humana dos bebês, e das crianças muito novas ainda. Elas são a menor forma de todas as outras formas do corpo humano ao longo de sua existencia pós-uterina, são desajeitadas, sào quase inuteis para fazer qualquer coisa util. Então, será mera coincidencia quando a natureza faz duas de suas arquiteturas, tão diferentes entre si como são as diferenças entre bebês e mãos humanas, porem aplica o mesmo método assim como um artista sempre repete seus traços particulares em todos os quadros que pinta? É mera coincidencia aparecer em todos os quadros de um artista os mesmos traços peculiares próprios apemnas dele? Ou esta repetição de traços não é mera coincidencia, e sim tem uma causa profunda que é a mente invisivel embutida no artista?!

No caso do artista penso que ambos concordamos sobre a mente invisivel. As nossas primeiras conclusões levados pelas aparencias é de que estes padrões se repetem por meras coincidencias. Que ambos – uma criança e um dedo das mãos humanas, o mindinho – são obras do mesmo artista – a Natureza – acho que todos concordam. Que existem caracteristicas comuns às duas tão diferentes arquiteturas, acho que tambem ambos acabamos de descobrir isso. Mas ainda acreditamos que o segredo por tras dos obreiros artistas não pode ser a mesma explicação por tras da Natureza como obreira! Pois seria totalmente absurdo pensar na possibilidade de que os mesmos traços observados em crianças e dedos mindinhos não seriam meros acasos produzidos pela evolução dirigida pela luta da vida sem maiores propósitos existenciais. Seria absurdo procurar na Natureza o que sabemos ser o segredo por trás do artista humano: uma mente diretora. mesmo porque se houvesse uma mente diretora por trás de toda evolução deste mundo… significaria que tudo o que pensamos saber do mundo estaria errado!

Infelizmente,… este é o caso! As mesmas caracteristicas estão presentes no corpo total de uma criança e no dedo mindinho porque estas caracteristicas sào traços repetitivos em todas as obras criadas pela Natureza. Isto significa que esta evolução cega, sem propósito pré-planejado, onde as fôrças e elementos naturais de meio-ambientes e criaturas neles existentes vão se modelando reciprocamente para se adaptarem e se encaixarem ( dinossauros e humanos são produzidos por um ambiente inicial, depois estas criaturas transformam e produzem um novo ambiente, que produz novos tipos destas mesmas criaturas, etc.), que nos foi ensinada nas escolas modernas, está equivocada, não é a real evolução. Ao menos é isso que esta teoria vai tentar mostrar aqui.

Observe o dedo seguinte à esquerda. Para não me alongar muito em detalhes cansativos aqui neste texto, já vou adiantando que esse dedo apresenta as mesmas caracteristicas de uma criança crescida chegando na adolescencia. O outro dedo, o médio, apresenta as mesmas caratecristicas do jovem adolescente começando sua maturidade sexual, entrando na vida adulta. O dedo indicador lembra imediatamente o adulto chefe de familia indicando tudo o que o resto da familia ( quer dizer, o resto dos dedos) deve fazer. O plegar lembra imediatamente a figura e precaria funcionalidade do velhinho encurvado movendo-se desajeitada e lentamente.  Quando chegamos a este ponto olhamos a palma da mão, percebemos que ela foi a fonte de onde energiu todos os dedos, e isto lembra a mulher gravida fonte de todas as diferentes formas do corpo humano. E então sem conseguir se conter e abafar a estonteante emoção desta repentina descoberta você grita:

– “Os dedos das minhas mãos representa o ciclo da vida do meu corpo!!!”

Como foi isto possivel?! O que a Natureza e sua evolução está escondendo de nós?

