Luz e Teoria do Big Bang (Inflation Theory): Evidencia Para Teoria Academica; Hipótese contra Matrix/DNA

A teoria acadêmica sugere que houve uma explosão e e m questões de segundos o Universo se expandiu para o tamanho normal. Agora parece que encontraram mais evidencias suportando a teoria. Para a teoria da Matrix/DNA – que projeta o processo da origem e formação do corpo humano durante embriogenese para o processo de origem e formação do Universo, não poderia haver tal rapida expansão ( preciso pesquisar qual a velocidade da multiplicação das primeiras celulas formando a mórula). Mas houve uma rapida expansão da luz emitida pelo Big Bang, atrvés da dark matter, que preenchia o espaço. O problema agora é inquirir os fisicos daquela teoria o que entendem por Universo, se acreditam que essa expansão foi criação espontanea da matéria do Universo. Pois para mim a evicdencia que encontraram aqui foi de expansão da luz e não do Universo. É certo que apenas quando a luz preencheu o espaço, a dark matter se tornou massa + energia, e nesse caso, se poderia dizer que o Universo formou-se nessa rapida velocidade, mas não houve expansão da matéria. Artigo copiado abaixo porque será necessario pesquisar item por item.  Ver outros artigos.

New evidence from space supports Stanford physicist’s theory of how universe began

http://news.stanford.edu/news/2014/march/physics-cosmic-inflation-031714.html

The detection of gravitational waves by the BICEP2 experiment at the South Pole supports the cosmic inflation theory of how the universe came to be. The discovery, made in part by Assistant Professor Chao-Lin Kuo, supports the theoretical work of Stanford’s Andrei Linde.

Almost 14 billion years ago, the universe we inhabit burst into existence in an extraordinary event that initiated the Big Bang. In the first fleeting fraction of a second, the universe expanded exponentially, stretching far beyond the view of today’s best telescopes. All this, of course, has just been theory.

Researchers from the BICEP2 collaboration today announced the first direct evidence supporting this theory, known as “cosmic inflation.” Their data also represent the first images of gravitational waves, or ripples in space-time. These waves have been described as the “first tremors of the Big Bang.” Finally, the data confirm a deep connection between quantum mechanics and general relativity.

“This is really exciting. We have made the first direct image of gravitational waves, or ripples in space-time across the primordial sky, and verified a theory about the creation of the whole universe,” said Chao-Lin Kuo, an assistant professor of physics at Stanford and SLAC National Accelerator Laboratory, and a co-leader of the BICEP2 collaboration.

These groundbreaking results came from observations by the BICEP2 telescope of the cosmic microwave background – a faint glow left over from the Big Bang. Tiny fluctuations in this afterglow provide clues to conditions in the early universe. For example, small differences in temperature across the sky show where parts of the universe were denser, eventually condensing into galaxies and galactic clusters.

Because the cosmic microwave background is a form of light, it exhibits all the properties of light, including polarization. On Earth, sunlight is scattered by the atmosphere and becomes polarized, which is why polarized sunglasses help reduce glare. In space, the cosmic microwave background was scattered by atoms and electrons and became polarized too.

Our team hunted for a special type of polarization called ‘B-modes,’ which represents a twisting or ‘curl’ pattern in the polarized orientations of the ancient light,” said BICEP2 co-leader Jamie Bock, a professor of physics at Caltech and NASA’s Jet Propulsion Laboratory (JPL).

Gravitational waves squeeze space as they travel, and this squeezing produces a distinct pattern in the cosmic microwave background. Gravitational waves have a “handedness,” much like light waves, and can have left- and right-handed polarizations.

“The swirly B-mode pattern is a unique signature of gravitational waves because of their handedness,” Kuo said.

The team examined spatial scales on the sky spanning about 1 to 5 degrees (two to 10 times the width of the full moon). To do this, they set up an experiment at the South Pole to take advantage of its cold, dry, stable air, which allows for crisp detection of faint cosmic light.

“The South Pole is the closest you can get to space and still be on the ground,” said BICEP2 co-principal investigator John Kovac, an associate professor of astronomy and physics at Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, who led the deployment and science operation of the project. “It’s one of the driest and clearest locations on Earth, perfect for observing the faint microwaves from the Big Bang.”

The researchers were surprised to detect a B-mode polarization signal considerably stronger than many cosmologists expected. The team analyzed their data for more than three years in an effort to rule out any errors. They also considered whether dust in our galaxy could produce the observed pattern, but the data suggest this is highly unlikely.

“This has been like looking for a needle in a haystack, but instead we found a crowbar,” said co-leader Clem Pryke, an associate professor of physics and astronomy at the University of Minnesota.

Physicist Alan Guth formally proposed inflationary theory in 1980, when he was a postdoctoral scholar at SLAC, as a modification of conventional Big Bang theory. Instead of the universe beginning as a rapidly expanding fireball, Guth theorized that the universe inflated extremely rapidly from a tiny piece of space and became exponentially larger in a fraction of a second. This idea immediately attracted lots of attention because it could provide a unique solution to many difficult problems of the standard Big Bang theory.

