São os Tumulos que Caçam Defuntos, e não os Defuntos que Vão para os Tumulos, Segundo os Físicos Modernos! E a Tese foi Aprovada “Cientificamente”!

Esta noticia, publicada com estardalhaço, me deixou mais uma vez, indignado:

Supermassive Death: 3 Stars Get Eaten By Black Holes

// 

http://news.discovery.com/space/galaxies/supermassive-death-3-stars-get-eaten-by-black-holes-140811.htm

Black Hole – NASA/JPL-CALTECH

 

Bem… desde que o considerado guru da Física Moderna, Lawrence Krauss,  publicou seu livro best-seller “Tudo Vem do Nada”,  e estudantes do mundo inteiro correram nas livrarias para degustar o sumo da mais elevada inteligencia moderna, este burro aqui não era para se surpreender com mais absurdos racionais vindos da academia, porem, o ataque está sendo demasiado para aguentar sem retrucar. Qual é o certo: é o tumulo que caça e come o defunto ou é o defunto que invade, penetra, o tumulo? O certo é: existem túmulos e existem defuntos; os defuntos são depositados nos túmulos onde bactérias e o tempo destroem-nos. De certa maneira, está certo qualquer uma das duas afirmações acima, dependendo do ponto de vista do observador. Túmulos devoram defuntos que entram em túmulos. Mas no espaço sideral, segundo os físicos modernos, são os túmulos (buracos negros) que atraem ou atacam os corpos de suas vitimas (estrelas em seu pleno potencial, vivas ainda!), para come-las.  E isto está errado,…  segundo os modelos astronômicos da Matrix/DNA.   Aqui na Terra, defuntos são levados ao tumulo, e como é aqui, assim é no céu. Vamos ver onde estão errando:

Segundo a noticia,  “Astrophysicists have analyzed two decades-worth of X-ray data… ( Astrofísicos tem analisado duas décadas de valiosos dados de raios-X… emitidos por buracos negros) . A primeira questão, que acoberta o primeiro erro, é: “Porque os núcleos galácticos, e não buracos negros, emitem Raios-X?”.

Pois a unica coisa que se tem como certa, como dado real cientifico comprovado, é que existe núcleos nas galaxias. Mas o que tem dentro destes núcleos nunca foi visto ou tocado ou filmado, portanto nada se tem de dado cientifico e sim, teorias. Que tenha um buraco negro e este funcione de tal e tal maneira, é pura teoria, portanto. Cientificamente e racionalmente é isto aí, não adianta se incomodar com alguem lembrando que a crença em buracos negros ainda é mitologia. A teoria acadêmica parte do pressuposto que ocorra um processo  que leva à singularidade absoluta, o que criaria um buraco negro, mas nunca, em lugar algum, alguem viu ou provou ter ocorrido um retorno à singularidade absoluta. Ainda teoricamente, porem agora mais racionalmente, teria havido um estado de singularidade extrema nas origens do Universo, pelo simples fato que temos observado existir uma evolução, a qual indica que existe um processo que vai do simples para o cada vez mais complexo. Ora, fazendo-se o calculo do caminho reverso, partindo da complexidade de hoje, chega-se a um ponto inicial de extrema singularidade. Mas… daí a dizer que este estado possa acontecer de novo no Universo, e até mesmo “afirmar” que acontece, e que produza buracos negros… é um desvario irracional. Se houvesse esta possibilidade, e sabendo-se que a matéria tende ao estado de repouso absoluto, nada teria impedido a matéria inicial que formou as primeiras nebulosas, ter retornado à singularidade. E assim, toda vez que se desse partida num novo Universo, ele poderia avançar alguma coisa na sua evolução, mas sempre retornaria à singularidade, e o Universo ficaria eternamente patinando sem sair do lugar…