Acontece que, assim como todo artista tem uma personalidade mental que poderia ser extraída e representada na forma de uma fórmula, e depois, aplicando-se esta fórmula a todas as paisagens imaginadas, os quadros repetiriam os mesmos traços peculiares á mente unica daquele artista, assim é a Natureza como a artista criadora de tudo que existe de natural neste mundo. Se você não conhecer esta fórmula simples e inteligivel, esqueça… nunca entenderás os porques das existencias das coisas deste mundo, e nem os porques de sua própria existencia nesta forma que és aqui e agora. Já vi escrito em algum lugar uma frase que sempre me retornava a mente a cada novo fenomeno da Natureza que eu percebia na minha vivencia na selva amazonica: “Se queres me conhecer, se queres saber como eu penso, observe minha obra com muita e dedicada atenção, pois nela eu me revelo.” Um esquilo de repente descia de uma arvore proxima da pedra que eu estava sentado e imóvel, ia para a esquerda ao atingir o solo, parava, mexia as naruianas cheirando, sentia o ambiente, dava mais umns passos rapidos para a frente, parava, sentia, e mais outros passos curvando à direita, parava, sentia o ambiente, e novamente repetia a cena curvando mais a direita, retornando ao tronco da arvore e subia-a correndo. Para um humano hobservador aquele comportamenteo seria irracional, mas nada surpreendente, pois trata-se de um animal dito irracional. Porem quando outro esxquilo em outra arvore repetia o mesmo ritual, seria teimosia e ignorancia do humano observador continuar com a mesma coonclusão, Ele logo perceberia que existe um padrão oculto naquele comportamento. Porque, qual seria, o que se passa na cabeça de todos os esquilos para fazerem justamente aquilo? Nas noites escuras da selva, a luz do lampiào ou lanternas atraem insetos voadores como mariposas, que de repente ficam presas numa órbita voando em torno da luz até se cansarem, algumas até caírem mortas! Isto parece totalmente irracional, pois nada existe em volta da luz prendendo mariposas como se elas caissem muma teia de aranha. Mas tôdas as mariposas cem naquela órbita, portanto não é um comportamento unico ao acaso de uma unica mariposa, existe um padrão oculto ali. Qual, o que seria este padrão com tanta fôrça assim, a ponto de dominar totalmente a vontade individual de uma mariposa?! O observador humano que acredita naquela frase ( – “Eu, a Natureza, ou o que está por trás de mim, me revelo através das minhas obras”), que sente um sentido racional nesta frase pois não poderia ser de outra maneira, vai se obrigar a pensar, refletir no fenomeno da mariposa buscando sua causa, o sinal da Natureza. E nessa busca o observador humano se lembra que a mariposa nào tem o intelecto que nós hyumanos temos, portanto ela é totalmente dominada por instintos herdados dos seus ancestrais, os quais herdaram estes instintos de forças e elementos brutos do mundo dito não-vivo, tais como os atomos, o corpo da mariposa é constituido por atomos, e nos atomos todo eletron livrfe no espaço é capturado em volta da órbita de um proton que deve emitir uma luz… os planetas orbitam em torno de uma luz… está explicado o comportamento aparentemente irracional da mariposa?

Mas quem conhece a fórmula da Matrix/DNA percebe imediatamente que o aparente comportamento irracional dos esquilos na verdade desenha no solo a formula completa da Matrix que foi a ancestral de seu DNA! Desenha ali, surpreendentemente,  a forma de um par de bases laterais de um nucleotideo que é a unidade dfundamental de informação do DNA, mas que tambem é outro desenho fiel da mesma fórmula da Matrix. E tudo isto faz um tremendo sentido lógico para uma razão humana que foi tambem construída pela Natureza. Pois a lógica de uma razão humana autentica, original, e saudavel, tem que ser a mesma lógica de Sua criadora. Claro! Acontece que a milenar cultura humana tem interpretado todos os sinais da Natureza de maneira errada e a razão humana na civilização moderna saiu fora do rumo da lógica de Sua criadora. Eu era mais feliz vivendo isolado na selva do que ser o que a civilização quer que eu seja, um mero escravo produtivo, mas voltei à civilizaçào para ser escravo porque eu precisava gritar aos quatro ventos esta descoberta, surgiu em mim a necessidade de recuperar a cria para Sua mãe criadora. Para tanto é preciso escrever uma obra gigantesca que tenho acululado em trisnta anos de árduo trabalho trazendo à mesa novamente todos os fenomenos naturais conhecidos no Universo desde o Big Bang e mostrar em cada um deles estes detalhes que estão sendo ignorados. Você sabe por exemplo, porque a maioria dos humanos tem uma ligeira falha de visão no olho esquerdo quando comparado ao direito? Observe a fórmula da Matrix/DNA. Ela tambem apresenta uma espécie de face, com arquiteturas materiais que estão na mesma posição dos olhos humanos, mas tambem a unidade que está à esquerda é mais opaca, menos eficiente que seu par à direita. Você sabe porque a evolução construiu aqui este fenomeno complexo que denominamos “face humana”? Observe o ancestral do DNA, que era a Matrix universal usada pela natureza quando ela construiu as galaxias e verás a mesma figura da face humana nos céus, existindo a 10 bilhões de anos atrás, muito antes das origens da Vida aqui! Pois é: sua face já estava escrita, planejada, nas estrêlas! E assim, aos poucos, vamos corrigindo todos os erros produzidos pela nossa imaginativa mente na infancia desta Humanidade, em seus reinos de fantasias com amigos magicos invisiveis e poderosos, monstros demoniacos, para ir retornando aos poucos ao nosso lugar de onde nubnca deveriamos ter saído, que são os braços de nossa verdadeira mãe universal: a Natureza. Precisamos fazer isto rápido porque a estamos matando em nosso planeta.