However, as Guth, who is now a professor of physics at MIT, immediately realized, certain predictions in his scenario contradicted observational data. In the early 1980s, Russian physicist Andrei Linde modified the model into a concept called “new inflation” and again to “eternal chaotic inflation,” both of which generated predictions that closely matched actual observations of the sky.

Linde, now a professor of physics at Stanford, could not hide his excitement about the news. “These results are a smoking gun for inflation, because alternative theories do not predict such a signal,” he said. “This is something I have been hoping to see for 30 years.”

BICEP2’s measurements of inflationary gravitational waves are an impressive combination of theoretical reasoning and cutting-edge technology. Stanford’s contribution to the discovery extends beyond Kuo, who designed the polarization detectors. Kent Irwin, a professor of physics at Stanford and SLAC, also conducted pioneering work on superconducting sensors and readout systems used in the experiment. The research also involved several researchers, including Kuo, affiliated with the Kavli Institute for Particle Astrophysics and Cosmology (KIPAC), which is supported by Stanford, SLAC and the Kavli Foundation.

BICEP2 is the second stage of a coordinated program, the BICEP and Keck Array experiments, which has a co-principal investigator structure. The four PIs are Jamie Bock (Caltech/JPL,) John Kovac (Harvard), Chao-Lin Kuo (Stanford/SLAC) and Clem Pryke (UMN). All have worked together on the present result, along with talented teams of students and scientists. Other major collaborating institutions for BICEP2 include the University of California, San Diego; University of British Columbia; National Institute of Standards and Technology; University of Toronto; Cardiff University; and Commissariat à l’Énergie Atomique.

BICEP2 is funded by the National Science Foundation (NSF). NSF also runs the South Pole Station where BICEP2 and the other telescopes used in this work are located. The Keck Foundation also contributed major funding for the construction of the team’s telescopes. NASA, JPL and the Moore Foundation generously supported the development of the ultra-sensitive detector arrays that made these measurements possible.

Technical details and journal papers can be found on the BICEP2 release website: http://bicepkeck.org

xxxxx

Mais informacoes neste artigo:

Big questions confront astronomers as Big Bang signs become clearer

Read more: http://www.sciencerecorder.com/news/big-questions-confront-astronomers-as-big-bang-signs-become-clearer/#ixzz2wSWHFkQH

They also found the first direct evidence of gravitational waves—ripples in  space-time caused by the Big Bang’s unimaginably momentous impact. Albert  Einstein had predicted gravitational waves in his general theory of relativity,  and their supposed existence had allowed for a rare exception to the rule that  nothing can travel faster than light: The explosion ripped apart space-time and  sent matter flying outward at faster than light speed, in a process that  researchers call “cosmic inflation.”

xxxxx

Um Universo que não cabe no Nobel

http://teoriadetudo.blogfolha.uol.com.br/2014/03/19/um-universo-que-nao-cabe-no-nobel/#comment-74387

E meu comentario postado aqui ( não publicado, aguardando moderação)

  1. Your comment is awaiting moderation.
    Louis Morelli comentou em 19/03/14 at 9:30 pm

    Voce diria que o dedo do pianista, ao tocar uma nova tecla, está deixando uma marca na musica de fundo? Acho que sim, e é isto que o BICEP2 encontrou, uma nova nota na criação da musica universal, o tal cosmic background microwave. Mas temos um sutil problema aqui: a interpretação humana e partindo de fisicos e matematicos é como a interpretação de um cego de como seria o corpo de um elefante apenas tocando o rabo dele. Impossivel acertar com a complexidade da verdade final.