Tenho elaborado um gráfico cartesiano ( pena que perdí o papel na selva – acho que foi quando corremos dos queixadas para salvar a pele e perdí a mochila – mas farei outro e o trarei para cá), que mostra porque o retorno à singularidade absoluta não existe. Ao calcular a trajetória de um corpo inicial partindo do Big Bang num gráfico tendo como coordenadas o tempo e o espaço, e fazendo este corpo rolar ao sabor das leis da evolução cosmológica, resultou numa figura em que a macro-evolução é formada de micro-ciclos evolucionários onde um novo corpo nasce de outro, sobe 3 degraus na escada da evolução, escorrega dois, caindo no primeiro degrau, sem atingir o solo. Do primeiro degrau outras forma mais evoluída deste corpo se levanta e sobe mais 3… assim tem caminhado a evolução. Ora, se em cada ciclo o corpo atingisse o solo, o reino da singularidade absoluta, ele nunca teria ido alem dos 3 primeiros degraus. Assim como eu nunca voltei ao grafico para desenvolvê-lo porque ao correr e ter que subir numa arvore, tive que me livrar da pesada mochila nas costas e joga-la ao solo. Os porcos do mato cairam matando em cima da mochila com cheiro de comida e estraçalharam-na enquanto eu via do alto da arvore e berrava; “Não comam meus papéis, meus graficos, seus tarados de uma figa…”  Mas isto foi um exemplo de como a Natureza trabalha: suba, escorregue, mas não atinja o solo, pois ali tudo é desfeito e retorna a singularidade absoluta, como os fragmentos de papel nas mandibulas do queixada.

O pressuposto fundamental para buracos negros, visto assim, de forma leiga mas natural, sem precisar apelar para calculos e linguagem técnica, está errado, não existem buracos negros tal como pintados pela teoria.

Mas é praticamente um dado comprovado que nossos receptores estejam captando raio-X vindo do núcleo das galaxias. Como a teoria não previu isso –  e ao contrario, ela afirma o contrario quando diz que dos buracos negros nada escapam, nem a luz – foi necessário arrumar uma explicação de como e porque vem os raios-X. Os modelos astronômicos da Matrix/DNA nunca me trouxeram esta questão, porque neles está acertado previamente que núcleos galácticos tem que emitirem raios-X. E praticamente tem que emitirem luz apenas no espectro de ondas concernente à frequência do raio-X. Mas os astronomos não inseriram isto em seus modelos porque tambem ainda não entenderam o que é uma onda de luz, e o que significa a frequência do raio-X. Portanto temos que sair dos níveis das galaxias e entrar mais profundamente na Natureza, nas suas dimensões onde imperam as ondas de luz. Paras tanto, sou obrigado a trazer para cá um dos modelos teóricos da Matrix/DNA, o que se refere justamente a isto, a luz:

 