( postar aqui os dois desenhos das mãos humanas)

A origem da cultura humana e as razões de seus desvios de sua natureza

Permita-me nesta introdução fazer um breve retrospecto da História Humana – segundo a minha versão, que pode ser errada – pois é preciso que entendemos que nossa interpretação do mundo e da nossa existencia está com muitos equivocos e isto pode nos prejudicar sériamente. Todos sabemos como são as nossa crianças: nada sabem dos objetos que as rodeiam, de suas origens, de suas utilidades ou razões de existirem, mas como a tendencia da criança é brincar e se divertir com tudo, a todos os objetos transformam em seus brinquedos. Ao mesmo tempo esta ausencia do conhecimento da realidade leva suas mentes curiosas a criarem fantasias mirabolantes para explicarem as coisas, por isso acreditam facilmente em cegonhas, papel noel, etc. mas se isso acontece no nivel individual de cada ser humano, esta mesma tendencia é projetada no coletivo, quando as mentes individuais começaram a se comunicarem formando uma espécie de camada mental fluindo sobre a superficie deste planeta, dividida em fragmentos, cada um situado dentro de cada cabeça humana. Ora, o mesmo processo evolutivo de cada um individuo tambem se projetou como processo evolutivo do consjunto mental coletivo, de maneira que esse inconsciente coletivo tambem apresenta as fases iniciais de tendencia a fantasiar tudo devido desconhecer as realidades, as origens dos fenomenos naturais, perdidas no tempo passado. estas fantasias do coletivo mental criaram as religiões e seus deuses magicos, seus demonios terríveis, etc. Mas a Natureza não joga dados con suas criaturas, não brinca com seus destinos aprontando-lhes armadilhas traiçoeiras, fatais. Cada fantasia infantil é produzida por uma razão que foi produzida pela Natureza, portanto, cada fantasia não é um total desvio da realidade, por trás de todas as fantasias infantis, sem intençoes maliciosas, existem um elemento real correspondente, apenas mal interpretado porque o cérebro humano ainda não se desenvolveu o suficiente, com os sensores necessarios para captar todas as dimensões atuangytes na Natureza. A figura do imaginado Papai Noel é aceita pela criança porque ela tem um pai carnal que corresponde de certa forma ao Papai Noel; assim tambem por tras daquelas religiões que imaginaram deuses magicos criadores com mentes inteligentes teriam que ter um elemento real correspondendo à figura destes deuses, apenas mal interpretados. Com a fórmula da Matrix/DNA vamos não conhecer de fato, mas ver de longe o elemento real, natural, que corresponde aos deuses imaginados, mas que flue normamlmente por toda a história da evolução deste Universo.

Contrapondo esta tendencia à criação de fantasias da mente humana, existe  a outra face da moeda, a contraparte do nosso corpo originado e formado por átomos, matéria bruta, forças naturais, que se tornaram os instintos nos animais, e os códigos de comportamentos dos humanos. Herdados estes instintos pelos corpos humanos, estes sempre tentaram organizarem-se em sociedades imitando as regras dos habitats caóticos dos animais, as leis das selvas, divididos entre grandes predadores, predadores menores e simplesmente as prêsas. os leões que se espreguiçam e dormem no alto da colina querem e precisam que as ovelhas lá embaixo no vale fiquem trabalhando 24 horas sem parar, transformando grama em carne, para descerem e fazerem a colheita. Não precisam inventar nenhum tipo de exercito armado, de policiais, capatazes com chicotes, para manterem seus escravos, pois ovelhas não possuem mentes desviando-as do curso natural. Mas os grandes predadores humanos se depararam com escravos não voluntarios, não instintivos como as ovelhas, com mania de não trabalharem para sustenta-los. Assim inventaram os caparzes, recolhendo dentre os predadores menores e para manter tudo funcionando criaram um tipo de cultura que entorpece e desvia a razão natural no cérebro tanto de prfedadores menores quanto dos escravos. Como essa cultura não tem correspondencia na dimensão desya nova arquitetura criada pela natureza a que chamamos mente humana, desenvolvioda a partir da razão natural, os grandes predadores tiveram que interpretar todos os fenomenos naturais de maneira distorcida, pois apenas assim ela funciona na manipulação e condicionamento dos escravos e capatazes. O rei não tem sangue vermelho, pois ele veio do céu, seu sangue é azul. A luz do mundo que os escravos devem adorar não é a luz do Sol, mas sim o rei, que detem toda a sabedoria iluminada; se ele parece opaco é porque o centro do Universo é opaco, por isso o Sol orbita em torno de um planeta opaco. E assim por diante, chegamos ao ponto hoje na sociedade moderna onde ainda existem fantasmas monstruosos como os invisiveis buracos negros canibais de galaxias inteiras e o maior best-seller da Fisica moderna se chama “Tudo veio do Nada” ( Something from Nothing, do astrofisico Lawrence Klauss). Assim, meros vórtices como remoinhos no centro das galaxias esplicados pelas mesmas leis naturais que explicam os remoinhos que surgem e desaparecem nos quintais de nossas casas se tornam interpretados como buracos negros, e de repente inventam un nada mágico capaz de gerar o mundo, ouy seja, as fantasias e equivocadas interpretações da classe dominante continuam a imperar nas mais modernas ademias cientificas e daí se derramam em curriculuns escolares para condicionar as mentes dos jovens ingênuos. Aí está brevemente e sem mencionar muitos detalhes importantes o que produziu esta cultura que agora temos que descontruir, retornando a observar com a atenção cada detalhe da Natureza, perceber nos objetos naturais os sentidos ocultos que ignoramos, se queremos nos sintonizar harmonicamente com os ritmos e propósitos da nossa criadora, ter um corpo e mente mais saudáveis e enfim, evitar nossa auto-destruição.