    O que me deixa aturdido é a insistencia do homem moderno ainda alimentando o “pensamento magico”. Coisas como “o que deflagrou o Big Bang foi um minusculo ponto de energia super-condensada”, ou como “Something from Nothing”, que é o best-seller atual dos estudantes encantados, ou ainda que “o cérebro de macacos produziu a auto-consciencia”.
    Existem algumas evidencias ( ainda indiretas) de que o Universo material nasceu de uma “explosão”. Mas para interpretar os significados existencias do Universo e desta possivel explosão, os acadêmicos materialistas ao invés de acreditarem no pai de carne e osso, inventam e acreditam num Papai Noel. “Era uma vez, um minusculo ponto magico que criou tudo isso que aqui está…desde a formidavel maquina Newtoniana, desde o incrivel DNA, até esta misteriosa mente humana…Vibrações quanticas flutuando no Nada Absoluto…voce não é capaz de senti-las?!” Qual a diferença com os apostolos que diziam “eu ouço vozes vindas de Deus, voce não?!”
    Aqui e agora, debaixo dos nossos narizes, a natureza está aplicando nanotecnologia e giantologia ( bem, acabei de criar uma nova palavra, na falta de outra). Ela pega um humano adulto com 80 quilos, dois metros, 25 anos de idade, e enfia ele todo dentro de um minusculo cromossoma. Entao esse cromossoma “explode” seu envelope externo no centro de um óvulo e …voilá!…tem origem um novo corpo, um novo sistema natural. Nos momentos após a “explosão” uma célula inicial começa a se multiplicar aceleradamente, formando a mórula, blástula, etc. Eu não vejo como contestar que esse comprovado processo não seja`à imagem e semelhança do processo que as pouquissimas indiretas evidencias que temos estão indicando como nasceu este Universo. Mas se irritam com essa possibilidade como qualquer criança se irritaria com os pais explicando que ela está conversando com amigos imaginarios no céu, ou que não existe Papai Noel, não existe evidencias de magicas aqui, nem mesmo as supostas aplicadas pelo acaso absoluto usando sua varinha de produzir eventos por acidente. Eu suponho que A Natureza não engana suas criaturas: ela faz as coisas escondidas de nós pelo tamanho do espaço e do tempo, do mesmo jeito que faz as coisas aqui na frente dos nossos narizes. Quando queres saber como ela fez no passado ou num lugar muito distante, pergunte humildemente à sua mãe natureza, ela te mostra aqui e agora um parametro onde se aplica o mesmo processo. Acho que houve expansão rapida de luz emitida pelo Big Bang penetrando a massa inerte e eterea que preenche o espaço a qual denominam dark matter mas como essa luz carrega o código da vida, ela dividiu por frequencias e vibraçoes essa massa em corpos moventes, diferenciados, funcionais, e assim criou os primeiros sistemas, como atomos, galaxias, assim como naquela mórula um elemento quase invisivel, chamado código genetico, se espalha e começa a diferenciar a blastula em órgãos diferenciados. Eu tentei este caminho iniciando pela observação dos sistemas biologicos aqui e agora e descendo na escala do tempo e espaço para inquirir o que foi a origem do mundo material, meu resultado final é que uma teoria do tudo tem que envolver não apenas fisicos e matematicos, mas biologos, neurologistas, quimicos, pois até meu modelo de galaxias indicam uma cobertura de propriedades vitais. Acho que fisicos e matematicos são muito bons para estudar o esqueleto, mas dai para explicarem a parte carnal e mental do meu corpo… ou os mistérios de um Universo que tinha informações para criar a vida e a mente, as notas musicais para compor essa universal ópera, vai uma grande distancia. Se queres ver meus modelos procure aqui: “The Universal Matrix of Natural Systems and Life’s Cycles”.

    Comentario postado no artigo e resposta da Matrix/DNA: 

    Lúcio T. Fernandes comentou em 19/03/14 at 11:56 am Responder

    A teoria do Big-Bang parte do raciocínio inverso da constatação de que as Galáxias estão se afastando entre si: Se elas estão se afastando entre si, então houve um tempo em que todas estavam juntas.

    Porém, para considerá-la válida, é preciso desconsiderar o paradoxo do espaço e tempo – exatamente para que seja objeto da ciência. Daí derivariam as perguntas:

    01. Houve um início absoluto para a contagem do tempo. Ora, então o que havia antes dessa contagem? Nada?! Então como que do nada surge a contagem do tempo?

    02. O Universo está em expansão. Ora, então o que existe para além de suas fronteiras? Nada?! Uma placa escrita “aqui o o limite do universo”?

    Posta essas razões faz sentido acreditar que “no universo nada se perde, mada se cria; tudo se transforma”; ou seja, o universo a cíclico.

    Como para ser objeto da ciência é preciso estar sujeito ao espaço e tempo e fazer, até que não tenhamos a capacidade de desenvolver um experimento que reproduza tais condições, não teremos a capacidade de entender o universo em sua total extensão – o que entendo por Deus.

    Louis Morelli comentou em 20/03/14 at 8:37 pm

    De que estás falando, Lucio?! Não é o Universo nem a natureza universal que faz contagens do tempo, e sim a espécie humana, que inventou isso. Não existe uma entidade ou substancia ou força natural denominada “tempo”, isto é apenas noção humana para situar cronologicamente os eventos numa sucessão que torne a história natural mais compreensivel.

    O que existe alem das fronteiras do Universo? Voce quer dizer “alem desta dimensão de matéria que os sensores do seu cérebro e os sensores ou medidores técnológicos podem captar? Eu tenho usado um método que tem fornecido explicações para o invisivel: pergunto direto à Natureza. Acho que ela não engana suas criaturas. Como resposta ela sempre mostra aqui e agora um fenomeno que se assemelha ao perguntado. Aqui tem um processo que se assemelha em tudo com as origens do Universo: é a origem de cada corpo humano. Então um embrião, um feto, está em expansão dentro de uma placenta de “dark matter”. O que existe alem do pequeno universo do embrião? Algo muito, muito complexo: os corpos da mãe, do pai, tudo natural, nada mágico. Pois alem deste Universo não deve ser diferente.

Tags: , ,