Nós descobrimos, levados nas ondas da fórmula da Matrix universal, que uma onda de luz natural, original, ( a emitida pelo(s) Big Bang(s) de um Universo pulsante, e não a luz natural porem emitida por estrelas e outros, que são meras estações repetidoras das ondas originais, e muito menos a luz produzida por humanos) contem em si o código que imprime a dinâmica da Vida na matéria inerte, esta substancia que preenche o espaço cósmico denominada eter ou mais recentemente, dark matter. Afora esta estonteante descoberta ( que indica ter a Vida já ser oriunda de uma fonte existente antes e alem deste Universo material), fica o fato que a sequencia de vibrações diferenciadas de uma onda de luz que se propaga é a mesma sequencia de formas diferenciadas de um corpo humano que se propaga no tempo levado pela fôrça do ciclo vital. Ou seja, uma onda de luz natural tem um ciclo de Vida: ela é gerada, nasce, cresce, amadurece, degenera e morre. fragmentando-se em pó, que são suas partículas fótons. E justamente essa sequencia, segundo outra nova grande descoberta dentro da Matrix/DNA, é o que forma corpos de matéria diferenciados e separados no espaço, depois os reconecta na mesma antiga sequencia, e o resultado final é um sistema natural completo e funcionando. Não é apenas os corpos dos seres vivos que seguem esta sequencia, e sim todo e qualquer outro sistema natural, de átomos a galaxias. Cada espécie ou forma de astro dentro de uma galaxia é a representante de cada uma das faixas de onda de luz. E foi fácil para mim montar a figura acima. Qual o tipo de astro que corresponde à frequência do raio-X? Justamente o que está dentro do núcleo da galaxia, o vulgo “buraco negro”. Mas não o buraco negro fantasma, canibal do espaço, monstro devorador de mundos inteiros, que surgiu na cabeça desmiolada por uma doutrina materialista absurda. Só existem fantasmas na mente fantasiosa de crianças ou adultos que antes de crescerem mentalmente, foram capturados por alguma mistica religiosa de nível intelectual sofrível. E sim a estrutura que a fórmula da Matrix/DNA sugere existir dentro dos núcleos galácticos ou quaisquer nebulosas de poeira resultantes de sistemas estelares mortos. Um simples ralo girando em espiral, um rodamoinho, um vórtice central, igual aos que vemos surgirem e desaparecerem repentinamente nos quintais de nossas casas, porque as leis daqui são as mesmas leis de lá. Tudo começa com uma nebulosa de poeira estelar, gaz, todos os tipos de detritos, e mais os bólidos de energia emitidos pelos pulsares, que paira num espaço dentro de uma galaxia maior ou de um Universo que tambem gira sobre seu próprio eixo, fazendo a poeira rodopiar e criar um eixo central, onde surge o tal do buraco negro… um mero rodamoinho natural. Mas a sequencia de eventos a partir daí são muito simples, porem acobertam um significado muito complexo: tudo ocorre como ocorre dentro do útero materno após um óvulo fecundado. As leis daqui vieram de lá, portanto o que vemos aqui, é um exemplo do que acontece lá. Prá que procurar chifres na cabeça de cavalos?! Onde esqueceram a navalha de Occan?!

Qual o problema ao se constatar que estrelas mortas tem sua matéria dirigida para dentro dos núcleos galácticos? Se aqui na pia de casa eu vejo que todo cisco e poeira que cai na água rodopiante indo para o ralo leva consigo a poeira para o mesmo ralo?  Ah… mas,… descrever a coisa assim não é elegante, não causa impressão, e tira o trabalho dos grandes gênios, como o Stephen Hawking… Ora, se você não quer que o autor do fantasma Harry Potter perca seu trabalho, continue a apreciar seus contos, mas por favor, não se esqueça que estás num mundo de fantasias, não vá inserir esta obra no curriculum escolar e dizer às crianças despreparadas que também adoram tais histórias de monstros e fantasmas a acreditarem que isto exista no mundo real.

O maior problema nesta noticia que afeta prejudicialmente a formação da mente juvenil, está aqui:

” In a new study by the Moscow Institute of Physics and Technology and Space Research Institute of the Russian Academy of Sciences, astrophysicists trawled through observations from two space observatories to discover three likely occasions where stars have been eaten by supermassive black holes. Their work has been accepted for publication in the journal Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. ”

Todo mérito vai aos cientistas do Moscow Institute of Physics and Technology por terem esforçadamente observado as imagens e calculado uma teoria para explicar certos efeitos, não existe razão para se eliminar a tese de que tres estrelas desapareceram dentro do nucleo galactico. O problema está na frase: “… stars have been eaten by supermassive black holes…”. para melhor esclarecer isto devo trazer aqui outro modelo teórico da Matrix/DNA:

Sistema-Elo Entre os Sistemas Naturais Não-Vivos e os Sistemas Biológicos

Sistema-Elo Entre os Sistemas Naturais Não-Vivos e os Sistemas Biológicos

Esqueça a pobreza do desenho, pois foi feito a duras penas nos joelhos a beira de pântanos na selva amazônica, tendo apenas lápis e papel de embrulhar pão. Tente descobrir o significado disso aí, pois ele tem as respostas para a maioria das nossas questões existenciais.  Nós não inventamos um circuito elétrico caseiro para acender uma luz; isto estava registrado no DNA em nossa memória, porque é dessa exata maneira que o circuito energético de uma galaxia acende uma nova estrela no céu. Amplie a imagem e procure F7. É o estado das estrelas moribundas, quando seu núcleo já comeu quase todos os nutrientes energéticos que tinha no seu envoltório placentário, nas suas camadas geológicas, e assim como uma gigante vermelha ela começa a se desfazer no seu aspecto de massa. O rodopiar do sistema canaliza sua poeira para o ralo central, realimentando-o, para continuar reciclando o sistema. Onde alguém viu aí gigantescos buracos negros comendo as estrelas ainda com vida?! Pois é isto que transmite o “paper” aprovado pela Royal Astronomical Society e publicado em seu  Journal Monthly Notices ! bem ao gosto desta cultura de 10,ooo anos criada e retroalimentada até agora pelos grandes predadores dentro da espécie humana para se justificarem nos seus atos de predação na comelança da energia dos trabalhadores… pois se a Natureza faz assim… é porque está certo que nós façamos assim tambem. Não, a Natureza no seu estado e ordem e equilíbrio cósmico não faz assim, apenas se vê isto quando no seu estado de caos como foi o gerador desta biosfera terrestre.  Nem mesmo os cadáveres das estrelas mortas são devorados no tumulo negro, mas apenas o material decomposto de seus cadáveres, obedecendo a máxima de que “do pó vierstes, ao pó retornarás” ( mas aqui a frase deveria continuar dizendo a verdade:  … para que te levantes numa nova vida…”).

E o artigo termina dizendo:

“This work has added some much needed detail to these rare events, indicating that (on average) one star every 30,000 years in any given galaxy will be destroyed by the central supermassive black hole, though the researchers caution that more observations of stars being eaten by supermassive black holes are needed.” ( o grifo é meu).

Não, não tema que a nossa estrela e nenhuma outra estrela viva vá ser devorada por monstros. Não tema que tumulos se levantem dos cemitérios na calada da noite e saiam devorando seres vivos por aí. Todas as estrelas vão morrer de velhas, naturalmente. E no estado de ordem não existem acidentes, seria um absurdo ilógico.  Não vá endurecer seu coração e se tornar um novo grande predador porque a Natureza faz assim, porque isto é mentira! Não vá perder a esperança de que sua Vida, sua existência, tenha algum significado nobre e um propósito mais sublime do que o simples viver uma experiencia como mero macaco melhorado. A visão de mundo sugerida pela Matrix/DNA tem vindo vencendo a teoria acadêmica nos últimos 30 anos,  ela está sugerindo que sua Vida tem sim, um fantástico significado e um majestoso futuro, pois este Universo é mero palco onde está ocorrendo um processo de reprodução genética, e tu és o gene consciente criando o objetivo final deste processo. Tu és o Filho, a Filha, que nascerá para alem deste Universo, no dia do Big Birth. Mas agora tens que salvar seus filhos estudantes desta famigerada visão de mundo povoada de fantasmas e monstros que não existem.

xxxxx

Meu comentario postado no artigo da Discovery:

“… stars have been eaten by supermassive black holes…”

The astronimcal model of Matrix/DNA Theory is suggesting a different interpretation of same data: died stars are fragmented and its fragments goes towards the galactic nuclei, where a kind of rotative spiral vortex mixes mass with energy coming from pulsars, recycling the material and producing new stars. There are no such things as ghosts black holes eating stars still alive. And the explanation for X-ray emission from galactic nucleus are well explained by the model os electromagnetic spectrum from Matrix/DNA Theory. Ok… it is theory against theory… time and new data will be the judge… see Matrix’s explanations at http://theuniversalmatrix.com/…

 

Tags: , , , , ,