O que é a fórmula da Matrix/DNA e porque a razão original humana exige que ela exista de fato

Esta fórmula não caiu do céu gratuitamente, nem foi revelada por alguma voz misteriosa soando dentro da minha cabeça. Houve um processo natural, lógico, conduzindo um humano a encontra-la como tesouro enterrado na selva que ainda se mantem virgem, com as poucas criaturas que testemunharam as origens da vida. Para encontra-la seria preciso fazer antes uma lavagem cerebral num humano moderno linpando-o de toda essa cultura milenar e seu falso conhecimento. Isto é fácil: basta colocar um humano moderno dentro de um avião, fazer o avião cair no meio da selva amazonica, deixar apenas um humano vivo que poderá sobreviver por alguns dias e por no seu caminho um bom pagé de uma tribo nativa, que ao invés de comê-lo, adote-o como seu aprendiz de feiticeiro e curandeiro. A lavagem cerebral será executada dentro de alguns anos, uma nova visão de mundo virá ocupar o lugar que fora ocupado pela cultura da civilização. Não foi bem o meu caso, mas o resultado final foi o mesmo. Nascido de uma familia com genética européia num pais ainda de terceiro mundo naquela época, tendo perdido os pais nas tragédias da vida aos 3 anos de idade, a sociedade organizada reserva dois destinos pra tais órfãos de rua: ou se submetem a serem escravos fazendo o trabalho bruto e sujo pelo resto da vida em troca de alimento e um teto para repousar nas noites, ou recusa esta oferta e torna-se um guerreiro bandido. Não existe terceira alternativa e casos esporadicos como o do presidente Lula são rarissimos golpes de sorte, premios grandes em loterias, estando no lugar certo e na hora certa. Mas a genética européia se diferencia da genética dos nativos no tocante a psicologia curiosa com tendencia transformadoras, cientifica, sei lá como explicar isso. O fato é que nascí com uma gana irresistivel para ler livros sobre os fatos reais da natureza e inclusive o fato real da evolução do pensamento humano que é melhor descrita e revelada pelos pensadores e filósofos de cada época, no estilo gradual do “próximo filósofo, por favor”. E quando tive uma oportunidade simplesmente imitei os escravos antigos da senzala, aproveitando um momento de descuido dos vigilantes e fugindo para o meio da selva. Mas para um escravo metido a filosofo que surrupiou a maioria do conhecimento cientifico da civilização na sua época, a selva guarda a surpresa de sua lavagem cerebral. Para tanto ela te fustiga de todas as maneiras possiveis, com suas intempéries, seu calor abrasivo, seus pequenos vampirinhos sugadores de sangue como os piuns e carapanãs te atacando 24 horas por dia, seus venenos carregados por cobras e escorpiões aguardando seus pés em cada novo passo mata adentro, e suas armas mais terriveis, como a malaria, produzindo as tremedeiras que chacoalham seu cérebro para derrubar as informações erradas registradas em seus neuronios. Em poucos dias ou meses, se tivestes a sorte de ainda sobreviver, passar por todos os testes, te vês reduzido a forma promitiva de nossos ancestrais, como um semi-macaco, lutando e sobrevivendo como um animal igual aos demais que fazem a sua nova sociedade. na selva. Porem, ainda assim nunca me tornei um macaco completo pois enquanto os amacacos tem anti-corpos contra a malaria, eu não tinha que ela me pegou em toda sua fôrça, atacando com seus dois tipos ao mesmo tempo, a falciparum e a vivax. Já delirando e com um pé na cova, mas aonda lutando e tentando caminhar, entrei no território dos Jamanxins e o incrivel aconteceu: os nativos me pegaram e me levaram para uma pequena aldeia de branco, chamada Jacareacanga, de graça, sem nada cobrarem! Lá já havia mais uns tres ou quatro forasteiros moribundos e mais uns seis ou sete dias viajando na carroceria de uma camioneta mais mortps que vivos fomos despejados num hospital do govêrno na capital de Porto Velho.

Mas voltei mais tarde a fugir de novo para a selva, agora com a mente confusa entre dois mundos, porem com um plano. Porque existo e assim, nestas absurdas condições de existencia? Não existe um conhecimento confiavel, mas vamos supor por ora que a teoria de que tudo começou a 3 bilhões de anos atras, ou menos, quando surgiu um primeiro sistema celular completo ao qual se poderia de chamar realmente de um ser vivo, esteja correta. Descartada a possibilidade de mágicas, seja como querem os religiosos com seus deuses magicos, ou os academicos materialistas com seus acasos tambem magicos, resta o processo que a Natureza utiliza aqui, perante os meus olhos, de como ela cria novos sistemas naturais. É o processo genético. Ora, se o primeiro ser vivo era um sistema e já trazia em si o processo genético, isto significa que o elemento misterioso que o gerou tinha que ter sido um sistema natural e já aplicando um primitivo processo genético. Esse sistema tinha que estar escondido ali dentro daquela sopa primordial de onde a primeira célula se levantou. Mas quais os sistemas naturais conhecidos que existiam naquela época? Apenas os sistemas atomicos e os astronomicos, como a galaxia e o sistema solar. Existe tremenda diferença entre um sistema atomico e um sistema celular, suficiente para descarta-lo de imediato, apsesar de sabermos que ele estava naquela sôpa. Os sistemas astronomicos estavam fora da sopa, claro, portanto, tambem descartados. Mas tinha que ter ali o sistema-pai, já contendo alguns principios de transmissão genética. Quando Spenzias e Wilson tentaram reproduzir as condições primitivas sugeridas por Oparin, não incluiram na sua sopa tal sistema, pois seus aminoacidos não foram os escolhidos pela vida e nem conseguiram dar o segundo passo evolutivo, que teria sido se tornarem complexas proteinas, RNA, etc. Mas continua o dilema, até minha avó na sua sabedoria popular dizia que filho de peicxe peisinho será… eu tinha o peixinho – a primeira célula – precisava encontrar o peixão, e a imagem da célula tinha que ser a sua imagem e semelhança assim determinam os processos genéticos. Ora, tudo isso terminou por apontar uma pista: o velho método iniciador de todas as ciências, principalmente a medicina na grécia antiga: o método da anatomia comparada, entre o primeiro sistema vivo e os ancestrais sistemas nào-vivos. Este método iria fornecer a imagem, a face, do sistema misterioso, do meu peixão. Mas para aplica-lo precisava retornar à selva, pois aos escravos não são permitidos tempo para tais esquisitices e na selva ainda dormitavam as testemunhas das origens da vida, elas poderiam me sussurrar seus segredos, informações que nem o Oparin possuia. Mesmo assim creio que nunca teria encontrado a Matrix, porque eu não tinha a capacidade dos nativos de ouvir e entender os espiritos da selva. Foi tambem novamente o encontro salvador com um curandeiro nativo, o acompanhamento de suas alucinações quando tomava suas beberagens de ervas e raizes, a montagem de um quadro tentando entender como a biosfera evoluiu na forma de um cérebro nativo e porque tal cérebro produzia aquelas alucinações, etc., e etc., que finalmente me levou a imagem final do peixão, realmente muito grande, pois se tratava do building block das galaxias originais. Por isso o sistema criador estava e não estava ao mesmo tempo naquela sopa. Portanto, a fórmula da Matrix/DNA não caiu de graça do céu, não foi revelação de nenhuma entidade supernatural emitindo vozes dentro de um cérebro humano, foi produto de um desesperado trabalho de uma mente humana buscando sua liberdade da escravidão devido a ignorancia de sua própria existencia que a impede de ter o poder de controlar o mundo material à sua volta. 

Tags: